História Bêbados na estrada - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Beber Cair Levantar, Bebum, Chanbaek, Volta Memoria, Yaoi
Exibições 304
Palavras 2.576
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello~~
Segunda feira chegou e aqui estou eu com a atualização.Vocês estão bem?

Não tenho muito o que dizer agora, então uma boa leitura e espero que gostem.

Capítulo 4 - Vamos trocar nudes ao vivo


Fanfic / Fanfiction Bêbados na estrada - Capítulo 4 - Vamos trocar nudes ao vivo

 

Era em torno de 7 da noite e ainda continuávamos dançando, totalmente suados e sem as camisas, esfregando nossos corpos e derrubando as bebidas do copo em outras pessoas ou no chão. ChanYeol era incansável, me dando beijos no ombro e esfregando seu quadril contra o meu traseiro, apenas sentindo o seu volume e as mãos quentes sobre meu corpo. Sua respiração pesada era quase inaudível por conta da música alta, mas sendo possível por estarmos com o rosto bem próximos.

 

A música agitada não parava e ChanYeol era do mesmo jeito, me atiçando a toda hora com seus beijos de tirar qualquer fôlego e me prensando contra corpos alheios. E a excitação presente em nós dois foi tão intensa que o mandei esperar por algumas horas, correndo para o banheiro mais próximo e a trancando. É zoado pra caramba fazer isso daqui, mas sem chance de passar cheque, então fiz o que a uma pessoa em sã consciência faria: fiz a famosa chuca no banheiro desconhecido.

 

Isso é ser gay, meu amor; você não tem como ficar dando se é encanado com as nojeiras que estão dentro do seu corpo. Fiz bem feito e agora sim teríamos o meu lindo orifício anal limpinho! Mas é aquele fatídico momento de que teria que esperar mais um tempo pra dar, não vamos ter pressa, não é mesmo?

 

E eu encontrei o maridão em cima da mesinha de centro cantando com um microfone, me chamando assim que me viu.

 

Hello daddy! Hello mom!

 

I'm your ch-ch-ch-ch-ch-cherry bomb!

 

Cantar Cherry Bomb das The Runaways no meio da sala de estar enorme estava sendo extremamente divertido, ainda mais quando todo mundo se juntou no coro e me senti como aqueles filmes em que os personagens são tudo porra louca. Não que eu também não fosse, mas acho que posso ser considerado normal. Ou não.

 

Estava todo mundo cantando músicas que nem conhecíamos, enrolando a língua e rindo alto, lembrando quando estava no carro com ChanYeol. A animação foi tanta que nos carregaram na direção da piscina, mas gritando desesperado.

 

- Não nos joguem, meu celular está no bolso! – gritei balançando todo o meu corpo – Me deixem ficar pelado que depois deixo me jogarem.

 

Me colocaram no chão e era toda a casa agitando pra que tirasse as roupas, ficando apenas com a cueca e achando graça novamente por causa da bebida, balançando o quadril e deixando minha calça em cima de uma mesa cheia de bebidas. Olhei pra ChanYeol e lá estava ele já na água com os braços abertos me esperando e jogando os cabelos pra trás com uma mão.

 

Oh, droga. Meu marido era fodidamente gostoso!

 

Mas antes que me perdesse nos pequenos gominhos da sua barriga, corri até a piscina e dei um pulo, espirrando água pra tudo quanto é lado. Fui até ele bem devagarzinho e fiquei parado na sua frente, tocando seu corpo, sentindo sua pele com a minha palma deslizando por todo o calor. E ele não ficou muito pra trás, me puxando pra que ficássemos colados e sorrindo com o rosto de lado, encarando meus lábios, vindo ao meu encontro com a sua deliciosa boca.

 

Mas não bastou apenas o beijo, ele foi me empurrando aos pouquinhos até a borda da piscina e me prensando, descendo sua mão por toda minha coluna até chegar no meu bumbum pra receber um aperto junto a uma mordidinha no meu lábio inferior. Ah, eu quero gritar por ter arranjado meu homão da porra!

 

Puxava e raspava as unhas de leve no seu cabelo molhado na região da orelha, o aproximando sempre quando queria se afastar, adorando nossos beijos até sentir uma das suas pernas no meio das minhas e sua mão entrando por dentro da cueca, voltando a massagear meu bumbum.

 

- ChanYeol... – ofeguei, apertando o seu corpo quando seus lábios desceram para o meu pescoço, percebendo os olhares maliciosos em nós – Todo mundo está nos olhando.

 

- Que olhem, você é apenas meu. E eu não deixarei que ninguém te toque, tudo o que terão é a visão de um cara perfeito com dono. – e esfregou a perna no meio das minhas, me fazendo soltar um gemido ao mesmo tempo que me agarrava mais a ele – Que gostosinho, Baek. Quem diria que sua voz poderia sair tão manhosa assim.

 

- Nós vamos transar aqui? – o vi negar com a cabeça enquanto puxava uma das pernas pra cima e esfregava seu membro no meu, sentindo-o duro mesmo ele estando com uma calça – ChanYeol, o que você acha de darmos um perdido em todo mundo e ficarmos sozinhos?

 

- Se ao menos conseguisse parar... Mas é impossível quando você também se esfrega em mim, seu corpo pedindo por mais contato e seus olhos brilharem em excitação. – e num movimento rápido ele me colocou sentado na beirada da piscina, saindo em seguida – Vamos pra algum lugar, eu não vou aguentar apenas ficar te olhando.

 

Esticou a sua mão e eu a peguei, correndo em direção da casa e catando minhas roupas no meio do caminho, olhando para todos os lados e subindo as escadas entre risadas por causa dos olhares que lançavam em nós. Nos últimos degraus fui na frente e recebi um tapa na bunda, percebendo que estava parado com os braços cruzados observando minha comissão traseira com gosto, acabando por lhe mostrar o dedo do meio, mas o vendo fazer o mesmo sinal e um “Okay” com a outra mão, fazendo um vai e vem com as duas mãos num gesto obsceno.  

 

Adorava esse lado sujo das pessoas e me apressei pra procurar um quarto vazio entre os milhares que tinha só naquele andar; parecia até um motel. Os três primeiros estavam sendo usados, então decidi correr até o último, o encontrando vazio e trancando a porta pra que ninguém viesse nos atrapalhar.

 

E ChanYeol já se encaixou num abraço por trás, me beijando todo.

 

- Agora sim podemos aproveitar como queremos. – fui prensado na parede, o sentindo esfregar seu membro excitado no meio das minhas nádegas – BaekHyun, eu estou apaixonado pela sua bunda, você não tem noção. E saber que agora ela me pertence, me deixa louco de tesão.

 

- Você só está apaixonado pelo meu bumbum? – me esfreguei mais em si e o olhei por cima do ombro – Nada mais?

 

- Eu estou apaixonado por você; pelo seu corpo, alma e mente. – seus beijos foram para o meu pescoço e apoiei minha cabeça no seu ombro enquanto me tocava porque estava sendo impossível não me estimular, soltando gemidos baixos – Seus gemidos são gostosos de se ouvir, são muito excitantes.

 

- Fala mais, Chan...

 

- Eu quero uma preliminar tortuosa até que implore pra estar dentro de você. – fui virado pra ficar de frente pra si e o vi com as bochechas avermelhadas e a boca aberta, o puxando pra mais um beijo – Você me deixa louco, Baekhyun.

 

As minhas mãos, que até então tocavam seu corpo, foram colocadas acima da cabeça e pressionada na parede pra que não o tocasse, me atiçando mais pelo nosso contato.

 

Entre beijos, fomos para a cama e subindo com cuidado, sentindo sua mão me tocando e alisando pra tirar toda minha sanidade alterada. O toquei pelo peitoral e deslizei até o cós da calça, a abrindo e o vendo sem a cueca; então ChanYeol era um dos homens que não usava nada, bom saber.

 

- Você está tão duro, Chan. – disse entre o beijo – Eu quero te dar um boquete...

 

- Dessa vez não, BaekHyun, ou eu vou gozar na sua boca e é o que menos quero. Quero te sentir antes da sua boca, nós temos a madrugada e o resto de nossas vidas pra aproveitar.

 

Estremeci com a sua voz dizendo tudo num sussurro bem pertinho da orelha, acabando por morder o seu ombro e me ajeitar no seu colo. E entre nossas carícias, nos lembramos da camisinha e que ninguém havia trazido, baixando um pouco do fogo. Eu até poderia aceitar sem camisinha, mas ChanYeol insistiu e decidimos procurar no quarto porque era certeza que teria alguma com tanta gente transando nessa casa.

 

E a encontramos no criado mudo junto com um tubo de lubrificante – que agradeci mentalmente –, tendo um ChanYeol sorridente e pedindo que ficasse encostado na parede, se agachando na minha frente, retirando a única peça do meu corpo e recebendo uma oral na surpresa. Meu membro sumia e aparecia na sua boca, acabando por apoiar um dos meus pés em seu ombro pra lhe dar mais mobilidade.

 

Mas não acabou por aí porque sua boca foi para as bolas e de lá para meu amiguinho piscando. Sentir sua língua passando por cima me fazia contrair instantaneamente, sendo segurado no tornozelo pra que continuasse na mesma posição enquanto me contorcia de prazer.

 

- Está muito gostoso, ChanYeol. – tateava a parede numa forma de continuar em pé, tendo a sua língua me invadindo e dando um grito ao mesmo tempo que sua mão me masturbava – ChanYeol!

 

- Está gostoso, não é? – murmurei um “uhum” rapidamente e o vi esticar os dedos na minha frente – Agora vou te preparar bem gostoso.

 

Os chupei como se estivesse lhe dando um boquete enquanto ele apenas me olhava ainda de joelhos no chão, terminando e recebendo um elogio de que havia feito um bom trabalho. Achei que só iria colocar os dedos, mas ele foi além; voltou à oral e foi invadindo bem devagar, me levando aos céus. Desde quando adoro tanto essa parte?

 

Na hora que ele terminou e me puxou de volta pra cama é que eu pensei no que deveria ter feito pra lhe retribuir. E ChanYeol ainda foi carinhoso, pedindo pra que montasse sobre si e que controlasse, me deixando tão livre pra fazer o que quisesse.

 

Com ele encostado na cabeceira e já com a camisinha posta junto ao lubrificante pra me ajudar, fui descendo bem devagar e sentindo uma calma que nunca havia sentido com nenhum outro cara, ainda mais quando trocávamos olhares e beijos.  

 

Comecei remexendo bem devagar em movimentos circulares pra acostumar e me apoiei em seus ombros, tendo suas mãos na minha cintura pra me ajudar sem forçar. Eu estava adorando cada vez mais estar com esse cara!

 

Mexendo o quadril pra frente e trás, dos lados e em círculos, estava me excitando mais por conseguir ver seu maxilar endurecido. E ChanYeol ainda fechava os olhos respirando fundo.

 

- Você é tão apertado, BaekHyun. – ele esfregava o rosto enquanto mexia minimamente o quadril – Eu posso te ajudar?

 

- Eu quero ter o controle, agora é o Momento do Baek.

 

Fui fazendo alguns movimentos um pouco menos demorados, levantando apenas o quadril e depois descendo sem que seu membro escapulisse de mim, percebendo então que suas mãos estavam quase brancas de tanto apertar o travesseiro entre os dedos. O puxei para um beijo e aumentei o ritmo, apoiando minhas mãos em seu peitoral pra me ajudar na impulsão.

 

Mas o momento do Baek acabou quando ele apertou meus mamilos com as pontas dos dedos e me empurrou pra trás, gemendo alto quando saiu de mim. Me virei, apoiando a cabeça no colchão e deixando meu bumbum lá em cima, bem convidativo pra que voltasse a me penetrar, mas o safado apenas me beijou da nuca até o fim da coluna, terminando com o seu membro fingindo que me penetraria mas não entrando.

 

- Para de me torturar, ChanYeol, coloca ao menos a pontinha. – ele fez o que pedi e foi mais um pouquinho, mas depois saindo e choraminguei com as mãos arrastando por todo o lençol e o agarrando com força – Não faz isso comigo, ChanYeol...

 

- Você é maravilhoso, Baek. – fui totalmente penetrado e soltei um gemido arrastado, sentindo minhas pernas vacilarem e seu corpo colar no meu até que o rosto ficasse próximo ao meu ouvido – Você me pertence, é o meu marido e quero que goze violentamente comigo.

 

- Sua voz é gostosa, Chan. Me provoca mais um pouquinho.

 

Ele disse tantas sacanagens no meu ouvido que me contorcia todo abaixo de si enquanto o mesmo metia lentamente, indo pra trás quando ele vinha pra frente apenas pra aumentar o contato.

 

E no meio disso tudo, ele pegou meu membro e me masturbou lentamente, choramingando mais alto e sabendo que minha hora estava próxima, pedindo insistentemente que fosse mais rápido.

 

Meu orgasmo chegou e soltei tudo em sua mão enquanto me contorcia todo no seu membro, quase desabando na cama pelo tamanho prazer que tive mas sendo segurado pelo maior pelo quadril.

 

- Vem, Chan, vem comigo. – o aticei pra ajudá-lo – Eu gozei tão gostoso então é a sua vez, meu amor. Goza bem gostoso pra mim aqui dentro. – mesmo que estivesse com a camisinha

 

- Droga, você é fodidamente gostoso! Me chama pelo nome, Baekhyun.

 

- Você está quase, Chan? – arrastei mais minha voz, sentindo o seu aperto na minha cintura aumentar e sorrindo – Chan, você é tão gostoso...

 

E eu soube que veio a sua hora quando seu corpo seu juntou ao meu e deixou uma mordida no ombro, entrelaçando nossas mãos junto a um gemido rouco.

 

Se retirou de mim e depois amarrou a camisinha pra jogá-la de canto, voltando a deitar ao meu lado com um sorriso. Me virei de lado e toquei seu rosto, deixando um selinho sem dizer absolutamente nada. Não precisava. Dava pra entender o que queríamos dizer apenas pela troca de olhares, foi muito mais do que uma transa qualquer.

 

Muito mais do que talvez estivéssemos esperando.

 

- Chan... – sua atenção que estava na minha boca foi para os meus olhos – Eu não gosto de dizer essa frase, mas eu te amo.

 

Seu sorriso mostrando todos os dentes me fizeram levar sua mão a minha bochecha.

 

- Eu também te amo, BaekHyun, muito mais do que imaginei que conseguiria com alguém.

 

- Por que diz isso? – me aconcheguei nos seus braços e ficamos abraçados – Acha que nunca iria gostar de ninguém? É impossível, Chan, o amor vem quando menos esperamos. Amar e ser amado faz parte do ciclo natural da vida.

 

- Você tem razão. – ouvi sua risada e fui apertado com um pouco de força – Agora tenho 100% de certeza que não fiz a escolha errada de me casar com você. Baekhyun, você se tornou a pessoa mais preciosa do mundo pra mim.

 

- Me prometa que se deixar de ser a sua pessoa preciosa, me avisará. Nossa convivência está sendo ótima e por isso que não quero que se estrague por mentiras, antes amigos do que dois desconhecidos, certo?

 

- Prometo se você fizer o mesmo. Se eu for um peso na sua vida e não quiser mais me ver, então me avise. – ele deu risada – Como chegamos nesse papo? Parece que o casamento não é muito uma garantia de que ficaremos juntos pra sempre se estamos conversando sobre supostas tragédias futuras.

 

- É porque eu gostei realmente de você e não quero me separar enquanto a vida permitir. Quero que se mude para minha kitnet; vamos fazer muito amor e criar milhares de memórias juntos. E eu quero que você compre um vaso de peônias quando voltarmos pra casa como presente de casamento.

 

- Peônias? Por que?

 

- Porque gosto dessas flores e elas me lembram repolho.

 

E ficamos conversando e voltando a nos pegar no meio da madrugada, podendo ouvir a música alta do andar de baixo como se fosse a nossa plateia.

 

Continua...


Notas Finais


Adoro umas saliências, desculpa pra quem não gosta. HAUSHUAHSUHAS

HIHIHIHIHI E quero dizer que o próximo é o meu favorito, vai ser o desfecho da porra toda, monamu!
Vamos ter os acontecimentos que faltaram até o Baek acordar. <3

Obrigada pelo carinho e nos vemos na próxima segunda.
Beijinhos no pops!
XOXO<33

Twitter: https://twitter.com/veneninhoderato


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...