História Bad Liar (G-Dragon) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias G-Dragon
Tags Big Bang
Visualizações 77
Palavras 1.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OOIE POVO LINDOO!
Voltei em cima da hora com mais um cap! Siim :0000 ele está um pouco curto, mas o próximo será gigaaaaante!
*Claro, se vcs quiserem, pq cês sabem que mandam na bagaça toda aqui, né non? Kkkk*

Boa leitura !

Capítulo 6 - Exaustos


Fanfic / Fanfiction Bad Liar (G-Dragon) - Capítulo 6 - Exaustos

                                   P.o.v Elisa

Mais que satisfeita, por ter dado uma  -pequena-  lição naquele cara, saio da empresa e chego ao meu apartamento mais rápida e exausta que o normal. Claro, o dia havia sido realmente cheio. Foram muitas emoções para um dia só e eu, sinceramente, estou esgotada.

E quando falo em emoções, não me refiro apenas ao que aconteceu agora pouco com aquele ser irritante. Aliás, eu deveria ter batido um pouco mais acima. Quem sabe entre as suas pernas...

Ah, qual é? Aquele aproveitador tentou me...ele ia me...ARGH!

 Mas enfim. Com relação ao emprego. Meu Deus... A ficha parece não querer cair.

Eu consegui mesmo...não poderia estar mais feliz do que agora, mesmo estando com raiva.

 Fecho a porta, e me jogo no sofá deitando de qualquer jeito, enquanto olho para o canto da parede procurando o relógio. Meus olhos o encontram e no mesmo momento ouço um barulho extranhamente grande soar da minha barriga. 

 Hora do almoço.

 Como Lana havia dito que não amoçaria em casa, minha intenção era preparar algo simples e rápido para comer. Não estou nem um pouco interessada em cozinhar algo difícil e demorado, pelo menos por agora. 

Levanto preguiçosamente do sofá e arrasto os pés até a cozinha. Fuço dentro do pequeno armário e pego o pote de arroz, em seguida vou procurar a carne e os legumes. Opto por fazer um arroz frito. Não existe nada melhor. É rápido, fácil e delicioso.

Ao prepará-lo, ponho em um prato nada pequeno e vou para a sala, com o objetivo de achar algo bom para assistir à essa hora. O que é muito difícil. Vou levando colheradas à boca um pouco rápido demais, enquanto zapeio alguns canais na televisão. E milagrosamente, depois de passar 9732685 canais, meu dedo para em um filme de romance. Um dos meus gêneros favoritos. 

 Me ajeito da maneira mais confortável no sofá, enquanto devoro meu almoço, sem tirar a atenção do filme. Minutos vão se passando, e algum tempo depois, o filme, que me arranca algumas risadas e lágrimas nas cenas mais tristes, por fim acaba. 

 Ainda bem...pois não duvido que Angelina Jolie logo me fazeria desmanchar em lágrimas. 

 Levanto em um pulo, apenas para colocar meu prato na pia e voltar para o sofá. Mas antes que eu o faça, escuto meu celular tocar dentro da bolsa. Vou à caminho dele e ao ver quem é, sento no sofá e atendo: 

 -Fala sua coisa - digo começando a zapear os canais outra vez e a voz de Lana chega aos meus ouvidos. 

 -Só liguei para você me contar como foi lá. Anda, me conta tudo! -ela fala animada e curiosa, me fazendo rir do seu jeito.

 - Onde você está?- eu pergunto querendo mudar a conversa, mas ela percebe e posso escutar que a raiva se apodera da sua voz:

 -Ahh não...! Nem pense que vai mudar de assunto. Sabe que sou curiosa. Anda Lis, conta logo! Como foi lá?!- ela fala impacientemente e eu rio baixo, antes de enganá-la.

-Então Laninha...- solto um suspiro falso de tristeza e ela grita com total impaciência: 

 -FALA DE UMA VEZ ELISA! PELO AMOR DE DEUS! 

 Seguro uma risada alta, e por fim conto logo. De qualquer maneira, ela não iria desligar o telefone enquanto eu não lhe disesse. 

 -Eu...consegui o emprego! - grito- Sou a nova designer da Kwon's Interactive! - mal termino de falar e ela solta um longo e alto- até demais- grito no meu ouvido. Deus...por pouco não explode meus tímpanos.

 -Mas que ótimo! Eu sabia que você iria conseguir...! 

 Sabia nada. Penso.

-Quer saber de uma coisa? - ela continua- isso merece uma comemoração! Até porque, não é todo dia que se consegue um emprego tão maravilhoso como essse. Se prepara, porque vamos comemorar muito hoje...-  ela fala com um tom nítido de safadeza, e eu sou obrigada a rir soprado e balançar a cabeça em negação. 

Sério, para qualquer notícia, seja ela qual for- qual for mesmo - Lana sempre acha que temos que festejar, ou algo do tipo. Sabendo ela, melhor que ninguém, que eu não gosto muito dessas coisas. Além disso, o meu tipo de "diversão" se resume à passar a noite toda enfiada debaixo do edredon, assistindo minhas amadas séries e comendo besteiras.

 Mas essa criatura só pensa em farra mesmo... 

 -Bem...- suspiro- eu acho que hoje não é um dia bom para sair Lana, além  do mais eu... 

 -An an an an an - ela me interrompe rapidamente- não me venha com esse mesmo disco arranhado senhorita Arantes. Você sempre vem com essas desculpas esfarrapadas para não sair de casa.... E também...

Suspiro derrotada enquanto ela fala, fala e fala, tentando me convencer. E para não prolongar essa conversa, acabo concordando de uma vez. Ir contra essa maluca, é como nadar contra à correnteza. 

 -Está bem...você venceu sua doida- rio soprado - mas vai ter que ser amanhã, estou muito cansada para para sair hoje, ok? 

Escuto um bufar irritado e não posso evitar sorrir.

- Tudo bem. De qualquer maneira você vai, seja por bem ou por mal, mesmo que eu te arraste pelos cabelos- ela ameaça e eu gargalho.

-Tá bem, tá bem... 

-Ah, daqui a pouco eu chego, encontrei uma amiga aqui no restaurante e nem vi o tempo passar enquanto conversávamos- ela responde minha pergunta feita no começo da ligação. Assinto, e depois de mais algumas ameaças feitas pela minha "bela amiga", encerramos a ligação.

 Jogo o celular ao meu lado no sofá, e um suspiro cansado me escapa. 

Okay, prevejo um grande arrependimento por ter concordado com isso.

Ou será que não?

.

.

.

                          P.o.v Ji Yong

Você me paga.

Mal tenho tempo de falar e ela some das minhas vistas com um sorrisinho enfeitando seus lábios. Os mesmos lábios que eu iria...

 Ah... 

Vocês sabem.

Não me culpem. Não sou nenhum tarado ou coisa assim. No primeiro momento eu iria apenas assustá-la. Fazê-la ficar com medo de mim. Mas então...como se um imã estivesse me puxando para perto dela, eu começei a me aproximar.

Me aproximar, me aproximar, me aproximar...

E quando finalmente me dei conta do que eu estava fazendo, ja me encontrava à milímetros dela. Do seu rosto. Da sua boca. Por isso, eu não conseguia - podia - sair de perto dela, e  quanto mais ela queria se afastar, mais eu a prendia com mais força naquela pia atrás de nós.

Óbvio, que eu nunca à beijaria sem a sua permissão e muito menos a força. Eu não sou nenhum monstro... mas poxa...eu sou homem! Quando vi aquela mulher tão "na defensiva" daquela maneira, e seus olhos me encarando com indiferença, um desejo nada santo começou a me possuir e isso era tudo que eu pensava naquele momento...

Droga.

Saio do banheiro aos tropeços por causa do belo pisão dado por ela, e que sinceramente, está doendo pra um c******.

Por Deus... Isso foi um pisão, ou um caminhão que virou por cima do meu pé?!

Ainda com alguma dificuldade para andar, volto para minha sala. Como já era hora do almoço e tenho várias coisas pendentes para resolver, decido pedir alguma coisa para comer lá mesmo.

Entro na minha sala. Ando como posso até minha mesa e sento na cadeira soltando um suspiro cansado. Apoio as mãos na mesa e fico pensativo por algum tempo. Mas, mudo de posição ao ouvir um barulho de reclamação vindo do meu estômago. Pego o telefone e peço para a secretária pedir qualquer coisa para meu  almoço.

Em questão de poucos minutos, a porta é aberta e ela entra na sala, me entregando a comida. Começo a comer, e vez ou outra olho alguns documentos de trabalho no notebook. Sim...eu sei que não é bom trabalhar e comer ao mesmo tempo. Mas, como tenho muito trabalho para fazer até à tarde,  essa vai ser mais uma excessão. Então, continuo comendo,  até ver meu celular vibrando em cima da mesa. Pego-o, e sem me dar o trabalho de olhar quem estava ligando, atendo impaciente:

-Alô - falo e uma voz familiar chega aos meus ouvidos.

-Pelo jeito que atendeu está ocupado. Aliás, como sempre estâ, não? - ele responde com  deboche e ri baixo. 

-Acertou em cheio - digo sem humor - mas, fale logo o que quer Seung hyun.

-Bom...Young bae,  TOP hyun e eu vamos sair hoje a noite. Você sabe, como nos velhos tempos...curtir e beber um pouco, quem sabe pegar algumas gatinhas também...- sua última palavra sai com certa malícia e é inevitável não sorrir. Ele não muda mesmo. -  Eai? Vem  com  a gente?

Penso. Mas não muito, e respondo:


- Não. Não posso hoje. - falo simples - Estou completamente atarefado essa tarde, e...quando  chegar em  casa  só quero cair na cama e dormir até não poder mais. Estou exausto, e sem força para diversões hoje.

- Espera um pouco -  fala surpreso - Você...recusando uma noite de balada?! Tem certeza que é o mesmo Ji Yong que conheci à treze anos atrás?!- ele pergunta confuso e eu riu soprado- Então... Está bem. Quem sabe outro dia.

-Talvez. 

Termino de falar e desligo o telefone. Acabo de comer e dou total atenção aos contratos sobre minha mesa. Certo, eu realmente não mudaria de ideia. Confesso que quase nunca perdia essas noites de bebedeira, mas isso era antigamente. 

Bem antigamente...

 Agora minha vida é uma corrida olímpica, e ter aceitado ir, sabendo que cada osso meu pedia por descanso seria uma grande imprudência.

Não...seria idiotice mesmo. Pura e simples.

Tenho absoluta certeza que eu não ficaria muito tempo por lá. E se ficasse, seria com a maior cara de chato, contando cada milésimo para ir embora. 


(...)

Inexplicavélmente, consigo terminar tudo que tinha para resolver hoje na empresa. E olha que eram muitos assuntos para tratar. Já era noite. Pego o carro na garagem, e  vou direto para casa, para tomar um banho e relaxar um pouco. 

E naquela noite, como um milagre enviado dos céus, faço o que desejo fazer à semanas. Durmo como se não houvesse amanhã, para recarregar um pouco essas noites mal dormidas, e infelizmente, para ter de enfrentar mais um dia como diretor de finanças no dia seguinte.


.

.

.


                          


Notas Finais


É isso!
Até amanhã! ( farei o possível pra att amanhã, ok?) bjs :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...