História Bad Blood (Camren) - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Demi Lovato, Fifth Harmony, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Allyson Brooke, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Karla Cabello, Lauren Jauregui, Lesbicas, Lobisomem, Michelle Jauregui, Normani Kordei, Norminah, Romance, Sobrenatural, Vampiro
Visualizações 198
Palavras 1.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção, Hentai, Mistério, Misticismo, Orange, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Helloooo
Demorei?

Capítulo 30 - Sensation


- Vejo que decidiram voltar - Demetria falou ao nos receber no acampamento.

- Estamos aqui pela sua proposta de nos ajudar.

- O sentimentos dela estão bastante confusos - Lauren resmungou se sentando em um banco de madeira. Eu parei ao lado dela e toquei seu ombro.

- Tudo bem? - perguntei em um sussurro e ela assentiu. Lauren dormiu quase três dias depois do que seja la o que a Anne fez e desde que acordou ela esta bastante fraca. - O que a Lauren quis dizer é que...

- Seu temperamento está bastante explosivo - Demetria riu. - Isso é normal, mas você precisa aprender a controlar se não vira um problema. E não é so você que precisa aprender, Lauren também.

- Não estou em condições de aprender nada - Lauren riu baixo. - Eu so não quis deixar a Camila vir sozinha.

- Lauren - Demetria tocou seu ombro e ela recuou um pouco. - Nós somos a alcatéia da Camila, nunca fariamos algo contra ela, muito pelo contrário.

- Eu conheço a fama de brigas e mortes pelos olhos vermelhos de Téras - Lauren afastou a mão da Demetria.

- Isso mudou desde que a mãe da Camila assumiu o posto de alfa e desde então estamos em paz, sem mortes na família.

- Família? - perguntei curiosa.

- Sim, era assim que sua mãe se referia a alcatéia, somos uma enorme família - Demetria sorriu. - Sua mãe era uma pessoa incrível, Camila, e eu vejo que você herdou isso dela, você e sua irmã - retribui seu sorriso, um pouco triste.

- Demi, a arena está pronta - uma garota falou parando ao lado da Demetria e fazendo uma pequena reverência em minha direção, eu repeti seu gesto, sorrindo.

- Obrigada, Selena - elas trocaram um selinho e eu desviei meus olhos para a Lauren que parecia um pouco ofegante.

- Respirar é um droga! Gostar de você me traz muitas dificuldades, Camz - ela resmungou tombando a cabeça para trás e eu ri, vendo-a puxar o ar com certa dificuldade. O rompimento do selo não estava sendo nem um pouco fácil pra ela. - Ei, Demetria! Pra que uma Arena? - Lauren perguntou confusa.

- Vamos treinar a Camila - ela sorriu de lado.

[...]

- Senhor Brooke, nós nunca levamos em consideração a possibilidade dela ser uma original - o jovem caçador disse ao homem mais velho que apenas o olhou com desdém.

- Agora so existem duas originais "vivas", Lauren e Michelle Jauregui. Não tem nem o que considerar.

- Mas senhor...

- E além disso, so temos uma estaca de carvalho branco, não iremos usa-la em um simples objeto de experimentos.

- Uma única estaca? - ele assentiu. - Para duas originais, talvez três? - o homem mais velho assentiu novamente e o jovem caçador arregalou os olhos. - O que faremos?

- Se aquele monstro preso realmente for uma original, nós iremos encontrar um jeito de mata-lá.

A pequena garota atrás da porta se assustou com a forma e a expressão que o seu pai usou para dizer aquela frase, fazendo-a sentir algo estranho.

[...]

Unknown:

Observei a Allyson entrar cabisbaixa em minha sela e fiquei confusa.

- Quatro dias sem te ver e eu não ganho nem um sorriso, Ally - forcei uma voz magoada e ela me olhou, tombando a cabeça um pouco para o lado e sorrindo minimamente. 

- Hey - seu pequeno sorriso sumiu, dando lugar a uma expressão confusa logo depois. - Como me chamou?

- Ally, é um apelido para Allyson.

- Eu sei - balançou a cabeça. - Mas como sabe meu nome? Eu nunca te disse.

- Um passarinho verde muito feio me contou - assobiei e fiz careta em seguida, fazendo-a rir.

- Certo, você ja sabe meu nome - deu de ombros. - Agora que tal me falar o seu.

- Ainda não - sorri e ela caminhou até a porta. - Hey, não vá embora!

- Eu não vou, calma - riu e olhou o lado de fora, travando a porta com o cabo de uma vassoura que estava ali perto. Allyson voltou até onde eu estava e soltou minhas mãos, segurando meu corpo ao perceber que eu não conseguiria me manter de pé. - Tudo bem?

- Sim, só estou fraca - sorri de lado e ela me ajudou a sentar no chão, sentando-se a minha frente. Me encostei na parede e fiquei em silêncio olhando diretamente para os seus olhos, enquanto ela analisava todo o meu corpo várias e várias vezes, sem dizer nada também. Nós ficamos assim por bastante tempo, até que ela bufou parecendo frustrada e eu vi suas bochechas ficarem vermelhas. - Por que me olha tanto?

- Você é bonita - constatou me deixando envergonhada e ela riu. - Ja comeu pizza alguma vez?

Franzi o cenho confusa com aquela pergunta.

- Não, e eu não sei o que é isso.

- Um dia eu te levo na melhor pizzaria do país para você experimentar. É uma promessa - ela sorriu graciosamente e ergueu o dedo mindinho. Eu a olhei sem entender. - Faz isso também - eu repeti seu gesto e ela entrelaçou seu dedo no meu. - Isso é pra selar a promessa e promessa de dedinho não pode ser quebrada.

Isso parece ser uma coisa tão infantil, mas ela ficou feliz, então...

- Certo - sorri de volta.

- Eu preciso tirar você desse lugar - sua felicidade pareceu sumir e ela ficou séria.

- Não, é perigoso para você - neguei, sentando-me corretamente. - Eu não me importo de ficar aqui, ja estou a mais de cinquenta anos nesse lugar - dei de ombros.

- Mas meu pai vai te matar.

- Seu pai não pode me matar - toquei seu queixo e ela desviou o olhar do meu.

- Mas ele pode te machucar... muito.

- Tem alguém vindo - falei ignorando o que ela disse ao ouvir alguns passos vindo em direção a sela.

Eu tentei me levantar e a Allyson me ajudou, prendendo meus pulsos novamente com as algemas. Ela me olhou nos olhos por um tempo e seus braços ficaram ao redor do meu corpo, me apertando entre eles.

- Não ignore o que eu disse.

Assenti e ela se afastou, saindo da sela.

Que sensação é essa?


Notas Finais


O que acharam?
Sabem quem é a garota?
Shippam?
Kkk
Comentem

Até o próximo, byee

Outra fanfic:

https://spiritfanfics.com/historia/the-10-year-plan-camren-10046149


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...