História Beauty and the Beast - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran
Personagens Ed Sheeran, Personagens Originais
Tags A Fera, Bela, Conto De Fadas
Exibições 15
Palavras 810
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Pansexualidade, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Lobos


Fanfic / Fanfiction Beauty and the Beast - Capítulo 5 - Lobos

Eu quase corria pra longe da boate, as lágrimas de ódio deixavam tudo borrado e eu mal podia ver um palmo à minha frente. Parei quando já estava ofegante, o que não demorou já que tinha dançado tanto.

Encostei no muro de um prédio e limpei meus olhos enquanto respirava fundo. Não estava com roupas apropriadas, fazia frio demais pro short.

Olhei ao redor e percebi que não fazia a mínima ideia de onde estava e minha bolsa tinha ficado na boate. Merde.

Desencostei de lá. Estávamos em Detroit, haviam poucas pessoas naquela rua. Precisava ir em algum lugar mais movimentado, pegar um táxi e ir pra o hotel.

Voltei pela rua que havia passado e a cada lugar que entrava ficava mais confusa e não reconhecia coisa alguma. Aquela era a merda de ter crescido em uma pequena cidade, eu ficava totalmente confusa em lugares como aquele.

Parei em uma rua sem saída e me amaldiçoei. É, eu estava inegavelmente perdida.

Bufei e virei-me, passei por mais algumas ruas até que reconheci uma delas, suspirei em alívio e apressei o passo.

– Hey, gostosinha! – revirei os olhos sem nem me dar o trabalho de olhar. Fui obrigada, porém, quando uma mão segurou meu braço. – Oh, sua esnobe! Estou falando com você! – tinha um hálito de bebida e nessa hora meu coração gelou e meus pelos se eriçaram. Eu estava em perigo ali, tinha que correr enquanto podia.

– Me solta! – puxei o braço, da mão dele, mas o homem apenas apertou.

– Olha isso, galera! Temos uma estressadinha aqui! – não preciso nem dizer que as lágrimas voltaram a inundar meus olhos naquela hora.

– Deve se achar a gostosinha... – ouvi uma outra voz se aproximavam. Olhei para o lado, eram seis caras e todos me encaravam como se fossem lobos e eu uma presa fácil.

– Ah, mas ela vai aprender a lição, não vai? – um deles me puxou pelo queixo. – Vamos, princesa, quero um beijo.

– Por favor, só... – ele me interrompeu pressionado os próprios lábios contra os meus, eu continuei de boca fechado e isso pareceu ter o deixado irritado, então puxou minha blusa com força a rasgando parcialmente, um grito saiu da minha garganta naquela hora.

– Deixem-na em paz! – Edward rugiu. Acho que nunca fiquei tão feliz em ouvir a voz dele.

Mas o braço me soltou.

– E quem você pensa que é, ruivinho? – eu não fiquei para ver aquilo, logicamente, já corria o mais rápido que minhas pernas permitiam pra longe do local.

Procurava por algum policial, segurança, qualquer coisa.

Assim que achei um, demorei pra formular a frase em inglês. Me tremia dos pés à cabeça, mas o policial por sorte estava armado e acompanhado de outros colegas, eles me seguiram até o local e lá estava Edward sentado no chão.

– Eles foram por ali! – o ruivo aprontou pra uma rua estreita. Os três oficiais seguiram sua indicação.

Fui até Sheeran sem nem pensar duas vezes, logo que se apoiou em mim o ruivo perdeu a consciência.

 

Estava sentada no chão, as costas encostadas na parede. Era o quarto de Edward, ele estava desacordado na própria cama.

Havíamos os dois ido para o hospital, mas nada havia acontecido comigo além de algumas marcas de mãos pelos braços.

E graças a ele.

E aquilo me fazia repensar tudo que havia o dito, todas as duas semanas que passei tendo medo, o achando um monstro.

Ele havia levado uma surra pra me proteger, afinal.

– Porra... – ouvi sua voz vindo da cama, era baixinha. Me levantei de lá e fui até aonde ele estava.

– Como se sente? – não o olhava, procurava o analgésico numa sacola da farmácia em cima da mesa de cabeceira.

– Como se tivesse levado uma surra. – riu ironicamente. Engoli em seco, lá vamos nós de novo.

O dei o analgésico e parti pra limpar com gaze e soro fisiológico um corte que tinham deixado em seu braço direito. Um deles portava uma faca, aparentemente.

– Isso dói! – Edward reclamou.

– Doeria menos se ficasse quieto! – respondi duramente.

– Se não tivesse fugido, isso não teria acontecido! – fechei os olhos. Eu sabia daquilo, droga!

– Se não tivesse sido um babaca comigo, eu não teria fugido! – Sheeran hesitou, mas ficou calado. – Fique quieto agora, isso pode arder um pouco. – ele reclamou um pouco quando voltei a limpar o ferimento, então o cobri com um curativo.

Hesitei antes de por meus olhos sobre o ruivo.

Quando olhei pra Sheeran, no entanto, não me senti ameaçada. Ele não me olhava com raiva, parecia preocupado.

– Obrigada... – disse com a voz fraca, desviei o olhar. – Por salvar me salvar daquilo... – senti minha face pegando fogo, respirei fundo.

– Disponha. – o homem respondeu. – E... Bella. Eu... – voltei o olhar pra ele, Edward mordia o lábio. – Quer dizer, desculpe. Eu não sou um racista se merda, entendeu errado, e... E você é linda. Eu teria sorte em ficar com alguém como você.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...