História Bad Things - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin Mahone, Becky G, Fifth Harmony
Personagens Austin Mahone, Becky G, Camila Cabello
Tags Amante, Ausmila, Camaustin, Rebecca, Traição, Zach Dorsey
Exibições 37
Palavras 2.320
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capítulo babys!! Boa leitura!!

Capítulo 2 - Meses depois...


Camila P. O. V.

Meses se passaram desde que estou tendo um caso com Austin, claro, minha vida melhorou muito, mas não só isso. A cada dia me apaixono mais ainda por ele, me sinto só quando ele vai embora de nosso apartamento.

Hoje vou preparar um jantar especial para ele, estamos completando 10 meses juntos. Infelizmente ele não poderá dormir comigo, ficará no máximo umas 3 horas comigo.

Irei sair cedo do seu escritório, falta menos de uma hora para mim ir para casa. Terminei de imprimir alguns relatórios que o Austin me pediu, voltava para sua sala sorridente. Ao abrir a porta, dou de cara com a esposa de Austin, Rebecca, eles estavam se beijando.

Como amante e secretária, não posso fazer nada, tive que criar uma "amizade" com ela. Mas a minha vontade é de empurrar ela de cima dele e dizer que Austin é meu.

Refiz meu caminho até a porta, dei duas batidas leves na porta.

Eu- Licença senhores! - eles me olharam assim que terminaram o beijo.

Austin- Pode entrar, Camila! - me aproximei da mesa.

Eu- Aqui está os relatórios que o senhor me pediu! - os pus sob a mesa.

Austin- Pode se retirar se era só isso, Camila! - assenti e sai de sua sala.

Austin é totalmente diferente comigo quando está com sua esposa, eu o amo, mas não quero ser apenas a outra em sua vida.

Peguei minhas coisas e fui embora, Austin me deu um carro, mas obviamente só aceitei se pagasse por ele, eu que pago o que consumo dentro do apartamento.

Austin quer pagar tudo, mas para mim, não é bem assim, é claro que como uma jovem, tudo o quê quero é gastar e comprar tudo que vejo. Mas sinceramente, não me agrada nada em ser sustentada por ele.

Nossa diferença de idade não é muita, Austin têm 30 anos, são 7 anos de diferença. Mas quando estamos juntos não tem diferença.

Preparei rapidamente o jantar, enquanto organizava tudo, Austin me mandou uma mensagem dizendo que sua esposa iria para o shopping e ele aproveitaria para me ver.

Deixei a porta destrancada, tapei as panelas para não esfriar a comida, fui para o quarto, peguei um óleo que Austin gosta que eu use e fui tomar banho.

Preferi não usar a banheira, minutos depois em baixo do chuveiro, saio, enrolada em uma toalha vou para o quarto. Austin já me esperava ali, sorri para ele, sentei em suas pernas e nos beijamos.

Austin- Está cheirosa! - senti ele tirar a toalha de meu corpo.

Eu- Amor, não agora, eu fiz o jantar... - fiz bico, vendo-o me olhar quase me agarrando.

Austin- Fez? - assenti. - Pensei que o jantar seria você! - beijou meu pescoço, sorri.

Eu- Não...

Austin- Eu queria muito jantar com você, mas... - interrompi ele.

Eu- "Mas tenho que jantar com a Rebecca!", eu já sei! Prometo não fazer mais jantares!

Austin- Não quero que se sinta triste, outro dia janto com você!

Eu- Hoje faz 10 meses que estamos juntos, pensei em fazer algo especial.

Austin- Estar com você já é especial! - me beijou.

(...)

Fazia carinho no Austin, beijava seu peito pouco cabeludo, ele parecia querer conversar, mas nós dois estamos tentando recuperar nossos fôlegos rapidamente e como ele diz, eu não sou a pessoa que ele quer conversar.

Austin- Vou ter menos tempo para você! - levantei minha cabeça imediatamente, olhei para ele surpresa.

Eu- Por que? Não gosta mais de mim?

Austin- Não seja boba, é claro que gosto! - suspirei aliviada, voltei a deitar minha cabeça em seu peito.

Eu- Por quê então?

Austin- Eu não deveria lhe contar, afinal apenas temos esse relacionamento, mas gosto de você! - engoli em seco. - Rebecca está grávida!

Grávida?

Mas então quer dizer que eles ainda se relacionam?

O que eu poderia esperar? Eu sou a amante dele, ela é a oficial, eles fazem tanto quanto eu e ele.

Eu- Ah, Rebecca está grávida... - tentei não mostrar minha decepção à ele, Austin não gosta que eu me meta em seus assuntos.

Austin- Ela está me enchendo com tudo isso, ficou maluca!

Eu- Coisas de grávidas... - sorri, novamente tentando disfarçar os meus sentimentos.

Austin- Eu não queria ter um filho agora, Rebecca não sabe nem cuidar de suas bolsas, vai saber cuidar de uma criança... - negou com a cabeça.

Eu- Quer mais whisky?

Austin- Sim! - levantei, mesmo sem vontade.

Peguei o whisky para Austin na sala e voltei ao quarto, entreguei a ele que já estava sentado na cama. Não me importei de estar nua na sua frente, isso ficou tão comum entre nós.

Ele tomava seu whisky, enquanto eu permaneci deitada do seu lado.

Eu- Ela já sabe o sexo?

Austin- Não, está no começo, mas compra tudo o quê vê! - largou o copo no criado mudo ao lado da cama. - Isso me fez lembrar de uma coisa, eu gostei da surpresa ontem de tarde! - sorriu para mim.

Ontem de tarde, esperei ele voltar do almoço, transamos a tarde toda em sua sala. Foi divertido, mas não voltarei a fazer.

Nos beijamos.

Austin- Tenho que ir! - novamente me beijou, se levantou para se vestir.

Vi ele colocar sua roupa novamente, deu vontade de pedir para ele ficar comigo essa noite, mas seria como ganhar no prêmio maior da loteria.

Austin nunca ficaria assim, tem que inventar algo a sua esposa, ela persegue ele se for preciso, ela deve ter um parafuso a menos.

Nos despedimos com beijos, Austin falou que era para mim lembrar dele a noite toda, sonhar com ele na minha cama. Nem precisa pedir, meu amor, isso acontece todos os dias sem esforço nenhum.

Eu- Te amo!

Austin- Eu também! - sorri, nos beijamos de novo antes dele ir.

Mas uma coisa ficou na minha cabeça: Preciso ficar grávida também! Será que isso faria o Austin me querer como ele quer sua esposa?

Não!

Isso não é opção!

Austin pode me largar, e não é essa a minha intenção. Não, eu tenho que ser a mulher que o Austin vai ficar enquanto sua esposa não querer ele.

Fui para a cozinha comer algo, Austin deixou seu paletó aqui, não me importei, amanhã ele pega.

No outro dia...

Perto das nove da noite, ouço a campainha tocar, corri para atender, só pode ser Austin a essa hora. Não tenho muitos conhecidos ou amigos nessa cidade, apenas Austin, então sempre estou sozinha.

Minha felicidade diminuiu 60% quando vi Zach na minha frente em vez de ser Austin. Sorri por educação.

Eu- Oi, Zach!

Zach- Olá, Mila!

Eu- Entre! - assim ele fez, entrou e nos sentamos no sofá. - Que surpresa, o quê faz aqui?

Zach- Percebi você meio triste hoje, fiquei preocupado, apenas isso.

Eu- Oh, não foi nada. - falei num tom baixo.

Zach- Me conta... - me incentivou.

Eu- Bem... Eu só não tenho muitos amigos, isso me deixa um pouco triste.

Não falei que o motivo verdadeiro era o Austin, mas não deixei de falar a verdade.

Zach- Ah sim, entendo... Bem, se me deixar, posso ser seu amigo! - olhei para ele no mesmo instante.

Eu- Verdade?

Zach- Claro! E tem mais, sempre conversamos, isso não seria esforço nenhum. - sorri e abracei ele rapidamente.

Eu- Desculpa... - soltei-o.

Zach- Por mim, sem problemas, mas sabe, seu pijama é um tanto provocativo. - sorriu e piscou para mim.

Eu- Zach... - ele me interrompeu.

Zach- Não estou dando em cima de você, juro! - levantou as mãos em rendimento.

Eu- Ok... Sabe, sempre achei que poderia confiar em você, Zach! - sorrimos um para o outro.

Zach- Gosto de ter amizades femininas.

Eu- Você é gay? - ele se fez de ofendido e riu, comecei a rir também.

Zach- Claro que não! Da onde tirou isso? - continuamos a rir.

Eu- Não sei, apenas perguntei.

Zach- Gosto por que assim consigo entender melhor as minhas namoradas. - assenti.

Eu- Namora?

Zach- No momento não, sofri uma desilusão amorosa, tento fugir dessas coisas.

Eu- Sinto muito... - pus a mão em seu ombro.

Zach- Tudo bem! - sorriu. - E você?

Eu- Eu? Eu o quê? - ele riu.

Zach- Namora?

Eu- N-não... - ele me olhou desconfiado.

Zach- Você gaguejou! - riu. - É mentira!

Eu- É complicado!

Zach- Ok, entendo! Quando poder contar, estarei aqui para ouvir seus desabafos!

Eu- Você é um doce! - beijei sua bochecha.

Zach- Modéstia a parte, eu sei que sou! Enfim, está tarde, já vou!

Eu- Esta bem, te acompanho até a porta.

Zach- Ok! - fomos até a porta, abri ela, nos parando no corredor. - Tchau Mila! - nos abraçamos.

Eu- Tchau Zach! - nos separamos do abraço.

Dei um beijo em sua bochecha novamente e ele foi embora, entrei para dentro de casa, quando fui fechar a porta, uma mão tenta abri-la, me assustei e abri-a novamente.

Coisa que não precisou muito, por quê Austin a empurrou fortemente, parecia com raiva, jogou o buquê de flores no chão e fechou as pressas a porta atrás de si.

Austin- O quê foi aquilo? - praticamente gritou.

Eu- Aquilo o quê, amor? - tentei fazê-lo esquecer.

Austin- O quê o Zach fazia aqui? - me aproximei dele.

Eu- Nada, amorzinho... - Austin interrompe minha fala, puxando fortemente os meus cabelos e trocando de lugar comigo, jogando-me contra a porta. - Hum... Doeu... - gemi de dor.

Austin- Me fala agora, Camila! Mas que porra o Zach queria com você?

Eu- Somos amigos apenas! - falei fazendo careta pela dor, Austin me apertou contra suas mãos.

Austin- Mulher minha não precisa de amigos homens! - novamente puxou meus cabelos, mas mais forte do que antes. - Ouviu Camila?! - assenti. - Me responde com palavras! - prensou-me novamente contra a porta.

Eu- Sim, ouvi!

Austin- Ouviu o quê?

Eu- Ouvi que não posso ter amigos, Austin! - ele me soltou, e foi pegar um whisky.

Austin- Mas será que não posso nem te deixar sozinha por algumas horas? - me olhou, tomando seu whisky.

Eu- Me desculpa? - ok, voltei a ser trouxa por ele.

Austin- Está bem, mas não te quero de conversinha com ninguém, no máximo suas amigas!

Eu- Ta... - abaixei a cabeça e me sentei no sofá.

Austin- Não fica assim, querida! - odeio quando ele me chama de querida, é tão falso. - O quê quer para ficar feliz? - se aproximou de mim. - Alguma jóia? Bolsas? Carro novo? - olhei para ele.

Eu- Não quero que me compre!

Austin- Que seja, sorri agora! - mandou, esbocei um sorriso falso. - Assim está melhor! - riu, tomando seu whisky.

Eu- Se veio para brigar comigo, pode ir embora!

Austin- Está mandando em mim? - me puxou pelo ombro para mim olhá-lo.

Eu- Só falei por falar...

Austin- Camila, senta aqui! - me soltou, se sentou no sofá e bateu duas vezes sua mão na perna, obedeci ele. - Boa garota! Você sabe as regras da nossa relação, faço isso pelo seu bem! - beijou meu pescoço diversas vezes. - Entende que é para o seu próprio bem?

Eu- Aham... - fechei meus olhos, sentindo suas mãos tocarem meu corpo.

Austin- Me ama? - continuou a beijar meu pescoço e morder o mesmo.

Eu- Sim, amo muito!

Austin- Que bom que usa os baby doll's que te dou. Fica lindo em você! - falou sorrindo, desceu sua mão por dentro do short do meu baby doll. - Sua pele delicada, cheirosa... - beijou meu pescoço. - Você me deixa fascinado, Camila! - sorri.

Austin fez eu afastar as pernas, sussurrou um "hum..." quando tocou meu clitóris sem estar coberto por minha calcinha. Inclusive, estou excitada, tanto que gemi baixo ao sentir seus dedos estimularem meu clitóris.

Com a outra mão, Austin me recostou em seu corpo e levantou a blusa do meu baby doll, e começou a lamber o bico do meu seio direito. Novamente fechei os olhos, Austin parou de lamber o meu seio e ficou acariciando-o com sua mão esquerda, enquanto me masturbava com a outra mão.

Minha respiração acelerou, comecei a ficar ofegante e a gemer não tão baixo como antes. Austin começou a falar obscenidades no meu ouvido, coisas totalmente excitantes. Abri mais as minhas pernas por impulso, me contorcendo conforme sentia meu orgasmo se aproximar.

Ouvir suas últimas palavras me fez gozar, gemendo um tanto alto, desci de seu colo, ficando de joelhos no chão. Abri sua calça e tirei seu membro de dentro de sua cueca, lambusei ele todo e o pus na boca, já estava totalmente ereto.

Comecei fazendo "vai e vem" com a boca rapidamente, mas depois diminui a velocidade. Fazendo tudo ser intenso, tirava e o colocava na boca. Passava as unhas nas suas coxas cobertas por sua calça social. Lambia desde suas bolas até a ponta de seu membro.

Austin segurou fortemente os meus cabelos, me forçando a pôr-lo totalmente ereto na minha boca. Obviamente fazia como ele queria, gosto de agradá-lo. Com isso, Austin novamente puxou meus cabelos fazendo-me sentar nas minhas próprias pernas, ele estava pronto para gozar. Jorrou no meu rosto e dentro da minha boca.

Lambi meus lábios, Austin passou os dedos aonde tinha seu gozo no meu rosto, limpando-o até chegar na minha boca. Delicioso. Limpei seu membro com minha língua. Levantei, tirei meu baby doll todo e sentei no colo de Austin, o pus dentro de mim, já rebolando para provocá-lo ao máximo.

Beijei seus lábios, sentindo Austin apertar meus seios. Mas como gosto de um pouco de calma, ia devagar, para apreciar os movimentos que fazemos. Austin deu um jeito de pôr um dos meus seios em sua boca, chupando-o e mordendo à vontade.

Conforme subia e descia em seu membro, sentia novamente meu gozo vir, Austin apertava e batia fortemente a minha bunda. Não conseguíamos controlar nossos gemidos, as vezes penso que é só comigo que Austin se sente completamente satisfeito, mas se fosse assim, Rebecca não estaria grávida dele.

Gozei e logo sai de cima dele, Austin me olhou estranhando meu ato. Me sentei do seu lado.

Austin- O quê foi?

Eu- Não consigo! - não pensando na Rebecca.

Austin- O quê você não consegue?

Eu- Pensar direito!

Austin- Não precisa pensar, é só agir!

Eu- Não estou mais afim de transar!

Austin- Ok, espero que da próxima vez, não se incomode se eu te largar dizendo que preciso pensar.

Austin se levantou, arrumou sua roupa e saiu do apartamento sem nem se despedir. Levantei, peguei o buquê de flores que Austin trouxe para mim e atirou no chão. Tinha um bilhete, dizia apenas: "Te adoro!".

Claro, ele apenas me adora!


Notas Finais


Comente se gostou, beijos 😇😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...