História Assassins suit riders - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Got7
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Jackson, Kris Wu, Mark, Tao, Yugyeom
Tags Agente, Baekhyun, Baekyeol, Bambam, Bamyeom, Chanbaek, Chanyeol, Jackson, Kris, Mark, Markson, Tao, Taoris, Yugbam, Yugyeom
Visualizações 233
Palavras 2.182
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Lemon, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Interpol.


Fanfic / Fanfiction Assassins suit riders - Capítulo 8 - Interpol.

BamBam Pov’s

BamBam: Você está bem? – Cheguei perto dele que estava recarregando dois fuzis.

Tao: Estou.

BamBam: É mesmo? Não parece. – Peguei as duas metralhadoras e comecei a recarregá-las.

Tao: Só que... apontaram 3 fuzis pra ele e ele disse pra não dar o pen drive, quer dizer...

BamBam: Somos treinados para isso, não importa se vale a vida.

Tao: Ele nem hesitou, ele só chegou e falou “Não dá”, ele achou mesmo que eu não ia dar, três fuzis e ele não tremeu na base?

Mark: Ele já teve coisas piores. – Chegou ali com duas armas, colocou em cima da mesa e caminhou para o armário para pegar as munições.

Tao: Tipo o que?

Mark: Bombas... a questão aqui é: Baekhyun não sente medo, ele ri na cara da morte... – Voltou com a caixa de munição. – Digo isso pelos anos que trabalhei ao lado dele... ele não vacila, é rápido, bom de luta, diria que é melhor de luta do que com armas. – Olhei Baekhyun dormindo na cadeira.

Chany: Ainda não me acostumei com isso. – O olhei e eles vinham tomados banhos e trocados de roupa, roupas que emprestamos pra eles.

BamBam: É como nos filmes, a diferença é que o mocinho pode morrer no final.

[...]

- Saudações, meus soldadinhos. – A olhei e ela entrava no galpão com mais uns 10 homens e uma garota toda de couro preto super justa, foquei em seu cinto na cintura, continha duas pistolas pretas com detalhes em rosa, usava botas com compartimentos dos lados, ambos com duas facas, também com detalhes rosa.

Seus cabelos castanhos claros estavam presos em um coque frouxo e a touca da blusa estava sobre eles, seus olhos azuis eram tão claros que duvidava se ela enxergava algo com eles. Usava luvas pretas, quando ela parou, notei a metralhadora nas costas dela.

Se a intenção era chamar a atenção, ela conseguiu

– Tao, Kunpimook... – Nos olhou, eu dei as costas a ela e sentei na escada.

Tao: Pensei que tivesse dito que não queríamos fazer alarme, Sra.Belchior. – Ele estava carregando uma arma, quando terminou, disparou contra um alvo. Todos os homens que a acompanhavam pareciam ter ficado meio tensos.

- Não estou fazendo alarme.

Tao: Não? – A olhou e abaixou a arma colocando no cinto. – Então começa dizendo porquê... – Fungou ajeitando o mapa na mesa. – Tem 10 homens de preto aqui dentro...? É uma festa e não fomos convidados?

- Estão me acompanhando apenas, ninguém veio atrapalhar seu serviço.

Tao: É bom assim. – Sim, até Belchior se calava diante dele.

O idiota ainda diz que não é o melhor.

BamBam: Quem é a power ranger? – Perguntei amolando minha faca na escada. Olhei para eles passando a lamina no dedo e a garota tirou a touca da blusa.

Mark: O que ela está fazendo aqui, Belchior?

Baek: Não acredito! – Ele saiu correndo tão rápido que quase tropeçou, abraçou a garota e Mark estreitou os olhos enquanto andava para de trás da mesa, se curvou apoiando os braços na mesma e fitou a garota.

- Ela está aqui para ajudar, receio que estão com problemas.

Tao: Ajudar? E você faz o que? – A garota o olhou desafiadoramente.

- Só mostro minhas habilidades quando estivermos em ação. – Tao a fitou, ele odiava isso.

Mark: Acho que essa roupa está impedindo sua circulação sanguínea para o cérebro, compra uma mais larga.

- Ela ficará, é claro, se vocês aceitarem.

BamBam: Quantas?

- 621.

Tao: Número grande, sabe lutar?

- Mas é claro, muito melhor que o Mark. – Mark endireitou e ia rebater, mas Tao tocou em seu braço.

Tao: Tanto faz. – Olhou Belchior. – Eu só... não sou babá de ninguém, a Penelope ai que se vire sozinha.

Baek: Ah gente, para com isso, ela é tão legal. – Sorriu.

Mark: Ta brincando comigo? – Tao o olhou.

Tao: Eu não to nem ai para quem entra por essa porta, quem fica ou quem vai, eu só estou aqui para meter bala na cabeça do Burk.

- Decidido você, não é mesmo?

Tao: Você não? – Arqueou a sobrancelha.

Mark: Eu não quero.

Baek: Eu quero. – Bateu palminhas e todo mundo me olhou.

Levantei e enfiei a faca no compartimento na cintura.

BamBam: Tanto faz. – Os quatro aparecerem e vieram para perto de nós, mais especificamente, se esconderam atrás de nós com medo daqueles homens.

- Quem são? – Belchior perguntou.

Tao: Ninguém.

- Não são os reféns do Burk?

Baek: Estão com a gente.

- Sabem que é proibido.

Mark: Estão em perigo.

- Nós podemos cuidar deles, vocês estão em missão. – Tao disparou três vezes contra um alvo e todo mundo se calou.

Tao: Deixa eu... te explicar uma coisa, Belchior... Eu não trabalho pra você, eu trabalho pra CIA, como eu pedi demissão da CIA, eu não trabalho pra CIA, eu trabalho para mim mesmo... Então, Kris vai ficar comigo, ninguém vai cuidar dele, eu irei cuidar.... – A olhou. – Você tem algum problema com isso?

- Como vai cuidar dele em missão?

Tao: E você quer que eu deixe os quatro com você, pra você leva-los para casa, deixar uma escolta com eles, como o trabalho do FBI é tão maravilhoso pra não dizer outra coisa, eu não dou 1 dia para Burk pegá-los novamente.

- Zitao! Não admito que fale assim do meu serviço, eu servi o FBI por...

Tao: 30 anos... Chefe do FBI por 24. – Ela se calou. – Mas eu não disse que seu trabalho é ruim, eu disse que o FBI é ruim, não é à toa que Victória escapou de uma prisão de segurança máxima... então, ou os quatro ficam, ou você pede para a power ranger rosa ai pegar o Burk e eu estou fora.

- Não pode fazer isso, Burk iria atrás de você. – A garota afirmou e eu ri, ela me olhou. – Do que está rindo?

BamBam: Burk iria atrás de nós? – Ri novamente e escorei no corrimão. – Forjamos nossa morte por dois anos e nem o FBI nos achou, quanto mais um mafioso de meia tigela.

- Vocês podem ser bons, mas... – Tao a olhou e estreitou os olhos. – Precisam de mim, e sabem que precisam.

Tao: Ela fica se eles ficarem. – Yugyeom estava tremendo todo do meu lado, o olhei e segurei sua mão.

- Está bem... – Belchior concluiu. – Essa é Layla, agente 92, boa sorte a todos.

[...]

Baek Pov’s

Tao: Vamos proteger a base militar antes que ele ataque e pegue o chip, sugestões?

Mark: Parece um bom plano. – Tao olhou o BamBam.

BamBam: Fico na sala de segurança. – Deu de ombros.

Layla: Não, isso seria arriscado.

Opa, é melhor ela ficar quieta.

Mark: Se eu fosse você não iria por esse lado. – Ele ajeitou a arma na cintura e cruzou os braços.

BamBam: Está... me dizendo o que eu tenho que fazer? – Arqueou a sobrancelha.

Layla: Deveríamos ficar todos protegendo a base militar.

BamBam: Vou ficar na sala de segurança. – Respondeu secamente, olhou Tao, bateu a arma em cima da mesa com força, se virou e saiu.

Sentamos e fingimos que nada aconteceu.

Yug: O que foi isso? – O olhei e ri.

Baek: BamBam... odeia receber ordens que não sejam do Tao.

Chany: Isso parece ruim. – Sorri. – Para ela, que criou inimizade com ele, eu não criaria inimizade com ele, na verdade eu não criaria inimizade com nenhum de vocês.

Layla: Você parece com medo.

Chany: Estou numa sala com 5 assassinos, era para estar feliz? Mas como você sabe disso?

Baek: Ah, ela... é boa analisando as pessoas.

Kris: Duvido, isso foi só um palpite, qualquer um estaria com medo.

Layla: O loirinho ali é muito carinhoso. – Jack arregalou os olhos e Yugyeom levantou a cabeça.

Yug: Como sabe disso?

Jack: Ah, Yugyeom, gente, não é difícil saber isso, é só olhar para a cara dele.

Layla: Você tem tudo para ser um cafajeste, mas prefere se prender a uma pessoa só. – Olhou o Kris.

Chany: Ta bom, agora eu to com medo.

Layla: Você é carinhoso, mas muito galinha. – Olhou Jack.

Chany: Muito medo. – Ri e o beijei na bochecha.

Kris: Uh, você é boa.

Mark: Você fala isso de todo mundo aqui.

Kris: Porque todos são bons. – Sorri.

Tao: Ele tem razão, você é boa... O que mais você sabe fazer?

Baek: Ah deixa eu falar, ela só precisa de 1 minuto.

Jack: Pra sexo? – Gargalhamos.

Baek: Não idiota.

Tao: Quando falamos que a pessoa só precisa de tantos minutos, se refere a quantidade de minutos que ela precisa para descobrir qualquer coisa em uma conversa, onde você mora, quem é sua família, quem é você, o que você faz... essas coisas.

Yug: Moleza, Jack quantos irmãos você tem?

Jack: Filho único.

Yug: Onde você mora?

Jack: No prédio perto da faculdade. – Segurei o riso.

Yug: Faz faculdade do que?

Jack: Educação Fisica.

Yug: Viu? Descobri a vida dele toda em... – Olhou o relógio no pulso. – 30 segundos. – Comecei a rir e encostei no Chanyeol.

Mark: Uma fofura, mas tenta descobrir isso sem perguntar.

Yug: Uh, parece complicado, eu teria que ter algum tipo de poder, telepatia, mais especificamente.

Chany: Você tem que parar de assistir desenhos. – Rimos.

Tao: É quase isso, mas você só precisa entrar na mente da pessoa...

Yug: Alguém deveria ir atrás do BamBam.

Tao: Eu não faria isso.

Yug: Ele não vai brigar comigo. – Saiu andando e os outros nos olharam.

Chany: Ele não vai brigar, né?

BamBam Pov’s

Yug: Oi. – O ignorei e continuei mexendo no computador. – Está bravo comigo também? – Se aproximou e eu me afastei.

BamBam: Não, só me deixe quieto.

Yug: Não quero. – Afirmou com uma voz de bebê, sentou na outra cadeira e se aproximou lentamente esperando para ver se eu me afastaria, mas acabei sorrindo com seu jeito infantil. – Então você não gosta de receber ordens? – O fitei. – Contraditório já que trabalha como um agente. – Ri e ele me puxou para sentar em seu colo.

BamBam: Estou rindo, mas ainda estou bravo.

Yug: Temos um surto de bipolaridade aqui. - Sorri e o beijei.

[...]

Baek: Más noticias, Burk está agora nos Estados Unidos novamente... mais especificamente, Los Angeles.

BamBam: Onde fica a base principal militar.

Baek: Ele vai atacar a base e pegar o chip, ou seja, Burk está 13 horas a nossa frente.

Tao: Se preparem, vamos para Los Angeles.

Layla: Espera, ele não vai atacar a base militar...

Tao: O que quer dizer?

Layla: Ele vai atacar a interpol.

Baek: Que? Não faz sentido, o chip está... – Ele parou.

Layla: Sendo levado para a interpol.

Tao: Esperta, bom trabalho.

15 horas depois

Estados Unidos,

Los Angeles

Yug: E vocês vão fazer o que?

BamBam: Ir para a interpol e pegar o chip.

Baek: Os alarmes da interpol foram acionados.

Mark: Burk está no lado sul da cidade.

Tao: Mark vai para a interpol, leva BamBam e Baek com você... Eu e a Layla cuidamos do Burk.

Baek: Vocês fiquem aqui, tem 30 homens do lado de fora dessa base... não se preocupem. – Sim, estávamos na base do FBI de Londres.

Chany: “Não se preocupe”, ele diz, tem um maluco querendo me matar e ele diz “não se preocupe”, mano... eu só servia café. – O olhamos.

Layla: Burk quer vocês mortos, vocês ouviram demais enquanto foram reféns, então... tomem, fiquem com isso. – Ela tirou do cinto um rádio. – Apesar de achar inútil já que tem 30 homens, só do lado de fora.

[...]

Mark: Isso aqui parece uma cidade fantasma. – Falava no aparelho do meu ouvido. Acelerei mais e olhei para trás, Baek estava logo na minha cola.

BamBam: Parece que estamos no toque de recolher.

Baek: Trinta segundos até chegar na interpol.

Avistei o prédio de longe e logo quando chegamos, ouvi tiros na nossa direção, desci da moto e parei atrás de um poste.

Mark: Não deixem eles saírem daqui com esse chip.

Peguei o fuzil nas costas e abaixei no chão, mirei em cima do prédio, mas quando fui atirar, o cara saiu.

BamBam: Merda. – Ouvi um motor acelerar e subi na moto, segui Mark e me vi perseguindo três carros diferentes.

Chegamos em uma rua circular e logo Tao surgiu em um carro preto seguindo outro carro.

Mark: Baek, BamBam vão para o plano B... – Baek virou a esquerda e eu também. Pelos quarteirões eu podia ver um dos carros pretos, aceleramos e chegamos na mesma rua no mesmo tempo que eles, acelerei e me joguei para trás da moto deixando ela ir sozinha e atravessar a frente do carro, assim como Baek.

Levantei e sai correndo.

Baek: FBI, sai do carro. – Estendeu a arma.

Olhei para minha esquerda e duas motos vinham atirando, corri em direção ao Baek e o empurrei no chão para trás de um carro estacionado. Levantei e atirei num dos motoqueiros, mas o outro fugiu.

Baek levantou, abriu a porta do carro e estava vazio, exceto por uma bomba.

5...4...3...2...

Baek: Corre! – Virei e corremos no instante que a bomba explodiu.

Quando meus ouvidos capturaram os sons novamente, abri os olhos e minha visão aos poucos foi focando em uns 10 homens com armas apontadas para nós.

Continua...


Notas Finais


Peço desculpas pela demora e por não ter respondidos os comentários anteriores, mas como ja sabem, minha vida ta hiper mega corrida, estou tentando me organizar o máximo possível.

Nesse cap eu tive uma ajuda de uma das minhas leitoras, ~MyMochi16, então, créditos a ela também.

Mt obg pela paciência e mt obg por lerem <3

O que acharam? Me contem nos comentários e visitem meu canal no youtube gente, se puderem, se inscrevam (lá tem o trailer dessa fanfic), amo vcs -> https://www.youtube.com/channel/UCc3k7X8U4WkhpCWmaO0fFWA?sub_confirmation=1


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...