História Ascensão em Xangai - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 1
Palavras 3.478
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Vai que ela gosta


Fanfic / Fanfiction Ascensão em Xangai - Capítulo 3 - Vai que ela gosta

Precisamos da tarde toda para reorganizar os quartos, ajudei o Julien a selecionar alguns móveis da sala de estar e em seguida, finalmente, pode terminar de desfazer minhas malas e guardar as minhas roupas.

- E aí, como está se sentindo com seu novo quarto?

- para mim é um incentivo a desfazer as malas e arrumar tudo do jeito que eu quero.

- rs foi assim que eu me senti quando me mudei para cá.

Lhe dou um sorriso. - ainda está um pouco vazio, mas amanhã eu vou dar uma volta por aí eu vou comprar umas coisinhas.

- coisinhas de garotas...

- coisinhas de garota!

- você vai comprar lençol com de rosa e cheio de pompons?

- com certeza, e ursinhos de pelúcia para colocar por todos os cantos do quarto!

Nós rimos muito! Será que ele realmente está achando graça dessas bobagens? Ou será que ele ri das minhas piadas apenas por educação? De qualquer forma, nunca imaginei que alguém iria achar graça das minhas idiotices.

- já que eu vou pra Pequim amanhã, não poderei lhe acompanhar nas compras.

Dou um sorriso largo para tentar amenizar a minha próxima frase. - mas eu nem pedi pra você me acompanhar.

- aqui em Xangai nós usamos cartões para pagar transporte, seja ônibus, metrô ou táxi. - ainda bem que ele não ficou sentido pelo corte.

- Ah, acho que já me falaram sobre isso.

- Então vou deixar meu cartão contigo, ou podemos ir juntos comprar um pra você amanhã.

- sou uma menina grandinha, acho que posso comprar meu cartão.

- não, eu não quis dizer isso, eu só queria ser útil... - Julien faz uma pausa como se não tivesse certeza se prosseguia ou não, mas resolveu continuar. - sei que estamos em uma sociedade patriarcal onde os homens gostam de lembrar que são eles quem dominam, mas às vezes nós só queremos ajudar.

- Foi mal, às vezes é difícil saber a diferença. Mas você ganhou créditos por isso.

- Haha voce simplesmente deixou sua família e seu país para tentar a sorte do outro lado do mundo. Não me resta dúvida de que você é perfeitamente capaz de comprar um cartão de metrô. - eu sorrio.

- a propósito, você ainda não me disse se pretende arrumar algum emprego por aqui.

- pretendo sim.

- há um escritório de contabilidade que não fica muito longe daqui.

- ah nem pensar. Na real eu queria mesmo ser fotógrafa.

- igual seu pai?

- Ah não, não estou interessada em jornalismo. - balanço a cabeça de um lado para o outro. - Talvez eu comece com festas de casamento, gestantes ou bebês. Algo assim.

- ahaha então você tem mais paixões além de ursinhos de pelúcia?

- nem tanto, na verdade eu queria mesmo fotografar paisagens, mas acho pouquíssimo provável disso acontecer.

- talvez não logo de cara.

- como assim?

- imediatamente talvez você não consiga, mas tenho certeza que sua hora vai chegar.

- como você sabe? Nunca viu minhas fotos...

- então, né...

Faço uma cara de incompreensão.

- não sei com que cara vou te dizer isso, nem sei se eu deveria dizer, mas já que você pretende morar aqui...

- para de enrolar, Julien. - digo apreensiva com o que está por vir.

- eu mais ou menos abri seu álbum de fotos quando tava te ajudando a arrumar o quarto. - Julien parece muito sem graça.

- a arrumar o quarto? - tenho uma expressão um pouco cínica, mas me seguro para não rir de nervoso.

- ok, ok, eu admito que vi dois álbuns de foto em cima da sua mala, daí eu peguei e levei pro meu quarto, dei uma olhada e pus de volta...

- mas isso é invasão, tecnicamente você mexeu nas minhas coisas...?

- mas eu amei todas! Principalmente as que você tirou na La Defense, elas estão com uma assimetria perfeita!

- ah, é verdade que eu trabalhei muito... Não, para! Você tá mudando de assunto!

Julien abaixa a cabeça fingindo remorso. - Sim, eu fiz isso mesmo. - ele levanta a cabeça e gesticula. - Mas era tão tentador, eu amo fotografia! E pra ser honesto, eu adorei suas fotos, por isso estou dizendo que você é boa e se fotografar casamentos ou bebês vai ser ótimo!

- É, é verdade, mas de qualquer forma é só uma ideia, nada disso está em prática. E eu tenho que ser ágil porque logo logo o dinheiro vai acabar...

- bom, se você quiser, pode trabalhar no Editors.

- Isso seria ótimo, mas não tenho experiência praticamente nenhuma!

- De boa... Eu gosto de recrutar artistas ainda desconhecidos, o Seb é um bom exemplo disso, ele tá trabalhando pra mim até conseguir se sustentar só com a música.

- Ah é?

- É, infelizmente daqui um tempo vou precisar de outro barman, o Seb é muito bom e tem feito sucesso, o pessoal daqui ama o estilo "berliniano".

- Então ele tem inspiração nos shows de Berlim?

- Melhor do que isso, ele tá realmente importando todo esse conceito de música. Ele é natural de Berlim e era bem conhecido no cenário tecno de lá e agora, em Xangai, não tá sendo diferente, a galera jovem curte pra caralho.

- Como são esses eventos do Seb?

- Bom... Ele encontra lugares sinistros em túneis subterrâneos, usa uns equipamentos muito fodas e toca uma mistura meio tecno meio lenta por horas e horas.

Sorrio grade. Agora estou morrendo de vontade de ir em uma dessas baladas.

- Por que você não vem hoje a noite no bar e pode conversar mais com ele sobre isso. Tenho certeza que ele vai ficar mega FELIZ em te explicar tudo... E conhecendo a atmosfera do bar você pode decidir se vai trabalhar lá.

- De boa, eu vou então!

- Maneiro, a gente sai às 19h.

- Ok. Deixa eu te perguntar, como faço para conectar a internet? Já liguei o Wi-Fi mas os sites não abrem.

- É, bem-vinda à China! Instalei um VPN, o governo não gosta muito do Google, então você tem que instalar um firewall. - eu só balanço a cabeça fingindo que estou entendo tudo. Será que a tecnologia é tão avançada assim aqui em Xangai?

- Ah, eu nem tinha pensado nisso, mas realmente vou precisar divulgar o meu trabalho na internet, então tenho que aprender tudo isso...

- Vai, principalmente as redes sociais chinesas. A Amy é muito boa nisso, ela deve poder te ajudar.

- Amy? Que nome bonito!

- você gosta? Rsrs ela vai estar lá no bar também.

- haha mais uma funcionária!? - digo tirando sarro. Julien fica em silêncio. Vish, pelo visto ela também trabalha pra ele. Meu companheiro continua a mexer no meu computador.

*Mais tarde, naquela noite.*

Há uma placa no poste com o desenho em neon de um hambúrguer e uma seta. Então aqui é o tão famoso café/bar do Julien. O lugar é muito bonito. No alto, em letras amarelas é possível ler "CAFÉ DES EDITEURS" também em neon com o fundo vermelho. O ambiente tem luzes baixas que torna o lugar vem atrativo. Do lado de fora, na calçada, há um balcão onde as pessoas podem fazer seus pedidos para viagem e do lado de dentro também o mesmo balcão e várias mesas e cadeiras de metal vermelho. No final do salão há uma escadaria pro segundo andar. Dou de cara com o amigo do Julien que está do outro lado do balcão mexendo no celular, como sempre.

- Louise, você já conhece o nosso barman, Seb.

- e aí? Já se instalou no novo quarto?

- Já sim. - sorrio pra ele.

- Essa é a Amy, também trabalha aqui.

Amy tem cabelo estilo Joãozinho, ruivo tingido, usa óculos de grau e aparelho nos dentes. Sua boca é pequena e com lábios finos, olhos cor de mel e tem fones de ouvido pendurados no pescoço.

- Oi, então você vai substituir o Cristopher?

- É...

- Talvez, Amy, - Julien responde por mim. - a Louise veio conhecer o bar primeiro. - ele olha pra mim. - Cristopher trabalhava aqui, mas voltou para a França semana passada. Eu ia anunciar uma vaga aqui, mas se você quiser pode ficar no lugar dele.

- Ótimo, se você não tiver medo que eu quebre uns copos.

Julien dá uma boa risada. - Você pode começar amanhã.

- Tá combinado então!

- Você veio a Xangai estudar? - Amy pergunta meio tímida.

- Não, na real eu quero mesmo começar uma carreira como fotógrafa.

- Louise tem talento, eu vi as suas fotos! - Julien diz com segurança.

- Bacana! Além de ser garçonete aqui, tenho uma loja online onde vendo roupas.

- legal, e você consegue vender bem?

- aham, eu poderia viver só com a minha loja, só não deixo de trabalhar aqui porque o Julien não suportaria viver sem mim nesse bar! - gostei dela, a Amy vai zoar o Julien junto comigo! KKK

- isso é verdade, eu realmente não suportaria te ver ignorando a mesa 8.

Amy olha o pessoal sentado na mesa 8, eles acenam para ela. - Pode deixar, chefe! - ela caminha para anotar seus pedidos.

- Senta aí no bar, Louise, eu tenho que ver umas coisas lá em cima, mas juro que não demoro.

- O que tem lá em cima?

- O depósito de estocagem e o escritório.

- ah, ok.

- Não vou demorar, mas fica à vontade pra pedir algo para comer. - ele me oferece o cardápio.

- ok, talvez mais tarde.

Sento-me na banqueta do bar bem de frente ao Seb que está digitando no celular enquanto espera os pedidos.

- Ei, Seb!

- Oi, quer alguma bebida?

- Uma cerveja, por favor.

- Lager ou branca?

- Lager. Ou pils se você tiver.

- Beleza, só um minuto, tá? - Seb continua digitando.

- Uma emergência no seu celular?

- Pode se dizer que sim. Tô organizando um evento que vai acontecer hoje, o cara do equipamento teve um imprevisto e não vai poder entregar no local, pediu pra eu ir buscar.

- Puts... Sem um sistema de som fica complicado.

- O problema é que ele devia ter me avisado antes, eu não vou ter tempo de ir lá.

- Se eu puder ajudar...

Seb balança a cabeça negativamente. - Vou tentar resolver sozinho, mas valeu pela oferta!

- Como você vai fazer?

- Tô conversando com a Maria aqui pra ela ir pegar as caixas e o meu mixer. - Ah, então Maria deve ser a namorada, é melhor ser mais prudente com ele.

- Maria é sua namorada?

- Não. Assim, ela é minha namorada no sentido de amiga colorida, a gente namorou por um tempo, mas não deu certo.

- Por quê?

- O temperamento dela é impetuoso demais pra mim, eu vivia estressado e de mau humor.

- E agora vocês se pegam, né? Entendo. - ele sorri sem graça e depois volta a digitar.

- Mas e você? Você deixou seu príncipe encantado no altar pra fugir pra Xangai, país das almas torturadas?

- Como assim?

- Você vai ver, todo europeu que chega aqui tem uma história, um passado pra contar. Não sei explicar, mas todos tem!

- Haha tem que ser um pouco louco pra decidir ir ganhar a vida na China, né?

- Puts, com certeza! Dá pra perceber pela maneira que eles veem aos meus shows pra descontrair.

- Ah, tecno pra esquecer os problemas acontece no mundo todo. Também há um monte de drogas por aqui?

- Shhhhiu! - Seb quase pula no balcão para tampar minha boca e olha a nossa volta. - Aqui não é Berlim, Louise! Aqui você não pode dizer essas coisas!

- Ah, foi mal!

- Se você quer mesmo saber, vai encontrar sua resposta se vier ao clube hoje.

- Isso, Louise, vamos ? Eu vou também, vai ser maneiro! - Amy surge do além. Desde quando ela tava ouvindo isso? Ah que se dane, não vai ser hoje que eu vou começar a me importar com a opinião dos outros.

- Não sabia que você ia, Amy.

- Pois é, Seb, mas a Maria vai me matar se eu não for. - ela faz uma cara de insatisfação. Maria? A mesma Maria ex namorada/atual ficante do Seb é a mesma que vai matar a Amy?

- Uau, vocês todos parecem se conhecer muito bem... - digo impressionada com esse rolo deles. Se eu estiver certa, será melhor não me meter entre eles.

- Nós estrangeiros logo nos tornamos uma família. - Diz o Seb.

- Ah, claro. Quando fiz intercâmbio foi assim também, já que eu não falava alemão na época.

- Isso, quando cheguei aqui em Xangai também não falava chinês, demorou muito pra eu fazer amigos, foi muito mais fácil me aproximar de europeus. - Amy conta.

- A gente pode falar sobre comida e reclamar um pro outro. - Seb diz e nós três rimos.

- Sendo assim é isso, vou ao clube hoje!

Pensei em pedir um hambúrguer e ler um livro enquanto espero o bar fechar. Aqui está bem mais cheio agora do que quando eu cheguei. Seb não têm tempo para me dar atenção e a Amy tá correndo de mesa em mesa. Na real estou um pouco entediada quando o Julien finalmente volta.

- Já pediu um hambúrguer?

- Não, mas eu vi que vocês fazem hambúrguer vegetarianos, isso é da hora. Você fica na cozinha?

- não, é o Tao que fica lá dentro. Acho que o horário dele já acabou e ele foi embora, por isso perguntei se você já pediu.

- Talvez ele tenha ficado pra tomar uma, né?

- Acho isso pouquíssimo provável. Não faz parte da cultura chinesa beber após o trabalho. Como você pode ver há vários franceses aqui.

- verdade, ouvi várias pessoas falando em francês, mas isso é muito estranho, na verdade.

Julien concorda. - Eu tô meio agarrado aqui, você pode conversar com a Amy ou o Seb.

- ah, eu conversei um pouco com eles, eles são muito legais. O Seb até me convidou pra ir ao evento dele hoje.

- Haha o Seb entitula seus eventos como "noites em Berlim".

- Haha eu vou também, você vai?

- vou! Olha, eu realmente tenho que ir cuidar das minhas faturas agora, deixei acumular semana passada, agora tá uma catástrofe. Tenho que finalizar isso hoje porque não vou estar aqui amanhã de manhã.

- Você vai sair que horas?

- Meu avião decola às 8:00.

- então você não vai nem dormir?

- Eu durmo durante o voo.

- Uau, não sei como você consegue! O meu plano pra amanhã é não acordar antes de meio-dia!

- Haha durma por mim. - Julien diz enquanto dá uns passos para trás e depois vira por completo para, novamente, subir pro escritório do restaurante e eu retorno a minha leitura.

São 22:35 e o bar começa a esvaziar, apesar disso ainda há vários pedidos para Seb e Amy atenderem. Eu bem de boas lendo, quando alguém fala comigo.

- Boa noite! Com licença... - levo um susto.

- Boa noite. - é um homem vestindo um blazer marrom um tanto quanto... Desatualizado.

- posso me sentar aqui?

- Sim, claro... - tiro as coisas da banqueta a minha direita para que o homem sente.

- Geralmente eu sento onde você está, mas vou fazer uma exceção.

- Ah me desculpa, eu não sabia. - eu recolho meu livro é minha cerveja para me levantar.

- não, eu tô brincando, fica aí! Gosto desse lugar porque a iluminação é melhor pra trabalhar.

- Sério? O que você faz?

- Corrijo provas... É necessário uma cerveja pra conseguir trabalhar bem.

- Professor então?

- Sim, dou aula na universidade Jiao Tong.

- Ah, acabei de me mudar, não faço ideia de onde seja.

- Não é longe daqui.

- Um professor que corrige suas provas em bares, que sexy! - brinco.

- Rs só não me peça para falar mais sobre meu trabalho porque você vai me olhar estranho depois. - eu ri, ele tem bom humor.

- Geeks são maneiros... Voce vem sempre aqui no Editors?

- Sim, eles têm uma boa cerveja e ficam abertos até tarde, isso é um diferencial nessa cidade.

- Você não é daqui, né? Desculpa, esqueci de me apresentar, sou Louise. - eu estendo a mão.

- Meu nome é Noa. Eu sou de Paris, faz um ano e meio que moro em Xangai, mas antes disso eu morei na Suíça, em Zurique.

- Legal, você trabalha como professor a muito tempo?

Noa balança a cabeça. - em universidades faz cinco anos.

- Sou de Sans, mas morei em Paris durante a faculdade. Deixei a França a alguns dias, mas provavelmente não pelos mesmos motivos que você.

- Me divorciei e não conseguia mais ficar em Paris, me ofereceram uma posição aqui e eu vim... A qualidade do ar não é tão boa, mas é muito mais fácil de viver aqui, se é que me entende. - eu hesito em rir.

- Falando sério, eu posso me sentar em outro lugar, de boa.

- não há necessidade, não há quaisquer documento para corrigir hoje, só saí pra dar uma volta, afinal passei o dia todo trancado em casa, estava ansioso para ver o mundo exterior.

- haha é compreensível.

- você também gosta ?

- sim, quando eu estava prestando vestibular passava o dia em casa, estudando, eu mal via a hora de sair a noite pra dar uma volta pela cidade.

- outra fã de passeios noturnos pela cidade. Você deve estar gostando de Xangai.

- na verdade eu não tive a oportunidade de sair andando por aí, cheguei aqui há dois dias...

- Ah, deixe-me dar-te as boas-vindas, primeiramente. Você chegou em uma boa época do ano, as noites são frescas e se sair antes de meia-noite todos os prédios ainda estão iluminados. É ótimo!

- da hora! Gostaria muito de ver isso!

- Bom, - ele olha o relógio de pulso. - são 23:00, ainda temos uma hora.

- Beleza, você vai me mostrar o percurso das minhas próximas noites em claro.

- Nesse caso nós provavelmente vamos nos encontrar lá. - sorrio, isso me parece uma boa ideia. Sou muito extrovertida e gosto de fazer amigos. A ideia de ficar em casa assistindo TV não me agrada nem um pouco!

- Só preciso avisar o pessoal, já volto. - ando em direção a Amy que está com uma bandeja para entregar um pedido. - Amy, vou dar um rolê com o Noa, você viu os meninos?

- Devem estar lá em cima, eu os aviso que você saiu e peço pra eles te enviarem o endereço por mensagem.

- Ah, beleza!

- Julien tem seu número, né?

- tem sim, te vejo mais tarde!

- Até mais!

Pego minhas coisas e saio atrás do Noa.


- Você viu a Louise? - pergunto ao Seb.

- Amy disse que ela saiu com o professor de física.

- quê?? - indago, tenso.

- A Amy disse a ela que você iria enviar o endereço por mensagem, mas logo em seguida a Louise deixou o celular no balcão e saiu... - faço uma cara de insatisfação que é notória a qualquer um!

- É, mano, parece que não será você quem vai colocar ela na cama hoje... - ele provoca.

- Cala a boca, Sebastian! - digo irritado. Como ele ousa falar isso?

- É só zoera, man! - Seb tá com um sorrisinho que, se ele não fosse meu melhor amigo, eu poderia dar um soco na cara dele. - Mas olha só pra você, não há como negar que você gosta dela! Ta escrito na sua testa!

- Eu realmente encontrei um tesouro muito especial... - gosto mesmo da Louise, eu já havia desistido de encontrar alguém. Ela me trouxe alegria de novo. - E você só tá de olho nela porque ela não te dá moral!

Sei que estou um pouco alterados. Será que a Louise realmente foi com aquele cara? Ah, eu não acredito no Seb, ele deve tá curtindo com a minha cara! Vou em direção à Amy, ela está a uns cinco metros de distância e com certeza ouviu a minha discussão com o Seb.

- Amy, o que o Seb falou...

- É verdade, Julien, - me interrompe antes que eu termine de falar. - Louise me disse que ia sair com o professor. Sinto te informar que tu vai ter que encontrar outra namorada. - Não consigo dizer nada, tô indignado. Será que ela vai... Vai! Claro! As mulheres são todas iguais, empolguei-me muito rápido com a Louise.

- Você também, Seb! - Amy completa. - Melhor parar de dar em cima daquela garota. Vocês nem conhecem ela direito!

- Hmmm, veremos. - o Seb me olha com desafio.

- Não ligo. - tento parecer o mais calmo possível. - No final das contas ela vai voltar pra dormir na minha casa. - retruco querendo ficar por cima da situação.

- E eu ainda tenho a Maria. - Seb dá um sorriso de lado. Essas nossas competições ainda vão nos matar. Eu rio por dentro.

- Haha só se for nos seus sonhos porque a Maria tá comigo! - Nesse momento a Amy parece acordar para a discussão, é só falar em "Maria" que ela pira. - E outra, Julien, quem te garante que a Louise vai voltar pra casa?

- O professorzinho não me assusta, ele é velho demais pra ela, ela logo logo vai ficar entendida... - tento imaginar os dois juntos agora e a única coisa que eu consigo sentir é revolta. - O que ele pode fazer pra ela? Mostrar as estrelas? - com tom cínico, digo.

- isso é romântico, Julien, vai que ela gosta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...