História Behind The Secrets - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Ryan Butler
Visualizações 3.842
Palavras 3.283
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura bjjjjjjj

Capítulo 16 - So naturally


Cedi e envolvi as mãos em sua nuca, arranhando-o, que estava com uma das mãos entre meus cabelos, e segurando a garrafa com a outra. 

- Mellanie? Não sabia que vocês estavam oficialmente juntos. - Ouvi uma o grossa e pouco distante.

- Não esperava te encontrar aqui, Logan. - Apoiei com o braço nos ombros do Justin, que deixou sua garrafa de lado. 

- Essa é a Tiffany. - Apontou para a loira que estava ao lado dele e ela sorriu simpática. Para mim, soou muito mais falso, porém preferi apenas sorrir de volta. Justin olhou-a por completo, na cara dura e apertou minha cintura discretamente. 

Eu não sei porquê, mas estava incomodada com a presença dela aqui. Logan é como meu melhor amigo e, bem, não preciso falar sobre o Justin. 

- Você é melhor do que ela. - Ele disse tudo o que eu precisava ouvir, o mais baixo possível. 

- Desde quando vocês estão juntos? Ou só estão se pegando? - Falou risonho e passou a dançar com a tal da Tiffany. 

- Desde... - Interrompi-o, antes que falasse o que não deveria.

- O que? Não estamos juntos. - Desviei o olhar dele, que me abraçou por trás e deixou seus braços em minha barriga, apertando minha blusa, no intuito de me beliscar. 

- Certeza? - Ele disse risonho e pegou na mão da garota. Assenti rindo e eles viraram de costas para nós, dançando juntos. 

- Para de olhar para a bunda dela. - Olhei-o séria, que deu-me um selinho.

- Qual o problema? - Deu os ombros.

- Você se importa se eu olhar para todos os garotos daqui?

- Mas é claro. Você está comigo, e não com eles. - Pisquei para que ele entendesse que o que disse, é o meu próprio argumento e logo ficou quieto. 

Continuamos dançando por um longo tempo, e ele bebeu mais algumas garrafas, apesar de não ter ficado bêbado. Eu dividi algumas com ele, mas não exagerei nas doses. Encontrei com a Alice e as amigas dela, que se encantaram pelo Justin e o elogiaram na cara dura. Mais um motivo para irmos embora logo.

- Vamos embora daqui? - Questionou ao pausar nosso beijo, e mexer no comprimento da minha saia, deixando aparecer ainda mais minhas pernas. - Tem um motel há duas casas daqui. - Falou me direcionando para a saída.

- Não vou em um motel. Já falei que vou passar a noite na casa da Alice. - Ele riu e foi até seu carro. Entrei no mesmo e ele apertou minhas coxas com as mãos.

- São mais de 3 horas da manhã. Acha mesmo que a Alice vai esperar você lá? - Revirei os olhos e ele me beijou novamente nos lábios, subindo minha blusa. Eu estava agitada, procurando algo para gastar energia, e não sabia muito bem o que fazer. Ele continuou beijando-me nos lábios, e quase pulou para o meu lado do carro.

- Vai querer ficar aqui? - Falei com a voz baixa, olhando para ele.

Justin ligou o carro e saiu disparado em direção ao motel no fim da rua.

- Não vou em um motel com você. 

- Calma Babe. Só iremos descansar. - Falou sarcástico e riu. Ele meio que deu ouvidos ao que eu disse, e foi para a sua casa. Parou na garagem e descemos do carro no mesmo instante. Ele tirou as correntes assim que pisamos na sala, e ligou as luzes.

- Onde é o banheiro? - Falei olhando para todos os lados. 

- Perto da porta de vidro, do lado esquerdo. - Perdi-o de vista, que foi até uma porta do lado da escada, que me parecia um quarto. Fui até o banheiro e tranquei a porta. Acendi a luz e abri minha pequena bolsa. Fiz minhas higienes e passei uma água no rosto, para passar o delaquilante. Por sorte eu trouxe o meu... porque se fosse para usar o da Alice, já era.

Saí do banheiro e deixei minha bolsa no sofá. 

Ele voltou sem camisa e estava tirando o relógio do pulso. Seu corpo era tão bem definido, que me fazia bem só de olhar. Tirei meus saltos, deixando no canto perto do sofá, ao lado da bolsa. Ele veio até mim e apagou todas as luzes, deixado tudo completamente escuro. Tocou minhas pernas e ficou quase sentado no chão, ainda apertando-as, subindo a minha saia. Eu não iria evitar nada, muito menos agora. Não conseguia pensar muito no que fazer mesmo.

- Venha. - Segurou meus braços e me ajudou a ficar sentada em seu colo, no chão. Ele apoiava com as costas no sofá, e estava com as pernas esticadas. As minhas estavam dobradas para trás, enquanto nos beijávamos lentamente. Tanto eu, quanto ele, estávamos envolvidos e agitados. Justin foi se inclinando, e quase deitou-se no chão. Ele deslizava suas mãos pelas minhas costas, subindo minha blusa aos poucos. Antes que pudesse tirá-la, desviei meus lábios dos dele, e dei uma leve mordida em seu maxilar, que ele logo contraiu e soltou uma respiração carregada. 

Ele entrelaçou seus dedos nos meus, apertando minha mão e mordeu meu lábio com força, puxando-o para que eu fosse mais a frente, junto com ele. Ainda de mãos dadas, ele esticou o braço para o lado, fazendo com que eu ficasse com o corpo quase colado ao dele. Com a outra mão, ele atravessou meus cabelos e puxou-os duramente. Ele passou a acariciar meu cabelo durante o beijo, o que me arrepiou aos poucos, por estar com a palma da mão apoiada em seu tórax. Desci minha mão até o botão de sua calça e abri-o, fazendo o mesmo com o zíper, colocando a mesma para dentro de sua calça, por cima da cueca. Eu não conseguia medir o que estava fazendo, porque algo me dizia que eu não tinha que pensar em nada, além de fazer o que eu tinha vontade. Justin sorriu e senti seu corpo se arrepiar por completo. Soltamos nossas mãos, e ele desabotou o primeiro botão da minha blusa, que era fechada na frente. Assim que desabotou o terceiro de baixo para cima, abriu-o quase que por completo, e passou as mãos em minha costela, causando-me uma sensação de relaxamento. O único momento em que abri os olhos, ele fitava meu corpo por completo, analisando cada peça de roupa. Mesmo que estejamos em um momento bom, e acho que, nada romântico, eu queria brincar com ele, para saber até onde e como iria. Quando tirou minha blusa devagar, beijou meus ombros pausadamente e deu-me um selinho no lábio debaixo. 

- Não é tão fácil assim Jay... - Falei em um fio de voz, saindo do colo dele, que tentava me puxar para ficar junto a ele novamente. Mesmo que ele não seja mais o Jason, eu gosto de chamá-lo assim.

Ele não respondeu, e apenas riu pelo nariz, sem mover um passo. Sentei-me mais para a trás, e antes que ele percebesse, levantei-me e parei na frente dele, que ficou com o rosto direcionado a minha cintura. Justin ameaçou levantar para me pegar, e dei passos para trás, provocando-o.

- Venha aqui Mellanie. - Falou forçando sua voz, e estremeci ao seu tom. Neguei com a cabeça risonha e ele lambeu os lábios. - Se você não vier agora, eu vou aí te pegar. - Riu e esperou minha resposta.

- Então vem. - Desafiei-o, ao continuar a dar passos para trás, indo até a escada. Ele rapidamente se levantou e tirou a calça, já que estava quase em seus joelhos, e correu em minha direção. Subi as escadas o mais rápido que consegui e fiquei de joelhos perto da primeira porta que vi. Estava tudo escuro, e eu não sabia para onde ir. Ele subiu o último degrau e olhou ao redor me procurando. Era só olhar para baixo. Engatinhei mais para a frente, e o ouvi resmungar, que estava parado atrás de mim. Sorri sem graça e ele gargalhou. Continuei engatinhando até o fim do corredor, e ele me pegou pela cintura. Carregou-me deitada em seu colo, segurando meu pescoço e minhas pernas.

- Peguei. - Gargalhou e me apertou para que eu não saísse de seu colo. Debati as pernas para que ele me soltasse, que deu-me um selinho e entrou em um quarto, passando de lado para que no enroscássemos na porta. Ele me deitou em uma cama e caiu em cima de mim. Tirou seus tênis e meias, com os pés mesmo e jogou-os no chão. Segurei seu rosto com as mãos, e ele deixou meu corpo entre suas pernas.

- Essa mania que você tem de ficar me carregando. - Dei um leve tapa em seu rosto, que riu e tentou morder meu dedo. 

- Tenho outras manias sobre você Mel. - Falou roçando nossos lábios, provocando um enorme desejo de beijá-lo. 

- Quais? - Silabei a palavra, beijando o canto de sua boca, que fechou os olhos lentamente e mordeu meu lóbulo bem devagar, o que me deixou completamente arrepiada.

- Você prefere a teoria ou a prática? - Falou risonho, e depositou beijos em minha bochecha.

- Você é capaz da prática? - Falei brincando com ele, que parecia surpreso. 

- Você não disse isso... - Falou enquanto mexia sua cabeça para os lados. Justin ficou de joelhos na cama, da qual havia duas cortinas pretas, uma de cada lado, que deixava o lugar em que eu estava ainda mais escuro. 

Ele puxou minha saia para baixo com as duas mãos, tendo a visão da minha calcinha preta de renda, não tão grande. Respirou fundo e espremeu minhas coxas, descendo sua mão até minha virilha. Arqueei as costas devido a tamanha pressão de suas mãos, e ele passou as mesmas por todo o meu corpo e transpor a beijar-me novamente nos lábios. Apoiou com as mãos na cama, e ameacei puxar sua cueca para baixo, ao perceber que seu membro estava absurdamente ereto, e ele não fazia nada para controlá-lo. Relei os dedos na cabeça do mesmo, ainda que por cima da cueca e ele se estremeceu todo, soltando um baixo gemido em meu ouvido. Como ele é fraco.

Nossos beijos estavam a cada segundo mais extensos, envolventes e rápidos. Ele parecia que não se satisfazia com apenas beijos longos. Passou os dedos por debaixo do meu top nas laterias, tentando tirá-lo por cima. Ergui os braços para que ele fizesse isso sozinho, e logo passou-o pela minha cabeça, jogando para qualquer lugar. Encostou com a testa quase entre meus seios e beijou cada um de uma maneira diferente. Passou a língua em volta da minha auréola e mordeu a mesma, deixando meu seio esquerdo completamente firme, pelo efeito da excitação que ele me causou. Justin passou as mãos em volta dos mesmos e massageou-os com tamanha arrogância, que resmunguei alto demonstrando prazer. Ele continuou o que estava fazendo, e passou a beijar apenas o direito, provocando minha auréola com a ponta da língua. Sem pensar duas vezes, puxei os fios de seu cabelo para que pudesse me controlar, e ele sorriu, tocando novamente os lábios entre meus seios. Eu não conseguia hesitar a vontade que sentia de beijá-lo mais e mais, até perder o ar por completo. Justin me fazia estremecer a cada vez que tocava o meu corpo, apertando-me com os dedos. Fui mais para trás, ficando com os ombros e a cabeça mais direcionados a ele, do que ao teto. Tirei sua box preta sem muita cerimônia e dei um selinho nele, que passou a língua profundamente em meus lábios, quase me engolindo em apenas beijos, se é que me permite definir assim. Senti seu membro roçar completamente por cima da minha última peça íntima, e ele continuou com o mesmo movimento em um ato de completa provocação. 

Virou-me na cama, para que ficasse por baixo e deixei todo o meu cabelo cair em seu rosto. ele colocou as mãos em minha bunda, e passou a apertá-la com vontade. Descolou seus lábios para o meu pescoço, beijando-me de leve, para que eu relaxasse com seu toque bruto. Era muito mais do que notável, que ele estava perdidamente excitado e incrontrolável. Voltando a ficar por cima, Justin foi pouco para trás, tirando minha calcinha com a maior rapidez até agora. Antes que pudesse ver, ele puxou-a para baixo a perdi seu rosto de vista, que passou a língua na minha uretra, o que me fez enlouquecer instantaneamente. Murmurei alto e ele continuou o que estava fazendo. Logo pude olhá-los novamente nos olhos, que veio com seu rosto até o meu, e senti a enorme pressão de seu membro invadindo minha intimidade. Arqueei novamente as costas e arranhei-o brutamente com as unhas em seu pescoço, até suas costas. Após o início do prazer, ele passou a me conduzir a movimentar nossos corpos em um mesmo ritmo, para que tanto eu, quanto ele comandássemos o que estávamos fazendo. Estávamos muito mais agéis do que deveríamos, os limites eram ultrapassados em segundos. Ele forçou ainda mais seu corpo contra o meu, quase me virando na cama, e apoiou com uma das mãos no lençol, e com a outra em minha cintura.

Eu sentia como se meu corpo fosse explodir em chamas, fogos de artifícios estavam prestes a sair pela minha boca e uma sensação jamais sentida de satisfação circulava por todo o meu corpo. Gemi sem querer, por não saber mais como controlar o que estava sentindo.

- Mais alto Mel, mais alto. - Falou quase sem voz, totalmente ofegante. Fiz o que ele disse, e gemi ainda mais alto, que soou quase como um grito. Ele estava me deixando completamente louca. Estávamos prestes a atingir nosso ápice. Ele sorriu e aprofundou definitivamente seu membro em minha intimidade, e logo finquei as unhas em suas costas, que fechou os olhos e passou a suspirar sucessivamente perto do meu ouvido. Era como se tudo o que fizéssemos estivesse contra o tempo. 

- Rose... - Sussurrou em meu ouvido, causando-me ainda mais arrepio. - Vai Rose, vai. 

Confesso que, ao me chamar de Rose ele apelou. Puxei seus lábios com os dentes e ele beijou-me com desejo e anseio explicito. Foi como se tivesse descoberto meu maior ponto fraco, que nem eu mesma sabia. Apertei sua bunda, que se estremeceu rapidamente e atingimos o nosso ápice. Sem que pudesse controlar, gritei alto por míseros segundos e ele soltou um suspiro demorado, seguido por um perfeito ‘Ah’ de alívio. Soltou seu corpo ainda em cima de mim, e ficou com o rosto entre meus seios. Soltei as mãos e minhas pernas estavam literalmente bambas. Instantaneamente, gemi alto sem motivo algum e fechei os olhos em direção a cobertura da cama. Ele respirava fundo a cada segundo, sem sequer mover-se. Acariciei seu cabelo em um ato de carinho, e ele deu um beijo em meu seio, acariciando minha outra mão. 

- Ei... - Disse com a voz mais sexy do que nunca, ainda ofegante. - Eu realmente gosto de você. - Falou enquanto olhava para o nada, e inclinei minha cabeça, dando-lhe um beijo no rosto. Eu não sabia o que dizer... Não conseguia pensar muito, nem formular uma resposta.

- Eu também... - As palavras saíram sem querer. Não me arrependi do que disse, até porque, não menti.

Continuei fazendo cafuné nele, que voltou a respirar normal e pegou na minha mão. Ele apertou-a e deu um beijo na mesma. Enquanto bagunçava seu cabelo, ele parecia estar gostando cada vez mais. Contornei seus lábios com o dedo indicador e ele ameaçou mordê-lo. Após um bom tempo acariciando-o, ele deitou-se ao meu lado e olhou-me finalmente nos olhos. Colocou todo o meu cabelo para trás, e segurando-os, deu-me um selinho, seguido por um longo e calmo beijo.

Estranhei a situação, de estar deitada ao lado dele no escuro, e estávamos quase abraçados. Por mais que eu tentasse, não conseguia pensar em absolutamente nada que não envolvesse ele. Justin puxou a coberta, nos cobrindo até a região da cintura. Ele puxou as duas cortinas da cama até a metade, para que ficássemos em um espaço fechado.

- É estranho... mas você me faz bem. - Cochichou, olhando-me nos olhos, que sorri.

- Por que é estranho? - Sussurrei ajeitando-me ao lado dele, escondendo uma das mãos embaixo do travesseiro, e com a outra segurando sua mão.

- Porque eu nunca disse isso à nenhuma garota. - Deu-me um selinho e sorriu. Eu não estava preocupada com o que fazer, ou muito menos pensando no que aconteceu, de uma maneira preocupante. Apenas permaneci olhando em seus olhos, que não piscava enquanto olhava os meus e sorria. Por baixo da coberta, ele descansou sua mão em minha costela, quase colando seu corpo no meu. - Boa noite babe. - Deu um beijo em minha testa e inclinei minha cabeça, quase tocando a dele.

- Boa noite... Jay. - Dei um selinho nele, que insistiu em mais um.

         ...

- Acorde babe. - Deu-me um beijo no rosto, e escondi-o no travesseiro, por ainda estar com muito sono. OuvÍ-o cantarolar mais de longe, que abriu todas as cortinas e janelas, deixando o quarto iluminado.

Após enrolar mais um pouco, abri os olhos e estava sozinha no quarto. Não era o mesmo da última vez que vim aqui. Por que ele teria dois quartos seus? Estava enrolada no lençol, e nossas peças de roupa estavam jogadas no chão. Isso realmente aconteceu? Prendi o cabelo em um coque e fui até o banheiro. Fiz minhas higienes, e tranquei a porta para que ele não entrasse. Haviam duas toalhas secas, e resolvi tomar um banho rápido. Mas quando desliguei o chuveiro, lembrei que minha bolsa estava lá embaixo. Enrolei a toalha na região do busto e abri a porta. Ele estava parado em minha frente, apenas com um shorts azul escuro e o cabelo todo molhado e baguncado. Olhei-o sem graça, que sorriu e fitou meu corpo. 

- Você pega a minha bolsa, lá embaixo... por favor. - Passei as mãos em seu cabelo, que apontou para a cama, e a bolsa estava lá. - Obrigada. - Dei um selinho nele, que permaneceu parado, ainda com os braços cruzados

Fui até a cama e abri a mesma. Mesmo sem olhá-lo, a única coisa que me vinha à cabeça, era o que aconteceu ontem. De certo, foi realmente bom, e não muito planejado, o que tornou tudo ainda melhor. Peguei meu conjunto e olhei-o, para que saísse do quarto, para que eu pudesse me vestir.

- Não estou olhando. Pode se vestir. - Falou risonho e lambeu os lábios. Olhei-o séria, e deixei a toalha cair no chão. Ele instantaneamente olhou-me de cima a baixo e vesti minha lingerie rapidamente.  

- Para de ficar me encarando. - Falei olhando para ele. - Eu preciso de uma blusa pelo menos. 

- Abre o meu closet, e pode escolher. - Apontou para o mesmo. 

- Espera.... Meu deus. - Olhei para a cama, e logo para ele, que parecia não estar entendendo meu desespero.

 

SPOILER

- Não estamos não. - Falei insistindo que não temos nada demais um com o outro. Eu não estava errada. 

- O que nós temos então? - Sorriu e continuou a mexer em meus cabelos, acariciando-me.

- Isso é você que tem que saber. - Desviei o olhar do dele, e peguei meu celular. 

- Como você é chata. - Suspirou. - Vou falar para todo mundo que você deu pra mim sem compromisso algum. - Falou sacana.

- Cale a boca. - Dei um tapa no rosto dele. 

- Sabia que isso dói? - Falou massageando seu maxilar. 


Notas Finais


Nha vocês são realmente fofas. Fico feliz que estejam gostando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...