História Baby - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rafael "CellBit" Lange
Personagens Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellbit, Cellbits, Lange, Langer, Rafael Lange
Exibições 8
Palavras 719
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente, essa não é minha primeira fic, espero que gostem.

Capítulo 1 - Filha?


 P.O.V's Helena

Eu estava arrumando minhas coisas, finalmente me mudaria para São Paulo, então poderia procurar o pai da minha filha e pelo menos ganhar uma pensão, cuidar de uma criança de 1 ano é difícil.

21 de Janeiro, no aniversário da minha prima em SP, nós fomos à uma balada, conheci um menino que tbm não era de lá, nós ficamos e depois fomos pro Hotel, mas estávamos meio bêbados e não usamos camisinha, isso resultou em Catarina, que nasceu no dia 25 de outubro... Eu não me arrependo de ter ela, só me arrependo de ter perdido o número do menino, eu não ia fazer ele se casar comigo, mas acho que ele gostaria de conhecer sua filha.

Minha mãe- Helena (falou sussurrando) a Catarina dormiu no sofá, tem certeza que quer se mudar?

Eu- Mamãe eu amo vcs, mas eu e Cat vamos ter uma ótima vida em São Paulo, o apartamento é pequeno, porém aconchegante.

Minha mãe- Tudo bem filha, se é isso que deseja eu e o seu pai nôs desejamos sorte.

Começamos a chorar e nôs abraçar, sou filha única e imagino que deve ser triste não ter mais crianças correndo pela casa.

Meu pai- Filhota! Achei um papel no chão da mala antiga, nós não usamos ela à meses!

Meu pai chega estragando o momento de mãe e filha, eu amo ele, mas ele sempre vem nos momentos errados. Peguei o papel em sua mão e tinha um número, com o nome Rafael em cima... Quem é Rafael... Raf... LEMBREI! Esse é o menino da balada! CARALHO!

Eu- OBRIGADA PAI!

Fui correndo para meu celular ligar para o número...

Eu- Alô???

X- Alô? Quem é?

Eu- Eu me chamo Helena, vou me mudar para São Paulo e queria saber se seu nome é Rafael?

Rafael- Sim, Helena, posso saber como descobriu meu número?

Eu- Rafael, tenho que ir para o aeroporto agora, mas nós podemos marcar algum dia para nos encontrarmos, para eu te explicar tudo?

Rafael- Helena, vou pensar no seu caso, nada me garante que você não é uma assaltante ou uma fã louca.

Eu- Como assim fã?

Rafael- Esquece, então como vou saber que você não é uma assaltante?

Eu- Vamos marcar em um lugar público então, se quiser pode até chamar a polícia, mas agora preciso ir...

CARALHO, acho que achei o pai da minha filha! Meus pensamentos se perdem quando meu pai me chama para ir no aeroporto. Tudo já estava pronto, já tinha me despedido e entrado no avião.

Minha filha e eu tínhamos acabado de chegar em São Paulo, ela estava dormindo em meu colo, peguei nossas malas e com ajuda do taxista coloquei tudo em seu carro, pude ver a cidade grande pelo vidro do táxi, nós iríamos ter uma nova história nessa nova cidade.

X 3 dias depois X

Eu estava arrumando a pequena Catarina para encontrar seu suposto pai, ela é muito bonita, cabelos castanhos claros e olhos azuis, coloquei nela um vestido azul e em mim um simples vestido branco com flores. Coloquei-a na cadeirinha e fomos no Starbucks. Tenho conversado muito com Rafael, ele é legal e divertido, porém ainda não contei pra ele o que estava acontecendo.

Chegamos e o vi em uma mesa tomando café, eu sabia que era ele pela foto de perfil do whatsapp. Sentei em sua frente e ele não percebeu por estar no celular.

Eu- O-oi Rafael!

Ele me olhou e olhou para minha filha que "mexia" em meu celular.

Rafael- O-oi Helena... Então, pode me explicar?

Eu- Dia 21 de Janeiro de 2014 não te lembra nada?

Rafael- Foi o dia que conheci meus amigos virtuais e fomos à uma balada...

Eu- Sim, e não lembra de ter feito nada naquela balada?

Rafael- Eu fiquei com uma menina e levei ela pro Ho...

Ele percebeu o que eu quis dizer e me olhou assustado.

Rafael- E-eu te engravidei?

Eu- S-sim...

Rafael- Mas como eu vou saber se isso é verdade?

Eu- Se quiser fazer um teste de DNA, tudo bem...

Eu peguei minha filha no colo e olhei para ele.

Rafael- Posso pegar?

Eu- Claro, ela é sua filha...

Ele à pegou no colo e pude perceber o quanto são parecidos, ele parecia feliz e surpreso, só espero que ele seja mesmo o pai dela, até pq ele é muito gato...


Notas Finais


Obrigada pelo favorito!
Críticas são sempre bem vindas!
Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...