História Aventuras na cracolândia: Estreando Rogerinho drogadinho - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Got7, Monsta X, NCT U, Seventeen, SHINee, VIXX
Exibições 28
Palavras 1.037
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá abores!

Nada a declarar!

Boa leitura!

Capítulo 7 - O mundo da voltas como 1 roda gigante


Autora Pov.on

Rogerinho caminhava tranquilamente nas ruas, indo à busca de seu “amigo” Clebs já que seu namorado havia insistido tanto. Descendo e subindo vielas a mais de meia hora, encontra o seu “amigo” sentando na rua, chorando e fumando – como sempre fazia.

Mas algo estava diferente, logo Rogerinho percebeu que Clebs havia novamente furtado seus baecks e isso não ficaria assim. Rogério partiu pra cima do ser choroso e começo a aperta seu gogó, Clebs tentava escapar dos golpes do mais alto, mas foi em vão. As mãos grandes e grossas de Rogerinho prendiam seu pescoço de tal forma que era quase impossível de se escapar.

Naquele momento Clebs achou que morreria ali, e começou a chorar novamente, o pobre chorava por não poder se desculpa com Donato, por não poder da uma boa moradia aos seus amigos - mesmo que Rogerinho não o considerasse como tal – vendo tal cena o mais alto se afasta do amigo pequenino e lhe da um abraço, tentando lhe reconforta. E talvez quem saiba se desculpar com aquele abraço. Rogério era um ser muito orgulhoso e não pediria desculpas diretamente.

Autora Pov.off

[Dentro do ônibus]

Finalmente tive força para abri meus olhos, mas me assustei com a cena: Nelson o motorista da favela tentando tirar minha calça – ele estava tremendo e como só tinha um olho tudo ficava mais complicado.

- Que caralhas você pensa que está fazendo? – Gritei dando lhe uma joelhada na boca e me levantando.

- Vo-você acordou? – Aquele inseto se levantou do chão onde estava ajoelhado e colou a mão e sua boca, provavelmente a joelhada foi forte de mais.

- Não ainda estou dormindo, não esta vendo? Achei que seu único olho funcionasse corretamente – Ele estava tão assustado que não me respondeu aproveitei para sair dali, eu não queria que ele me violasse.

Autora Pov.on

Um mês se passou e ninguém teve noticias de Nelson, alguns achavam que a policia estava atrás dele, pois o mesmo cometera vários atropelamentos. Todos na favela já sabiam sobre a tentativa de estupro que Nelson havia cometido e já sabia quem era o menino. Cletus era o nome dele, morava na parte mais rica da favela – era primo de Donato por sinal.

Clebs e Donato se resolveram, após Donato faz um show na casa de seu pai após descobri que o mesmo mandou: Bater e violar Clebs. Como pedido de desculpas Rod(Ney) deu uma bela casa para que Clebs e seus amigos.

O relacionamento de Leôncio e Rogerinho ainda não era explicito, os dois são putas discretas e preferiam se amar em segredo, sem olhares alheios ou vizinhos mexeriqueiros se envolvendo em seu relacionamento – um pouco conturbado por sinal.

- Clebinho meu anjo como você esta? – Donato falava em quanto entrava no quarto de seu namorado.

- Melhor agora com você! – Solto um sorriso malicioso para o moreno parado em sua porta. A passos lentos foi se aproximando de sua bonequinha – era como Clebs chamava seu namorado – e lhe deu um beijo, no inicio foi um beijo calmo, mas logo foram aprofundando cada mais o beijo.

Clebs puxou seu amado para dentro do quarto fechando a porta atrás dele, não queria que nada atrapalhasse aquele momento. Era a primeira vez que os dois faziam aquilo e nada, nem ninguém poderia estragar a pequena farra dos dois.

[No andar de baixo da casa]

Leôncio havia saído com suas novas amigas e tinha deixado Rogerinho sozinho. Então Rogerinho percebeu que não era seguro guarda seu precioso baeck em casa, pois sempre que o procurava estava nas mãos de Clebs ou de Leôncio.

O garoto se levantou apressado pegando suas coisas e indo atrás de um bom esconderijo. Passou pela porta do quarto de Clebs e escutou coisas como “Ah Clebinho mais rápido” o que lhe causou calafrios e varias coisas passaram e sua mente. Abandonou aqueles pensamentos, pegou seu precioso baeck e saiu para rua.

Ando em algumas vielas ele encontrou Nelson se agarrando com Cletus.

“Mas esse cara não tem vergonha, fez um show na favela falando que foi abusado e já ta se pegando com Nelson.”

Voltou sua atenção para seu plano inicial, mas quando virou uma esquina deu de cara com seu ex-namorado o encarando com um sorriso sebo em sua cara.

- Oi Rogério, sentiu minha falta?

- Eu não sei quem é você senhor, por favor, se retire do meu caminho estou ocupado – Rogerinho fez a famosa egípcia e saiu andando rebolando sua bunda – nada grande – para que o outro pudesse ver.

 Leôncio Pov.on

Estava em um shopping com minhas novas colegas, eu não pensei que seria tão chato fazer compras, mas estava enganado.

- Leo olha essa saia... – Parei de ouvir o que ela disse no meio de sua frase, Britnalda era tão insuportável quanto sua voz, se eu soubesse que seria tão cansativa esta aqui ficaria em casa perdendo o cabaço com Rogerinho.

Eu taquei o foda-se em todo mundo naquele shopping e resolvi voltar pra casa, não sou obrigado a aguentar aqueles restos de anal... Principalmente Britnalda.

Estava na entrada da favela e como Clebs não cuidava mais de lá Genivaldo assumi o posto, sempre que eu passava por lá ele era muito legal comigo – mesmo não tendo decência – Rogerinho não gostava muito disso, mas cá entre nós do que ele gosta? Estamos a cinco meses juntos e eu ainda não o conheço.

Congelo na metade do caminho, pois vejo Rogerinho gritando quase batendo em um menino, não era uma criança ele aparentava ter quase minha idade. Mas eu não me intrometi passe por eles fazendo a bixa fina recatada do lar.

- Ei Leo espera – Rogério me gritava, como odeio chamar atenção esperei ele.

- Por que tava gritando com aquele menino? To louco?

- Por que aquele esperma de baleia roubo meu baeck e ainda enfiou o dedo no meu cu.

Cai na gargalhada recebendo um chute no gogó, ai isso doeu.

- Se continuar rindo vai ser pior. Vamos pra casa?

- Mas e seu baeck? – Perguntei, pois o mesmo nunca perdoo o fato de Clebs e eu pegarmos, imagina um garoto da rua.

- Eu vou ameaçar o seu amigo Clebs e ele vai me dar outros simples assim. 


Notas Finais


Noa me responsabilizo por nada que falo, caso tenha alguma reclamação procure Niltom

Desgurpa eu sei que ta um lixo, mas pretendo fazer melhor no próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...