História (TERMINADA) Attracted - Camren G!P - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camilacabello, Camren, Laurenjauregui
Visualizações 548
Palavras 2.965
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - 20


Então é isso. Esta é a minha história. A ascensão. A queda. O final. Agora, cá estou eu, neste restaurante barulhento, para onde Taylor e Dinah me arrastaram, e acabei de contar para elas quase a mesma história que te contei.

 

 

Quando tinha seis anos, aprendi a andar de bicicleta. Como todas as crianças, na primeira vez em que tiram as rodinhas, eu caí. Bastante. Toda vez que isso acontecia, Taylor era quem estava lá para me ajudar. Ela me limpava, beijava os machucados para sarar e me convencia a tentar outra vez. Então, é natural eu esperar que minha irmã tenha compaixão pela minha dor de cotovelo. Gentil.

Simpática.

 

 

Mas o que escuto é:

 

– Você é uma puta de uma idiota, sabia disso, Lauren?

 

 

Aposto que você estava se perguntando por que a chamamos de A Vaca. Bem, aí está.

 

 

– Como é?

 

 

– Pare de sentir pena de si mesma. Tem ideia da bagunça que fez? Eu sempre soube que você

era mimada e egoísta. Caramba, sou uma das pessoas que te ajudou a ficar deste jeito. Mas nunca pensei que você fosse burra.

 

 

O quê?

 

 

– Podia jurar que você tinha nascido com colhões.

 

 

Eu engasgo com a minha bebida. Dinah ri.

 

 

– Estou falando sério. Eu me lembro bem de quando trocava sua fralda e via aquelas bolinhas fofas penduradas lá. O que aconteceu com eles? Eles encolheram? Desapareceram? Porque são os únicos motivos que consigo imaginar pra você se comportar como uma covarde patética e sem bolas.

 

 

– Deus do céu, Taylor!

 

 

– Não, eu acho que nem Ele consegue arrumar isso.

 

 

Meu peito começa a transbordar de raiva.

 

– Eu realmente não preciso disso agora. Não vindo de você. Já estou mal. Por que você está

pisando em mim, porra?

 

 

Ela ridiculariza.

 

– Porque é de um belo chute no traseiro que você precisa pra se recompor. Alguma vez passou pela sua cabeça que quando Camila disse que eles estavam "super bem", talvez quisesse dizer que eles estavam tendo um rompimento civilizado? Que decidiram se tornar amigos? Se separar amigavelmente? Se você soubesse metade do que acha que entende sobre mulheres, saberia que nenhuma mulher quer terminar seu relacionamento de dez anos de um jeito ruim.

 

Isso não tem sentido algum. Por que alguém gostaria de continuar sendo amigo de uma pessoa com quem costumava transar e agora não pode mais? Qual seria o maldito propósito?

 

 

– Não. Você tá viajando.

 

 

Ela balança a cabeça em negação.

 

– Seja como for, se você tivesse agido como uma mulher, e não como uma idiota, teria

conseguido contar pra ela como se sente.

 

 

Agora ela está me irritando.

 

– Eu pareço a porra de uma idiota para você? Porque eu não sou. De jeito nenhum vou correr

atrás de alguém que quer ficar com outra pessoa.

 

 

Taylor fica com uma expressão que nunca vi antes. Pelo menos, não para mim.

Está decepcionada.

 

 

– Claro que não, Lauren. Por que você correria atrás de alguém se está tão satisfeita com todo

mundo correndo atrás de você?

 

 

– Que merda você quis dizer com isso?

 

 

– Que tudo sempre foi muito fácil pra você. Você é bonita, inteligente, tem uma família que te ama e mulheres que dormem com você como cordeirinhos prontos pra serem sacrificados. E a única vez que você tem que lutar por algo que quer, a única vez que tem que arriscar seu coração por alguém que finalmente vale a pena, o que você faz? Você desiste. Atira primeiro e depois faz as perguntas. Você se fecha e mergulha em autopiedade.

 

 

Ela balança de leve a cabeça e sua voz sai mais suave.

 

– Você nem tentou, Lauren. Depois de tudo aquilo. Você só.... jogou ela fora.

 

 

Eu olho para minha bebida. Minha voz se aquieta. Com remorso.

 

– Eu sei.

 

 

Não pense que ainda não tinha pensado nisso. Não ache que não me arrependi pelo que falei ou pelo o que não disse. Porque eu me arrependi. Amargamente.

 

– Eu queria... mas agora é tarde demais.

 

 

Dinah enfim diz alguma coisa.

 

– Nunca é tarde demais, baby. O jogo ainda não acabou, só está interrompido.

 

 

Eu olho para ela.

 

– A Ariana te disse alguma coisa? Sobre Camila e Shawn?

 

 

Ele nega com a cabeça.

 

– Não sobre eles, mas ela tinha muita coisa pra falar sobre você.

 

 

– Como assim?

 

 

– A Ari te odeia pra caralho. Ela acha que você é uma safada. Sério, se você estivesse

pegando fogo na rua? Eu duvido que ela jogaria água em você.

 

Eu processo aquela informação por um minuto.

 

– Talvez ela me odeie porque eu transei com a noiva do primo dela?

 

 

– Talvez ela te odeie porque você partiu o coração da melhor amiga dela?

 

 

É, as chances estão divididas. Não me ajudou em nada.

 

 

– Você está apaixonada pela Camila, Lauren?

 

 

Meus olhos encontram os de Taylor.

 

– Sim.

 

 

– Tem alguma possibilidade de ela sentir o mesmo?

 

 

– Acho que sim.

 

 

Quanto mais eu pensava sobre as palavras e ações de Camila naquele final de semana, mais tinha certeza de que ela sentia algo por mim. Algo verdadeiro e profundo.

Isso antes de eu mandar tudo para o inferno.

 

 

– Você quer ficar com ela?

 

 

– Lógico.

 

 

– Então, ela ter voltado ou não com o ex é irrelevante. Você tem que se perguntar o que está disposta a fazer... a arriscar... pra fazer dar certo. Pra consegui-la de volta.

 

Minha resposta é simples: qualquer coisa. Tudo. Minha garganta se aperta ao confessar:

– Eu daria tudo pra ter Camila de volta.

 

 

– Então, pelo amor de Deus, lute por isso! Conte pra ela.

 

 

Quando estou começando a acreditar em suas palavras, Dinah agarra meu ombro.

 

 

– Em situações assim, sempre me pergunto "O que William Wallace faria?".

 

 

Seus olhos estão sérios. Inspiradores. Depois, sua voz adquire um sotaque escocês, que ela não tem.

 

– Sim... fuja e não será rejeitada... mas daqui uns anos, você estaria disposta a trocar todos os dias daqui até lá por uma oportunidade, apenas uma chance, de voltar e dizer a Camila que ela pode tirar suas bolas e pendurá-las no espelho retrovisor do carro, mas que ela nunca poderá tirar... sua liberdade!

 

 

Taylor revira os olhos diante do discurso de Coração valente, e eu rio. A nuvem negra que

estava por cima de mim, durante a semana inteira, finalmente começa a ir embora. Em seu lugar fica... esperança. Confiança. Determinação. Todas as coisas que fazem eu... eu. Tudo de que sinto falta desde a manhã em que vi Shawn Mendes cantando.

 

 

Dinah me dá um tapinha nas costas.

 

– Vá atrás dela, garota. Fala sério, olhe para você – o que tem a perder?

 

 

Ela está certa. Quem precisa de dignidade? Orgulho? Isso é superestimado. Quando você não tem nada, não tem nada a perder.

 

 

– Preciso encontrar Camila. Agora.

 

 

E se eu levar um não? Pelo menos terei tentado. E se eu cair e ela pisar em mim com seu salto?

Que seja. Mas tenho que tentar. Porque...

Bem, porque ela vale a pena.

 

 

Quando Taylor fez dezesseis anos, meus pais alugaram, por um dia, um parque de diversões.

Exagerado? Sim. Mas essa é uma das vantagens de se ter uma criação privilegiada. Foi demais. Sem filas, sem multidões. Apenas nossa família, alguns parceiros de negócios e 150 de nossos amigos mais próximos. De qualquer forma, tinha uma montanha-russa: a Máquina do Grito, era muito louca.

Lembra quando eu disse que nunca ando duas vezes na mesma montanha-russa? Esta foi a

exceção.

 

 

Dinah, Steven e eu andamos nela até vomitarmos. Depois entramos e fomos de novo. A primeira subida foi horrível. Uma ladeira longa e atormentadora, que terminou em uma queda retorcida, de arrancar as tripas, com 48 metros de altura. Não importa quantas vezes fôssemos naquela desgraça, toda vez que subíamos aquela ladeira, sentíamos a mesma coisa. Minhas mãos suavam, meu estômago se revirava. Era a combinação perfeita de agitação e terror.

 

 

É assim que me sinto agora.

 

Está me vendo ali? Sou a garota correndo pela Times Square.

 

 

Só de pensar em ver Camila de novo... estou muito empolgada, não vou mentir. Mas estou nervosa também. Porque não tenho ideia do que me espera no outro lado da montanha, não sei o quão alta poderá ser a queda.

 

Sem compaixão, certo? Plateia difícil. Você acha que estou recebendo o que mereço? Talvez eu ainda mereça pior?

 

É um bom argumento. Eu ferrei tudo. Sem dúvida alguma. Foi uma queda brusca – os bons também caem. Mas isso passou. Estou fora do banco e de volta ao jogo.

 

Espero que Camila me dê outra chance.

 

 

Ofegando devido à corrida por sete quarteirões, aceno para cumprimentar o segurança e vou até o saguão. No elevador, recupero meu fôlego e treino o que vou falar. Depois, desço no quadragésimo andar.

 

 

Só há um lugar onde Camila Cabello estaria às dez e meia, em uma noite de segunda-feira. E é aqui, onde tudo começou. As salas estão escuras. Está tudo quieto, com exceção da música que vem de seu escritório. Ando pelo corredor e paro diante de sua porta, que está fechada.

Depois a vejo. Pelo vidro.

 

Meu Deus do céu.

 

Ela está sentada à mesa, olhando para a tela do computador. Está mordendo o lábio daquele jeito que me deixa louca. Seus cabelos estão jogados para trás, expondo todas as feições perfeitas de seu rosto. Senti saudade de observá-la. Você não imagina o quanto. Parece que... que eu estava debaixo d'água, segurando minha respiração. E agora consigo respirar outra vez.

 

Ela olha para cima e seus olhos encontram os meus.

 

Viu como ela me encara alguns segundos a mais do que o necessário? Como sua cabeça se

inclina para o lado, e seus olhos piscam? Como se não acreditasse no que está vendo.

 

 

Ela está surpresa. A surpresa logo se transforma em repugnância. Como se tivesse acabado de comer algo estragado. E é quando noto. Quando tenho certeza do que você já devia imaginar. Que eu sou uma completa idiota.

 

 

Ela não aceitou Mendes de volta. De jeito nenhum.

 

Se ela tivesse aceitado? Se nosso final de semana não tivesse significado nada para ela? Se eu não significasse nada? Ela não estaria olhando para mim como se eu fosse o maldito diabo. Ela se sentiria indiferente. É minha lógica simples: se uma mulher está brava? Significa que ela se importa. Se você estiver em um relacionamento e a garota nem se importar em gritar com você? Você está ferrado. Indiferença é como o beijo da morte para uma mulher. É o equivalente a homem

desinteressado em sexo. Em qualquer um dos casos – terminou. Você está acabado.

 

 

Então, se Camila está chateada, é porque eu a machuquei. E a única razão por eu ter conseguido fazer isso é porque ela queria ficar comigo.

 

 

Isso pode parecer um jeito distorcido de se pensar, mas é o que é. Confie em mim, eu sei. Passei minha vida transando com mulheres pelas quais não sentia nada. Se elas transaram com outros depois de mim? Bom para elas. Se elas me dissessem que nunca mais queriam me ver de novo?

Melhor ainda. Você não consegue tirar sangue de uma pedra. Você não consegue uma reação de alguém que não se importa.

 

 

Por outro lado, Camila transborda emoção. Raiva, desconfiança, traição – está fervendo em seus olhos e brilhando em seu rosto. O fato de ela ainda sentir algo por mim – mesmo que seja ódio – me dá esperança. Porque já é um começo.

 

 

Eu abro a porta de sua sala e entro. Camila olha de novo para seu notebook e digita algo.

 

– O que você quer, Lauren?

 

 

– Preciso conversar com você.

 

 

Ela não olha para cima.

 

– Estou trabalhando. Não tenho tempo pra você.

 

 

Eu dou um passo à frente e fecho seu notebook.

 

– Arranje um tempo.

 

 

Ela vira os olhos para mim. Eles estão duros. Frios, como gelo negro. 

– Vá pro inferno.

 

 

Eu sorrio maliciosamente, apesar de isso não ter graça.

 

– Já estive lá. A semana inteira.

 

 

Ela se inclina em sua cadeira, analisando-me.

– É verdade. Ally nos contou sobre sua doença misteriosa.

 

 

– Eu fiquei em casa porque...

 

 

– O passeio de táxi te cansou muito? Precisava de alguns dias pra se recuperar?

 

 

Eu nego, balançando a cabeça.

 

– O que eu disse naquele dia foi um erro.

 

 

Ela se levanta.

 

– Não. O único erro aqui foi o meu. De pensar que pudesse haver algo a mais com você. De me deixar acreditar que havia algo... bonito por baixo de todo aquele seu charme arrogante e sua atitude idiota. Eu estava errada. Você não tem nada por dentro. É vazia.

 

 

Lembra quando eu disse que Camila e eu somos muito parecidas? Nós somos. E não apenas na cama ou no escritório. Ambas temos uma habilidade esquisita de dizer as palavras certas – para magoar. Encontrar aquele ponto fraco dentro de cada um de nós e detoná-lo, como uma maldita granada verbal.

 

 

– Camila, eu...

 

 

Ela me corta, com uma voz apertada. Obstruída.

 

– Sabe, Lauren, eu não sou burra. Não estava esperando um pedido de casamento. Sabia como você era. Mas, você parecia tão... e aquela noite no bar? O jeito que você me olhou. Eu pensei...

 

 

Sua voz se irrompe e eu quero me matar.

 

– ... pensei que eu significasse algo pra você.

 

 

Chego mais perto, querendo tocá-la. Para consolá-la. Para voltar atrás.

 

Para fazer tudo ficar bem.

 

 

– Você significava. Você significa.

 

 

Ela permanece inflexível.

 

– Certo. É por isso que você...

 

 

– Eu não fiz nada! Não tinha encontro nenhum. Nenhuma saidinha de táxi. Camila, foi tudo invenção. Era o Steven no telefone naquele dia, não Stacey. Eu só disse aquelas coisas pra fazer você pensar que era ela.

 

 

Ela fica pálida e sei que acredita em mim.

 

– Por que... por que você faria isso?

 

 

Eu suspiro. Minha voz está fraca e tensa. Implorando para ela me compreender.

 

 

– Porque... estou apaixonada por você. Estou apaixonada por você há um bom tempo. Não

sabia disso até a noite de domingo. E, depois, quando o Shawn apareceu aqui... pensei que tivesse voltado com ele. E isso acabou comigo. Me machucou tanto que eu queria que você se... sentisse tão mal quanto eu me senti.

 

 

Não foi o meu melhor momento, né? Sim, eu sei: sou uma idiota. Acredite em mim, eu sei.

 

– Aí eu disse aquelas coisas de propósito, pra você pensar que não significava nada pra mim.

Que era só outra trepada. Mas você não é, Camila. Você é diferente de qualquer pessoa que já conheci.

Quero ficar com você... quero muito ficar com você. Só com você. Nunca senti isso por outra

pessoa. Sei que estou parecendo clichê, mas é a verdade. Quando estou com você, quero

conquistar coisas que nunca quis antes.

 

 

Ela não diz nada. Apenas me encara. Não aguento mais. Coloco minhas mãos em seus ombros, em seus braços. Somente para senti-la.

 

Ela se contrai, mas não se afasta. Coloco minhas mãos em seu rosto. Meu polegar passa por suas bochechas e por seus lábios.

 

Céus.

 

 

Seus olhos se fecham com o toque e sinto um nó na minha garganta, como se estivesse sendo

estrangulada.

 

– Por favor, Camila, podemos apenas... voltar? Tudo estava tão bem antes. Era perfeito. Quero

que a gente fique daquele jeito de novo. Quero tanto isso.

 

 

Nunca acreditei em arrependimento. Em culpa. Achava que essas coisas existiam apenas na

cabeça das pessoas. Como medo de altura. Nada que você não possa superar se tiver determinação.

Força. Mas nunca tive alguém – machuquei alguém – que significasse mais para mim do que... eu mesma. E saber que estraguei isso por causa do meu medo, a porra da minha estupidez, é apenas...insuportável.

 

 

Ela tira minhas mãos. E sai de perto.

 

– Não.

 

 

Camila pega sua bolsa do chão.

 

– Por quê? – limpo minha garganta. – Por que não?

 

 

– Você se lembra de quando comecei a trabalhar aqui? E você me disse que seu pai queria que eu montasse uma apresentação de "simulação"?

 

 

Eu aceno.

 

– Você disse aquilo porque não queria que eu conseguisse o cliente. Certo?

 

 

– Isso mesmo.

 

 

– Depois, na noite em que encontramos com Anderson, você me disse que eu estava esfregando meus peitos na cara dele porque... Como foi que você disse? Você só queria "me encher". Sim ou não?

 

 

Aonde ela pretende chegar com isso?

 

– Sim.

 

 

– Aí na semana passada, depois de tudo, você me fez acreditar que estava conversando com

aquela mulher porque queria me machucar?

 

 

– Eu fiz isso, mas...

 

– E agora, agora, você está me falando que está apaixonada por mim?

 

 

– Estou.

 

 

Ela balança suavemente a cabeça.

 

– E por que raios eu deveria acreditar em você, Lauren?

 

 

Fico parada. Em silêncio. Pois não tenho nada. Não tenho como me defender. Não tenho algum motivo que possa fazer alguma diferença. Não para ela.

 

 

Ela se vira para sair e entro em pânico.

 

– Camila, por favor, espere...

 

 

Eu entro na sua frente. Ela para, mas olha por mim – através de mim. Como se eu nem estivesse mais ali.

 

– Eu sei que estraguei tudo. Por completo. A coisa da garota do táxi foi uma burrice e uma

maldade. Estou arrependida. Mais arrependida do que você possa imaginar. Mas... você não pode deixar aquilo arruinar tudo o que poderíamos ter.

 

 

Ela ri para mim.

 

– O que poderíamos ter? O que temos,Lauren? Tudo o que tivemos foram discussões, competição e desejo...

 

 

– Não. É mais do que isso. Senti algo naquele final de semana, e sei que você também sentiu. O que nós temos poderia ser... espetacular. Se você der apenas uma oportunidade. Nos dê, ou melhor, me dê mais uma chance. Por favor.

 

 

Sabe aquela música "Ain't too proud to beg", dos Rolling Stones? É o novo tema da minha vida.

Seus lábios se juntam. Depois ela anda ao meu redor.

 

 

Mas eu agarro seu braço.

 

– Me deixa, Lauren.

 

 

– Não posso. – E não estou falando só do braço dela.

 

 

Ela se retira depressa.

 

– Se esforce mais. Você já fez isso uma vez. Tenho certeza que vai consegui fazer de novo.

 

 

Depois ela vai embora.

 

E eu não a sigo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...