História Beetwen Faces - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Caitlin Beadles, Chaz Somers, Christian Beadles, Gigi Hadid, Harry Styles, Justin Bieber, Kylie Jenner, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Ryan Butler, Zayn Malik
Personagens Caitlin Beadles, Chaz Somers, Christian Beadles, Gigi Hadid, Harry Styles, Justin Bieber, Kylie Jenner, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Ryan Butler, Zayn Malik
Tags Criminal, Harry Styles, Justin Bieber, Kylie Jenner
Visualizações 28
Palavras 3.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tenham uma maravilhosa leitura! <333

Capítulo 3 - Burning Car


Fanfic / Fanfiction Beetwen Faces - Capítulo 3 - Burning Car

- Pov. Scarlett Russell. -

Nossa.

Meu corpo todo entrou em combustão espontânea ao sentir aquelas grandes mãos ao redor da minha cintura, sentia seu cheiro forte de perfume masculino adentrar por minhas narinas, ele era visivelmente bem mais alto do que eu, seus cabelos dourados em meio as luzes coloridas e a fumaça me hipnotizavam, sei que disse que tinha vindo aqui apenas por curtição, mas droga! Ele é o tipo de cara que pode fazer qualquer uma perder a linha.

- Scarlett. – Respondi em seu ouvido por conta da alta música e pude notar um sorriso malicioso brotar em seus lábios.

- Quer ir para um lugar mais reservado, Scarlett?

Senti mordidas em meu pescoço e orelha me fazendo revirar os olhos, seu toque conseguiu me fez arrepiar por inteira em segundos.

É realmente normal eu me sentir tão entregue ao toque de alguém que eu nem sequer conheço?!

Adorava sexo por diversão durante a adolescência e agora isso me soa tão estranho...

Mas estou disposta a fazer um esforço por esse cara.

Lou disse que eu precisava viver, e eu preciso viver, merda! Eu o amei até seu último suspiro, mas agora eu infelizmente preciso seguir em frente, me divertir, rir, eu jamais deixarei de ama-lo, mas também preciso amar a vida e acima de tudo, me amar, e me dar uma segunda chance!

O álcool consumido em excesso já estava começando a fazer efeito em meu corpo, e o calor que aquele homem me fazia sentir só estava piorando as coisas.

Eu não estava raciocinando direito, minhas mãos soavam, e eu provavelmente me arrependeria feio do que estaria prestes a fazer quando acordasse amanhã.

- Eu adoraria. – Respondi com um meio sorriso, para em seguida ser arrastada por ele em meio à multidão de pessoas.

Minha consciência gritava que isso era errado, que ainda não era hora, mas ele despertou algo em mim que nem eu mesma sei dizer o que é! Sei que depois me sentirei suja, uma mulher horrível, mas vou deixar que o álcool e o êxtase tomem conta das minhas ações hoje já que terei tempo suficiente para me arrepender amanhã.

Depois de tantos meses de sofrimento, preciso de ao menos uma única noite de diversão, apenas uma.

Justin me guiou para uma Ferrari vermelha estacionada em um local um tanto quanto tranquilo da festa, uma espécie de estacionamento improvisado, ali claramente só haviam carrões e mais carrões, o que me fez perceber que aquele cara com certeza mexia com algo que dava muito dinheiro, mas não me importei com isso naquele momento.

Ele destravou o carro e já foi logo me empurrando para dentro, Justin voou em cima de mim no banco de trás e logo nossos lábios se encontraram, mas gente!

Como seu beijo era maravilhoso...

Nunca fui beijada dessa forma antes, o beijo dele era único, era agressivo, excitante, voraz, era diferente de tudo que eu já havia sentido, então sua língua adentrou minha boca sem muita delicadeza e travamos uma batalha por espaço, explorando cada centímetro dos lábios recém descobertos.

- Porra, você é gostosa para caralho... – Sua voz ecoou pelo carro me fazendo rir, joguei seu boné longe e agarrei seus cabelos, o puxando ainda mais para mim.

Subi em seu colo, a música agora já estava mais baixa, as luzes já estavam um tanto quando distantes de nós, mas mesmo assim ainda eram visíveis, normalmente eu me amaldiçoaria por estar tão exposta desse jeito em um lugar onde qualquer pessoa pode ver, mas sinceramente? Hoje eu não estou nem ligando!

Justin desceu beijos e chupadas intensas pelo meu pescoço e clavícula, joguei minha cabeça para o lado e deixei que ele tivesse total controle sobre mim, suas mãos subiram rapidamente para os meus seios, deixando alguns apertões por cima do sutiã de renda antes que o mesmo voasse até o painel do carro, ele acariciou meus seios agora nus com suas grandes mãos, me fazendo arfar ainda mais.

Seus olhos queimavam todo o meu corpo, teria um resquício de vergonha se já não estivesse alta por conta da bebida, de vez em quando sentia minha visão ficar turva, mas não era nada que eu não pudesse controlar.

Procurei seus lábios viciantes mais uma vez e percebi que estava na desvantagem já que Justin ainda estava completamente vestido, tratei logo de tirar sua camiseta e descer minhas mãos por seu abdômen definido e completo de tatuagens, porra, como aquilo me excitou!

- Gostou? – Ele perguntou com uma voz rouca enlouquecedora.

Contra fatos não há argumentos.

- Muito. – Rebati simples e ele sorriu novamente, me fazendo suspirar, que sorriso!

Fizemos um alvoroço completamente fora do normal naquele banco de trás e quando me dei conta nós dois estávamos completamente nus, estava chupando seu pescoço quando o senti dedilhando minha intimidade, seu dedão fazia movimentos circulares em meu clitóris, me fazendo morder o lábio inferior para não gemer, logo o senti penetrar dois dedos e não suportei mais, soltando um longo e prazeroso gemido.

- Não esconda seus gemidos Scarlett, geme para mim, eu quero te ouvir gemer...

Justin mordia minha orelha com força enquanto aumentava a velocidade de seus dedos em mim, puta que pariu! Eu rebolava em cima de seus dedos procurando ainda mais prazer, agora já estava gemendo sem vergonha alguma, chegando logo ao meu maravilhoso ápice e me aninhando ao seu corpo enquanto me recuperava.

Porra, ele era muito bom com seus dedos, preciso admitir.

- Se ajoelha, agora. – Escutei novamente sua voz em meu pescoço e rapidamente fiz o que ele mandou, já sabendo o que estava por vir em seguida.

E então, não pude deixar de perceber...o pau dele era enorme!

“Como isso aí vai encaixar em mim?! Pelo amor de Deus”!

Tentei manter o foco e logo segurei a base de seu membro, subindo e descendo lentamente, saboreando suas expressões de puro prazer.

- Caralho, mais rápido!

Já havia notado que Justin fazia o tipo mandão na cama, e isso de certa forma me enlouquecia ainda mais! Santo Deus, acho que eu realmente perdi meu juízo!

Aumentei a velocidade e acrescentei minha boca a masturbação, nisso eu de longe já era experiente, sentia o membro de Justin pulsar entre meus lábios e não perdi seu contato visual nem por um segundo, seus olhos antes caramelados agora estavam num tom de castanho escuro de puro êxtase, assim como eu.

- Isso gatinha, assim, continua...

 Ele sussurrava algumas palavras desconexas em meio ao prazer que recebia, mas assim que percebeu que seu ápice estava próximo, me levantou pelos cabelos e me jogou no banco, subindo em cima de mim e brincando com minha sanidade enquanto esfregava a cabecinha de seu membro em minha entrada.

- Anda logo com isso! – Disse angustiada, arrancando uma risada maliciosa dele.

- Eu mando aqui, e quero que você me peça. - Seus olhos encontraram os meus nesse exato momento e revirei meus olhos para ele, sério que ele ia me fazer implorar justo agora?!

Isso é muita sacanagem!

- Sério?! – Rebati indignada, ele apenas continuou sério, então vi que não ia haver outro jeito mesmo. – Por favor Justin, por favor... – Sussurrei vencida, percebendo o grande sorriso que surgiu em seus lábios.

- Por favor o que?!

Ele se fingiu de desentendido, filho da puta.

- Me foda com força, Justin. - Fechei meus olhos porque provavelmente não conseguiria encarar aquela imensidão caramelada de novo e então o senti me preenchendo sem nenhum aviso, me fazendo soltar um alto gemido de dor e prazer misturados.

- Porra... – Gemi em seu ouvido, sentindo suas estocadas ainda fracas.

Justin ficou algum tempo parado para que eu me acostumasse com seu tamanho, mas logo começou com estocadas intensas e brutas, arranhava sem dó suas costas enquanto prendia minhas pernas a sua cintura, o fazendo ir mais fundo ainda.

- Puta que pariu Scarlett, você é tão apertada, quente...

Mordi meu lábio inferior com seu comentário, Justin realmente sabia como me deixar sem graça.

- Awn, assim J-Justin, hum... – Eu gemia sem parar em seu ouvido conforme a velocidade das estocadas, eu ia ao paraíso e voltava, era doloroso e extremamente prazeroso ao mesmo tempo, nunca havia sentido nada assim antes.

Justin bruscamente me levantou e trocamos de posição, voltei para seu colo e me encaixei morrendo de vergonha enquanto o sentia observar cada movimento meu, Deus! Eu conseguia o sentir ainda mais profundamente agora, e então, os gemidos praticamente se transformaram em gritos.

- Você é deliciosa... – Ele dizia abafado enquanto abocanhava meus seios, piorando ainda mais minha situação.

Senti meu orgasmo se formar em meu ventre e sabia que Justin não estava muito longe, me apoiei em seus ombros e continuei a aumentar os movimentos ritmados, gemendo e tentando respirar fundo para não fazer um completo escândalo.

E então, fui atingida por um belíssimo orgasmo múltiplo desta vez.

- Ah.Meu.Deus! – Eu disse em alto e bom tom pausadamente no ouvido de Justin, aquela sensação era tão intensa...

O senti se derramar dentro de mim, mas na hora eu não me importei já que com uma pílula do dia seguinte estaria tudo bem, Justin jogou sua cabeça para trás tão ofegante e soado quanto eu. Nos separamos e ficamos um do lado do outro esperando que o oxigênio voltasse, fazendo então com que o silêncio reinasse entre nós.

- Caralho, você realmente acabou comigo. - Justin sorriu safado, me encarando.

Me virei prontamente para ele e agarrei seus cabelos o puxando novamente para mim apenas para sentir seu beijo mais uma vez, Justin prontamente correspondeu na mesma intensidade, mas logo fomos interrompidos por bruscas batidas na porta da frente.

- Vai começar em cinco minutos!

A voz masculina falou de forma abafada e logo ouvimos passos se afastando, o homem devia estar falando do racha, e Justin pelo jeito seria um dos competidores.

- Acho melhor eu ir...

Comecei a me vestir rapidamente e também a tentar dar um jeito no meu cabelo que agora estava mais bagunçado e estranho do que nunca, Justin fez o mesmo e continuamos em um silêncio confortável até sairmos do carro.

Arrumei mais uma vez minha saia e estava pronta para me afastar dele quando fui bruscamente puxada contra seu corpo e encontrei sua boca me esperando, recebendo um beijo de tirar o fôlego, Justin beijava tão bem...

- Você precisa ir! – Bati contra seu peito para que ele me soltasse, o que o fez rir.

- Eu quero te ver de novo. - Sua voz rouca me fez cair na realidade, eu provavelmente não o veria de novo, nunca mais.

- Acho que isso não vai ser possível. – Respondi simples, Justin arqueou a sobrancelha. – Eu moro em Londres, e estou voltando em duas semanas.

- Bom, então a gente se tromba por aí em breve, Scarlett... – Justin me deu uma simples piscadela, sorri involuntariamente.

Aquilo me deixou com a pulga atrás da orelha, o que ele estava tramando?

- Quem sabe, Justin... – Sorri idiota com o que ele disse, mas eu sabia que não o veria de novo e de alguma forma isso me entristecia.

Voltamos normalmente para a festa e logo eu voltei ao bar, já encontrando Lily com uma cara extremamente curiosa e safada, já me fazendo revirar os olhos.

Quando ela me olhou, sabia que estava bem perto de ter um surto de alegria, e lá vem...

- Olha, não começa com os seus chiliq... – Fui interrompida por gritos e um barulho muito alto de motor, Lily e eu sabíamos que era a partida do racha e saímos correndo feito retardadas para vermos os carros saírem em disparada, nos misturando logo entre a multidão.

E então, aquele maldito sobrenome começou a ecoar pela boca das pessoas enquanto o barulho de motor aumentava ainda mais, meu coração gelou, não podia crer que estava no mesmo ambiente que aquele verme nojento...

- Bieber! Bieber! Bieber!

As pessoas gritavam e assoviavam me causando náuseas, só queria sair correndo dali e chorar até não poder mais, ou pegar alguma arma e meter um tiro no meio da testa daquele assassino maldito!

Lily me encarou completamente enojada e furiosa, me puxando pelo braço e saindo da multidão, minhas pernas não se moviam, o ódio e a sede de vingança queriam me fazer voltar e olhar nos olhos daquele monstro, eu queria saber quem ele era, e talvez não tivesse a oportunidade de vê-lo cara a cara de novo.

- Me solta Lily, porra! – Esbravejei enquanto tentava me soltar e voltar para o racha. – Eu preciso vê-lo, preciso o olhar nos olhos e gravar a face daquele desgraçado maligno!

Lily me ignorava completamente, e quando dei por mim, o barulho da multidão já se encontrava distante, eu não podia perder essa oportunidade! NÃO PODIA!

- PARA, CARALHO! EU PRECISO VOLTAR PARA LÁ! PARE DE ME TRATAR COMO UMA CRIANÇA, QUE MERDA LILY!!!

Eu gritei furiosa, finalmente conseguindo a atenção dela, que balançou a cabeça negativamente buscando calma com a minha teimosia complicada, mas ela tinha que me entender, será que era tão difícil assim?!

- Por favor amiga, pelo nosso Ed, nós vamos embora daqui! – Ela me olhou nos olhos e suspirou, me fazendo prender o choro, droga!

- Mas eu...eu...

Tentei argumentar, mas as lágrimas me tomaram antes que pudesse formular qualquer frase.

- Não, você não precisa disso, o tempo cuidará de tudo, acredite em mim. – Ela rebateu segura de si e realmente, por mais que eu quisesse negar, no fundo Lily tinha razão.

Tendo o meu silêncio como um sim saímos dali o mais rápido possível, meu estômago se revirava e a sede de vingança tomava cada centímetro do meu corpo.

- Aquele filho da puta vai ter o que merece. – Ela disse sozinha enquanto dirigia, apenas concordei.

 

***

 

- MEU DEUS! NÃO ACREDITO QUE VOCÊ FODEU COM AQUELE GOSTOSO DO CARALHO!

Ela se debatia de alegria em minha cama, tirei um dos chinelos dos pés e acertei em sua perna, fazendo um brusco sinal de silêncio para a retardada, meu filho estava dormindo no nosso lado!

- Cala a boca estrupício! Vai acordar meu bebê! – Ela apenas concordou, animada. – E foi só uma transa de uma noite, ele nem deve estar se lembrando de mim com tantas mulheres aos pés dele agora...

Sorri triste com aquilo, mas era verdade, Justin tinha qualquer mulher que quisesse aos pés dele e nem se lembraria de mim a essa altura do campeonato.

- Deixa de ser idiota! – Ela me rebateu, tacando em mim o mesmo chinelo. – Enquanto me agarrava com o Chaz, – O nome do tal loirinho era Charles, mas minha amiga já se achava tão íntima que o chamava apenas pelo apelido. – Eu o vi de olho em você boa parte do racha, parecia estar hipnotizado por você Scar! E qualquer um dos caras que tentaram chegar em você foram bruscamente impedidos pelos seguranças dele! Ele queria você só para ele amiga, isso não se esquece tão cedo!

Sentei na cama ao lado de Lily enquanto digeria suas informações, sorri idiota com tudo aquilo e Lily começou a chacoalhar meu corpo e gritar baixinho, droga! Por que eu estava tão feliz com uma idiotice dessas?!

- Por que eu estou tão feliz com isso?! - Perguntei em voz alta, ouvindo a risada gostosa de Lily.

- Porque você está viva! E pessoas vivem sentem emoções! – Ela respondeu simples, me abraçando de lado. – Estou muito orgulhosa de você sua inútil, está finalmente vivendo! E quero esse sentimento preenchendo você sempre! E se for um bom sexo que vai ser o responsável por isso... – Ela me lançou um olhar sugestivo. – Não hesitarei em ligar para o Chaz e te dar uma lista dos amigos gostosos que ele tem!

Nós duas rimos alto com isso, era impossível alguém ser mais maravilhosa que Lily.

- Mãe....

A voz embargada de Thomas preencheu o quarto, fazendo com que eu e Lily parássemos se nos mover e até respirar.

- Oi meu amor... Mamãe está aqui, volte a dormir... – Me deitei na cama e abracei meu filho, assoprando contra suas bochechas.

Lily saiu saltitando do meu quarto fazendo sinais impróprios com suas mãos e sorrindo feito idiota, revirei os olhos rindo e tentei acertar outro chinelo naquela praga, mas ela escapou e fechou a porta segundos antes de ser acertada.

- Eu sonhei com o papai...

Ed sussurrou querendo chorar, meu coração gelou.

- Está tudo bem meu amor... – Disse com a voz presa no fundo da garganta. – Papai está sempre com você, não precisa ficar assim!

Ed me apertou contra seu pequeno corpo, me fazendo derrubar uma lágrima por meu filho estar se sentindo assim, me senti extremamente egoísta de estar tão feliz e ver meu filho dessa forma, isso é inaceitável.

- Eu quero o papai! – Ed nunca havia feito isso depois da morte do pai, me causando desespero. – Eu quero ele de volta mãe! Traz ele de volta! Por favor mamãe....

Pronto, nós dois começamos a chorar.

- Filho... não chore! – Beijei sua testa, praticamente fundindo nossos corpos.

- Eu estou com tanta saudade dele mãe... – Ele afundou sua cabeça em meu corpo.

Ah meu deus, como dói vê-lo chorar!

- Eu também amor...todos nós estamos, mas agora durma, tudo bem? Estou aqui com você, sempre e sempre!

Não conseguia parar de chorar enquanto pensava na péssima mãe que estava sendo, Ed era minha maior prioridade, que porra!

E ele estava sofrendo tanto quanto eu com a falta do pai ao mesmo tempo que eu estava saindo com outros homens para tentar supera-lo! Isso é ridículo!

Meu Deus Scarlett...

Senti Thomas pesar contra meu corpo e agradeci aos céus por senti-lo dormindo embaixo de mim, nos cobri com a cobertor fofinho dele que havia trazido de Londres e em pouco tempo, adormecemos.

Ed cheio de saudades, e eu consumida pela culpa.

 

I call you but you never even answer

I tell myself I'm done with wicked games

But then I get so numb with all the laughter

That I forget about the pain


 

Whoah, you stress me out, you kill me

You drag me down, you fuck me up

We're on the ground, we're screaming

I don't know how to make it stop

I love it, I hate it, and I can't take it

But I keep on coming back to you

 

Eu te ligo, mas você nem atende

Digo a mim mesma que parei com jogos perversos

Mas então eu fico tão dormente com todas as risadas

Que eu esqueço a dor


 

Whoah, você me estressa, você me mata

Você me põe para baixo, você me fode

Nós estamos no chão, estamos gritando

Eu não sei como fazer isso parar

Eu amo, eu odeio, eu não aguento

Mas eu continuo voltando para você.

 

Louis Tomlinson - Back To You (Feat. Bebe Rexha & Digital Farm Animals).


Notas Finais


Espero muito que estejam curtindo! Até o próximo cap! <3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...