História Be mine - Jimin - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), UNIQ
Personagens Jimin, Kim Sun Joo, Personagens Originais
Tags Bts, Jimin, Sungjoo, Uniq
Exibições 252
Palavras 2.544
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Aproveitem o capítulo e boa leitura! ❤

Capítulo 18 - Nunca desista do que você ama.


Fanfic / Fanfiction Be mine - Jimin - Capítulo 18 - Nunca desista do que você ama.

O jantar romântico não havia dado muito certo, Jiyun havia chegado tarde e o responsável pelo jantar acabou sendo Jimin que salgou demais a comida, mesmo assim eles não tiveram muito tempo de comer e conversar, já que o rapaz tinha que trabalhar. Jiyun ficou cuidando de Haneul que estava descontrolado naquela noite, se ele ficasse dentro da cerca fazia um barulho insuportável e se ficasse solto corria pela casa inteira.

No fim ela ficou acordada vigiando o porquinho até quase duas da manhã, que foi o horário que Jimin chegou e para remediar o péssimo jantar, o rapaz sugeriu que eles assistissem a um filme até caírem no sono.

Quando já passava das três da manhã, Jiyun estava dormido no sofá com a boca entreaberta, um lençol azulado cobria apenas de seus joelhos para baixo e um pote de sorvete derretido em cima da sua barriga; Já Jimin estava deitado no chão, ao lado do sofá e a sua mão segurava o dedo mindinho da garota, junto ao rapaz estava o pequeno Haneul tentando subir em sua cabeça.

 

- Haneul, para. – Jimin resmungou embriagado de sono, mas o porco permaneceu tentando subir em sua cabeça – Haneul, você vai se machucar.

 

O porco ignorou e continuou tentando subir em Jimin, incomodado o rapaz acordou e enquanto dava um longo bocejo ao sentar-se, seus olhos se direcionaram para o animalzinho que entendeu perfeitamente o recado do dono, Haneul saiu cambaleando até a sua casinha. Achando graça naquela situação Jimin acabou rindo um pouco alto.

 

- Shiii. – Jiyun resmungou chamando a atenção de Jimin e no momento que a garota ia se virar para o lado, o rapaz foi rápido o suficiente para pegar o pote de sorvete.

 

O rapaz deixou o pote de sorvete próximo ao sofá e silenciosamente levantou-se, olhou para Haneul que permanecia no cercadinho e em seguida olhou para Jiyun que dormia tranquilamente, o rapaz se curvou e em seguida começou a balança-la no intuito que ela acordasse.

 

- Jiyun? – ele soou amável e ela resmungou algo que o rapaz não entendeu – Vá para o quarto, você precisa dormir bem.

- Não. – ela resmungou

- Venha, vamos. – com cuidado, Jimin colocou a mão nas costas dela e fez com que ela sentasse.

- Eu estou com sono. – resmungou de forma infantil

- Eu vou lhe carregar até o quarto, não se... – antes que o rapaz terminasse a frase, os braços dela já estavam em seu pescoço.

 

Jimin sorriu, ele adorava essa confiança que ela demonstrava por ele em momentos aleatórios, quando a garota não estava na defensiva era carinhosa, manhosa, doce, divertida e verdadeira; Quando estava na defensiva era forte, forte o suficiente para fazer uma maça virar uma arma mortal, além de ser extremamente inteligente e defensora dos seus ideais. Ele adorava esses encantos.

O rapaz colocou a garota sobre a cama e em seguida a cobriu, enquanto bocejava Jimin se inclinou para tirar os cabelos de Jiyun que caiam sobre o seu rosto, em seguida deu um leve beijo em sua testa e sussurrou ‘boa noite’.

Saindo do quarto enquanto se espreguiçava o rapaz quase chorou de desgosto ao ver Haneul dentro do pode de sorvete, o porquinho estava completamente melecado. Perplexo com a situação, Jimin ficou alguns segundos sem mover um único músculo.

 

- Eu não acredito nisso. – ele sussurrou após voltar a si – Você é pequeno, mas isso é ridículo... Justo no pode de sorvete?

 

Ele questionou enquanto segurava o riso, Haneul quando viu o rapaz se aproximando tentou sair do pote, mas seus esforços foram atoa, nesse momento Jimin percebeu o quão inteligente aquela criaturinha era.

 

-

05:08 AM

 

O celular de Jiyun começou a tocar, ela iria ignora-lo, mas desistiu após ver quem estava lhe ligando. Sungjoo nunca havia lhe ligado naquela hora e ele apenas ligaria em um horário daqueles se fosse alguma coisa importante e que não pudesse deixar para outra hora.

 

- Hm, sou eu. – ela disse sonolenta

- Jiyun, eu estou na frente do prédio. – ele disse nervoso – Você tem cinco minutos para descer, precisamos ir para o hospital agora, o presidente teve um infarto.

- Meu pai? – imediatamente a garota sentou-se na cama e seus olhos duplicaram de tamanho – Oppa, isso é verdade?

- Yunnie, eu nunca brincaria com algo assim. – o tom do rapaz era serio e a garota sentiu um frio na espinha

- Deixe o carro ligado, eu já estou indo.

 

Assim que desligou o telefone a garota deu um pulo da cama, pegou o primeiro casaco que viu pendurado e em seguida a bolsa que estava no chão próximo à cama, pegou algo para amarrar o cabelo e saiu do quarto sem perceber que Jimin e Haneul dormiam no sofá.

A garota desceu as escadas como se o prédio estivesse em chamas, tropeçou varias vezes e quase caiu também, mas ela não se importava com isso, a única coisa que ela pensava é que não poderia perder o pai também.

Independentemente dos erros que ele havia cometido Jiyun o amava, era o seu pai, ela não queria perde-lo principalmente agora que eles estavam brigados.

 

- Vamos. – ela disse assim que entrou no carro de Sungjoo – Você sabe como ele está?

- Eu não recebi noticias dele. – Sungjoo respondeu enquanto saia com o carro – A única coisa que eu sei é que os acionistas do hotel já estão sabendo do que aconteceu com o seu pai e eles querem uma atitude das herdeiras, eles querem que você ou SeulPeun assumam a empresa imediatamente e que nomeiem alguém para substituir o presidente.

- Que absurdo é esse? – ela gritou irritada – Como eles estão preocupados com a empresa enquanto meu pai teve um infarto.

- Eles não se importam com o que acontece com o presidente, apenas querem que nada interfira o seu investimento. – Sungjoo explicou enquanto dirigia atento – Infelizmente vocês vão ter que resolver isso antes das 10 da manhã.

- Seul, ela já sabe sobre isso? – Jiyun questionou e Sungjoo concordou silenciosamente – O que ela disse? O que ela vai fazer?

- Você é a herdeira legitima Jiyun, você é a maior acionista com a ausência do seu pai. – Sungjoo explicou – Você é a principal herdeira, SeulPeun não pode fazer algo sem o seu consentimento e tecnicamente você é quem deve substituir o seu pai.

- Mas eu não entendo nada disso. – ela retrucou

- Você e SeulPeun não sabem como dirigir o hotel e nem o escritório, por isso que eles querem que vocês assumam por enquanto e que nomeiem alguém para o cargo do seu pai. – ele explicou enquanto Jiyun olhava perdida – Eu sei que em momentos como esse a saúde do seu pai é o mais importante, mas para essas pessoas o hotel está em primeiro lugar.

- Eu sei... – ela balbuciou

- Sinto muito estar lhe enchendo de informações dessa forma, mas isso é necessário para o que você vai enfrentar até a melhora do presidente.

- Que eu vou enfrentar?! – ela repetiu – E se SeulPeun assumir?

- Sinceramente... – ele soou pensativo – Entre vocês, ela é a que mais conhece o hotel e o presidente já implementou ideias da SeulPeun no hotel, ideias que ela deu apenas por diversão, o presidente apenas precisou aprimorar...

- Ela é a melhor opção, não é?

- Aparentemente. – ele concordou – Mas aquela garota é impulsiva demais, você sabe o que eu quero dizer.

- SeulPeun é uma vadia louca, mas sabe o que é responsabilidade, ela pode ser uma rocha.

 

-

 

07: 34

 

Jiyun estava sentada enquanto observava o pai que dormia tranquilamente, ao seu lado estava SeulPeun encostada na parede e com os braços cruzados, Sungjoo estava em alguma parte do hospital com a madrasta da garota tentando evitar que o infarto virasse um assunto publico.

 

- O que você vai fazer? – o questionamento de SeulPeun fez com que Jiyun suspirasse frustrada – Você ouviu o medico, ele precisa de repouso absoluto e alguns meses longe do estresse das empresas.

- Eu não posso assumir isso. – Jiyun balbuciou e em seguida fitou a meia irmã – Você não pode assumir o hotel e o escritório?

- Isso é ridículo, eu não sou filha dele. – Seul soou áspera – Você é a herdeira, a única filha...

- Eu sei que meu pai também lhe vê como uma filha, não fale isso na frente dele. – Jiyun a repreendeu e SeulPeun bufou – Você conhece aquele hotel como se fosse a palma da sua mão, se eu fui dez vezes lá foi muito, entre nós você é a melhor opção.

- Esqueça, eu não sou a melhor pessoa para assumir a empresa. – Seul continuou negando enquanto olhava para o padrasto

- Seul, eu preciso que você assuma a empresa. – a voz de Jiyun se tornou firme e Seul olhou para a meia irmã – Não acha que já está na hora de provar a todos que você é muito além de uma mulher provocadora, muito além de uma vadia louca...

- Eu não preciso provar algo. – ela se desencostou da parede

- Então faça pelo nosso pai, faça por mim, pela sua mãe... – Jiyun levantou-se e segurou a mão da irmã – Eu não posso fazer isso e você sabe muito bem disso, você sempre soube que meu único talento é ficar na cozinha, isso sempre foi o que eu amei e o papai não me permitiu fazer, se você assumir as coisas vão ser mais fáceis para todos...

- E para mim? Acha que as coisas vão ser fáceis para mim? – ela rebateu

- Sim, acho que vai ser muito mais fácil para você. – Jiyun falou imediatamente – Você é forte e sabe se impor, conhece todos os acionistas do hotel e conhece todos os podres dos filhos deles, você cresceu naquele hotel ao lado do seu pai e continuou a crescer ao lado do meu pai, e por mais que as pessoas pensem que você simplesmente dá ideias por diversão, eu tenho certeza que você faz isso pensado... Se não quer que o hotel acabe, então assuma essa responsabilidade.

- Você é uma cobra. – Seul provocou sorrindo

- Eu irei assumir as minhas responsabilidades, mas para qualquer um que conhece nós duas, você obviamente é a melhor opção.

- Seus olhos me dizem que você quer pedir algo a mais. – Seul cruzou os braços e se inclinou – O que é? Fale logo.

- A primeira coisa que quero é passar a direção do escritório de advocacia para Sungjoo, mas essa não é uma decisão só minha, se eu insisto tanto que você assuma o hotel, então você deve opinar sobre isso também...

- Sungjoo é a única pessoa confiável que temos no escritório. – SeulPeun concordou e em seguida deu um leve sorriso – Além disso, quero que ele seja o advogado principal do hotel, quero que ele fique ao meu lado.

- Você não deixa de ser uma vadia louca mesmo com poder, não é? – Jiyun provocou

- E qual é o segundo pedido?

- Com você sendo a responsável do hotel, eu quero voltar a trabalhar cozinhando. – Jiyun fitou a irmã que concordou com a cabeça

- Quer trabalhar no restaurante do hotel? – Seul questionou

- Não, eu sei de um restaurante que se não fosse pelo nosso pai me contrataria a qualquer hora, então converse com eles. – e em seguida ela balbuciou – Sabe, eu gosto de alguém, mas não posso retribuir da mesma forma por que tenho medo que nosso pai descubra e tente tira-lo de mim como tem feito com tudo durante esses meses... Eu quero viver feliz e sossegada até quando der... Entende?

- Por isso não quer o hotel, não é? E, além disso, ele mudou Jiyun. – Seul balbuciou e fitou o padrasto – O que ele fez foi na tentativa de lhe proteger e ele tem muito arrependimento quando tentou fazer você se casar a força...

- Eu sei, mas ele nunca me pediu desculpas.

 

- -

 Duas semanas depois.

 

Parque de Yeouido /  09:11 AM

 

O sol agradável e o vento levemente frio eram revigorantes, as arvores que estavam com a sua coloração perfeita junto com a grama verdinha chamavam a atenção dos inúmeros turistas que não paravam de tirar fotos, crianças brincavam entre si e com seus pais, alguns casais se divertiam em piqueniques românticos e grupos de amigos apenas riam alto enquanto dividiam a comida.

Mas no meio de toda aquela movimentação havia uma pequena criaturinha que se divertia na grama verdosa como se não houvesse um amanhã, o pequeno Haneul mesmo com o seu probleminha nas patas traseiras tentava correr livremente, o que chamou a atenção principalmente das crianças.

 

- Haneul é o ser mais ridiculamente fofo correndo na grama. – Jimin sussurrou próximo ao ouvido de Jiyun que sorriu ao sentir os braços do rapaz envolvendo a sua cintura – Sentiu a minha falta?

- Não faz nem duas horas que nos vimos. – a garota resmungou e em seguida ouviu o rapaz rindo próximo ao seu ouvido

- Mas eu senti sua falta, senti tanto a sua falta que lhe trouxe um presente. – ele sussurrou e agarrou um pouco mais a cintura dela.

- Um presente? – ela questionou tentando virar o corpo para olha-lo, mas Jimin apoiou o queixo em seu ombro impedindo ainda mais o movimento.

- O que? Por que quer olhar para mim? – ele provocou e em seguida sorriu - Olhe para a minha mão e não para o meu rosto.

 

Jiyun seguiu as instruções dele e levou seu olhar até as mãos do rapaz, mas para a sua surpresa elas estavam completamente vazias, ouviu a risada do rapaz e em seguida a jovem foi virada pelo rapaz que apenas sorriu e deu uma piscadela. Jiyun desviou o olhar e viu uma caixa branca próximo a Jimin.

 

- É meu? – ela apontou para a caixa e ele concordou com a cabeça

- É um presente, você conseguiu um bom emprego após terminar os estudos e eu nem lhe parabenizei adequadamente. – ele sorriu e em seguida pegou a caixa

- Não precisava se incomodar. – ela balbuciou enquanto recebia a caixa e Jimin riu

- Não foi um incomodo e também não foi tão caro assim. – ele coçou a cabeça constrangido.

- Obrigada.

 

Quando Jiyun abriu a caixa viu uma chaira de aço com o cabo branco e no cabo havia uma pequena frase escrita “Nunca desista do que você ama”. A garota sorriu completamente tocada com o presente, que mesmo sendo barato era o melhor presente que ela poderia receber.

 

- Muito obrigada. – ela agradeceu – De verdade, você não imagina o quão isso é importante para mim.

- Um afiador de facas é tão importante assim? – ele brincou arrancando um sorriso dos lábios dela

- Você não imagina o quanto é importante. – rapidamente a garota abraçou o rapaz que retribuiu no mesmo instante – Obrigada.

- Se eu soubesse que você ficaria tão grata eu teria comprado umas dez dessas. – a brincadeira fez Jiyun fita-lo e Jimin fez um bico esperando o beijo.

 

A garota sorriu e em seguida começou a selar seus lábios varias e varias vezes, isso provocou um enorme sorriso de Jimin que rapidamente usou as mãos para apertar as bochechas da garota fazendo-a ficar com um bico enorme e fofa.

 

- Você é extremamente linda. – ele sussurrou e em seguida selou seus lábios.


Notas Finais


Aos poucos vou voltando a atualizar com frequência,
ainda não estou conseguindo escrever bem então me desculpem. T.T ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...