História Bad Hope - Suga ( BTS ) - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Agust D / Suga, Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Fanfic, Imagine, Min, Romace, Shoujo, Shounen, Yoongi
Visualizações 38
Palavras 1.721
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 33 - Capítulo 32


Abri os olhos tentando rapidamente me acostumar com a claridade que o Sol fazia através da janela do meu quarto.

Afastei os cobertores e com muito esforço me levantei, o apartamento se encontrava estranhamente calmo e silencioso.

Coloquei roupas quentes, pois mesmo com os aquecedores que possuímos, ainda assim fazia muito frio dentro do apartamento.

Através da janela da cozinha, podia-se ver vários flocos de neve caírem calmamente.

Preparei uma xícara de café e uma pequena torrada, seguindo em direção à sala.

Ao contrário do que eu pensei que iria encontrar ali, os meninos tinham deixado-a organizada, sem nenhum resíduo de embrulhos de presente.

Liguei a televisão e deixei passando algum programa de entretenimento até que meu lanche da manhã acabasse.

Voltei para a cozinha depositando as louças na pia, para que mais tarde fossem lavadas.

O horário marcava quase onze horas da manhã, o que me deixou confusa, Kim nunca conseguia dormir até tal horário, geralmente acordava cedo.

"Seokjin?" - parei no corredor que ligava todas as divisões do que apartamento, chamando por seu nome.

Como não obtive resposta, fui até a porta do banheiro batendo na mesma, mas não havia um barulho sequer do outro lado, então decidi abri-la, mas assim como não estava traçada, também não havia sinal algum que que ele estivera ali.

Caminhei até seu quarto e entrei sem bater na porta.

Eu já estava começando a ficar preocupada, mas assim que me deparei com seu quarto vazio e a cama perfeitamente arrumada, a realidade me atingiu.

"Seokjin?" - insisti em chamá-lo mais uma vez.

Apesar de saber o porquê dele não me responder, eu queria acreditar que ele não era capaz de fazer algo assim.

Sobre sua cama tinha um envelope branco e eu não precisaria abri-lo para saber qual o conteúdo do mesmo.

"Me perdoe por isso, mas creio eu que será melhor assim, me despedir seria doloroso de mais para ambos."

Algumas gotículas começaram a se formar nos meus olhos, mas não ao ponto das lágrimas caírem.

Meu peito doía e eu me sentia culpada, tinha sido tão ruim com eles ontem a noite.

Aquela era uma despedida e mesmo sem saber, nunca devia ter agido daquela forma.

Peguei meu celular no bolso traseiro da calça e disquei rapidamente para seu número.

"O número que você ligou encontra-se temporariamente desligado."

Suspirei desanimada, ele não poderia me ignorar para sempre, um dia teria de me explicar porque achou que a ideia de ir sem se despedir era boa.

Procurei nos meus contatos por outro número é assim que o encontrei, liguei para o mesmo.

Meu coração batia aceleradamente e eu já começava a tremer de nervosismo.

"Annyeong?" - sua voz soou rouca do outro lado, fazendo eu me arrepiar.

"Yoongi?"

"Haruna!" - ele pareceu espantado.

"Suga, eu..." - comecei a falar, entretanto fui interrompida.

"Suk, por favor me perdoe, eu não queria cometer o mesmo erro de novo." - sua voz pareceu ficar mais fraca.

"Yoongi, está tudo bem" - tentei o acalmar.

Mas era uma tentativa em vão, como eu iria acalmá-lo, se eu mesma não estava calma?

"Mas Haru..."

"Yoongi, esquece isso, eu preciso de você isso é o que importa."

"Suk..." - fracos suspiros tristes podiam ser ouvidos através do celular.

"Por favor, volta." - falei com a voz começando a ficar embargada.

"Eu não posso." - respondeu com a voz fraca.

"Suga, eu te amo, preciso de você." - passei as mãos pelo rosto limpando a primeira lágrima que caiu.

"Não chore, por favor." - sua voz soava fraca.

"Eu não consigo, a dor que sinto é tão grande..."

"Suk, me perdoe."

"Eu já falei que está tudo bem, eu te perdoo quantas vezes for preciso, te perdoo de tudo, até de coisas futuras, mas por favor volta, não quero que vá. Suga eu te amo." - falei desesperadamente.

"V-você o quê? O que você falou?"

"Saranghaeyo Suga."

"Aigoo, eu também, também te amo, até mais do que deveria." - sua voz saía como um gemido doloroso.

"Então... fica aqui comigo, não vá embora."

"Haruna, eu não posso." - sua fala saiu entrecortada e um soluço baixinho pode ser ouvido do outro lado da linha.

"Yoongi, não quero ser deixada mais uma vez."

"Não fale assim Suk. Eu não vou te deixar, meu coração é seu e por mais que eu tente te esquecer, não vou conseguir." - pediu.

"Não, não fale assim você. Eu já pensei e eu quero você, quero ser sua." - falei com as lágrimas se acumulando e caindo.

Meu peito doía, meu corpo estava tremendo por causa do nervosismo, ele não poderia ir, eu não iria deixá-lo.

"Eu não quero te perder, eu te amo tanto." - solucei pegando em um dos travesseiros de Seokjin o abraçando fortemente.

"Haru..."

"Yoongi, não me deixa, eu não quero ficar sozinha, por favor." - supliquei.

"Suk, não fala assim. Você nunca estará sozinha, eu estou com você, mesmo de longe." - sua voz soava fraca, enquanto seus soluços e os meus preenchiam a ligação.

"Não, você não vai estar aqui, me leva com você então, eu não quero ficar aqui sem você." - pedi.

Me partia todo o coração a ideia de ter que deixá-lo ir, eu seria egoísta ao ponto de ignorar todos nossos sonhos só para ficarmos juntos.

Escutar ele chorando era como me esfaquearem, meus soluços e os dele, antes que estavam baixos, agora eram totalmente audíveis e dolorosos.

"Eu quero ser egoísta, quero jogar tudo para o alto."

"Haruna, não podemos... Nossos sonhos estão envolvidos nisso..."

"Sonhos que podem nos separar para sempre." - choraminguei enquanto passava as mãos no rosto tentando conter as lágrimas.

"Eu vou voltar, prometo que vou te encontrar de volta, nosso fio vermelho é forte o bastante para superar esses obstáculos." - sua fala saía calma e meio falha por causa do choro.

"Eu acredito em você, mas Yoongi, não sobrou ninguém aqui, eu estou sozinha novamente, você não pode ir."

"Haru..." - ele suspirou engolindo um pouco do choro e clareando a garganta. -"Eu... Eu p-preciso desligar." - falou com a voz embargada por tentar segurar as lágrimas.

Mas foi em vão, segurar as lágrimas ocasionou em um choro mais forte, me deixando ainda mais destruída.

"Não, não, Yoongi não! Por favor, fica!" - falei desesperada.

Aquela seria sem dúvidas a última ligação no intervalo de um longo tempo sem poder nos ver.

Ela deveria durar por mais algum tempo, Yoongi tinha que ficar mais tempo.

"Você já pode abrir os envelopes e depois abrir a página marcada no meu caderno."

"Suga, por favor não. Fala comigo mais um pouco." - pedi com as lágrimas sendo renovadas e escorrendo pelo meu rosto.

"Me perdoe por te fazer sofrer. Saranghaeyo, sarang." - falou suas últimas palavras e a última frase soluçando e em seguida encerrou a chamada.

"Não. Yoongi? Annyeong?" - chamei por ele, mas não houve respostas, apenas o apitar do celular, informando que a chamada havia sido encerrada.

Abracei com mais força o travesseiro, deixando que as lágrimas o molhassem e que meus soluços saíssem desesperados.

"Eu te amo, por favor não me deixa." - pedi mais uma vez.

Eu me sentia tão vazia e sozinha. Por que todos sempre me deixam?

Meus olhos ardiam e eu já não tinha mais lágrimas, meu corpo estava dolorido de ficar naquela mesma posição, à quanto tempo eu estava aqui?

Minha barriga roncava desesperadamente pedindo por comida, mas eu não tinha vontade nenhuma de me levantar.

Com esforço fui na direção da cozinha com esperança de achar algo rápido para fazer e comer.

Em cada canto que eu olhava, via um pedacinho de cada um dos meninos, minha vontade de voltara chorar aumentava, mas as lágrima pareciam ter acabado.

O barulho do microondas apitando me fez voltar para a realidade e pegar meu potinho de lámen.

Mesmo que eu tenha comido e gostado, ainda faltava algo, não estava bom como os de Seokjin, que acrescentava alguns temperos porquê de acordo com ele deixariam mais saudável o lámen.

Enquanto eu voltava para meu quarto, lembrei das últimas palavras de Yoongi.

"Saranghae, sarang."

Meu coração aqueceu junto com meu corpo todo, mas logo voltou a doer, me deixando sufocada, ao ponto de produzir mais lágrimas.

Nosso amor agora se tornou como uma folha amaçada, que a qualquer momento, se fosse tocada ou pega, poderia se desmanchar em farelos e nossos corações flutuavam como balões soltos que por mais que esticássemos as mãos era tarde demais para alcançá-los.

Mas eu não consigo desistir, me coração não que deixá-lo ir, quero tentar refazer todas as estações do ano pela qual passamos, mas isso vai ser ganância, certo?

Por mais que Suga nunca tenha me dito que íamos andar em trilhas de flores, que iriamos ver apenas coisas boas, que só iriamos ter memórias felizes, que não iriamos nos machucar, eu acabei criando uma alusão de um futuro, onde tudo o que ele nunca prometeu, iria acontecer.

Mesmo agora estando sozinha, começando a criar um recomeço, em algum lugar da minha mente e do meu coração, algo me diz que mesmo que estejamos cheio de cicatrizes e infelizes quando ele voltar, nós poderemos sorrir e seguir e frente, pois um vai segurar o outro.

Olhei para o local onde todos os post-its que Suga me mandou estavam e muitas lembranças vieram até mim como uma explosão, me fazendo lembrar de como foi lindo esses momentos, mas que agora estão murchos como uma folha, mesmo assim, um sorriso brotou em meu lábios em meio aquelas lágrimas.

Eu o amo tanto, que meu coração sem ter ele por perto se tornou como o inverno pelo qual estamos passando, mas infelizmente não pode se tornar como um floco de neve, porque se tivesse se tornado eu poderia voar pelo vento e alcançá-lo, eu entreguei meu coração à ele e sei que o dele também é meu.

"Vou esperar por você, não importa quanto tempo leve, nosso fio vermelho é forte o suficiente para sempre nos unir mais uma vez." – murmurei encarando uma foto que eu tinha de mãos dadas com Yoongi de quando éramos crianças em um dia que recebemos a notícia que a avó de Suga tinha morrido, abaixo tinha uma pequena legenda escrita "Vá e atravesse diretamente pela suas frustrações, o dia de amanhã será melhor." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...