História Be mine - Jimin - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), UNIQ
Personagens Jimin, Kim Sun Joo, Personagens Originais
Tags Bts, Jimin, Sungjoo, Uniq
Exibições 369
Palavras 3.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amores, aqui está mais um capítulo.

Simples? - Sim
Confuso? - Sim
Nossa Ji bêbada novamente? - SIM.

Aproveitem o capítulo e boa leitura! ❤

Capítulo 14 - Seus olhos são a sua verdadeira beleza.


Fanfic / Fanfiction Be mine - Jimin - Capítulo 14 - Seus olhos são a sua verdadeira beleza.

Parada na pista de dança enquanto todos ao seu redor enlouqueciam com a música viciante, Jiyun continuava refletindo em relação ao desejo de beijar o seu companheiro de casa, ela deu inúmeras batidinhas em seu rosto na tentativa frustrada de “acordar” desse momento de completa falta de lucidez.  Ela olhou ao seu redor e em seguida suspirou, sua mente não sabia o que fazer, mas seu corpo sabia exatamente o que queria, tanto que sem que ela se desse conta já estava em frente ao banheiro esperando-o.

Encostada na parede e de olhos fechados, ela dava longos suspiros tentando se controlar e organizando os sentimentos estranhos que dominavam o seu corpo.

 

- Aconteceu alguma coisa? – a voz de Jimin soou preocupada, ao abrir os olhos Jiyun viu o rapaz perto demais – Você está pálida e suando, será que foi por não comer nada? O que você quer comer?

- Não. – ela respondeu interrompendo, mal sabia ele que a palidez e o suor eram fatores do nervosismo – Eu preciso falar uma coisa...

- O que foi? – ele questionou imediatamente, seus olhos estavam intensos demais para Jiyun, por mais que seus lábios desejassem beija-lo, seu cérebro lhe alertava dos problemas que isso lhe causaria, eles moravam juntos e isso causaria consequência entre eles.

- Desculpe, mas podemos ir? – as palavras dela causaram uma leve surpresa no rosto de Jimin – Eu estou cansada e com fome, além disso, tenho aula amanhã cedo.

- É claro! – ele concordou e colocou um leve sorriso em seus lábios – Saímos para jantar e nem jantamos, vamos comer algo delicioso aqui perto, tem um restaurante...

- Não, apenas vamos voltar. – Ela falou ao interrompe-lo.

- Certeza? – ele questionou esperançoso e ela concordou silenciosamente com a cabeça. Levemente desconfiado, Jimin resolveu arriscar: - Podemos comer depois, não é?

- Hum... – ela balbuciou e forçou um sorriso, isso alarmou Jimin – Vamos?

 

Desde o momento em que pegaram suas coisas até Jiyun entrar e dormir no ônibus segundos após sentar-se, eles não haviam trocado sequer dez palavras e quando a garota respondia era usando palavras monossilábicas. Isso deixou Jimin em alerta, quando eles estavam juntos estavam felizes e se divertindo, algo lhe dizia que algo havia acontecido nos poucos minutos que Jimin havia deixado-a sozinha.

Quando desceram do ônibus o silencio permaneceu, Jiyun andava alguns centímetros à frente do rapaz que sentia-se completamente confuso com aquela situação.

 

- Aconteceu alguma coisa? – Jimin questionou após alcança-la.

- Não. – ela respondeu e olhou para o rapaz que estava nitidamente confuso – Só estou cansada.

- Tem certeza? – ele insistiu e em seguida segurou o braço dela, surpresa Jiyun se soltou imediatamente e deu alguns passos para trás, surpreso Jimin questionou: - O que foi isso?

- Desculpe, só estou cansada. – ela sorriu tentando acobertar a mentira e em seguida continuou andando.

 

Jiyun estava nervosa e incomodada com a presença de Jimin, surpreendentemente o seu corpo reagia de forma estranha apenas com a presença do rapaz ao seu lado, ela não conseguia entender o real motivo daquela reação e nem como havia surgido, mas algo lhe dizia para colocar suas ideias e possíveis sentimentos na “mesa” com sigo mesma antes de tomar qualquer atitude. Pensando nisso, a garota resolveu fingir dormir enquanto estava no ônibus, pensou que iria poder refletir e entender como aquele sentimento infantil havia surgido, mas os esbarrões que seu braço dava com o de Jimin durante a viagem só fizeram sua mente ficar em branco.

Ao chegarem a casa, Jiyun como um foguete foi até seu quarto e se trancou nele, confuso Jimin foi até a porta e deu leves batidinhas na porta e os olhos e nariz de Jiyun apareceram em meio a fresta da porta.

 

- Você não vai comer? – as palavras de Jimin acabaram soando levemente irritadas

- Perdi a fome. – ela respondeu rápido

- Então podemos sentar e conversar um pouco na sala. – ele apontou usando o dedo polegar, seus olhos estavam mirando unicamente para os dela naquela fresta.

- Eu estou com sono. – após ouvi-la Jimin ouviu um bocejo. – Boa noite.

 

Em uma semana aquela foi a maior conversa que tiveram, depois desse dia Jiyun fugia dele como uma foragida sempre que seus horários batiam, ela se trancava no quarto ou saia de casa inventando e se explicando, sempre usando uma desculpa esfarrapada para convencer Jimin que obviamente não acreditava nela, mas respeitava seu espaço.

Durante a semana a garota tentou encontrar o momento em que havia começado a se sentir atraída por Jimin, mas nada naquela noite lhe remetia ao sentimento, parecia que ela já estava atraída e a noite maravilhosa que tiveram foi apenas  o estopim necessário para aquele sentimento reaparecer.

Era um sábado e já se passava das nove da noite quando Jiyun resolveu beber um pouco em uma barraquinha que ficava perto do ponto de ônibus, ali vendia o melhor pé de galinha da região e o melhor tteokbokki do país. Ela resolveu que deveria parar de tentar entender, pelo menos por uma noite, o que havia acontecido na “noite do Chris Brown”.

 

- Tia, uma garrafa de Soju e um tteokbokki por favor. – ela pediu assim que sentou-se na mesa.

 

Uma garrafa havia se transformado em quatro, um tteokbokki se transformou em dois e um prato de pé de galinha pela metade agora tomava conta da mesa junto com os pratos sujos e as garrafas vazias. Por mais que bebesse, ela ainda continuava pensando em Jimin como uma adolescente após o primeiro beijo.

 

- O que você faz aqui sozinha? – a voz ecoou e desesperada, pensando que estava ouvindo vozes novamente, Jiyun começou a usar as duas mãos para bater nos ouvidos tentando se livrar das alucinações, mas logo alguém lhe segurou – O que está fazendo?

- Você veio me assombrar novamente? – ela balbuciou referindo-se as alucinações

- Você já está bêbada? – Jimin revirou os olhos e em seguida sorriu – Você não deveria beber sozinha, na próxima vez me chame que venho com você.

- Não percebeu que eu não quero ficar ao seu lado? – ela resmungou quando viu o rapaz sentando na sua frente – Eu passei a semana inteira fugindo, não quero você aqui.

- Tia, um copo, por favor. – ele pediu ignorando Jiyun, quando a senhora lhe trouxe o copo, ele mesmo se serviu e após beber todo liquido em um único gole questionou: - O que aconteceu na festa? Alguém lhe machucou quando eu fui ao banheiro?

- Lembra quando estávamos o lixo? – ela questionou e ele concordou com a cabeça – Quando eu disse “eu te amo”, era mentira, eu realmente não amo você. EU. NÃO. AMO. VOCÊ. 

- Eu sei disso. – ele retrucou sincero e sorriu

- Você sabe? – ela insistiu e ele concordou – Eu estava brincando, tentei usar o método de um dorama, mas doramas são mentiras. Não acredite nas baboseiras que você vê na televisão, a vida não é um mangá e um personagem não vai virar uma pessoa de verdade...

- O que isso tem haver com a festa? – ele questionou ao interromper.

- Só estou esclarecendo. – ela resmungou e em seguida bocejou. Logo Jiyun apoiou os cotovelos na mesa e colocou o queixo entre as mãos, ela olhava descaradamente para Jimin que resolveu encara-la também – Eu não queria mais ficar ao seu lado.

- Como? – ele estava confuso

- Você é bonito demais, sabia? – ela questionou e começou a rir, nesse momento Jimin percebeu que a Jiyun bêbada havia voltado – Os seus olhos é o que você tem de mais bonito, esses músculos só são complementos fúteis, seus olhos são a sua verdadeira beleza. Você sabia que é cobiçado pelas senhoras da rua?

- Você me disse isso uma vez. – ele balbuciou sorrindo e viu o rosto surpreso dela – Não se lembra? Isso não está na sua memória de bêbada?

- Eu realmente não me lembro. – ela admitiu e em seguida riu – Memória de bêbada?

- Você não tem ideia de como eu desejo que você recupere a sua memória de bêbada. – ele brincou e ela permaneceu sorrindo, após alguns segundo se olhando Jimin continuou: - Você não me disse o que aconteceu naquela noite.

- Eu respondi. – ela disse rapidamente e em seguida bebeu um pouco de Soju – Eu não queria ficar ao seu lado.

- Como assim? – ele insistiu e nesse momento o rapaz percebeu que ela estava tímida

 

Jiyun ignorou, ela apenas ficou comendo e bebendo enquanto sentia um olhar intenso lhe encarando enquanto esperava uma resposta, ela suspirou, havia passado uma semana e ela não tinha certeza do que havia acontecido, então como poderia explica-lo?

 

- Você tem algum talento? – ela questionou mudando de assunto, a pergunta nostálgica fez Jimin sorrir

- Talento? Acho que não tenho. – ele respondeu observando um leve sorriso formando nos lábios dela

- Sente-se ao meu lado. – ela deu leves batidinhas no banco e enquanto Jimin se levantava e sentava ao seu lado ela continuou: - Eu tenho um talento, vamos apostar... Quem piscar o olho primeiro, paga a conta.

- Mas quem bebeu e comeu isso tudo foi você. – ele provocou enquanto sentia o seu coração disparar

- Vamos... – ela fez charme enquanto batia no ombro dele, Jimin agora estava sentado ao seu lado e com um sorriso bobo nos lábios. – Não seja chato.

- Tudo bem, vamos apostar. – ele viu um sorriso enorme formando nos lábios dela – Eu não vou deixar você ganhar.

 

Eles ficaram frente a frente, Jiyun inclinou o corpo para encara-lo melhor e Jimin fez o mesmo, seus narizes quase poderiam se tocar se um deles bambeasse um pouco para frente. A garota sorriu e com os dedos começou a contar até três e em seguida fez um sinal avisando que o jogo havia começado.

Jimin sabia que ela iria usar algum truque sujo como da outra vez e logo os dedos finos e delicados dela lhe davam leves batidinhas na testa, ele apenas sorriu e em resposta assoprou no nariz dela, o mesmo método que ele havia usado anteriormente, mas dessa vez ela não piscou.

 

- Por algum motivo, eu senti que deveria lhe beijar. – as palavras de Jiyun pegaram Jimin desprevenido – Eu passei a semana tentando entender como aquele sentimento estranho surgiu em mim, mas eu não consegui entender, parecia que o sentimento já estava ali e passar a noite me divertindo com você foi o que fez a faísca virar um fogo incontrolável. Eu sóbria sou imatura e medrosa, a única coisa que veio na minha cabeça é que beija-lo só iria piorar a nossa convivência e eu não quero mais que você vá embora daquela casa.

- Mesmo se você tentar me chutar, eu não irei embora. – Jimin sorriu e com as pontas dos dedos, delicadamente começou a percorrer os lábios dela – Tem um provérbio chinês que diz: “Uma faísca pode começar o fogo que queima uma campina inteira.”.

- O que isso quer dizer? –ela balbuciou e ele sorriu

- Não subestime a força destrutiva potencial que um aparente problema menor possa espalhar. – ele falou literalmente e em seguida continuou – Mas no nosso caso significa: Não subestime a força destrutiva que essa faísca pode se espalhar dentro de você como...

 

Jimin parou de falar quando sentiu o dedo indicador dela tocando seus lábios, seus olhos confusos encaram os dela que parecia tranquilos e levemente cansados, a garota apenas sorriu e inclinou-se enquanto seus lábios formavam um leve bico e logo fechou os olhos. O rapaz sentiu seu coração disparar ao sentir que ela delicadamente beijava sua testa.

Logo as mãos de Jiyun se moveram delicadamente para os ombros de Jimin enquanto a garota descia seus lábios para a pálpebra direta do rapaz, ele ficou sem palavras com as ações da garota e sua única reação foi colocar as mãos delicadamente na cintura dela, Jiyun apenas sorriu e abriu os olhos para encara-lo.

 

- Eu acho... – ela balbuciou sorrindo – Eu acho que vou vomitar.

- Você acaba com qualquer romantismo. – ele balbuciou tentando conter a risada. - Vamos para casa.

 

-

 

- Aqui, deite no sofá. – Jimin balbuciou enquanto tentava coloca-la delicadamente no sofá, mas a garota acabou caindo como uma bomba. – Ainda está enjoada?

- Não sei... – ela balbuciou após bocejar

- Eu vou buscar um balde. – ele balbuciou, mas ela o impediu com as pernas – O que foi?

- Não vá. – ela pediu enquanto se ajeitava no sofá – Deite-se aqui.

 

Jimin ficou sem reação por alguns segundos, mas logo sorriu e deitou no sofá ao lado dela, mas para a surpresa dele Jiyun começou a se aninhar no seu corpo e em poucos segundos a cabeça dela estava sobre o seu peito e suas pernas acabaram unindo-se, ela estava encantadora encolhida em seus braços. Impulsivamente as pontas do dedo dele começaram a acariciar os cabelos dela de forma suave, mas o suficiente para fazer a garota se arrepiar.

 

- Se coração parece que vai sair do corpo. – Jiyun balbuciou e Jimin riu – Você está interessado em mim?

- O que você acha? – ele rebateu e ela sorriu

- Você deve ser um grande idiota, como pode se interessar por alguém que te envenenou?

- É uma pena que você não vai se lembrar de nada amanhã. – Jimin balbuciou, mal sabia ele que Jiyun iria se lembrar de tudo isso no dia seguinte.

 

No dia seguinte

 

Dor de cabeça e dor de barriga, quando Jiyun abriu os olhos se lembrou de tudo da noite anterior e um leve desespero tomou conta de todo o seu corpo, rapidamente ela olhou para o relógio e viu que já passava das 8 da manha.

 

- Meu Deus. – ela sussurrou ao sentar-se a cama – O que foi que eu fiz?

 

Ela estava perplexa olhando para um ponto qualquer do quarto, sua boca entreaberta demonstrava o quão ela estava chocada com tudo que havia dito e feito na noite anterior. Seu rosto começou a corar com as lembranças, principalmente com o fato dela ter admitido um interesse pelo rapaz e ele ter feito o mesmo com relação a ela.

Havia um interesse mutuo ali e agora ambas as partes sabiam disso, Jiyun estava querendo se apegar as ultimas palavras que ela ouviu de Jimin antes de cair no sono “É uma pena que você não vai se lembrar de nada amanhã”, ela estava pensando seriamente em fingir que nada havia acontecido.

 

- É isso! – ela levantou da cama rapidamente, eu vou fingir que nada disso aconteceu.

 

- x -

 

Escritório de advocacia.

 

 

Sungjoo estava concentrado revisando alguns documentos urgentes, o escritório estava quase vazio já que era domingo, mas havia alguém que batia de forma animada na porta do escritório e após ouvir um”pode entrar” um grande vulto florido surgiu em frente a mesa do rapaz, ao levantar a vista ele se deparou com uma SeulPeun sorridente.

 

- A senhorita deseja algo? – ele balbuciou e logo voltou a olhar os documentos

- Eu desejo você! – ela disse imediatamente e tirou os documentos da mão do rapaz, assim forçando-o a olha-la.

- Desculpe, mas eu estou ocupado. – ele suspirou e puxou os documentos de volta – A senhorita pode se retirar, por favor.

- Você pode olhar para mim? – ela resmungou e o rapaz atendeu o seu pedido – Obrigada.

- O que a senhorita deseja? – ele questionou deixando os documentos de lado e apenas olhando para ela, a garota sorriu e se apoiou na mesa.

- Vamos sair, está um domingo lindo. – seus olhos brilhavam – Tem um parque muito bonito...

- Não, obrigado. – ele respondeu serio e em seguida pegou mais documentos da gaveta – Está vendo isso? Tenho que trabalhar neles.

- Você pode fazer isso depois. – ela fez charme e Sungjoo suspirou cansado

- Senhorita SeulPeun... – ele balbuciou e em seguida forçou um sorriso – Mesmo desocupado, eu não sairia com você.

 

Ela o fuzilou com o olhar e se afastou da mesa, por mais que amasse o desafio que Sungjoo lhe dava, muitas vezes ele a estressava e lhe chateava, ela não conseguia entender como alguém poderia ignora-la daquela forma e isso só lhe dava mais vontade de conquista-lo e quando o rapaz tivesse de quatro por ela, iria destruir o coração dele sem nenhum tipo de piedade.

 

- Você ganhou por hoje... – ela balbuciou escondendo a raiva, ela ia em direção a Sungjoo – Mas eu sinto que ainda vamos sair juntos, você vai ver.

- Eu não tenho certeza disso. – ele disse áspero e em seguida fitou a garota que estava ao seu lado – Desculpe-me senhorita, mas eu não sou um brinquedo que você vai jogar fora quando cansar.

- Você não acredita na possibilidade que meu coração bata rápido demais por você? – ela provocou aproximando o rosto do dele.

- É uma pena, já que o meu vira um iceberg ao seu lado. – ele rebateu e ela deu um leve sorriso, adorava ser desafiada por Sungjoo

- Graças ao homem existe aquecimento global. – ela piscou enquanto sorria ao morder o lábio inferior – Tenha um bom domingo trancado nesse escritório.

 

- x -

 

Jiyun estava decidida que iria fingir que não se lembrava de absolutamente nada da noite anterior, saiu do quarto confiante e com um leve sorriso nos lábios até que se deparou com Jimin no meio da sala e no exato momento que viu o rapaz seu corpo inteiro travou e um sorriso nitidamente forçado surgiu em seu rosto. Mentalmente ela se criticou, aquilo deveria parecer um sorriso natural e não robótico.

 

- Bom dia. – ele estava sorrindo de forma estonteante e ia em sua direção – Dormiu bem?

- Bom dia, eu dormi... – ela não continuou a frase, Jimin selou seus lábios rapidamente e seu cérebro parou de funcionar, ela não conseguia juntar as palavras, mas o beijo de Jimin foi o suficiente para que ela se lembrasse de algo que havia se esquecido da noite anterior.

 

Na noite anterior enquanto Jimin lhe colocava na cama, Jiyun havia confessado para o rapaz que iria lembrar de tudo no dia seguinte já que não havia bebido com raiva, mas que iria fingir que nada havia acontecido. Jimin apenas riu da revelação e havia prometido que dessa vez não iria deixa-la fugir novamente.


Notas Finais


Gostou do capítulo de hoje? Não se esqueça de comentar e favoritar.
Beijos de luz! ~ ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...