História As Pedras das Inscrições (ItaSaku) - hiato - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Tsunade Senju
Tags Itasaku, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke
Visualizações 413
Palavras 3.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo gente linda do meu cuore, 💓

Muito obrigada pelos comentários e favoritos que recebi. Aquecem minha alma.

Espero que gostem do capitulo e que me desculpem se passou errinhos de português.

Bejinhos de bombom de licor de cereja.🍒🍒🍒

Capítulo 6 - Mudanças de planos


Fanfic / Fanfiction As Pedras das Inscrições (ItaSaku) - hiato - Capítulo 6 - Mudanças de planos

O som estridente do despertador assustou-me, fazendo-me alcança-lo para quase arremessa-lo contra a parede com todo meu chakra super concentrado, todavia, contive minha ira contra o pobre relógio e somente apertei o botão resmungando qualquer coisa indefinível.

Esfreguei os olhos e bocejei; abri a cortina que escondia a janela para deixar os raios do nascer do sol iluminar meu quarto e meu inicio de dia.

Levantei-me extremamente contrariada; olhei para minha cama quentinha... aconchegante... deliciosa... e lancei um olhar comprido e choroso, funguei. Queria muito continuar meu sono encantado de beleza!

- Isso tudo é culpa do Sasuke. Vou esgana-lo a próxima vez que o encontrar por me fazer acordar essa hora. - resmunguei carrancuda e irritada.

Segui todo meu ritual diário e depois tomei meu reforçado café da manhã que era quase um almoço, vesti minha mochila nas costas e segui para a porta da vila onde todos nos encontraríamos.

Caminhava tranquilamente e sozinha em meio as casas e lojas fechadas. Cheguei à hora marcada e lá já estavam Naruto e Itachi encostado no portão de entrada.

Naruto usava seu uniforme laranja de sempre e Itachi vestia camisa e calças pretas, com o símbolo de seu clã arredondado em formato de balão vermelho e branco bordado nas costas, com uma blusa arrastão por baixo. Uma correntia rente ao pescoço dava-lhe um ar super charmoso.

Quando nossos olhos se cruzaram eu corei visivelmente. Senti minhas bochechas esquentarem como se quisessem explodir.

- Bom dia, Sakura-chan. – Naruto sorriu e rapidamente se aproximou – Você está bem? Por que está assim, toda vermelha?

“Ai... que idiota!” Ruminei internamente e agora minha vermelhidão passou a ser pura raiva. Apertei meu punho direito e o acertei em cheio.

- Bom dia, Baka! – murmurei entre os dentes irritada com sua insensibilidade.

- Mas o que é que eu fiz? Posso saber? Só estava preocupado, poxa... isso dói... – fez um bico enorme.

- Vem logo, criança anormal. Agora deixa curar você. – comecei a emitir chakra no roxo que ficou em sua bochecha. - Isso é pra você aprender a ser mais sensível, baka!

- Poxa, Sakura-chan... Às vezes, você me trata como se fosse uma adestradora de animais: bate e assopra.

Itachi abafou uma gargalhada com a mão direita, pigarreando logo a seguir.

- Ela o trata como uma irmã mais velha! – pude ouvir a voz aveludada. Havia uma nota de saudosismo em seu timbre grave o que me fez voltar a ficar vermelha, lembrei que há algumas horas atrás ele me puxou para um abraço nada fraternal e sim bastante caloroso. – Quando éramos da Anbu Kakashi não costumava se atrasar tanto. - falou pensativo.

- Bem... esta é a marca registrada do Kakashi sensei. – disse segura de mim - Ele já teve a capacidade de chegar uma hora e meia atrasado e depois com a cara de tédio mais lavada do universo desculpou-se com a pior desculpa que existe: estava ajudando uma velhinha a atravessar a rua. – Eu o remedei engrossando a voz tentando imitar seu olhar tedioso - E fora outras justificativas bem ridículas iguais ou piores a esta. Agora... – tamborilei o dedo indicador no queixo – O verdadeiro motivo de seus atrasos será eternamente um mistério! - O moreno engoliu um sorrisinho malicioso, quase engasgando com a própria saliva e vai lá saber o que ele pensou sobre este assunto.

Meia hora depois...

Naruto falava sem parar, contava sobre várias missões pela milionésima vez que fizemos e acabei rindo. Naruto, certamente, era um rapaz muito bom.

Uma hora depois...

Vimos a cabeleira prateada caminhando como se nada tivesse acontecido. Eu estava ruminando internamente, xingando impropérios contra o sensei. Como ele ousava nos tirar da cama quentinha e se atrasar uma hora!?! Queria arrancar seus pelos pelvianos, um a um, com uma pinça fervendo.

- Desta vez ele se excedeu! – rangi os dentes, soltando fumaça pelas orelhas e pelo nariz como um dragão e percebi que Naruto estava exatamente igual. – Tenho um plano: você o segura e eu o soco! – ruminei, ajeitando minhas luvas.

- Parece a melhor ideia que já teve em sua vida. – Naruto disse como um autêntico psicopata.

- Kakashi sensei, você está uma hora atrasado! – Naruto e eu vociferamos cuspindo as palavras nos ouvidos do prateado que tapou os ouvidos.

- Desculpem-me. Eu... me perdi pelos caminhos da vida! – disse ele com seu usual ar tedioso.

- Até parece, Kakashi sensei. Suas desculpas esfarrapadas nunca colaram... não é agora que vão colar! – gritei irritadíssima.

- Aposto é que ele estava lendo os livrinhos pervertidos no ero-sennin. – Naruto murmurou entre os dentes com cara de poucos amigos.

- Eu já tenho certeza absoluta é que ele estava, na verdade, pondo em prática o conteúdo de tais livrinho pervertidos. – Itachi disse tranquilamente, divertindo-se com a situação. Corei como um pimentão com seu comentário malicioso.

Kakashi sensei soltou um risinho meio sem graça e coçou a nuca, visivelmente constrangido, provando a teoria de Itachi.

Meu queixo estava caído. Então, afinal... Itachi-kun havia descoberto o verdadeiro motivo dos atrasos do prateado: Kakashi sensei vivia em companhia de alguma mulher e este era o motivo verdadeiro de seus atrasos.

Desta vez até Naruto que era bem lento entendeu o recado do moreno. Kakashi sensei pigarreou e disse:

- Vamos... – falou ele para despistar seu constrangimento.

E começamos a correr e pular entre as árvores para algum destino que não imaginava.

♤ ♤ ♤

O sol brilhava bem acima de nossas cabeças indicando se tratar do meio dia. Meu estômago já denunciava a hora de parar para comer alguma coisa, contudo, eu realmente não precisei...

- Kakashi sensei, vamos parar? Estou faminto – Naruto era sempre o primeiro a reclamar de fome.

- Certo, certo – disse o prateado e começou a desviar na direção de uma clareira próxima.

Montamos um pequeno acampamento perto de lindas raízes expostas; elas eram bons encostos além de serem uma bela visão. O cheiro de terra molhada vaziam-me cócegas nas narinas e dava-me vontade de espirrar.

Lacrimejei segundando o espirro, levantei-me e selecionei alguns gravetos para uma fogueira enquanto Kakashi sensei a acendia-o com uma bola de fogo. Confesso que toda vez que ele fazia isso rezava para o fogo queimar aquela maldita máscara, no entanto, minhas orações nunca foram atendidas.

- Faz mal segurar! – Itachi disse quando lhe estendi um pote com a comida.

- Hum?

- O espirro! – ele disse e sorriu para o lado elevando uma sobrancelha. “Oh, Grande Kami! Por que? Por que tão charmoso?” Pensei e virei-me imediatamente de costas para que ele não visse meu rosto vermelho. “Kamisama, estou pior que a Hinata! Nem quando eu achava que gostava do Sasuke ficava assim!”

Para disfarçar minhas bochechas entreguei o pote para Kakashi sensei que lançou-me um olhar engraçado, divertido e quase cômico. Certamente ia falar alguma coisa sobre meu rosto corado mas antes mesmo dele cogitar a hipótese eu já fui me adiantando.

- Se comentar qualquer coisa sobre isto juro que passara a chegar no horário para as missões, porque perdera a capacidade de procriar. – sibilei entre os dentes.

- Estou bem caladinho! – sua voz era carregada de um divertimento que nunca vi antes.

Quando ia entregar o pote com o alimento para Naruto uma das lesmas de Tsunade apareceu:

- Katsuyu? – eu disse espantada.

- Aconteceu algo? – Kakashi sensei pergunta.

- Sim... vim trazer um recado de Tsunade-sama. – entregou o pergaminho para Kakashi que depois de ler o conteúdo do recado disse:

- Mudanças de planos. A Vila recebeu um pedido de ajuda urgente de uma outra aliada. Teremos que tratar do Sasuke depois, isto agora é primordial.

- Certo! – eu disse e de certa forma me senti aliviada por não precisar encarar o moreno, antigo companheiro de time junto de seu irmão.

E seguimos rumo a nossa nova missão...

Enquanto corríamos Kakashi sensei explicava os detalhes do nosso novo objetivo. O lider do clã Tsuchigumo, há muito tempo atrás, desenvolveu um temido kinjutsu, uma técnica proibida, e depois a lacrou e o escondeu. O forte, que guardava tal técnica, ficava localizado num penhasco solitário e estavam sendo atacado. O guardião do local enviou uma mensagem urgente e corríamos em seu auxílio.

Chegamos a fortaleza e um abismo fundo nos separava do forte. Não conseguiríamos saltar e foi então que vi pela primeira vez aquilo...

- Susanoo – ouvi a voz grave do moreno e vi seu chakra se expandir e transformar-se num gigantesco esqueleto depois ser coberto por uma armadura de um humanoide vermelho com rosto de faraó e asas.

Ele nos segurou com uma mão e voamos para o topo do penhasco, deixou-nos no chão, logo desarmando o Susanoo.

- Parece que chegamos tarde. – disse Kakashi sensei ao constatar o senhor deitado e estirado no chão no meio de todo um cenário de luta. Corri para socorre-lo.

- Somos de Konoha, fique calmo. – eu disse.

- Graças aos Deuses. – murmurou o senhor, quase morto.

Imediatamente comecei a emitir meu chakra curativo. Percebi que se quisesse poderia acionar a Flor da Vida o momento que a requeresse e a cura do senhor seria instantânea. Todavia senti que era algo muito poderoso e que só deveria ser utilizado caso muito necessário. Assim preferi seguir com o tratamento tradicional e inibi o poder da Flor da Vida.

- Deixem-me e ajudem a menina Kotaru. Ela fugiu com Utakata mas a gangue que nos atacou e quer roubar o kinjutso, os seguiu. Ela deve ficar em segurança, o futuro da paz mundial está nas mãos da Kotaru.

- Eu posso ficar e cuidar do senhor. – disse sem parar de o tratar.

- Não minha filha, ela é mais importante. Salvem-na! – ele implorou.

- Todas as vidas são importantes, senhor.

- Itachi... preciso falar com você a sós um segundo. – Kakashi disse e eu estranhei.

Eles se afastaram e fiquei incomodada com aquilo, tentei ver o que conversavam, mas foi inútil.

- Sabe, Naruto! O que será que o Kakashi sensei tem de tão importante para falar com o Irachi-kun.

- Não sei, Sakura-chan. Acho que vou tentar espiar.

Antes mesmo do loiro chegar perto, eles já estavam de volta e eu fiquei ainda mais desconfiada.

- Itachi ficará com você, Sakura. – disse Kakashi – Naruto e eu iremos atrás da menina.

- Certo... vamos logo, Kakashi sensei; estamos perdendo tempo. – este obviamente era o Naruto, hiperativo e agitado.

Continuei emitindo chakra pelas minhas mãos e Itachi sentou-se a meu lado, calado. Parecia pensativo.

Entrei numa paranoia neurótica, talvez sem necessidade, se ele havia ficado assim pelo que Kakashi sensei lhe disse e não me aguentei, acabei perguntando.

- Algo o incomoda?

- Não se preocupe, flor de cerejeiras!

- Foi algo que o Kakashi sensei lhe disse? - Ele virou-se lentamente em minha direção.

- Não, ele só me deu recomendações sobre... a missão e disse-me para cuidar de você com minha vida se necessário e espera-los aqui.

Não disse nada e com estas recomendações tive a certeza de que Kakashi sensei sabia sobre mim. Continuei emitindo chakra e percebi que o senhor dormia. Parei a emissão e olhei ao redor. – Ele precisa se alimentar para restabelecer. Pode me ajudar? Preciso fazer algo nutritivo para quando ele acordar.

E enquanto Kakashi sensei e Naruto seguiram ao encontro de Kotaro, Itachi e eu procurávamos algo para fazer uma sopa e tratar o ancião responsável pelo forte.

Numa exploração superficial, rapidamente encontramos a cozinha e os mantimentos. Tudo estava revirado e isto nos obrigou a investir um considerável tempo para organizar o local.

Aproveitei para analisar o moreno e meus sentimentos por ele. Percebi que toda vez que eu o admirava sentia meu rosto queimar, quase explodia em chamas e para meu completo terror ele pareceu notar, porque toda vez que isto acontecia, ele sorria disfarçado e ligeiramente malicioso.

Resolvi focar no meu trabalho e parei de o observar, era impossível para mim não corar perto dele, então, para conseguir concentrar decidi anular a vontade absurda que sentia de ficar admirando sua beleza masculina.

E assim estava de costas para ele, mexia a sopa displicentemente. Inclinei levemente para sentir o aroma.

- Pronto! Parece nutritiva e cheirosa. – disse e virei em sua direção e esta foi a pior coisa que eu fiz ou talvez a melhor...

Itachi estava sentado à mesa da cozinha me devorando com os olhos. Ele me olhava de cima a baixo e sorriu minimamente ao ver-me ficar inteira vermelha, fazendo meu coração acelerar, descompassado. Ele esbanjava encanto e charme e acredito que nem ao menos ele deva estar consciente que era assim.

Eu senti que meu cérebro estava prestes a explodir de tão quente e sem ar. Respirei procurando me acalmar e não consegui perceber quando ou que horas ou como, o moreno me agarrou pela cintura e arrastou-me, imprensando-me contra a parede da cozinha e elevou-me entre os braços fazendo-me ficar quase da sua altura.

- Não consigo mais resistir a você, Sakura. – seu timbre meigo, grave e macio soprava num ar cálido próximo a meu ouvido.

Ele tocou a pontinha da minha orelha com sua língua e isso foi o suficiente para eu quase perder a consciência.

- Você se torna ainda mais linda por ficar assim toda vermelhinha quando olha pra mim.

A boca de Itachi era extremamente quente e senti sua respiração ofegante em meu pescoço hiper sensível. Fechei os olhos e me entreguei ao momento.

Confiava no moreno...

Sei que ele não faria nada que eu não quisesse e neste caso eu queria, eu o queria mais do que tudo na vida. Queria sentir o toque daquele homem... do homem que eu descobri que gostava.

Sua língua sedosa criava movimentos carinhosos em meu pescoço e suas mãos agarravam minha cintura de uma forma bastante possessiva.

Sentia meu pêlos todos se levantarem e minha pele arrepiar. Uma onda de calor subia e descia pela minha coluna criando tremores e calafrios pelo meu corpo todo.

Aquilo era incrivel e maravilhoso...

Sua boca deixou uma trilha molhada e úmida e trouxe sensações que experimentava pela primeira vez na vida. Senti seus lábios próximos aos meus e antes de toca-los ouvi-o cochichar...

- Você será minha, doce flor de cerejeira e só minha!

Sua língua percorreu delicadamente o contorno da minha boca e arrepios deliciosos povoavam todas as células do meu corpo.

Gemi inconscientemente...

Não sabia o que fazer então entreguei-me e confiei nele. Deixei meu corpo falar por si só, deixei meu corpo sentir o que queria e reagir como bem entendia.

O toque delicado de seus lábios vagarosamente beijavam os meus e foi inevitável: elevei meus braços e o enlacei ao redor do pescoço, trazendo-o para mais perto ainda de mim.

Isto fez com que ele aprofundasse nosso primeiro beijo e pude experimentar pela primeira vez sua língua explorar minha boca como um verdadeiro perito no assunto. Ele dominou-me por completo somente com o toque de sua boca possessiva e voraz. Senti-o faminto... sedento... Por vezes sugava meu lábio inferior e mordiscava-o.

Apertou-me de uma forma muito provocativa e extremamente dominadora.

Algo bastante volumoso espetou-me na altura do baixo ventre e mesmo não tendo experiência alguma no assunto, sabia do que se tratava.

Ele estava altamente excitado e senti seu membro pulsar e apertar meu ventre. Uma satisfação indescritível surgiu em meu interior quando notei que eu era o motivo de toda sua excitação, sua alteração havia sido causada por mim. Sorri jubilosa...

Enterrou o nariz em meu cabelo e inalou profundamente.

- Aos poucos é muito mais saboroso, minha doce cerejinha!

Voltou a me beijar numa deliciosa tortura lenta... Senti algo nunca experimentado antes. Aquilo enlouquecia-me, fazia meu sexo latejar e aquecer. A sensação de algo úmido e viscoso em minha feminilidade fez com que eu mexesse meu quadril de uma forma completamente inconsciente, precisava desesperadamente sentir seu toque... ali, queria liberar aquele delicioso calor torturante que nascia dentro de mim, em minha intimidade.

Itachi era um homem magnético... Forte... Passional...

- A primeira vez que a vi, quando me trouxe de volta, nas ruinas...– mordeu leve o lóbulo da minha orelha e depois acariciou meu pescoço com a pontinha da língua, arrepiando-me – acreditei que estava diante de um ser celestial. Apaixonei-me imediatamente. Depois quando fui reintegrado às funções da vila passei a me importar mais com você do que comigo mesmo. Isto cresceu de uma forma assustadoramente rápida, exponencial. Eu tenho sentimentos extremamente fortes quando se trata de você, minha doce flor de cerejeiras. Eu a desejo de todas as maneiras possíveis e a quero mais que tudo nesta vida. Quero torna-la minha, quero possuí-la e me entregar completamente a você, quero marcar sua alma em mim e deixar minha essência marcada em você.

Ele murmurava no meu ouvido, arrepiando-me dos pés a cabeça.

O que era aquilo? O que ele queria dizer com aquilo? Ele estava... Declarando seus sentimentos a mim?

Meu interior acelerou-se assustadoramente quando meu coração respondeu: Sim, Itachi estava se declarando para mim.

Não sei por quanto tempo aguentaria aquela tortura sedutora.

- Tachi... kun... – ouvi minha própria voz sussurrada, gemida, implorando por ele, eu o queria, eu o desejava e notei que já estava entregue completamente a ele, totalmente preparada para ser possuída por ele, ali, na mesa daquela cozinha.

- Eu quero você, Tachi-kun. – minha voz era manhosa e sensual. Nunca imaginei que seria capaz de produzir aquele timbre sedutor.

Surtiu efeito e ele atacou meus lábios de uma maneira única, sugando-o como se quisesse devora-me completamente através daquele beijo arrebatador, dominador e sensual.

- Ainda não, minha princesa rosácea. Quero que nossa primeira vez seja única e especial.

Vagarosamente e com um semblante dolorido, parecendo fazer uma força sobre-humana, ele começou a se afastar de mim e pude ver o volume bem dotado do seu membro apertado dentro das calças pretas. Estava meio hipnotizada olhando para Ele, obviamente corei muito ao nota-Lo e realmente Itachi parecia vangloriar-se disto; não consegui ver como mas ele aproximou-se, novamente. Foi rápido como uma pantera negra quando ataca sua presa, puxou-me pela nuca, voltando a beijar-me.

- Não resisto, princesa rosada. Você é linda de mais assim, toda vermelhinha. – disse e voltou a atacar-me, voraz.

Beijou meus lábios deixando-os inchados, permanecemos aos beijos por um certo tempo.

- O ancião acordou! – ele disse findando o caloroso e avassalador beijo com vários micro selinhos carinhos por todo meu rosto. – Melhor dar-lhe a sopa. – sorriu de lado, sedutor... Charmoso...

Será que ele sabe o poder de sedução que possui e o estrago generalizado que causa em mim?”

Pigarreei e aprumei-me ajeitando minhas roupas, estava corada, mas teria de acostumar com sua parecença e todo seu feitiço e atração.

Esquentei levemente o alimento e coloquei num recipiente próprio.

- Depois devemos comer algo também. – disse tentando voltar ao meu normal.

- Queria mesmo devorar cerejas, mas esperarei para quando elas estiverem extremamente maduras. – murmurou isso em meu ouvido e depois riu abafado e sensual. Não preciso comentar o estado em que me encontrava; fiquei vermelha dos pés a cabeça, entendendo o dublo sentido obvio da frase do moreno.

Saí sendo seguida por Itachi que olhava-me descaradamente agora. Senti seus olhos devorar-me de costas para ele. Esbocei um sorrisinho gratificante, andei rebolando ligeiramente os quadris como se desfilasse para ele.

Pela primeira vez estava sendo retribuída, observada, desejada e era delicioso...

Continua...


Notas Finais


1 Eu estou bastante enrolada com projetos de trabalho, então, vou passar postar cada uma das três fics que atualmente escrevo uma vez por semana, num dia específico:
A Paixão do Último Uchiha: terça.
Possua-me, Kakashi sensei: quarta
As Pedras das Inscrições: quinta
Espero que entendam!

2 Trechos do próximo capítulo:
“Entrei num turbilhão, um redemoinho de perguntas e de repente vi-me num ambiente completamente branco luminescente e um homem ruivo lindo, com olhos verdes muito semelhantes aos meus. Ele possuia desenhos num dos braços e sorria.”

Quem será este? 😉😉😉😉
Muitos bejitos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...