História Beautiful rain - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Girls' Generation
Personagens Baekhyun, Taeyeon
Tags Baekhyun, Baekyeon, Taeyeon
Exibições 159
Palavras 2.000
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bom, eu sei, eu sei, BaekYeon não é o casal mais amado do mundo
Mas enfim, para quem shippa ou gosta ou não tem nada contra o casal,
eu espero que gostem <3
Ah, indico uma música para ouvir durante a leitura c:
Vou deixar o link nas notas finas c: para quem não curte porque acha que atrapalha,
pode ficar tranquilo que é uma versão instrumental

Capítulo 1 - Nossa história em duas mil palavras.


Fanfic / Fanfiction Beautiful rain - Capítulo 1 - Nossa história em duas mil palavras.

Parte 1: Beautiful

A moça de cabelos louros se levantou de sua cama, enrolando os braços em volta da própria cintura. Estava tão frio que ela podia sentir os seus lábios se imobilizarem, juntamente com os seus dedos dos pés. Ela silenciosamente procurou, em meio a escuridão, algo para vestir. Não queria que ninguém a pegasse acordada a essa hora. Após tatear pelas paredes, encontrou seu celular que estava sobre a penteadeira e com a ajuda da lanterna do mesmo, localizou o suéter azul-marinho enorme, jogado sobre a poltrona.

Lentamente, caminhou até a janela, debruçando o seu corpo sobre o parapeito. Por mais que sentisse calafrios em cada parte de si, ela gostava daquele clima áspero. Quando era pequena fazia isso com frequência: se esgueirava pelas paredes com cautela para não acordar seus pais e se colocava a observar a cidade, o céu da meia noite e sentir aquele ar gélido de encontro as suas bochechas rosadas.

No entanto, diferente do que estava acostumada a fazer, ela não poderia observar estrela por estrela hoje. As pesadas nuvens estavam sobre elas e uma fina garoa começava a cair. Taeyeon estendeu sua pequena e pálida mão em direção às gotículas, suspirando ao sentir sua temperatura. Por um momento, ela se perguntou se em algum outro lugar na cidade, ou até mesmo na terra, alguém estaria como ela estava agora: acordada no meio da noite, debruçada na janela do seu quarto, sentindo a água escorrer em pequenas gotas entre os seus dedos, pensando em alguém especial.

Ela havia tido experiências o suficiente para saber que chuva e uma garota apaixonada não eram uma boa combinação. Ainda mais se a garota em questão era ela. Porque Taeyeon não era do tipo de pessoa que se apaixonava facilmente, por isso ela tinha consciência de que quando isso acontecia era para valer. E aconteceu. Mas, no momento, ela não era capaz de ter certeza sobre muitas coisas. Apesar disso, ela tinha uma única em especial: olhando para fora da janela, ela acreditou que sua cabeça iria explodir de tanto pensar nele.

Ah, é claro, ela sempre estava pensando nele. Quando estavam a quilômetros ou até mesmo centímetros um do outro, os seus pensamentos não a permitiam ir a lugar algum, somente até ele. Ligando-o a algum objeto ao seu redor, ou a alguma estrofe de uma música antiga que tocava no rádio quando ele estava longe dela. Quando ele estava por perto, ela fingia que o seu rosto era o universo, comparando os seus olhos às estrelas cadentes, seus lábios a constelações, o interior de sua boca a um planeta desconhecido, habitado somente pela sua língua.

E ela sentia falta de tudo sobre ele. Sentia falta de recebê-lo no meio da noite por debaixo de seus lençóis, vendo-o esbaforido e empolgado por ter conseguido ir até ali sem que ninguém o visse. Sentia falta de gravar alguma canção já pensando no quanto ele diria que a sua voz era tão doce que ele poderia escutar até o fim da vida. Ela dizia: “Você é tão exagerado”, enquanto apertava as bochechas dele. E ele respondia: “Não sou, não! Você sabe que eu amo a sua voz, Tae”.

Mas inocentemente por dentro, ela ansiava pelo dia em que ele diria somente eu-amo-você.

De súbito, ela voltou com sua mão para dentro dos bolsos somente para retirar seus fones de ouvido. Taeyeon precisava ouvir a voz dele, só mais um pouco. Só mais uma vez.

Assim que ela escutou a introdução, fechou os olhos gradativamente, juntou os braços nas grades e abaixou o seu rosto para a rua, deixando que as gotas de água batessem na sua nuca e nos seus cabelos. De um tempo para cá, ela só escutava a música dele com os olhos fechados, porque assim podia vislumbrar a última vez que ele esteve aqui. Quando ele havia fugido às pressas do seu dormitório para passar a noite com ela.

[...]

Taeyeon estava exatamente na mesma posição de sempre: de bruços sobre o parapeito, ouvindo a música dele. Ouvi-la já fazia parte da sua rotina durante a madrugada, ela se levantava e comia um biscoito quando sentia fome, ia até a janela e ali ficava até o dia amanhecer, tendo a música dele como trilha sonora todos os dias.

Era uma forma de não sentir tanto a sua falta.

O suéter azul-marinho dele estava em volta do seu corpo. Taeyeon o colocou mesmo sabendo que ele não gostava quando ela usava as roupas dele. Não que ela se importasse com isso. Estava mais preocupada com o que aconteceria se ele fosse pego ali com ela.

Porém, quando o refrão da canção chegou, ela apenas se deixou levar pela letra, como se os seus pés flutuassem e a levassem para bem longe dali. Para um universo onde existiam apenas eles dois, sem que precisassem enfrentar mais nenhuma preocupação. E na imaginação dela tudo era tão bonito.

Ela cantarolou baixinho para si mesma: You’re beautiful...

Antes mesmo de pensar em voltar para a cama, afinal, ele havia saído do seu conforto correndo um alto risco para ficar com ela, então o mínimo que ela poderia fazer era continuar ali deitada em seus braços, Taeyeon o ouviu resmungar atrás de si e virou o rosto para olhá-lo.

– Por que você sempre tem que me deixar sozinho, hein? – ele falou já sentado, enquanto coçava os olhos com os punhos fechados.

– Venha cá.

Baekhyun, ainda meio desnorteado, tirou as suas pernas de dentro dos cobertores e fez seu caminho até ela. Aquela garota insensível, ele pensou, como ela podia deixá-lo só depois dele ter vindo até aqui para ficar com ela?

Quando a alcançou, passou seus braços em volta do seu corpo esguio e a abraçou por trás. Ele endireitou a sua coluna para que pudesse envolvê-la por completo e pressionou seu peitoral nas costas dela, colocando o seu rosto na curva do pescoço da garota.

– Você é tão má, Kim Taeyeon.

– Não seja tão exagerado, Byun Baek...

– Essa música – ele a interrompeu –, é Beautiful?

– Sim.

– Por que está ouvindo a gravação? – Baekhyun pareceu indignado e, quando ele levantou seu rosto, Taeyeon se virou para ele.

– Eu gosto dessa música – ela disse suavemente. – Qual o problema?

Ele sempre a via ouvindo essa música. Se ela ao menos soubesse que toda a letra falava sobre ela...

Mas as palavras que ele gostaria de dizer não eram apenas você-é-linda...

– Nenhum – ele levantou as sobrancelhas –, mas para que ouvir a gravação se você me tem ao vivo e a cores para cantar para você?

Taeyeon revirou os olhos. Baekhyun sorriu.

– Neoui miseo nae maeumi noganaeryeo...

A moça fechou os olhos quando o ouviu cantar. Na verdade, ela queria tapar a boca dele naquele mesmo instante. Aquela música era o porto-seguro dela, e continuaria sendo depois que eles terminassem. Não que ela estivesse com planos de terminar com ele, mas sabia que isso aconteceria em breve. Entre eles dois foi absolutamente tudo complicado desde o início.

– Estou com frio, Baek – ela o interrompeu. – Me esquente.

– Com frio? Mas você está usando...  

Ele deu uma boa olhada para ela pela primeira vez desde que se levantou.

– Ei, esse suéter é o meu? – Ela concordou com a cabeça. – Não use minhas roupas, Noona – ele falou como uma criança mimada, fazendo uma careta feia para ela. – Você sabe que eu não gosto quando você usa as minhas roupas.

– Por que não? – ela cruzou os braços e ele pode senti-la enrijecer. Na verdade, ela não sabia bem o porquê de ele não gostar que ela usasse suas roupas.

– Porque quando eu volto para o meu quarto – ele beijou o seu ombro e acariciou o seu braço –, as minhas roupas ficam com o aroma do hidratante de flor de cerejeira que você usa. – Ele desceu os cílios e sussurrou: – Já é muito ruim ter que ficar apenas algumas horas com você e ainda sentir o seu cheiro por toda a parte enquanto estou dormindo é quase desumano.

– Queria tanto que não fosse assim, Baek. – Taeyeon levou sua mão até a nuca dele, alisando o seu cabelo castanho-mel.

Ela queria tanto que não fosse daquela forma. Ela queria tanto que eles pudessem passar a noite juntos com mais nenhuma preocupação além de com qual lado da cama cada um iria ficar. Eles sempre discutiam por causa disso. Ele dizia: “Tenho que ficar com o lado esquerdo já que é o mais próximo da porta”. Doía cada parte do corpo dela escutar aquilo.

Por que era assim com eles?

Por que, mesmo ele sendo seu namorado, não podia ficar a noite inteira?

E foi por isso que eles acabaram: haviam muitos porquês sem nenhuma resposta ou solução.

– Eu também, Noona – ele sorriu fracamente. Ele sempre tentava ser o elo mais forte. Baekhyun precisava ser forte por ela. – Eu também.

[...]

Parte 2: Like Rain, Like Music

Quando a música acabou, após Taeyeon repassar todos aqueles mesmos detalhes em sua cabeça, ela teve receio, por um minuto, de abrir os olhos. Era assim toda a madrugada, desde que ele a deixou: ela ouvia a sua canção, se lembrava dos lábios dele nos seus e, no final, tinha medo de abrir os olhos.

Porque no momento em que ela os abrisse, ela sabia que teria que voltar a realidade. E a realidade era dolorida demais para a tamanha fragilidade que existia dentro dela. Exatamente como o seu tamanho sugeria, ela não passava de um pequeno potinho feito de um vidro quebradiço.

Mas ela tinha que ser forte, não é mesmo? Ele sempre fora forte por ela. Agora, ela tinha que ser por ela mesma. Então, com esse pensamento ela afrouxou as pálpebras – que até o momento, nem ao menos havia percebido que as estava apertando –, e foi lentamente abrindo os olhos.

Quando sua visão clareou, ela o viu.

Byun Baekhyun.

Abaixo de si. Abaixo de sua sacada. Ele a estava observando, sem ela ao menos saber e, para o seu azar, suas roupas apontavam que ele já estava ali a bastante tempo. Ele estava completamente encharcado. Taeyeon nem ao menos havia percebido o quanto a fina garoa havia se transformado em uma turbulenta tempestade. Seus cabelos estavam molhados. Ela queria correr dali para não olhar para o rosto dele. Porque ela não suportava vê-lo. Ele era capaz de destruir seu emocional em segundos.

– Você ainda ouve aquela música? – ele quebrou o silêncio.

Devido ao barulho dos carros e da chuva ela quase não ouviu a sua voz, mas estava atenta o suficiente para fazer leitura labial.

Você ainda foge quando escuta um eu-te-amo?”, ela quis dizer.

Baekhyun não sabia muito bem o que fazer. Mas ele sabia que não queria deixá-la. Não agora, não de novo.

“Quando a chuva cai e a música flui,

eu penso em você.

A noite quando você deixou,

estava chovendo assim”.

 

Ele se lembrou de uma canção que havia cantado, depois que eles terminaram. Tinha a palavra “chuva”, então ele naturalmente se lembrou dela. Ele se lembrou do quanto ela adorava chuva e do quanto ela adorava a canção Beautiful. Baekhyun não precisava conferir, tinha certeza absoluta que era essa canção que ela estava escutando.

You’re beautiful... – ele cantou para ela.

Taeyeon tremeu ao vê-lo cantar. Somente por ver, porque ela não conseguia ouvir muito bem. Mas foi o suficiente para que sentisse vontade de chorar. Ela era só uma garota assustada, apaixonada e confusa. E todos a julgaram tanto por causa dele, ela teve que lidar com tantas coisas ao mesmo tempo. Ela não era forte e destemida como uma grande maioria acreditava.

E foi quando ela voltou a sua atenção para a pessoa abaixo de si, olhando nos olhos dele, percebeu que não precisava ouvir aquelas três palavras de sua boca: os olhos dele já diziam isso.

Independente do que aconteceu, era o que os olhos dele diziam, eu amo você, Kim Taeyeon.

Ao ver uma lágrima rolar sorrateiramente do rosto de Taeyeon, Baekhyun subiu as escadas correndo, rumo ao quarto da garota.


Notas Finais


https://www.youtube.com/watch?v=YILQ6Ch41VA
Então, é isso <3
O que vocês acharam? ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...