História Back to the Past - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Baek, Baekyhun, Bts, Bullying, Byun Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Chen, Colegial, Destino, Do Kyungsoo, Esperança, Exo, Ficção, Gay, Huang Zitao, Ilusão, Jimin, Jongdae, Kai, Kaisoo, Kim Jongdae, Kim Taehyung, Kris Wu, Lay, Luhan, Min Yoongi, Park Chanyeol, Romance, Sehun, Shipp, Suga, Tao, Trouxa, Trouxisse, Wu Yifan, Xiuchen, Yaoi, Yixing, Yoongi, Zhang Yixing
Visualizações 166
Palavras 3.141
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá nenês ♡
Nova fanfic (óbvio), espero que gostem. View em Ko Ko Bop e Newton.

Capítulo 1 - Looking Back


Fanfic / Fanfiction Back to the Past - Capítulo 1 - Looking Back

Era uma noite fria, e tudo estava quieto em casa. O barulhos da casa tornavam o ambiente mais sombrio, mas eu já estava acostumado com aquilo. Existiam coisas piores do que ficar sozinho de noite em casa no frio.

Estava tudo em absoluto silêncio. Me inclinei e dei um leve impulso, e logo a cadeira de balanço em que eu estava sentado de inclinou para trás lentamente, tornando este o único barulho que tomava conta da antiga casa de minha avó.

Depois que ela se fora, a casa havia ficado de herança para mim. Sua filha, a minha mãe, havia falecido quando dava a luz ao meu pequeno irmão, Jung. Eu tinha apenas oito anos na época, e tudo havia sido muito difícil. Já meu pai, estava no exército, e eu e Jung só nos encontrávamos com ele duas vezes por ano, uma em casa semestre.

Jung dormia em seu quarto, enquanto eu pensava em tudo isso. Conseguia imaginar seu rosto angelical dormindo, se esquecendo de tudo o que aconteceu no passado. Apesar de agora ele insistir e dizer que é um pré-adolescente, seu rosto infantil revela de longe os seus dez anos de idade.

Me levantei da cadeira de balanço de minha avó, e andei até o quarto de Jung. Seus cabelos estavam bagunçados e caíam em cima do rosto, e ele se encolhia tanto na hora de dormir que parecia uma pequena bola no meio da cama. Agarrava um Pikachu de pelúcia, que havia ganhado no seu aniversário de sete anos. Como eu pensei, um pequeno anjo dormindo.


                          ***

Abro meus olhos rapidamente, assustado com o barulho que ecoava no quarto em que dormia. A merda do despertador, eu havia me esquecido. E finalmente, o famoso primeiro dia de aula, mas dessa vez, na faculdade. Havia conseguido entrar em algum curso que eu gostava, no caso, arquitetura, então me sentia feliz por finalmente não precisar estudar matérias que eu não gostava, que nem na escola.

Me levanto, e abro a velha cortina branca, o que transforma o quarto que antes parecia um buraco negro, agora em uma desgraça toda clara, cujo eu não conseguia ver nada. Fui até o quarto de Jung, onde ele ainda dormia calmamente.

- Jung. - chamei ele, e o toquei levemente na cabeça - Bom dia.

Ele se remexeu, e logo abriu seus olhinhos, e deu um sorriso para mim.

- Bom dia! - ele respondeu, se levantando.

- Você tem que chegar as seis e meia em ponto na escola, então vai arrumar seus materiais e se trocar agora enquanto eu faço café da manhã. - eu disse, indo para a cozinha.

Preparei um leite com biscoitos, como ele gosta, e em seguida fui me trocar. Preferi não comer nada, como sempre.

- Irmão, você não vai comer nada? - Jung gritou do andar de baixo, na cozinha.

- Não, não estou com fome. Se apresse! - eu disse, terminando de colocar meu moletom.

Ao terminarmos tudo, deixei Jung na escola, onde ele estava feliz por estar "ficando adulto", que nem ele diz, e estar cursando o terceiro ano do fundamental. Peguei o metrô, onde a estação já dava de cara para a Faculdade Choguiwa, onde eu estudaria pelos próximos quatro anos, aproximadamente.

Parei um pouco na calçada, e fiquei observando a grande construção que era a faculdade. O vento passava em rajadas por mim, e me encolhi de frio dentro de meu casaco de couro preto, que deixava minha aparência mais sombria e séria. Olhei em meu celular, e faltavam exatamente meia hora para a aula começar, então decidi avançar e entrar.

Haviam várias pessoas correndo de um lado para o outro, se apressando para as aulas que estavam próximas a começar, veteranos de exatas rindo e zombando de alguns calouros dos cursos de humanas, como se eles fossem nada. Subi as escadas, e logo vi um grande mural com um mapa dos prédios de cada área. Logo procurei Arquitetura, descobrindo que meu prédio era no lado oeste, bem na frente, o que era bom, pois o campus era uma grande ladeira, onde os cursos da área da saúde eram no topo. Comecei a subir o começo da ladeira, onde já avistava o prédio onde eu teria aulas. Era moderno, a maioria das janelas eram de vidro, e a entrada era um grande arco de aço reluzente, onde várias pessoas passavam por ele.


                            ***

- Cha Eun. Meu Deus, está tudo for a da ordem alfabética! Quem imprimiu essa chamada na diretoria? – a professora chamava, reclamando do documento.

- Presente! – disse uma garota de cabelos castanho-claros, no meio da sala, que aparentava bem feliz por estar lá.

- Chanyeol. – ela disse, e olhou amargamente a um aluno que aparentava uma girafa, sentado no último lugar da sala. O garoto de olhos redondos deu um sorriso tímido para a professora, e logo começou a rir discretamente.

- Você não muda mesmo. – a professora disse, voltando a fazer a chamada. Logo os rumores entre os calouros sobre Chanyeol ter repetido de ano ou algo do tipo começaram.

- Do Kyungsoo. – ela chamou, procurando o dono do nome em meio a sala de mais de cinquenta alunos.

- Presente. – eu disse, e ela logo olhou para mim.

- Jung Taehyung. – ela chamou, procurando o próximo nome, e logo um menino que aparentava ser baixo, de cabelos castanhos a respondeu, e assim a lista continuou, até que um estrondo de alguém abrindo a porta tomou conta da sala.

- Perdão pelo atraso, professora. – Dois garotos diziam, enquanto se curvavam para a professora que estava assustada com o barulho da porta.

- Não vou marcar presença para vocês dois. Aprendam, eu não sou como os outros professores. Não tolero atrasos. – a professora dizia, furiosa – Qual o nome de vocês? Vou marcar para ficar de olho.

Um dos garotos suspirou, enquanto o outro estava com uma expressão pacífica, provavelmente boiando.

- Sou Oh Sehun. – disse, e o outro garoto ficou calado.

A professora anotou algo na prancheta e os ignorou completamente, continuando a chamada.

Os dois se espalharam pela sala, procurando por um lugar livre. Um deles acabou sentando ao meu lado. Tinha cabelos pretos e um rosto sério. Acho que era o Oh Sehun. Ele se virou para mim, enquanto abria a mochila e pegava um caderno preto.

- Ei. – ele me chamou, e eu virei o rosto para ele – Qual é a matéria dela?

- Não faço ideia. – respondi, e ele deu um sorriso.

- Primeira vez aqui, né? – perguntou.

- É… A de todo mundo. Estamos no primeiro ano. – eu respondi, com a voz baixa. Pude ver que a expressão dele ficou séria após a minha resposta. Não era culpa minha se eu não sabia socializar direito.

As aulas passaram rapidamente. Na hora em que arrumava meus materiais para ir embora, Oh Sehun me chamou novamente, com mais duas duas pessoas atrás.

- Ei, Kyungsoo.

- Você gravou meu nome? Uau. – eu disse, sorrindo. Sehun não parecia tão feliz.

- Não interessa. Bom, não falo isso em meu nome, e sim no desse trouxa aqui atrás. – disse, apontando para um moreno de cabelos cor de mel e rosto simpático. Era um dos que havia chegado atrasado. – Ele te viu de longe e te achou muito solitário e sério, e deu a infeliz ideia de nós três irmos á uma lachonete almoçar agora. Então?

- Então acho que infelizmente você vai ter que almoçar comigo, Sehun. – eu disse, colocando minha bolsa nas costas. Pude perceber que Sehun não havia me achado amigável, pois fez uma cara de cu cagado e eu, Sehun, o moreno e o repetente descemos as escadas em direção a saída.

Quando chegamos na saída, fomos a lanchonete em frente a faculdade, onde comemos e ficamos conversando. Bom, eu, Sehun e o repetente, cujo lembrei o nome na metade do caminho, Chanyeol. O moreno cujo eu não lembrava o nome apenas me olhava durante a conversa. Uma hora, olhei para ele de relance, e pensei que ele parecia alguém que eu conhecia.


                          ***

Cheguei em casa. Jung ainda estava na escola, onde passaria a tarde. Finalmente eu teria um tempo sozinho. Não que eu odiasse a presença do meu irmão, mas as vezes eu precisava ficar mais sozinho.

Fui ao meu quarto, onde coloquei meus fones de ouvido no volume máximo, enquanto eu começava a tirar a minha roupa para ir tomar banho. A música era animada, com uma batida forte e uma voz maravilhosa, porém, soava triste para mim, como se alguém pedisse para toda aquela dor acabar logo. Não sabia se aquilo era simplesmente uma opinião sobre a música, ou se era algo eu eu sentia sobre eu mesmo.

Me virei de frente com o espelho, que refletia minha imagem apenas do quadril para cima. Não admirava nada naquele ser em que eu observava. Não era o padrão da sociedade, e meu jeito não era dos mais simpáticos. Baguncei meu cabelo, que estava começando a crescer, e logo tireei os fones, deixando a música ecoar pelo banheiro. Comecei a enxaguar meu cabelo, e, ao pegarr o pote de shampoo, fiquei observando as cicatrizes que um dia foram cortes profundos em meus pulsos. Passei a mão sobre elas, onde a textura da pele mudava. Apesar de estar completamente molhado devido ao chuveiro, conseguia sentir minhas lágrimas escorrendo pelas minhas bochechas.


                           ***

- Parabéns pra você, nesta data querida! – cantava um coro de crianças, cada uma com um chapéu colorido de cone que prendia no queixo. Os sorrisos se espalhavam pela sala da casa da família Do, onde comemoravam o décimo ano de vida de Kyungsoo. Era um dos únicos dias em que seu pai estava presente, e o segurava no colo durante o Parabéns. Sua avó, seu pai e seu pequeno irmão eram os únicos familiares presentes, que sorriam com a alegria de Kyungsoo.

- Muitas felicidades…

Kyungsoo pulava no colo de seu pai, que logo o fez descer, e começou a pular no chão ao lado de seu melhor amigo de infância, Byun Baekhyun, que estava na sua última semana na cidade. Kyungsoo havia chorado muito ao saber que iria ficar longe do amigo, mas naquele momento, nada mais importava além da felicidade momentânea dos dois e de todos presentes.

- Muitos anos de vida! – terminava o coro de crianças, e logo começaram a gritar e a pegar salgadinhos, alguns estouravam bexigas, e outros brincavam com as luzes coloridas que Sr. Do havia pendurado na parede.

Kyungsoo sentia falta daquele tempo, em que sua vó e Byun estavam presentes em sua vida. Depois daquela festa, não houveram mais gritos de comemoração. Não havia mais o coro cantando parabéns, nem ninguém sorrindo. Apenas Kyungsoo, solitário, que, de escola em escola, ganhava diversas advertências. A vantagem disso tudo era a grandeza de sua inteligência. Cada nota que tirava, superava cada ligação de reclamação para a sua avó.

Mas, no fundo disso tudo, Kyungsoo sofria na escola, primeiramente por não ser tão magro, e no ensino médio, por não ter músculos definidos que nem os populares da escola. Coisas idiotas de adolescentes. Mas, no ensino médio, na última escola em que frequentou, havia conseguido ter um amigo, que acabou sendo seu primeiro amor. Kim Jongin nunca soube da paixão platônica que Kyungsoo tivera pelo tal, apesar de que ele não sabia ser discreto: todos os dias chegava mais cedo para ficar conversando com Jongin; quando Jongin estava ocupado pegando seu almoço no refeitório da escola, ele o encarava, mesmo que as outras pessoas percebessem e começassem a zoar com ele.

Pouco tempo depois do baile de formatura, Jongin sumiu, e não manteve contato com Kyungsoo, o que o deixou devastado e confuso, pois após dois anos, ele finalmente havia entendido que sentia algo por Jongin. Não contou para o pai sobre a nova descoberta sobre si mesmo, e muito menos ao seu irmão e avó. Nisso, ele foi se fechando cada vez mais em seu próprio mundo.


                           ***

Mais um dia havia começado. Acordei com o sol no meu rosto, pois havia esquecido de fechar a cortina. Como a nova rotina dizia, fiz o mesmo de ontem: preparei o café, deixei Jung na escola e fui para a faculdade, onde mal cheguei e já tropecei em alguma coisa que estava no meio da fileira em que eu sentava.

- Pô, foi mal, Kyungsoo. – Chanyeol dizia, e percebi que eu havia tropeçado na mochila dele, que parecia mais uma geladeira de tão grande. Tentei virar meu pescoço para cima, ainda do chão, para falar que estava tudo bem, e percebi que não compensava, pois Chanyeol parecia um poste.

- Hã, tudo bem. – eu disse, e me levantei rapidamente.

Chanyeol sorriu e sentou na minha frente, no fundo da sala, como o dia anterior. Logo em seguida, o garoto de cabelos cor de mel chegou, e sentou ao meu lado.

- Jongin, dar “oi” aos amigos é bem legal, sabe? – Chanyeol disse, e meus olhos se arregalaram, enquanto eu ainda olhava para frente.

- Jongin? – falei, baixo. Ou pelo menos, eu achei que tinha falado baixo.

- Ué, vocês já se conheciam? – Chanyeol perguntou, e ele se virou para mim.

- Olhei de lado para o garoto ao meu lado, vendo se ele se parecia com o Jongin do meu passado. Ele me olhou de volta, timidamente. O cabelo estava diferente, mais claro. A pele, era igual. O nariz era igual, seus olhos também, com aquele olhar penetrante que chama a atenção de todos que o observam. Seus lábios, que era algo que no passado eu olhava muitas vezes, estava idêntico. O formato de seu rosto estava mais desenvolvido, mas com certeza, era Kim Jongin. Outra coisa que eu tinha certeza, é que eu havia me desgraçado em cair na mesma sala que ele. Pelo menos ele não estava falando comigo, pois seria sacanagem ele voltar a falar comigo depois de ter sumido completamente depois do ensino médio acabar.

- Não, não nos conhecemos. – eu disse seriamente, e virei para frente, esperando a aula começar. Ainda estava incrédulo com isso, sobre o fato de Jongin estar na mesma sala que eu e nem ter avisado. Bom, ele nem falava mais comigo. No fim das contas, decidi o ignorar, por mais que ele estivesse no mesmo grupo de amigos que eu.

Depois de duas aulas, veio a aula de Desenho Arquitetônico, a matéria que eu mais gostava, pois envolvia arte.

- Bom, vocês vão fazer um pouco diferente de ontem. Formem duplas. A dupla deve fazer um desenho com as medidas exatas da construção que está sendo explicada e demonstrada na página desessete.

- SEHUN! – Chanyeol gritou do seu lugar, para Sehun, que estava do outro lado da sala. O tal colocou a mão no rosto de vergonha. A professora ficou espantada, mas quieta. – Vamos fazer juntos?

- Jesus Cristo, vamos. Mas estou com dor de cabeça, não grita, desgraça. – Sehun disse.

- Vocês acham que isso é o Fundamental? – a professora perguntou, olhando para Chanyeol – Por causa de vocês, agora são dois desenhos, agora o da página dezoito também, de trabalho para semana que vem, e quero um relatório do livro teórico também. As notas serão acrescentadas na média semestral. Se virem.

A sala fez um coro de vaias direcionadas a Chanyeol e Sehun, que ficaram quietos em seus lugares. Chanyeol ria abaixado na carteira. Todos começaram a conversar para combinar as duplas, e o meu desespero aumentava, pois a nota era semestral.

- Acho que o Jung Taehyung está sem dupla, Kyungsoo. – Chanyeol disse, apontando para o garoto baixo do outro lado da sala, que na mesma hora, fez o sinal de “jóia” para o colega sentado em sua frente.

- Acho que não, hein. – eu disse, sorrindo.

- Fazer o que, né. – Chanyeol disse, e afundou a cabeça nos braços apoiados na carteira, pronto para dormir.

Comecei a olhar para os lados para procurar uma dupla disponível, e eis que nessa minha visão de trezentos e sessenta graus, meus olhos se encontram com Jongin, que me encarava por completo.

- Por favor, sério… Me fala que não.

- Não tenho culpa se você é antisocial e não conseguiu uma dupla. – ele disse, sorrindo com aqueles malditos dentes de Colgate Plus White.

- Então por que você não arrumou uma dupla antes? – perguntei, indignado.

- Não sou obrigado a nada. – ele disse, e riu levemente.

- Merda… Tá bom, mas só faço dupla com você pela nota semestral. Se você arruinar o trabalho, tá ferrado. – concordei, virando para frente.

- Tudo bem, não me importo. Onde vamos fazer o trabalho?

- Na minha casa não. – disse, na hora, pois não queria aquele traste em casa.

- Tudo bem, vamos na minha. – ele disse. Por um minuto, tive receio de aceitar, mas lembrei da nota semestral, e acabei concordando com a cabeça.

- Amanhã, duas da tarde. Podíamos almoçar juntos e ir. – ele disse, sorrindo.

- Tá. – eu disse, e abri o livro teórico e comecei a ler, para ele ver que eu estava ocupado e não falar mais comigo.


                            ***

Cheguei em casa após a aula, e fiquei pensando na merda em que eu havia acabado de fazer de manhã. Comecei a preparar o almoço, para quando o ônibus escolar da escola de Jung o trouxesse aqui, já estivesse tudo pronto. Hoje ele não tinha aula de tarde, o que era bom.

Fiquei pensando por muito tempo sobre Jongin, relembrando da época em que estudávamos juntos, na época em que ele ainda era meu amigo.


                            ***

 Era sexta-feira, o dia em que todos os estudantes ficavam felizes pelo final de semana estar próximo, e sonolentos nas aulas. O professor Hwang, do segundo ano do ensino médio de matemática, havia acabado de chegar na sala, onde mais da metade dos alunos se encontravam na mesma posição: braços cruzados apoiados na carteira, e cabeça afundada entre eles.

- É sério que vocês ainda dizem que vão entrar em uma faculdade desse jeito? – Prof. Hwang disse, batendo a mão com força na sua mesa. Alguns alunos com sono mais leve levantaram assustados, mas poucos minutos depois, voltaram a dormir.

Sentado na fileira ao lado, Jongin estava na mesma posição que os demais, mas sua cabeça estava virada para mim, com os olhos abertos e um olhar sonolento. Cruzei meus braços igual a ele, me apoiando na carteira e virando meu rosto em sua direção. Seus olhos me olhavam como nunca, naquele tipo específico de olhar que apenas algumas pessoas no mundo possuem: aquele especial, que parece que está dentro da sua alma. Ninguém havia me olhado daquele jeito antes na minha vida. Eu olhava para ele, provavelmente não do mesmo estilo, pois meu olhar não era tão especial e bonito. Ele sorriu levemente, sem que seus dentes aparecessem, e fechou seus olhos, e virou sua cabeça para frente para dormir.

                           ***



Notas Finais


Espero que tenham gostado ♡
Não sei quando sai o próximo capítulo, mas vou tentar fazer um maior.
Até ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...