História Bad Romance - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Exibições 80
Palavras 3.079
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E ai minha gente linda.
Sim, isso mesmo que vocês estão vendo, eu atualizei essa fic.
Depois de 5 anos, meu deus, eu enrolei 5 anos para escrever e a verdade é que não tem desculpas por isso, e espero que vocês me perdoem por toda essa demora, e eu sei o quanto é ruim você amar uma fic e ela parar do nada. Mas fiquem tranquilo, vou fazer meu possível para finalizar ela.
Então paramos de enrolar, segue o terceiro capitulo.
E na notas finais tentarei explicar o motivo de eu ter parado de escrever ela.

Capítulo 3 - Forever - Edguy


Fanfic / Fanfiction Bad Romance - Capítulo 3 - Forever - Edguy

 

Capitulo 3

When I see you smile

I'll dare to believe again

(Porque quando vejo seu sorriso

Eu me atrevo a acreditar novamente)

 

 

 

Uma pequena brisa adentrava pela janela aberta no pequeno quarto, na qual fazia com que uma figura que estava deitada sobre uma cama de casal começava a despertar. Ino piscou os olhos varias vezes, até se acostumar com a claridade do local e tentar entender aonde se encontrava, pois a sua última lembrança era que estava em um cômodo que os piratas dizem ser uma cozinha, e de que no meio da limpeza, viu um rato, foi então que se deu conta que havia se desmaiado devido ao rato que verá.

                - Espere cadê o rato?... Na verdade onde estou?

Disse Ino enquanto sentava bruscamente na cama e começava a olhar em volta e ver que não estava mais na cozinha, e sim em um quarto, aparentemente um quarto bem mais arrumado que ela teve na mansão que viveu até alguns dias atrás.

Logo sua curiosidade foi maior e a garota loira tratou de se levantar da cama e começar a olhar em volta, para ver se acharia alguma coisa que pudesse lhe dizer de quem pertencia àquele quarto, mas de uma coisa que ela sabia que aquele quarto pertencia a um homem e pelo visto tinha algum cargo bem importante e alto naquele navio, já que tinha noção de que na maioria dos navios os homens de cargos baixos dividiam os quartos e que naquele quarto não estava encaixando nessa situação.

Caminhou até uma pequena escrivaninha que se encontrava no canto mais afastado do quarto, talvez ali, ela acharia algo, então com o maior cuidado e memorizando a ordem correta dos papeis, pois pelo que notou o homem, dono daquele quarto, era muito organizado, provavelmente saberia se alguém mexeu em alguma coisa.

Mas para seu desgostoso não havia nada ali, apenas mapas, documentos desnecessários, jornais velhos e muitos antigos, nenhuma pista que pudesse lhe dizer de quem era aquele quarto. Sabendo que ali não teria o que queria voltou sua atenção para a estante ao seu lado, onde havia vários livros e todos em ordem alfabética e separados por autores.

- Bem, essa pessoa consegue ser mais paranoica em organização do que a Tenten.

Comentou enquanto balançava a cabeça e começava a fuçar entre os livros, porém novamente se decepcionou em não ter nada que lhe ser útil de informação.

- Meu deus, como é possível não ter nada, nem um nome. Mas espera ai, se quarto pertencer ao capitão. Que segundo a Noelle as chaves estão com ele, talvez elas esteja aqui, e as consiga recuperar. Porém, onde elas poderiam estar?? Pensa Ino, se você tivesse algo valioso, onde você guardaria.

Enquanto ela ia dizendo isso olhava novamente em volta do quarto, verificando os locais mais próximos de esconderijos, foi então que encontrou não tão longe estava uma cômoda grande de madeira, com várias gavetas e sendo que a primeira possuía uma fechadura.

- Bem, ali seria um ótimo lugar para esconder algo.

Aproximou da cômoda e dando uma rápida olhada para a porta para ter certeza que não teria ninguém entrando naquele momento, retirou um grampo que estava segurando seu cabelo em um coque, que logo foi desfeito fazendo os cabelos loiros ficasse solto. E com muita calma, ela colocou o grampo dentro da fechadura e com muita calma começou a fazer a magica que sabia abrir fechaduras com grampo.

Aprendera isso ainda na mansão, foi uma maneira de tentar retirar o maldito colar de seu pescoço, mas para sua ingenuidade e surpresa, as fechaduras dos cadeados daqueles colares eram feitos de modo diferente para que não fosse aberto, e tanto que cada cadeado possuía sua própria chave e que nunca poderiam ser abertos com qualquer outra chave ou outra coisa, tipo um grampo. E Ino soube disso da pior maneira, a dor que sentirá no castigo que teve de Ami ao descobrir que tentara romper seu cadeado fora tanta que ao se recordar disso, suas costas doíam, apesar de não ter nenhuma cicatriz ali, mas a lembrança era tão traumática que ainda podia sentir as dores daquele dia.

Ela estava tão concentrada em abrir aquela gaveta que ela não notou que alguém havia entrado no quarto e tinha pego ela no flagra. Ino só foi se dar conta disso, quando sentiu uma mão ressecada e cheia de calos apertar seu pescoço levemente e sentir que seu corpo estava sendo pressionado contra a cômoda, fazendo com que os puxadores a machucassem. Sabia que não conseguiria sair dali, já que o corpo da pessoa que havia pego ela no flagra era o que estava fazendo o que ela ficasse pressionada contra a cômoda.

- O que você pensa que esta fazendo?

Disse a pessoa logo atrás de Ino, enquanto a segurava firmemente no lugar, ela pode notar que se tratava de um homem já que a voz o denunciava e algo lhe dizia que era o dono do quarto e mais ainda, ela sabia de quem era aquela voz. Ino não respondeu de imediato e isso foi um erro porque a pessoa que a segurava apertava mais ainda seu pescoço,  sufocando-a.

O homem se aproximou mais perto da orelha da loira, fazendo com que ela sentisse a respiração, e por algum motivo aquilo a fez estremecer, pois sabia que na situação que estava poderia ser morta.

- Eu estava procurando as chaves dos nossos colares, mestre Gaara. A...agora poderia me soltar, você esta me sufocando.

Ino respondeu com certa dificuldade devido à pressão sobre o seu pescoço e a dor que começava a sentir devido ao metal do pingente do colar estar sendo pressionado com certa força. Ela sabia que não adiantaria mentir já que foi pega no ato, e que independente do que disse ele a mataria.

- Acredito as suas malditas chaves não estão comigo, e mesmo que estivesse isso não lhe dá nenhum direito de tentar arrombar minha gaveta. Você sabe que eu deveria lhe matar agora, porém não posso fazer isso, porque segundo o capitão vocês são valiosas demais e que dariam ótimo dinheiro. E também devo lembra-la que Ryuu decidiu assumir toda a responsabilidade do que vocês fizerem. Então nesse caso vou lhe soltar e nunca mais quero que você entre nesse quarto, estamos de acordo?

Ela arregalou os olhos ao ouvir as palavras do ruivo, realmente a loira havia se esquecido que Ryuu tinha tomado responsabilidade sobre elas e mais rápido possível ela balançou a cabeça em concordância e fazendo com que ele solta-se seu pescoço, deixando uma leve marca avermelhada dos dedos dele e do pingente do colar no pescoço . Ino tossiu varias vezes e se afastou o mais longe possível de Gaara que arrancava o grampo da fechadura e o jogava pela janela. Não que a loira tivesse se importado com isso, mas era o único que tinha para manter seus cabelos presos, mas sabia que não deveria protestar, apesar da sua vontade.

Gaara abriu a última gaveta da onde tirava uma muda de roupa que consistia em uma blusa vermelha de manga comprida e uma calça longa preta,  e se aproximava de Ino esticando na direção da mesma, que hesitou por alguns segundos e com certo receoso pegou as roupas.

- Vista isso, suas roupas estão um lixo. Provavelmente ficaram largas, mas será o suficiente para você. Naquela porta está o banheiro se troque ali e existe um pouco de agua, suficiente para se limpar. Não demore muito, tenho que te levar de volta para a cozinha, junto com as outras. E para que você não fica fuçando nas coisas estarei aqui e espero que você não faça o mesmo no banheiro ou... Terei que ir junto com você?

Ele disse a última parte com um tom meio de malicia enquanto olhava Ino de cima para baixo várias vezes, e o ruivo tinha que concordar que aquela mulher era realmente deslumbrante apesar do seu estado lamentável que se encontrava, porém sabia que não deveria fazer nada, apesar da sua vontade. Ino vendo o olhar que ele lhe lançava colocou a muda de roupa na sua frente cobrindo parte do seu corpo e tal logo seu rosto começava a tomar um tom avermelhado.

E mais do que depressa a loira se apressou em ir em direção à porta do banheiro que ele havia apontado e fechando a porta em seguida e trancando, não queria ter ele invadindo o banheiro. Contudo, parecia que naquele dia o azar quis estar presente em sua vida, notou que não conseguiria retirar o vestido sem ajuda, e como a única que poderia estava do outro lado da porta.

Respirando fundo, Ino destrancou a porta e abriu lentamente, fazendo com que o ruivo que estava encostado ao lado a olha-se confuoa.

-Algum problema?

-Hum...é...ahh...

-Por favor, pare de enrolar e diga logo.

-Será que você poderia me ajudar a tirar o vestido.

Gaara arqueou uma sobrancelha ao ouvir o pedido inusitado e sabia que isso ele não poderia deixar passar despercebido.

- Ora, ora, não sabia que a loirinha era tão atirada assim.

Ino fechou a cara para ele e tão bateu a porta com toda força que tinha e a trancando em seguida, ela daria seu jeito não precisava da ajuda dele, na verdade nunca precisou de ajuda de ninguém, bem talvez das suas amigas, da sua... Família, ao se lembrar de seu pai, mãe, irmão os olhos da loira começavam a ficar lagrimejados. E lembranças do dia que fora tirada a força deles, tinha apenas seis anos, apesar de nova, de ver eles sendo mortos por pessoas que diziam serem da lei.

Sentiu-se aliviada ao notar que alguém batia na porta, fazendo com que se esquece daquele fatídico dia, enxugou as lagrimas que teimavam em cair e abriu a porta para o visitante a sua frente. Agora fora a sua vez de arquear a sobrancelha ao ver que Gaara ali.

- Vire-se.

Ordenou, fazendo com que a loira o olha-se sem entender nada e Gaara pode reparar que a garota estava chorando, o que fez ele se sentir um pouco culpado pelo que dissera minutos atrás, apesar da raiva que sentira ao vê-la tentando arrombar sua gaveta, sabia que escravas de luxo tinham uma vida um pouco mais difícil. Balançou levemente a cabeça para tirar aquele pensamento de empatia, elas eram escravas de luxo e valiam dinheiro, não deveria ter pena ou coisa do tipo.

- Você não quer que eu te ajude com o vestido, então vire-se.

Ino o olhou desconfiado por alguns segundos, segundos que pareciam minutos para Gaara que começava a se arrepender de ter aceitado ajuda-la, a loira notando isso, se virou de costa para ele, e tirando seus cabelos da frente onde ficava o laço do vestido. Inicialmente Gaara teve certa dificuldade para desfazer o laço, até que se irritou, não se importando o que ela acharia, ele tirou um pequeno canivete do cinto e assim cortando o laço.

- Você cortou meu vestido??

- Não, agora se vista.

Dizendo isso o ruivo fechou a porta do banheiro, pois a ficar encostado novamente ao lado da porta enquanto a loira, que começava a se despir com certa rapidez, olhou em volta do banheiro a procura da agua que ele havia mencionado, a encontrando em um balde azul grande que ficava no meio do banheiro.

Aproximou-se dele abrindo e vendo agua ali parada, abriu um sorriso e logo tratou de começar a se lavar, pegando agua o pote que tinha ali dentro começou a jogar sobre si, não se importou com agua gelada, na verdade aquilo era refrescante e um alivio ao mesmo tempo. Vendo que já estava limpa o suficiente, pegou a toalha que estava pendurada ao lado e começou a se enxugar.

Já seca Ino pegou a muda de roupa e começou a vesti-la, assim que a vestiu, notou que a roupa ficara completamente grande em si. Pensando um pouco, logo ela teve uma ideia, foi até o vestido, e tirou dele o laço que Gaara havia cortado. Passou agora a fita sobre a cintura prendendo a calça para que não caísse, dobrou a borda até o cotovelo.

Agora vendo que estava tudo certo, e que nada fosse cair ou revelar alguma parte do seu corpo, Ino arrumou seu cabelo e assim se pois a sair do banheiro. Abriu a porta e novamente deu de cara com um Gaara nada de bom humor e pelo que ela notou parecia que ele iria bater na porta, já que estava com a mão levanta e fechada.

- Achei que você tivesse morrido ai dentro.

- Não, eu não morri. Agora podemos ir.

Gaara se virou e então deixou que um pequeno escapasse de seus lábios, estava satisfeito que suas roupas têm caído muito bem na loira, mas do que ele esperava. Assim Gaara e Ino se puseram andar até a cozinha.

Enquanto isso na cozinha, as coisas estavam totalmente diferente, na verdade o lugar tinha outro expecto, tudo estava limpo e em seu devido lugar. E um cheiro agradável começava a sair dali, um cheiro que todos naquele navio sentiam falta e mal esperavam chegar a hora do almoço, já que a noticia havia sido espalhado pelo navio inteiro, apesar de muitos serem contra de ter mulheres ali, estavam muitos agradecidos que finalmente iriam comer algo de verdade e não comida, se é que poderia se dizer isso, do Naruto.

A conversa era bem animada no local, apenas havia três mulheres cozinhando, que era Noelle, Temari e Tenten, já que Sakura saíra para dar uma volta com Ryuu, apesar do mesmo querer ajudar e seu irmão Sasuke não deixou até o fim. Hinata cuidava de Naruto que estava sentado em um canto da cozinha a mando das três mulheres.

- Desculpa mestre Naruto por Sakura, ela não é de agir assim, espero que possa perdoa-la e não fazer nada contra isso.

Dizia a morena de olhos perolados enquanto pressionava levemente um pano molhado com agua gelada sobre o pequeno galo que surgira por causa do incidente. Naruto segurou a mão dela levemente, forçando ela olhar diretamente em seus olhos e Hinata pode notar que o rapaz a sua frente estava sério.

-Hinata, não quero que me chame de mestre, pois não sou seu mestre, acredito que eu seja seu amigo, isso, somos amigos, então apenas pare. E quanto ao incidente com a Sakura não farei nada, não sei o que vocês aprenderam, mas acreditem, não faremos nada contra vocês. Apesar de sermos piratas, jamais deixaríamos alguém levantar a mão contra alguma mulher ou contra vocês. Você entendeu?

Hinata ficou chocada com as palavras do loiro a sua frente, porém não deixou de notar a forma como ele segurava sua mão, e isso começava a deixar envergonhada, apesar de ser uma escrava de luxo, ela não estava acostumada com toques, principalmente de homens.

- Sim, eu entendi mes...Naruto.

Ao dizer isso a morena sorriu docemente para o rapaz a sua frente, que ao ver isso não deixou de ficar envergonhado e imediatamente soltou a mão dela que ainda segurava e desviou o olhar, desde primeira vez que a viu, ficara encantado com sua beleza e mais o que mais deixou preocupado foi o fato que algo dentro de si queria protege-la, tê-la pra si, pois ela demonstrava ser tão frágil que qualquer coisa pudesse machuca-la. Hinata continuou a tratar do galo com todo cuidado.

-Bem, até que foi uma boa ideia deixar a Hina cuidar dele né.

Tenten sussurrou para outras duas garotas que concordaram com a cabeça enquanto viam a cena que acontecia a sua frente, já que elas estavam usando a mesa para fatiar alguns legumes e carnes que conseguiram salvar na limpeza.

-Eu só espero que ela não se apaixone por ele.

Sussurrou de volta Temari que soltava um pequeno suspiro preocupado, apesar de querer que sua amiga fosse feliz, sabiam que teriam isso, amor, se casar e terem filhos com seus amados, pois todas elas foram criadas como escravas de luxo, todas foram tiradas de suas famílias de jeito bruto ou porque sua família achava que seriam melhor entregar para uma pessoa que fazia escravos de luxo ou entregar para ser um escravo pobre, mau acabado e sem futuro.

-Não, eu vou conseguir tirar a gente, vou conseguir recuperar as nossas chaves, todas nós, vocês entenderam, todas nós temos direito de ser livre e termos nossa vida como quiser.

Disse Noelle picando com certa força um cenoura que acabava fazendo um pedaço voar, assustando Hinata e Naruto que não prestava atenção na conversa das três mulheres, pois estavam mais entretidos em seus pensamentos. Tenten e Temari, cada uma pouso sua mão em cada mão de Noelle, acalmando a morena, que respirava fundo e tão logo soltava lentamente.

-Isso mesmo, calma.

Dizia Tenten enquanto acalmava a sua amiga, nesse instante aparecia na porta da cozinha, Gaara juntamente com Ino, que corria para abraçar suas amigas, que ficavam felizes em vê-la ali, bem e...limpa.

- Como assim Ino que você está limpa?

Noelle se afastava de Ino e olhava melhor para a sua amiga, que além de limpa estava com roupas novas, à morena, porém a mesma reparou no vermelho em seu pescoço.

- Ino, que aconteceu com seu pescoço?

- Nada, Noelle, não precisa se preocupar com isso, apenas esqueça. Mas então vejo que conseguiram limpar tudo aqui, mas me digam... não tem mais rato aqui né?

Todas riram da pergunta ingênua da loira, que ficou emburrada de inicio mais não deixou de rir juntos com elas. Enquanto isso Naruto se juntou a Gaara que ainda estava na porta.

- Vamos Naruto, esta na hora da reunião.

-Ah, é mesmo tinha me esquecido. Bem, meninas, agora eu terei que ir e deixar vocês sozinhas, espero que eu tenha sido de grande ajuda.

-Claro... Mestre Naruto, você foi de grande ajuda. - Respondeu Temari se curvando diante deles. – E também, muito obrigada, mestre Gaara por ter cuidado de Ino.

Naruto iria abrir a boca para protestar sobre o que Temari havia chamado e feito, pois ele já havia pedido para não se curvaram ou chama-lo de mestre, porém Gaara o puxou para fora da cozinha e tratou de caminhar para longe daquela cozinha. Alguma coisa naquela Temari lhe chamava atenção, era se como se a conhece-se de algum lugar, mas não pensaria naquilo agora, pois tinham uma reunião e estavam prestes a chegar atrasado.


Notas Finais


Bem, ai está um capitulo novinho pra vocês.
O motivo que me fez parar de escreve-la foi porque eu estava com esse capitulo prontinho, quase completo, porém meu pc deu pau e acabei perdendo tudo que eu tinha feito dele e mais os problemas pessoas que tive, acabei abandonando todas as fics, porém agora to com a ideia de finalizar todas elas, pra começar novas, mas pra isso vou finalizar uma a uma, e essa foi a escolhida, então enquanto eu não finalizar ela, não farei mais nenhuma. kkkk
E o capitulo 4 ja to escrevendo também.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...