História Bagunça - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Kai, Kris Wu
Tags Exo, Kriskai
Exibições 99
Palavras 4.289
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Policial, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


EYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY
EU SEI QUE KRISKAI É UM DAQUELES COUPLES FLOOPS, QUE O KRIS SAIU ( ;3;) QUE TINHA POUCA INTERAÇÃO, MAS EU AMO FORTE.
fkhndsnfcks
eu sei que deveria atualiza a outra fic, mas to aqui com essa os que surgiu do nada, espero que gostem kdsjnjkds <3
eu não revisei porque acabei de escrever então desculpem possíveis erros e também é meu primeiro lemon detalhado assim então peguem leve comigo
espero que gostem~

Capítulo 1 - Capítulo Único: Estou adorando bagunçar você


Fanfic / Fanfiction Bagunça - Capítulo 1 - Capítulo Único: Estou adorando bagunçar você

Uma sala, de paredes brancas, com exceção de uma delas a qual grande parte era ocupada por uma janela grande e coberta por uma proteção que a deixava preta para quem olhava de dentro da sala, mas clara para quem olhava através dela de fora. Havia, no centro desta sala, apenas uma mesa, sem qualquer tipo de requinte, e duas cadeiras. Em uma delas, o rapaz moreno encontrava-se sentado com a melhor postura possível. As pernas cruzadas, o cabelo cuidadosamente penteado em um topete, o lábio inferior preso entre os dentes e um suspiro saindo deste, os dedos levemente trêmulos devido a irritação foram levados até os óculos de armação grossa e os mesmos ajeitados de forma rude.

Do lado oposto, outro rapaz se encontrava, este, porém, sequer preocupava-se com a postura, com o palavreado ou com a forma irritante com que seu cabelo loiro estava ajeitadamente bagunçado.O platinado, sustentava um irritante sorriso de lado.

Estava adorando bagunçar o mais novo.

Kim Jongin era consideravelmente novo, tanto quando o assunto era idade, bem como quanto ao tempo de serviço aquela delegacia. causava até mesmo espanto aos que chegavam no local e o encontravam na cadeira de investigador do lugar e parabenizavam-no por ter conseguido tudo aquilo ainda tão novo e Jongin, bom, ele agradecia pela grande bagagem de series policiais que tinha assistido quando mais novo e também pelo ótimo treinamento que teve enquanto ainda estudava nos Estados Unidos, agradecia ainda mais por ter conseguido entrar na academia de força e inteligência Norte Americana sem qualquer tipo de interferência, mas com certa dificuldade, admite-se. Apesar de ter habilidades suficientes para resolver casos hediondos com os quais tal organização tratava, o coreano decidiu que antes de dedicar sua vida a isto, iria tentar algo nas ruas, o que explica sua atual posição. Sentado, a frente do rapaz chinês a algumas horas naquele dia.

O outro rapaz em questão, Wu Yifan, filho de um dos grandes magnatas que governavam aquela cidade, porém sua fama não vinha nem da lavagem de dinheiro que era feita nas empresas do pai ou pela colaboração ilícita a partidos políticos, ah não, Wu Yifan era capaz de fazer sua má fama por si só. O chinês estava metido com crimes de diversos tipos, desde a pequenos furtos, até envolvimento com crimes realmente pesados. A julgar por sua idade, não era pouca coisa. No entanto, para Jongin, não eram esses seus piores pontos e sim a frieza com que o mais alto era capaz de lidar com as coisas, o sorriso provocativo que não saia de seus lábios por nada e principalmente a pose de filhinho mimado de papai que sabe que este ira tira-lo do lugar sem pestanejar.

Yifan conseguia tirar qualquer um de seu mais puro estado de calmaria apenas com aquela pose.

Ambos estavam enfurnados naquela salinha por horas, Jongin já não conseguia mais olhar aquele rosto que ostentava um olhar debochado diante da bagunça que o moreno estava deixando tornar-se. O coreano soltou o ar de seus pulmões mais uma vez, levou as mãos as têmporas e as massageou, sua enxaqueca estava começando a dar as caras e ele não tinha nem previsão de sair dali.  

- Certo, vamos começar de novo, ok? – Jongin deixou a prancheta em sua mão cair sobre a mesa e fazer um barulho o qual fê-lo xingar-se quando o estalo fez sua cabeça latejar.

- Como quiser, gracinha...- Yifan riu de escarnio ao ver o investigador revirar os olhos e levantar-se.

- Sabe que não está em condições de fazer brincadeirinhas assim, não?! – o olhar dirigido ao maior entre os dois foi gélido, Jongin o torturaria lentamente se isso o fizesse parar de dirigir-se ao coreano com apelidinhos escrotos.

- Bom, se não estou em condições de brincar assim... garanto que posso mostrar a você uma brincadeira muito mais prazerosa. – o tom malicioso na voz rouca do chinês estava deixando o moreno mais que possesso.

Com efeito, Jongin grunhiu irritadiço e saiu da sala batendo com força a porta, não antes de ouvir o mais velho entre eles rir gozando da situação. Mais uma vez, ele suspirou irritado, encheu a caneca de café quente e amargo e o tomou em goles pequenos saboreando aquele gosto conhecido mas sempre singular. Jongin gostava de apreciar aquilo que lhe era calmo, de certa forma monótono, mesmo que sua vida como investigado fosse bastante agitada.

- Vocês deveriam ir para casa... –murmurou mal humorado, sabia que Junmyeon e Jongdae ainda estavam ali.

- Não vamos deixa-lo aqui com ele, Jongin. Desista. – Junmyeon aproximou-se massageando lentamente o ombro do colega.

- Vão sim...- disse convicto o moreno, bebericando o liquido em sua xicara – Vocês dois vão sair e me deixar conversar com aquele ser sozinho, quem sabe assim eu não consiga o fazer falar de uma vez e assim possa ir pra casa também.

-Mas...

- Sem “mas”, vamos, quero os dois fora daqui antes mesmo que eu termine de beber o café, estamos conversados? – simplesmente não havia como dizer não, Jongin conseguia ser teimoso quando queria e, de certa forma, era incomodo  estra interrogando alguém e sendo observado por seus colegas.

Apesar de não ser isso o pior, e sim que estando acompanhado, Jongin era obrigado a usar os métodos convencionais e que pouco surtiam efeitos em criminosos como Yifan.

Dito e feito, antes de terminar a xicara de café, os colegas do morenos já estavam de saída. Sozinho naquela antessala, o coreano suspirou e retomou sua calma, esfregou o rosto, afrouxou a gravata e abriu alguns botões da camisa e novamente entrou na sala.

- Ah! Até que enfim, já estava me sentindo sozinho aqui. – a voz rouca fez-se presente e o investigador sabia que o homem sorria.

- Não é como se eu não estivesse na outra sala, mas enfim, estamos mesmo sozinhos. – Jongin puxou ruidosamente a cadeira sentando-se  mais uma vez, cruzando as pernas.

- Você tem coxas tão bonitas... é um pecado vê-las sendo apertadas apenas por suas calças...- o chinês sorriu de canto mais uma vez e o investigador remexeu-se na cadeira desconfortado.

- Onde conseguiu as peças de carro que vendia? –mudou de assunto após reconcertar-se.

- Gosto do jeito que tenta se recompor e ainda manter essa pose de fodão do CSI.- o chinês riu ajeitando o corpo na cadeira – Que tal trocarmos os papéis? Me deixe adivinhar coisas sobre você, investigador Kim...

E Jongin resolveu entrar no jogo.

- E o que eu ganharia com isso? –relutou.

- Eu deixo você escolher, agora me deixe mostrar que também posso brincar de CSI.- mais uma coisa que Jongin odiou naquele homem, tudo era “brincar”. Revirou os olhos outra vez e apenas se recostou na cadeira dando permissão ao maior – Isso vai ser divertido... posso começar? – Jongin assentiu e o maior levantou-se  sentando-se na mesa a frente do moreno – Hm, vejamos... Você é mais novo que eu e apesar de toda essa juventude você parece gostar de monotonia, só de julgar por suas roupas variando nos tons de preto e branco, é contraditório ‘pra um investigado, mas eu gosto disso, voltando, a julgar pela marca no teu anelar, você saiu de um relacionamento serio a pouco tempo e pelo modo como seu maxilar se tencionou estou certo que isso ainda lhe incomoda, trabalho demais? Sim, foi isso... Porra Jongin, que vida chata!

- Minha vida não é chata! –rebateu o menor, infantil de certa forma – Eu apenas prefiro a comodidade do meu emprego fixo, de chegar em casa e beber uma cerveja e depois...- aquela voz rouca não lhe deixou terminar.

- Ir pra cama e se forçar a dormir porque não quer pensar na pessoa que o deixou mas também não quer pensar em coisas como... sexo? – Yifan sorriu e levantou, caminhou até estar atrás da cadeira do menor massageando os ombros tesos deste.

- Eu apenas prefiro a minha calmaria a ser irresponsável como você!

- Você é certinho demais... – droga, a massagem feita em seus ombros era tão boa..

- Sou responsável, diferente de você. – murmurou mole, no inicio, mas logo recobrou sua postura sentindo, infelizmente, as bochechas queimarem e uma respiração quente em seu pescoço fazendo-o arrepiar-se.

- Então isso quer dizer que estou certo? Bom, eu posso falar mais se quis...

- Não precisa! – o investigador cortou o mais alto atrás de si rápido demais.

- Não negou... Bom, se estou certo mereço um prêmio, não acha moreno?- Jongin estremeceu, aquela brincadeira estava indo longe demais, fugindo do controle do menor.

- Meu silêncio quanto a este assunto não significa nada, agora, me poupe, até parece uma criança querendo ser recompensada por algo, volte a se sentar e vamos terminar com isso logo! – Jongin arrastou a cadeira deixando o corpo longe das mãos do maior, elas, os movimentos que as mesmas faziam em seu corpo, estavam deixando-o mole demais e o menor sequer entendia como isso acontecia tão rápido.

Talvez, pudesse culpar a falta de sexo durante tanto tempo, mas ainda sim estava sendo muito rápido, seu corpo nunca reagia tão rápido a pequenos estímulos como apenas uma massagem nos ombros.

- Apressadinho, já que quer ir logo ao ponto...- um sorriso ladino – e desta vez, não irritante, mas com um certo quê sexual que deixou Jongin meio inquieto- Yifan voltou a ficar na frente do menor e se abaixou apoiando as mãos nos braços da cadeira encurralando o moreno. O espaço entre ambos se resumia a alguns centímetros, o moreno estava assustado e aos olhos do mais alto, estava adorável. – Eu quero foder você. Quero isso desde que entrou por aquela porta com toda essa pose de certinho, essa boca que me pareceu ser tão gostosa...posso provar? – o moreno estava paralisado, sem conseguir assimilar a ousadia que o maior teve ao deslizar a ponta da língua sobre os lábios carnudos do moreno encolhido na cadeira – É macia, eu adoraria bagunçar você da melhor forma possível porque caralho! Você é tão gostoso.

O maior deslizou outra vez a língua, desta vez, pelo maxilar do maior de forma lenta e Jongin estremeceu, as mãos grandes desceram até estarem pousadas nas coxas fartas do morenos e, sem hesitar, apertaram o loca. O moreno, por sua vez, se manteve sem reação, não porque queria, mas sim porque sua mente estava em completo caos, tal que não o deixava nem afastar o homem de perto de si.

Como um bom pragmático que era, Jongin era, de certa forma, fechado a coisas que fugiam de seu controle. Elas o irritavam, principalmente quando era obrigado a sair de sua rotina em consequência disso. Normalmente, sua resposta vinha automática e explosiva, não dando espaço para qualquer outro tipo de brincadeira, no entanto, tal barreira fora ultrapassada pelo chinês como se não fosse nada, como se sugasse do coreano qualquer tipo de energia que pudesse ser canalizada para suas reações explosivas e o aprisionasse no olhar intenso e malicioso o qual o chinês direcionava a si. Era diferente, o Kim apenas sentia vontade de deixar que o maior lhe guiasse para qualquer que fosse o rumo daquela situação, sequer se lembrando da investigação ou qualquer que fosse o código de ética profissional que deveria ser seguido afim de que profissional e investigado não tivessem relação.

Mas como poderia pensar em algo do tipo enquanto Yifan massageava lentamente suas coxas e o pescoço era acariciado pelos lábios do mesmo?

Foi nesse exato momento em que Jongin resolveu finalmente “tacar o foda-se”, piscou rapidamente, recobrando sua consciência, sorriu de canto, malicioso, como a muito tempo não sorria e apenas pendeu a cabeça para o lado deixando que o maior pudesse brincar ali com maior liberdade.

- Mas olha só, resolveu se reder, senhor investigador? – o maior rio e voltou a olhar o mais novo e mordeu de leve o lábio inferior suspirando ao ver o moreno tirar os óculos e passar os dedos pelos cabelos bem arrumados.

Sem qualquer palavra precisar ser dita, Jongin puxou o maior pela jaqueta jeans e colou os lábios aos dele.

Era fato que, durante o interrogatório, o moreno não pode deixar de olhar alguns detalhes particulares do maior. A altura elevada para um asiático, os ombros largos, os lábios fartos e bem desenhados... porém, claro que não admitiria, mas com toda certeza se imaginou tocando aquela boca e agora que finalmente o fez, não pode deixar de notar certas coisas, como, por exemplo, a maciez dos lábios, o gosto forte com um fundo de nicotina e alguma bebida alcoólica consumida antes de ser pego, também não passou despercebido a forma como o maior parecia querer dominar e se sobressair durante o beijo. As mordidas, a forma como Yifan invadiu os lábios do moreno se impondo ali sem qualquer permissão mostrava que não era apenas a áurea dominadora que o maior tinha.

Nem de longe aquele era um beijo calmo, com algum sentimento além de luxuria envolvido, era rápido, necessitado, com estalos altos de saliva, puxões de cabelo vindo de ambas as partes como se quisessem que a proximidade nula de ambos se tornasse mais nula ainda se possível.

Yifan tirava o máximo de proveito daquele beijo, afinal, foram cerca de cinco horas até que finalmente o moreno cedesse e, porra, como os lábios dele eram bons, o gosto doce misturado ao amargo do café era intoxicante, o fazia querer mais, mas respirar ainda era preciso.

Ao separarem-se, o moreno nem mesmo deu tempo para que o maior pensasse, rapidamente trocou de lugar com o mais alto, o deixando sentado sobre a cadeira, sorriu mais uma vez deslizando a língua lentamente sobre os lábios formigando, recolhendo dali qualquer que fosse o resquício do beijo do mais velho, tendo o olhar deste sobre si a todo momento. Yifan estava adorando como aquele investigador conseguida ser adorável quando assustado, mas incrivelmente sensual quando se permitia.

Jongin passou as pernas grossas ladeando a cintura do maior se deixando sentar sobre o colo dele, permitindo-se até mesmo rebolar sobre o maior, este que jogou a cabeça para trás, sentindo seu membro pulsar dentro da calça preta e espalmou a mão sobre as nádegas do mais novo.

- Se eu achava você tentador antes, se me divertia te bagunçar, moreno, te acho irresistível assim. A vontade de te jogar sobre esta mesa e te foder até que não e lembre nem que estamos nessa sala só aumenta ao ter você rebolando assim em mim... Continue. – sussurrou o maior, rouco, apertando as nádegas do menor sobre si. O Kim afagou lentamente o rosto do maior e voltou a rebolar com precisão e levou a boca até a orelha do maior, sugou o lóbulo dele e suspirou.

- Me fode... –sussurrou manhoso, rouco – Você apenas fala, fala muito e faz pouco, estou começando a duvidar de você.

Nem mesmo o moreno sabia que tinha, escondido em algum canto, essa coragem de provocar, de ser provocador ou submisso, mas estava divertido, ainda mais quando pode ouvir o rosnar do mais alto e o mesmo puxando os cabelos escuros. Jongin gemeu e Yifan estremeceu. Sem mais hesitar, o chinês passou a distribuis mordidas e chupões pelo pescoço do investigados, se permitindo deixar algumas marcas quando o menor gemia manhoso como aprendeu a gostar, a mão livre revezava entre apertar a coxa presa na calça social e dar alguns tapas na bunda do menor o incitando a continuar rebolando até que apenas isso o deixou farto.

Não era mais suficiente apenas ter o menor gemendo pelas mordidas em seu pescoço muito mesmos apenas o ter rebolando em si. O chinês queria mais, muito mais e por isso mesmo levantou da cadeira e sentou o pequeno sobre a mesa e sem demora tirou botão por botão da camisa branca que ele vestia e a jogou em algum canto juntamente com a gravata que ele usava, as mão morenas, afobadas, retiraram a jaqueta e com pressa se livraram da camiseta de alguma banda que o maior vestia. Não tinham tempo para apreciação, o chinês precisava tocar a pele morena, convidativa ao toque. As mãos grandes se formaram na cintura delgada e a apertaram, marcando-a assim, Jongin gemeu outra vez, sem qualquer vergonha, e abriu as pernas acomodando o maior ali, deixando que o mesmo aproveitasse de seu corpo.

O loiro deslizou os lábios pelos ombros do coreano, mordendo alguns pontos enquanto a destra se ocupava em massagear a lateral do corpo pequeno, subindo lentamente pelo abdômen levemente definido até o peitoral, pressionou o mamilo amarronzado do corpo abaixo de si, torcendo-o entre os dedos, sendo acariciado pelos gemidos manhosos e pela respiração entrecortada do mais novo. A boca trilhou um caminho úmido até os mamilos do menor, mordendo e sugando ambos no intuito de os ver eriçados e duros por sua causa. Já Jongin estava cansado de apenas receber as caricias, suas mãos foram até o cós da calça alheia e sem demora desafivelaram o cinto e tiram o botão da casa e adentraram ali sem qualquer vergonha, começando a massagear o falo duro, mordeu o lábio inferior e deitou a cabeça no ombro do maior.

- Hm...está tão duro, deve estar doendo ficar preso aqui não? Acho que posso ajudar, se deixar, claro. –provocou sentindo o maior pulsar entre seus dedos e o ouviu grunhir para logo em seguida se afastar e chutar a calça e a boxer em qualquer canto.

Jongin salivou e desceu da mesa se ajoelhando a frente do maior sorrindo libidinoso arrastando a ponta da língua sobre a glande inchada do maior.

- Chupa.- nada mais foi dito, não precisava, a voz rouca imponente fez o próprio membro do moreno pulsar.

O Kim assentiu e levou ambas as mãos ao pênis alheio, segurando na base e sem demora se deixou sugar a glande por um tempo, testando cada nervo do maior que assistia a boca cheinha abrigar seu membro, no entanto estava tudo lento demais. Seu corpo estava em chamas e ele precisava de algo além daquela provocação, precisava de alivio, portanto segurou nos cabelos macios do rapaz ajoelhado diante de si e começou a estocar a boca alheia, até pensou em parar, mas ao ver que o rapaz gostava da forma bruta com que o tratava, apenas continuou.

Jongin sentia o membro do maior ir em sua garganta e voltar, sentia a saliva excedente escorrer de seus lábios e o canto de sua boca arder levemente, mas isso era o de menos, visto o tesão que sentia no momento. Sentiu os cabelos serem soltos e entendeu que o maior gostaria de o ver trabalhar um pouco, portanto, tirou o membro do maior da boca, deslizou a glande por seus lábios, deu leve batidinhas com a mesma em sua língua e bochecha para enfim dar atenção aos testículos tesos, sugando-os com a devida atenção merecida, sua mão bombeava o falo duro entre seus dedos e as pernas se tencionavam, consequentemente apertando o próprio falo, fazendo-o gemer enquanto chupava o maior que proferia varias vezes o quanto aquela boca era boa e como poderia gozar se continuasse o chupando daquele modo.

- Caralho! Levanta dai, eu não quero acabar com a brincadeira já.- ditou o maior puxando o menor, fazendo-o soltar o falo com um “poc” molhado.

Yifan arrancou, praticamente, a calça do mais novo, com sua ajuda, claro e voltou a senta-lo na mesa, Jongin sorriu ladino abrindo outra vez as pernas passando a massagear o próprio falo, gemendo manhoso, deixando amostra a entradinha rosada que piscava excitada, dois dos dedos foram a sua boca e esta formou um bico ao redor dos dedos os sugando, deixando-os molhados, quando achou suficiente, Jongin tirou-os dos lábios levando-os a própria entrada excitando a si mesmo ao rodea-la lentamente e depois inserir o primeiro digito.

- Hm, você poderia parar de ficar só me olhando e vir me foder como disse não? –provocou o moreno gemendo ao fim da frase quando inseriu o segundo dedo e passou a tesourar a si mesmo gemendo pelo maior que só então notou estar parado masturbando a si mesmo.

Aquele moreno estava o deixando louco sem nem mesmo ter sua permissão.

Yifan estava sendo bagunçado por aquele moreno.

Sem mas, Yifan afastou a mão do menor e substituiu os dedos dele por seu próprio falo. A entrada dele se comprimia, mas Yifan apenas queria saborear as pressões feitas em seu membro, enquanto Jongin apenas continuava a se masturbar usando a desculpa de esquecer a dor, mas não é como se ela não fosse, de certa forma, prazerosa. O chinês apoiou as mãos nas coxas do menos, aperto-as e assim que notou o moreno estar mais confortável passou a estoca-lo adorando ouvir os gemidos dele pedindo por mais, para ir mais fundo, enquanto ele próprio grunhia. Ah, era tão prazeroso sentir o menor se contraindo ao seu redor, arqueando as costas e gritando quando acertava certeiro sua próstata. Jongin rebolava contra o maior, pedindo para que ele fosse mais rápido.

- Quero ver você sentar no meu pau, moreno...- Yifan murmurou e pegou o menor no colo outra vez voltando a sentar-se e deixou que ele rebolasse sobre seu colo.

O corpo moreno subia e descia sobre o do maior, a pele suada reluzia sobre a luz da sala que agora mais parecia um forno, o cheiro de sexo estava presente e apenas se ouvia os gemidos de ambos. Yifan estava fascinado por como o corpo alheio se movia sobre o seu, como os membros dele se retesavam, a forma como ele se estimulava em busca de alivio, mas principalmente, pela expressão de prazer que tomava o rosto bonito do rapaz.

Não demorou muito até que o coreano alcançasse seu próprio limite e gozasse em seu próprio abdômen e no do maior, mais que isso, para que os espasmos o fizessem apertar o falo alheio e este gozasse dentro do mesmo gemendo rouco, deixando o moreno arrepiado, de pernas bambas e sem força.

O corpo do coreano caiu cansado sobre o maior, a respiração forte de ambos se misturando e Yifan fez questão de beijar uma ultima vez os lábios do mais novo.

- Eu fiz tudo isso mesmo. – afirmou o chinês.

- O quê? –Jongin o olhou confuso após estar recuperado e saiu do colo alheio indo atrás de suas roupas.

- O roubo de peças, a venda dela, as corridas ilícitas...essas coisas. – olhou Jongin arrumando-se após limpar-se com o lenço que sempre carregava com sigo.

- Precisou me enrolar por quase seis horas e ainda me foder para admitir?! –olhou incrédulo, quase com raiva.

- Eu tinha que me divertir de alguma forma, não é?

 

-xXx-

 

Algumas semanas se passaram e o julgamento de Wu Yifan foi marcado, este sequer voltou a olhar para a cara do investigador que resolveu, depois de algumas noites mal dormidas, que seria melhor assim, sexo casual e completamente não profissional, mas era melhor apenas esquecer.

O chinês teve seu julgamento no maior sigilo possível, não podia manchar a imagem do pai, então seria melhor que não se fizesse alarde, na sala, vestido de terno preto e camisa branca, sentado num dos cantos da sala, estava Jongin acompanhando cada dia daquele julgamento esperando para que logo saísse a decisão do juiz e pudesse sorrir ao ver o chinês que o olhava com deboche sair algemado.

Depois de dois dias de julgamento a decisão saiu.

Yifan cumpriria sua pena em liberdade, provavelmente seu pai mexeu alguns pauzinhos e fez com que o juiz decidisse a favor do infrator. Jongin quis socar a face bonita quando o mesmo saiu do tribunal com um sorriso vitorioso ao olhar para o mais novo enfurecido.

 

-xXx-

 

Como de praxe, Jongin chegava em casa completamente cansado e apenas querendo deitar em sua cama e apagar.

Haviam se passado alguns meses desde todo o trabalho que teve com o filho dos Wu e sim, ele ainda pensava naquele chinês com pose arrogante e nariz empinado, se amaldiçoava por isso, mas não era como se pudesse controlar isso o tempo todo.

Ocupava-se com trabalho, estudos e agora estava vendo para ir trabalhar em outra região, os casos daquele lugar estavam tornando-se fáceis e monótonos demais até para si, o garoto que trabalhava consigo, Oh Sehun, conseguiria dar conta de tudo sem qualquer problema, o treinara bem e ele era talentoso também.

Enfim, surgiu uma chance de fazer um programa para aperfeiçoar suas habilidades e trabalhar outra vez com forças americanas. Sem nem pestanejar, aceitou a proposta, marcou a viagem, seria dali a algumas horas e ele nem tinha arrumado suas malas, maldita mania de deixar estas coisas para a ultima hora.

Arrumou-se, pegou o necessário e as seis da manhã saia do apartamento em que vivia numa parte boa da cidade indo em direção ao aeroporto internacional de Hong Kong. Suspirou vendo a paisagem chinesa passar como um borrão do outro lado da janela do taxi. Esperava que, como aquela paisagem, certas lembranças ficassem ali e não passassem de borrões.

Foram pouco mais de quarenta minutos até chegar ao seu destino, mas ainda faltava um tempo para que o avião decolasse, Jongin colocou os fones de ouvido após fazer o check in e sentou-se  numa das cadeiras esperando seu avião. Acabou cochilando, mas acordou com a voz da mulher dizendo que o avião pousara e que os passageiros deveriam ir para o embarque.

Ele já estava no avião, de novo com os olhos fechados esperando para poder dormir e rezando para que o fizesse antes do avião decolar, essa parte sempre o dava enjoos.

Mal notou quando o avião já estava cheio e a poltrona do seu lado continuava vazia, algumas pessoas falando, algumas animadas, outras nem tanto e ele apenas queria dormir.

- Mas olha quem esta aqui... Olá investigador!-aquela voz...


Notas Finais


E então? Gostaram? Da pro gasto? Como é que tá? Mereço comentário?
jdksnk parei
Bom é isso, até a próxima fic, ou capítulo, sei lá kjdsndj
feliz dia das crianças cores qq


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...