História BANGTAN LOVE - BTS Imagines - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bangtan Love, Bangtan Sonyeondan, Bts, Hobi, Imagine, Imagine Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, Taehyung, Thebl, Yoongi
Exibições 549
Palavras 2.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem e desculpem os erros.
Se divirtam com seu bias.

NOTAS: *host family é a família que acolhe o intercambista no país onde vai ficar hospedado durante o período em que ele(a) ficar no país.

S/N = Seu Nome.

Não sei a imagem q vcs tem de Suga, mas eu não consegui fugir disso. Espero que gostem. ♡

Capítulo 4 - Sem educação - Suga 01 imagine


Fanfic / Fanfiction BANGTAN LOVE - BTS Imagines - Capítulo 4 - Sem educação - Suga 01 imagine

Você estava na Coréia fazendo intercâmbio a quatro meses. Você era fã de k-pop, e de um grupo em especial chamado Bangtan Boys.

Eram seis horas da tarde e você havia saído de casa chorando, havia brigado com sua host family*, eles pareciam não gostar de você, e isso já estava te deixando cansada.

Você achou que ao chegar na Coreia para estudar seria tudo como um sonho, estar no mesmo pais e cidade que os k-idols, mas não era o que estava acontecendo até agora.

Seu pensamento agora era só voltar para o Brasil e largar tudo, mas nesse momento só queria sair correndo dali pra ficar sozinha um pouco.

Você pegou um caminho por um beco, virando o quarteirão, as lágrimas embaçavam um pouco sua visão mas você ignorava isso.

Eles te tratavam mal, tudo bem que não eram sua família de verdade, mas você se esforçava para ser comportada, e parecer mais coreana possível, em questão de regras – horário de sair, de voltar, mas você não podia nem sair com uma amiga do cursinho algumas vezes seguidas para se distrair um pouco que... pronto! Eles ficavam dias com a cara emburrada para você.

E ameaçavam dizer à companhia de viajem que você só queria curtir. Que absurdo! Você estava se esforçando muito para aprender uma segunda língua.

Em um lugar não tão distante dali...

O garoto aparentemente estranho, pelo modo que se portava, andava pelo corredor um pouco apertado da lojinha de conveniência, empurrando rapidamente alguns dos produtos que estavam na prateleira pra dentro de sua mochila preta que carregava.

Vestido de maneira no mínimo suspeita, moletom com capuz, bermuda e tênis bonito. O rosto quase todo coberto, máscara preta e touca da mesma cor cobria seus cabelos. Quem o visse em outra situação pensaria logo ser um ídolo.

Sorrateiro, mas como se não se importasse realmente com o que fazia, saiu pela porta de trás da loja. A senhora, dona do estabelecimento reparou na figura notável desde que entrou ali.

Logo ele já virava a esquina, e não demorou muito para que um grito vindo detrás dele ecoasse no beco onde ele havia entrado, tentando parar o garoto.

- Hey! Você!  Pare já onde está! – era a voz de um empregado da loja, mandado pela senhora em busca do delinquente.

Quando ele ouviu que era com ele, simplesmente correu o mais rápido que pode, chegando até o final do beco onde havia uma grade enorme que era dos fundos de uma fábrica e dava para o outro lado da rua.

O empregado apressou o passo seguindo o garoto mascarado, mas ele escapou como se fosse um ator daqueles filmes de artes marciais, com um pouco de dificuldade claro, mas conseguiu pular a grade que fechava uma esquina da outra.

O barulho do pulo dele descendo no outro lado e depois correndo pelo outro corredor te assustou quando o ser esbarrou em você ao virar a esquina.

Você soltou um pequeno grito com o susto e caiu direto no chão.

- Ai! Socorro! – Você gritou no calor do momento. Pensou que fosse alguém que queria te fazer mal.

Rapidamente a mão do garoto tapou sua boca e ele te arrastou para trás de uns latões de lixo vazios que tinha no beco.

Ficou apavorada quando viu aquela figura em sua frente. Muito próximo!

- Shiii... por favor... fique calada... – o rapaz dizia por baixo da máscara preta, ele estava ofegante e virou-se para abrir a mochila em suas costas e tirou uma lata de energético de dentro.

Foi então quando você levou a mão à boca pois sentia um gosto estranho na mesma. Era sangue. Olhou pra mão do garoto que havia tapado sua boca segundos atrás e a mão dele sangrava.

O garoto soltava umas risadas anasaladas e isso irritou você. – O que pensa que está fazendo?

Você o observou jogar o liquido na mão ferida e o líquido descia misturado ao sangue, mas quando ele ia beber o resto da latinha parou olhando para você e se deteu.

- O que ta olhando, guria?

- Eu que devia perguntar. Você que me puxou até aqui.

- Não faça barulho. Fica quieta. – ele olhou através do latão pra ver se tinha alguém.

Ele se levantou arrumando a mochila e ia saindo sem dizer mais nada.

- Ei! – Você levantou e puxou a manga do moletom dele fazendo-o parar e te olhar estranho.

- O que foi? – ele perguntou um pouco hostil.

- Ei, você fez algo de errado. Está fugindo. Isso não é certo.

O garoto gargalhou baixo e voltou a virar-se dando as costas pra você. Ele havia abaixado a máscara e dava um gole na latinha em suas mãos.

- Cala a boca garota, você não sabe de nada. Estrangeira babaca.

Você puxou ele de novo pela roupa só que dessa vez foi mais agressiva. – Ei, seu idiota, não fala assim comigo. Foi você quem esbarrou em mim seu...

O garoto ficou de frente pra você, sua mascara estava abaixada e quando você o viu e suas palavras falharam por uns segundos.

... seu sem educação...

- E não falamos "sem educação", existe uma palavra para isso e seria "mal-educado"... (ele explicou em coreano como deveria dizer aquilo)

- Vo-você... não pode ser...

- Aish... o que foi agora...

Ele fez cara de desgosto e se virou de volta parecendo que ia embora.

- Você é o... Yoongi.

- Novidade. Acho que toda Coreia me conhece. – ele disse para si mesmo fingindo como não se importasse mas de repente ele parou de andar.

Você sentiu naquela hora uma sensação estranha no seu coração. Era como cair. Como quando a gente sonha que está caindo sendo que está em terra firme.

Essa é a sensação de decepção ou perder o chão, como alguns dizem?

Você tinha suas mãos ao peito. Era ele, o conhecido Suga dos Bangtan que estava em sua frente, embora aquele encontro fosse totalmente o oposto do que qualquer um poderia imaginar. Seu coração de fã não permitia que ficasse sem dizer qualquer coisa que fosse para ele.

Você sussurrou o nome de palco dele... Suga...

Ele virou com uma cara não muito feliz para você, finalmente parecendo se render e deu um suspiro quase imperceptível.

Você já tinha o rosto vermelho de chorar antes, agora as lagrimas voltaram novamente a preencher seus olhos.

- Por que está chorando garota?

- Agora você quer saber de mim? Você não sabe nada...

- Aish...

- E-espera... eu... – Você começou a limpar as lágrimas que desciam com as mãos.  – eu sou sua fã...

Envergonhado ele continuou. – É sério que ainda vai dizer isso pra mim depois de tudo?

- Eu não me perdoaria se não fizesse... eu gosto muito de vocês todos e você... – seu rosto corou um pouco – você é meu bias.

Ele te olhou assustado nesse momento mas você não parou de falar ainda.

- Vocês sabem que fazem muito sucesso fora daqui né, e principalmente no Brasil.

- Ah... Brasil... Nós fomos lá... duas vezes eu acho.

- Sim. Eu não pude estar lá, mas era meu sonho te conhecer. – Você finalmente riu em meio à sua cara de choro e acho isso derreteu o cubo de açúcar amargo.

Sem você realmente esperar aquilo ele se aproximou pondo a mão em seu ombro.

- Desculpe. Não chore, por minha causa. – isso só fez você ter mais vontade de chorar, vieram mais lágrimas.

- Ah, vamos garota, não chora. – ele puxou você para um abraço e te apertou, sua respiração falhou.

- De-desculpa...

- Eu que te peço isso. Na verdade não sei onde enfiar minha cabeça eu... – ele parecia muito fora de si, de vergonha pelo seu comportamento com você. Nessa hora você viu melhor o corte que estava na mão dele.

- Você se cortou feio... Provavelmente quando pulou aquele portão. Ele foi pego de surpresa com você dizendo aquilo e arregalou os olhos.

- Você...

- Suga... Yoongi. Eu não te conheço, como pessoa, a não ser como ídolo. Eu entendo que não tenho o direito de me meter em sua vida pessoal mas... por quê?

Yoongi de cabeça baixa, não tinha coragem de olhar diretamente em seus olhos. No fundo a irritação começava a voltar dentro dele. Você havia visto tudo aquilo?

- Digo... Você tem tudo... – Você sabia que ele estava sendo perseguido por algum furto talvez... pois ouviu o rapaz o mandando “devolver o que tinha pegado”, mas era inacreditável aquilo ainda.

- Olha,  garota.... – a voz dele era tranquila mas ao mesmo tempo chateada.

- S/N.  Esse é meu nome.

- S/N. – ele repetiu, um pouco engraçado por causa do sotaque dele.

– S/N, você realmente não conhece a vida de um ídolo por trás... do ídolo, dos palcos, das câmeras...

- Ok. Pode se abrir se quiser. – ele te olhou incrédulo e você leu em seus olhos como se ele dissesse "porque eu deveria? "

Mas ele não teve alternativa, pois ainda que quisesse dizer não que se importava, ele havia ficado envergonhado da impressão muito ruim que ele deixou para você.

Minutos depois vocês estavam sentados no chão conversando. Era isso, exatamente como você havia imaginado, a pressão da mídia, de querer mandar na vida dos seus ídolos, as proibições, a imagem de perfeição que eles deveriam passar...

Você descobriu que o Yoongi sofria com isso a muito tempo, e agora seu comportamento era como uma maneira de extravasar o stress e fazer-se de garoto mal era uma fuga.

- Mas... roubar é errado...

- Eu sei disso... não preciso de você para me dizer, ok? Eu sou rico tenho tudo o que quero... bla bla bla... – ele te olhou mas não era um olhar furioso, nem distante.

Naqueles momentos em que estavam vocês dois ali sentados foi como se fossem dois amigos hamuito tempo, abrindo o coração um para o outro e contado suas aflições pessoais.

Você também acabou contando a ele um pouco de sua história mas logo você voltou a focar o assunto nele.

- Não era isso que eu ia dizer..

- Mas disse a quase uma hora atrás.

- Quem diria, essa carinha fofa... – Você disse alto demais...

- Aish... eu ouço sempre isso.

- Desculpa. - você suspirou – eu sei que isso é como uma maneira de... se revoltar. É isso.

- Não é bem isso.

- É isso Yoongi. Eu não vejo outro nome para dar a seu comportamento e... sinceramente?  Eu acho que posso te entender. Digo, não sei o que você passa diariamente mas deve ser uma barra.

- O-obrigado... S/N?

- Sim, S/N.– Você riu um pouco da pronúncia dele, mas de boa.

- Desculpa ter te xingado e... eu realmente nunca pensei que uma fã diria o que você me disse.

- Bem, talvez as fãs da Coreia não, mas as do Brasil... – Você disse meio que para si mesma. 

Já estava ficando escuro e infelizmente, tava chegando a hora de ele ter que ir e você, teria que voltar pra casa da sua host family.

Ele estava sem a touca mas se preparava para por de volta e também a máscara. Você se levantou seguindo o gesto dele.

- Bem... S/N, – ele se virou para você - quem sabe a gente se encontra por aí.

- Eu acho meio dificil, você é um ídolo,  mas valeu... – Você disse sem graça mas estava feliz.

- Bem, valeu pela tarde, por me escutar um pouco... – ele riu sem graça,  agora já era de novo o Yoongi que fingia não se importar com nada. Mas você sabia que dentro daquele ser havia um alguém que se importava sim, se importava até demais para chegar àquele ponto.

- Posso te pedir uma coisa?

- Um abraço?  - ele veio até você e sorriu...

- Na-não era isso mas...

- Ah, não? - ele ficou meio sem entender.

- Eu queria um abraço claro, mas eu queria te pedir algo. Que você procurasse resolver seus conflitos, mas não desse jeito.

- Ah...

- Me promete... promete em nome de todas as Armys, do mundo... Eu sei que não deve ser fácil mas prometa que vai tentar buscar algum tipo de ajuda.

Ele suspirou. – Oke. – sorriu. – senhorita psicanalista, S/N.

Você corou com o comentário. – Então, acho que é adeus. Fighting! Mi Yoongi.

Ele te viu erguer os braços fazendo os gestos e enquanto você parecia bem distraída em se despedir ele sorriu de leve e te puxou para um abraço.

Quando ele te soltou você suspirou mas antes que pudesse tomar fôlego, ele aproximou seus lábios e depositou um selinho nos seus. Foi um contato de lábios simples, e... tão fofo e singelo.

- Desculpa... – ele disse ao se separar e ver você elevar as mãos à boca e então fazer que não com a cabeça.

- Vamos, eu te faço companhia até a sua casa.

Você concordou e seguiram. Ele se despediu quando chegou na esquina onde você deveria entrar. Ele colocou a máscara e a touca e seguiu seu caminho.


Notas Finais


comentem o que vocês acharam queridas armys.
Obrigada a todos que tem se divertido um pouco lendo as histórias. É por isso que eu faço, pq sou uma leitora também. 😉💕 bjinhos. Responderei a todos ainda assim que poder.

Fortes indicios apontam que o prox pode ser um biscoitinho...^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...