História Backstage Pass (G!P) - Capítulo 74


Escrita por: ~

Postado
Categorias Laura Prepon, Orange Is the New Black, Taylor Schilling
Personagens Alex Vause, Personagens Originais, Piper Chapman
Visualizações 366
Palavras 2.296
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Prontas?
Foi! 😈

Ps: Imaginar Piper de costas, com a tatuagem... Mermão! #ficaquieta

Capítulo 74 - Capítulo 24.


Piper escorregou para fora da cama e olhou para a guitarrista, encontrou-a a observando com um olhar de desejo insaciável em seu belo rosto. Será que ela gostaria de vê-la a esfregar seus próprios seios? Puxou os piercing nos mamilos com a ponta dos dedos para ver como ela reagiria.

Alex mudou de posição e deu uma respiração profunda, estremecendo. Estava com o pulso esquerdo algemado na cabeceira, impossibilitada de levantar. Mas e se a professora continuasse, ela iria ficar animada o suficiente para tocar a si mesma?

Piper lambeu os lábios. Seus olhos se encontraram. Queria que a guitarrista se tornasse tão excitada, como nunca esteve. Então, fingindo que não estava fazendo um pequeno show, apertou os seios juntos, esfregou-os com as palmas das mãos e puxou seus mamilos até que ambos estivessem em posição de sentido rígida. Lambeu os dedos e deslizou a umidade acima de sua carne quente junto aos metais frios, se perguntando como os dedos de Alex se sentiriam contra seus mamilos.

A memória a fez tentar copiar sua técnica. Ela segurou um dos seios em cada mão e esfregou os polegares sobre eles mantendo círculos repetitivos. Embora nada substituísse as mãos da guitarrista, ela se sentia bem. Sabendo que Alex estava olhando para ela, a fez sentir mil vezes melhor.

Seus olhos se fecharam, a cabeça inclinou para trás, a boca abriu.

— Oh, sim – ela sussurrou.

Do outro lado da cama, Alex engasgou entrecortado. Será que ela a achava sexy? Ou simplesmente patética?

— Alex. – Piper gemeu seu nome, mordeu o lábio e olhou para a guitarrista através de olhos meio fechados.

Seus olhos verdes estavam vidrados e escuros de desejo. Por ela? Sim, o desejo ainda estava lá. Na verdade, sempre esteve.

Alex pressionou a língua contra o lábio superior, em seguida, abriu mais a persiana acima da cabeça, revelando seus ombros e seios fartos. Infelizmente, a pouca claridade da lua obscurecia a parte inferior de seu corpo. Ela estava totalmente nua. A professora desejou que ela a abrisse totalmente e deixasse ver o resto de seu corpo.

Piper deslizou um dedo em sua boca e chupou para molhá-lo. Então, esfregou-o sobre o mamilo dolorido e para baixo, no centro de sua barriga. O peito da guitarrista subia e descia com respirações excitadas.

Alex se mexeu e remexeu abaixo de sua cintura. Sugou uma respiração entre os dentes, e seus olhos se fecharam em êxtase. Oh Deus, ela estava tocando-se para ela? A professora não conseguia ver abaixo da cintura, mas seu braço estava se movendo ritmicamente.

Seus olhos se abriram e a guitarrista gemeu, com a boca aberta.

— Seu monstro está pronto para entrar em você, baby. – ela sussurrou, a voz rouca e falha.

Sim, ela ainda a desejava!

Piper baixou a mão e apertou seu sexo, sentindo-o contrair. Estava quente. E muito molhada. Precisava manter o controle, mas aquele olhar encarando-a tinha seus fluídos fluindo livremente. Pensou em tocar-se enquanto Alex tocava a si mesma. E queria que a guitarrista a visse fazê-lo.

Com o coração batendo acelerado, a professora caminhou até outra janela atrás de si e abriu a persiana por inteira. O brilho da lua resplandecendo seu corpo curvilíneo. Ela olhou por cima do ombro, à espera que Alex retribuísse. A guitarrista a olhou, com a cabeça inclinada para trás, com o braço livre ainda se movendo com o mesmo ritmo, mas ela não abriu sua persiana. Não mostrou a ela o que ela queria ver.

Você quer jogar, então vamos jogar!

Piper sentou nos pés da cama, apresentando suas costas para a guitarrista. Ela brincava com seus seios, não tendo certeza do que mais a excitava: saber que estava sendo observada, ou a atenção que dava a sua carne. Okay, quem estava enganando? Saber que Alex estava vendo-a tinha todo o apelo.

Ela ouviu o barulho da persiana e olhou por cima do ombro se perguntando se ela fechou-a. Não, a guitarrista abriu-a mais. Ela podia ver o umbigo dela agora e seu antebraço movendo contra a sua barriga enquanto Alex acariciava-se, mas ela ainda não podia ver o que ela desejava desesperadamente ver.

Suas costas ainda para a guitarrista, ela correu uma mão sobre sua bunda. Alex sugou uma respiração através de seus dentes. Ela gostava disso, não é? Será que ela gostaria de ver mais?

Piper virou para encará-la e empurrou os seios para a frente, esfregando as mãos sobre a barriga, os lados, e os quadris com um toque leve como pluma. Quando ela cobriu o sexo com uma mão e apertou, todo o corpo da guitarrista estremeceu com força.

— Porra – gemeu, repuxando a algema sem sucesso.

Tremendo, Piper separou bem as coxas e testou sua excitação. Sua boceta estava deliciosamente molhada. Seus lábios inchados e doloridos. Ela passou dois dedos contra seu clitóris e empurrou com entusiasmo. Esfregando seu seio com uma das mãos, a carne excitada entre as coxas com a outra. Seu prazer aumentou até que ela se contorcia de prazer. Oh. Oh? Ela estava para gozar? Ela não podia fazer isso com a guitarrista, poderia?

Rolou de costas e passou as mãos para baixo sobre a barriga e entre as coxas. Ela abriu as pernas e deslizou dois dedos dentro de sua boceta. Estava tão molhada. Não se lembrava de ficar tão excitada consigo mesma. Ela queria que Alex visse, para vê-la mergulhar seus dedos em seu próprio corpo.

Piper virou-se na cama, de modo que sua cabeça estava no pé e rolou sobre seu estômago, tentando encontrar uma posição em que a guitarrista seria capaz de ver mais. Ela moveu as pernas dobradas sob o ventre, os joelhos logo abaixo de suas costelas, e abriu as pernas.

— Se você continuar, eu vou explodir – Alex sussurrou, diminuindo o ritmo da mão.

Ah, era exatamente o que a professora queria. Ela moveu o braço por baixo de seu corpo, para baixo em seu centro, entre as pernas. Acariciou seu clitóris latejante, ondulando os quadris na mesma sincronia.

Podia ver o que ela estava fazendo?

Seus dedos mergulharam profundamente, e Alex amaldiçoou em voz baixa.

Ah, sim, podia ver tudo.

Piper virou a cabeça, a bochecha esquerda pressionado contra o colchão para que a guitarrista pudesse ver seu rosto. Seu entusiasmo aumentou enquanto acariciava seu clitóris e levou os dedos profundamente em sua passagem escorregadia. Ela mordeu o lábio para não gritar enquanto seu corpo se convulsionou com a liberação.

Sentiu o aperto de sua boceta ao redor de seus dedos enquanto as ondas de prazer pulsavam através dela. Fechou os olhos e se estendeu de lado, ainda tremendo com as sequelas de seu orgasmo. O primeiro que ela tornou a ter em muito tempo.

Alex finalmente abriu a persiana, revelando seu tão desejado monstro cheio de veias. A professora observou-a se acariciar por vários minutos, com os dedos ao redor de seu membro, puxando para cima e para baixo por sua extensão, com suaves, caricias rápidas. Piper esforçou seus ouvidos para ouvir os sons de carne sobre carne e o gemido entre contato em sua respiração. Teve a súbita vontade de querer gozar com ela.

Abriu as pernas novamente e acariciou seu clitóris com o mesmo ritmo que a guitarrista usou. Ela se lembrou que ver seu rosto contorcido de prazer era quase tão sexy quanto assistir a sua mão deslizar sobre o monstro, quase tão sexy como pensar nela entre seus lábios.

Piper chupou os dedos de sua mão livre, querendo-o em sua boca, relembrando seu gosto. Ela deslizou os dedos da outra mão dentro e fora de sua boceta, querendo o monstro nela, desejando ter seus quadris estreitos entre suas coxas trêmulas.

O arquear involuntário das costas de Alex disse a professora que ela estava perto de gozar. Ela acariciou seu clitóris com mais vigor, com receio de perder sua chance de gozar juntas. Vendo os fluidos entrando em erupção em seu corpo, observou-a pegar seu gozo em sua mão livre e esfregá-lo sobre seu membro da ponta até a base, enquanto a guitarrista a olhava através das pálpebras semicerradas a enviou sobre a borda.

Piper gritou quando um segundo orgasmo pulsou através de seu corpo.

— A chave está embaixo do travesseiro – murmurou, completamente rendida.

Segundos a cama se moveu, e o rosto de Alex apareceu de cabeça para baixo em cima dela. Seus olhos passaram sobre seu corpo nu, para os dedos que ela ainda tinha enterrados em sua boceta. Sem dizer nada, guitarrista virou-se para fora da cama e foi para o chão.

Ainda sem sentido com o desejo, Piper a viu apanhar um objeto na gaveta da cômodo. Não conseguia entender por que ela colocava um pino de metal através de sua língua e prendeu-o no lugar com uma bola metálica. E não foi possível descobrir até que Alex se inclinou sobre seu corpo e enterrou o rosto entre suas coxas. Ela esfregou o pedaço de metal sobre seu clitóris, e a professora gritou de surpresa. Pegando dois punhados de seu cabelo, com a intenção de afastá-la, mas em poucos segundos estava se contorcendo muito ocupada no prazer de considerar pará-la.

A língua da guitarrista brincou contra ela com tal precisão perfeitamente cronometrada, ela se tornou delirante. Piper balançou a cabeça para o outro lado, sabendo que tanto prazer assim acabaria com ela. As mãos de Alex deslizaram para cima de seu corpo, arrastando sobre sua pele aquecida. Arrepios subiram ao longo de seus caminhos suaves. Sua respiração se tornou ofegante e gemida. Ela não tinha nenhum senso de lugar.

Os polegares de Alex esfregaram sobre seus mamilos e piercings, e ela gritou mais alto.

— Droga, Alex!

A guitarrista levantou a cabeça e Piper gritou novamente, desta vez em protesto. Ela deu um beijo ao longo do cume interior de seu quadril.

— Estou apenas começando – ela murmurou, com um sorriso diabólico. Ficou em pé, e olhos dela caíram sobre o monstro. Estava duro novamente e entusiasmo com o seu corpo.

Uma onda de luxúria inundou o ápice de suas coxas, e a professora estremeceu. A guitarrista ofereceu-lhe a mão, ajudando-a se levantar. Piper levantou a cabeça e hesitou, poupando olhar para um rosto com sinais de desgosto. Ela sempre foi uma mulher confiante, mas as cicatrizes do acidente vinham deixando-a insegura.

Segurando pelos quadris, Alex puxou-a para a beira da cama com cuidado e obrigou-a a olhá-la.

— Hey, o que houve, baby? – perguntou, o tom rouco desejo, mas carregado de ternura.

Piper desviou o olhar, seus olhos ardendo. Não podia omitir nada. Precisava ser sincera não só com a guitarrista, mas também consigo mesma. Ela respirou fundo e tornou a olhar para os olhos que tanto amava.

— Durante todo esse tempo que a fiz esperar, eu não me sentia pronta. Não porque eu não queria fazer amor com você... Deus, eu estava louca para isso! – riu, olhando para o alto para conter o choro preso na sua garganta. – Mas eu deixei de ser aquela mulher que você conheceu a cinco anos atrás, Alex. Eu não sou igual a Amber. Eu não tenho corpo perfeito como o dela. Principalmente depois do acidente, tudo mudou. E eu tive que lidar com isso, para estar nua na sua frente sem ao menos ter a certeza de que você não iria me rejeitar. – Ela suspirou. – Agora, tudo o que consigo pensar é que vai passar um mês, dois meses, um ano... E eu vou viver dia após dia com medo de que a qualquer momento você decida me trocar por outra garota mais nova e mais bonita novamente.

Alex fechou os olhos com força. Cada palavra soando como um murro no seu estômago. Ela sabia que havia magoado a professora, mas ouvi-la dizer doía como o inferno em seu coração.

— Não, eu nunca faria isso novamente. – a guitarrista caiu de joelhos, desespero transbordando nos olhos e caindo em lágrimas. – Olha pra mim, baby. Sou eu, Alex Vause. A sua Alex. A mesma que a amou desde a primeira vez que te viu naquele hotel. A mesma que teve noites e noites com você experimentando um prazer único. A mesma que casou com você em Las Vegas, ao som de “Love Me Tender” e que lhe encontrou não um anel, mas o seu coração para sempre. E a mesma que teve filhos maravilhosos com você e que viveria tudo novamente, durante mil anos se fosse preciso... Só para acordar todas manhãs, olhar para a mesma mulher ao seu lado e dizer; eu te amo e não há mulher mais linda no mundo que me faça mais feliz do que você me faz.

Piper não conseguiu dizer nada. Tudo que fez foi pular para os braços da mulher que a amava. A língua da guitarrista deslizou entre seus lábios. Sua doçura registrou no paladar dela, e a professora gemeu de prazer.

Alex correu sua língua ao longo do lábio inferior dela e chupou delicadamente. Ela se assustou quando encontrou o piercing na língua da guitarrista, mas logo foi se aprofundar novamente.

Alex abraçou-a pela cintura e a ergueu, fazendo as pernas dela contornarem seus quadris. Repousando seu corpo de volta a cama, se afastou para olhá-la de cima a baixo.

— Minha. – A professora olhou para ela através das pálpebras abaixadas, mordendo o lábio enquanto mexia os quadris, em antecipação do que vinha a seguir.

Quando a guitarrista não fez um movimento, Piper chamou-a mais perto com uma mão.

— Então, vem foder o que é seu – murmurou, traçando a pele lisa de suas dobras interiores vermelhas e inchadas, com um dedo da outra mão.

O monstro de Alex se contorceu conforme o dedo dela continuava a explorar. Sua boceta estava tão molhada, que seus sucos estavam escorrendo de suas dobras internas sobre sua bunda.

Como resistir? Nunca na vida.


Notas Finais


😈 Não para por aí, mas volto só amanhã. Gostaram? Espero que sim. #vaimonstro #segurappk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...