História Até Depois Do Sempre - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.795
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oie pessoal.
Espero que gostem do capítulo, não foi um capítulo tão bom assim, mas fiz o possível. Me desculpem por qualquer coisa.
Cometem para mim sabe se devo continuar.
Obg ❤️ e desejo boa leitura a todos

Capítulo 3 - O que os olhos não veem,a paranóia inventa


Fanfic / Fanfiction Até Depois Do Sempre - Capítulo 3 - O que os olhos não veem,a paranóia inventa

"Dizem que antes de começar uma guerra, é melhor saber pelo que está lutando."

- Danilo se você não calar a boca e parar de ri eu juro que estojos vão voar. - Essa praga não cala a boca um minuto, eu estou aqui querendo ser uma aluna exemplar, uma aluna nota dez e ele não fica quieto.

- Mas mano. - Já é quarta vez que essa praga me chama de mano. - Eu não sei o que fazer, eu mal cheguei na escola e já estão me aplicando prova. - Já é a décima vez que ele fala isso eu acho que vou te que enforcar alguém.

- Mas seu viado. - Falei impaciente. - Você não está fazendo nada seu gay, sou que estou fazendo tudo se esqueceu que a prova é em dupla, otário. - Esse maldito professor de química pensa que nós somos o que, a quela bichinha da turma da Mônica que sai desenhando tudo e que desenha super bem que eu esqueci o nome?! Danilo está aqui faz duas semanas e os professores deram mais um tempo para nós estudarmos só para Danilo ter uma ideia do que estamos fazendo para ele poder fazer as provas também. O professor de química deu uma prova para nós começamos o bimestre já com nota e falou que a prova seria em dupla mais ele me pois com o Danilo porque ele é novo e porque eu era a "única" que estava conversando com ele. Só que nunca né, porque as meninas estavam quase pulando nele para chamar atenção, mas ele não estava nem ligando, acho que ele joga no meu time. Estávamos sentados nas últimas​ cadeiras da sala, longe de todos e estava um barulho de gente conversando alto infernal, que não estava me ajudando a pensar direito, já basta Danilo gritando do meu lado.

- Eu sei que é em dubla sua idiota.

- Então porque, está falando que não sabe fazer nada imbecil, que sou eu que estou fazendo tudo. - Eu disse já nervosa me levantando para entregar a prova que eu fiz sozinha porque o Danilo falou que não sabia fazer, que na escola dele não tinha isso e bla bla bla.

- Eu disse que não sei fazer os desenhos que essa merda está pedindo e não as contas. - Ele disse simples quando eu já tinha entregado a prova pro professor que saiu da sala ( que ótimo esse cara só pode está de brincadeira) Depois que Danilo disse isso eu fui parar na delegacia em uma cela cheia de gente e todos ficaram com medo de mim por eu te matado um menino só porque ele me enganou e deixou eu fazer a prova tudo sozinha... Mentira eu só bati com o meu caderno de vinte matérias na cara dele umas sete vezes.

- Danilo seu idiota. - Comecei a bate nele com meu caderno e ele começou a ri, aí eu vou mata-lo. Eu estava em pé na sua frente batendo na cabeça dele com força. - Como assim cara, você é muito forgado Dolores.

- É Danilo. - Ele falou rindo. - Aí meu braço cacete. - Ele disse quando bati com meu caderno com toda a minha força no braço dele. - Calma monstrinho.

- Para de me chamar de monstrinho, nós nem temos tanta intimidade assim para você inventar apelidos.

Quando eu ia bate no braço dele de novo, ele segurou meu caderno, fechou a cara, tirou meu caderno de minhas mãos e o jogou no chão. Pegou meus braços e me puxou com força fazendo eu cair sentada em seu colo. (cérebro de Sara: CARALHO COMO ELE FEZ ISSO PORRA, MÃE DE DEUS, CALMA AE CORAÇÃO NÃO VAI EXPLODI NÃO). Nessa hora eu meio que me perdi nos olhos dele, quase tive um ataque de asma, eu prendi a respiração e tive certeza que meu coração veio na minha garganta porque eu estava sentindo alguma coisa batendo na mesma e dificuntando minha respiração. Danilo olhou bem no fundo dos meus olhos e eu não consegui desviar o olhar, nem me mexer, nem nada. Esse menino quê me mata. Minha respiração estava tão pesada que eu sentia que iria desmaia a qualquer momento em seus braços, como ele conseguiu fazer isso? Danilo desceu seus olhos para minha boca e começou a se aproximar, quando dei por mim, ele estava com os lábios nos meus em um selinho longo e demorado, me levantei em um pulo completamente assutada quando ouvi o professor me chamar, olhei para ele com as pernas bambas e tremendo com certeza eu estava branca.

- Parabéns, senhorita Banner e senhor Carter, tiraram a nota máxima da turma.


_______________________________________


- Já fez amizade com o garoto novo? - Gaby falou quando sentei ao lado dela na arquibancada da quadra de basquete na hora do intervalo.

- Ele é um idiota, meu Deus acho que vou fica louca com ele. - Levei minhas mãos ao meu rosto já cansada de Danilo e olha que ele só está aqui a duas semanas.

- Cansada estou eu, que só estou pegando gente feia, já que minhas amigas está pegando um tal moreno meio platinado, cheio de piercing que acabou de chegar na escola. - Olhei para ela com os olhos arregalados e morrendo de vontade de rir, ela estava me olhando com aquele olhar de: eu sei o que você fez cachorra. - SUA SAFADA.

- Foi só um selinho. - Eu disse toda invergonhada e com um sorriso idiota no rosto.

- E AINDA ADMITI QUE FOI UM SELINHO SUA SAFADA, EU PENSEI QUE NÃO... - Tampei a boca de Gaby com a minha mão quando

Danilo e os seus amigos chegaram na quadra, ele deu uma olhada para o lado em que eu e a escandalosa estava deu um sorriso e voltou a conversa com seus amigos. - Acho que minha vagina deu sinal de vida só de vê o sorriso desse menino.

- Meu Deus. - Ri com o comentário dela sobre Danilo. - Cala a boca Gabriely. - Falei indignada com o que ela acabou de me falar. - E outra. - Dei um tapa na cabeça dela. - Da para você falar mais baixo ou você prefere que eu compre um megafone? - Falei com sarcasmo dando uma risada completamente envergonhada.

- Eu vou mete a voadora no Johnny. - Karol chegou gritando acompanhada de Johnny que estava rindo da cara dela. - Sara, tira esse menino de perto de mim.

- O que você fez traste? - Falei já completamente no tédio.

- Essa besta. - Ele apontou para Karol rindo, em quanto a mesma estava toda vermelha. - Caiu na escada perto de Peter, que se acabou de tanto ri da cara dela. - Ele disse entre gargalhadas e eu não pude ficar quieta, acabei o acompanhando e no final parecíamos dois patos rindo de Karol.

- Pior do que ouvi você rindo, é ver você rindo. - Danilo e seus amigos chegaram perto de nós e meu coração parou.

- Cala a boca. - Disse irritada e ele simplesmente riu. Meu Deus, que sorriso.

- Vamos. - Ele disse para mim. - Eu não faço ideia a onde é a quadra dois e temos a próxima aula lá.

- E o que eu tenho a vê? - Falei com uma cara de idiota e os amigos de Danilo riu, o garoto que sempre vejo andando com Danilo e Thiago estava lá e cara, que menino lindo.

- Mano, você é chata. - Thiago falou entre risos.

- Olha aqui amor. - Oi? Você me chamou do que? O garoto me chamou. - Você pode ajudar a gente a encontrar a quadra dois, porque a minha sala vai jogar contra a sua sala na próxima aula e não sabemos a onde é.

- Por acaso esta escrito na minha testa "balcão de informações" porque se estiver, você me avisa pra te responder. - Eu estou na queles dias por isso falei desse jeito com ele. Quando falei isso, todos ao meu redor me olharam como se eu estivesse feito a pior coisa da minha vida, o tal garoto me olhou como se aquilo não o afetasse.

- Aí meu fígado. - Aquele idiota do Danilo falou isso me deixando mais estressada ainda, o garoto falou um simples "ok, eu acho sozinho" e saiu andando como se nada tivesse acontecido.

- Alguém te perguntou alguma coisa. - Falei virando-me para Danilo com os olhos transbordando de raiva.

- Para de ser idiota. - Gaby gritou. -Vai atrás do menino para você pedir desculpas senhorita Sara. QUE COISA FEIA, VOCÊ VAI FICA DE CASTIGO EM GAROTA - Quando ela disse isso olhei para trás e reparei que o tal garoto estava indo em direção a escadas, de alguma forma isso me afetou, ele poderia brigar comigo, me chingar, poderia até colocar o dedo na minha cara, mas a única coisa que ele fez foi virar as costa e ir embora, revirei os olhos e sai correndo em direção a ele.

- Ou, ou, você aí... Loirinho olha aqui. - Não teve jeito, ele não virava, ele não olhava em minha direção, então tive que puxa-lo, fazendo assim ele virar e me olhar. Quando os olhos dele se encontraram com os meus meu coração disparou, quando olhei em seus olhos, vi os olhos mais verdes, claros e lindos que já tinha avistado no mundo, eles transmitia a pureza de sua alma. - D-desculpe-me - Foi só o que eu conseguir dizer, aqueles olhos... Aqueles olhos verdes, me deixaram sem palavras

- Ok. - Ele disse simples mechendo em seu cabelo. - Era só isso? - Ele disse fazendo eu me senti acabada como se ele não se importasse com nada, se eu estava dando uma patada ou um pedido de desculpas. - Posso ir agora. - Ele falou dando um sorriso sem mostrar os dentes, tudo bem, eu mal o conhecia, mas de alguma forma aquilo me afetou, pois ninguém tinha me tratado com tanta indiferença.

- Eu estou te pedindo desculpas -Disse calma em quanto isso ele já estava descendo as escadas.

- Ok, eu já entendi. - Ele sorriu novamente.

- Ta, mas você vai falar só isso, não vai me chinga, ou falar que eu estava sendo muito grossa com você, nem dizer que eu fui muito criança. - Falei desesperada achando tudo aquilo estranho de mais.

- Tabom. - Ele parou no meio da escada e me olhou. - Fique calma. - Ele sorrio achando graça de tudo aquilo.

- Estou calma. - Mentira, eu estou com vergonha, ele está me encarando e os olhos dele estão fazendo um sorriso bobo se formar em meus lábios.

- Não é o que parece... - Como ele pode ser tão convencido. Ele sorriu, se virou e continuou a descer as escadas e eu fiquei o olhando - Monstrinho.


Notas Finais


❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...