História Baby Doll - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Baby, Baby Doll, Bts, Doll
Exibições 91
Palavras 1.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


É AGORA BRASILLLLLLLLLLLL
TÔ FELIZ YAAAE
SÓ VAI
(Meme feito pela minha amiga, e vou coloca-lo como capa porque sim. Não gosto? Mete um procelsson)

Capítulo 39 - "São sentimentos reais"


Fanfic / Fanfiction Baby Doll - Capítulo 39 - "São sentimentos reais"

     Todos concordaram, mas logo após, Hyori entrou no estúdio com certa pressa.

- Doll, precisamos ir, agora. - Ela disse sem mesmo olhar na minha cara, puxando meu braço.

- Mas o que? - Olhei para trás e vi todos me encararem confusos, incluindo Yoongi.

- Agora Doll. - Ela disse cravando suas unhas em meu braço, me puxando enquanto olhava pro chão.

- Está doendo Hyori! - Falei num tom mais alto e ela percebeu o que fez.

- Meu Deus, me desculpe… Só… Venha logo. - Ela parecia envergonhada.

- Tudo bem… - Disse passando a mão em meu braço e seguindo o caminho.

Saímos da empresa e entramos dentro da van, eu estava confusa e Hyori chorando. Eu a perguntei milhares vezes do porque mas ela não me respondeu. Eu estava realmente preocupada.

(…)

Eu estava no porta do Sr. Lee. Algo me deixava angustiada. Hyori me deixou aqui e foi embora, sem ao menos falar comigo. Tinha uma impressão ruim. Tomei coragem e entrei, vendo o Sr. Lee em pé, junto com Minha, Rosé e Yuna.

- Ainda bem que chegou, Doll. - Sr. Lee disse e me sentei. - Eu quero falar com vocês, todas vocês.

- Por qual motivo? - Yuna perguntou ríspida.

- Calma, Yuna. Vamos apenas conversar. - Ele se sentou e fez uma longa pausa, me deixando irritada. O clima parecia tenso.

- Apenas seja direto. - Disse.

- Quer que eu seja direto? Ok. A partir de hoje vocês não serão mais da SM Entertainment.

- O QUE? - Gritamos, todas juntas.

- Isso mesmo garotas. O conto de fadas acabou. Vocês foram vendidas. - Ele pegou algum copo com um líquido estranho e bebeu. Só podia ser bebida. - Sabe o que era engraçado, Doll? - Ele se direcionou a mim, se apoiando na mesa do seu escritório. - Ver você indo a festas promocionais, junto com empresas, sem a mínima ideia que você e seu grupo seriam vendidos. Tão inocente, como uma boneca. - Ele disse aproximando sua mão da minha bochecha.

- Não me toque. - Disse batendo em seu braço.

- Nossa, que revelação! Perdeu o posto de boneca e caiu pra prostituta? Por que está sendo desobediente, bonequinha?

- Você é nojento. - O olhei com ódio. - Sua falsidade me dá ânsia de vômito. Sempre soube que havia algo errado com essa empresa. Não durmo bem desde que vim para cá, devo estar com altos problemas de saúde e sem contar o estresse, que é algo diário. Você acha que não? A internet é uma coisa maravilhosa. Você não é capaz de desenvolver seus artistas direito, se não fosse por mim, eu e o grupo não haveríamos debutado, não é mesmo? Você não se importa com seus artistas. Não somos robôs, somos humanos. E essa empresa não é uma fábrica. Agora entendo porque o Luhan saiu daqui. Deveria te feito isso a muito tempo. - ele deu mais alguns goles em sua bebida rindo, como se aquilo fosse palhaçada. - Mas parabéns, seu filha da puta. Parabéns por afundar artistas maravilhosos e você mesmo em uma cova.

- Vocês foram vendidas para a Big Hit, nunca mais entrem aqui. - Ele falou com ódio nos olhos. - A nova manager de vocês irá buscar vocês de manhã. Principalmente você, Amanda, nunca mais entre aqui.

- Com prazer, grande filho da puta. Bom azar com essa empresa. - Sorri sádica e me levantei da cadeira, enquanto as garotas estavam chorando litros. - Vamos gente.

Todas se levantaram e saímos daquele inferno chamado sala.

- Ei! Não chorem! Se valorizem! Vocês são incríveis e merecem algo melhor. Nós somos incríveis. E ele é apenas um bêbado que não sabe controlar os próprios pés. Participei de um MV da Big Hit hoje, eles cuidaram super bem de mim, aposto que cuidarão de vocês da mesma forma.

- Obrigado por ter dito aquelas palavras. - Rosé se pronunciou, com o choro já seco. - Ele merecia. Nos fez passar por coisas horríveis como trainees.

- E Yuna sempre nos dizia pra esperar por dias bons. - Minah se pronunciou.

- Pois então, sem mais esperar por dias bons! Eles chegaram! - Eu disse e nós rimos da desgraça.

- Obrigado Doll. - Yuna disse. - Você é incrível.

- Não, nós somos. - Eu disse. - Vem, vamos pra o meu apartamento. Merecemos ficar juntas depois disso. Noite das garotas?

- Sim! - Elas gritaram e nós saímos daquela empresa. Não chorando, nem com ódio no rosto. Saímos sorrindo. Porque agora estávamos livres.

(…)

Quando chegamos ao meu prédio, Minah e Yuna falaram que iriam pela escada. E Rosé subiu junto comigo pelo elevador, que estava demorando, por sinal. Quando cheguei na porta de casa Rosé disse:

- Ei, feche os olhos, e me dê a chave.

- Por que...? - Perguntei.

- Só faça! - Ela disse.

- Ok. - Dei a chave a ela e fechei os olhos.

Ouvi a porta sendo aberta e ela falou novamente:

- Sem olhar!

- Ok, aish.

Ela me direcionou com os olhos fechados até um lugar e fechou a porta.

- Ok, pode abrir. - Ela disse e eu abri os olhos.

- Surpresa! - Todas elas gritaram e eu vi minha sala toda enfeitada com coisas para festa, havia até um bolo e presentes. Mas…

- O meu… O meu aniversário é hoje? - Perguntei.

- Doll, você está brincando, né? - Yuna disse.

- Não estou. Eu realmente não lembrava do meu próprio aniversário…

- Isso é coisa daquela empresa controladora! - Disse Minah.

Eu estava pasma. Como eu não lembrava do meu próprio aniversário?

- Vem! Vamos cantar parabéns! - Rosé me puxou pelo braço e me levou até a mesa com o bolo.

Elas cantaram parabéns pra mim, eu estava super feliz. Em pouco tempo elas haviam se tornado irmãs pra mim, não somente colegas de grupo. Eu me sentia completa. Bem, quase completa.

- Vai, faça um pedido! - Minah gritou.

Eu suspirei e me aproximei das velas. Sei que é algo idiota, mas… Eu gosto de coisas idiotas.

- Eu queria que você estivesse aqui, Baka. - Disse baixinho e assoprei as velas, em seguida.

É, agora eu era oficialmente uma adulta. Eu tinha meus 18 anos.

- Foi um bom pedido! - Yuna falou.

- Vocês ouviram? - Eu corei.

- Sim! - Rosé falou. - Olha, foi muito bom ficar aqui, mas eu estou morrendo de sono e preciso ir embora. Doll, me dê o bolo amanhã, irei cobrar!

- Nós também estamos muito cansadas Doll, nos desculpe. - Yuna disse e Minah concordou. As duas moram juntas. - Precisamos ir pra casa. Parabéns novamente!

- Mas já…? Poxa. - Fiz biquinho e andei até a porta. - Certo então, já está tarde mesmo. Descansem! - Abri a porta e me despedi de todas elas, e logo depois fechei de novo.

Foi tão legal, mesmo durando pouco. Mas não podia culpa-las, já era uma da manhã, nem eu me aguentava direio. Olhei para a sala enfeitada. Eu não tiraria aquilo hoje.

Fui até o sofá e me joguei no mesmo, pegando meu celular. Eu não havia falado com o Baka desde de manhã.

“You: Você não vai acreditar, eu esqueci meu próprio aniversário!

Fiquei com tanta vergonha… Como se esquece uma coisa assim?

Torrão de Açúcar: Eu realmente não sei hahaha

Desculpa, mas é engraçado

You: Nossa, ri mesmo...

Torrão de Açúcar: Para com isso vai… Mas me fala, foi legal?

You: Foi sim, teve até bolo e meu apartamento está todo arrumado ainda, não tenho condições pra tirar tudo isso daqui hoje.

Ah, e falando em bolo, eu fiz um pedido, sabe qual foi?

Torrão de Açúcar: Qual?

You: Para que você estivesse aqui. Eu sei que é bobo, mas...”

Ouvi três batidas seguintes na porta. Seria uma das garotas? Olhei para o lado e vi a bolsa da Yuna em cima da poltrona. Provavelmente era ela. Me levantei a fui até a porta, e quando ia abri-la recebi uma mensagem.

“Torrão de Açúcar: Vai, abre logo. Tá frio aqui fora.”

Meu coração só faltou sair pela boca. Eu estava tão feliz que deixei até meu celular cair no chão.

- Aish, que droga. - disse e ouvi uma risada abafada do lado de fora. - Olha eu não to preparada, olha o que você tá fazendo comigo!

Era apenas uma porta. Uma porta que nos separava aquele momento. Sentia minhas pernas tremerem, eu esperei aquilo por tanto tempo. Enfiei a chave na porta e olhando para baixo e a abri, eu realmente não estava preparada. Eu ainda olhava para baixo e vi mãos claras cobrirem o meu rosto, enquanto a porta foi fechada atrás de mim.

- Eu sou tão feio assim para você não querer me ver? - Escutava sua voz forçada.

- Eu só não estava preparada! Vai… Me deixa te ver! Por favor… - Lágrimas escorriam dos meus olhos por felicidade.

- Doll, você tá chorando? - Ele perguntou preocupado me levando para algum canto da sala, me sentando no sofá, coloquei as mãos no rosto para tentar parar com as lágrimas.

Só senti um peso se sentando ao meu lado. Abri os olhos e vi alguém branco, como eu havia falado, mas meus olhos estavam embaçados demais para vê-lo direito, passei a mão nos olhos mas algumas vezes e o vi. Eu estava de boca aberta.

- Sou tão feio assim? - A pergunta se repetiu.

- Eu esperei isso por tanto tempo… - Disse me aproximando dele e me joguei no seu peito. - Eu te amo porra! Eu te amo Min Yoongi… - Sentia ele fazer carinho no meu cabelo enquanto eu estava agarrada ao seu peito. - Oppa. Eu te amo Min Yoongi oppa.

- Eu também te amo, My Babie… Mas… Você poderia me soltar, está me matando. - Ele disse um pouco sem ar.

- Desculpa… É que… - Me separei dele. - Eu esperei isso por tanto tempo… Eu… Eu preciso saber se você é real e não é minha mente louca que está inventando isso.

- Isso é real pra você? - Ele disse segurando meu queixo e separando nosso espaço, me beijando intensamente, com luxúria.

Meu coração estava batendo muito rápido, sentia que podia parar a qualquer hora. Retribui o beijo, afinal, ambos não havíamos esperado tempo demais para nada. Eu me sentia feliz, e completa. Nos separamos por falta de ar e ele deitou a cabeça no meu peito.

- Se seu coração está batendo rápido, é real. - Ele disse e o vi com uma mancha de batom nos lábios. - São sentimentos reais. - Ele disse pegando minha mão e colocando em seu peito, no qual era facilmente perceber seu coração batendo tão rápido quanto o meu. - Nós somos reais. Finalmente.


Notas Finais


QUEM AI TÁ MORRENDO COM O OTP FICANDO JUNTO FINALMENTE? *levanta a mão*
QUEM AI QUER MATAR O SR. LEE? *levanta a mão*
QUEM AI SHIPPA 'YUNAH'? *Levanta a mão*
SÃO MUITOS FEELS PRA UM CAP SÓ
ME SEGURA JESUS QUE EU VOU CAIR QUE NEM O CELULAR DA DOLL!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...