História Begin (Taekook - Vkook) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Análise, Bts, Kookv, Taekook, Teoria, Vkook
Visualizações 89
Palavras 2.953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O capítulo foi resumido, primeiro para não ficar muito extenso, depois porque queria colocar um ponto final nesse dia do MAMA, então sorry se estiver muito confuso. Qualquer dúvida, critica ou elogio, fiquem a vontade para deixar nos comentários. Sem mais delongas. Boa leitura!
Ah, e leiam as notas finais!!

Capítulo 4 - Triunfo


02 de dezembro de 2016 – 03h32 AM

Naquela sala só restou Taehyung e o eco assustador das portas se batendo.

O garoto sentia perfeitamente o vazio que a saída de Jungkook havia provocado, tanto no ambiente quanto em seu coração. Costumava ficar um caco com acontecimentos desse gênero, tão mal a ponto de jogar a culpa do mundo inteiro nos próprios ombros, embora fosse inocente.

Em meio ao conflito interno, deixou um suspiro pesado escapar.

Ficava pensando o que era preciso fazer depois de uma situação dessas. Quer dizer, é claro que ultimamente discutir com Jungkook havia virado parte da rotina – e isso era definitivamente uma droga. No entanto, nunca antes haviam se excedido a ponto de apelar para o uso de palavrões ou chamar a atenção dos outros. Costumavam ser discretos em tudo. Então, considerando os estragos provocados, qual seria a gravidade deste ocorrido?

Taehyung sabia que não deveria ir atrás do namorado. Precisava de um tempo sozinho para pensar um pouco, e não devia ser o único. Ir atrás dele só serviria para piorar as coisas, portanto descartou a opção. Decidiu que esperaria o calor do momento passar e só depois tentaria conversar melhor com o mais novo. Afinal, ainda estavam em um evento importante. Apesar dos pesares, precisavam agir naturalmente agora.

Seokjin adentrou a sala em passos largos, fazendo Tae sobressaltar do sofá onde ainda permanecia inerte. Rap Monster apareceu logo em seguida.

– Pode me explicar o que aconteceu, Taehyung? – era Namjoon falando.

– Eu estava no meio de uma gravação quando ouvi as portas se batendo e Jimin tentando entrar no banheiro pra consolar o Jungkook. O que houve? – Jin demonstrava preocupação, enquanto Namjoon permanecia tenso.

– Diga logo, Taehyung! – pediu impaciente o líder.

O mais novo entre eles levantou-se, mas manteve o olhar perdido no chão.

– Jungkook e eu nos desentendemos. – confessou frustrado – Eu tentei evitar isso, mas não foi possível. A culpa foi toda minha. Desculpa.

– Ah, Tae! Porque vocês precisam brigar tanto? – Seokjin se aproximou com o intuito de acolher o outro Kim carinhosamente em seus braços. Era visível a tristeza naquele olhar e Jin soube que precisava agir.

– Estamos prestes a viver um momento histórico em nossas carreiras, caso recebamos este prêmio, e vocês dois inventam de brigar. Logo aqui! – Rap Monster sentia-se na obrigação de tomar sua posição como líder. Costumava ser compreensivo sempre, mas não podia admitir certas coisas. Essa era uma delas. – Tinha um monte de câmeras lá fora e agora o manager tem que dar um jeito de apagar as cenas do surto de Jungkook. Ele está uma fera! Pode esperar pelas consequências disso, ouviu V?

– Ah, hyung! Eu já pedi desculpas. – a voz falhava pelo desespero. As últimas palavras ouvidas não foram nada agradáveis. O remorso só se multiplicou. – Aish, porque o Jungkook tem que ser tão impulsivo?

– Não diga essas coisas a ele, Namjoon! – repreendeu o mais velho, logo após voltando sua atenção a Taehyung – Não se preocupe, Tae. Vai dar tudo certo. Nós vamos resolver os mal-entendidos. Seja forte, okay?

– Tudo bem, hyung. Obrigada. – agradeceu.

Rap Monster observou o dongsaeng e tentou soar mais calmo ao dizer:

– Taehyung, não tente falar com ele, tá bem? Deixe-o sozinho por um tempo. E lembre-se de que ainda estamos em um evento, precisamos agir legal, como se nada disso tivesse acontecido. Você acha que consegue?

– Claro. Mas não posso responder pelo Jungkook.

– Não se preocupe. Eu estou indo agora mesmo resolver essa questão. – comunicou, dando uns tapinhas nas costas de Tae antes de sair – Fighting!

...

Inevitavelmente, os garotos voltaram lá pra cima. Ocupando novos assentos dessa vez, mantinham os olhos fixos nas últimas apresentações do dia. Quando estas terminassem, automaticamente seria feita a anunciação de diversos prêmios, inclusive o de artista do ano.

Sentados em extremidades opostas, Taehyung vez ou outra tinha uma visão de Jungkook. Havia percebido que ele continuava inquieto, remexendo o corpo sempre que possível, brincando com os dedos, movendo os lábios sem precisão, além de executar algumas de suas manias provenientes do nervosismo. O conhecia bem o suficiente para saber que o mais novo esteve chorando a pouco, e isso o afligia.

Como de costume, tentava se distrair assistindo os shows e se divertindo com eles, mas essa deixou de ser uma tarefa simples quando o maldito MPD chegou para ocupar o lugar ao lado do maknae.

A partir daí foi como se os problemas de Jungkook tivessem ido embora repentinamente, já que um sorriso logo cresceu em seus lábios, seguido de gargalhadas audíveis.

Talvez fosse proposital a maneira como o Jeon aproveitava o ataque de risos para tocar a coxa do homem ao seu lado, fazendo questão de exibir indiretamente o semblante divertido e iluminado na direção do Kim.

Taehyung entendeu o recado. Entendeu que Jungkook estava bem, com ou sem sua companhia, independente da briga que acabaram de ter. Sabia que as interações exageradas da parte do outro com o MPD serviam como lição. Dez minutos atrás estava reclamando sobre os ciúmes do namorado, e agora o próprio podia sentir o desconforto causado por este sentimento.

Irônico.

Admitia que fosse horrível ver a situação se inverter e definitivamente tomaria isso como um aprendizado, mas primeiro daria um jeito de arrumar aquele contexto. Assistir calado estava se tornando uma tortura.

Dessa forma, induzido por um impulso, Taehyung deixou o seu assento e caminhou apressadamente para o lugar mais perto de Jungkook, ao lado do MPD. Os olhares dos companheiros de grupo logo recaíram sobre si, cientes do que acontecia. Taehyung estava claramente descumprindo o acordo de manter-se distante do Jeon, mas não restava outra opção.

Precisava cuidar do que ainda lhe pertencia.

Todavia, os esforços de tentar falar com o mais novo iam por água a baixo, pelo simples motivo do homem com uma esfera na cabeça não dar trégua.  

Jungkook fazia questão de voltar toda sua atenção àquela criatura, esnobando Taehyung de propósito, deixando o garoto desolado, cheio de sentimento de derrota, arrependido de ter se deslocado até ali.

Kim esperou até que a apresentação dos meninos do EXO tivesse fim para que pudesse retornar ao antigo lugar ao lado de Seokjin. Estava se sentindo meio triste e perdido naquela situação, e achou que continuar naquela posição não ajudaria em nada, portanto decidiu fazer companhia ao hyung mais velho, passando um braço por cima dos seus ombros e cochichando besteiras em seu ouvido, as mesmas sendo retribuídas.

Estava se sentindo mais relaxado agora, além de finalmente vingado.

Havia aquela necessidade infantil de competir, de mostrar quem era o melhor até mesmo nas piores situações. Jungkook persistia fazendo isso usando o MPD, enquanto Taehyung usava Jin para os mesmos fins.

O mais novo sentia-se deprimido presenciando a cena bem a sua frente, e não era como se Taehyung não notasse o olhar tristonho sobre si. Refletir a respeito disso servia apenas para deixar o Kim ainda mais entristecido.

Por sorte o show do convidado especial, Wiz Khalifa, não tardou a começar.

Alguns minutos antes, Jungkook havia se retirado, talvez para ir ao banheiro, e Tae pensou que definitivamente eles estavam num tipo de jogo sobre quem melhor pagava na mesma moeda. Entretanto, não queria mais jogar. A noite já havia passado de todos os limites da provocação e agora só queria que terminasse logo. Estava exausto.

Ainda assim conseguiu aproveitar o show, movendo o corpo ao som de See You Again. Para o seu alívio Jungkook não demorou muito a voltar. Certamente tinha ido apenas ao banheiro, sem intenção de perder tempo conversando com – ironicamente – alguns amigos.

Entretanto, retornou direto para o lado do MPD insistente, que fazia questão de gravar todos os ângulos do maknae. A essa altura o humor do Jeon havia melhorado um pouco, permitindo até mesmo que executasse dancinhas desajeitadas, quais eram registrada por uma pequena câmera.

A tensão foi retomada pouco depois, quando uma moça segurou o microfone para anunciar o vencedor do prêmio mais aguardado da noite.

Os garotos sentaram para ouvir com atenção. Cada um deles uma pilha de nervos, temendo não receber algo pelo qual lutaram tanto.

A mente de Jungkook percorria outros universos e voltava depressa. Talvez ainda não acreditasse que estava prestes a receber algo tão grande. Contudo, diferente dos seus hyungs, o mais jovem tinha confiança e positividade de sobra pra saber que sim, eles receberiam aquele prêmio.

Costumava imaginar o momento diversas vezes antes de dormir, um passo importante para o futuro do grupo, mas nunca imaginou que seria assim.

Quero dizer, assim, brigado com Taehyung.

O esperado é que estivesse ao lado do Kim nessa ocasião, sorrindo com ele, o abraçando, compartilhando a felicidade. Porém, as coisas haviam saído do controle, e não era como se estivesse orgulhoso disso.

Da parte do Jeon, não houve surpresa ao ouvir a tal moça comunicar:

– Bangtan Sonyeondan! – como vencedores de artista do ano.

Ele já sabia. Não era pretensão ou questão de se achar melhor que os outros ali. Longe disso. O caso é que acreditava em si mesmo, no potencial que cada um dos sete tinha – algo que se tornava ainda mais poderoso quando se juntavam. Acreditava no esforço, nas horas brutas de ensaios, nas costas doloridas após se aventurar em cabos no ar, e no amor dos fãs.

Precisou de um tempo para levantar-se, o sorriso imenso no rosto, sem sobrar espaço para remorso ou tristeza, apenas a felicidade fluindo. Os gritos e palmas ensurdecedores davam certeza de que nada fora em vão.

Juntaram-se em um circulo para que pudessem dar um abraço em conjunto. O corpo de Taehyung agora próximo demais ao do Jeon, silenciosamente dizendo que dariam uma trégua, que deixariam de ser egoísta, pensando apenas em si mesmos, e lembrariam que aquele era o momento do grupo como um todo, assim como de todo o fandom.

Caminharam determinados, com o ar de vencedores que deveriam ter, até o palco. Curvavam-se inúmeras vezes em agradecimento a todos que estavam ali para apoia-los, e só então formaram uma fila organizada junto ao microfone, onde Rap Monster faria o seu discurso, já com o tão cobiçado troféu em mãos. Os gritos quase não o deixaram prosseguir.

Jungkook parou por um só instante para analisar tudo. A aclamação do público, o prêmio que tanto almejaram, um sonho realizado.

Pensou que, sem o amor dos seus fãs, nada disso estaria acontecendo.

Então, o garoto que amava, deixando a boca entreaberta daquele jeito que bem conhecia – uma atitude involuntária em ocasiões que o surpreendesse – posicionado há um ou dois corpos de distância.

Reconhecia que, se o deixasse escapar, nada disso faria tanto sentido.

Cada detalhe começou a se encaixar naquela pobre mente fragilizada e não conseguiu mais segurar o choro. Sentiu a vontade chegando sem pedir permissão, fazendo os olhos umedecerem e a visão embaçar.

Permitiu-se olhar mais uma vez para o dono da sua confusão, Taehyung, e inclinou o corpo pra frente, rendido por completo ao choro e as lágrimas.

Estas caiam sem piedade pelo rosto, e Jungkook sabia que não devia ser o único em prantos do grupo, mas tinha certeza de que era o único que vivia um turbilhão de sensações. Felicidade, orgulho, tristeza, remorso, o que passou e o que ainda estava por vir, tudo se juntava, fazendo-o desaguar.

As lágrimas não eram planejadas, de fato, mas se já estava tão vulnerável gostaria que Taehyung visse e percebesse que os seus sentimentos eram mais do que a besteira considerada por ele. Tudo em si era vívido, intenso e queria que ele tivesse consciência disso antes de pisar em seu coração.

Portanto, ao se juntarem em outro abraço em equipe, Jungkook fez o possível para tocar Tae, a fim de ter a atenção deste voltada para si. Tentou de tudo, até passar o braço por cima dos ombros de Jin numa tentativa de alcança-lo, mas não deu certo, então desejou ir embora.

Ainda fragilizados e muito emocionados, após dar uma entrevista para as câmeras responsáveis pelo Bangtan Bomb, os garotos voltaram aos seus devidos lugares para que pudessem finalizar o evento.

Jungkook tomou a garrafa das mãos de Namjoon e bebeu uns goles de água. Até queria, mas sabia que seria impossível manter-se focado em qualquer coisa que ainda estivesse acontecendo no palco do MAMA.

A persistência do sentimento de frustração e desapontamento o perturbava. As palavras ditas naquela sala no momento de discussão ecoavam em sua cabeça como um mantra assustador, e a vontade de chorar vinha forte.

Tentou se controlar como podia, porque sabia que não seria legal chorar tanto assim. Ninguém chora de emoção durante tanto tempo, certo? Então fez o possível para contornar os próprios sentimentos.

Estava se saindo bem, até virar a cabeça para o lado e vislumbrar a imagem de Tae. E foi tão doloroso! Parecia que ele não estava dando à mínima, plenamente tranquilo, enquanto o Jeon transbordava tormento.

Dessa forma, virou a cabeça para o lado oposto, depressa, como se estivesse fugindo. As lágrimas voltavam a preencher seus olhos, o peito apertado, consumido por um medo terrível de realmente perder tudo o que construiu junto a Taehyung até agora.

Talvez essa fosse a sua maior e eterna preocupação, a de precisar se afastar definitivamente do namorado. Os ciúmes era só uma confirmação de que detestava a ideia de perdê-lo, de ter que abrir mão desse amor. Doía só em que ter que pensar.

À medida que os pensamentos desse gênero surgiam, a vontade de chorar persistia, a ponto de precisar reprimir as lágrimas. O garoto brincava com os próprios dedos e até mesmo batia algumas palmas a fim de dispersar as ideias, mas era torturante. E só ficou pior quando uma maldita câmera o enquadrou, fazendo-o sentir ainda mais pressionado, vigiado.

Sentindo-se sufocado, Jungkook se permitiu chorar novamente. Por algum motivo achou que seria vantajoso fazer isso com o foco da câmera em si, assim sua imagem apareceria no telão, Taehyung veria e finalmente se daria conta de que cada lágrima derramada era por ele, por culpa dele.

Preocupados, porém ciente dos motivos, os membros sentados por perto consolaram o maknae. Os distante apenas observaram de longe, esperando que tudo ficasse  bem.

Taehyung se sentiu duplamente mal ao vê-lo naquele estado, logo soube que era por sua causa, mas não fez nada. Suas mãos estavam atadas.

O evento teve o fim concretizado com uma chuva de confetes. Os garotos desfilaram pelo palco, agradecendo ao público e comemorando entre si.

Hoseok puxou Jungkook para um abraço, este que ainda chorava e por esse motivo apresentava um rosto inchado. Taehyung passava por perto no momento e desejou poder toca-lo daquela mesma forma, mas se limitou, sentindo o olhar penetrante do mais novo em si.

Acabou que o líder fez questão de juntar os sete em mais um abraço grupal, mesmo que contra a vontade de alguns. Namjoon ambicionava ter uma conversa particular com Taehyung e Jungkook desde o instante em que percebeu que a desavença deles começava a ressair para as câmeras. Para ele, era nítido que as lágrimas do Jeon eram de sofrimento.

Jungkook aproximou-se do circulo como se estivesse sendo forçado. Avistou a mão de Tae pousar no ombro de Suga e a vontade de toca-la o consumiu. Precisou se controlar de verdade para não fazer isso.

Rap Monster o puxou para mais perto, agora o corpo dos sete pressionando uns aos outros, esperando o que tinha a ser comunicado.

– Jungkook – começou Namjoon – Você tem que parar de chorar. Se resolva com o Taehyung e ajam naturalmente, por favor, antes que alguém acabe percebendo a tensão que há entre os dois.

– Tudo bem, farei isso. – garantiu.

 – Nós já estamos resolvidos. Certo, Jungkook? – Tae quis se certificar.

– Certo. – assentiu meio a contra gosto, curvando-se ligeiramente em direção ao mais velho.

O debate disfarçado de abraço se dispersou e cada um fora para um lado, uma vez que já estavam conversados. Acenos passaram a ser direcionados aos fãs, a atenção sendo voltada a eles agora, além dos outros grupos que começavam a se aproximar para parabeniza-los pela conquista.

Taehyung já queria fazer isso há um tempo, então aproveitou a oportunidade e vulnerabilidade de Jungkook para abraça-lo. Certamente pegou-o de surpresa, porque este pareceu desprevenido, além de embaraçado. De qualquer forma, fez questão de pedir-lhe baixinho:

– Pare de chorar!

Inegável que o Jeon fizera aquilo meio que a contra gosto, mas nada o impossibilitou de sentir o peito se aquecer com o toque. Foi preciso força de vontade para conter o sorriso satisfeito do rosto, por isso tratou de findar o contato rapidamente e sair marchando dali, para que não fosse flagrado sendo um bobo apaixonado.

Os ciúmes voltavam a aparecer para Jungkook sempre que presenciava o namorado abraçando caras quais não conhecia, mas que ainda assim pareciam ser íntimos demais do Kim. Entretanto, decidiu ignorar. Problemas era tudo o que não precisava agora.

Foi só durante aquela entrevista para o Bangtan Bomb que Jungkook se deu conta de que não estava mais chateado. Não queria nem mesmo pensar em brigas ou em ciúmes, ou em qualquer coisa que ameaçasse o seu namoro. A cada virada de cabeça a fim de encontrar os olhos de Taehyung – pouco se importando com as câmeras –, Jungkook tinha certeza de que o que realmente importava era tê-lo por perto, o abraçando como minutos atrás. Era tão bobo por aquele Kim, apaixonado em proporções gigantescas, a ponto de permitir que ele alterasse todo o seu humor.

Mais do que um prêmio de fato, ele tinha o seu V hyung, e esse já era o seu maior triunfo.

Quando tudo aquilo acabou e eles puderam voltar ao camarim, Jungkook, sem dizer uma palavra, arrastou Taehyung de volta àquela sala onde tudo começou e aconteceu. Dessa vez, entretanto, não estava disposto a brigar.

Muito pelo contrário. 


Notas Finais


Precisei assistir vários videos para chegar até aqui, mas um especifico foi essencial para a conclusão desse capítulo: https://www.youtube.com/watch?v=ptjV71PPNZk
Você nem precisa ser tão observador para notar que há uma evidente tensão entre Taehyung e Jungkook, embora estivessem sempre tão longe um do outro durante o evento. E a minha intenção é mostrar essas pequenas coisas - que muitas vezes passam despercebidas - por meio dessa fanfic. Isso prova que, como todo casal, Taekook também tem os seus problemas, não são imunes a isso, mas sempre arrumam um jeito de ficarem bem no final ((:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...