História Because For You (Hiautus) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hayes Grier, Liana Liberato, Magcon, Nash Grier
Personagens Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Hayes Grier, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Jacob Sartorius, JC Caylen, Mahogany LOX, Matthew Espinosa, Nash Grier
Tags Because For You, Hayes Grier, Liana Liberato, Nash Grier
Exibições 32
Palavras 1.420
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Engraçado, quando eu fico mal... A inspiração me vem.
Espero que gostem do capítulo.

Capítulo 3 - Chapter 2


Fanfic / Fanfiction Because For You (Hiautus) - Capítulo 3 - Chapter 2

Chapter 2 - Fools

​Bianca Benson - Point Of Views

Acordei assustada e suada. Olhei para o relógio/despertado, que estava marcando 03h00 AM. Já passei por isso antes, sonhar com o carro capotando e me ver toda machucada, quando pequena.

​E como toda vez, me levanto se sentindo culpada. Me sento no chão e começo a chorar. Hoje não foi diferente, estava abraçando meu joelho, quando vi uma coisa acesa na minha mochila. Abri a mesma com receio, e vi que era meu celular.

 Nova mensagem. Por quê isso não me surpreende?

Número Desconhecido → Acho que está cedo para dizer quem eu sou, pequena gafonhota. Mas, assim como eu não te conheço, tenho quase certeza que também não me conhece

​​Ok, eu sou louca por responder uma pessoa que eu não conheço. Mas quem nunca fez isso?

Não vai me falar seu nome, beleza. Achei que poderia começar uma amizade, mas não vou falar contigo enquanto não me falar seu nome.

Desliguei a tela do meu celular e o joguei na cama. Liguei a torneira da banheira e a observei encher. Tirei a roupa que me encontra, e olhei para meus braços, não me sinto orgulhosa pelos meu cortes, mas tem vezes que eu necessitado deles. A dor é muita, e eu não consigo me abrir com ninguém. Os cortes são minha única saída. 

Entrei na banheira, e fechei a torneira. As vezes me pego pensando se tudo seria diferente se minha mãe não morresse por minha culpa. Se eu seria mais alegre, se teria amigos, essas coisas. ​Eu também penso onde meu pai se meteu, será que um dia vou conhecê-lo

Saio do meus devaneios, com o alarme tocando. Ótimo, posso risca mais um dia do meu calendário. Mais um dia para o resto da minha vida. Saio enrolada no meu roupão, e escuto uma batida na porta.

— Bom dia vovó! — Falei antes mesmo de abrir a porta, e quando a abro, vejo minha vó com uma roupa social azul-marinho. Ela abriu um sorriso, como sempre.

— Que bom te ver já de pé! Não te vejo desde ontem, bem cedo, fiquei preocupada — Tá, eu sei que dou muito trabalho a minha vó e a preocupo muito. Deveria ter avisado a mesma que tinha chegado, só que eu dormi.

— Desculpa-me vó! Quer entrar? 

Dei espaço e foi isso que ela fez.

— Que isso, eu sei que estava cansada. Bem, eu vou indo. Eu vim avisar que hoje não irei voltar para casa, ficarei com sua tia no apartamento do Centro. — Concordei com a cabeça, para ela saber que eu prestava atenção. Enquanto escolhia uma roupa — Nada de loucuras. Isso incluí tentar pular a janela

Isso aconteceu uma única vez, mas minha vó nunca vai me deixar esquecer nunca.

— Está bom vovó! Quantas vezes vou ter que falar que foi apenas uma vez — Eu falei e ela riu. Se despediu e eu comecei a me arrumar.

Acabei de me arrumar era umas 06h35. Resolvi ficar deitada e só sair de casa 07h00. Quando deu esse horário, eu desci a escada correndo, e meus primos me pararam.

— Quer carona, Bi? — Bruno,meu primo mais velho se ofereceu. Aí tem coisa. Nunca falo com eles e eles não fazem questão de mudar isso, por quê eles me ofereceriam carona?

— Não, de boa... Eu curto andar — Os irmãos estavam zoando ele quando atravessei a porta, comecei a seguir para a escola andando mesmo.

Chegando lá, meus primos já estavam com o seu bando. Me sentei perto da entrada e fiquei riscando uma folha qualquer. Não sei porque mas tenho a impressão de que eles falam de mim.

Peguei meu caderno, o fechando e segui para o meu destino favorito, a biblioteca. Desta vez, a bibliotecária já estava aqui segui para estante, colocando o livro que peguei ontem no lugar.

Estava seguindo para uma cadeira, numa mesa vazia, quando senti algo vibrar. Logo percebi que era o meu celular. Me sentei em uma mesa qualquer para ler a mensagem, e nem vi quem estava sentado.

Número Desconhecido → Não vejo mesmo a necessidade de falar meu nome, pequena gafanhota. E também não sei o da senhorita e não estou reclamando.

"Senhorita" Da onde você tirou que eu sou uma menina? Posso muito bem ser um menino... Não acha?

Juro que essa pessoa, está me tirando do sério e me deixando curiosa demais. Estava quieta, nos meus pensamentos, quando uma voz me tira dos mesmo.

— COMO ASSIM, VOCÊ NÃO VAI VIM? — Alguém diz a esse ser humano maravilhoso que aqui na biblioteca não é lugar de gritar, por favor! Olhei em volta, procurando a dona da voz, e era aquela ruiva, aos berros no celular

Tinha que ser! Ela levou um olhar mortal da bibliotecária, e pediu desculpa e começou a discutir baixo no celular. Depois se sentou na minha frente.

— Se incomoda? — Perguntar depois de ter sentado, como se eu fosse responder "Claro que sim, procure outro lugar." Neguei com a cabeça, acho que ela ia dizer algo. Mas seu celular vibrou. — Nossa, ele postou uma nova foto. Aí que fofo, ele está com o seu irmão. Olha!

Ela me virou o celular que estava no aplicativo Instragam. A foto tinha dois meninos de olhos azuis. Os dois eram bem bonitos. Mas eu não faço idéia de quem eles são. O nome do user era NashGrier, então um deles era o Nash. 

Acho que ela viu que eu estava surpresa.

— O quê? Não conhece os Grier's? — Eu pensei um pouco, e neguei com a cabeça — MEU DEUS, E QUE PLANETA VOCÊ VIVIA?

Ela recebeu outro olhar ameaçador da bibliotecária, e pediu desculpas novamente. E nisso, meu celular vibrou

Número Desconhecido → Se você é um menino... É o mais cheio de neura que eu já vi! Logico, sem querendo ofender.

Me ofendeu sim... mas não porque sou um menino. Mas sim porque você acabou de me chamar de neurótica. Affs, Tchau.

Aquela ruiva, ainda estava com uma cara de desacreditada. Aí senhor... Eu mereço.

— Quando eu chegar, — Fiz uma pausa, pensando se era isso mesmo que eu queria fazer — Eu procuro saber quem são os seu ídolo. — Falei juntando as minhas coisas. E sai, a caminho da sala.

 Ei, espera! — Ela gritou quando estava bem distante da sala, eu parei. — Nem me apresentei. Me chamo Luana Martin. Pode me chamar de Lua.

​E agora é a parte da apresentação? Ok, claro.

 Bianca Benson.

— Então, você estuda mesmo aqui? A prima não popular dos gêmeos Maison existe. Não é apenas uma lenda — Ela dizia enquanto seguimos para sala

Três primeiras aula de filosofia, saco! Não que não curta a matéria, eu não gosto do jeito que o professor ensina. Todos os grandes filósofos para ele sofria de amor. Eu acho que quem pensa assim, realmente é um tolo. Ele ​passou um trabalho, para o final desta semana... e pior, é em dupla. 

— Senhorita Benson, sua dupla será a menina Martin.

​A obcecada pelos Grier's. Tá, pelo menos com ela eu já falei... Saímos para o intervalo juntas, conversando sobre o trabalho

 E parece que seus primos vão aprontar mais uma vezes — Ela disse e eu segui o olhar para a onde ela estava olhando, Bruno e seus amigos estavam em pé no banco e tinha várias pessoas em volta. A garota começou a mexer no celular — Parece que vai ter uma social na sua casa. De 03h30 da tarde às 09h00 da noite.

— Se incomoda de fazer o trabalho hoje? — Suspirei pesado — Ou estará na mine festa alcoolizada dos meus primos.

— Odeio seus primos. Te espero às 02h30.

Seguimos para longe deles, e conversamos. Basicamente, ela falou e eu ouvi. A única coisa que eu dei mesmo a minha opinião foi no assunto do trabalho. Seguimos para mais 03h30 de aula. Prestei bastante atenção, adoro Biologia, então poderia assistir várias aulas seguidas 

Nós duas, no final de tudo, fomos para a biblioteca.

— Eu vou ver o livro... Olha minhas coisas.

Me levantei e fui pegar os livros que iríamos usar. Escutei meu telefone tocar.

— Bi... Seu celular tocou, e eu atendi... O número é desconhecido — Luana gritou e depois de uns segundos ela gritou de novo — Agora ele desligou.

Eu vi o número, e era aquele desconhecido.

— Na sua casa, 02h30. Aquele endereço que você me deu? — Ela concordou — Então, vou indo. Te encontro lá.

Fui para casa. E me deitei.

Número Desconhecido → Então seu nome começa com Bi... Bom saber!

Luana... Muito obrigada, eu não vou responder ele. Está decidido. Odeio esse Tolo.

 

 


Notas Finais


Obrigada os favoritos e aos comentários.
Espero que vocês tenham mesmo gostado. E deixem a suas opiniões.
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...