História Bad blood - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Cindy Kimberly, Justin Bieber, Romance
Exibições 10
Palavras 3.433
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oii gente, então eu estava pensando em apagar a fic porque eu já não lembrava a história simples assim, meio estranho + o problema é que eu esqueço muito mesmo, aí fiz algumas mudanças na história dando um novo rumo a ela, pra quem leu pode notar que a sinopse não é a mesma porque eu modifiquei ela, e bom era só isso… Boa leitura...

Capítulo 4 - O jantar part 2… Familia do Dani


Fanfic / Fanfiction Bad blood - Capítulo 4 - O jantar part 2… Familia do Dani

        P.O.V Cindy Kimberly

Soph- OI? CASA DOS BIEBER, OS BIEBER? - questionou com os olhos esbugalhados

Dani- Isso, acho eu - respondeu rindo.

Soph- Caramba migaaaa você vai na casa do Justin aquele deus grego.

Dani - E vocês conhecem ele? - questionou me encarando.

Soph- Como eu não ia conhecer aquele super ser- falou abanando a mão próxima a seu rosto.

- Nem olha pra mim, eu conheci ele hoje quando ele quase me atropelou no shopping.

Dani- Comé que é? Como assim quase te atropelou? Você está bem?- questionou preocupando dando uma analisada geral em meu corpo.

- Calma- ri - Está tudo bem, só tive uma escoriação que cobri com a maquiagem

Dani - Mas como isso aconteceu?

- Acho melhor a gente ir andando e no carro eu te conto tudo, eu prometo

Dani- Tudo bem…

Soph- E eu?

- Você oque Sophia?

Soph- Como vou embora?

- Pega a chave do meu carro no meu quarto depois eu passo lá pra pegar ele, tranca a porta e deixa a chave na portaria porfavor.

Soph- Tudo bem

- Agora a gente ta indo, beijo se cuida e Juízo

Soph- Pode deixar, até mais, beijo me liga - mandei um beijo na ar e saimos.

Dani- Txau Sophi - gritou

Soph- Txau Dani

Saimos de casa e pegamos o elevador, ja dentro do mesmo o Dani ficou insistindo para que eu contasse o que havia acontecido aí eu contei tudinho para ele no percurso até ao carro.

           ◆◆◆◆

Chegamos a enorme casa, na parte da frente era possível aprecia a beleza da mesma, o Dani desceu do carro, deu a volta e abriu a porta pra mim, entregou a chave do carro para o manobrista, segurou na minha mão e adentramos ao recinto lotando de fotógrafos e alguns convidados adentrando pelo enorme tapete vermelho localizado na entrada. Paramos para algumas fotos e logo de seguida entramos na casa, do lado de dentro ela estava relativamente "cheia" com gente parada em grupos ou aos pares conversando, não pude deixar de reparar na incrível decoração daquele lugar, era tudo simplesmente maravilhoso, tinha branco e dourado para tudo que era lugar…

Dani- Amor? - falou me tirando de meus pensamentos - Está tudo bem, sua mão está gelada

- Sim… estou muito bem… Só um pouco nervosa - sorri confortante nas sem deixar de transparecer o meu nervosismo.

Dani- Vai correr tudo bem… Vamos alí comprimentar o meu tio - assenti.

Seguimos até um homem que aparentava uns quarenta e poucos anos, bem bonito e todo formal em um belo terno preto.

Xxx- Veja se não é o meu sobrinho favorito - sorriu para o Dani que correspondeu abraçando-o.

Dani- Tio Jeremy.

Jeremy- Como você está? Soube pela sua mãe que pelo menos profissionalmente você está muito bem, vai morar em Paris?

Dani- Vejo que anda bem informado como sempre - (risos)

Jeremy - Dizem que essa é uma boa arma para os negócios - (risos) - Você ainda não me apresentou essa moça linda - sorriu pra mim e eu sorri de volta.

Dani- Ah me desculpa- segurou na minha mão - Tio essa é a Cindy minha namorada, Cindy esse é o meu tio Jeremy

Jeremy - Prazer em conhecê-la Cindy - esticou a mão e eu correspondi.

- O prazer é todo meu senhor Jeremy - sorri nervosa.

Jeremy - O senhor está no céu e sem contar que eu não sou tao velho assim - (risos)- pode me chamar de Jeremy

- Claro… Jeremy

Dani- E a tia Pattie?

Jeremy - Foi atras do seu primo mas ja ja deve estar de volta.

Dani- Ahm Ok.

 
       P.O.V Justin Bieber

Estava no meu quarto conversando com o Fredo não estava com a menos vontade de deicer para aquela festa chata que está rolando lá em baixo.

Fredo- Justin acho melhor Você vestir logo cara

- Eu não estou afim de deicer

Fredo - Você sabe mais do que ninguém que se você não fizer isso logo logo seu pai manda alguém para vir te arrancar desse quarto.

- (Suspirei) Tudo bem - me levantei e fui até ao closet, peguei as roupas que minha mãe havia mandado e comecei a vestir na maior calma, sem pressa alguma. 

Terminei de vestir e comecei a passar perfume em meu corpo, logo depois parei na frente do espelho para "ajeitar" o meu cabelo e alguém bateu na porta.

Pattie- Justin meu amor o seu pai está esperando por você - falou entrando no banheiro.

- Eu sei mãe, estava só finalizando aqui e ia descer.

Pattie- Então vamos? - assenti.

Saímos do quarto, ja no corredor era possível escutar aquela musica irritante de velhos que costuma tocar nessas festas chatas, chegamos no andar de baixo e meu pai estava em uma conversa super animada com o Danilo e uma mulher. Nos aproximamos deles.

Jeremy - Finalmente resolveu dar o ar da graça - falou quando notou a minha presença.

Pattie- Danilo - sorriu e o abraçou

Danilo- Pattie

Pattie- Tudo bem com você?

Danilo- Sim e com você?

Pattie- Tudo otimo… - acenei para o mesmo que correspondeu.

Danilo- Bom, Pattie essa é a Cindy, minha namorada. Cindy essa é a minha tia Pattie - sorriu e elas comprimentaram-se.

Nessa hora olhei direito para o rosto dela e levei um mini susto, fala serio que aquela garota que conheci hoje é justamente a namorada desse mala do Danilo? Ta de sacanagem com a minha cara só pode.

Fredo- Essa não é a garota do estacionamento? - sussurou para que só eu escutasse.

- Ela mesma

Fredo- Fala serio que ela namora o seu primo?

Pattie- E esse é o Justin, meu filho e ele o Alfredo amigo dele - ela sorriu sem graça olhando para mim.

Fredo - Prazer - deu um beijo em sua mão,  eu apenas sorri para ela.

Rita- Boa noite família- falou abraçando eu e o Fredo assim ficando no meio.

Pattie- Ola Ri - deu dois beijos nela.

Ja estava farto desse ambiente família então saí andando para o lado de fora da casa e o Fredo veio atras. Passei por um dos garçon's pegando um copo de whisky da sua bandeja.
Quando cheguei do lado de fora apenas fiquei olhando para o escura do jardim.

Fredo- Pensando na vida ou nas ironias da mesma? - riu e o acompanhei.

- Tô pensando em que horas essa porra vai acabar e para aonde eu vou depois

Fredo- E aí alguma ideia?

Rita - E quital uma festa privada uma ótima ideia, eu acho - falou próximo da minha orelha dando uma mordida na mesma.

Fredo - E essa é a hora em que eu volto a festa chata deixando os pombinhos asós. Sem moral pra virar castiçal - falou arrancando gargalhadas nossas.

Rita- Isso aê Fredo - passou seus braços pelo meu corpo cruzando - os sobre meu abdomen.

- Não devia fazer isso

Rita- Porquê?

- Caso tenha esquecido, você é a sobrinha do meu pai e nos estamos em uma "festa" na minha casa.

Rita- E daí? Não é a primeira vez que brincamos assim - me virei e segurei a sua cintura com uma mão colando nossos corpos.

- Você gosta de perigo nem garota? - falei com o rosto bem próximo ao seu.

Rita- Você também gosta que eu sei - selou nossos lábios.

Pediu passagem com a sua língua e eu cedi aprofundando o beijo, suas mãos foram para a minha nuca segurando firme o meu cabelo e puxando de leve o mesmo enquanto eu apertava a sua cintura com a mão livre. Nos afastamos ao ouvir uma falsa tosse perto de nós.

Fredo- Seu pai mandou chamar você Justin - revirei os olhos

- O que ele quer?

Fredo- Eu que vou saber? - revirei os olhos novamente.

- Segura isso- entreguei o copo para o Fredo - Não saia daqui - falei para a Rita e sai andando.

Rita- Espera - segurou meu braço - Vem que você está parecendo um palhaço com a boca toda vermelha - pegou algo em sua bolsa e limpou meu rosto - Pronto, pode ir - me deu um selinho

- Valeu - sai andando de volta a casa.

Fui até minha mãe para saber o que meu pai queria e na verdade ele "só queria saber se eu tinha ido embora, apesar da vontade que eu estava de fazer isso infelizmente não dava pra fazer se eu quisesse continuar respirando claro.
Ia sair de volta ao jardim mas me deparei com a "namorada do Danilo" sentada, sozinha e fui até ela.

- Sozinha? - questionei e ela levou um mini susto se virando pra mim.

Cindy - Não, estou com Deus, a minha sombra, o espírito santo, alguns moveis também e você agora - ri de seu senso de humor

- Bem engraçada você - me sentei do seu lado.

Cindy - Não tanto como gostaria, mas tudo bem… - (risos) ela voltou a olhar para frente.

- Vejo que já está melhor!- virou para me encarar.

Cindy - É… Sim, eu falei que não foi nada, só você que é um exagerado mesmo

- Exagerado? Hum… talvez um pouco... Bom saber que está bem…

Cindy - É… - voltou a olhar para frente, segui o seu olhar e ele ia de encontro com um dos inúmeros quadros de arte que existe na casa.

- Linda né?

Cindy - Oi? - me olhou confusa.

- A pintura, quer dizer o quadro - sorri

Cindy - Ahm é…

- Você gosta?

Cindy - De oque?

- Quadros, pinturas ou obras de arte em geral

Cindy - Ah sim claro, eu não entendo muito disso mas eu gosto sim - voltou a olhar para o quadro deixando o "silencio" reinar.

Cindy - E você?

- Eu oque?

Cindy - Gosta? - franzi o senho em sinal de duvida - De quadros e obras de arte

- Ah é… Sei-lá, alguns… Sempre prefiri a arte urbana sabe? Aquelas "pixações" em murros e casas e sei-lá

Continuamos conversando por um bom tempo sobre assuntos diversos desde a arte no seu geral, sobre ela e algumas coisas sobre mim, descobrimos algumas coisas em comum e foi legal. Conversamos por mais alguns minutos até que o Danilo chegou e eu preferi ir embora dalí antes que a coisa mudasse. Vocês devem estar se perguntando o porque, e a resposta é simples, eu e esse almofadinha metido a modelo não nos damos muito bem desde que eu peguei uma vadia que ele namorava e ela vivia dando em cima de mim e eu como não sou feito de ferro acabei traçando ela, ele descobriu deu o maior peti e desde então a gente não se da bem, claro.

E ja era a hora do jantar, o jantar foi servido, comi em silencio escutando alguns assuntos totalmente desinteressantes para mim sobre a única coisa que o meu pai gosta de falar "negócios".

           ●●●

Depois de todo mundo ter ido embora subi para o meu quarto, estava exausto, aturar aquela gente toda não foi fácil e muito menos ficar sorrindo a toda hora que o meu pai queria apresentar seu herdeiro para os seus novos sócios.

Fredo foi para o quarto de hospedes em que costumava dormir quando estava por aqui e eu fui para o meu, abri a porta, tirei os sapatos o blazer e acendi a luz…

- O que é isso mulher ta louca? - falei assustado ao me deparar com aquele ser sobre minha cama.

Rita- Louco está você, o que estava fazendo com a namorada do Dani? - se levantou cruzando os braços.

- Deixa eu ver aqui… - fiz uma cara pensativa

Rita- Ver oque Bieber?

- Não,  não me recordo

Rita - De oque seu idiota?

- Do dia em que eu falei que te devia alguma satisfação da minha vida

Rita- Muito engraçada você né?

- Não enche o meu saco caramba, eu estou cheio de dor de cabeça e sem tempo para aturar a sua chatice. E pode parar de agir igual a uma namorada ciumenta que se eu não namoro é justamente para evitar ter que aturar essa palhaçada de seninha de ciumes.

Rita- Eu vi Justin, você lá falando com ela, o jeito que você olhava pra ela e olha Justin eu não vou admitir que você se apaixone por ela…

- Oque? Você ta maluca é isso? Eu tava conversando normal com ela e claro que eu não vou me apaixonar por ela até porque eu não me apaixono. E tem outra você não tem que admitir ou deixar de admitir nada porque o que a gente tem é só sexo, se localiza mulher

Rita- Eu sei muito bem disso e não precisa ficar repetindo toda hora até porque eu não sou idiota de querer ter algo com um ser como você

- Cala essa boca e me beija - puxei ela pela cintura juntando nossos corpos e selando seus lábios.

Pedi passagem com a língua e ela cedeu, me virou e me jogou na cama, sentou sobre mim e voltou a beijar ferozmente a minha boca, coloquei minhas mãos em sua cintura apertando-a sobre o meu membro já duro. Ela levou as mãos até a minha camisa desabotoando-a sem parar o beijo, quando finalmente conseguiu ela tirou-a com a minha ajuda jogando-a em qualquer canto do quarto. Tirou seu vestido jogando-o em qualquer lugar e não pude deixar de reparar no facto da ausência de seu sutiã deixando seus belos ceios amostra. Voltou a me beijar e parou o beijo mordendo o meu lábio inferior, mordeu o meu queixo e foi descendo deu beijos e mordidas em meu pescoço, foi descendo por meu abdomen e passando as suas unhas pelo mesmo. Tirou a minha calça junto da box branca que trajava, jogando as coisas pelo quarto, se sentou sobre o meu membro roçando sua intimidade sobre o mesmo, não conseguia conter os gemidos assim como ela, cansei daquela tortura e me levantei com ela junto invertendo as nossas posições, rasguei sua calcinha e joguei em qualquer lugar.

Peguei uma camisinha na cabeceira da cama, coloquei ela e me posicionei entre suas pernas a penetrando sem pré-aviso e ela soltou um berro, fui dando estocadas fortes e rápidas fazendo ela gemer super alto e cravou suas unhas nas minhas costas, que bom que o meu quarto fica super distante do dos meus pais se não nem sei o que seria.
Senti que ia gozar e acelerei ainda mais os movimentos, depois de mais algumas estocadas gozei.

Me deitei exausto tirando a camisinha, ela pegou no meu membro e colocou em sua boca, ela foi me masturbando enquanto me chupava me levando ao delírio e me fazendo gemer alto, segurei forte lençol e mordi os labios tentando abafar os gemidos, senti minhas veias engrossarem e gozei em sua boca e ela engoliu todo o liquido sem deixar escapar uma só gota.

Peguei nela a colocando de quatro e penetrei novamente, fazia os movimentos enquanto dava tapas em sua bunda porque sabia que ela adorava.

Rita- Awn, isso Jus… awn - ela gemia.

Ela rebolava no meu pau enquanto eu metia forte nela mas como tudo que é bom dura pouco, senti as paredes de sua boceta mastigar o meu pau e depois ela deu um grito e suas pernas começaram a falhar, dei mais umas estocadas e senti o meu gozo chegar tirei o meu pau e gozei na bunda dela.

Me deitei do seu lado e senti minhas pálpebras pesarem, fui fechando os olhos lentamente.

      P.O.V Cindy Kimberly

Depois de me apresentar pra família dele fiquei com o Dani por mais um tempo mas eu já não estava aguentando mais andar de um lado para o outro então resolvi me sentar, o Dani continuou conversando com algumas pessoas que estavam por la, me sentei a uma certa distancia de um belo quadro que estava pendurado na parede da enorme sala, eu nunca entendi porra nenhuma de quadros mas tinha algo nesse que chamava a minha atenção.

Depois o Justin chegou e ficamos conversando, estávamos meio sem assunto no inicio mas depois a conversa foi fluindo e falamos sobre varias coisas, bem que ele é legal. Depois o Dani chegou e não gostou muito de me ver conversando com seu primo não sei o porque, o Justin foi embora nos deixando asós. 

Dani- Não quero ver você sozinha com ele nunca mais você está me entendendo? - falou bravo.

- Pra ser sincera não Danilo, eu não estou te entendendo. Que mal tem de eu ficar conversando com o seu primo?

Dani- Tem que ele não presta, eu não confio nas suas intenções e eu não quero ver vocês dois juntos só isso.

- E em mim você também não confia Danio?

Dani- Em você sim, claro mas naquele cafajeste não

- Olha Dan, eu não quero brigar com você nem hoje e nem aqui então eu acho melhor a gente mudar de assunto, até porque essa não é a hora e nem esse é o lugar pra isso.

Dani- Vai brigar comigo por causa de alguém que você nem conhece?

- Se você não parar agora eu te juro que vou embora e nunca mais olho na sua cara- falei ja irritada.

Dani- Tudo bem, me desculpa amor… Eu não sei o que deu em mim...

- Mas eu sei e eu já falei que você não tem motivo algum para isso - ele baixou a cabeça.

Depois a gente conversou e eu resolvi deixar isso pra lá pra não estragar a noite.

        ◆◆◆

- Obrigada por me trazer - falei entrando na minha casa.

Dani- Não precisa agradecer… Amor?

- Uhm…

Dani- Er… Eu posso dormir aqui? - o olhei desconfiada da porta do meu quarto.

- Dani…

Dani- Calma Kim, eu só quero dormir com você e prometo que não vou fazer nada que Você não queira é serio.

- Tudo bem… Você pode dormir aqui...

Entrei para o quarto e fui para o closet, me despi me enrolando em uma toalha, peguei o meu pijama e roupa intima e fui para o banheiro, tomei um banho rápido, me vesti e saí. Fui até ao closet peguei uma toalha e uma calça de moleton e deixei sobre a cama.

- Amor, você pode ir tomar banho se quiser, separei uma toalha pra você e deixei sobre a cama junto de algo pra você se trocar.

Dani- Eu quero sim... obrigado

- Vou preparar um lanche pra mim você quer alguma coisa?

Dani- Só um batido de banana pra mim está otimo.

- Tudo bem - dei um selinho nele que foi para o banheiro e eu fui para a cozinhar preparar seu batido e o meu.

Depois de preparar o batido do Dani, fiz um outro de morango pra mim, parti umas duas fatias de bolo de chocolate com cobertura de chocolate que eu mesma fiz e coloquei em uma bandeja, depois levei tudo para a sala, o Dan já havia terminado seu banho e saiu vestindo o moleton que eu dei pra ele.

- Ele ficou legal em você

Dani- Obrigado, mas tenho a impressão que ele não é seu - riu

- Porque?

Dani- Ele serviu perfeitamente em mim, no quesito comprimento - riu

- Oi? Eu ouvi bem? Você está me chamando de baixinha? - questionei incredula

Dani- E você não é?

- Claro que não - falei indignada - Eu sou normal, só você que é alto demais

Dani- Aaah ta - falou rindo

- Aham… Vem comer logo antes que eu repense se você merece isso tudo - ele riu

Dani- Você sabe que sim,

Comemos conversando e logo depois fomos para o quarto ficamos CONVERSANDO até que senti minhas pálpebras pesarem, vocês devem estar achando estranho mas não, não é. Eu e o Dani não fizemos nada pelo simples facto de eu ser virgem e pretender guardar isso até a hora certa, vocês devem estar achando careta da minha parte mas não é, ou talvez seja mas é um desejo meu, deixar de ser pura no dia do meu casamento ou com alguém que eu me sinta realmente bem, não que com o Danilo eu não me sinta mas eu sinto que ainda não é a hora.

- Boa noite Dan

Dani- Boa noite Kim - deu um beijo na minha testa e um em meus lábios.

Me acomodei melhor em seu peito e dormi agarradinha nele.

   


Notas Finais


Sei que esse hot ta super sem graça mas eu não consegui fazer coisa melhor serio, eu não lembro como fazia antes. Obrigada por lerem e até o próximo cap


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...