História Azul Celeste - Interativa - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Anarco-iris

Postado
Categorias Descendentes, Once Upon a Time
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Contos De Fadas, Drama, Magia, Mistério, Personagens Originais, Romance, Suspense
Exibições 37
Palavras 1.810
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii gente *-*

Primeiramente, eu estarei postando toda quinta, para que não haja imprevistos.
Segundo, os personagens: Samanta Dean, Yerin, JB e Joshua pertencem a minha amiga @Anarco-iris, e eles estarão presentes na história daqui pra frente, ela colocará as fichas nos comentários do primeiro cap.

Capítulo 5 - Know


Fanfic / Fanfiction Azul Celeste - Interativa - Capítulo 5 - Know

Celeste Quinn

No meio do salão, segurando minha cintura e com a mão livre tocando a minha, Jackson direcionava passos lentos em um vai e vem junto ao meu corpo, uma música lenta e sofisticada que transmitia uma paz irracional.

Com dois passos para trás e dois para frente, seguíamos um ritmo perfeito embalados pelo som abafado de meus sapatos de salto, onde meu vestido vermelho fazia movimentos realmente belos aos olhos de quem ali estava presente. 

Muitos olhares eram direcionados a nós, provavelmente por causa do príncipe, por mim é que não seria, uma simples plebeia em um lugar que não a pertence.

Com um leve passo, o príncipe que antes olhava fixamente em meus olhos me rodopia fazendo assim com que nossos corpos se chocassem ainda mais. Era como se falássemos com a música, ela estava conectada a nossa alma naquele mínimo detalhe de tempo. 

Olhei de relance e já não havia mais casais dançando, apenas eu e ele, e a grande plateia que ali nos admirava. Corei, senti meu corpo tremer e meu rosto queimar.

Estão todos nos olhando? Meu Deus!

Jackson se aproximou de meu ouvido e murmurou um "calma, você está mais vermelha que seu vestido" sorri ainda mais nervosa. Ele então colocou suas duas mãos em minha cintura depois de colocar meus braços em seu pescoço.

Aquela era a coreografia apropriada? Não estamos íntimos de mais?

Antes da música acabar ele apertou minha cintura pela última vez me ditando em um passo silêncio, olhando fixo em minha alma até me puxar de volta.

Palmas e mais palmas me fizeram ensurdecer por um momento, o olhei e ele pareceu se divertir, sorri também o acompanhado para um lado mais calma do salão.

Fiquei mais nervosa ainda com os passos que seus pais davam em nossa direção.

– Filho – o rei sorria gentilmente para ele.

– Ah oi pai, mãe, essa é a Celeste – confessor que não esperava ser apresentada a família real pelo próprio príncipe.

Eles então me olharam curiosos, me senti constrangida por ser filha da mulher que os causou tanto sofrimento, mas eu não tenho culpa.

Porém isso logo desapareceu, ao olhar a rainha... A rainha era... 

– Prazer em conhece-la senhorita – disse o rei – bem, eu vou indo descansar, deixarei que aproveitem a festa – falou provavelmente em relação aos novos moradores de Alfleya.

– Eu também vou indo, prazer em conhece-la – a rainha parou por um momento – Celeste... você está linda nesse vestido – elogiou.

– Obrigada, majestade – fiz uma reverência e ela se afastou, suspirei aliviada.

– Nervosa? – Perguntou enquanto segurava duas taças de um liquido que desconheço.

– Sim, não é como se seus país odiassem minha mãe com todas as suas forças né? – Ironizei.

– Bem, digamos que eles não guardam rancor – sorriu, porém, esse sorriso foi desfeito assim que avistou sua irmã perto de um rapaz, ela parecia reclamar com ele.

Jackson então seguiu caminho até eles, o segui no intuito de ajudar em alguma coisa, porém ele parecia não me ouvir quando chamei mais de uma vez por seu nome.

Vinicius De ‘lavega

Estou em um cantinho encostado segurando a taça de champanhe, enquanto uns conversam e outros dançam. 

O baile se tornou mais emocionante no momento em que as convidadas notaram minha humilde presença, é divertido vê-las sussurrado e me lançando uns certos olhares, que de algumas não é não eram nada do tipo menina pura, quieta ou recatada. 

Mas isso às vezes me irrita, até um mulherengo quer algo sério. Mas só daqui há alguns anos, claro.

Enquanto ando pelo salão, sinto a áurea de cada pessoa ali presente, algumas puras e inocentes, outras nem tanto. Mas meu objetivo agora é chegar até a mesa de comidas e não descobrir a bondade e maldade de cada um, comida é um dos melhores motivos de ter vindo para cá.

Avisto de longe a enorme mesa repleta de comida, até me animo para chegar lá o mais rápido possível. Mas no mesmo momento em que vou dar um passo várias crianças idiotas correm em minha volta, me causando um pequeno susto, fazendo assim derrubar champanhe na pessoa a minha frente. 

Uma garota, beleza tão natural quanto a de um bebé. Sua pele é bastante branca, seus olhos é um castanho que com certeza faz qualquer um viajar neles, seu cabelo negro comprido caindo sobre o ombro, seu vestido Branco...  Agora transparente.

... não, espera. Volto a observar onde o champanhe foi derramado, infelizmente ou felizmente. A mesma cora e faz um x sobre a parte de cima de seu vestido.

– N-Não olhe – fala gaguejando, o nervosismo era nítido em sua voz.

– É difícil não olhar... – Desvio o olhar para a janela e suspiro – Não estou olhando agora.

– O que está acontecendo? – Pronto o Principezinho se pronunciou, só agora venho perceber que estava falando com a princesa de Alfleya.

– Nada importante, pode voltar para sua dança – O príncipe olha para a garota que estava encolhida até o momento e parece ter criado um pouco de raiva, na verdade muita.

Ok vou abrir o jogo, sou o filho do cara que transformou um príncipe em sapo e depois se deu mal, mas ele deu a volta por cima. Bom, nasci com certas habilidades, posso sinto os sentimentos das pessoas, ódio, rancor, raiva, alegria ou tristeza... até mesmo mentira. Isto é bom, eu realmente gosto.  E este principezinho quer acabar comigo.

– Primeiro, foi um acidente –  me pronuncio com esperança de melhorar a situação – segundo, não tenho culpa dela está usando branco e nem de ser homem – Parece que não melhorou muito pois ele está vindo até mim.

Ele segura meu colarinho, estamos tão próximos que sinto sua respiração ofegante sobre meu rosto... pareceria uma cena de casal, se não fosse raiva e sim amor.

– Seja lá qual for seu nome... E pouco me importa se você é um homem, se fosse um de verdade respeitaria uma dama, uma mulher, e caso não saiba a princesa – Ele solta meu colarinho. Neste momento todos presentes no salão nos observava.

– Tá desculpa, da próxima vez vai cair champanhe em outro lugar, prometo – Sorrio para provoca-lo 

– Próxima vez... – Ele agora está vindo para bater, opa. 

Felizmente um garoto o segura, ele tem uma áurea valente, forte e decidido. Devo agradece-lo depois, o asiático fala alguma coisa com o Príncipe que de certa forma parece estar mais calmo. Este garoto deve ser filho de Mulan, meu pai me falou sobre ela. 

– Calma Jackson, vamos sair daqui – Fala a garota tocando em suas costas.

– Vamos, e você precisa trocar de roupa – diz em uma expressão séria, mas sinto sua áurea aliviada.

Antes de sair o Príncipe me olha, mas não sinto sua raiva, ele realmente não se importa comigo... de boas. 

Cadê a comida?

Meggie

Estou cansada de ver a Emily brigando com o namorado dela... eu quero brigar também, ou fazer alguma coisa divertida. 

Observo o salão, as pessoas sorriem e isto me deixa feliz. Fui criada em meio de alegria que é sempre bom. 

Vou até uma mesa que está próxima às grandes janelas do palácio, pego um pequeno prato e agora só me preparar para o ataque. Mas antes que eu possa meter a mão nas delicias uma briga de casal me chama atenção. Que diabos é isso? Os casais só sabem brigar? 

— Jaebum, eu já disse para se aquietar, sou sua irmã mais velha... me obedeça – A garota fala com um tom de autoridade.  É, não é um casal. 

— Você não manda em mim – Ele a responde de forma tranquila.

— Oi – Falo sorridente e eles me olham de forma esquisita. – Eu sou a Maggie, prazer.

— Parece muito feliz – A garota fala para o irmão que continua me olhando – Sou Yerin e ele Jaebum, somos filhos de Mulan.

— Percebi, vocês se parecem com seus pais – falo mexendo as mãos, parece um gesto tímido, mas é apenas costume. 

— Hum... Ta – sinto como se tivesse sendo excluída, pois eles voltam a falar entre eles.

— Você gosta de grilos? – Vou até a frente do Jaebum. 

— Han? Gosto – o mesmo me responde.

— Grigri –  faço movimentos de asas com as mãos – por que estão brigando?

— Porque minha irmã é uma chata – Jaebum a olha com uma careta a mesma bufa e vai até os pais – Tá vendo é chata.

— Ela parece ser bem legal – falo a olhando.

— Só parece mesmo.

Uma música mais alegrinha começa a tocar, automaticamente puxo Jaebum pelo braço até o centro do salão.

— Eu não sei dançar – ele parece estar bem tímido, pois estou dançando e todos olham para nós inclusive sua irmã que está com um sorriso sarcástico no rosto.  

— Ah qual é? Eu sei que você sabe, que sabe dançar – Ele me lança um olhar confuso – apenas se solte, também sei que não é tímido.

— Você deixa todos confusos? – Fala rindo.

— Sim – respondo rápido pois é a verdade.

Começamos a dançar, ele está bem solto como se o único pingo de vergonha na cara tivesse secado. Daí chegou, chegou a parte mais empolgante da música, ou seja, meu momento de brilhar. 

Tiro os sapatos, vou correndo por aquele círculo batendo na mão de cada pessoa. Emilly está olhando com cara de "alguém tira ela daí por favor"

Volto ao centro do salão e me preparo para a dança maluca, meu tio sempre dançou comigo. Solto meu corpo de forma nunca vista antes por todos aqui, corro dançando por aquele círculo todo. Jaebum já está entre as pessoas olhando, no começo ele parecia assustado, mas agora bate palmas e se movimenta como todos. 

Vejo que estou me aproximando do sapato, então decido chutar para não atrapalhar, mas não medi minha força. O sapato voa para janela, quebrando e caindo no outro lado. 

Todos olham para o buraco na janela e depois para mim e os guardas parecem está chegando. 

— É... Tchauzinho - saiu correndo do salão e os guardas atrás de mim.

Celeste Quinn

Enquanto o príncipe Jackson resolvia seu problema com a irmã, parecia que o mesmo tinha esquecido completamente de minha presença, não me chateou, mas me deixou deslocada. Me afastei dos demais, e fui até um banco perto da mesa. A primeira vez em que comia naquele lugar.

Havia começado uma música nova, estava prestigiando os passos até que algo me chamou atenção, uma menina, que pelo que me lembro se chama Meggie, corria de alguns seguranças, não pude evitar o riso, e curiosa do jeito que sou resolvi segui-lá.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, #Comentem pra mim saber *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...