História Before I Fall - Capítulo 10


Escrita por: ~ e ~BolinhoDbatata

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Namjin, Vhope, Yoonmin
Exibições 388
Palavras 3.225
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLAR ARMY!!!
Esse cap é lindo e xeroso com o meu OTP Vhope amorzinho ;u;
Espero que gostem de ler tanto quanto nós gostamos de escrever 💖💖
Boa leitura 💖

Capítulo 10 - Chance


Fanfic / Fanfiction Before I Fall - Capítulo 10 - Chance

Hoseok POV

Eu sou um trouxa. Como me deixo levar assim tão facilmente? Eu estaria mentindo se dissesse que não gosto do Taehyung, mas beija-lo depois de todas as coisas que ele fez, eu não podia me perdoar.

Afastei-me de seu rosto queimando em culpa e arrependimento, e ele notou no mesmo instante. Eu senti sim, falta daqueles lábios, mas só em pensar que ele havia me traído com os mesmo, era tomado por uma vontade de esfregar minha boca com álcool até sangrar.

- Só esquece que isso aconteceu. – desviei meu olhar para sua mão, sem expressão alguma no rosto. Taehyung tinha as sobrancelhas juntas, e eu sentia suas mãos tremendo. – Vou só enfaixar agora, e você já pode ir. – sua boca abria e fechava, mas ele nada dizia. Taehyung era um covarde, isso só se comprovava cada vez mais. Terminei de enfaixar sua mão de forma que cobrisse a fenda aberta em sua lateral, e as falanges de seus dedos machucados, finalizando com um pedaço de fita adesiva branca para não soltar o enfaixe. – Pronto. Eu vou para o meu quarto. Você sabe o caminho para a saída. – me levantei, dando as costas ao garoto.

- Espera! – agarrava o meu pulso com a mão machucada, e vi as bandagens tomando a coloração carmesim. – Eu vim aqui conversar, lembra? Você disse que lá não era lugar para isso, e por isso me trouxe para cá. Por favor, me deixa falar com você, Hoseok. – seu tom era desesperado e choroso. Via seu olhar marejado, enquanto ele tentava a todo custo se agarrar as minhas palavras anteriores na intenção de me fazer ficar ali e ouvi-lo.

- Taehyung, você acha mesmo que isso é necessário? Sabe, é só perda de tempo útil. – revirei os olhos, encarando-o friamente por fora, mas sentindo meu coração acelerar mais a cada segundo por dentro.

- É necessário sim, Hoseok. Eu não vou ficar vendo você dando as costas de novo sem que eu faça nada. Eu preciso te dizer algumas coisas, por favor, deixe que eu as fale. – ele suplicava, e eu não suportava mais essa pressão e ansiedade.

- Tá, que seja. – desvencilhei de seu toque. – Vamos para a sala. – segui para o cômodo, e Taehyung me espelhou no mesmo momento. Sentei em um dos sofás e ele me acompanhou, se colocando a um lugar de distância de onde eu estava sentado. – Estou ouvindo, pode começar. – olhava para seu rosto, enquanto ele fechava os olhos tomando ar e coragem para começar a falar.

- Sabe Hoseok, quando eu te vi no primeiro ensaio, me senti atraído por todas as suas características físicas. Quando você começou a dançar, inventando os passos junto ao seu grupo, eu me senti atraído também pelo seu talento. Mas no momento que você abriu a boca e mostrou sua personalidade alegre e divertida, eu me vi apaixonado e com uma vontade enorme de ter você mesmo que fosse ficando. – ele não me encarava, olhava para frente o tempo todo, como se estivesse olhando para o passado, vivenciando novamente o momento do nosso primeiro contato um com o outro. – Você pareceu notar isso, e depois que eu te puxei para os bastidores em uma das pausas, achei engraçado o quanto nosso beijo se encaixava de maneira perfeita, natural. – ele sorriu como se lembrasse, e eu sem perceber, sorria também. – Ainda consigo sentir as borboletas no estômago daquele dia. Você não me disse onde eu errei, mas eu sei o que te magoou. – ele baixava seu olhar, respirando fundo tomando coragem. – Eu sei que você me viu beijando o Baekhyun àquele dia, e eu não tiro sua razão em não querer olhar na minha cara, ou falar comigo. – suspirou. – Eu pensava muito diferente há uma semana, e ficar sem você, só me fez cair ainda mais na realidade de como as coisas são. Antes eu estava nem aí para nada, achava que um relacionamento sério só era realmente sério se houvesse uma aliança de prata envolvida. E bom, não é bem assim. Eu pensava que estávamos juntos, apenas ficando, o que me daria liberdade para ficar com outras pessoas se eu quisesse, e foi o que eu fiz. Eu deveria ter considerado os seus sentimentos, devia ter percebido que o que estávamos nutrindo um pelo outro não era apenas atração física, mas só percebi isso depois que já era tarde. – ele se virou para mim, me encarando com os olhos tristes, o que fez meu coração bater ainda mais forte. – Hoseok, o que eu quero dizer é que só depois de te perder eu percebi o que eu sentia por você. A dor e a dificuldade ao dormir sabendo que eu não tenho você ao meu lado, chegar na faculdade e não ter você me esperando naquele banco próximo à Cerejeira, te ver sorrir mas não para mim... Tudo isso faz meu coração doer. E eu só notei ao longo dessa semana tortuosa o quanto eu amo você. Eu não posso exigir seu perdão e nem que você volte para mim, mas eu precisava dizer isso de qualquer forma. – ele sorria fraco. – Eu não vou mais te procurar, e espero que você seja feliz com quem for. – Ele se levantou e caminhou até a porta, virando para mim curvando-se em noventa graus. – Obrigada por me ouvir e pelo curativo. –levantou a cabeça com algumas lágrimas escorrendo por seu rosto, e um sorriso retangular que também o adornava. – Adeus, Hobi.

Ele destravava a porta, saindo enquanto deixava um soluço escapar. O que eu deveria fazer?

- Quer saber? Foda-se!

Levantei do sofá em um pulo, correndo até a porta de entrada como um louco. Abri a porta com dificuldade e ia sair em disparada se Taehyung não estivesse ali, encostado com a testa na parede aos prantos. Assim que ele me viu, desviou o olhar como uma criança que é pega fazendo arte.

- Eu já estava indo, eu-

- Cala a boca! – rompi em lágrimas, rodeando seu pescoço com os braços. – Só cala essa boca e me beija. – sussurrei enquanto tomava seus lábios.

Nosso beijo era afoito, salgado pelas lágrimas. Eu o queria, e ele também me queria. Ainda tínhamos muito que conversar, mas naquele momento precisávamos daquilo. Nossas línguas brigavam entre si, até que o ar se fez extremamente necessário, obrigando-nos a separar.

Estávamos com as testas coladas, lágrimas ainda escorriam, e Taehyung entrelaçava sua mão a minha enquanto eu desatava os braços de seu pescoço. Ele agora olhava para mim, enquanto eu o encarava de volta.

- O que isso significa? – perguntou com um olhar repleto de medo. Sorri de lado, tentando suavizar sua expressão, com sucesso.

- Significa que você ainda tem um longo caminho pela frente até que eu te perdoe e você consiga minha confiança de volta. – dizia sério, o encarando. – Mas eu te dou essa chance de fazer tudo dar certo dessa vez.

- Mesmo? – o rosto do garoto se iluminou, e seus olhos brilhavam como estrelas.

- Sim. – sorri sincero. O garoto me apertou em um abraço, distribuindo beijos por todo o meu rosto, me fazendo rir. Ele gargalhava de felicidade, como se aquilo fosse a melhor coisa do mundo. Abraçou-me novamente, mais forte que das últimas vezes, e eu senti todos os pedaços em mim se juntando. Não pude deixar de sorrir, eu me sentia completo de novo, e não queria que esse momento acabasse nunca.

- Prometo não te decepcionar!  - novamente me abraçava, dessa vez me tirando do chão.

- Aish, Tae! Me põe no chão! – grudei em seu pescoço, ele sabia que eu tinha medo de altura e pavor de ficar suspenso ao solo. Ele me ignorou, me obrigando a entrelaçar minhas pernas em sua cintura para me proteger. Abaixei meu rosto até a curva de seu pescoço, inalando o perfume o qual eu sentira tanta falta. Aquilo o fez travar momentaneamente, e eu senti sua pele arrepiar quando depositei um beijo no lugar.

- Hobi... – isso não me intimidou. Apenas o abracei forte, ainda inalando-o com minha boca em sua pele. Eu sabia que ali era seu ponto fraco, e eu estava atiçando-o.

- ‘Tô com saudade. – fora a única coisa que eu consegui proferir. Eu sentia tanto a falta dele, que finalmente estar abraçado a ele, me causava uma paz imensurável. Taehyung era meu calmante natural, mais forte que todos os remédios que eu tomava para conseguir dormir. Ele riu soprado, me apertando em um abraço tão apertado, que em breve seríamos um só se o mesmo continuasse.

- Posso te levar para dentro? – eu sabia o que ele queria dizer, ele estava pedindo permissão para ficar, mesmo que fosse um pedido implícito. Murmurei um “pode” ainda com minha boca grudada em seu pescoço, fazendo manha obviamente.

Taehyung foi caminhando comigo até a sala, e ia se dirigindo ao sofá quando eu o impedi. – Vamos para o meu quarto. – ele pareceu travar na hora, mas acenou positivamente, ainda me carregando. Chegamos ao grande cômodo, o Kim caminhou até a beirada da cama, onde de sentou.  – Senti sua falta. – só então o encarei, e ele tinha um sorriso enorme no rosto e um par de olhos marejados. – Está feliz? – lhe sorria enquanto acariciava seu rosto com a mão direita.

- Estou sim. Muito. – ele selou nossos lábios delicadamente em meio a sorrisos das duas partes, me abraçando em seguida. – Eu senti tanto a sua falta, você não faz ideia. – Tae separava do abraço, alisando meu cabelo.

- Se tiver sido na mesma proporção da falta que eu senti de você, eu faço ideia sim. – rimos juntos. – Dorme aqui hoje. – pedi com um bico nos lábios. – Tem sido bem difícil dormir sozinho.

- Você voltou a tomar aqueles remédios fortes? – franzia as sobrancelhas. Não respondi, só desviei o olhar. – Hoseok. – o encarei com um bico culpado nos lábios.

- Aish, até momentos atrás era Hobi, agora vem com essa de Hoseok? Daqui a pouco você me chama de Jung.

- Para de desviar do assunto. Eu me preocupo, sabia? Eu sei o quanto você fica mole com esses remédios, sem contar as crises de vômito e tontura. – advertia-me. Nesses poucos meses que passamos juntos, ele já sabia todas as minhas manias, vontade e até mesmo reações alérgicas. – Não sei por que você toma essas pílulas, você tem alergia a elas.

- Mesmo com todos os efeitos colaterais, é a única coisa que consegue me fazer dormir desde que- me cortei, desviando o olhar. Suspirei não completando a frase com “você se foi”. Apenas levantei de seu colo sem o olhar, indo em direção a qualquer lugar longe do olhar de Taehyung. Senti-o agarrar meu pulso, me puxando para um abraço.

- Me perdoa. – apertava meus ombros junto ao seu peito.

- Só não faz mais isso. Seria insuportável para mim. – passei a olha-lo. – Eu vou tomar um banho. Vem comigo? – sorri convidativo.

- Pedindo assim, quem sou eu pra negar? – agarrei sua mão, caminhando para dentro do banheiro acoplado ao meu quarto. Agarrei sua mão, guiando-o. – De banheira? - perguntou com os olhos pedintes.

- Ótima ideia, precisamos mesmo relaxar. – fui até a grande banheira que havia no banheiro, ligando sua torneira, deixando que a mesma enchesse. Isso demoraria um pouco, pensei olhando para a água que lentamente preenchia o grande recipiente. – Tae, eu vou separar uma troca de roupa para você. Pode ir pegar as toalhas? – falei enquanto voltava para o quanto.

- Claro que sim. – ouvi abafado, vendo que não estávamos no mesmo cômodo.

Fui até a gaveta que eu sabia que haviam algumas roupas do Tae, e separei uma troca, deixando em cima da cômoda. O mais novo aparecera com duas toalhas brancas em mão, voltando para dentro do banheiro. O segui. A banheira já estava com a quantidade de líquido ideal, então desliguei a torneira.

Taehyung me encarava com uma expressão que eu não soube definir.

- O que foi, Tae?

- Nada, hyung. – ele sorriu, se aproximando. – É só que depois de tantos dias, voltar a ver seu corpo... Estou ansioso. – riu fraco e eu corei violentamente.

- Aish Tae! – escondi meu rosto com as mãos, sentindo seus braços me rodeando.

- Você fica lindo com vergonha, sabia? – beijou meu rosto por cima de minhas mãos, e eu as tirei para que pudesse ter seus lábios juntos aos meus de maneira calma.

O beijo iniciou calmo, mas à medida que ele se prolongava, o calor se fazia mais intenso, e a vontade te sentir mais de Taehyung crescia dentro de mim. Desci minhas mãos por seu peitoral, agarrando a barra de sua fina camiseta, erguendo-a. Senti sua pele amorenada quente e eu sabia que não estava muito diferente dele. Arranquei a peça incomoda de seu corpo, e ele fez questão de se livrar também da minha. Voltei a atacar seus lábios, enquanto suas mãos estavam firmes em minha cintura desnuda, colando nossos corpos ainda mais, onde nossas ereções recém-formadas chocavam-se, levando pequenos choques de prazer pela extensão de nossos corpos. A briga de línguas seria visível caso alguém estivesse nos assistindo, estávamos sedentos, famintos. Eu sentia saudades disso, sentia falta de Taehyung e meu corpo me entregava pateticamente.

Abri o botão de seu jeans, descendo o zíper e invadindo a boxer vermelha que Tae usava no mesmo instante. Ele arfou, soltando um riso, me olhando com volúpia. Senti o tecido úmido, e sorri ao constatar que ele estava tão excitado quanto eu. Ia ajoelhar quando Tae me impediu. O olhei confuso e ele nada me disse, apenas desabotoou a minha calça e fez exatamente como eu havia planejado consigo. Tae se colocou à altura da minha pélvis, não demorando em retirar minhas últimas peças de roupas, e acariciar meu membro desperto. Gemi seu nome assim que senti sua língua quente em minha glande, sentindo meu corpo se arrepiar por inteiro. Estremeci quando Tae abocanhou, contornando e sugando meu falo com vigor. Segurei em seus cabelos, grunhindo em deleite. Seu nome saiu rouco de minha garganta, e ele olhou para mim espremendo os olhos em um pequeno sorriso. Fofo. Apesar de tudo, ele conseguia ser fofo em um momento tão contrário a isso.

Estava prestes a ejacular, quando ele parou os movimentos. Não pude deixar de soltar um muxoxo em reprovação. Ele apenas sorriu e segurou minha mão, me levando até dentro da banheira. Quebrou nosso contato para retirar o restante de suas peças de roupas, para se acomodar frente à min, sentado em minhas coxas. Aproximou-se, colando os lábios no meu pescoço, mordendo o local de forma violenta, me fazendo urrar de dor, ia xinga-lo quando Tae passou a chupar o local com força, e eu sabia que ficaria um roxo enorme. Assim que se separou da minha pele –que com toda a certeza desse mundo estava em um tom avermelhado forte- um sorriso sacana adornava seus lábios, e isso fez meu baixo ventre estremecer, esquecendo por completo a dor de seu “carinho”.

A água estava morna, na temperatura perfeita, mas com Taehyung junto a mim, me sentia sendo banhado pela lava quente de um vulcão. Teria apreciado ainda mais as feições provocativas do Kim, mas ele se arrastou para mais perto, apoiando-se em seus joelhos, se posicionando contra o meu membro. Isso doeria, mas ele parecia não se importar pela ausência de preparação.

Prendi a respiração assim que Tae já com o meu membro rente a sua entrada, passou a descer, esmagando-me em seu interior aos poucos. Fechei meus olhos apreciando o momento e as sensações que o mais novo me proporcionava. Assim que meu membro foi totalmente engolido por Tae, permiti voltar a respirar normalmente, e o garoto soltou um gemido que eu sabia ser de dor. Contornei seu corpo com os braços, repousando sua cabeça em meu peitoral, fazendo um carinho em seu cabelo que já grudava em sua testa. Ele ainda grunhia de dor, mas depois que eu passei a beijar seu topo da cabeça, ele finalmente pareceu se acalmar.

Ficamos um bom tempo ali, abraçados em silencio, até que Tae começou a se mexer, rebolando em meu colo. Soube que poderia finalmente começar meus movimentos, agarrando sua cintura o ajudando a cavalgar sobre mim. O começo era calmo e devagar, e teria continuado dessa forma, se Taehyung –apressadinho, como sempre- não ondulasse o corpo em busca mais contato. Passei a investir no ritmo contrário, indo fundo em Tae, e o mesmo parecia se deliciar com as investidas, uma vez que seus olhos estavam fechados e sua cabeça jogada para trás com a boca aberta gemendo luxuriosamente. Entrelaçamos nossas mãos, e isso lhe dava o apoio necessário para que ele se afundasse em mim. Cada vez mais rápido, até que senti meu baixo ventre estremecer, eu gozaria em breve. Soltei uma mão da de Tae, tomando seu membro esquecido. O garoto gemia mais alto agora, e naquele momento eu soube que chegaríamos ao ápice juntos. Investi mais algumas vezes, atingindo sua próstata, fazendo-o urrar meu nome. Porém isso não durou muito, logo eu preenchia seu interior, e Tae sujava nossos abdomens, caindo em meu peito logo em seguida, devido ao cansaço.

Os espasmos se prolongaram durante alguns segundos, logo abandonando nossos corpos para dar lugar a um relaxamento excessivo. Estava completamente satisfeito, e Taehyung pelo visto, também. Ele levantou seu rosto e sorriu, colando nossas bocas em um beijo calmo, que também não durou muito. Abraçou meu tronco e voltou a apoiar a cabeça em meu peito.

- Eu te amo Hobi. – senti meu coração tremer, se enchendo.

- Eu também te amo, Tae. – o apertei em meus braços de maneira forte, permanecendo naquela posição durante alguns minutos.

Tae agora brincava com a espuma na agua, e eu ensaboava suas costas. O momento em que tivemos que nos separar, o mais novo se colocou de pé por breves instantes para virar de costas para mim, se encaixando entre as minhas pernas, e eu pude notar seus membros inferiores tremendo. Ri fraco e ele me seu um tapa na coxa. – Para de rir de mim. – pude perceber seu bico do tamanho do mundo.

- Acho que peguei pesado com você. Da próxima vez você fica deitado, essa posição cansa. – o puxei colando suas costas no meu peito e sua cabeça apoiando em minha clavícula. Ele assentiu com um “uhum” e eu voltei a ensaboar-lhe.

 

Terminamos o banho não muito tempo depois, secando-nos e nos trocando sem mais delongas. Tae vestiu minhas roupas, mesmo que a muda que eu houvesse separado para si fosse as suas próprias roupas que o mesmo não levou embora para sua casa. Ele não precisava saber que eu dormia com suas camisas, só para sentir seu cheiro, e que por esse motivo eu não havia lhe devolvido as peças.

Ajeitei as cobertas e me aconcheguei em seus braços. Trocamos uns beijos e carícias nada castas, antes de sermos entregues ao mundo dos sonhos.


Notas Finais


MEU VHOPE, NINGUÉM SAIIIII 💖💖💖
Gente eu amo esse ship, socoho.
Enfim, próximo cap sai em breve *u*
E dêem amor para as nossas outras fic 💖💖💖 elas são um amorzinhos e são boas, posso garantir *o* 💖💖

Fic ABO (Alfa & Omega): Lírio Branco (Yoonseok Namjin Vkookmin MPREG ): https://spiritfanfics.com/historia/lirio-branco-6620042

Fic Daddy!Kink: Hollys Koppi (Namjin Yoonseok Vmin MPREG): https://spiritfanfics.com/historia/hollys-koppi-6729977

Fic Daddy!Kink [texting]: Daddy I Need You (Vhope) : https://spiritfanfics.com/historia/daddy-i-need-you-6683651

Fic Selfharm: Save Me ( Vhope Namjin Yoonseok Jikook Vkook MPREG ) : https://spiritfanfics.com/historia/save-me-6683197


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...