História Behind The Secrets - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Ryan Butler
Visualizações 3.410
Palavras 4.481
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura bjs

Capítulo 28 - Welcome To Hawaii


- Ele não se atreve. - Riu. - Mas vamos parar de falar dele, porque eu não de ficar falando dele com você. - Falou ficando sério novamente.

- Por que não? - Falei curiosa.

- Porque não é um assunto tão fácil assim para conversar... Eu já disse que, com o tempo, você saberá de tudo. - Falou sereno.

- Tudo o que? - Ele já disse que com o tempo eu saberia sobre o seu trabalho, mas não ''tudo''. O que seria o tudo do qual ele se refere? Tem mais do que as coisas que eu já sei até agora? Não pode ser. Não quero um namoro baseado em mentiras.

- São tantas coisas Mel. Eu já falei que um dia eu te conto tudo. - Falou pensativo.

- E por que não agora? Você não confia em mim? - Falei tentando fazer um drama para que desse certo com ele.

- Porque é desnecessário você saber agora. É óbvio que eu confio em você. - Respondeu rápido.

- Não parece... - Desviei o olhar do dele. 

- Para. - Retrucou. - Você sabe que é a única pessoa em que eu confio por aqui. - Falou implicante, e sorri.

Assim que o sinal bateu, demoramos para levantar, ele pegou na minha mão e atravessamos o colégio. 50 minutos passaram tão rápido assim? Caminhei grudada nele, que ficou olhando para todos os lados, procurando alguém que estivesse andando pelo corredor. Entramos em um grupo de várias pessoas em frente a nossa sala, e fomos para os nossos lugares, tentando não chamar a atenção.

- Por que vocês mataram aula? - Lissy sussurrou olhando para nós

- Por que você quer saber? - Ele respondeu grosseiro, e ela fez uma careta, logo ficando quieta. Amei o fato dele ter sido grosseiro com ela.

- Ele sabe que ela é a fim dele? - Adriele perguntou e logo riu.

- Pelo jeito, eu acho que ele não vai com a cara dela mesmo. - Dei os ombros contente, e a professora Hillary que irá nos acompanhar na viagem entrou na sala. Ótimo! Provavelmente, ela nos dará os últimos avisos.

- Bom pessoal. Preciso que todos que irão para a viagem me acompanhem até a quadra. Quero conversar com vocês. - Falou toda séria, e abriu a porta da sala, para que saíssemos. Eu e a Lissy nos levantamos rapidamente, e o Justin veio ao meu lado, entrelaçando seus dedos de sua mão esquerda na minha direita. Ela nos olhou torto, e ele fingiu não perceber. Será que ele sabe que ela é a fim dele? Porque pelo que anda fazendo... está meio na cara.

Fomos todos até a quadra, e o Logan sentou-se ao meu lado, e o Justin do outro lado, ainda segurando minha mão. 

- Estão todos aqui? 12, 13... - Terminou de contar um por um, e assentiu para si mesma. - Como vocês já sabem, todos terão que estar no aeroporto às 2h da manhã de sábado, e embarcaremos em poucos minutos. Por isso, quem atrasar cinco minutos ficará para trás. Outra coisa... Além das malas, eu aconselho vocês, garotas, a levarem uma bolsa no avião, com um cobertor ou algo que quiserem, porque como nós somos todas frescas, é melhor que cada uma tenha o que gosta. - Demos risadas e os garotos ficaram quietos. - Vocês já dividiram os quartos?

- Serão quantas pessoas por quarto? - Falei ao erguer a mão esquerda, para que ela prestasse atenção em mim.

- Quatro pessoas por quarto. Sendo assim, espero que vocês já saibam que não é pertimitido pessoas do sexo oposto dormindo no quarto de vocês. - Falou séria.

- Isso é o que ela pensa. - Justin cochichou no meu ouvido e ri imediatamente.

- Pode ser nós duas, a Lissy e a Brandy. Que tal? - Falei para a Adriele, que concordou.

- É a única menina mesmo. Os outros são todos garotos, esqueceu, amiga? A Amy nos trocou. - Falou sarcástica.

- Sem graça. Ainda tem as meninas da outra sala.

                                         ...

 

Como iremos sair de casa daqui meia hora, pedi para que o Justin viesse aqui, e iremos juntos. Acho mais simples, já que ele ficaria provavelmente sozinho, esperando o horário para ir ao aeroporto. Assim que ele cheogu em casa, o Paul colocou as duas malas dele no porta-malas, e eu preferi deixar as minhas ainda no quarto, para colocar mais algo que fosse necessário. Assim que ele chegou, eu havia acabado de sair do banho, e esperei que ele entrasse no meu quarto, enquanto eu secava o cabelo.

- Boa noite, babe. - Falou carinhoso e veio até mim. Deu-me um selinho e foi para a varanda, provavelmente para olhar o céu. Coisa que ele adora fazer.

Terminei de secar o cabelo, e ele continou na varanda, sem fazer absolutamente nada. Guardei a secador na minha mala, e aproveitei para colocar a chapinha. Preciso conferir se tudo já está aqui, antes que eu acabe me esquecendo de algo, o que sempre acontece.

- Amor, venha aqui. - Chamei-o enquano fuçava todo o meu closet, e logo ouvi os passos dele se aproximando. - Me ajuda a conferir se eu esqueci de algo? - Falei ao olhar para ele virando o rosto para o lado esquerdo.

- Claro. Vai falando, e eu confiro aqui na sua mala. - Falou ao ir até a minha cama, onde estavam as minha malas abertas.

- A vermelha primeiro, e depois a roxa, ok? - Falei despótica. - A chapinha, o secador e meu estojo de maquiagem rosa. - Falei tudo de uma vez para que ele achasse logo.

- Como eu vou saber qual é o seu estojo de maquiagem? Tem mais de oito bolsinhas aqui. - Falou rindo, e passou a tirá-las uma por uma.

- Você está bagunçando minhas coisas! - Fui até ele, e guardei tudo novamente. 

- Posso ver tudo o que você está levando? - Falou tornando a tirar minhas neccesaires da mala roxa, bagunçando as duas.

- Não. São coisas de mulheres. Você não entende. - Falei esbone e ele revirou os olhos. Sim, ele continuava com aquelas lentes terríveis.

- Eu não entendo dessas coisas, mas eu entendo das mulheres. - Falou convencido, e abriu a primeira necessaire, que estava em cima das roupas. Adivinha? Ele abriu justo a que havia absorventes e preservativos.

- Uau, você se previne bem. - Falou sem graça, e logo riu. - Por isso você estava de tpm aquele dia. 

- Não tem nada a ver. Eu só levo caso precise. - Falei ao guardá-la novamente, bem no fundo da mala.

- Ufa. - Suspirou aliviado. - Detesto transar quando as garotas estãos nesse período fértil. - Falou de um jeito engraçado, e ao mesmo tempo irônico, que me fez rir.

- Como você é besta. - Revirei os olhos, e ele riu. - Não acredito que disse isso.

- Eu só fui sincero. - Deu os ombros.

- Guarde sua sinceridade para você. - Respondi ao mostrar a língua, e ele deu um tapa na minha perna, me provocando.

- Para. - Franzi a testa e ele riu. Já que ele não iria conseguir me ajudar em nada, conferi minhas malas sozinha. Demorei alguns minutos, mas, felizmente, acho que não esqueci nada. Não irei levar o meu notebook, porque eu uso mais o meu celular, e terei tempo de sobra para me divertir. 

Olhei na tela do celular, e já são 1h40. Precisamos correr para o aeroporto, para que os professores não reclamem. Além da Hillary, o professor Jeffer também irá com a gente, por questões de segurança. 

- Não acha melhor irmos agora? - Falou olhando em seu relógio do pulso. - Não seria legal chegarmos em cima da hora.

- Eu sei... Vamos! Você leva as minhas malas? - Falei ao pegar minha bolsa e passei um gloss. 

Saímos do quarto, e a minha mãe logo pegou a chave do carro. 

- Podemos ir Mellanie? - Falou já abrindo a porta.

- Sim mãe. - Saímos de casa, e guardei meu celular no bolso ao entrar no carro. Justin e o Paul terminaram de arrumar as coisas no porta-malas, e ele logo entrou no banco de trás comigo, e dobrei as pernas no mesmo.

- Quero que você use o seu juízo. Está ouvindo Mellanie Rose? - Paul falou todo sério, e assenti.

- Eu sei me cuidar. 

- Jason, você vai ficar de olho na Mel, tá? - minha mãe olhou para nós, e ele sorriu.

- Pode deixar Anne. Prometo cuidar muito bem da Mel. - Deu um beijo nas costas da minha mão, e minha mãe suspirou. - Você não pegou um cobertor? - Falou olhando ao redor.

- Sim. Ele é aquele meio fininho, que dá para dobrar, sabe? Está na minha bolsa. - Falei sorrindo e ele lambeu os lábios.

- Como coube nessa bolsa? - Riu.

- Cabendo, oras. - Dei os ombros, e estacionamos no estacionamento do aeroporto.

- Onde estão as passagens? - Dona Anne disse ao descer do carro. 

- Com os professores, mãe. - Eles pediram para que ficassem com tudo, caso acabássemos esquecendo. 

- Foi uma boa ideia. - Peguei minha bolsa,  o Justin levou suas duas malas, e o Paul levou as minhas. Eu não sou folgada, mas já que ele se ofereceu para levar, por que eu negaria?

Assim que chegamos ao ponto do nosso voo, avistei meus amigos e os professores. O Luy e os outros garotos também estava lá, conversando todos animados. Justin caminhou até lá, e minha mãe me segurou pelos pulsos. 

- Me promete que você vai usar o seu juízo? - Falou séria, com a voz triste.

- Prometo. Fique tranquila. Irei te ligar uma vez ao dia, ou mandar uma mensagem para dizer que estou bem. - Sorri e nos abraçamos.

- Eu amo você filha. Se cuida. - Passou a mão no meu rosto, e me abraçou de novo. 

- Também amo você mãe. - Afastei-me aos poucos, e ela parecia estar com vontade de chorar. - Se cuida Anne Schnaider. - Mandei um beijo, e fui até os outros. Abracei o Paul, que cumprimentou o Justin, e ele correu falar com a minha mãe.

- Só estamos esperando a Adriele para poder embarcar. - Jeffer falou para todos nós. Como assim a Dri ainda não chegou?

Rapidamente liguei para ela, e deu caixa postal. Atraso é uma característica típica da Adriele.

- Meu deus... Por que ela não chegou ainda? - falei aflita, enquanto o Justin conversava com o Logan e o John.

- Bem... Não podemos atrasar. A Professora Hillary já está no avião nos esperando. Vamos pessoal. - Assim que terminou a frase, ouvi o grito da Adriele de longe. 

- EU CHEGUEI! VAMOS. - continuou gritando e correu até nos com as suas malas. Todos suspiraram aliviados, e assim fomos até o nosso avião. Sim. Foi reservado um apenas para nós porque ao todo são mais de 30 alunos, e os professores, e o guia turístico que eu duvido muito que esteja aqui.

Assim que entramos no avião, passamos a olhar os lugares e a escolher. Adriele combinou que iria com o Logan, porque queria conversar sobre o possível namoro dele, então não opiniei.

- Como esse avião é nosso, vocês podem escolher os lugares. Só peço para que não façam baderna. - Ela fala como se fôssemos crianças. 

Fui para uma das últimas fileiras e sentei-me no banco da ponta. Justin olhou-me de longe e chamei-o para sentar-se comigo. Adriele e o Logan ficaram na nossa frente, e o banheiro ficava ao lado, deixando um casal do outro lado.

- Vou começar com a chamada.... Adriele. Beatrice. Christian. Carly. - Continuou falando os nomes, e o Justin se ajeitou apoiando com a cabeça na janela. Tirou o boné e os tênis. Tirei minha sapatilha e abri minha jaqueta, mesmo ainda estando um pouco frio.

- Como vocês já sabem, o voo terá duração de cinco horas e meia. Apertem seus cintos, e boa viagem a todos. - O professor falou e logo sentou-se na primeira fileira. O piloto pediu para que colocássemos os cintos e nos alertou de tudo. Duas aeromoças passaram por nós, e nos ofereceram algo para comer ou beber. A professora disse que elas só irão nos servir nos próximos vinte minutos, porque todos precisamos dormir, inclusive elas. 

Coloquei meu beats e liguei a televisão em um canal de música. Justin segurou minha mão, e deixei minha bolsa no meu colo. Como estávamos bem no fundo, estiquei a mão direta e peguei uma garrafa d'água. Tomei um gole e dei para o Justin, que acabou com ela em segundos. 

Ele colocou seus fones, e quando já estávamos decolando, todas as luzes foram apagadas, e ficou um silêncio total.

- Ei. - Sussurrou e tirou meus beats para que eu o ouvisse. - Pegue a sua coberta. - Sorriu malicioso e fiz o que ele disse. Deixei minha bolsa no chão, e nos cobri com a coberta, até a região do pescoço. Deitamos um pouco nossos bancos, e mordi meu próprio lábio, olhando para ele. Dei-lhe um selinho e deitei com a cabeça em seu peitoral, quase em seu ombro direito, que levantou minha cabeça e beijou-me nos lábios. Nos beijamos devagar, para que ninguém pudesse ouvir o barulho dos estalos dos nossos lábios, e ele passou a mão na minha cintura, por debaixo da blusa. Eu estava confortável naquela posição com ele, e como estávamos quase deitados, ele apoiou com suas pernas no meu banco, e ficamos deitados na diagonal. Fora nós, todos aqui estão com fones de ouvido, mas, mesmo assim, não dá para garantir que eles não estão nos ouvindo. Puxei pouquíssimo sua calça para baixo, e apertei sua cueca com força, apenas com a mão esquerda. Com a outra, segurei sua boca para que não ficasse gemendo alto. Ninguém pode saber do que está acontecendo, e eu espero que ele esteja ciente. Ele riu e deitou com a cabeça no encosto.

- Shhhh. - Sussurrei para que ele ficasse quieto, que logo mordeu minha mão, para que eu o deixasse falar. Continuei apertando sua cueca com desejo, como se eu estivesse brincando com um bicho de pelúcia, em que era como se eu me desestressasse a cada vez que o apertava. Ele tentou se contorcer por debaixo do cobertor, e continuei apertando-o cada vez mais. Puxei o comprimento da sua cueca pouco para baixo, e ainda sem ver nada, passei as unhas em seu membro, e passei a subir minha mão para cima e para baixo, em um movimento agitado, enquanto ele não abria os olhos, e sorria feito bobo. 

- Mellanie... - Falou em um fio de voz, gemendo baixo.

- Se você fizer algum barulho de novo, eu vou apertar e vai doer. - Falei desafiadora e ele riu. Olhei para os lados, e estávamos completamente escondidos, já que ao nosso lado ficava o banheiro, dando menor passagem para quem estava do outro lado nos ver. Escondi minha cabeça embaixo da coberta, e sem muito hesitar, passei a língua na cabecinha de seu membro, chupando o mesmo, ainda pouco devagar. Era óbvio que ele estava completamente excitado. Não preciso dizer que, seu membro estava absurdamente ereto, e duro feito pedra. Passei as unhas na região acima de seu mesmo, até o começo de seu quadril. Ele não deu um piu, até que eu me desse por satisfeita. Continuei chupando-o cada vez mais profundamente, mas não fiz garganta profunda. Não acho necessário. A única coisa que ele disse, foi resmungar um ''ah'', no momento em que ejaculou em minha boca. Foi como se ele estivesse sentindo-se aliviado por completo. Engoli aquele líquido quente sem pensar muito, e subi sua cueca, fazendo o mesmo com a calça. Fechei seu zíper bem devagar, e arrumei sua roupa, para que nada ficasse fora do lugar. Sim, ele ainda estava segurando sua ereção, ou melhor, tentando.

Olhei para ele tímida, que sorriu feito bobo e me puxou para perto. 

- Eu consegui ficar calado. - Falou risonho, e envolveu meu corpo em seus braços, regulando novamente os cintos. Apenas sorri, e ele ficou acariciando a minha mão. Não demorou muito para que eu acabasse dormindo. Apesar de estar tão animada para chegar logo na tal ilha Maui.

- PESSOAL! - Pulei com o grito e ajeitei-me no banco. Eu estava deitada com o Justin, e ele também acordou no mesmo instante. Os outros começaram a falar ao mesmo tempo, provavelmente por terem sido acordados aos gritos pelo professor. - Finalmente acordaram! Iremos pousar. Peguem suas coisas e aguardem sentados. - Sentou-se novamente, e logo o piloto deu o mesmo aviso.

- Viado. Quem ele pensa que é para gritar com todo mundo aqui? - Logan falou irritado, e começou a conversar com o Justin.

- Mal posso esperar para ver as garotas gostosinhas de lá, todas de biquíni. - Logan riu e Justin riu do que ele disse, sem ao menos me olhar.

- Nem fale. - Justin disse olhando para a janela. - Imagine só! - Empurrei a perna dele, que riu escondido e logo aterrizamos.

Tiremos os cintos e dobrei o cobertor, colocando-o dentro da bolsa novamente. Nos levantamos e ele arrumou sua calça, colocando o boné na cabeça, e óculos escuros que estavam no bolso de sua calça. Como estava muito sol, também coloquei meus óculos e saímos do avião no mesmo instante. Eu e a Adriele fomos as últimas.

- Mellanie, você dormiu deitada com ele? - Falou baixo, e ficamos todas paradas dentro do aeroporto, esperando nossas malas.

- Sim. Qual o problema? - Falei olhando para ela.

- Você sabe amiga. - Riu e ficamos olhando todas as malas passarem pela plataforma que dava a volta em metade da nossa área do aeroporto. Justin pegou as dele e colocou no carrinho. Lissy fez o mesmo, e a minha foi uma das últimas. Peguei outro carrinho e esperei a Adriele. Fomos todos até a saída, e foi como se eu tivesse desembarcado em um novo mundo. O sol radiava forte, e do outro lado da rua havia alguns comércios, como um shopping ao ar livre. Era um ambiente arejado, repleto por árvores e ruas nem tão movimentadas.

- Enquanto eu fizer a chamada, a professora Hillary irá pedir para os motoristas levarem as malas de vocês, ok? - Todos assentimos ao mesmo tempo, e ele começou a fazer a chamada, enquanto passávamos para o outro lado da rua, indo até um microonibus, como aqueles de resorts, em que é todo aberto e com cores vivas.

Atravessei com a Lissy, e fui até o Justin, que estava entrando no microonibus. Peguei em sua mão, e ele logo acelerou o passo, procurando um lugar para nós. Nos sentamos em um dos últimos bancos, e eu fiquei na janela.

- Será que chegaremos logo? Estou morrendo de fome. - Falei olhando a vista da janela.

- Acho que sim. Eu também estou. - Segurou minha mão novamente e tirou seu celular do bolso. Desbloqueou-o e foi até suas fotos. Ele tinha mais de 200, mas não consegui ver se eram todas dele, já que deslizou seu dedo na tela tão rápido. Assim que todos entraram no ônibus, os professores começaram a nos explicar os horários das refeições, sobre o que iríamos fazer, e quanto tempo tínhamos para cada atividade do dia, se quiséssemos fazer algo. Toda noite haverá uma festa, que começará às 22h30, e irá até às 5h30 da manhã. Uma das coisas mais importantes também, foi que não poderemos acordar depois das 11h00. Assim também não dá! Apesar que, não pretendo dormir muito tempo a cada noite. Tenho que aproveitar meus dias fora de casa.

No caminho, ela também disse que não iremos ficar em apenas quartos separados, mas são apartamentos que fazem parte do resort de Maui, e o nosso prédio é o amarelado, em que tem dois quartos a cada apartamento. Sendo assim, eu e as meninas ficaremos ao lado do dos garotos, pelo que eu entendi.

Fui olhando todo o caminho, e entramos no enorme resort, que havia cerca de 3 quilômetros só de estrada, para que não saíssemos de lá. Passamos por mais de dez quadras de jogos, de golfe, basquete, de vôlei, piscinas, trilhas, lojas e logo chegamos aos prédios, que davam para a praia e as outras áreas de lazer.

Tenho que confessar que os prédios são mais bonitos do que eu imaginava. Descemos do ônibus, e todas as nossas malas já estavam no chão, em frente à recepção.

- Uma pessoa será a respondável por cada quarto. 112 é o de vocês meninas. Quem ficará com a chave? - Rapidamente ergui a mão, e peguei a chave com a professora.

- Se importam se eu ficar com a chave agora? Depois vocês podem guardar. - Falei olhando para as três, que concordaram animadas.

- O quarto 114 é ao lado do 112, e será dos garotos. Quem ficará com a chave? - Logan foi o primeiro a se manifestar, e pegou a chave, saindo correndo com as suas malas.

- Aqueles que ainda não estiverem com as suas chaves, venham aqui. Os outros, já podem ir para os seus quartos se acomodar, e em vinte minutos nos encontraremos no refeitório para o café da manhã. - Falou nos dispensando.

- Não adianta. Até aqui ficaremos juntos. - Falou rindo e entramos no elevador. Em um deles, entrou o Logan, o John, eu e o Justin. E no outro, as meninas com o Peter e o Chris. O nosso andar era o terceiro, e assim que saímos no mesmo, começamos a procurar o quarto.

- É aqui!! - Corri para o lado esquerdo do corredor, e a nossa porta havia o número ''112'', que é realmente de frente para o 114. Esperei a Adriele e logo abri a porta com a chave.

Nos deparamos com uma sala de tamanho médio, com um sofá para quatro pessoas, que aparentemente virar uma cama. A televisão era grudada na parede, e havia uma mesinha entre elas, com um tapete embaixo. Ao lado, era um frigobar que tinha o comprimento na minha cintura. Olhamos para tudo e largamos nossas malas ainda perto da porta, que a Lissy bateu com tudo.

- Meu deus! Esse lugar é incrível. - A Brandy falou animada e correu para os quartos. Havia um banheiro, que separava os dois quartos. Entrei no da esquerda, e eram duas camas de solteiro, com ambas colchas brancas em um detalhe bege, bem suave. Havia duas cômodas, uma em cada parede, e um telefone para que ligássemos para a recepção. A janela dava para a vista incrível do mar, e de quase todo o resort, inclusive as piscinas, as centenas de árvores e monumentos que marcavam o local.

- Esse será o nosso quarto, tá? - Adriele falou ao se jogar na cama da esquerda, e tomei posse da direita.

- Com certeza. - Ri. - Eu amei esse lugar. - Havia um espelho ao lado do único guarda-roupa, que havia duas portas, provavelmente para colocarmos as nossas roupas de festa. Trouxe minhas malas para o quarto, e deixei-as do lado da minha cama.

Um enorme espelho ficava ao lado do guarda-roupa, que eu poderia me ver por inteira. Aproveitei para tirar as sapatilhas e abri a mala roxa, pegando um chinelo confortável. Adriele fez o mesmo, e saí do nosso quarto para ver o das meninas.

- E aí? Uau! Que demais. - Era igual ao nosso, mas eu gostei do mesmo jeito, porque tudo aqui é muito organizado. As toalhas ficavam em cima da cômoda esquerda, junto a alguns papéis com as programações do que fazer por aqui.

- Não é? Eu amei esse quarto. Nós já vamos descer para o café. Vocês virão agora? - Lissy disse deixando o quarto.

- Eu encontro com vocês lá. - Adriele respondeu, e elas logo saíram do nosso apartamento.

- Ainda bem que não ficaremos todas em um só quarto. Imagina que chato, ficar discutindo com ela pela melhor cama? - Ri e a Adriele revirou os olhos, ao abrir o frigobar, que estava cheio de garrafas d'água e energéticos.

- Seria um caos. - Falou ao tomar um gole. - O que faremos hoje?

- Não sei... Quero conhecer tudo por aqui, mas só após o almoço. - Falei e logo ouvimos uma gritaria vindo do corredor. Parecia a voz dos garotos, mas eles gritavam como se ninguém estivesse aqui para ouvir.

- POR TANTO A CAMA DE CASAL É MINHA.

- MAS QUEM VAI DORMIR NELA SOU EU.

- VOCÊ É UM GAY, ISSO SIM. - Ficamos ouvindo atrás da porta, e logo abri a mesma, para ver o que estava acontecendo. John, Justin e Logan discutindo na porta do quarto, gerando um escândalo no corredor.

- O que está acontecendo aqui? - Adriele falou enquanto passava filtro solar no rosto.

- Esse viado do seu namorado quer ficar com a cama de casal. E as outras três são de solteiro. - John disse invocado olhando para mim, e apenas ri.

- Viado é o teu cu. Eu tenho namorada, e você não. - Retrucou impaciente.

- Isso não quer dizer nada. - Respondeu de volta, pedindo uma discussão ainda maior. Eles pareciam crianças de oito anos, brigando por um doce.

- Você só quer a cama de casal pra ficar transando com a Mellanie todas as noites. - Logan falou de uma vez e todos nós rimos juntos. Não acredito que ele gritou isso no meio do corredor.

- E se for? - Revidou arrogante.

- Não muda o fato de que você não tem privilégio nenhum, cara. - Logan disse.

- Quantos anos vocês tem? Parem com isso. - Adriele disse rindo da cara deles, que pareceram cair na real, que aquela discussão estava ridícula.

- Até parece que você vai conseguir transar no quarto daqui mesmo, com esses três babacas do lado. - Continuou e revirou os olhos.

 

SPOILER

 - Onde você quer ir? - Comecei a andar de costas, ficando na frente dele.

- Qualquer lugar, desde que ninguém nos atrapalhe. - Articulou tranquilo e ameaçou me fazer cócecas. Antes que ele dissesse algo, passei a correr o mais rápido que pude, sem saber para onde ir. Passamos por alguns dos turistas, e ele tentou me pegar, que não conseguiu. Demos a volta em uma piscina, e corri para uma cabana próxima a uma das árvores, que por sorte estava vazia. Ele logo entrou e me pegou por trás, segurando minha cintura. - Peguei mocinha. 

- Assim não tem graça. - Falei exausta, e ele segurou minhas pernas, dando-me impulso para que subisse em seu colo.


Notas Finais


Tem mta coisa pra acontecer nessa viagem, então espero que estejam gostando. Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...