História Aventuras amorosas de Zitao - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baeksoo, Baekyeol, Chenkris, Hunhan, Kray, Krismin, Lemon, Muita Lemon, Muita Lemon Mesmo, Soomin, Taobaek, Taohan, Taohun, Taohunhan, Taoris, Varios Couples Pq Sim
Exibições 160
Palavras 2.894
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey yo vcs~~~~!

Sei que estou atrasada, essa semana só ando postando coisas atrasada, mas vida que segue... C:

Bom, como disse semana passada, esse cap seria diferentão e tals...rsrsrsrsrsrs Fiz isso só pra deixar aquele suspense todo e acho que consegui MUAHAHAHAHA~~!

E qual é a diferença desse cap?! Isso mesmo! Nenhuma coisa, nada acontece, só fiz aquilo pra causar e... ZOEIRA!

Não sou tão fdp nea?! Mas voltando ao diferencial do cap...

Bom, ele não é narrado pelo nosso Taozi... Ele é narrado por um menino que causa muito, rsrsrsrsrs isso mesmo...

PELO BAEK! BAEK VAI NARRAR ESSA COISA LOUCA HOJE!

TENHAM UMA BOA LEITURA COM ESSE LINDO SAFADO! C:

(relevem os possíveis erros *-*)

Capítulo 24 - O amigo na bad, a volta do trambiqueiro e o florista bonitão


 

 

Um mês depois...

~~~~~~~ POV Baek ~~~~~~~~

 

—Aish Baek, pelo menos gema com vontade. –aquele projeto de vara falou e eu o olhei de canto. –Você nem olhando na minha cara ta, pelo menos solte sons decentes e não esses resmungos de velho. –mas que audácia! Que ridículo.

—Saí de cima de mim! –falei e o empurrei, quase o derrubando da cama. –Se eu não estou gemendo é porque você não está me satisfazendo! –me levantei e peguei minhas roupas, começando as vesti-las.

—Que historia é essa? –bem feito. Não tenho culpa se já estou acostumado com o pinto dele. Preciso de coisas novas e maiores. –Você até semana passada gritava!

—Isso mesmo, até semana passada. Porque não gosto mais do seu pênis. –falei mesmo. –E vai embora, anda, se vista e saia da minha casa!

Aquele idiota me olhou com raiva, mas quando eu peguei meu chinelo e o ameacei, ele logo se levantou e começou a se vestir. Não demorou nem cinco minutos e eu tava chutando a bunda dele para ir embora logo e parar de frescura na minha porta. Como se eu fosse dar um beijo nele. Bem capaz que eu iria fazer isso!

Bati a porta com força e bufei irritado. Fazia dias que eu andava daquele jeito, sempre com raiva e descontando em todo mundo, mas estou pouco me importando com isso. Eu já até tinha arranjado um outro emprego porque eu dei uns tapas na cara da minha ex-chefe que estava me assediando sexualmente em pleno provador de roupa. Naquele dia eu não me segurei e dei umas bofetadas bem dadas naquela fuça dela, me demiti e sai correndo antes que alguma daquelas quengas que trabalhavam comigo resolvesse chamar a policia.

Agora eu estava em uma loja de conveniência e era até legal trabalhar ali, tirando as cantadas dos caminhoneiros fedidos que iam abastecer no posto de gasolina. Eles se prestavam a entrar na loja apenas pra jogar palavras sujas pra cima de mim. Nem para eles serem gostosinhos e limpinhos...

Me atirei em meu sofá e fechei meus olhos por alguns segundos, fazia um mês que minha cabeça estava cheia de coisas e isso tudo era em relação ao infeliz do Tao. Aquela bicha não me atendia no celular, no telefone de casa e nem abria a porta pra mim. Vê se pode uma coisa dessas! E eu descobri que ele até tinha se demitido do supermercado, porque meu conhecido havia me dito que um dia Tao apareceu todo esculhambado, falou com a gerente e saiu de lá de cabeça baixa.

Eu já estava ficando nervoso com aquilo tudo. E se Tao estivesse se mutilando? Porque aquele ridículo tinha tendência suicidas...

E eu sabia quem era o motivo de tudo aquilo: Sehun

É, aquele gostoso idiota havia fodido bem a vida do meu amiguinho, nos dois sentidos, e agora ele ta lá no bem bom comendo o fantasma enquanto meu amigo nem comer comida deve estar comendo. Grunhi de raiva e me levantei, tomei um banho pra tirar o cheiro daquele cara com pinto sem graça e fui em direção a casa do meu vizinho. Não, eu não ia tocar a campainha e sim espiar o que ele fazia enquanto Tao deve estar atirado em algum canto da casa dele.

Olhei pela janela e não me importo se alguém vai me ver ali, e se me verem eu mostro a bunda ainda. Nem ligo!

E lá estava aquele idiota, sentado no sofá assistindo TV com aquele fantasma idiota fazendo carinho nele. Aish! Era Tao quem devia estar ali e não ele.

Malditos idiotas!

Voltei para minha casa rapidamente e quando fechei a porta quase caí para trás ao ver Luhan no meu sofá. Mas a bicha é rápida!

—Porque tava nos espiando? –ele perguntou e eu o olhei com desdém e apenas ignorei. –Ei! Eu falei com você.

—Olha aqui seu fantasma de merda, tu não entra mais na minha casa, entendeu? –falei com raiva e ele me olhou assustado. –Sai, não quero alma penada na minha casa!

—Grosso! –falou e levantou, indo em direção a porta e passando por ela.

Sou grosso mesmo, e que ele se lamente que não vai ter minha grossura nele. Idiota ladrão de bofes!

 

 

Estacionei em frente à empresa onde Kyungsoo trabalha e desci do meu carrinho, coloquei o alarme e atirei meus cabelos curtos ao vento, desfilando até a entrada. Passei pela porta e logo vi o traíra do recepcionista. Tenho nojo da cara desde o dia que levei Tao para ver ele com Yifan no restaurante, e ele parece não gostar muito de mim já que me olhou com carinha feia. Tcs... Cara feia pra mim é coisa de mal comido!

—O Kyungsoo está? –perguntei de modo frio e ele me olhou com nojinho. –Fala logo, não tenho tanto tempo para desperdiçar com um vagabundo como você.

Ai, como to mau!

—Está sim. –respondeu e eu lhe sorri falsamente. –Quer que eu o avise que está aqui?

—Sim, por favor, escravo. –eu não podia perder essa! E ele me olhou com mais raiva. Como quis rir!

Jongdae ligou para o meu amigo e avisou que eu estava ali e eu me dirigi aos sofazinhos que tinham próximos da entrada. Me sentei e peguei da minha bolsa meu celular, tentando mais uma vez ligar para Tao e aquele idiota não me atendeu. Mas eu ia ver ele hoje! Ia sim, nem que eu precisasse explodir a casa dele!

—Amigo! –Soo falou empolgado ao que se aproximava de mim e eu me levantei para abraçá-lo. –Pensei que fosse ficar a manhã inteira com aquele jogador do time beneficente, como é o nome dele mesmo?

—O nome dele é Minho, e eu o larguei. –falei e Soo riu. –Ele já não me satisfazia.

—Que pena. Mas, porque veio me ver? Não iríamos nos encontrar no almoço? –ele perguntou e eu suspirei. –Ah, é o Tao. Não tem noticias dele?

—Não! A ultima vez que eu o vi, nós estávamos comemorando sobre aquilo das fotos e depois ele me mandou embora no outro dia e nunca mais me atendeu. —claro que omiti o fato de nós termos “feito amor” e ele ter ficado todo carente depois. –Estou tão preocupado.

—Eu também. Será que não é bom nós irmos até a casa dele? A gente pode arrombar a porta ou entrar por alguma janela. –Soo às vezes tem idéia de marginal, mas até que foram boas...

—Ta, na hora do almoço a gente vai lá. –falei e ele assentiu. –E você... Hm, não teve noticias sobre aquilo? Já faz um mês e...

—CADÊ AQUELE FILHO DA MÃE?! –um cara entrou gritando e eu arregalei meus olhos. –CADÊ O YIFAN?

—As noticias estão acontecendo agora. –Soo falou e eu o olhei novamente. –Esse que é o modelo, e olha, ele demorou muito pra vir até aqui. –realmente. Esse menino é atrasado. –Ah, mas ele viajou pra uma campanha ambiental no Brasil faz uns bons dias. Vi umas fotos na internet e tem uma que ele ta usando apenas uma bola de futebol pra tapar o pau dele. –mas gente! Preciso dessas fotos para ontem, porque o homem é gostoso demais!

E a gritaria continuou até ao momento que o Yifan apareceu assustado e recebeu uns belos tabefes e socos. Resolvi sair antes que ele me visse ali e descobrisse que a coisa havia sido toda armada pelo Tao. Mas eu sequei bem aquele modelo gostoso antes de correr dali.

 

 

Resolvi que iria comprar um presentinho para o Tao se sentir bem e ver como é importante para mim. Fui até a uma floricultura e comecei a ver as flores bonitas e cheirosas até ao momento que um homem alto esbarrou em mim, eu já estava pronto pra xingar ele e sua distração, mas arregalei os olhos. Não. Não podia ser!

—Jongin? –falei e ele ficou branco, e olha que ele é bem moreninho. Que cretino filho da puta! –Seu canalha trambiqueiro! –lhe dei um tapa na cara e ele quase caiu por cima de uns arranjos de flores. –Você sumiu com tudo meu! Seu aproveitador!

—Calma Baekkie, não me bate. –falou, mas eu o ignorei. Passei a dar uns tapas e chutes nele até o derrubar no chão. –P-Para!

—Eu vou parar quando você estiver atrás das grades! –falei e peguei meu celular pronto para ligar para a policia, mas o infeliz se levantou e me empurrou pra cima de uns vasos.

Caí e aqueles vasos se quebraram, mas ainda bem que não eram de vidros, porque senão estaria todo esfolado. Mas aquele ridículo ainda estava em Seul, eu iria denunciá-lo e até faria retrato falado se fosse preciso!

—Ei! O senhor está bem? –ouvi alguém falar e olhei para cima e demorei a encontrar o rosto da pessoa. –Está machucado?

—N-Não. –o respondi e aceitei a ajuda dele para levantar. E nossa, ele era bem alto. Bem mesmo e ainda trabalhava ali. Aish, to vendo que vou ter que pagar os prejuízos. –O-Olha, se vocês parcelarem eu posso pagar, e-eu não devo ter tudo aqui e...

—Não é preciso, foi um acidente, não foi? –assenti e ele riu fraco. –Bom, eu vi que o senhor foi empurrado, quem deveria pagar era aquele que saiu correndo.

—Sim, aquele canalha. –praguejei e recebi um olhar curioso. –A-Ah, você pode me fazer um arranjo de rosas? E-Eu quero comprar para um amigo.

—Ah sim, já faço e o senhor...

—Não sou tão velho assim, me chame de você. –falei e ele riu fraco, desviando o olhar. Ele ficou envergonhado, que fofo!

—Ok, então me acompanhe.

Claro que eu o acompanharia. Eu iria até se ele não pedisse!

 

 

Kyungsoo havia me ligado logo depois de eu ter saído da floricultura com as flores e com o numero do atendente gatinho que eu descobri se chamar Chanyeol. Eu o cantei descaradamente e ele parecia estar todo tímido, mas se ele me passou o numero é porque ele é um danadinho! Mas voltando ao assunto da ligação do meu amigo, Soo havia ficado “preso” no trabalho porque a discussão do modelo gostoso com o Yifan havia ficado pior porque o desgraçado do Yixing apareceu do nada. Pelo que Soo disse, Yixing saiu até sangrando da empresa e Yifan havia ficado todo escabelado e com a cara roxa, e o coitado do modelo parece que saiu machucado também.

Mas o importante era que Yixing e Yifan se foderam e Tao precisava saber disso! E por isso que eu estava ali em frente à porta dele com meu lindo buque de todas as rosas, estava todo colorido. Tinha rosas amarelas, rosas azuis, rosas amarelas, rosas brancas e rosas vermelhas. Estava tudo tão bonito que meus olhos até brilharam.

Toquei a campainha e abri um sorriso esperando que a porta fosse aberta, toquei uma segunda vez e já fiquei sério, aish! Bati na porta e nada.

Mas que merda!

Peguei meu celular em minha bolsa e disquei o celular de meu amigo e eu ouvi tocar dentro da casa, mas ele não me atendia.

Mas e se ele tivesse se matado e seu corpo já estivesse em decomposição?!

NÃO! ISSO NÃO!

Andei até a lateral da casa e procurei por alguma janela aberta e nada, mas que merda. Fui até ao muro que dava para o pátio dele e consegui pular sem rasgar nenhuma peça de roupa e sem estragar o buque. Fui ate a porta dos fundos e ela estava aberta! Quase gritei de emoção!

Mas ao invés disso eu arregalei meus olhos ao ver o estado que estava a cozinha. Estava cheia de pratos e pó pra todo o lado. Parecia que era uma casa abandonada. Caminhei rapidamente até a sala e também estava daquele jeito, desajeitada e com um cheiro ruim.

Coitado do meu amigo.

Percorri com o olhar toda aquela bagunça e achei seu celular, o peguei e meus olhos dobraram de tamanhos. Havia 325 ligações perdidas e 120 mensagens. Que horror isso tudo!

Fui até ao quarto e logo vi meu amigo, atirado na cama totalmente encolhido e frágil. Me aproximei dele e tapei meu nariz, o infeliz tava fedendo! Deveria estar sem tomar banho há dias. Porque ele se largou assim? Ele não deveria ter feito isso!

—Tao! Olha o seu estado! –falei e ele se acordou assustado, se sentando e me olhando confuso. –Você precisa de um banho. –falei e ele negou com a cabeça, se afastando de mim e percebi que suas roupas estavam enormes em seu corpo. Ai Deus, ele nem deveria comer direito! –Seu louco! Porque está assim? Vem, vamos tomar um banho.

—Não, me deixa. Vai embora. –falou e meu coração se apertou. –Eu não quero falar com você, não quero falar com ninguém. Eu quero morrer!

—Cala essa boca antes que eu enfie esses espinhos na sua garganta. –falei indicando o buque e ele se encolheu. –Eu comprei pra você, pra colocar na sala e deixá-la mais refrescante, mas o que eu encontro é sua casa virada num lixão. Você só pode ter enlouquecido. –disse e coloquei as flores sobre o criado mudo. –Vem, vou dar um banho em você e vou fazer alguma coisa pra você comer e depois tentarei limpar esse chiqueiro.

Tao me olhou choroso, mas aceitou a ajuda no banho e que fedido ele estava. Puta que pariu!

Eu esfreguei bem ele, passei sabonete bem naquele corpo que agora estava ficando limpinho, lavei seu cabelo e depois de finalizar tudo, o enxuguei. Busquei roupas limpas e o vesti todo bonitinho e o levei pela mão até a cozinha. Arrumei um canto da mesa e fiz um lanche rápido para que ele não desmaiasse e o idiota quase comeu o prato junto.

Nunca que eu pensei que veria ele daquela forma tão deplorável, largado, com o rosto inchado de tanto chorar e com a pele ressecada. Meu amigo precisava de um trato e eu faria isso nele.

Mas claro, depois de arrumar aquela bagunça toda.

 

 

Levei quase 2h limpando tudo e daquela casa eu enchi dois sacos de lixos de porcarias largadas pelos cantos. Tao estava deitado, observando as flores que eu tinha colocado em um vaso em cima do criado mudo dele, e como ele estava sensível chorou quando segurou o buque. Até eu quase chorei com aquilo tudo, ele estava tão abatido.

Mas quando eu tinha colocado todo o lixo na rua e apagado quase toda caixa de mensagens do celular do meu amigo, fui ate ao quarto e me deitei ao lado dele, o puxando para meus braços e fazendo um carinho no topo da cabeça dele. Tao ronronou como um gatinho e eu beijei sua testa e assim vi mais uma vez os olhinhos dele brilharem e lagrimas escaparem por eles, molhando suas bochechas. Aish, ele só sabe chorar.

—Ai amigo, não chora. –falei e ele fungou. –Seu rosto parece uma bolacha, pare com isso. –ele fez um bico, mas parou de chorar no mesmo instante. Que bom! –Tenho um babado pra te contar!

—Então conte. –falou de má vontade e eu quase lhe dei uma bofetada, mas relevei por saber que o estado dele não era o dos melhores para apanhar.

—Eu fui ver o Soo hoje e vi quando o modelo gostoso que namorava o Yifan chegou lá metendo a mão na cara dele e fazendo um escândalo. Só que eu fui embora né, aí o Soo me ligou depois e disse que o Yixing vagabundo chegou lá e apanhou do modelo. Meu Deus, deve ter sido muito legal ver ele apanhar!

—É. –Tao disse e eu o olhei sério. –Ai Baek, eles brigaram por minha culpa. Não me sinto bem agora.

—Mas que historia é essa? –o soltei e me sentei na cama. Meu amigo deve ter batido com a cabeça no meio desse mês que não nos vemos. –Eles mereceram! Yixing por ser um vagabundo e o Yifan por ser um canalha!

—Ok, bem feito pra eles. –Tao murmurou e se virou para o outro lado, se encolhendo todo.

Mas o que fizeram com o meu amigo?! Esse não é ele! Não pode ser!

—Ai Taozi, se anime. –falei e cutuquei suas costas. –Eu faço o que for possível para ver você sorrir hoje. Me diga, o que eu posso fazer pra te deixar feliz?

—Ir embora. –outch!

Então era assim? Eu venho até aqui com um buque de flores, dou banho nele, faço comida pra ele, limpo a casa pra ele e ele me manda embora? Era essa a gratidão que ele tinha por mim?!

Como eu sou otário!

Me levantei indignado e fui batendo os pés para fora da casa dele, sai pela porta da frente e a bati com força e fui para o meu carro. Se é assim que ele me trata depois de ter cuidado dele então nunca mais vou vir atrás dele. Ele que se arruíne e se afunde nesse poço que ele próprio fez!

Se ele não tem amor próprio não vai ser eu que vou amá-lo! Nossa, assim eu fui muito rude. Porque ele é um dos meus melhores amigos e eu o amo, mas do que adianta eu vir atrás dele preocupado para ele me mandar embora? Eu não sou palhaço!

E se ele quer ficar sozinho então que fique.

Eu não venho mais atrás dele!

 

 

 


Notas Finais


Três aparições aconteceram: Minho, Chanyeol e Jongin...

Quem aí não esperava pelo Minho?! UHAUHAUAHUAH sei que foi aleatório esse projeto de Baek x Minho, mas vlw nea?!

Jongin trambiqueiro ladrão apareceu também, só pra poder ajuntar Baek com o Chan, rsrsrsrssrrs


E o que falar do Tao todo depressivo e frágil?! :( Tadinho dele nea?! :(((

Bom, o próximo cap voltaremos ao "normal". Ele será narrado pelo nosso Taozinho lindo e espero que tenham gostado dessa experiencia doida que foi esse cap com o Baek UAHUAHAU C:

Até semana que vem! Beijinhos (*3*), amo vcs <3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...