História Behind The Secrets - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Ryan Butler
Visualizações 2.977
Palavras 4.119
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura

Capítulo 39 - Melissa


Aliás, é mais do que óbvio que ela ainda está chateada comigo. Olhei para seus lábios que pareciam estar me chamando desesperadamente, e elevei completamente minha cabeça para beijá-la, já que estava sentado. Ela cedeu ao meu beijo e pude deixar minhas mãos soltas pouco abaixo de seu quadril. Senti meu sangue fervendo em minhas veias, só de beijá-la como antes de tudo isso ter acontecido. Ela foi deslizando em meu colo e escondi minha mão em todo o seu cabelo, puxando-a para ainda mais perto.

- Venham jantar! - Gritou nos fazendo pausar o beijo instantaneamente, e dei-lhe um selinho. 

- Estamos indo. - Mel gritou de volta e esperou que eu me levantasse. - Você continua estranho. - Peguei em sua mão e fomos até a escada.

- Eu estou normal, babe. - Falei olhando para ela, que devolveu o olhar.

- Não, você não está. - Achei melhor não responder e fomos até a mesa do jantar.

Nos sentamos um de frente para o outro e a Anne ficou na ponta, entre nós.

- Vocês estão quietos... Quero que me contem da viagem. - Falou esperando uma resposta, e permaneci quieto. - Ok. Sem enrolações. Por que vocês terminaram? - Disse autoritária e a Mellanie arregalou os olhos instantaneamente.

- Mãe! Para. - Falou olhando para ela.

- Eu sei que vocês terminaram, mas não sei o que aconteceu. Quem aqui errou? - Ela é realmente a Mellanie mais velha. Isso chega a ser assustador.

- Eu. - Falei sério.

- Jay. - Mellanie franziu a testa para que eu não desse continuidade a essa assunto.

- Chega de falar disso.

- Nós mal começamos. - ela insistiu, e Mellanie bufou impaciente. - Mas tudo bem. O que importa é que vocês voltaram, certo? - Eu não sei se voltamos. Eu acho que sim, porque para mim ela é minha namorada. Já para ela eu não sei.

- Sim dona Anne Schnaider, nós voltamos a namorar. - Falou puxando o saco da mãe para parecer simpática e sorri alegre. É ótimo ouvir isso vindo dela.

- Ótimo! - Ajeitou-se na cadeira contente e voltamos a jantar sem mais conversa. Assim que terminamos, ajudei as duas a tirar a mesa e coloquei minhas malas no meu carro que estava estacionado na garagem.  

- Eu já vou para casa. Preciso dormir. - Falei olhando para ela, que me abraçou forte e dei-lhe um selinho.

- Tudo bem. Boa noite, Jay. - Entrei novamente na sala e me despedi da Anne. Voltei para a garagem e entrei no meu carro.

- Depois eu te ligo. - Sorri para ela e dei a partida. O que eu mais quero é poder chegar na minha casa e relaxar. Estou necessitando dormir para pensar em tudo o que eu deixei acontecer. 

 

       Mellanie P.O.V

Voltei para casa assim que ele foi embora e tranquei a porta. 

- Eu vou tomar um banho e te conto como foi a viagem, tá mãe? - Falei subindo as escadas e ela logo assentiu. Entrei no meu quarto e pude sentir o cheiro de seu perfume como se estivesse impregnado nas paredes. Despi-me e peguei um pijama mais solto. Liguei a tevê para quebrar o silêncio e entrei para o banho. Passei a pensar na conversa que tivemos durante o voo e como está a nossa situação. É mais do que perceptível que eu continuo muito chateada com ele, mas acho que ficarmos separados só irá piorar ainda mais tudo isso. Eu o amo tanto que não consigo odiá-lo, mesmo que eu tente. Isso não é nada bom. 

Sequei meu cabelo ainda no banheiro e assim que abri a porta, minha mãe estava sentada na cadeia da escrivaninha mexendo no meu notebook. 

- Como você é lerda. Eu tomei banho antes. - falou feito criança. 

- Ai mãe. - estendi a toalha na varanda e voltei para o quarto. - Eu trouxe algumas coisas para você. - Abri novamente as malas e tirei todos os presentes. Olhei-a que estava sorridente e logo pegou da minha mão o chaveiro, a caneca e a camisa.

- Uau! Obrigada filha. - Colocou a blusa em frente de seu corpo para ver se servia e o tamanho era o certo. - Por que tantas blusas?

- Não são muitas. Eu comprei para a tia Nine e a Alice. - Dei os ombros e guardei os outros dentro do meu guarda-roupa. 

- Entendi... Mas então. Eu quero entender o que está acontecendo. Vocês voltaram mesmo a namorar ou você só falou aquilo por falar? - Disse ao sentar-se na minha cama, esperando minha resposta.

- Isso é tão complicado, mãe. - Sentei-me de frente pra ela e coloquei meu celular para carregar. - Eu pensei que seria a melhor viagem da minha vida, mas nós brigamos muito feio lá, porque ele só erra comigo e acabamos que eu fiquei com um garoto lindo que eu conheci lá e ele ficou com outra garota. - Resumi exatamente o que ela precisava saber, porque eu não tinha como explicá-la mais do que isso. Se eu começasse dizendo que ele é um mentiroso, ela não me deixaria em paz até que eu contasse tudo, mas eu não posso. Eu estou louca para me abrir com alguém e dizer tudo isso, mas ninguém pode saber. Ainda mais depois do que ele me disse hoje. Bufei sem saber como continuar e cruzei as pernas na cama.

- Como assim você ficou com outro garoto Mellanie? Não adianta você pular do começo ao fim porque eu não tenho como entender nada. - falou completamente confusa. - O que ele fez para você?

- Eu não... Não gosto de falar sobre essas coisas. Mas ele errou muito comigo e sempre pede desculpas e erra de novo. Nos primeiros dias nós nos divertimos muito com os outros e discutimos bastante, mas naquela noite foi terrível. Eu terminei com ele por algo macabro que ele fez e disse coisas... Eu falei muito sem pensar. Ele chorou na minha frente. Aliás, eu nunca o tinha visto chorar tanto, como naquele dia. Ele passou a pedir desculpas e implorar, porque não queria que terminássemos e depois eu voltei para o hotel, já que estava de madrugada. No dia seguinte nós tentamos conversar e decidimos que não ficaríamos juntos novamente, de maneira alguma. Depois disso eu acabei conversando com uns garotos que eu conheci, e um deles tem 20 anos, o Daniel. Nós ficamos por dois dias e o Jason ficou com uma garota que ele disse não saber o nome, já que bebeu tanto depois do que aconteceu. Na volta, fomos sentados juntos no avião porque não era permitido trocar o lugar da ida e ele acabou pedindo desculpas novamente e disse que me ama e não vai mais errar comigo. Foi isso. - Falei voltando a olhar para ela, e passei a pensar no que mais poderia dizer. Eu queria que ela entendesse que ele é um mentiroso, mas ela não pode entender isso tão cedo. Às vezes é tão complicado para mim, pensar que eu não posso dizer nada a ela, e assim eu penso no quanto deve ser ainda mais difícil para ele, não poder dizer a ninguém e eu fui descobrindo aos poucos. 

- Não sei o que dizer, e também não posso te aconselhar porque eu continuo sem entender tudo, mas pelo menos vocês voltaram... Eu acho que assim, eu percebo o quanto ele é misterioso e não gosta de ficar muito na frente dos outros. Ele só usa óculos escuros, e isso para mim significa outra coisa. Mas, eu também percebi que ele é um amor de pessoa e te ama muito. Você mesma me disse que ele implorou para que não terminassem. Não é fácil encontrar homens por aí que também são assim. Mesmo não sabendo, eu acho que você deve voltar com ele desde o início para ver se dará certo. - Falou calma provavelmente processando tudo o que eu havia dito.

- Às vezes, nem eu mesma entendo tudo isso. Mas obrigada mesmo assim... Eu amo muito o Ju...Jason e eu acho que podemos nos acertar, mais uma vez. - Balancei a cabeça desanimada. - Fora isso, a viagem foi incrível. - Voltei a sorrir e ela também sorriu.

- Que bom que você se divertiu! Quero ver as fotos. - Antes que pudesse pegar meu celular para entregar a ela, ele começou a tocar. Era o Justin. Atendi sem mais demora.

 

- Babe?

- Oi Jay.

- Já estou sentindo sua falta. 

- Venha aqui.

- Não posso. Tenho que acordar cedo amanhã para resolver umas coisas do trabalho.

- Que pena...

- Isso foi uma ironia? - disse risonho.

- Não! Você tem algo para me dizer?

- É... Não.

- Então, por que você me ligou? - ri 

- Porque eu estou sentindo sua falta. Estou sozinho aqui.

- Já falei que você pode vir aqui.

- Amanhã eu vou. Preciso te contar algo mesmo.

- Mais?

- Não é sobre isso. Agora eu preciso descansar. Só liguei para ouvir sua voz mesmo.

- Aw. Então, boa noite Jay. Sonhe comigo.

- Boa noite, babe. Eu sempre sonho.

- Eu amo você. 

- Também te amo.

 

- Você é mesmo a Mellanie? - Minha mãe falou olhando-me parada perto da porta. Já havia esquecido que ela estava ouvindo a nossa conversa.

- O que? - Falei ao parar de pensar nele, e olhei-a sem entender.

- Olhe para você. Está toda boba e apaixonada. - Realmente, ela está certa. Isso não é normal para quem está acostumado com a Mellanie de todos os dias. - Amanhã eu vejo as fotos. Você deve estar bem cansada.

- As coisas mudam... - Falei ao olhar nossa foto do plano de fundo e mostrei para ela, que sorriu. - Eu estou mesmo. Boa noite, mãe. - Ela voltou até a minha cama e deu-me um beijo no rosto, saindo do quarto em seguida. Eu gosto de quando estamos só nós duas aqui, sem o Paul. Digo, como eles ainda não estão casados ou até mesmo noivos, acho bom aproveitar o tempo com a minha mãe aqui, sem mais ninguém para nos atrapalhar. Assim que ela fechou a porta do quarto, fiz minhas higienes e apaguei as luzes. Desfiz parte da minha mala roxa, guardando todos os sapatos e acessórios, só para dar uma adiantada. Voltei para a minha cama e deitei-me debaixo da coberta. Instantaneamente pensei em tudo o que aconteceu na viagem e como aconteceu. É normal que, esses oito dias tenham passado tão rápido para mim? Passei a recordar o momento em que terminamos, e eu saí correndo para não ficar mais perto dele, o que não adiantou em nada, já que ele veio atrás de mim e começou a falar um monte. Queria tanto pensar mais sobre se devemos mesmo voltar a namorar, mas nós meio que já voltamos. Isso não impede que eu continue magoadíssima com ele. Creio que o amor supera tudo, e com o passar dos dias tudo voltará a ser como era antes, só que um pouco melhor, pelo menos espero que seja assim...


                   ...

 

"Bom dia, babe. Eu te amo" - Justin.

 

                   Jason P.O.V

A primeira coisa que fiz quando acordei foi mandar uma mensagem para a Mellanie. Não menti quando disse que já estava sentindo sua falta. Isso foi estranho até para mim. Acho que estou me acostumando com a ideia de estar apaixonado.

Dei uma folga para a empregada e aproveitei para concluir umas pesquisas que eu deveria ter feito durante a semana, e mandei para o Greg no mesmo instante. Não demorou muito para o Ryan aparecer e me questionar sobre a viagem. Achei melhor omitir o fato de que a Mellanie já sabe sobre praticamente tudo, porque se não ele iria reclamar e já não basta ouvir sempre o mesmo sermão do meu pai.

- Justin? - Ouvi sua voz quase gritando pela casa e revirei os olhos ao sair do meu quarto. Ele havia deixado uma pequena mala ao lado do sofá e estava provavelmente me procurando. O Greg estava com ele, para variar.

- E aí, pai. - Cumprimentei-o e liguei a tevê para quebrar o silêncio, já que ficaremos aqui.

- Pelo jeito você tomou muito sol nessa viagem. - riu sarcástico. - Foi boa?

- Muito boa. - Assenti indo para a cozinha e peguei uma garrafa d'água na geladeira. - O que você veio fazer aqui mesmo? - Falei para que ele entrasse logo no tal assunto. 

- Não vai me contar como foi a viagem? - Voltou no assunto anterior. - Calma.

- Desde quando você se importa em saber? - Falei ignorante. 

- Desde que eu sou seu pai?! - Falou com uma ponta de dúvida como se fosse uma pergunta não retórica. 

- Eu me diverti bastante, bebi, peguei umas garotas. Foi boa. - Dei os ombros.

- Assim que se fala. - Assentiu alegre ao me ouvir dizer que peguei algumas garotas. Mal sabe ele que só foi a Mellanie, em partes, porque eu não conto aquela outra garota, já que mal sei quem é. - Então. - Olhou para trás e o Greg estava indo para o quintal. - Eu estou aqui para conversar com você sobre a empresa. Desde que você se mudou para cá, eu falei que iria te passar as orientações mas acabei me atrapalhando todo e achei melhor vir aqui.

- Sobre o que eu tenho que fazer? - Falei desinteressado.

- Sim. - Respondeu rápido. - É o seguinte. O Greg irá voltar de vez para Moscou comigo, e só o Ryan ficará aqui para te ajudar. Eu já percebi que a presença do Gregório será desnecessária, e vocês vivem se desentendendo feito crianças. - Ele adora mencionar a palavra criança quando se refere à mim, e isso me irrita.

- Dispenso comentários à parte. - Falei já impaciente e ele fingiu não me ouvir.

- Você lembra que eu comentei com você que viríamos aqui para achar uma pessoa? Quase da sua idade... Lembra? - assenti. - Então. Eu tenho uma foto dela pequena, e quero ver se você reconhece ou pode começar a encontrá-la agora. - Saiu da cozinha e foi até sua mala. Abriu-a e pegou uma foto de tamanho 15x15. Era uma garotinha de cabelos claros e olhos quase da cor do meu. Um sorriso angelical de toda criança e me parece muito familiar. Isso é estranho. - Não posso falar o nome ou mais alguma coisa. Preciso que você encontre essa garota até a sua "formatura". - Fez aspas com as mãos e fiquei olhando para a foto pensativo.

- Tá... E como eu vou saber onde ela estuda agora, ou se ainda está na cidade? - Falei olhando para ele. - Isso não tem absolutamente nada a ver com o nosso trabalho.

- Você é bom nisso, filho. Procure-a. - Disse autoritário e voltei a olhar para a foto. - Quando você já tiver suas pistas, me avise e poderei concluir. - Ele me mostra a foto de uma criança e eu terei que descobrir quem ela é, qual o nome e onde mora? Não é nada fácil!

- Isso não faz parte do nosso trabalho, pai. - repeti o óbvio. - Posso ao menos saber o nome dela? Não é nada simples conseguir descobrir quem é em menos de dois meses.  

Não sei porquê, mas ela me lembra a Lissy da nossa sala. Mas, não pode ser, e creio que não há chance de ser ela. 

- Eu sei que não faz parte, mas quando você achar essa garota eu te explico. O nome dela é Mel. - Meu corpo endureceu ainda quando eu estava de pé. Engoli seco esperando ele dizer algo. - Melissa. - Suspirei.

- Melissa? Tem certeza? - Falei sem reação alguma. 

- É claro que eu tenho. Por que você está aflito? - Pareceu confuso com a minha reação repentina. 

- Eu não... Estou normal. - Dei os ombros e coloquei a foto em cima da mesa, ainda olhando para a mesma. - Deixe-me adivinhar. Ninguém pode saber sobre isso? - Falei como se já soubesse a resposta.

- Mais ou menos isso. O Ryan vai te ajudar bastante, e se você confiar em mais alguém por aqui... Sem problemas. - Passou a andar pela casa, olhando todos os móveis.

- Tá. - Subi as escadas às pressas e fui até o meu quarto. Coloquei a foto no meu scanner e passei-a para o computador. Abri um dos programas que nós usamos para identificar as pessoas e passei a modificar sua foto, para ver como ela seria daqui 10 ou 11 anos, provavelmente daria para descobrir quem é. Mas isso não é tão fácil de se fazer, então achei melhor para na metade para pensar um pouco. Por que ele acha que ela ainda está nessa cidade? Só Deus sabe o quão nervoso eu fiquei quando o ouvi dizer Mel. 

- Me diz uma coisa. - Entrou no meu quarto e continuou observando tudo. - Você está se envolvendo com alguém daqui?  

- Sim. Por que? - Falei de uma vez e continuei mexendo no meu macbook.

- Quem é ela? - Falou sério.

- Você não precisa saber agora. Nós estamos namorando. - Falei sem puxar muita conversa e ele me pareceu espantado.

- Namorando? Desde quando você consegue namorar alguém? Duvido que esteja realmente envolvido com alguém daqui. - Não gostei nada do que ele disse, mas ele pode estar certo.

- Desde que eu me apaixonei por ela. 

- O quê? - aumentou o tom de voz. - Ela sabe de alguma coisa? - Falou duvidoso.

- Absolutamente nada. - Menti feio.

- Bom mesmo... Tenho outra opção?

- Não.

- Então, quero conhecê-la. - Eu imaginie tudo, menos que ele dissesse isso.

- Ainda não. - Neguei com a cabeça.

- Vou sair um pouco. À noite estarei de volta. - Falou ao sair do quarto, e voltou em instantes. - Só uma coisa. Espero que você saiba que isso com essa garota não irá durar muito, porque em dezembro você voltará para Moscou comigo. - Suspirei leve quando ele disse e preferi não responder. É óbvio que eu não vou deixar a Mellanie, muito menos depois que ela já estiver formada. Ou ela irá para Moscou comigo, ou eu ficarei aqui, o que é mais provável. Assim que ouvi a porta bater, deixei meu computador de lado e voltei a pensar na foto. Quem seria essa garota? Por que ele não me disse logo quando comecei no colégio? Eu teria prestado mais atenção do que o normal... Mesmo que o nome dela seja Melissa, ela me lembra muito a Lissy. 

Com relação à Mellanie, eu pensei que ele iria reclamar quando falei que estamos namorando, mas até que ele não opinou muito... Isso me parece ótimo, pelo menos por enquanto. Quero estabilizar novamente a nossa relação, para depois poder comentar com ela sobre essa tal foto. 

 

- Cara... Onde você está?

- Na praia. Seu pai já chegou ai?

- Sim. Ele veio falar sobre o que temos que fazer, e preciso da sua ajuda.

- É a foto da criança? Ele já me falou, mas eu ainda não vi. 

- Quando você vai vir aqui?

- Acho que amanhã eu vou. Ainda temos tempo.

- Tranquilo então. 

 

Deixei meu celular de lado e voltei a pensar na Mellanie. Queria levar os presentes hoje para ela, mas não quero que o meu pai fique me enchendo de perguntas sobre onde ela mora, quando irá conhecê-la e essas coisas.  

Também não quero que ela saiba que irei lá hoje, porque preciso presenteá-la com uma surpresa... Se as alianças ainda estivessem comigo, seria o melhor momento, mas eu fui burro o suficiente para sumir com as duas. Que raiva de mim mesmo.

A única conclusão que cheguei foi a de falar com a Anne para deixá-la ciente que irei para a sua casa, e não quero que a Mellanie saiba. Afinal, se ela vier aqui, pode encontrar com o meu pai e o Greg e não seria nada legal. 

 

"Anne... Quero fazer uma surpresa para a Mel hoje à noite, mas não quero que ela saiba que irei aí, tá?" - Jason.

 

"Adorei!!!! Pode deixar Jason, não contarei a ela e deixarei a casa livre". - Anne.

 

Ela é mesmo uma mãe liberal. Deve confiar muito na Mellanie para ser assim, porque se não confiasse, não a deixaria viajar por oito dias sabendo que iria transar e aprontar por aí. Já que ela está avisada, achei melhor sair um pouco para me distrair e voltar só mais tarde para me arrumar. Não suporto ficar nessa casa enorme sem fazer absolutamente nada produtivo. É uma merda morar em uma cidade em que você quase não tem amigos. Acho que vou para a praia, porque outro lugar está fora de cogitação.

Saí do meu quarto e andei por toda a casa à procura do Greg, que para a minha sorte saiu com o meu pai. Tranquei todas as portas e deixei apenas as janelas da área aberta, para ventilar a casa. 

 

                                        Mellanie P.O.V

Passei a tarde na casa da Alice e assistimos um filme, comemos doces e eu a trouxe para casa no fim da tarde, onde pudemos passar um bom tempo na piscina, já que está tão calor. Contei a ela exatamente tudo o que aconteceu. Quero dizer, eu contei que ele errou muito comigo e expliquei o que dissemos um ao outro, mas não citei nenhum dos seus segredos, até porque eu nunca faria isso com ele. Ela achou melhor ir embora após o jantar e acabei lavando toda a louça sozinha. Minha mãe inventou que iria sair com o Paul e passar a noite na casa dele, já que ela terá toda a semana de folga. Mais uma vez, estou sozinha por toda a noite. Pensei em ligar para o Justin, mas se ele não apareceu até agora, ou é porque esqueceu, ou não virá mais...

 

"Você disse que viria aqui hoje". - Mellanie.

"Eu iria mesmo, amor. Mas o meu pai chegou hoje e achei digno passar um dia com ele". - Justin.

 

"Tudo bem... Nos vemos amanhã?" - Mellanie

"Claro" - Justin.

 

Deixei meu celular de lado e fui para o quarto. Peguei uma troca de pijama e quando fui tomar banho ouvi a campainha tocar. Quem seria logo a essa hora? Minha mãe garantiu que não voltaria para casa hoje, e minha tia deve estar na casa dela, assim como a Alice. Só se for a Adriele ou o Logan, o que eu acho bem difícil. Desci as escadas às pressas. Abri a porta e não era ninguém mais do que o Justin. 

- Boa noite, babe. - Sorriu ao esconder as mãos para trás. Ele vestia uma calça jeans escura, camisa azul e um boné, sem os óculos e com duas correntes no pescoço. 

- Pensei que você não viria hoje! - Falei sorridente e abracei-o forte, que permaneceu parado.

- Tenho algumas surpresas para você. - Tentei olhar atrás dele, que logo abriu as mãos e me abraçou forte. - Estão no carro. 

- Entre... Você pode se organizar enquanto eu tomo um banho. Prometo que será rápido. - Falei olhando para ele, que assentiu e tirou a chave do carro do bolso.

- Ok. Espero que não demore mesmo. - Voltou seu olhar ao meu e deu-me um selinho.

Subi as escadas correndo e entrei novamente no meu quarto. Peguei uma toalha rosa claro e fui para o banheiro. Liguei o chuveiro e tomei um banho relaxante e não muito rápido, como sempre. Vesti minha lingerie e passei meu hidratante corporal, logo lavando as mãos para tirar o cheiro e passei meu perfume fraco apenas para dar um aroma natural. Deixei meu cabelo solto e abri a porta. 

 

SPOILER

 

- Meu Deus! - Fiquei instantaneamente boquiaberta e tirei tudo da caixa, pegando nas mãos. - Como você escolheu sozinho? Eu amei! Você não existe. - Olhei para ele e abracei-o forte, que me carregou no colo e soltou-me em segundos.

- Eu sabia que você iria amar. - Deu os ombros. - Eu também iria... Te dar a nossa aliança de namoro, mas isso era para se na viagem e eu acabei me irritando e dei para o Logan sumir com elas. Óbvio que eu me arrependo até a morte por isso, mas não posso fazer nada. - Enquanto ele falava, pensei se deveria ou não pegá-las agora e dizer a ele que ficaram comigo


Notas Finais


Espero que estejam gostando <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...