História Batman: A Batalha Final - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman
Personagens Alfred Pennyworth, Barbara Gordon, Bruce Wayne (Batman), Comissário James "Jim" Gordon, Dick Grayson
Tags Batman
Visualizações 8
Palavras 4.168
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Parte 1



Gotham City, 1969.

Gotham é uma cidade por onde vivem as mais prosperas vidas que todas as semanas trabalham para o bem de suas famílias. Na cidade existem industrias e empresas que são os principais ninhos de crescimento econômico; e também na cidade se localiza a delegacia de policia, em que seus vários membros lutam por um futuro melhor na cidade.

Mas por meses, Gotham City vem sendo um cenário para um espetáculo que acontece como algo normal em suas regiões. Criminosos e seus aliados causando inúmeros problemas para qualquer inocente, desenvolvendo ainda para a policia casos que envolvem diversos tipos de crimes como assassinatos, furtos de bancos, desenvolvimento de elementos químicos letais e ainda a criação de bases de drogas. Devido a estes problemas, Gotham é apelidada como A Cidade do Crime.

Porém na cidade ha uma esperança que todos nela confiam. Ela é composta por dois combatentes que todas as semanas enfrentam seus inimigos pela segurança de Gotham. Um é um homem-morcego conhecido como Batman, considerado o maior herói de seu pais. E o outro é o seu maior ajudante, o jovem prodígio Robin, que teve uma triste infância mas que logo conseguiu apaga-la como um herói que se preocupa a salvar as vidas. Os dois são chamados por muitos como a Dupla Dinâmica, e ambos sempre estão juntos na luta contra o crime organizado.

Muitos oponentes duelaram contra nossos heróis, como o enigmático Charada; a sedutora Mulher Gato; o místico Mestre Tut; o venenoso Pinguim, e o letal palhaço do crime conhecido como Coringa. Estes e outros vilões enfrentaram a Dupla Dinâmica, sempre criando armadilhas para os dois que não foram capazes de derrota-los. E sempre no final, Batman e Robin triunfam, vencendo suas batalhas.

Mas hoje é um dia especial para a Mansão Wayne. Seu dono e o homem por trás de Batman, o milionário Bruce Wayne, cria uma festa de encontro de várias outras pessoas pertencentes a elite mais alta de Gotham. É uma festa de negócios e de amizades. E é a primeira vez que Wayne também cria uma festa de tamanho grande em seu lar. Já são cerca de 18:00 horas da tarde, e em minutos o sol se põe para a chegada de uma noite e ainda sem chuva de acordo com os meteorologistas. Nesta festa ainda foram convidados os demais moradores da mansão: o mordomo Alfred; Tia Harriet, e finalmente o adolescente Dick Grayson, na verdade o alter-ego de Robin.

Alfred: Quantos convidados com educação visível de longe. – disse o mordomo, olhando para as pessoas que Bruce Wayne convidou para sua festa. Perto dele, ha um grande amontoado de brigadeiros de chocolate, e ele não perde tempo e coleta três ao mesmo tempo, comendo imediatamente. Alfred gosta de chocolates, apesar destes granulados terem sido feitos por uma cozinheira contratada por Bruce.
Tia Harriet: Alfred, ainda bem que te achei. – disse Harriet dando toques com um de seus dedos no ombro do mordomo. Ele vira até ela, levando um susto.
Alfred: Oh Harriet. Eu....
Tia Harriet: Não se preocupe. Estes brigadeiros são feitos para todos, incluindo você. A cozinheira esta preparando mais. – interrompeu e logo explicou a tia, que faz Alfred se aliviar.
Alfred: Eu não iria comer tudo isto. Confie em mim! – Harriet fica rindo.
Tia Harriet: Calma querido. Bruce gosta de você comendo estas coisas. Afinal a festa é para a nossa amizade.
Alfred: Apesar de ter puxado conversa agora ha pouco, eu não vi o senhor Grayson ha 13 minutos.
Tia Harriet: Mas justamente por isso que quero falar com você. Fui em vários cômodos da mansão, principalmente naquele escritório que Bruce e ele mais ficam e não o achei. Estou ficando preocupada com ele.
Alfred: Segundo Bruce, estes dias ele esta se concentrando nos estudos devido ao período final de aulas do colégio dele. Talvez ele foi estudar ao lado da filha do Comissário Gordon, a Barbara. Ele pode passar a noite na casa dela.
Tia Harriet: Obrigado pela explicação. Ufa, eu pensava que ele teria sumido ou algo parecido. Alias, ele mais some justamente quando Batman e Robin aparecem para enfrentar os malfeitores de Gotham. – por muitos dias, Harriet sempre fica com duvidas a respeito de seu sobrinho Dick, uma vez que ela não sabe que ele é o Robin. – Talvez meu sobrinho deva ser um porta-voz do Robin.
Alfred: Caso ele seja um amigo do Robin, ou mesmo do Batman, temos que chamar os dois para conhecer o Bruce.
Tia Harriet: Que grande ideia. Preciso procurar nosso adorável para ver se Dick é um aliado do Robin. – então um homem de óculos de mais ou menos 30 anos se aproxima dos dois. Alfred começa uma conversa com ele, sobre o inicio das obras de um novo teatro em Gotham de autoria da divisão de entretenimento das Industrias Wayne.

A Tia Harriet não sabe as verdadeiras identidades de Bruce e Dick como Batman e Robin. E ela também não sabe que ha 5 metros abaixo da Mansão Wayne se localiza a Batcaverna, a base de operações da Dupla Dinâmica. Bruce esta lá, mas infelizmente destransformado em Batman. Ele esta olhando sobre um conjunto de moedas que eram utilizadas na Grécia antiga em 270 A.C, que ele ganhou de um amigo dele que trabalha como escavador numa equipe de arqueólogos de New York. Bruce olha o grupo destas raríssimas moedas com uma lupa, e o motivo dele estar na Batcaverna neste momento é justamente por causa destas raridades, uma vez que combinou estar em alguns minutos na sua base.

Bruce: Dick Grayson devia estar aqui para olhar estas moedas. Esta entardecendo e ele devia estar de volta para casa. O que Dick esta aprontando? Na casa de Barbara não esta, e antes de ontem conseguiu sua carteira de habilitação para dirigir a sua moto. Espero que ele não tenha se envolvido em acidente. – pensou alto Bruce, se preocupando com seu parceiro.

Mas Bruce não precisa ficar preocupado em cheio, porque desde quando foi treinado para ser Robin, Dick sempre não se envolve em armadilhas quando esta indefeso. Muito pelo contrário. Ele aproveita alguns momentos de descanso para fazer investigações perante os problemas de segurança publica de Gotham, mesmo que o seu ano letivo de ginasial esteja quase acabando.
Em Junction, um bairro de Gotham, Grayson deixou sua moto em uma garagem publica próxima a uma casa de eletrônicos. Esta loja começou uma nova promoção de televisores Telefunken modelo japonês. Ao entrar, Dick é surpreendido pelo seu amigo e dono desta loja: Gary Trevor.

Gary: Finalmente você chegou. E ai Dick, como vai indo os estudos? – perguntou Gary e os dois se cumprimentam.
Dick: Estou indo como qualquer estudante em dias de provas. Estou a um passo da universidade e sera minha grande chance de expandir meus conhecimentos. – seu amigo sorri.
Gary: Te desejo boa sorte com este período decisivo. Sua chegada na verdade era inesperada aqui e agora, porque comecei a vender o mais novo modelo da Telefunken que veio lá do Japão. – disse Gary, que introduz o adolescente a um dos aparelhos, ao lado de uma placa que indica seu preço: 450 Dólares. A TV esta ligada, mostrando um programa musical de auditório que esta acabando no horário. – Este tem cores e ainda vem com um controle remoto que permite mudar de canal sem ter que puxar uma alavanca para mudar de canal.
Dick: Os japoneses tem uma tecnologia e tanto.
Gary: Segundo o distribuidor de minha loja, os japoneses já tem televisores com controle remoto há cerca de dois anos. Logo os cientistas do pais também começarão a inventar seus primeiros robôs domésticos.
Dick: Que irado! Pensava que os robôs eram limitados apenas daqueles filmes de monstros gigantes que destroem cidades. Que nada, o Japão tem tantas ideias. – o programa musical de auditório acaba quando o relógio indica 19:00 da noite. Então, após um comercial indicando como sera a grade noturna da emissora, se inicia o noticiário da noite. O jornalista começa o programa falando sobre a transferência de Marsha, considerada no mundo do crime como Rainha de Diamantes, a prisão de segurança máxima de Arkham.
Jornalista: Foi transferida de sua penitenciaria de New Tacos para a prisão de Arkham a criminosa conhecida como Marsha, cujo seus atos criminosos se envolviam apenas em roubos e furtos de diamantes. Apelidada como Rainha dos Diamantes, Marsha é uma mulher que causava problemas a policia, até mesmo aos heróis de Gotham City, que são Batman, Robin e Batgirl. Antes de ser presa, se responsabilizou por um incidente envolvendo a cantora de opera Jannet Fritz, que depois de sua apresentação teve seus dois diamantes de origem árabe roubados assim que se dirigia para sua casa. A cantora ao mesmo tempo foi salva por Batman. Já Marsha ficou cerca de quatro meses presa até que hoje o chefe da policia de Gotham, em decisão feita pelo Comissário Gordon, preferiu que ela ficasse na prisão de segurança máxima de Arkham, para ser vigiada todos os dias.
Gary: Marsha, aquela inútil. Agora que foi transferida, só quero ver como ela fara para escapar da prisão de Arkham, que é a mais protegida do mundo. – disse o dono da loja de eletrônicos a Dick.
Dick: Acho que Batman e Robin estão alegres com a noticia. Eles são os nossos defensores e colocam os maus nas piores prisões. Em Arkham ninguém sai.
Gary: Toda a Gotham então vai poder respirar tranquilamente com a prisão da Marsha.
Dick: Pode até sim, mas como sabe amigão, sempre tem um novo criminoso sempre as espreitas e causando suas bagunças para esta cidade. Estes dias ando com medo a caminho do colégio.
Gary: Imagine esta cidade sem Batman? Seriamos alvo de bandidos todos os dias.
Dick: O mesmo eu digo com o Robin.
Gary: Agora você veio aqui para comprar a nova TV? – perguntou o amigo restabelecendo o assunto principal.
Dick: Na verdade sim. Minha TV portátil quebrou e to querendo comprar esta nova da Telefunken. Mas infelizmente esqueci o dinheiro lá em casa. – explicou o adolescente.
Gary: Não fique assim triste. Como que você é o cliente numero 1 daqui, vou te dar esta TV e amanha você paga. Kites? – perguntou Gary a Dick.
Dick: Prefiro mais pagar na hora. Eu vim de moto ainda. Não é melhor amanhã? Eu posso vir com o Bruce Wayne, meu amigo. Ele tem um carro com porta-malas.
Gary: Eu entendi. Comprando esta belezinha, vai ter um novo mundo no seu caminho e trocando de canais com este controle-remoto. – Gary sorri com o controle nas mãos.
Dick: Fechado! Preciso ir agora, porque Bruce esta preocupado, provavelmente. Nos vemos amanhã. – os dois apertam suas mãos e Dick sai da loja, indo para a garagem publica ali próxima, e liga sua moto com o destino marcado para a Mansão Wayne. Mas quando ele volta a rua com a moto, um homem com uma blusa polo de cor bege olha para Dick que se distancia bem rápido.
- Dick Grayson. Poucos instantes você ira para os ares junto com este seu mundo!

Ao retornar para a Mansão Wayne, indo com sua moto até a entrada secreta da Batcaverna, Dick se reencontra com Bruce.

Bruce: Dick, por onde esteve este tempo todo? – perguntou Bruce, que vê Dick entrando pela garagem da caverna.
Dick: Me desculpe pela demora. Eu decidi fazer uma visita ao campus por onde vou fazer faculdade em breve.
Bruce: Interessante. Por estar prestas a se formar no colégio, é bom conhecer novos locais para encarar este mundo. E fico muito feliz pelas suas notas boas por onde estuda. – o milionário sorri ao colega mais novo.
Dick: Eu que agradeço por todo este tempo estarmos juntos contra o mal.
Bruce: Pensava que estava investigando algo suspeito um pouco.
Dick: Talvez direi algo que se interesse. Fui dar uma passada lá na casa de eletrônicos de Junction e chegou uma nova TV da Telefunken, com cores e controle-remoto. Pretendo comprar uma amanhã devido a quebra da minha portátil.
Bruce: Pode comprar duas se quiser. Porque a Tia Harriet deve estar querendo uma ainda.
Dick: Acho que sim. – Dick anda até a mesa de computadores da Batcaverna. – Ei Bruce, o que estava fazendo enquanto estive fora? – perguntou Dick ao superior.
Bruce: Não se esqueceu? Estou fazendo uma festa de reunião com outras pessoas de classe alta de Gotham e preferi ficar uns minutos aqui para olhar para um grupo de moedas que eu ganhei do escavador Mark, da equipe de arqueólogos de New York. – Bruce aponta para as moedas a Dick, do outro lado. O adolescente anda até as moedas feitas na Grécia antiga e se impressiona.
Dick: Santo tesouro! Não me diga que estas coisas são do tipo moedas esquecidas pelo tempo.
Bruce: Elas são esquecidas pelo tempo. Vem da Grécia antiga e eu estava olhando elas com esta lupa. Veja assim, Dick, porque elas estão meio frágeis e podem se quebrar fácil. – Bruce da a lupa ao companheiro e ele olha os raros objetos de ferro.
Dick: Puxa vida, se pensarmos em vender estas moedas, irão custar uma fortuna em cheio. Mas sei que não vai querer vende-las.
Bruce: Melhor não. Sera para minha coleção. – disse o homem.
Dick: Ah, quase ia me esquecer. Quando tava na loja de eletrônicos, vi num noticiário que aquela Marsha foi transferida de sua prisão em New Tacos para Arkham.
Bruce: Eu já sabia desde esta manhã. O chefe O’Hara preferiu que ela seja transferida para esta prisão porque a de New Tacos possui um sistema infelizmente proletariado de segurança. Eu mandei os seguranças daquela penitenciária desenvolverem novos sistemas de proteção que impeçam a fuga de presos, mas isso vai custar alguns meses para que fiquem prontos. Mais fácil ela ir a Arkham. – explicou Bruce a Dick.

Como a dupla dinâmica, Bruce e Dick as vezes pensam que os seus piores oponentes já detidos pela policia sempre traçam planos para escaparem de suas prisões, mesmo que isto custe até as famosas desculpas de mentiras. A prisão Arkham é a mais elogiada do mundo, porque desde quando foi criada, os seguranças que operam no local foram treinados para ficarem atentos com eventuais tentativas de fugas. Existem ainda diversas armadilhas que ajudam no impedimento de fugas. Cada bloco de celas são divididos em dois andares cada, e no segundo andar do quinto bloco esta dois dos mais famigerados inimigos que tentaram acabar com Batman e Robin quando tinham a chance, mas falharam. E eles são ninguém mais, ninguém menos, que Coringa e Pinguim. Os dois estão vestidos com roupas de prisioneiros da cor laranja e a presença deles hoje ainda completa um ano. Ainda, a maquiagem do Coringa ainda permanece limpa.

Pinguim:  Mais uma noite chegando e a lua iluminando um pouco este recinto. Que droga!
Coringa: Porque falou droga, seu bicho feio? Não percebeu que foi o Batman que te pôs nesta cadeia? – perguntou um triste Coringa. Triste de verdade apesar de seu sarcasmo.
Pinguim: Não pronuncie mais o nome daquele cruzado de capa, e também daquele menino prodígio. Os dois ai cada vez mais colocando rivais no xadrez e até você caiu nessa.
Coringa: Nunca consigo matar aqueles dois. Tudo que eu penso era para ter dado certo e sempre falha. Cheguei um dia a tentar dar uma bala a filha daquele comandante estupido, mas tive que fugir devido a policia.
Pinguim: Porque eles sempre conseguem escapar das ciladas que sempre preparamos a eles? – perguntou o obeso bandido, enquanto Coringa da socos na parede.
Coringa: A sorte que sempre esta com eles. É disso que tenho que dizer. Outros de nossos conhecidos como o Charada também falharam contra os dois. Qualquer um que tenta transformar Gotham em um canteiro minado não consegue por causa de Batman e Robin, hahahahahahahaha. – Coringa ri um pouco e depois fica novamente triste. – E a policia sempre do lado deles.
Pinguim: Porque não pensamos em matar quando estávamos livres o Comissário Gordon para diminuir a força da policia?
Coringa: Um bum com uma simples pistola não serve apenas para derrubar um. Um bum tem que ser no Batman e também em Robin. Odeio os dois sempre no caminho daqueles que tentam escravizar Gotham.
Pinguim: Tendo uma arma aqui, este bum seria nossa grande chance.
Coringa: Agora não adianta mais, idiota. A segurança daqui de Arkham aumentou vergonhosamente. Qualquer um que tenta escapar sempre volta, devido a cachorros bravos com mordidas mortais e tiras que tem lanças de eletricidade que imobilizam qualquer um.
Pinguim: Nhe,nhe.........sair daqui agora sera apenas em sonho. Estamos sem nada. Não consegui trazer escondido meu charuto, meu guarda-chuva e ainda a minha bengala. – o vilão senta numa das duas camas da cela.
Coringa: Não vamos sair daqui nunca mais. Entendeu? Nunca, ghaahahahahahahaha. – riu sarcasticamente Coringa
Pinguim: A sua risada não comove ninguém e você mesmo sabe.
Coringa: É verdade! – novamente o palhaço do crime se entristece.

No mesmo bloco por onde esta a cela de Pinguim e Coringa, dois guardas acompanham Marsha, presa, até sua cela. Os dois vilões olham para eles e Marsha entra em uma vazia, e ainda próxima a dos outros dois vilões. Os guardas trancam a grade em seguida e saem do bloco.

Coringa: Olhe, é a Marsha.
Pinguim: A rainha dos diamantes? – perguntou Pinguim ao palhaço do crime, e ele confirma com um gesto.
Coringa: Outra que foi pega pela policia. Coitada, também se meteu com a Dupla Dinâmica e se deu mal.
Pinguim: Ela é outra, e aqui também tem mais gente conhecida. Em outros blocos, gente como o Mestre Tut, Chapeleiro Louco, Espantalho, Cabeça de Batata, Homem-Mascara e Mulher Gato estão nas suas celas.
Coringa: Enquanto que o picolé que nada se derrete do Senhor Gelo esta também aqui, e numa cela que mais se parece um refrigerador gigante. Ele ainda pode fazer magias geladas e estas podiam nos liberar para fora.
Pinguim: Ele não ira conseguir porque o material da cela especial dele é feita de uma substancia que impede que ele escape também.
Coringa: Maldade, maldade, maldade. Batman vai me pagar! E espero que ainda exista alguém que possa conseguir acabar com ele, hahahahahahahahahahahahaha. – Coringa ri novamente, o que é comum nele mesmo.

A zona industrial de Gotham é um importante polo econômico para Gotham. Existem empresas dos mais diversos produtos, como comidas, roupas, acessórios de brinquedo e até para vidros de condomínio. Mas ha uma fabrica que ha quatro anos encerrou suas atividades, e ainda hoje segue abandonada. Esta fabrica é a Willer Produtos Químicos, cujo todos os funcionários foram criticados por órgãos públicos de Gotham por desenvolverem produtos que antes causavam diversos problemas de saúde a pessoas. Depois a empresa encerra suas atividades. Mas nem todos os funcionários optaram por seguir outras carreiras: o chefe da Willer continua na ativa. Agora ele não é mais o líder típico industrial. Com o fim de sua empresa, agora ele quer é vingança pelo fim dela, através de suas verídicas pretensões.

Klaus Donovan é o líder desta empresa. Ele criou ela devido aos seus estudos de química feitos desde a infância, o que o fez ser o melhor aluno de sua classe. Tendo muitos conhecimentos, ele contratou pessoas para produzir coisas baseadas em quântica e em materiais imprevisíveis para fazer suas vendas. Com vários casos de problemas de saúde ocasionados pela empresa, logo as portas se fecharam para seus 40 funcionários, que optaram por fazer outros empregos. Menos Klaus que ainda concentra suas ações na Química. Dai ele criou uma base secreta no subsolo da fabrica desativada, para ele realizar a coisa que ele começou a gostar depois do fim: o domínio do mundo.

A base secreta mais se parece um laboratório, com béqueres e frascos compostos por vários tipos de líquidos(alguns deles com pedaços de crânio de pessoas mortas). Do outro lado da base, ha uma tela por onde Klaus olha cenas de vários combates em que Batman, Robin e Batgirl tiveram contra os maiores criminosos de Gotham. Uma porta dupla se abre, e entram seus dois comparsas: o imprudente Paul e a bela Emilia. Ambos com aventais de cientistas.

Paul: Chefe Klaus, temos noticias a respeito da criação do nosso maior projeto. – disse Paul.
Emilia: O foguete do vírus Anaconda teve sua primeira fase concluída. Os núcleos do motor já estão instalados. – disse Emilia, que passa a mão em seus cabelos rosados, de fazer inveja a qualquer jovem por ai.
Klaus: Obrigado pela informação. Os dias de pesquisa e coleta de materiais compensaram até aqui.  Eu espero que não exista falha alguma na nossa rota para conquistar este planeta. Estes toscos vilões de segunda não conseguiram derrotar este Trio Terrível. Vendo estes vídeos que nós gravamos de muitos confrontos deles contra estes heróis, noto que não sabem fazer crimes. O milionário Bruce Wayne, o jovem estudantil Dick Grayson e a filha do comandante da policia Barbara Gordon acham que triunfaram. Estão enganados.
Paul: E o vírus? Pode mesmo espalhando pouco na atmosfera da Terra poderá infectar muitos e muitos outros povos do mundo?
Klaus: Meus anos dedicados a estudos químicos me fez perceber que combinando  substancias vegetais com líquidos nucleares do tipo gás pode atingir mais de 400 metros com seu veneno. Este planeta de tamanho maior não ira escapar do vírus.
Emilia: A ciência duvida da gente e vamos mostrar o que somos capazes.
Klaus: Dando certo em tudo, Anaconda ficara pronta rapidamente. Por enquanto eu tenho uma surpresa reservada para o Trio Terrível.

O foguete por onde ira espalhar o vírus Anaconda esta em seu segundo estágio. Trabalhando dia e noite, mecânicos empregados a Klaus mal veem a hora de concluírem o foguete e descansarem. Mas a maldade deste horripilante cientista faz cada um destes não pensarem em dormir mesmo com mais de 30 horas acordados para desenvolverem este foguete. Todos ainda estão impulsionados desde a histórica data em que Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar na Lua.

No dia seguinte na Mansão Wayne, os seus moradores já estão acordados depois uma grande festa.  Apesar de um encontro entre amigos ontem, este dia normalmente sera de ação para Bruce Wayne e Dick Grayson. No seu escritório, o telefone vermelho começa a emitir uma ligação. Imediatamente o milionário entra com o amigo e ele atende.

Comissário Gordon: Aqui é o Comissário Gordon. Houve um roubo em uma mecânica de carros em Gotham, feita por um grupo de homens desconhecidos. Venham depressa para a delegacia de policia. – disse Gordon do outro lado da ligação. Logo, Bruce desliga o telefone colocando no gancho.
Bruce: Uma garagem automotiva sofreu um assalto. – explicou o ocorrido a Dick.
Dick: Santa tragédia veloz. Nunca antes sofremos esta noticia de roubo.
Bruce: Confesso que nem eu passei por isso também. Gordon falou que o roubo foi realizado por um grupo de desconhecidos.
Dick: Desconhecidos? – repetiu o adolescente.
Bruce: Só iremos saber quando chegarmos a delegacia. Para os Batpoles! – Bruce aperta um botão sobre uma pequena estatua, e uma estande de livros se move, revelando uma passagem secreta com dois polos. Os dois correm até eles e descem, indo em região a Batcaverna. Embaixo, os dois já transformados em Batman e Robin andam até o Batmóvel.
Batman: Iniciar funcionamento.
Robin: Baterias atômicas carregadas. Turbinas prontas!
Batman: Entendido. Começar a ligar! – Batman vira a manivela próxima ao volante e o Batmóvel começa a andar até a garagem da Batcaverna. Depois o indestrutível veiculo da Dupla Dinâmica sai do túnel e vão até Gotham.

Minutos depois a Batmovel com os nossos heróis chegam até a rua movimentada por onde se encontra a delegacia de policia de Gotham. Os dois entram na delegacia. Tanto Comissário Gordon quanto o chefe O’Hara os recepcionam.

Batman: Um roubo numa mecânica de carros feito por um grupo de desconhecidos? O que significa isto? – perguntou o cruzado de capa ao comissário.
Comissário Gordon: O dono da mecânica me disse o que viu depois deste crime. Eram homens com aventais de cientistas, e juntos roubaram produtos de gasolina.
Robin: Ei, sera que estes malfeitores são pilotos de corrida?
Comissário Gordon:  Não faço a menor ideia. Foi o homem que me disse.
Batman: Um proposito que fizeram para nos atrair a uma armadilha. Roubando produtos de gasolina como um crime. – Batman começa a pensar de alguma forma, pois antes ele nunca ouviu um crime envolvendo roubos de caixas de gasolina que servem para abastecer nossos carros de dia a dia.
Robin: Quem sera que esta por trás disto, Batman? Os nossos piores inimigos já estão presos ha um bom tempo. Talvez nosso próximo oponente seja um piloto de corridas que tenha desistido de sua carreira vitoriosa e quer apostar uma vida criminosa.
Batman: Pouco possível. – Batman olha para Gordon. – Me passe o local da garagem. Vou consultar os trabalhadores para mais informações.
Comissário Gordon:  Ela fica na avenida Franklin, na altura do numero 490.
Batman: Obrigado.

A Dupla Dinâmica, sempre atenta com qualquer tipo de perigo que surge, entra em ação para mais uma aventura. Talvez uma aventura que ficara para sempre na história. Uma aventura que pode decidir o destino da humanidade!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...