História Before Memories - Romanogers Fanfic - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Agents of S.H.I.E.L.D., Capitão América, Jovens Vingadores (Young Avengers), Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bobbi Morse, Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Maria Hill, Natasha Romanoff, Nick Fury, Peggy Carter, Pepper Potts, Phillip Coulson, Sharon Carter (Agente 13), Steve Rogers, Thor
Tags Capitão América, Romanogers, Stasha, Vingadores
Exibições 383
Palavras 5.290
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Capítulo super longo a seguir.

Capítulo 27 - Capítulo 27


Fanfic / Fanfiction Before Memories - Romanogers Fanfic - Capítulo 27 - Capítulo 27

Steve tratou de dar selinhos seguidos nos lábios de Natasha após finalizarem o beijo. Em seguida, ele beijou o rosto dela e deslizou o nariz pela maçã do rosto de Natasha, enquanto ela beijava o rosto dele.

N: Me desculpe.

S: O que?

Natasha falou tão baixo que Steve não entendeu direito.

S: Você se desculpou?

Natasha fez positivo com a cabeça.

S: Você não precisa.

N: Eu preciso.

S: Natasha você está me preocupando.

N: Não, eu estou bem...

S: Eu acho que Sam irá entender, se...

N: Não... Não, Steve...

Natasha encostou a mão no peitoral de Steve e o fez se afastar.

N: Vai. Fique com seus amigos, nos veremos amanhã.

S: Certeza?

N: Sim.

Steve deu mais um selinho em Natasha, se levantou e desceu as escadas. Steve parou no corredor e olhou para Natasha ainda sentada na escada, observando ele. Steve sorriu e acenou para se despedir e Natasha deu um pequeno sorriso.

...

Sam: Finalmente!

Bucky: Vamos.

Bucky e Sam entraram no carro e assim que Bucky se sentou no banco do carona, Sam olhou para Bucky.

Sam: O que você está fazendo?

Bucky ficou confuso com a pergunta.

B: Sentando?

Sam: Sim, mas você está no lugar certo?

Bucky suspirou e revirou os olhos, ele saiu do carro e entrou na porta de trás. Steve tomou o lugar de Bucky ao lado de Sam no carro.

Sam: Bem, Steve, você está sorrindo.

B: Fizeram as pazes.

Sam: Por isso estavam demorando, não acredito que vocês estavam se pegando, vocês precisam de terapia, ninguém pode fazer tanto sexo assim.

Steve riu e ficou um pouco corado, enquanto Sam dava partida com o carro.

S: Nós conversamos, e só conversamos.

Sam olhou para Steve com uma sobrancelha erguida.

S: Okay, nós beijamos... Mas foi só um beijo.

Sam: Sei.

S: Sim, paramos quando você ligou.

Sam: Eu achei que ia desistir.

B: Eu também.

S: De sair com vocês?

Sam fez positivo com a cabeça.

S: Não, eu disse que ia, então...

Sam: Você é um homem de palavra, e é por isso que eu gosto tanto de você.

B: Depois você fica reclamando dos fãs do Steve que ficam fazendo montagem de vocês dois se beijando.

S: O que???

Sam fez negativo.

Sam: Ao menos eu só estou beijando naqueles desenhos indecentes, mas vocês dois...

S: O que? Eu e Bucky?

Sam: São muito piores, tem coisas explícitas ali, cara.

S: O que??? Do que estão falando?

Bucky e Sam começaram a rir.

Sam: Steve da próxima vez que estiver de bobeira, faça uma pesquisa no Google com o termo “STUCKY” e você ficará surpreso.

S: As pessoas pensam que tenho um caso com Bucky e você?

B: E com Tony.

Sam: Ah sim, com o Tony!

Steve franziu a testa, completamente surpreso.

S: Mas eu e Natasha.

Sam: Relaxa, eles também tem várias montagens sua com a Natasha.

B: E com a Wanda.

S: O QUE??? Ela é uma criança.

B: Ela não é criança, ela é... Ela é....

Sam olhou para Bucky e começou a rir.

Sam: Eu sei o que quer dizer, Bucky.

S: Isso é ultrajante! Eles não podem fazer isso!

B: Imagine se Steve visse as montagens dele com Hill.

Sam: Ohhhh cara, seria hilário.

S: Hill? Eu jamais!

Sam: Relaxa, Steve, é só o que os fãs loucos tem vontade de ver rolar.

B: É, não se preocupe.

Sam: Eu tenho que admitir que as minhas favoritas são da Nat e Hill.

B: Eu vi.

S: O que? Eu estou bem aqui.

Sam: Me desculpe, Steve, mas... Cara, você precisa ver, eles chamam de Hillmanoff.

S: Hillmanoff?

Sam: Eu sinto calor só de lembrar das fanarts, eu nunca mais olhei pras duas juntas da mesma forma depois disso.

S: Eu não quero você pensando na minha mulher desse jeito.

B: Uou.

Sam: Minha mulher? Vocês são casados agora?

S: Não, mas...

Sam: Relaxa, Steve. Só estamos brincando.

Sam olhou pela janela e tossiu.

Sam: Só que não.

S: Que?

Sam: Nada.

Sam e Bucky ficaram rindo, enquanto Steve passou a viagem toda emburrado. Eles passaram no mercado e depois seguiram para a casa de Sam.

Sam e Bucky entraram em casa, enquanto Steve ficou do lado de fora e disse que já ia entrar.

Steve pegou o celular e decidiu ele mesmo fazer a pesquisa do termo stucky, ele ficou boquiaberto e depois pesquisou Stony e fez cara de nojo. Antes de entrar, Steve decidiu fazer outra pesquisa, ele digitou hillmanoff e apesar de chocado, ele achou aquilo muito sexy.

Steve ficou vários minutos olhando as imagens de Hilmanoff e depois decidiu pesquisar “steve rogers e natasha Romanoff”, ele achou o termo romanogers para definir o par e começou a ver as imagens do beijo que rolou tempos atrás na escada do elevador e nessa época, ele mal queria ficar perto dela.

Depois Steve viu uma foto dele e Natasha no restaurante russo que estiveram no dia anterior, com o título “Romance entre Vingadores?”. Steve estava surpreso, não lembra de ter visto ninguém com câmera fotografando eles ontem.

Sam: Steve, como é que é?

Sam gritou de dentro da casa, Steve finalmente guardou o celular e entrou.

Depois de guardarem as coisas, os três se reuniram no quintal para jogar sinuca e quando o jogo estava para começar, os três voltaram para a sala e ligaram a tv.

Steve tirou o celular do bolso e viu que tinha uma mensagem não lida, ele abriu e era Natasha.

“Já chegaram?”

“Sim. Você está na base?”

Steve respondeu.

“Não, chegando na casa da Hill agora.”

Steve lembrou das montagens Hillmanoff.

“Nat, você já procurou pesquisar você e Hill no google alguma vez?”

“Sim”

Steve demorou a responder, pensando em como perguntar se ela viu as montagens ou não. Natasha podia até imaginar a cara de Steve, se ele está perguntando, é porque viu as montagens delas.

“Você viu, por acaso, umas montagens de vocês duas.... Tipo, bem juntas?”

“O que quer dizer com bem juntas?”

Natasha sorriu de canto de boca, ela sabe exatamente o que ele quis dizer, mas queria que ele dissesse.

“Vocês beijando e fazendo coisas”

“Eu vi. Por que?”

“Nada, eu só estou surpreso. Tinha montagens minha com Sam, Bucky e Tony. É muito chocante essas montagens”

“Ah, Stony são minhas favoritas”

“Que???”

“Ora, Steve, é fofo e ainda bem que as suas são só montagens”

“...”

Steve ficou pensativo e depois franziu a testa e respondeu Natasha de novo.

“O que quis dizer com “as minhas são só montagens”? As suas também são, não são?”

“Bem...”

“Natasha”

“Há chances de algumas serem de verdade”

“Você só está brincando”

“Não, eu não estou”

“Você beijou a Hill na boca?”

“Algumas vezes.”

Steve respirou fundo e passou a mão pelo rosto.

B: O que foi, Steve? Está tudo bem?

Steve puxou a gola de camisa para respirar melhor e manteve a testa franzida.

“De verdade?”

“Sim. Qual o problema? Eu não beijo ela mais agora se é o que está passando pela sua cabeça”

“Você dormiu na casa dela, Natasha. Vocês só beijaram ou vocês já fizeram mais que isso?”

“Bem, eu não quero responder isso.”

“Por que não?”

“Porque você parece estar com ciúmes da Hill e eu não quero drama agora”

“Então é um sim”

“Eu não vou confirmar nada”

“Droga, Natasha”

Natasha entrou na portaria do prédio de Hill, com o celular na mão e rindo bastante de Steve.

“O que você vai fazer aí na casa dela hoje?”

“Nada, só vamos comer pizza e tomar um vinho”

“Vinho?”

“Sim.”

“Que horas você vai embora?”

“Eu não sei se vou embora hoje.”

Natasha entrou no elevador.

Steve coçou a nuca e já estava até vermelho.

Sam voltou na sala com cerveja e aperitivos e olhou para Steve.

Sam: O que está acontecendo?

B: Ele não disse.

Natasha percebeu o silêncio de Steve e sabia que ele estava com raiva e morrendo de ciúmes, ela desceu do elevador e mandou outra mensagem.

“Eu só estou brincando, Steve”

Steve leu a mensagem e respirou fundo. Na verdade, ele estava prestes a sair da casa do Sam e ir buscar Natasha na casa de Hill.

“Não teve graça”

“Teve pra mim”

Steve guardou o celular no bolso.

“Steve? =)”

Steve sentiu o celular vibrar, mas ignorou.

“Steven? Vai ficar bravo? Okay.”

Sam: Então?

S: Nada, era só Natasha me pregando uma peça. Vamos assistir ao jogo.

...

Natasha tocou a campainha do apartamento de Hill.

Hill abriu a porta.

H: Por que está sorrindo?

N: Steve, ele descobriu as montagens Hillmanoff e começou a fazer perguntas. Eu disse que não eram montagens e ele surtou, achou que tínhamos um caso.

Natasha entrou no apartamento de Hill.

H: Bem, boa parte daquelas montagens foi o Clint que fez.

N: E algumas não são montagens.

H: É...

Hill fez cara de nojo.

H: Eu não estava preparada praquilo.

N: Como não? Eu só ia dar um selinho e você botou a língua na minha boca. Você tem desejos internos por mim, eu sei.

H: Sua louca, eu achei que era parte do disfarce! E você continuou o beijo, então...

N: Claro que eu continuei, você parecia querer.

H: Eu não queria! Eu não sou lésbica. Eu só estava fazendo o meu trabalho naquela missão.

N: Você parecia estar gostando.

H: Como eu disse, só estava fazendo meu trabalho, tinha que passar credibilidade. E você fala como se você mesma não parecia estar gostando também.

N: Eu estava gostando. Não tenho vergonha disso.

H: Deus, Natasha. Você me acusa, mas você é a sapatão aqui.

Natasha sorriu.

N: Eu disse a você, se eu não casasse Barton ou Steve, eu casaria com você. Barton não deu, Steve... Eu ferrei com tudo, então... Você é a próxima.

H: Ah me desculpe, Nat, mas você não tem algo entre as suas pernas que vai me agradar e você tem peito demais.

N: Então eu acho que ficarei sozinha.

H: Bem vinda ao club.

Hill pegou uma garrafa de vodka, serviu uma dose para ela e para Natasha.

Natasha segurou o copo e ficou pensativa, olhando para o copo. Hill encostou o copo dela no de Natasha.

H: Você tem mesmo certeza do que vai fazer?

N: Sim.

Natasha suspirou e virou o copo.

N: Me sirva mais, por favor.

Hill colocou mais vodka no copo de Natasha.

N: Eu vou precisar de você, Hill.

H: Eu sei. Eu estou aqui pra você.

As duas brindaram e tomaram suas bebidas.

...

Depois de assistirem ao jogo e conversarem bastante, Bucky e Steve foram dormir no quarto de hóspedes de Sam. Steve deixou Bucky ficar com a cama e dormiu no colchão inflável no chão.

Durante a madrugada, Steve acordou assustado e olhou na direção da porta do quarto, ele franziu a testa ao ver Natasha na porta do quarto.

Natasha encostou o dedo nos lábios, indicando para ele não fazer barulho, em seguida indicou a sala com a cabeça e caminhou para lá.

Alguns segundos depois, Steve apareceu na sala.

S: Nat? O que está fazendo aqui?

N: Eu só queria ver você.

Steve caminhou até ela e deu um selinho nos lábios dela.

N: Eu não queria arruinar sua noite com os meninos, mas...

S: Está tudo bem, estou feliz que esteja aqui.

Steve deu mais um selinho em Natasha.

N: Eu não posso ficar, eu preciso voltar para a casa da Hill. Eu só...

Natasha suspirou e Steve a beijou novamente.

S: Você bebeu.

N: Sim.

S: Está bêbada.

N: Um pouco.

S: Eu vou te levar.

N: Não...

Natasha empurrou Steve até o sofá e o fez se sentar, ela sentou no colo dele e abraçou o pescoço dele.

S: Natasha...

N: Tudo bem, eu cheguei aqui, posso ir embora.

Natasha encostou os lábios nos de Steve e ele deslizou as mãos pelas coxas dela.

N: Eu preciso ir.

S: Não, espera... Talvez a gente...

N: Não... Sam me mataria... Eu só... Steve?

Natasha fechou os olhos e abaixou a cabeça.

S: O que?

N: Você realmente me ama?

S: Eu amo, Nat.

Nat mordeu o lábio e fez negativo com a cabeça.

N: Se você soubesse de algo horrível que eu fiz... Você me perdoaria?

S: Do que está falando? Do seu passado na KGB como assassina?

N: Não diga essa palavra.

S: Desculpe. Você sabe que já pagou pelo que fez, você é uma boa pessoa agora. Eu amo quem você é, mesmo com o seu passado.

N: Mas você me perdoaria se você soubesse o que eu fiz?

S: O que você fez?

Natasha abriu os olhos e fez negativo com a cabeça.

N: Eu não posso te dizer.

S: Você fez isso há pouco tempo?

N: Não...

S: Natasha, você está bêbada... Deve ser isso.

N: Me desculpe, Steve. Me desculpe.

S: Não se desculpe pelo seu passado.

N: Eu não queria, mas eles me fizeram. Eu sinto muito.

S: Natasha, calma, ok?

Natasha deitou a cabeça no ombro de Steve e ele acariciou as costas dela.

S: Está tudo bem.

Steve beijou a testa de Natasha e a deixou quieta em silêncio. Steve a pega triste de vez em quando e fica tentando imaginar que demônios assombram a mente dela para que ela fique tão mal assim, se ele pudesse fazer com que eles nunca mais voltassem a assombrar ela... ele se sente muito impotente, não sabe ao certo o que fazer para ela melhorar.

A parte boa é que ela se recupera sozinha depois de algumas horas e fica parecendo legitimamente feliz com ele. Se ao menos ele pudesse fazê-la sorrir o tempo todo. Ele só quer fazer ela feliz.

Steve beijou a testa de Natasha demoradamente e ela podia sentir o peso dos sentimentos dele, através de pequenos gestos de Steve, como esse beijo... Natasha suspirou e ergueu a cabeça bruscamente.

Agora não é hora para ficar recebendo o amor de Steve. O que ela está fazendo lá? Ela sabe que não pode, não devia, ela precisa ir embora, ela está fazendo tudo errado.

Natasha se levantou as pressas e Steve ficou surpreso pela rapidez que ela se afastou dele.

N: Eu preciso ir.

Natasha passou a mão na testa.

S: Você não pode dirigir assim.

N: Eu vim de taxi. Eu voltarei de táxi.

S: Eu te levarei até a porta.

N: Não...

Natasha empurrou o ombro de Steve para baixo, fazendo com que ele permanecesse sentado.

N: Volte para o quarto.

S: Natasha.

N: Sh...

Natasha agachou e beijou os lábios de Steve rapidamente, depois caminhou para o quintal e pulou a cerca. Steve tentou seguir ela, mas sabe que tomaria um tiro por isso, e resolveu ficar na casa de Sam.

...

Na manhã seguinte, Steve voltou para a base e foi direto para o quarto de Natasha, mas ela não estava lá.

“Ainda está na Hill?”

“SHIELD. Eu estou ocupada com a missão”

“Aonde vou te encontrar?”

“No Hotel Oklatoc”

“Hora?”

Natasha demorou um pouco a responder sobre o horário.

“18h”

“Ok”

Natasha afastou o celular na mesa, enquanto uma das cabelereiras da SHIELD, arrumava o cabelo dela. Um agente apareceu com o dispositivo de escuta para Natasha colocar no corpo.

N: Eu não vou usar isso.

- É o protocolo, senhora.

N: Eu não preciso disso. Ele não irá confessar, eu só preciso pegar os arquivos no cofre dele.

- Mas o padrão é que...

H: Tudo bem agente Mack.

O agente parecia frustrado e saiu da sala.

Hill estava chegando agora na sala.

H: Eu espero que não se distraia com Rogers lá.

N: Já falhei numa missão desse tipo alguma vez?

H: Não, mas são circunstâncias diferentes.

N: Não se preocupe. Estou focada.

H: Eu trouxe isso.

Hill abriu uma pequena maleta e mostrou para Natasha umas luvas finas como pele para ela usar parar ter acesso ao cofre do alvo da noite.

H: Consiga qualquer digital dele e a luva criará o restante e você terá acesso ao cofre. Quanto aos seguranças...

N: Bancarei a exigente. Sem público.

H: É, mas ainda assim, ele manterá seguranças no quarto em locais especiais escondidos. Especialmente nos closets.

N: E você tem algo pra isso?

H: Sim. Isso.

Hill entregou um par de óculos escuros para Natasha.

H: E isso.

Hill entregou uma arma para Natasha.

H: Último presente de Tony Stark para a SHIELD, baseado nos padrões de ética de Steve Rogers.

N: Então não é letal.

H: Não, mas potente o suficiente para atravessar madeiras maciças. Quem for atingido vai ficar babando por pelo menos 24 horas.

N: Parece bom.

H: E é.

Hill mirou na cabelereira e atirou nela. Natasha olhou horrorizada para Maria Hill.

H: A melhor parte...

Hill se aproximou do corpo da mulher e puxou o fino dardo preso na pele dela.

Natasha olhou para a região atingida e não tinha sangue.

N: Não deixa marcas?

H: Só isso e some em dez minutos, ele solta coagulantes na pele.

N: Tony se supera cada dia mais.

H: Bem, os óculos vão lhe dar visão dos seguranças que ficarem escondidos pelo quarto. Os que ficarem na porta, não podem desconfiar de nada, então faça pouco barulho. E evite que Rogers arruíne tudo, ele parece ser bem ciumento pra isso.

N: Já disse que não é pra se preocupar.

H: Tudo bem.

...

Conforme o dia foi passando, Natasha ficou na SHIELD obtendo maiores informações sobre o caso, conhecendo a planta do hotel e ela mesma disse onde os agentes de suporte deveriam se posicionar, ela não quis nenhum dentro do hotel, somente Steve.

À noite, quando Steve chegou ao saguão do hotel, na hora combinada, Natasha estava sentada no bar, mas como estava disfarçada, Steve não a viu.

Steve achou que ela ainda não tinha chegado, então foi até o bar e pediu uma garrafa de água.

Natasha estava sentada na baqueta, bem ao lado de Steve e ele ainda assim não a reconheceu, mas o cheiro do perfume sim. Ele olhou para a mulher branca de cabelos pretos ao lado dele.

N: Pare de me encarar, Rogers.

Steve ergueu as sobrancelhas, totalmente surpreso.

S: Natas...?

N: Não seja burro.

S: Desculpe.

Natasha girou a banqueta e ficou fitando o saguão.

N: Permaneça olhando para o bar e não para mim.

S: Ok.

N: Eu quero dizer, você pode olhar apenas para demonstrar interesse como homens fazem, mas não muito.

S: Eu tenho interesse.

N: Cala a boca.

S: Você está linda.

N: Não estou quando estou ruiva?

S: Não é o que eu quis dizer.

Natasha tomou um gole do Martini para disfarçar o sorriso.

N: Procure se sentar perto da janela.

S: Ele está aqui?

N: Não. Ele devia estar. Coulson?

Coulson: Romanoff, o carro dele acaba de estacionar, ele está saindo.

S: Eu vou para alguma mesa.

N: Não! Ele vai notar. Fique aqui.

Steve apoiou os antebraços no balcão do bar e tomou um gole da água.

N: Peça uma bebida alcóolica, Steve. Ninguém vem a um bar pra beber água.

Natasha disse com o Martini na frente dos lábios.

N: Você não fica bêbado, pode beber.

S: Ok.

Coulson: Natasha, ele está entrando agora.

N: Eu vejo ele.

Natasha abaixou o óculos para ver seu alvo, depois pegou em sua pequena bolsa de mão um batom e um espelho. Ela passou o batom nos lábios demoradamente, tempo suficiente para o alvo dela passar pelo bar, olhar para ela rapidamente e seguir com os seguranças dele para uma pequena sala envidraçada.

S: Ele sequer olhou.

N: Claro que olhou.

Steve olhou para o homem na sala.

S: Ele não pareceu impressionado, então, parece estar focado em conversar com aqueles homens.

N: Sim, ele está aqui a negócios. Homens como ele dão prioridade ao dinheiro, depois o prazer.

S: Prazer? Qual o plano aqui?

N: Steve.

S: O que? Você disse que não se prestaria mais a esse tipo de serviço com a SHIELD.

N: Eu mudei de ideia.

S: Eu até te defendi quando Tony queria que você seduzisse para conseguir informações. Você não tem que fazer isso.

N: Eu estou fazendo porque eu quero.

S: Então, você vai flertar com ele e só?

N: Eu farei tudo o que for necessário.

Steve virou o rosto para fitar Natasha.

N: Não olhe para mim e cuidado com o que fala, você está chamando atenção.

Steve respirou fundo e olhou para frente, com a testa franzida.

S: Eu espero que saiba o que está fazendo e que lembre que eu estou aqui, eu não quero ver outro homem tocando em você.

N: Então é melhor que você feche os olhos.

Natasha girou a banqueta e também ficou de frente para o bar, ela ergueu o dedo, chamando o garçom e pediu outro Martini.

Steve respirou fundo mais uma vez.

S: Eu espero que seja só uma brincadeira sua.

Natasha ignorou Steve e depois de vinte minutos, um homem chinês e gordo saiu da sala em que o alvo de Natasha estava. A sala era uma espécie de área VIP, a prova de som.

Logo após cinco minutos, um homem enorme se aproximou de Natasha no bar.

- Meu chefe gostaria de lhe oferecer um drink.

N: Seu chefe?

- Sr. Lee.

O homem indicou o alvo de Natasha dentro da sala. O homem com aparência de ter entre 30 e 35 anos, cabelos pretos encharcado de gel, penteado para trás, dente de ouro e muitas joias pelo corpo.

O alvo ergueu o copo de uísque que estava bebendo para Natasha.

Natasha franziu a testa e fez cara de desdém.

N: Diga ao seu chefe que eu não sou uma prostituta.

O homem concordou com a cabeça e se afastou.

Steve achou que Natasha tinha mudado de ideia, mas ficou em silêncio, assim como ela que bebia do Martini aos poucos.

Alguns minutos depois, voltou o segurança do Sr. Lee.

- Me desculpe, senhorita, ele diz que sente muito se causou a impressão errada e que gostaria de lhe pagar um jantar.

N: Diga a ele que se ele quer me conhecer, que ele devia vir pessoalmente e não mandar recados.

O homem franziu a testa e se afastou de novo.

Steve olhou para o Sr. Lee na sala, recebendo a resposta de Natasha do segurança e viu o quanto ele parecia animado, começou a rir e se levantou.

O homem saiu da sala e caminhou até o bar.

- Muito impressionante esse jogo de difícil.

N: Não é um jogo. Eu não estou interessada.

- Mesmo? O que uma mulher como você, faz por aqui?

N: O que um homem como você faz por aqui?

O homem riu de bom humor, novamente.

- Ah esse sotaque... Russa, eu imagino.

Natasha revirou os olhos, fingindo impaciência.

- Me desculpe, senhorita...

Natasha permaneceu muda.

- Eu sou Juan Carlos Lee Machado. Mas me chamam de Sr. Lee, mas você pode me chamar de Juan.

N: Eu prefiro não chama-lo de nada, essa conversa acaba aqui.

- Hey, hey, por que está tão na defensiva?

N: Porque você pensa que eu sou prostituta.

- Não exatamente, eu a acho bem sexy, é verdade. E eu quero levar você para a cama, mas apenas se você quiser.

N: Agora você está sendo sincero.

- Me deixe começar, te levando para jantar.

N: Eu não saio com estranhos.

- Eu já me apresentei, mas você ainda é uma estranha para mim.

Natasha suspirou, demonstrando estar entediada.

N: Rushman.

- Rushman?

N: Natalie Rushman.

- Você me daria a honra, Srta. Rushman?

N: Eu não posso.

- Por que?

N: O que vão dizer? O que você vai pensar? Eu janto com você, você me seduz e aí iremos para o seu quarto, você desaparece na manhã seguinte.

- Eu acho que eu posso mudar a sua cabeça e mesmo que você vá para o meu quarto e eu espero que vá, você não vai se arrepender. Você terá a melhor noite da sua vida.

Natasha riu.

N: Eu duvido disso.

- Eu posso provar se você me permitir.

O homem estendeu a mão para Natasha, ela deixou o Martini dela na mesa e ia abrir a bolsa para pagar.

- Não, por favor. Permita-me.

N: Eu tenho o meu dinheiro.

- Ok.

Natasha pagou a bebida e foi para a sala VIP com o senhor Lee. Steve apenas observou do bar, os dois conversando, em seguida jantando e bebendo cada vez mais.

Natasha ficou horas na sala VIP e Coulson dizia a ela se era seguro ou não tomar as bebidas que ele servia para ela. Natasha teve que fingir estar bêbada depois de algum tempo e o senhor Lee logo aproveitou para sentar ao lado dela num grande sofá dentro da sala VIP, ele passou as mãos na coxa de Natasha e nessa hora Steve olhou pra baixo em frustração.

Natasha sorriu e afastou a mão do senhor Lee.

N: Você é bem adiantado, Sr. Lee. Eu disse que eu não sou qualquer uma.

- De jeito nenhum você é. Eu poderia fazer de você uma estrela, você tem um rosto muito bonito.

N: Mesmo?

- Você pode ser uma modelo ou atriz.

N: É o meu sonho!

- Mesmo?

Senhor Lee tornou a passar a mão pela coxa de Natasha e ela fingiu estar deslumbrada com as propostas de fama dele.

- Eu posso te dar fama, dinheiro, reconhecimento. Todos falariam de você...

O senhor Lee aproximou o rosto do pescoço de Natasha, enquanto subia as mãos pelas coxas dela, até encostar na barra do vestido. Natasha estava morrendo de nojo e lembrou porque não estava mais pegando missões desse tipo.

Steve observava e ele segurou no copo com tanta força, quando viu o senhor Lee dado beijos no pescoço de Natasha, que quebrou o copo e atraiu a atenção de quem estava ali em volta.

Natasha observou rapidamente, mas logo voltou a fazer seu papel de menina sonhadora com a fama.

N: Você realmente pode fazer isso por mim?

- Menina... Já ouviu falar de Miley Cyrus? Demi Lovato? Eu as fiz.

N: Mesmo?

- Jay-Z é meu amigo, eu tenho muitos contatos.

N: Senhor Lee, eu não tenho nenhum dinheiro.

- Você não precisa ter.

N: Eu sei o que quer de mim... Mas eu....

- Você é uma menina boa. É eu sei, mas eu quero isso mesmo que você está pensando e eu sinto que você quer também.

O senhor Lee aproximou os lábios dos de Natasha e ela olhou brevemente para Steve, que já nem disfarçava mais que estava observando o que ela estava fazendo.

Tem que ser assim. Natasha pensou, enquanto fechava os olhos e se deixava beijar pelo senhor Lee. Steve bateu no balcão do bar com força.

- Oh amigo se você quebrar, você paga.

Steve se levantou para se retirar.

- Você tem que pagar, amigo.

Steve pegou a carteira e tirou uma nota de 10 dólares e jogou no balcão, ele observou Natasha mais uma vez, e ela estava quase sentada sobre o alvo dela, o beijando sem parar. Steve fechou o punho e pensou em invadir a sala, mas preferiu sair do hotel e ir até a calçada para tentar se acalmar.

Steve ficou andando na calçada e uma van do outro lado da rua, que parecia estar vazia, começo a mover algo como se fosse um espelho e Steve conhece esse sinal, ele andou até lá e a porta da van foi aberta.

S: Hill.

H: Entre.

Steve entrou na van e Hill fechou a porta.

H: Você vai arruinar tudo.

S: Por que é que você não faz missões como essa? Por que tem que ser Natasha?

H: Eu não a forcei, Steve.

S: É sua culpa.

H: Não é. Ela é crescida e toma as próprias decisões. Ela sabia bem o que teria que fazer.

S: Ela está beijando ele e deixando ele passar a mão nela!

H: Novamente repito, é a decisão dela.

S: Eu poderia ajudar, ela não teria que se sujeitar a isso.

H: Você não quer ouvir, Steve. Ela queria!

S: Eu vou voltar lá.

H: Não, você não vai.

S: Quem vai me impedir?

H: Eu, se necessário. Essa é a minha missão e você não vai arruinar por conta de ciúme besta.

Steve socou a porta da van.

H: Bata na van o quanto quiser, mas você vai esperar aqui, já estava dando bandeira demais lá fora.

...

Depois de algumas horas, Natasha saiu do quarto de hotel e entrou na van. Hill mandou o motorista dar partida e foi se sentar no banco de passageira.

Natasha removeu a peruca que usava.

H: Entregou o material para o Coulson?

N: Sim, está seguro.

H: Senhor Lee.

N: Ele não vai perceber nada. Eu garanti que tudo que ele vá se lembrar será meu corpo sobre o dele.

Natasha disse de propósito, sabendo que magoaria Steve ainda mais.

N: Ele não é tão ruim de beijar depois de um tempo.

Hill sequer conseguiu responder ao que Natasha dissera, ela estava pegando pesado.

Steve foi em silêncio até a base da SHIELD. Ao chegarem, Hill subiu com o agente para o prédio e Natasha disse que ia para casa, descansar.

Steve e Natasha não se falaram, até irem ao estacionamento, livre de testemunhas para ouvir eles.

S: Natasha.

Natasha olhou para Steve, enquanto destravava o carro.

S: Você não tem algo a me dizer?

N: O que?

Natasha se fez de sonsa.

N: Obrigada por ter estado lá comigo.

Natasha sorriu, falsamente.

S: Você beijou outro homem e deixou ele passar a mão em você, na minha frente, como você acha que me senti?

N: Eu estava trabalhando.

S: Se você quisesse mesmo esse arquivo, podia ter conseguido de outro jeito, pedia ajuda do Barton...

N: Ele está aposentado.

S: Há dezenas de outros agentes. Por que você fez isso?

N: Porque eu queria! É o que você quer que eu diga? Eu queria beijar alguém diferente, eu gosto de seduzir homens, eu gosto de vê-los encantados por mim, gosto que eles façam tudo por mim.

S: Assim como eu faço.

Natasha se silenciou e quase hesitou, mas deixou Steve a julgar assim, era melhor que confessar a verdade.

Steve começou a lembrar do que Bucky dissera sobre Natasha.

S: Eu não acredito que você está dizendo isso.

N: Por que tão surpreso? Eu avisei a você que eu não sou uma boa pessoa.

Steve franziu a testa e fez negativo com a cabeça.

S: Você parece totalmente diferente, parece que não a conheço.

N: Você não me conhece.

Natasha abriu a porta do carro e entrou.

N: Vai entrar ou não?

Steve ficou parado, tentando entender esse lado de Natasha e se sentindo um idiota por achar que ela sentia algo real por ele.

N: Okay, pegue um táxi. Eu não estou afim de drama, agora.

Natasha arrancou com o carro, deixando um Steve quebrado pra trás. Segundos depois de ter partido, Natasha passou a mão pela maçã do rosto, secando as lágrimas que escorriam dos olhos dela sem parar.

♪ I cheated myself like I knew I would

I told you I was trouble, you know that I'm no good

I cheated myself, like I knew I would

I told you I was trouble, you know that I'm no good

 

Eu me traí como eu sabia que trairia

Eu te disse que eu era problema, você sabe que eu não sou boa

Eu me traí como eu sabia que trairia

Eu te disse que eu era problema, você sabe que eu não sou boa ♫

Amy Winehouse - You know I'm no good


Notas Finais


Ainda tem mais dor.
Música do capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...