História Barriga De Aluguel - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan
Tags Amor, Barriga De Aluguel, Contrato, Directioner, Fanfic, Gravidez, Louis Tomlinson, Love Story, One Direction
Exibições 393
Palavras 1.545
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 30 - Sentimentos embaralhados


Like, woah, if you know you're in love// Tipo, woah, se você sabe que você está apaixonado 
And it feel like the one// E parece que é a escolha certa
Then put 'em up, put 'em up in the sky// Então coloque-as para cima,aponte-as para o céu

Your Love - Little mix

        Sinto os lábios macios de Louis nos meus e o gosto de bebida presente, eu coloco minhas mãos em seu rosto e me deixo envolver. Quando sinto a mão dele em minhas costas sinto como se fosse uma carga elétrica que passa pelo meu corpo, então me dou conta do que estou fazendo.

— Louis — digo me separando dele — A gente não pode...

— Podemos o que quisermos, Serena — diz ela tentando voltar a me beijar.

— Não, você esta bêbado e não sabe o que está dizendo — digo enquanto me levanto do sofá.

— Sei muito bem o que estou dizendo ou fazendo.

— Vou chamar um táxi e você vai pra casa descansar — pego o telefone e disco o número — Amanhã a gente conversa.

— Não Serena — ele toma o telefone da minha mão e me puxa ao seu encontro e toma meus lábios em mais um beijo — E eu não estou tão bêbado assim.

        Uma de suas mãos está em minha nuca e a outra em minha cintura, ergo minhas mãos e as entrelaço em seu pescoço. Eu não sabia o que fazer, não era boa nessas coisas de beijos ou qualquer coisa relacionada a garotos e romances. Senti os cabelos macios de Louis em minhas mãos e suspirei quando ele depositou Beijos molhados em meu pescoço, eu não sabia decifrar o que estava sentindo, parecia que haviam borboletas em meu estômago e ao mesmo tempo tinha algo em meu subconsciente que dizia que isso era errado.
        Louis sentou-se no sofá e em um movimento rápido eu estava sentada em seu colo e ele puxava a barra da minha camiseta com a ponta dos dedos, eu afundava minhas meus dedos em seus braços a medida que seus beijos ficavam mais intensos. Eu subi sua camiseta e a tirei, minhas mãos estavam em seu peito e eu analisava as tatuagens em seus braços e tentava decifrar o que cada um daqueles desenhos - ou rabiscos, como o próprio chamou - poderiam significar. Quando ergui os olhos para encara-lo, senti o rubor subir em meu rosto quando vi que ele me encara com um olhar curioso, Louis não me disse nada além de dar um risinho e voltar a me beijar, seus movimentos foram sutis e quando percebi estava sem camiseta e deitada de costas no sofá enquanto Louis deixava Beijos em minha clavícula e ombros, minha respiração estava acelerada e eu podia sentir meu peito subir e descer mais rápido que o normal. Quando Louis desceu as alças do meu sutiã, foi que percebi o que estávamos fazendo.

        Nós estávamos no sofá, do meu apartamento, estávamos sem camiseta e aos beijos enquanto meus irmãos estavam nos quartos ali ao lado. E o mais importante, não deveria ter nenhum envolvimento com Louis Tomlinson, já era errado o fato de estarmos nos aproximando desta forma, se algo acontecesse entre nós... Não quero nem pensar. Empurrei Louis de cima de mim e ele me olhou atordoado sem entender, sai de baixo dele e andei pela sala até encontrar minha camiseta.

— Vai embora Louis — aponto para a porta e espero que ele se levante, mas não o faz — Louis. Vá. Embora.

— Como é? Você está louca? — ele passa as mãos pelo cabelo e tenta ajeita-lo enquanto da risada.

— Estou bem lúcida, você é o bêbado aqui — digo cruzando os braços — Não podemos fazer isso, entendeu?

— Puta que pariu — ele se levanta e começa a andar de um lado pro outro — Não estávamos fazendo nada de mais, Serena, pelo amor de Deus!

— Estávamos sim! Meus irmãos estão ali a passos dessa sala — digo passando as mãos pelo cabelo e depois prendendo os fios em um coque.

— Se essa é a questão, vamos para o seu quarto — seu sorriso é totalmente malicioso e isso me faz ficar irritada.

— Você está bêbado, porra! Vá embora — digo — Isso é errado, não podemos e será que você não entende isso?

— Serena, você é quem não entende aqui — ele se aproxima de mim e dou um passo para trás — É por causa daquele cara? Vocês estão juntos?

— Não!

— Você gosta dele? Esta apaixonada?

— Não, isso não tem nada ver com Elliot. Louis, nossa relação deveria ser baseada apenas nesse bebê, nada de laços familiares envolvidos... Não posso me envolver com você, isso está fora de cogitação — ele parece desapontado quando termino de falar.

— Por que precisa ficar lembrando disso o tempo todo? Não dá pra esquecer essa porra de contrato e cláusulas? — ele coloca as mãos em meus ombros — Viva uma vez na vida por si mesma...

        Assim que Louis fechou a porta eu fui para o meu quarto, minha pele ainda formigava onde ele havia me tocado. Quando fechei a porta parei de reprimir o choro e o nó na garganta, não sabia o por que de estar chorando e só parei quando peguei no sono.

        As semanas passaram e Louis não me mandou mensagens, ligou ou apareceu no apartamento. Eu não posso negar que sentia imensa falta dele, mas não iria perguntar o por que de estar me dando gelo por que sabia exatamente que eu quem pediu isso. Eu me limitava a mandar algumas fotos para Simon e sempre que Briana postava, acabava indo ver se Louis tinha se pronunciado sobre a foto.
        Há uma semana Aly me convenceu a comprar um novo celular e confesso estar me batendo um pouco - muito -, eu sei que deveria ser uma pessoa inteirada nestas coisas, mas confesso que mundo virtual não é para mim. Aly havia colocado alguns aplicativos e redes sociais, que com muito custo eu tentava aprender a usar.

"Oi, esta tudo bem? "

"Desde aquela noite você não me mandou mensagens, eu fiz alguma coisa?"

" Nós ficamos de conversar"

" você está me dando gelo também?"

        Eu estava deitada no sofá, era domingo a noite e as crianças tinham saído com Brooke e Holder enquanto eu fiquei em casa, mudei de canal várias vezes e até pedi comida do MC Donald's, mas parecia que nada me tirava do tédio. Precisava de algo para me distrair, talvez andar um pouco, até por que não poderia ficar a vida toda nesse sofá.

"Mensagem de Elliot: Tá ocupada?"

"Não"

"Mensagem de Elliot: Lembra daquela cafeteria que te levei na sua primeira visita ao apartamento? Estarei lá em 15 minutos"

" okay"

        Eu levantei "num pulo" do sofá e fui trocar de roupa, entrei no quarto e fui para o armário. Vesti uma calça de moletom, uma blusa mais soltinha e adidas, fiz uma maquiagem composta apenas por rimel e um batom super claro, arrumei meus cabelos e sai para encontrar Elliot.

        Como a cafeteria não ficava muito longe do apartamento eu fui andando a pé mesmo, quando cheguei lá avistei Elliot sentado em uma mesa mãos ao fundo a minha espera. Ele deu um leve sorriso e caminhei até ele, não fazia idéia do que falar e como explicar tudo a ele e inventar uma boa mentira.

— Oi — digo me aproximando.

— E aí? — ele puxa a cadeira para que eu me sente e agradeço — Como você está?

— Bem... e você? — eu fico sem jeito perto dele.

— Estou bem...

— Olha Elliot, eu sei que você deve estar achando que sou uma vadia... — começo — Mas não sou. Aquele cara que você viu era apenas um amigo precisando de ajuda, não temos nada e...

— Eu sei quem é Louis Tomlinson, Serena. Também sei que você está esperando um filho dele, isso já ficou bem claro para mim — ele fala sem esboçar nenhuma reação.

— Não é o que você está pesando.

— Não estou pensando nada — ele da de ombros e começo a ficar nervosa — Quando fui procurar sobre ele, descobri sobre ele ser pai e que Briana é a mãe, mas em algumas fotos são você...

— Não. Não tem nada ver — digo.

— Tem sim, eu só queria entender por que eles estão te obrigando a se passar por outra pessoa — Elliot passa as mãos pelo cabelo e bebe o café.

— Não estão — digo e ele ergue os olhos da xícara e me encara, é então que decido contar a história verdadeira a Elliot.

        Ele parece não saber o que dizer depois que termino de contar, achei que ele iria sair da mesa e me xingar, ou dizer que não entendi os meus motivos e sairia fora. Contudo estava enganada, ele ficou ali ouvindo a minha história e até riu em algumas coisas depois pagou a conta e me levou até em casa.

— Não sei o que está pesando de mim, mas eu entendo se não me quiser mais como sua amiga — digo quando paramos em frente ao portão do prédio.

— Gosto do seu jeito Serena — ele sorri — Do jeito como assume a responsabilidade pelos seus irmãos e os ama muito, o que faz para deixa-los bem...

         Sorrio e mordo o interior da bochecha, ele segura em minhas mãos e me abraça.

— Não quero você apenas como minha amiga — ele beija meu rosto e solta minhas  mãos — Boa noite.


Notas Finais


Leiam minha outra fic "All The Love x." <3
https://spiritfanfics.com/historia/all-the-love-x-6835176


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...