História Attraction Risk - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zayn Malik
Personagens Personagens Originais, Zayn Malik
Exibições 78
Palavras 3.981
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Hell


Fanfic / Fanfiction Attraction Risk - Capítulo 11 - Hell

No capítulo anterior:
" - O QUÊ?!!! -Mais uma vez tomando no cu."

Megan

Eu passei desde de domingo, fugindo da Cris, não queria dar uma resposta negativa à ela, mas não era justo comigo, eu e Zayn, não conseguimos conversar civilizadamente nem 5 minutos, imagina um dia todo, toda semana ... Impossível.
Hoje era quarta-feira, faz 2 dias que não falo com a Cris e hoje seria o 3, não quero magoá-lá, ela não precisa de mais uma pessoa para fazer isso, mas não vejo outra saída à não ser dizer não a sua proposta.

Hoje eu ficaria um tempo a mais na escola, ficaria depois do horário de aula. Desde que cheguei tenho encontrado dificuldades em algumas matérias e hoje resolvi estudar algumas na escola, na biblioteca, onde tem livros de todos os tipos e posso tirar as minhas dúvidas.

- Agora é só você e os livros Megan. - Eu já estava na biblioteca, sentada em uma mesa, isolada dos outros alunos. Ali só tinham alunos nerds, que já eram inteligentes e precisavam de mais inteligência, e tinha eu, que não tinha nenhuma inteligência e precisava.

Eu fiquei 2 hrs estudando, consegui aprender algumas coisas e outras eu iria ver vídeos aulas, para me aprofundar melhor no conteúdo.
Estava saindo, estava no corredor, chegando a porta de saída da escola, pronta para descer as escadas, quando vejo um carro muito conhecido, o carro do Zayn, revirei os olhos assim que vi, isso significava que ele estava na escola e podia encontrar com ele, infelizmente, mas estava rezando para que não, mas parece que a minha reza não foi o suficiente.
Ele me viu descendo as escadas e veio ao meu encontro, parou em minha frente.

- O que foi? - Não estava com paciência para esse idiota hoje, imagina passar um dia todo ao seu lado.

- Vamos, você tem trabalho a fazer. - Ele puxou o meu braço, ignorando a minha pergunta, me levando para seu carro.

- Trabalho? Que eu saiba eu não aceitei a proposta de sua mãe para trabalhar. Tem como você me soltar?! Que saco! - Ele continou me levando para seu carro, abriu a porta do carona e me jogou dentro, depois ele sentou no lado do motorista, trancando o carro - Você sabe que isso é sequestro né? Me deixa descer! - Ele riu quando disse que era sequestro.

- A Cristina "deixou" eu sair de casa, como se ela mandasse em mim, então significa que você aceitou trabalhar para mim, se não eu estaria naquela casa ainda. - Foi a única coisa que ele me respondeu, fomos o caminho todo calados, eu lutava para não deixar as lágrimas caírem, mas aquele menino me assustava e passaria um dia todo, sozinho com ele.
Eu me encolhia no banco, quase me fundindo a porta do carro e ele continuava a prestar atenção na estrada, me ignorando.
Chegamos em uma rua sem saída, onde tinha, um prédio, não ficava muito longe da escola, uns 30 minutos andando. Bom, a casa dele não ficava naquele prédio horrendo e sim ao lado. Uma casa, que parecia ser muito feia por dentro, por estar toda acabada por fora, mas foi só impressão. Era uma casa de 4 cômodos, bem grandes, a sala, cozinha e 2 quartos, a cozinha e a sala era no mesmo cômodo, mas não ficavam pertos. Você entrava, via a cozinha dele, que era americana, que tinha um armário, fogão e mesa e depois a sala, que ficava de frente, onde tinha um sofá, TV, raque, som, DVD e vídeo game. Tinha um pequeno corredor, que tinha apenas 2 portas e concluí que ali deveria ser o seu quarto e outro de hóspedes. Era uma casa simples, em relação a sua outra, mas aconchegante.
Eu fiquei parada, em pé, sem reação, então ele me pegou pelo braço e me sentou no sofá e ficou na minha frente, me encarando.

- Vou ser bem claro, não quero que diga a Cristina, onde eu moro, não quero que traga ninguém aqui, porque aqui é seu ambiente de trabalho e não fale comigo, só faça o seu serviço, fui claro? - Ele me fuzilava com os olhos e eu estremeci ao ver.

- F-foi - Não passava nem vento no meu cu, tava morrendo de medo, mas não podia aceitar - Mas eu não vou ficar aqui, vou embora, não aceitei trabalhar para você. - Eu não conseguia me mexer, ele me petrificava.

- Tente ir embora e veja o que acontece com você. - Ele saiu da minha frente e trancou a porta de sua casa - Vai ficar sentada? - Ele disse isso e foi para seu quarto e fechou a porta.

- Você tomou no cu Megan, sorria. - Eu levantei do sofá e fui fazer o meu serviço.

A casa do Zayn não estava uma bagunça igual o seu quarto, só estava cheia de pó e com muitos papelão jogando pelo chão, revelando que aqueles móveis eram novos, apesar dele ter todos em seu quarto na sua antiga casa.
Comecei jogando os papelão no lixo, depois tirando o pó dos móveis da sala e passando um pano limpo, no chão. Depois fui limpar a cozinha, lavei toda louça suja e guardei em seus devidos lugares, depois limpei o fogão, o balcão, os bancos e o armário, estava tudo limpo. Passei um pano no chão, deixando a casa cheirosa, tentei abri a janela, mas estava trancada com cadeado, limpei o corredor, com um pano limpo também e faltava o seu quarto, que era o problema, porque o de hóspedes também já tinha limpado.

- Se você incomodar ele, é capaz dele te matar e se você não limpar o quarto dele, pode morrer também ... Que legal! Então vamos lá. - Bati na porta do quarto dele 3 vezes e 4 ele gritou mandando eu entrar - É ... De-desculpa te incomodar, ma-s preciso limpar o seu quarto. - Ele estava deitado na cama, mexendo no celular. Estava vestido, ainda bem, mas seu quarto devia estar pior que o outro.

-Não, aqui você não entra e nem mexe em nada, não quero você colocando a sua mão nas minhas coisas, agora vaza. - Ele levantou e bateu a porta na minha cara e ainda tenho que aguentar calada.

Se fosse assim então, eu já tinha terminado a casa, tudo estava limpo, eu limpei melhor a casa dele do que a minha. Eu estava passando mais uma vez o pano no raque, para ter certeza que tudo ali estava sem pó, por causa de seu vídeo game - I'm so sick of that same old love, that shit, it tears me up ... - Eu estava cantando uma música da Selena,  Same old Love, que inclusive era meu despertador, amava essa música, mas fui interrompida e me assustei - Que susto! - Esse garoto era um desnecessário, ele nem me olhou.

- Não sabia que você era paga pra cantar ... Não quero ouvir sua voz mais, amo o silêncio. - E eu amo desejar sua morte.

- Já terminei, posso ir embora agora? - Não estava aguentando um minuto a mais naquele ambiente com ele.

- Não, seu horário de saída daqui é 6:00 hrs/pm - Ele começou a abrir a geladeira, os armários e eu olhei no relógio que horas era e por sorte era 5:50 pm, obrigado Deus.

Comecei a me arrumar e colocar as coisas no lugar, faltava apenas alguns minutos para sair daquele inferno, ainda bem e amanhã eu teria uma conversa bem séria com a Cris.

- Você sabe cozinhar? - Agora ele quer falar comigo? Haha até parece que vou ajudar ele com algo, quero que ele morra.

- Não e tchau. - Peguei minha bolsa e fui em direção a porta - Não vai abrir?

- Já deu a hora de você ir? - Ele olhou em seu celular e veio em minha direção para abrir a porta - Espero que você saiba ficar de boca calada, porque se contar algo do que aconteceu para qualquer pessoa, incluindo a minha mãe - Ele deu um sorriso perverso - Morrer vai ser o que você vai implorar para acontecer. - Ele disse isso e eu me arrepiei toda e ele me empurrou para fora de sua casa.

Eu comecei a andar super rápido, vai que aquele louco mude de ideia e nem percebi que eu chorava, nunca passei por nada parecido, eu estava encurralada, presa àquele mostro, louco, idiota .. E eu tinha certeza de uma coisa, que eu odiava o Zayn Malik.
Cheguei em casa e meu pai não estava, subi para meu quarto, tomei um banho e aproveitei para deixar as lágrimas rolarem junto com a água do chuveiro. Me troquei e arrumei as coisas para o dia de amanhã, para escola e me deitei, queria dormi, apenas dormir.
Acordei atrasada, me arrumei rápido, fiz minha higiene, coloquei a roupa que tinha escolhido no dia anterior e desci para tomar um rápido café, mas no caminho desisti do café, estava muito atrasada. Meu pai, estava na cozinha em pé, com a maior calma do mundo.

- Pai, você pode me levar para escola? Eu tô muitooo atrasada. - Ele me olhava com uma calma e começou a rir.

- Aham, seu despertador não tocou? - Ele riu de novo, estávamos dentro do carro.

- Eu não sei e para de rir de mim. - Eu disse mas não resistindo, rindo junto.

Chegamos na escola, estava meio vazia e eu estranhei. Pedi para meu pai me esperar e fui na secretária. Voltei e indo em direção ao carro, quase quebrando o chão, morrendo de raiva.

- O que foi? Por que não entrou?

- Porque hoje não haverá aula - Eu disse aquilo parecendo que cospia fogo. Se tem uma coisa que eu não perdôo é fazer eu acordar cedo para nada, quero morrer com isso - Que raiva! Por que eles não disseram ontem? Assim eu não faria mais uma vez esse meu papel de trouxa - Revirei os olhos e meu pai riu - Se eu fosse você, ia quietinho até em casa, meu humor não está muito bom. - E não estava mesmo, acordei atrasada, fui para escola e não tinha aula, ou seja, acordei de trouxa e ainda teria que encontrar o louco mais tarde.

- Mulheres ... - Foi a única coisa que ele disse, foi o caminho todo quieto, nem respirando alto.

Cheguei em casa e já subi para meu quarto. Já entrei tirando a roupa e colocando de volta o pijama e me joguei na cama, pronta para dormir mais.
Acordei e meu pai não estava mais, depois daquele cortada que dei nele, ele nem se atreveu a deixar um bilhete me dando tchau. Era 12:15, daqui à uns minutos teria ir para a casa daquele idiota e hoje não estava nem um pouco afim de aguentar as chatices dele. Ontem foi o meu 1 dia e eu não o suporto mais, imagina 1 mês, eu morreria ou ficaria louca.
Arrumei bem rápido o meu cabelo, coloquei um calça preta, uma blusa de manga branca, marcando tudo, ela era colada e amava blusas assim, um tênis branco também, uma bolsa de franja preta e saí de casa.
Cheguei lá era 12:58 pm, perdi dois minutos batendo na porta, até que eu escutei um barulho de chaves e não era o Zayn que tinha aberto.

Zayn

Por que a Cristina tinha que escolher justamente essa garota? Não bastava o inferno que ela fez na minha vida quando eu era menor, tinha que fazer de novo com uma cópia dela, pelo amor de Deus. Eu joguei ela para fora, não aguentava mais ver sua cara, queria ela longe, mais ia ser breve, porque amanhã ela voltaria, infelizmente.
Resolvi sair, não tinha nada em casa, nem comida, pois esqueci de fazer compra, então resolvi ir atrás da comida.
Cheguei em uma balada, eu já era de casa, tinha parceria praticamente com todas as baladas dessa cidade, entrava sem pagar e ainda levava um lanche para casa. Eu não era muito de dançar em balada, a minha dança era a garota de quatro pra mim e meu pau entrando nela, a única que conhecia. Uma morena tinha me chamado a atenção, ela já estava de olho em mim, então resolvi dar uma chance para ela. O nome dela era Priscila, ela era bem gostosa, tinha peitos e bunda na medida, toda pequenininha e não demorou muito, nós já estávamos na minha casa. Levei ela para o quarto de hóspedes e fudi com ela a noite toda, comi ela de todas as posições que gostava. Ela tentou me arranhar, encostar em mim durante a transa, mais levou dois tapas na cara, odiava que me arranhava ou encostasse em mim.

Eu estava indo para a cozinha pegar um pouco de água, estava morrendo de dor de cabeça, por causa das bebidas da noite passada e dei de cara com a Megan na minha casa, que porra aquela garota tava fazendo aqui?

- Que merda você tá fazendo aqui? - Ela me olhou de cima abaixo. Eu estava só de moletom, sem camisa.

- Eu trabalho aqui se você não sabe. - Ela tirou os olhos de mim e olhou para a menina sentada no meu sofá, que estava apenas com uma camiseta minha.

- E você? - Perguntei para a menina que eu não lembrava o nome, que fudi a noite toda.

- Bom, eu dormi com você, por isso estou aqui ... E que ótima noite. - Ela levantou e veio na minha direção, tentou me beijar, mas desviei o rosto.

- A noite já acabou, pode pegar as suas coisas e ir embora. - Saí da sala e fui para o meu quarto. A gostosa da noite se vestiu e passou no meu quarto antes de ir embora.

- Bom, se quiser outro round me liga, tá lindo. - Ela disse quase gemendo em meu ouvido.

- Eu não gosto de figurino repetida, mas se eu estiver chapado de novo, eu te chamo. - Ela saiu daquele quarto quase quebrando o chão e eu ri, fui atrás dela para ver ela saindo.

- Garota você é sortuda e não sortuda por ter esse gato ao seu lado, o que ele tem de gostoso, ele tem de grosso ... - Ela disse olhando para mim - Você é realmente muito sortuda, muito mesmo. - Antes de eu falar algo a Megan falou.

- Eu não ficaria com esse garoto nem morta e não temos nada um com o outro, apenas trabalho para ele, infelizmente. - Ela disse dando ênfase em cada palavra. Hoje a Megan estava vestida de uma forma, que me fez se arrepender do que iria dizer.

- Nunca ficaria com uma gorda, meu pau tem preferências. - De gorda a Megan não tinha nada, apenas a língua, pena que ela não fazia o meu tipo, mas quem sabe eu não pego ela pra ser minha uma noite.

A garota da noite, a qual eu não lembrava o nome tinha ido embora e eu fui para meu quarto, tomar um banho. Deitei na minha cama e caí no sono, precisava repôr as energias para mais tarde.

Megan

"Nunca ficaria com uma gorda" Como se eu quisesse ficar com um seco, nem músculo aquele menino tem ( mentira ) mas e daí, ele não iria saber e não me importava com o que ele achasse de mim.
Eu limpei a cozinha, a sala e faltava o quarto de hóspedes. Peguei uma luva, não iria encostar em nada naquele quarto sem luva, tinha nojo só de imaginar o que tinha acontecido ali. Limpei, tirei o lençol de cama, coloquei um limpo, coloquei tudo que encontrei no chão, no lixo ou no cesto de roupa suja. Saí do quarto e o Zayn não estava na sala, então eu saí, peguei as roupas sujas e fui levar em uma lavanderia, me livrar logo dessas coisas.
Cheguei lá estava vazia, só tinha eu, separei as roupas e coloquei logo para lavar. Depois de meia hora, as roupas estavam limpas e secas, coloquei elas em um sacola e voltei para casa daquele louco.
Entrei e quando eu virei o Zayn estava lá no sofá me olhando, ele estava com muita raiva.

- Eu não me lembro de ter deixado você sair, quem mandou você sair? - Ele continuava sentado no sofá, só de moletom, me fazendo perde o ar e eu tinha que admitir que ele era muito gost ... Ridículo, agora acha que manda em mim.

- Minhas pernas mandaram eu sair e agora você manda em mim? - Eu o encarei, estava cansada desse garoto - Aqui está as suas coisas lavadas e secas. - Joguei no sofá.

- Então você vai ficar sem elas e sim eu mando em você. - Ele levantou grudou em min, eu estava de costas para ele, porque estava saindo. Ele me jogou no sofá e subiu em cima de mim - Você acha que é quem para falar assim comigo? Hein? Me responde agora, quero ver .. Eu sou o seu chefe e você deve me respeitar, já te falei uma vez e não vai ter segunda vez, vem, vou te dar uma lição. - Ele me puxou pelo braço e saiu me carregando pelo quarto de hóspedes, me jogou na cama.

- Zayn para, me deixa ir embora, não faz nada comigo por favor - Eu já estava em prantos e continuei ainda mais quando vi ele com uma agulha - O que é isso? Me deixar ir por favor, não vou fazer mais nada, eu juro, por favor. - Ele estava tomado por uma raiva e um ódio, que cada palavra que saísse da minha boca ele não escutava.

- CALA BOCA PORRA! Você fez, agora você vai pagar, já passou da hora de eu te dar uma lição, sua vadia. Não é de hoje que você bate de frente comigo e vou te mostrar quem está no comando. - Ele se aproximou de mim, ele pegou no meu braço, mas eu comecei a me debater e levei dois tapas na cara dele, que me fizeram ficar caída na cama e ele aplicou aquele líquido que estava na agulha, depois disso perdi os sentidos e desmaiei.
Acordei, eu estava ainda naquele quarto, só que sem minha roupa, só com peças íntimas, o Zayn não estava. Minha cabeça estava doendo, parecia que tinha passado um caminhão em cima do meu corpo. Tentei levantar, dei uma cambaleada para cair, mas não caí, cheguei até a porta, ainda de calcinha e sutiã, só que ela estava trancada, eu ouvi barulhos vindo da sala, de pessoas conversando e fiquei quieta escutando, eram vozes de homem e eles conversava muito baixo, então eu encostei mais o meu ouvido na porta " Eae Zayn, quem é a gostosa da vez?" " Uma vadiazinha qualquer, fudi com ela a noite toda, para dar uma lição, pra mostrar quem manda" ... Depois disso eu comecei a chorar, chorava e chorava, eu estava sem chão, eu tinha sido tocada por um homem enquanto eu estava dopada. Eu levantei daquela porta, tentei procurar as minhas roupas, mas não encontrei nada, então eu voltei para a cama e me cobri com o lençol. Eu tinha me metido em uma merda tão grande e o pior, é que não tinha nada que eu pudesse fazer para sair.
Eu fiquei ali, sentada na cama, um bom tempo, eu já não escutava mais vozes, às vezes uns barulho de alguém mexendo nas coisas, mas nada além disso. Depois de muitas horas achei que estava sozinha, naquela casa, mas eu estava enganada. O Zayn apareceu na porta, ele estava normal, como se nada tivesse acontecido, com a mesma feição de sempre, de ódio, escuridão, que sempre que eu olhava em seus olhos, eu temia de medo, mas tinha algo bom, quase imperceptível de ver, tinha que ser muito analisado para você percebe, ele era um ser de uma marra, que ao mesmo tempo que me fazia ter medo dele, me fazia deseja-lo e para mim isso era insuportável, porque eu o odiava e o desejava ao mesmo tempo, mas nada que um outro homem não substitua.

- O que você fez comigo? - Ele estava sentado na cama, apenas me olhando, mas distante o suficiente de mim.

- O que você acha? - Ele ainda me analisava, era muito difícil saber o que se passava na cabeca dele e isso era o que eu mais tinha medo.

- Você me estrupou, não foi? - Eu não conseguia mas segurar o choro, as lágrimas começaram a descer.

- Você mereceu, eu te avisei, mas você duvidou e aí está a sua consequência, foi tudo culpa sua. - Ele agora acendia um cigarro, como uma pessoa podia ser até bonita fumando? Juro que se eu não estivesse com raiva, ódio e medo dele, eu o beijava.

- Mereci?! Você pode me dizer o que eu fiz?! Você acha que eu sou o quê sua? Sua marionete? Que você faz o que quiser? Saiba que eu não sou, eu nunca aceitei trabalhar para você, você me trouxe aqui a força e ainda diz que eu mereci, me poupe Zayn Malik, você é muito hipócrita! - Ele levantou e deu um tapa na minha cara e se antes eu ainda tentava segurar o choro, agora eu não conseguia.

- Cala boca! Você é uma filha da puta! Acha que tá falando com quem? Não grita comigo, porra! Eu não quero saber se você aceitou ou não, você trabalha para mim agora. Antes eu tinha até pensando mandar você embora, agora, eu faço questão de fazer a sua vida um inferno e saiba que agora você tá realmente fudida, você despertou o pior lado de Zayn Malik, o lado que ninguém viu! - Ele disse tudo isso e saiu do quarto, me trancando de novo.

Eu estava acabada, não conseguia parar de chorar, eu queria só o meu pai ao meu lado, me tirando de perto desse monstro. Eu fiquei ali mais um bom tempo, já não chorava mais, eu encontrei a minha roupa e me vesti, fiquei esperando aquele louco voltar, me deixando sair desse inferno e foi o que aconteceu.

- Você vai para sua casa agora e não vai dizer nada para ninguém, você vai agir como se nada tivesses acontecido ... - Ele parou de falar para dá uma tragada no cigarro, o quarto já estava enfestado com aquele cheiro - E depois, bom, depois você vai ter uma surpresa. - Ele saiu do quarto deixando a porta aberta.

Eu peguei as minhas coisas na sala, o Zayn estava sentado no sofá me olhando, ele me incomodava, eu sentia nojo dele, abri a porta e saí. Estava uma chuva do caramba, cheguei em casa toda molhada, mas me surpreendi com a vista de todos os meus parentes ali, todos estavam com uma cara de tristeza, como se algo tivesse acontecido.

- Oie gente, posso saber o motivo da visita da família na minha casa? - Eu estava me secando e a minha Tia Sofia veio falar comigo, minha tia favorita.

- Então meu anjo, a noticia que eu tenho para te dar não é muito boa, mas quero que você fique calma, tudo bem? - Ele segurava o choro e eu deduzi que só podia ser com o meu pai.

- Fala! Tia fala logo, o que aconteceu com o meu pai? Hein?! - Eu já estava chorando.

- Então Megan ... E-ele sofreu um a-acidente e es-tá em coma. - Ela chorava igual a mim.

- COMO ASSIM?! - Minha vida tinha acabado naquele momento e o inferno só estava começando.

Continua.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...