História Be Alright - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Sana, Tzuyu
Tags 2yeon, Dahmo, Michaeng, Satzu
Visualizações 142
Palavras 2.610
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 31 - Trigésimo Primeiro Capítulo


POV. Nayeon

 

As horas pareciam não passar, o que só aumentava meu desespero e ansiedade fazendo-me bater impacientemente o pé no tapete macio do jatinho, que no momento sobrevoava com destino à Seoul.

- Mais que droga Nayeon! Qual a porra do teu problema? – Dei um pulo na poltrona ao ser despertada dos meus pensamentos pelo grito de Chaeyoung, essa que me encarava irritada da poltrona ao lado.

- Não grita sua idiota! – Bati de leve no braço dela, só que é óbvio que ela revidou me dando um forte tapa na cabeça que me fez fazer um bico e cruzar os braços depois de massagear o local. – Agressiva. – Resmunguei escutando as risadas de Mina e Sana que estavam nas poltronas que ficavam de frente para Chaeyoung e eu. – Você ri não é Mina? Mas colocar moral na tua namorada que é bom...

- Desculpe Na, mas na verdade eu agradeço a Chaeyoung por ter feito isso já que sinceramente, você já estava me irritando com essas batidas garota! – Olhei incrédula para aquela bailarina desaforada que nem deu a mínima para mim. – Obrigadinha Mô – Soltou beijos no ar em direção à Chaeyoung que olhava para ela da forma mais encantada possível, e enquanto fazia uma careta para aquela interação me perguntei mentalmente se Jeongyeon e eu éramos tão melosas assim quando estávamos juntas. – Mais então Nayeon, porque está tão nervosa?

- Eu não estou nervosa, estou ansiosa.

- Por quê? – Sana questionou.

- Por que... – Respirei fundo. – Eu falei com a Jeongyeon antes de embarcamos e ela disse que iria estar me esperando no aeroporto, e vocês sabem o quanto estou com saudades da minha branquela. – Sorri de forma triste lembrando que fazia quase três semanas que não nos víamos por conta de um imprevisto em um dos shows que tinha sido remarcado, desorganizando toda nossa agenda causando um atraso na nossa ida para casa. – E eu só não aguento mais ficar nesse jatinho que parece ter decolado há horas, mas na verdade não faz nem cinquenta minutos direto.

- Iih Im, acho que você deveria ir tirar uma soneca porque daqui pra Seoul ainda tem muito chão pra sobrevoar.

- Chaeyoung! – Mina gritou levantando de sua poltrona e parando na frente da sua namorada, que agora estava encolhida ao meu lado pelo grito que recebeu. – Não seja insensível com minha garota, okay? Porque e se fosse com a gente? Vivendo um relacionamento à distância e o mantendo apenas com chamadas de vídeos e mensagens? Com direito a se encontrar pessoalmente poucas vezes em um mês? Em?

- Mais eu só a mandei ir dormir poxa... – Sana e eu prendíamos o riso fortemente, com medo de sobrar para nós, mas essa tarefa estava realmente difícil com aquela baixinha praticamente dando na cara de Chaeyoung, que eu jurava está quase chorando em sua poltrona.

- Senta aqui e te acalma, vamos evitar colocar esse mini avião a baixo, okay? – Sana intervir quando vê que aquela discussão continuaria quando Mina começava ficar com as bochechinhas vermelhas pelo fato de Chaeyoung não ter lhe respondido.

- É Mina, fica calma porque a Chaeyoung por incrível que pareça está certa. – Levantei de minha poltrona confortável indo dar um beijo na testa daquela meio metro mais adorável do mundo e sorrindo para ela. – Obrigado por se colocar na minha situação e me entender. – Ela sorriu toda fofa e eu comecei andar em direção da portinha que ia dar em dois mini quartos que ficavam frente a frente com uma cama de solteiro em cada. – E Sana, por favor, evite que essas duas se matem. – A encarei vendo-a rir e fazer um sinal de positivo.

 

(...)

 

Agora deitada na pequena cama do jatinho eu olhava pra uma das minhas várias fotos com Jeongyeon enquanto tinha um sorriso completamente idiota no rosto.

Eu queria poder está conversando por mensagem com Jeongyeon, mas sabia que em Seoul ainda era 2hrs da manhã e como Jeongyeon iria ter que acordar no máximo as 6hrs para ir me buscar no aeroporto, resolvi continuar apenas olhando nossas fotos que sempre me ajudava quando a saudades da minha capitã apertava.

 

(...)

 

- Nayeon? – Desperto do meu maravilhoso sono com alguém gritando pelo meu nome e batendo insistentemente na porta. – Nayeon, levanta aí droga. – Quando consegui identificar a quem pertencia àquela voz eu bufei e me obriguei levantar, andando até a pequena porta e abrindo-a, dando de cara com uma Chaeyoung que não parecia nada alegre. – Porra Nayeon, pensei que tinha entrado em coma e eu teria que arrombar essa porta.

- Para de ser exagerada e me diz o que você quer logo Son. – Murmurei coçando os olhos.

- Ai eu venho fazer um favor e sou recebida assim, que ótimo em! – Cruzei os braços esperando ela parar com o drama. – O co-piloto me acordou para avisar que temos que nos sentar nas poltronas e apertarmos os cintos, porque em vinte minutos vamos pousar.

- Tudo bem.– Voltei para o quarto só para começar pegar meus pertences que estavam pela cama. – Cadê as meninas?

- Ainda estão dormindo no outro quarto, o que me lembra de... – Enquanto me abaixei levemente para pegar meu celular na cama, sinto um tapa forte na lateral da minha cabeça.

- Mais o qu... Chaeyoung! – Olhei indignada pra vadia da minha que olhava séria. – Porque fez isso?

- Porque você me fez dormir em uma poltrona que acabou com minhas costas.

- Bebeu garota? Eu não te obriguei a dormir na poltrona. – Respondi óbvia alisando minha cabeça.

- Não obrigou como também não abriu a droga da porta pra Sana dormir contigo, o que fez com que Mina me mandasse pra poltrona e fosse dormir no quarto com a Sana. – Ela bufou.

- Aah, está toda nervosinha assim porque foi trocada. – Respondi risonha passando por ela e começando bater na porta do quarto à frente. – Acordem garotas. – Chamei e depois fui até o banheiro que tinha entre os quartos que só tinha uma pia e um sanitário quase no “chão” que mais parecia para crianças.

- Trocada é um tapa na sua cara okay? – Ela me empurrou para que pudesse fazer sua higiene matinal também e quando saímos do banheiro encontramos Mina e Sana conversando animadamente nas poltronas.

- Bom dia! – Mina pulou da poltrona direto para os braços de Chaeyoung.

- Pra quem? – Chae disse mau humorada fazendo Sana e eu rirmos.

- Credo que mau humor Son, dormiu a noite não? – Sentei ao lado de Sana e vi a bailarina descer do colo da namorada que estava com uma cara indignada.

- Não! – Respondeu e dessa vez quem riu foi Mina. – Isso, ri da minha desgraça Mina, porque enquanto vocês três dormiam confortavelmente eu dormia largada na poltrona. – Fez um bico que pareceu derreter a Mina, que passou os braços pelo pescoço de Chaeyoung e beijou a mesma demoradamente.

- Dá pra vocês pararem? Está batendo uma inveja aqui. – É óbvio que não me deram ouvidos, continuando com o beijo por alguns minutos, o que fez Sana e eu revirarmos os olhos e começarmos conversar sobre uma possível festa que alguma de nossas famílias deveria está organizando para comemorar nossa chegada.

Quando o casalzinho resolveu se soltar, Mina e Sana foram ao banheiro fazer a higiene matinal enquanto Chaeyoung e eu continuamos devidamente sentadas nas poltronas com os cintos de segurança, e não demorou em as outras meninas chegarem e fazerem o mesmo.

- Animada Na? – Sana que estava ao meu lado perguntou enquanto apertava minha mão e me lançava um meio sorriso.

- Muito Sana, muito mesmo. – Sorri pedindo aos Deuses para que Jeongyeon tivesse conseguido vir me buscar no aeroporto e que sua chegada não tivesse causado muito tumulto.

 

(...)

 

Eu poderia beijar o chão daquela pista de pouso naquele momento apenas por finalmente está em casa, mas como ainda tenho um pouco de bom senso descartei rapidamente essa idéia imaginando o mico.

- Meninas, finalmente! – Pude escutar a voz alta e grossa de Walessy do começo da escadaria que daria no aeroporto. Ele abre os braços e imediatamente as meninas e eu corremos de modo desajeitado até ele que nos apertou em um longo abraço grupal.

- Só acho que você deveria vir com a gente nas viagens de jato Walessy. – Apenas murmurei já que ainda estava sendo aperta por Wale e pelas meninas.

- Super concordo com a Na, você deveria nos acompanhar em todas as viagens, grandão. – Sana fala depois que Walessy nos liberou do abraço.

- Vocês deveriam falar com o pai de certa baixinha para aumentar o tamanho do jato e do ônibus sabe... – Falou como quem não quer nada enquanto me encarava de lado, para logo em seguida rir junto com as meninas enquanto eu fazia minha melhor cara de indignada.

- Ei, meu pai não é nenhum bilionário, okay?

- Pode não ser bilionário, mas uns milhõezinhos ele deve ter Na. - Iria rebater, mas preferi ficar calada, coisa que causou risos nas meninas e no nosso segurança.

Depois da sessão de risos desnecessária começamos subir as escadas para logo alcançarmos um corredor transparente que dava vista para toda pista de pouso.

- Wale? – O gigante que ia mais um pouco a frente com nossas poucas malas de mãos me olhou e acenou. – A Jeongyeon veio? - Ele parou de andar e me olhou com uma cara de “Sério isso?”

- É claro que ela veio. – Suspirei e uma vontade de dar pulinhos bateu, mas consegui me controlar. – Acho até que ela madrugou aqui já que quando meu vôo chegou fui informado que ela já estava na sala de espera reservada à sua espera.

Não esperei mais nada, apenas apressei os passos deixando Walessy e as garotas para trás e segui para a sala que por sorte eu sabia onde ficava já que era onde a minha família e a das meninas ficavam quando vinham nos buscar.

Passei por um corredor estreito e discreto até que finalmente avistei a porta que daria na sala. Quando parei em frente da mesma resolvi não bater, começando abrir lentamente para quando totalmente aberta encontrar meu pedaço de mau caminho particular andando de um lado para o outro no meio da sala enquanto roia o restante de unha que tinha.

- Eu sei que você não gosta de unhas grandes, mas assim também é exagero Jeongyeon. – Ela que antes parecia querer cavar um buraco com os pés estancou no lugar e foi virando a cabeça lentamente até que seus olhos incrivelmente verdes estivessem fixos nos meus castanhos.

- Bunny! – Após minutos Jeongyeon pareceu finalmente sair de um transe, gritando o meu apelido de total exclusividade dela e começando correr na minha direção, até que pudesse me apertar em seus braços que era o lugar onde eu deveria e queria ficar para sempre.

- Que saudades meu amor. – Murmurei contra seu pescoço, que era onde eu tinha enfiado meu rosto.

- Você não pode ficar tanto tempo distante de mim, isso é tortura! – Tive de concordar com ela porque de fato era uma terrível tortura toda essa distância. – Eu senti tanta sua falta – Ela afastou levemente nossos corpos para que pudesse me olhar nos olhos novamente. – Senti falta de te tocar, de olhar nesses seus olhos que sem dúvidas são os mais lindos do mundo todo e claro... Senti uma terrível saudade disso. – Nem me deu tempo de questionar e já juntou nossos lábios em um selinho que eu fiz questão de transformar em um beijo porque afinal, foram semanas sem beijar aqueles lábios maravilhosos que minha namorada tinha, e se eu já pretendia beijá-la todo o tempo possível para compensar as semanas distantes mesmo, porque não começar agora?

Eu já arranhava levemente a nuca de Jeongyeon enquanto a mesma apertava minha cintura. O ar começava se fazer necessário , só que nenhuma de nós queríamos quebrar aquele maravilhoso beijo, até que meu celular começou a vibrar no bolso de trás da minha calça.

- Calma... Am-mor. – Falei contra seus lábios tentando regular minha respiração.

- O q-que fo-oi? – Ri da carinha fofa que ela fez dando um selinho em seus lábios.

- Meu... Celular. – Tirei uma de minhas mãos que estavam na sua nuca e levei até o bolso da minha calça, pegando o celular e o atendendo sem nem ver quem era já que estava mais preocupada em dar atenção aos lábios de Jeongyeon que tinham voltado para os meus.

- Alô? Na? – A voz da Mina soou do outro lado da linha e a única coisa que eu pude fazer foi um som qualquer para ela continuar. – Então, liguei pra avisar que já estamos a caminho de casa, já que não queria interromper seu reencontro com a Yoo.

- Foram... Sem mim? – Consegui sussurrar quando Jeongyeon passou seus beijos para meu pescoço.

- Bom, nós íamos te esperar na van, mas vimos a Ferrari nem um pouco discreta da Jeongyeon no estacionamento e deduzimos que ela levará você até minha casa, que é onde será nossa festa de boas vindas.

- Hm... Okay Mina. – Continuei falando baixo apertando a nuca de Jeongyeon e soltando um suspiro alto ao levar um leve chupão.

- É... Então, será que da pra vocês duas pararem de se comer na sala de um aeroporto e virem para minha casa? – Abri os olhos rapidamente e de algum modo consegui empurrar Jeongyeon para longe de mim ao lembrar que realmente ainda estávamos no aeroporto.

- O meu Deus! – Coloquei a mão sobre a boca enquanto escutava a risada discreta de Mina e via Jeongyeon sentar em uma das várias cadeiras ali tentando tampar sua ereção com uma mão, passando a outra pela testa. Limpei a garganta. – Já estamos indo Mina.

- Tudo bem, mas cuidado Nayeon, tem muitos fotógrafos e fãs no saguão. Chamem os seguranças do aeroporto para acompanhar vocês.

- Pode deixar baixinha e obrigada por avisar.

Encerrei a chamada e continuei com o telefone na mão, voltando meu olhar para Jeongyeon que me encarava fixamente. Continuamos nessa troca de olhares por uns três minutos até que sorrimos uma para outra.

- Hora de ir. – Ela concordou levantando e pegando um aba reta e um óculos escuro que estava na cadeira ao lado da que ela estava sentada, começando ajustar o boné na cabeça e o óculos no rosto.

- Hora de ir! – Ela repetiu estendendo a mão para que pudéssemos entrelaçar nossos dedos.

 

(...)

 

- Caramba, isso foi uma loucura! – Falei com os olhos arregalados quando finalmente chegamos à Ferrari.

- Loucura é pouco para o que aconteceu lá dentro amor. – Jeongyeon respirou fundo me fazendo rir.

Nossa saída do aeroporto não tinha sido nada fácil, já que como Mina disse tinha mesmo bastantes fãs e fotógrafos, o que fez todo aeroporto parar. Os seguranças tiveram bastante trabalho em nos escoltar até o carro de Jeongyeon, já que além dos fotógrafos insistentes tinha também os fãs querendo tirar fotos ou ganhar autógrafo, e eu realmente fiquei triste por não poder ter parado para dar um pouco de atenção aos fãs que deviam está ali por horas, mas infelizmente não pude parar para falar com nenhum já que os seguranças estavam bem irritados e querendo nos despachar o mais rápido possível.

- Sabe onde a Mina mora Jeong?

- Hm, não por quê? – Jeongyeon perguntou ligando o carro e franzindo o cenho para minha pergunta.

- Temos que ir para lá, os pais dela estão organizando a festa de boas vindas e todos estão lá.

- Interessante, mas não vamos pra casa dela. – Disse naturalmente começando dirigir pelas ruas movimentadas de Seoul.

- E pra onde vamos senhorita Yoo?

- Minha casa.


Notas Finais


BOA NOTI

Alguém lembra da minha existência? ~pensando~
QUE COMEBACK FOI ESSE. ME RECUPERANDO AINDA
VOTEM NO MAMA, ASS LIKEY E AMEM TWICE

HJ AINDA IREI POSTAR UMA FIC NOVA DE SATZU E COM OUTRA FIC 2YEON

Como estamos?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...