História Bad Blood - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amber Heard, Justin Bieber
Exibições 660
Palavras 2.091
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


entrem no grupo do Whats, mandem seus numeros com o DDD e o seu nome por favor, beiijocas!

Capítulo 14 - Ligação


Fanfic / Fanfiction Bad Blood - Capítulo 14 - Ligação

 ‘Tessa Seans.

 

Quando Bieber saiu me permiti guardar aquela dor que sentia por ser meu primeiro aniversario que estava passando longe da minha familia, era doloroso e ao mesmo tempo agoniante a ponto de me fazer querer desfalecer naquele momento, mas me permiti apenas me banhar.

Depois de um longo tempo em baixo da agua quente, me permitindo organizar meus pensamentos, meus dramas pessoais, e por fim guardei aquela dor me concentrando apenas em pedir alguma coisa, não queria arriscar Bieber se irritar pela meu frustramento, não hoje.

Sai do banheiro vestindo apenas uma lingerie azul escuro, não estava muito afim de pôr uma roupa, afinal o dia já estava acabando e Bieber não iria querer sair comigo naquele horário, até porque eu não faço ideia se ele vai mesmo voltar hoje.

Abri a enormes portas de vidro da varanda, sentindo como que um sopro passando por mim arrepiando cada pequeno pelinho exposto, aquela sensação era maravilhosa. Com um sorriso fechei as cortinas e segui ate a cozinha daquele apartamento, a tanto tempo que eu não comia algo decente que era mais do que uma necessidade comer algo que não tivesse uma barata morta no meio.

Abri armário por armário não encontrando nada, não havia sequer um salgadinho naquele lugar, abri a geladeira encontrando apenas cerveja, serviria por hora.

Peguei uma garrafa entre as três que havia batendo a tampa dela na borda da pia, a mesma se soltou da garrafa ficando caída em um canto qualquer, segui até a sala a analisando mais atentamente, as cortinas brancas tampavam uma vista maravilhosa da cidade de Vancouver, os sofás marrões que formavam um “L” enorme estavam bem no centro da sala, na parede em frente havia uma televisão presa na mesma.

O que chamou minha atenção estava sobre a pequena estante que havia ali, na mesma havia um aparelho de TV e um telefone fixo, corri até o mesmo o pegando, testei a linha vendo que funcionava, o medo de digitar o número que martelava em minha cabeça e acabar caindo no celular de Bieber me dominou, ele com toda certeza iria me matar, mas é uma chance única, afinal se ele pretende passar a semana comigo, quando eu estarei sozinha novamente para poder ligar e pedir ajuda?

Com as mãos tremendo digitei o número, com o celular no ouvido eu respirava fundo a cada segundo, chamou uma vez, duas vezes, três vezes e na quarta o som da voz aguda de Stela soou.

―Alo? ―Eu esta tão em choque, que nenhum som saia da minha boca ―Alo? Quem é? ―O seu típico jeito estupido de falar no telefone me fez sorrir abertamente naquele momento.

―Stela... ―Chamei pelo seu nome a vendo bufar do outro lado da linha ―Sou eu, Tessa! ―Tentei soar o mais firme que pude, mas um desespero me tomou quando o outro lado da linha ficou mudo ―Alo? Stela? Fala comigo? ―Clamei desesperada, ela não podia ter desligado.

―Você sumiu. ―Ela parecia muito brava ―Eu e mamãe estamos a semanas atrás de você? Aonde você está? ―Stela praticamente gritou no telefone me fazendo afasta—lo minimamente do ouvido.

―Eu estou... ―Parei de falar assim que senti mãos em meus cabelos, olhei para o lado vendo Bieber sentado na mesinha de centro alisando meus fios calmamente, o mesmo arqueou a sobrancelha fazendo sinal com a mão para que eu continuasse a falar ―Trabalhando muito... ―Conclui a fala com a primeira coisa que me veio em mente.

―Aonde você está? Mamãe não consegue falar com Marta, estávamos preocupadas! ―Sua voz ficou embagada me deixando ainda pior pela dor que eu estava lhe causando.

―Desculpa Stela, mas eu não consegui entrar em contato antes, mas quero que saibam que eu amo muito vocês. ―Disse suspirando deixando um soluço escapar ―Não posso demorar, então diga a Marie que eu a amo muito e mamãe também, assim que puder eu ligo, beijos Stela, eu te amo. ―Com essas palavras eu desliguei o telefone, mas permaneci na mesma posição.

Bieber por sua vez, se levantou e se sentou no sofá, o mesmo permaneceu em silencio enquanto eu me acalmava.

―Chris me ligou no estacionamento, disse que traria algumas roupas para mim, então não havia necessidade que eu fosse buscar. ―O mesmo disse, sua voz estava tão serena que eu duvidava que ele estava mesmo irritado.

―Me perdoa. ―Pedi com voz baixa.

―Tessa, você procura... ―O mesmo murmurou ―Está bebendo? ―Olhei para a garrafa ao meu lado respirando fundo ―Traz para mim Tessa. ―Neguei levemente ―Traga a garrafa para mim, agora Tessa. ―Com as mãos tremendo, peguei a garrafa me levantando em seguida, com a cabeça baixa caminhei até ele, mantendo uma distância considerável.

 

‘Justin Bieber.

Eu podia sentir o tremor de seu corpo, ou como seu coração estava acelerado, céus eu sentia seu medo de longe, mas é tão divertido ver suas pernas moles e seus pelos arrepiados que eu seria incapaz de me manter serio diante daquilo.

―Por que você fez isso Tessa. ―Disse seco puxando a garrafa de sua mão ―Eu iria te proporcionar um dia incrível. ―Bufei ―Iriamos sair, andar por aí, depois jantar fora e seila, namorar em qualquer lugar que você quisesse. ―Suspirei frustrado ―Eu já estava preparando tudo, mas você estragou. ―Tessa caiu ajoelhada em minha frente ―Levante.

―Me perdoa Justin. ―Pediu juntando as mãos.

―Venha. ―Disse batendo em meu colo.

Tessa se levantou tentando sentar em meu colo, mas eu impedi colocando a garrafa sobre a mesa e a puxando colocando sua bunda empinada para cima, Tessa sabia o que viria a seguir, ela sabia que o que ela havia feito era errado, e agora ela teria que pagar por isso.

Depois de longos minutos batendo, eu não me sentia satisfeito, não era a dor que eu queria que ela sentisse, puxei o chinelo que havia colocado em baixo do sofá pouco antes de sair, passei a lhe dar diversas chineladas a vendo gritar várias vezes.

―Apenas mais um grito e eu vou te matar vagabunda. ―Gritei a vendo enterrar seu rosto vermelho no sofá.

Estralei o chinelo com gosto em sua bunda vermelha e marcada sentindo seu corpo se contrair abaixo de mim.

―É para você aprender a nunca mais me desobedecer. ―Disse a pegando no colo.

Levei Tessa para o quarto lhe dando um banho quente e calmo, a mesma chorou por um longo tempo, se acalmando apenas quando a pus sobre a cama já seca e nua, me despi por completo me deitando ao seu lado.

―Desculpa... ―Tessa sussurrou me apertando em seus braços.

―Você tem que aprender a me obedecer Tessa. ―Disse seco ―Adivinha só, agora elas têm notícia suas, isso quer dizer que elas vão lembrar ainda mais de você e sempre que tentarem manter contato com você elas vão sofrer. ―Os soluços da garota eram baixos, mas ainda assim eu podia sentir seu corpo dando pequenos impulsos.

―Eu sento tanto a falta delas... ―Murmurou chorando em meu peito.

―Eu sei... ―Murmurei levando seu rosto delicadamente para mim ―, mas se eu não permito que vocês se comuniquem é para o bem de ambas... ―Tessa assentiu fraco.

―Me desculpa... ―Pediu novamente, assenti apertando seu corpo contra o meu.

Tessa selou nossos lábios, eu sabia que ela estava tentando corrigir seu erro com sexo e mesmo que não aprovasse não iria recusar uma noite intensa com ela, fiquei sobre Tessa que tinha suas pernas abertas, uma em cada lado do meu quadril, a mesma gemia baixo com qualquer palavra que saia da minha boca, era incrível o modo como eu conseguia domina—la no sexo, ela simplesmente se entregava sem pudor algum.

Eu podia não estar completamente duro, mas ainda sim a penetrei ouvindo seu gemido em meu ouvido, com a cabeça enterrada em seu ombro, minhas mãos seguravam o lençol da cama com força enquanto a penetrava cada vez com mais intensidade, Tessa implorava por mais a cada investida.

―Isso... ―Gritou após uma estocada bruta.

―Você gosta não é.…? ―Segurei seu quadril a penetrando com mais avidez.

―Jay... ―Tessa sussurrava a cada vez que eu me retirava dela entrando com mais força.

O suor escorria por nossos corpos, o desejo aflorava qualquer sensação que estivéssemos sentindo, afinal, não era só sexo, era sexo de passes, estávamos nos acertando fodendo, existe coisa melhor? Provavelmente não.

Sentindo meu corpo se contrair com espasmos, me derramei dentro da garotinha que soltou um gritinho agudo com a estocada extremamente funda que a proporcionei, eu sabia que não havia machucado e sim que ela havia amado, mas ainda assim, puxei seu rosto para mim selando nossos lábios.

Exausto nós jogamos na cama relaxando completamente, Tessa sussurrava algumas coisas sobre eu ter mela ela toda, ri baixo a vendo querer levantar para se limpar, mas porque diabos eu deixaria ela tirar a minha porra dela.

―Tessa, deita e relaxa. ―Disse a puxando para mim.

―Justin eu preciso tomar algum remédio, você sabe disso, mas não me dá nenhum. ―Tessa disse cruzando os braços e fazendo bico.

Ri com seu modo de demonstrar que estava brava, era ridiculamente fofo.

―Você não vai tomar nada além de suas vitaminas. ―Disse seco a fazendo bufar.

―E se eu ficar... gravida... ―Seus olhos encontraram com os meus que lhe transmitiam tranquilidade.

―Aí você vai me tornar mais feliz. ―Disse sorrindo para ela.

―Eu sou muito nova... ―Murmurou suspirando ―Acha que eu tenho capacidade de cuidar de uma criança? ―A mesma sentou na cama ―Mal sei cuidar de mim, olha só aonde eu vim parar. ―Ela abriu os braços apontando ao redor ―Imagina eu sendo mãe? Vou ser a pior mãe do mundo. ―O drama de Tessa me deixava deveras irritado.

―Você vai aprender a ser uma boa mãe e pare de pensar sobre isso por enquanto, se acontecer ótimo, se não paciência. ―Disse seco me levantando ―Va dormir Tessa. ―Vesti minha cueca.

―Mas eu estou com fome... ―Disse manhosa ―A horas que eu não me alimento!

―A comida já deve estar chegando, coloque uma roupa ok. ―Assentiu se levantando em me olhando em seguida.

Olhei para sua perna vendo minha porra escorrendo pela mesma até chegar rente aos seus joelhos, só então Tessa correu ao banheiro empurrando a porta com força, ri baixo do seu pequeno drama por conta daquilo, é algo normal.

Ouvindo a campainha tocar corri até a sala abrindo a porta, Chris e Melanie permaneciam do lado de fora junto ao cara da pizza que me entregou a caixa enquanto eu lhe entregava o dinheiro, coloquei a caixa na mesinha de centro enquanto Chris colocava a mala em qualquer canto e Melanie se sentava do outro lado do sofá.

―Trouxe poucas coisas cara... ―Assenti fraco olhando para Melanie que encarava suas unhas.

―Você esta tão bonita Melzinha. ―Disse apenas para pirraçar, a mesma me mostrou o dedo do meio sem ao menos me olhar, ri com seu ato abrindo a caixa em seguida.

―Que cheiro bom! ―Ouvi uma voz aguda do quarto.

―Já arrumou outra vagabunda? ―Melanie disse com nojo ―Nem deixou o corpo de Tess esfriar. ―Revirei os olhos comendo um pedaço da pizza.

Chris sentou ao meu lado pegando um pedaço e apenas Mel se recusou a comer, poucos minutos se passaram quando o barulho da porta do quarto abrindo foi ouvido, permaneci comendo enquanto ouvia os pequenos e delicados passos se aproximando.

―Melanie! ―Tessa disse animada.

Olhei para a garota a vendo paralisada, ri com seu nervosismo.

―Você está bem? ―Tessa perguntou se aproximando da amiga que a abraçou com força.

―Bieber disse que tinha te matado! ―Tessa me olhou com os olhinhos arregalados.

―Estou bem viva amiga... ―Disse sorrindo.

Enquanto comíamos Mel contava a Tessa todas as coisas que ela e as meninas fizeram por Tessa, como rezar todos os dias entre outras coisas, Tessa sorria para tudo, ela parecia maravilhada com aquilo.

―Alias. ―Mel disse ―Dezessete aninhos! ―A mesma abraçou o corpo pequeno da minha garota ―Parabéns amiga! ―Tessa agradeceu com um beijo na bochecha de Melanie.

Olhando aquela cena eu podia pensar em um ménage entre nos três e olhar para Chris só me confirmava que ele também pensava naquilo.

―O que você acha irmão? ―Chris perguntou baixo me olhando, eu sabia que ele não gostava muito disso.

―Acabei de comer ela, mas iria adorar comer de novo. ―Disse baixo.

―Demorou. ―Chris murmurou sorrindo.

―Tessa, vem cá. ―A chamei fazendo a garota correr até mim.

A sentei em meu colo acariciando seu corpo, Chris fazia o mesmo com Melanie que também nos olhava sem entender, a noite seria longa e intensa, muito intensa.


Notas Finais


Espero que gostem, nao esqueçam de comentar e leiam minhas outras fanfic, estao sendo atualizadas juntos com BB! beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...