História Barriga de Aluguel (Imagine Jimin - BTS) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Personagens Originais, Suga
Tags Bts, Drama, Imagine, Kykaifanfics, Min Yoongi, Park Jimin, Romance
Visualizações 3.298
Palavras 945
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieeee
Nem demorei *'*
Devido ao grande carinho que a fic está recebendo, estou atualizando com mais frequência.

Espero que gostem.

Boa leitura!


Música: Soap - Melanie Martinez


Sue.

Capítulo 5 - Verdade


Fanfic / Fanfiction Barriga de Aluguel (Imagine Jimin - BTS) - Capítulo 5 - Verdade

"Não sou uma mocinha comportada

Estou mais para uma fera que não pode ser domada." Sue.


4




– Jimin! – o relógio não marcava nem oito horas da manhã, quando Sue invadiu o apartamento do patrão. – Park Jimin... – cantarolou enquanto colocava algumas sacolas sobre a mesa da cozinha. 


– Que diabos você faz aqui tão cedo? – ele apareceu na cozinha usando apenas uma calça de moletom e com os cabelos bagunçados.


– Primeiro, você já terminou a coleção?


– Sim.


– Beleza. Segundo, você precisa arrumar as malas.


– Não estou com vontade.


– Jimin, temos a semana de Milão para ir. 


– Sue, não tem como dizer que estou doente? 


– Espera aí... – Sue avaliou minuciosamente o amigo e franziu o cenho. – O que aconteceu contigo? 


– Não aconteceu nada. 


– Jimin, está tentando esconder algo de mim? 


– Sue...


– Abre a porra da boca!


– Escrota! – Jimin revirou os olhos e sentou em uma das cadeiras pertencentes a mesa. – Ontem eu estava trabalhando quando bateram na porta. 


– E? 


– Era a minha tão odiada inimiga. 


– O quê!? Como ela te encontrou? 


– Provavelmente conseguiu meu endereço na ficha da clínica. – a morena colocou o café na cafeteira, pôs água, e ligou, voltando a dá completa atenção ao amigo.


– O que ela veio fazer aqui? 


– Me culpar por ter perdido o emprego. 


– Oxe! O que você tem a ver com o fato dela ter perdido o emprego? 


– Eu não sei, ainda não entendi bem. Só sei que ela me encheu a cara de desaforo, eu tentei fazer ela parar de falar, mas no fim acabamos nos beijando. 


– O quê? Jimin! 


– Eu... Eu não consegui evitar. – o estilista começou a piscar um dos olhos, um tique adquirido na época da escola. 


– Se acalma. – Sue caminhou até o amigo e o abraçou de lado, apoiando sua cabeça de cabeleira cacheada, no ombro dele. – Está fazendo aquilo com o olho.  


– Eu sei. Sue, eu estou tão confuso. 


– Confuso com o quê, paixão? 


– Eu gostei de ter beijado aquela praga. 


– Jimin, sua carência está piorando. – Sue se afastou e saiu da cozinha, sendo seguida pelo Park. 


– Não é carência. Sabe, eu quis tanto que isso acontecesse. 


– Jimin, por culpa dela você mudou tanto, por culpa dela você é sozinho, por culpa dela você tem tanto medo de amar novamente. 


– Sue...


– Não tem Sue! Olha, quer se envolver com ela? Beleza. Eu não vou ficar aqui para ver aquele demônio te deixar em cacos. – a morena passou as mãos pelos cabelos e caminhou até a porta. 


– Sue, espera! 


– Te quero arrumado às cinco. Vou mandar o motorista. – sem mais, Sue saiu do apartamento e bateu a porta com muita força. 


– Droga! – Jimin se jogou no sofá e bufou irritado. Ele não queria que tudo aquilo acontecesse, mas também não podia mentir para a amiga. Sue estava certa, ele sabia, mas aquele velho sentimento, aquele sentimento juvenil, estava outra vez ali o atormentando. 


Ele odiava aquela garota. 


Odiava o jeito rebelde dela

Odiava a forma horrorosa com que ela se vestia

Odiava a boca suja

Odiava a forma dela estar sempre pronta para responder de maneira ácida a cada provação dele

Mas ele sabia que a odiava tanto, pois ela era o oposto do seu mundinho cor de rosa. 


Ela não era uma modelo famosa, era apenas uma jovem que ainda usava seus velhos all star e o olhava como uma predadora. 


– Você só pode estar de brincadeira com a minha cara. – levantou do sofá e caminhou até a sacada do apartamento, por onde viu o céu acinzentado. – Eu não vou sofrer de novo, não vou mesmo.


Jimin permaneceu ali até ouvir o toque insistente do seu IPhone. Correu até o quarto e pegou o telefone, que mostrava ser uma chamada da clínica. – Alô. 


Alô. Senhor Park? 


– Isso. 


Estamos ligando para nos desculpar sobre o incidente de ontem. 


– Que incidente? – o estilista franziu o cenho.


Sobre a nossa funcionária. Soubemos por terceiros, que ela foi desrespeitosa contigo e não pensamos nem um segundo antes de manda-la embora. Por favor, nos desculpe por esse horrível inconveniente. 


– Está tudo bem. Será que pode me ajudar com algo? 


Claro


– Pode me passar o número desta funcionária?


Só um minuto. – a moça que falava com Jimin pelo telefone, demorou alguns segundos, mas logo retornou. – Pode anotar. – Jimin colocou o celular no viva-voz e salvou o número.


– Muito obrigado. – a chamada foi encerrada. – Seja o que Deus quiser. – as mãos trêmulas apertaram o botão e o primeiro toque anunciou que estava chamando. 


Alô. – a voz sonolenta o fez perceber que ela estava dormindo. – Olha, seja quem for, saiba que eu estou com uma puta dor de cabeça e que não tô com saco para lorota. Quem é? 


– Você é constantemente azeda, não é? 


Espera! É a mocinha mais purpurinada da cidade? 


– Vei, cala a boca e me deixa falar. 


Eu sinceramente não estou entendendo o motivo da sua ligação, tampouco quem foi o filho da puta que te deu meu número. 



– Haja paciência para falar com você. 


Então não fala. Tchau, borboletinha.


– Não desliga, animal! 


Filho, eu estou com sono. 


– Podemos nos encontrar? 


Minha pessoa não tem nada o que falar contigo. 


– Claro que tem. 


Menina, eu estou tentando ser educada e dizendo que não quero te ver. 


– Se você não for ao meu encontro eu vou atrás de ti. 


– Se você aparecer na minha porta eu te jogo escada a baixo. 


– Você não teria coragem.


Você não conhece uma mulher doida, não queira me conhecer. 


– Vou arriscar. Ainda hoje eu apareço aí. 


Me ache primeiro, depois consiga entrar em minha casa, depois se mantenha vivo. Eu te desafio. 


– Adoroooo desafios, querida. – com a voz uma oitava mais feminina, Jimin gritou no telefone. 


É uma gazela mesmo. Até a hora da sua morte, mocinha. 


– É o que veremos. 





Notas Finais


Indicação:


https://spiritfanfics.com/historia/o-filho-do-alfa-long-imagine-jungkook--bts-8165566

Essa aqui é minha bebê de lobos ♥_♥

E aqui é o novo projeto da minha amiga Rafa ~Rafenhazz
Dêem muito amor a ela ♥

https://spiritfanfics.com/historia/escort-imagine-jungkook-incesto-9357294


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...