História Avante Invocadora! - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias League Of Legends
Personagens Darius, Graves, Personagens Originais, Twisted Fate, Warwick
Tags Graves, Incovadora, League Of Legends, Lol, Romance, Twisted Fate
Visualizações 66
Palavras 2.841
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Para quem não percebeu eu coloco como capa uma foto do cenário onde acontece uma das cenas no capitulo para facilitar a imaginação. Capitulo curto, mas tem um bônus fofo no final <3
Leia as notas finais.

Capítulo 8 - A maravilha chamada chuveiro e um contrato com o diabo


Fanfic / Fanfiction Avante Invocadora! - Capítulo 8 - A maravilha chamada chuveiro e um contrato com o diabo

A primeira coisa que Sara fez foi tirar as botas. Aqueles sapatos estavam encrustados de lama e ela se lembrava que a casa havia acabado de ser limpa. Depois, ela correu para atender a chamada de seus amigos e falar que eles podiam jogar umas partidas sem ela, já que ela estava ocupada. Só os Deuses sabiam como ela precisava de um banho de verdade, mas haviam coisas mais importantes a se fazer. Interrompendo a refeição do gato, Sara o pegou no colo, o abraçou e o encheu de beijos. Como ela estava com saudades daquele bichano!

- Então, esse é o Jhin? – TF perguntou.

- Uhum. Ele não é uma fofura?

- E quem são esses? – Ele perguntou, apontando para um painel de fotos.

Vendo a forma confusa com que TF olhava para simples fotos, ela desistiu do banho. Pelo visto não havia passado nem um segundo desde que ela havia ido para o Runeterra. Isso era bom, uma vez que Jhin teria morrido de fome e a família dela teria entrado em desespero pelo sumiço. Ela colocou o gato no chão e tirou o orbe da bolsinha para tentar voltar para Runeterra. Pelo menos ela havia aprendido a voltar para casa. Aquele não era o mundo de Twited Fate. Era melhor leva-lo para Runeterra e depois voltar sozinha para tomar o seu merecido banho. Tudo que ela havia feito foi desejar ir para casa, do mesmo jeito que ela estava desejando e acreditando ser possível ir para Runeterra quando aconteceu da primeira vez. Magicamente, ela descobriu que estava fazendo certo. Era só desejar que aconteceria. Só que aquela habilidade do orbe não poderia ser utilizada tão rápido de novo. Eles iriam ter que esperar.

Twisted Fate pegou uma de suas cartas e se concentrou nela. Sara viu os olhos dele brilharem em branco por causa da magia que ele usava. Logo, ele guardou a carta de volta na manga. Ele estava só testando se magia ainda funcionava naquele mundo e funcionava. Pelo menos uma boa noticia.

- Acho que estamos presos aqui até eu poder utilizar o orbe de novo. – Sara pronunciou.

- Você acha? – TF perguntou, ironicamente.

- Eu vou tomar banho. Se quiser faça amizade com o Jhin.

A garota deixou o mago parado no meio da sala/cozinha do kitnet e foi para o quarto. Naquele momento, a melhor invenção do mundo era o chuveiro. Poder lavar os cabelos com shampoo e condicionador era revigorante. Depois de um longo tempo aproveitando a água quente, Sara saiu do banho vestindo o seu roupão. Ela encontrou o mago deitado na cama dela, brincando com uma carta entre os dedos. O quarto não era grande, mas cabia um guarda roupas de 2 portas de correr, a cama de casal espremida em um canto e a escrivaninha onde Sara deixava o computador.

- Quer tomar banho? – Ela perguntou. – Tem água quente.

- Não é como se eu tivesse algo melhor para fazer. – O mago aceitou.

Ele saiu da cama e entrou pela porta onde Sara estava até pouco tempo. A garota abriu o guarda roupas, pegou uma toalha e entregou para ele.

- Aproveite o seu banho.

Ela fechou a porta para dar privacidade ao amigo. Com um pente em mãos, a garota se jogou na cadeira do computador e se conectou na áudio-conferencia dos amigos. Eles estavam no meio de uma “Team Fight”, então gritavam um com o outro e com os inimigos como se os últimos pudessem ouvi-los. Sara esperou a “T.F.” terminar para falar que estava lá, só para ouvir os amigos reclamarem que ela estava atrasadíssima e que por causa disso eles tiveram que jogar com batatas aleatórias. Sara se desculpou, já abrindo sua conta do “LoL”. Fazia tempo que ela não jogava e ela estava morrendo de saudade dos amigos.

No meio da seleção de campeões da terceira partida, Sara percebeu TF se sentar ao lado dela, aos pês da cama. Ela havia esquecido que ele estava ali. Olhando para ele, ela viu que ele comia a lasanha que ela havia colocado no microondas há muito tempo atrás. Ele estava de cabelos visivelmente molhados, então Sara entregou o pente para ele.

- O que você está fazendo? – Ele perguntou.

Sara pegou o garfo da mão dele com casualidade e comeu um pedaço da lasanha. Finalmente, algo devidamente salgado. O mago não se importou, uma vez que aquela comida era dela de todo jeito. Sem falar que eles passaram mais de uma semana dividindo todas as refeições. Já era tarde de mais para não querer dividir comida.

- Jogando League of Legends com os meus amigos. – Sara respondeu casualmente.

Ela deixou o garfo de volta no prato e se virou de volta para a tela do computador. O mago estava pronto para despejar toda a sua ironia na garota, mas desistiu. Desde quando ele sabia o que era League of Legends?

- Quem é que está ai? – Gustavo perguntou pela áudio conferencia.

- Um amigo meu. – Sara respondeu, no automático.

- Me sinto traído... – Henrique reclamou dramaticamente. – Eu achei que eu fosse seu amigo.

- Henrique, ainda não esta no horário para carência. – Sara o repreendeu.

Era a vez de Sara escolher o campeão, mas ela tomou um susto. Henrique havia acabado de escolher a rota dela. Ele havia pegado um Veigar.

- Seu galã de novela mexicana dos anos 80! – Ela o xingou. – Eu ia “mid”!

O rapaz riu diabolicamente pela chamada, fazendo Sara ficar mais nervosa ainda.

- Vem suporte. – Miguel pediu.

- Ta bom... – Sara concordou decepcionada.

Não é como se ela tivesse escolha.

- Pega o TF. – Miguel pediu. – Eu estou de Graves, vamos de “role play”.

Sara olhou para o Mestre das Cartas em pessoa ao seu lado e respondeu:

- Melhor não.

Twisted Fate, olhou para ela confuso, coma a boca cheia. Seria estranho jogar com ele ali do lado. Ainda mais que Sara não havia contato para ele que ele era um campeão da Liga. Ele já tinha um ego gigantesco. Não precisava descobrir que fazia parte da lista de criaturas mais extraordinárias de Runeterra.

- Eu vou na próxima, se alguém me deixar ir "mid". – Ela continuou.

Henrique riu diabolicamente de novo. Sara respirou fundo e escolheu a Soraka, para então encerrar a seleção de campeões. Deixa-la irritada era exatamente o que Henrique queria e ela não daria esse gostinho para ele.

- Deixa eu bater um papo com esse seu outro “amigo”. – Henrique pediu, ainda se fingindo de magoado.

A garota pensou em negar, mas lembrou dos comentários que isso poderia render. Então, ela desligou o próprio microfone por um momento para conversar com o campeão do seu lado.

- Meus amigos querem conversar com você. – Sara anunciou.

- E dai? – TF perguntou, obviamente concentrado na lasanha.

- E dai que eles vão ficar falando que eu arrumei um namorado se você não quiser conversar com eles!

- Isso não é problema meu.

- TF...- Ela insistiu, fazendo bico.

Ele revirou os olhos e respondeu:

- Você vai ficar me devendo uma.

- Só não fale nada sobre ser o Twisted Fate ou sobre Runeterra, pode ser?

TF confirmou com a cabeça. Ela já havia falado sobre magia não existir no mundo dela e sobre Runeterra ser uma lenda. Não era difícil ele entender que ela só queria evitar perguntas e se ele não tivesse cuidado, causaria mais.

- Falem oi pro meu amigo. – Sara anunciou. – Vocês estão no viva voz.

Um turbilhão de vozes tomou conta do quarto. Jhin, que estava dormindo em cima cama, deu um pulo de susto por causa do som inesperado. Sara riu do susto do gatinho, mas Twisted Fate parecia nem mesmo estar presente ali.

- Prazer em te conhecer cara! – Um dos rapazes falou, tomando a frente. – Qual o seu nome?

- TF. – Sara se apressou em dizer.

- TF?- Miguel se pronunciou? – Tipo “Team Fight”?

- Tipo Twisted Fate? – Henrique acrescentou.

- Exatamente. – O mago respondeu quase em tom de deboche.

Sara sentiu um frio percorrer a espinha, mas felizmente a partida começou antes que eles pudesse fazer mais perguntas. Seria um verdadeiro estardalhaço se as pessoas descobrissem a verdade. Talvez, ela revelasse para o mundo um dia, mas primeiro ela precisava se organizar. Até lá, seria bom manter Runeterra em segredo.

O assunto deixou de ser o amigo de Sara e voltou a ser o jogo, só que dessa vez TF participava das conversas paralelas. Ele estava sendo amigável, o que fez Sara se arrepender amargamente de ter o convencido a falar com os amigos dela. No futuro, ela ia ter que pagar aquilo com juros e reajuste. Traduzindo. Ela estava ferrada.

Ao fim da partida, Sara ouviu o telefone tocar. Ela pensou em pedir para TF atender, mas se lembrou que ninguém conhecia ele e estranhariam um homem atendendo seu telefone. Depois de pedir um momento para os amigos, Sara foi até a sala/cozinha. O prato sujo de lasanha estava sobre a pia, o que a lembrou que ela ainda não havia jantado. Seria uma boa ideia pedir uma pizza. Até porque TF também iria querer comer.

- Alô? – Sara respondeu no telefone.

A garota sorriu ao ouvir a voz da mãe dela do outro lado da linha. Fazia tanto tempo que ela não conversava com a mãe que havia se esquecido de como sentia saudades. Infelizmente, o sorriso da garota não durou muito. A mãe estava ligando para avisar que o pai de Sara havia sido chamado de ultima hora para um evento e que por isso não poderiam ir visitar a filha naquela semana. Se ela fosse voltar para casa para as ferias, iria ter que ficar sozinha por algum tempo. A mãe dela pediu milhões de desculpas e fez a filha prometer que não ficaria triste. Vendo que isso não adiantava, ela comentou da gorda quantia que o pai havia dado como presente por ter passado em todas as matérias do semestre. Ela a encorajou a gastar tudo, em vez de colocar na poupança, como ela sempre fazia. Sara se despediu da mãe, se esforçando para fingir estar melhor, mas caminhou cabisbaixa até seu quarto.

Ela quis chorar. A ultima vez que ela viu a mãe foi no ultimo feriado prolongado, antes da semana de provas. Já havia mais de um mês somando o tempo que Sara passou em Runeterra. Ela havia ficado feliz por ter voltado para casa, principalmente porque achou que iria poder ver a mãe no dia seguinte. Mesmo estando acostumada a passar meses sem ver o pai, ela ainda sofria por ficar longe da mãe, ainda mais depois de ter quase morrido uma vez. Por todo o tempo em que passou em Runeterra, a única pessoa que ela realmente temia não ver de novo era a mãe e mesmo que ficasse naquele mundo por mais tempo, levaria pelo menos duas semanas até poder vê-la de novo.

Twisted Fate percebeu que ela estava triste, então fico quieto. Ele sabia respeitar os sentimentos de alguém, mesmo que não soubesse o que fazer naquele momento. O que complicava tudo era que aquela era a primeira vez que o constante brilho alegre havia deixado os olhos dela.

Vendo o amigo ali, olhando para ela com um olhar de compreensão, Sara se lembrou de como havia sido viajar com ele e com o pai que ela havia ganhado em Runeterra. De uma forma estranha, era como se os dois fossem uma família para ela. Uma família confusa, encrenqueira e trapaceira, mas uma família.

Se sentindo melhor por lembrar das pessoas que haviam entrado em sua vida, Sara voltou a se sentar na cadeira do computador. Ela tinha algo importante para verificar.

- Meninos minha mãe não vai mais vir me visitar amanhã. Ainda tem espaço no carro? – Ela perguntou.

- Você sabe que a gente sempre guarda o seu lugar.- Miguel respondeu.

Ela sorriu com a resposta. Aquele grupo de nerds eram os melhores amigos de todos.

- Obrigada, mas eu perguntei para saber se cabe mais 1 além de mim.

- Cabe sim. O TF também vai?

O mago levantou uma das sobrancelhas, perguntando com o olhar o que estava acontecendo ali. A alegria de sempre havia voltado para o olhar de Sara e aquilo não parecia ser coisa boa.

- Pode apostar! – Sara respondeu, convicta.

Bônus:

- Por que você quer que eu vá? – TF perguntou baixo.

- Eu já disse. – A garota respondeu, sonolenta. – Vai ser mais divertido contigo.

- Seus amigos já estarão lá.

- Eu gosto de ter você por perto.

- Malcolm odiaria ouvir você dizer isso.

- Só queria ver a surra que ele daria em você se soubesse que nós estamos deitados na mesma cama.

- E você não se importa?

- Bom, o Jhin fez o favor afiar as unhas o colchão inflável, então não tem onde mais você dormir. E também, eu confio em você.

- Não é inteligente confiar em um trapaceiro.

Sara se deixou rir um pouco. Ele estava certo. Mesmo assim, ela ainda não conseguia não confiar nele. O que ele poderia fazer? Ou melhor, por que ele iria querer fazer alguma coisa de ruim?

- É. Eu sei. – Ela respondeu. - Também não é inteligente irritar uma invocadora.

- Acho que nisso nós estamos kits.

- Obrigada por ter conversado com os meus amigos mais cedo. Me poupou muitas explicações.

- Não agradeça. Não fiz de graça. Mas me diga, por que eles iam achar que você estava namorando?

- Porque da ultima vez foi assim. Meu namorado não conversava com eles porque no fim sempre acabava em uma briga por causa dos ciúmes dele.

Dessa vez, quem riu foi Twisted Fate.

- Malcolm sabe que você já teve um namorado? – Ele perguntou, se divertindo.

- Ele iria querer matar todos os meus ex namorados se soubesse.

- Você teve mais de um? – TF perguntou, ainda se divertindo. – Você não é tão inexperiente quanto parece.

- Não foi nada muito sério e nem muito duradouro. Vai me dizer que você nunca gostou de alguém o suficiente para querer só uma pessoa?

- Eu aposto que todos eles não valeram a pena.

- Nem mesmo um pouquinho.

Sara se deixou rir de novo. Ela estava falando de relacionamentos antigos com o melhor amigo do pai dela. Graves ficaria irado com aquilo. A garota se deixou bocejar e abraçou seu gatinho. Ter o ronrom dele por perto ajudava o sono a chegar, sem falar que a cama dela era uma delicia. Aquele era o melhor lugar do mundo para dormir, ainda mais depois de passar tanto tempo dormindo em colchões de palha, quando havia a opção de dormir em uma cama.

- Acho que eu teria enlouquecido se eu não tivesse meus amigos. – Sara completou.

- Não sou desse mundo e seus amigos estarão por perto. Vou só causar problemas se eu for.

- Eu não vou te deixar sozinho em um mundo que você não conhece. – Sara reclamou. – Você nunca dorme não, é?

Já era tarde. Bom, tarde para quem acordou com o nascer do sol e ficou boa parte do dia andando de um lado para o outro em um porto medieval abarrotado de gente. Sara nunca havia visto TF dormindo e a única vez que achou que ele estava apagado, ele falou em alto e bom tom “Não estou com frio.” quando ela foi o cobrir. Parte dela achava que era porque ele não confiava o suficiente nela, ou talvez ele tinha um jeito magico de recuperar energia.

- Não, eu não durmo. – Ele respondeu casualmente. – Eu não me importaria de ficar aqui sozinho.

Sara suspirou cansada. Pelo jeito ele não queria ir. Só que Sara estava decidida em queimar todo o dinheiro que o pai havia dado para ela. Estava fora de cogitação deixar TF sozinho. Até porque, ele ia acabar assaltando um banco enquanto ela estava fora, só por diversão. Ninguém iria conseguir explicar como ele conseguiu simplesmente aparecer dentro de um cofre e sair de lá com todo o dinheiro.

- Você vai! É mais seguro para nós dois não nos separarmos. Se for para você andar por ai nesse mundo, que ande comigo!

- Não estou nem um pouco afim de viajar com você. – TF falou friamente. – Já basta ter que fazer isso por causa do Malcolm.

- Tarde de mais! – Sara rebateu. – Você vai, nem que eu tenha que usar o orbe para isso.

Sara bocejo. TF bocejou também, entregando que também estava com sono. Eles estavam deitados, ela para cabeceira da cama e ele para os pés, cada um com um travesseiro e um cobertor. Os amigos de Sara passariam ali cedo para pega-los. Era melhor eles pararem de conversar e ir dormir.

- Seu idiota. – Sara reclamou baixinho. – Como é que eu faço para entrar na sua cabeça que eu nunca te deixaria para trás?

Quase como se tivesse caído em um feitiço, Sara sentiu o corpo ficar pesado. TF respondeu alguma coisa, mas ela não conseguiu entender. O sono havia tomado conta dela. 


Notas Finais


Ando desanimada de escrever porque não tenho feedback. Não sei se vocês estão gostando ou o que vocês querem ler. Comentem se quiserem que eu continuo postando. E eu também tenho um capitulo em que escrevo na visão do TF. Não é nada que faça diferença na historia, mas lá deixou claro o que ele esta sentindo e as coisas que estão acontecendo longe da percepção da Sara. Se alguem quiser ler, eu posto assim que possível. Se não, fica guardado aqui no meu arquivo do word e eu continuo como está. Beijos e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...