História Behind The Secrets - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Ryan Butler
Visualizações 3.011
Palavras 4.181
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura p vcss

Capítulo 40 - All over again


Vesti minha lingerie e passei meu hidratante corporal, logo lavando as mãos para tirar o cheiro e passei meu perfume fraco apenas para dar um aroma natural. Deixei meu cabelo solto e abri a porta. 

- Espere aí. - Falou antes que eu pudesse sair, e permaneci parada. - Pode vir. - Olhei para ele, que estava sentado na minha cama e haviam dois bichos de pelúcia em cima da minha cama. Um era um coração vermelho grande escrito "Eu te amo para sempre" e o outro era um ursinho bege com os olhinhos pretos. Corri até a cama e peguei os dois ao mesmo tempo, senti meus olhos brilharem de felicidade. Já ele, passou a fitar todo o meu corpo e passou a mão em minhas costas. 

- São lindos!! - Falei perplexa e abracei-o forte. - Obrigada, amor. - Sorri para ele que sorriu de volta e deu-me um selinho. - Eu amei. - Continuei olhando para os presentes e apertei-os forte, logo sentindo o cheiro dele. Nada melhor do que poder dormir com isso todas as noites. 

- Que bom que gostou. - Falou animado e sentei-me ao lado dele, ainda olhando para os dois.  - Por favor, fique assim. - Disse ao apertar minha cintura com as mãos e deu-me um beijo no rosto, passando a beijar meu pescoço. - Tem mais uma coisa. 

- Preciso me vestir... - Falei ao me levantar e passei a procurar ao redor do quarto. Ele provavelmente deve ter sentado em cima, ou colocou-o em outro lugar.  - Outra coisa? O que é? - Arregalei os olhos tentando procurar e ele continuou fitando meu corpo descarado. Não demorou muito para que me puxasse pelas mãos com rapidez. Beijou-me nos lábios com toda a vontade do mundo e desceu suas mãos por todo o meu corpo, deixando-me levemente arrepiada. 

- Eu vou... - disse entre o beijo. - Vou deixar o outro presente para mais tarde. - falou fraco ainda beijando-me nos lábios. Joguei todo o meu cabelo para o outro lado e abri as pernas sentando-me em seu colo. Ele desceu suas mãos até o fim da minha cintura e continuou me beijando com ainda mais anseio, deixando-me completamente entregue a ele. Desviei meus lábios dos seus, beijando-o no canto da boca até seu maxilar, passando a língua bem devagar. Notei que ele se arrepiou e deu-me um segundo beijo.

- Não... Eu quero agora. - Olhei para ele, que tocou seu nariz no meu e deu-me um selinho. - Justin... - Falei baixo e ele abriu os olhos aos poucos, molhando os lábios ainda fraco.

- Tudo bem... Mas eu não quero que você vista o seu pijama. - Falou autoritário e assenti saindo do colo dele. Justin levantou-se e foi até a minha escrivaninha. Pegou uma caixa e entregou na minha mão. Abri-a e havia outra caixa preta de veludo, com um par de brincos de ouro e um colar maravilhoso com o símbolo de um coração bem pequeno para combinar com o par de brincos. Era incrivelmente lindo.

- Meu Deus! - Fiquei instantaneamente boquiaberta e tirei tudo da caixa, pegando nas mãos. - Como você escolheu sozinho? Eu amei! Você não existe. - Olhei para ele e abracei-o forte, que me carregou no colo e soltou-me em segundos.

- Eu sabia que você iria amar. - Deu os ombros. - Eu também iria... Te dar a nossa aliança de namoro, mas isso era para ser na viagem e eu acabei me irritando e dei para o Logan sumir com elas. Óbvio que eu me arrependo até a morte por isso, mas não posso fazer nada. - Enquanto ele falava, pensei se deveria ou não pegá-las agora e dizer a ele que ficaram comigo. Eu sei que ele não ficaria bravo, até porque ele se arrependeu de ter perdido mesmo...

- Era essa a minha surpresa de sexta? - Falei com a voz mole. - Você é incrível. - Acho que nunca o tinha elogiado tanto de uma vez. - Eu não... não acredito que você comprou tudo isso para mim.

- Você merece muito mais do que isso. - Olhou-me sorridente e pegou o colar.

- Coloque em mim, por favor. - Virei-me de costas para ele, que quase colou seu corpo no meu e fechou o colar em meu pescoço, dando-me um beijo na nuca. Ele apertou minha bunda com as duas mãos sem pensar muito e logo dei um pulo sem saber o que fazer. - Jay.

- Desculpe, eu não aguentei. - Sussurrou e deu-me um beijo no rosto, mordendo de leve. 

- Eu percebi. - Ri e olhei para ele, que suspirou olhando-me de cima a baixo. - Tenho uma coisa para te mostrar. - Falei olhando para ele e andei até o meu guarda-roupa.

- Opa. - Disse em um tom de malícia. 

Peguei as alianças e fechei a mão para que ele não visse.

- Quando aconteceram todas aquelas coisas eu... eu conversei muito com o Logan, e ele acabou me dando isso. - Abri as mãos. - Porque ele disse que seria idiota se jogasse fora, sendo que nós já estamos juntos de novo. Eu achei melhor guardar, porque seria ao menos uma recordação. - Ele parecia completamente sem reação ao me ver com as duas alianças, e instantaneamente abriu um sorriso enorme.

- Não acredito! Você estava com raiva de mim. Por que não jogou fora? - Falou ao pegá-las de minha mão.

- Porque eu te amo e nunca jogaria fora um par de alianças lindo como esse. - Dei os ombros olhando para ele, que pegou as duas na mão e ficou olhando.

- Isso é incrível! - Disse ainda surpreso. - Eu jurava que ele havia jogado fora. Queria tanto que já estivéssemos usando, mas aconteceram tantas coisas que eu me desanimei. 

- Desanimou, é? - Falei ao franzir o lábio.

- Podemos começar de novo... - Tirou o boné e deixou em cima da escrivaninha, junto com as outras caixas dos presentes. - Mellanie Rose Schnaider, eu sei que aconteceram muitas coisas, digamos que, indesejáveis desde que nos conhecemos, mas eu quero que você saiba que eu prometo do fundo do meu coração nunca mais te magoar ou mentir. Eu prometo que tudo será diferente, seremos ainda mais felizes a cada dia, e haverão mais sorrisos e momentos bons do que antes, porque eu te amo demais para errar novamente com você. Você aceita namorar comigo, oficialmente? - Falou segurando minhas mãos. - Volta para mim?

- Você está me pedindo em namoro ou em casamento? Quanta formalidade. - Ele riu. - É óbvio que eu aceito. Podemos começar de novo...

- Por mim pode ser os dois. - Colocou a aliança em meu dedo, assim como fiz com ele, e nos abraçamos o mais forte que consegui. Senti uma tremenda calma de estar aqui com ele, e nos afastamos aos poucos. - Eu te amo. - Falou roçando nossos lábios.

- Eu te amo. - Falei no mesmo tom que ele e quase beijei-o.

- Eu te amo tanto. - Repetiu a mesma frase com um sorriso no rosto. 

- Eu te amo mais. - Falei ao dar-lhe um selinho, que puxou meu lábio com os dentes. 

- Eu amo mais. - Insistiu e beijou-me com força antes que pudesse responder.  Abracei-o em volta do pescoço e prosseguimos com o mesmo beijo. Ele tirou sua camisa rapidamente e apoiou com uma das mãos em minhas costas. - É sério Mel, eu te amo tanto. - Falou bem devagar, fazendo meu coração acelerar cada vez mais. Senti uma vontade louca de dizer a ele o quanto eu o amo e abraçá-lo cada vez mais forte. De certo, era um sentimento estranho transitando em mim. 

- Eu também Jay. Eu te amo. - Já perdi a conta de quantas vezes dissemos isso um ao outro. 

- Você me deixa louco assim. - Forçou a própria voz e voltou a me beijar feito descontrolado nos lábios. Estávamos a cada segundo mais agitados e apressados no que fazer.

- E o que você faz para saciar isso? - Falei pervertida e inclinei minha cabeça para trás, enquanto ele distribuiu beijos pelo meu pescoço.

- Tudo. - Gargalhou e ameaçou beijar-me novamente, logo abrindo os olhos e olhou profundamente dentro dos meus. Ele estava sem as lentes, o que eu confesso que é ótimo. 

- Você vai passar a noite comigo? - Falei já imaginando a resposta dele, que afastou-se rapidamente e fechou as janelas. Olhei-o confusa com o que estava fazendo, esperando sua resposta.

- Se você quiser, sim. - Encostou a porta e apagou todas as luzes, deixando apenas o meu abajur ligado, que ficava na escrivaninha, clareando pouco o quarto. 

- É óbvio que eu quero. - Sorri para ele, que tirou sua calça com dificuldade e logo percebi o quão excitado ele estava. Vestia uma boxer cinza e tirou seus sapatos, permanecendo apenas com a única roupa íntima. Deitei-me na minha cama ainda observando-o, que sentou-se ao meu lado desfazendo seu topete.

- Podemos fazer algo do meu jeito? - Disse olhado diretamente para os meus seios e assenti. - Você não precisa se roer toda ou esconder o que sente. Só quero fazer o que tenho vontade. - Disse ao passar a ponta dos dedos em minha barriga.

- Preliminares são sempre as melhores. - Falei em concordância olhando para ele, que deitou-se com a cabeça de lado para que pudesse me beijar e pude sentir sua enorme ereção tocando minha parte intima. Justin ficou quase deitado em cima de mim e foi beijando meu pescoço bem de leve, soltando sua respiração pesada e ao mesmo tempo doce bem perto do meu ouvido, causando-me um arrepio instantâneo. Como se já não bastasse isso, ele chupou-o com toda a força, como se quisesse tirar um pedaço de meu corpo. 

- Você me faz querer fazer tudo de uma única vez. - Sussurrou rouco.

- O que é tudo para você? - Falei já fraca e ele colocou os dedos por dentro da alça do meu sutiã, abaixando-o devagar, dando um beijo a cada movimento feito com as mãos. Assim que puxou as duas alças para baixo, abriu o feixe de meu sutiã com a boca, passando a língua no mesmo. Gemi baixo dando início ao que estava sentindo e ele me levantou pouco para tirar completamente o sutiã. Olhou para os meus seios e passou a beijá-los um de cada vez, pausando constantemente. Contornou minha auréola esquerda com a língua e passou a chupá-lo, deixando-o levemente irrugado por já estar completamente desesperada para fazer algo. Gemi baixo, soando mais como um resmungo e ele continuou o que estava fazendo, cada vez mais rápido. Estiquei uma das mãos até sua cueca e passei a mão por toda a sua ereção, que se estremeceu com um mero arrepio.

- Mellanie...- disse completamente fraco. Ri e ele continuou chupado meu seio, desta vez o direito, com cada vez mais querer. Arranhei sua costela com as unhas e fui descendo até sua cueca. Ele se estremecia aos poucos e continuou me beijando na região do busto. Voltei a gemer baixo demonstrando estar gostando. Justin direcionou-se em meu rosto ainda com os olhos fechados e passou a ponta dos lábios nos meus, atiçando ainda mais a minha vontade de beijá-lo. Sem conseguir me segurar, beijei-o com toda a vontade do mundo que movia sua língua com rapidez para que acelerássemos nosso ritmo por completo. Eu estava ficando descontrolada com tanta atitude de uma única vez. Coloquei as mãos em seu rosto e ele continuou beijando-me nos lábios, ao apoiar com ambas as mãos na cama, entre o meu corpo. Eu sei que ele pediu para que eu ficasse quieta, ou melhor, deixasse-o fazer o que queria, mas eu estava já não conseguia manter meu próprio controle. Estava começando a ficar fora de mim. Ao mesmo tempo que eu estava incrivelmente feliz, sentia meu sangue ferver em minhas veias como um estímulo para que eu agisse de alguma maneira. Não pude me conter, e desci novamente minhas mãos até sua boxer. Ele sabe que isso é uma das minhas coisas prediletas a fazer, do mesmo jeito que é um dos pontos fracos dele. Passei a mão por cima e senti que ele se arrepiou completamente, soltando a respiração carregada. Justin colocou minhas mãos para trás, tocando a cama como se quisesse que eu ficasse quieta e passou a suspirar cada vez mais rápido ainda beijando meu pescoço. Ele fez uma trilha de beijos até o meio da minha barriga e tentou me morder, e fez com que eu fechasse os olhos de tanto prazer antecipado. Fechei as pernas com força e ele riu pelo nariz, logo posicionando suas mãos em minha coxa. 

- Jay. - Falei tentando segurá-lo, que me apertou forte nas coxas e voltou a beijar a região do meu busto, fazendo-me gemer baixo pelo nome dele. 

- Você gosta disso, babe? - Sussurrou ao morder meu lóbulo e soltou um riso safado, disparando meu coração por completo, mais uma vez. Ele desceu suas mãos até a minha virilha e beijou a mesma diversas vezes, deixando-me ainda mais excitada. Ele foi puxando minha última peça íntima para baixo com os dentes, bem lento e parou para continuar dando leves beijos. Tentei me contorcer e soltei um suspiro de alívio. Veio com sua cabeça mais para a frente, beijando minha barriga com a maior leveza do mundo e senti que seus dedos tocaram a minha intimidade, fazendo-me recuar de imediato, pelo arrepio que senti. Pude ouvir seu riso sereno e ele apronfudou os dedos na minha vulva, fazendo movimentos circulares com os dedos, tentando aprofundar cada vez mais. Tocous meus lábios menores com a ponta dos dedos e foi voltando com a cabeça até a minha virilha, e assim perdi seu olhar de vista. Fechei os olhos profundamente e senti sua língua percorrer todas as partes de minha intimidade como nunca, me dando um ar refrigério e altamente prazeroso. Ele tentava chupar aos poucos, acelerando o ritmo vez ou outra. Era mais do que óbvio que eu estava completamente entregue e imóvel com o que ele estava fazendo. Nunca me senti tão estimulada com outro garoto ou momento como agora. Esse é o momento certo. Eu gemia baixo a cada segundo e ele prosseguia com o que estava fazendo sem ao menos responder aos meus resmungos. Sua cobiça era tanta, que ele sequer parou o que estava fazendo até que eu atingisse meu limite e me segurei ao máximo para não ejacular, não dando o que ele queria. Eu estava me roendo de tanta vontade, mas permaneci apenas respirando fundo cada vez mais alto.

- Eu sei que você não está aguentando. - Disse com a voz completamente sexy e não pude me conter. Acabei ejaculando e ele parecia vitorioso. 

Continuei respirando fundo, desta vez mais aliviada e assim que abri os olhos, ele estava me olhando fixamente enquanto acariciava meu cabelo com uma das mãos e beijava levemente meu pescoço. 

- Você é demais. - Falei ainda com os olhos quase fechados e ele chupou meu pescoço com força, na intenção de deixar uma boa marca.

Antes que pudesse pensar novamente sobre, ergui a cabeça e cacei-o segurando seu cabelo. Puxei os curtos fios com força para que ele viesse até mim e agarrei-o com tamanha e descontrolada vontade, beijando-o nos lábios como nunca. Eu estava ficando louca de tanta vontade de saciar isso o mais rápido possível, mas eu não sabia o que fazer. Fui mais para trás, encostando com a cabeça nos travesseiros e ele veio se arrastando comigo. Acabamos abraçados no meio da cama, e ele ficou por baixo, deslizando suas mãos por todo o meu corpo, até a minha única peça íntima. - Eu amo você, eu amo. - Falou ao piscar lentamente e voltou a beijar-me nos lábios. Sorri involuntária e dei a volta com os braços em seu pescoço. Arranhei pouco suas costas com as duas mãos e ele suspirou um perfeito "Ah" de tentação e querer. Coloquei as mãos por baixo de sua cueca e passei a tirá-la com rapidez. Ao mesmo tempo que o Justin parecia calmo, era como se ele estivesse se controlando.

- Você não sabe disfarçar, amor. - Falei desafiando-o, que assentiu bem devagar e buscou meus lábios ainda com os olhos fechados. Deixei sua boxer cair no chão e fui com o rosto até ele para beijá-lo. Justin puxou os fios de meu cabelo e afastou minhas mãos para que eu não fizesse nada e me agarrou com força. Seu toque era completamente bruto e arrepiante. Me deixava com ainda mais desejo de tê-lo para mim de uma vez só. Trocamos centenas de beijos molhados e lentos, ou melhor, apaixonados. Ele parecia mais envolvido do que o normal, e me deitou para o lado, grudando novamente nossos corpos um ao outro, e prendeu minha perna entre as suas. Seu membro roçava minha intimidade com tanto anseio quanto seu beijos ardentes. Meus pensamentos eram absurdamente nulos, e eu mal abria os olhos para olhá-lo. Eu só queria sentí-lo cada vez mais perto, como agora. 

- Você me deixa louco. - Penetrou seu membro em minha parte íntima e ficou em cima de mim na cama. Passamos a movimentar nossos corpos em um único ritmo acelerado, deixando minha respiração já cansada. Nos beijamos novamente nos lábios enquanto ele se movia inquieto de um lado para o outro intensamente, trazendo-me um prazer indescritível. 

- Diz o meu nome, diz. - Sussurrei apertando os fios de seu cabelo para que seu rosto se direcionasse ao meu, e ele permaneceu com os olhos fechados.

- Mel... - gemeu meu nome com lubricidade. - Babe... - continuou me chamando quase tocando nossos lábios e mordi seu maxilar, assim que ele o contraiu e ele prensou seu corpo contra o meu na cama, para que eu correspondesse ao seu murmuro libido.

Baguncei todo o seu cabelo ao encolher pouco as pernas e fomos acelerando o nosso ritmo gradativamente, até que estávamos próximos de atingir o nosso ápice. Minha respiração já estava arfante o suficiente para que ele percebesse o tremendo efeito que me causou, e atingi meu ápice antes que ele, esquivando as costas ao gemer alto. Ele murmurou logo após, o que soou quase como um grito de repleta satisfação e caiu com seu corpo mole em cima do meu. É claro que eu estava exausta e ao mesmo tempo sem palavras sobre o efeito que ele me causa, mas isso não quer dizer que a noite acabou aqui, ao menos para mim. 

- Você está cansado, é? - levantei seu rosto, que olhou-me sem expressão alguma e acabou sorrindo em concordância. - Isso é bom?

- Você é a melhor mulher do mundo. - suspirou fraco, com a voz completamente ofegante. Soava como uma melodia para os meus ouvidos, me arrepiando. Sorri ainda com os olhos fechados e ele segurou a minha mão esquerda, apertando a mesma com força, e deu um beijo na região do meu busto. - Eu já disse o... o quanto eu te amo? - Falou ainda completamente fraco e com a voz falhada. Eu não sabia o que dizer, porque por mais que eu dissesse que sim ou que também o amo, não seria o suficiente. Eu estava cansada, porém relaxada, mas ele parecia exausto. Como esse homem é fraco. Dei um beijo quase em sua testa, ainda acariciando seu cabelo e ele entrelaçou nossos dedos com sua mão quente e respirou fundo novamente.

- Eu amo ouvir isso de você. - falei quando ele já estava quieto. - Nunca sei o que dizer.

- Você só precisa ouvir. - deitou com a cabeça para o lado oposto, fitando a janela. - Eu sempre digo as mesmas coisas porque eu quero que, de alguma maneira você perceba o quanto eu te amo.

- Eu percebo. - Fiz cafuné nele, que estava todo sonolento. - Eu também sinto isso. Deite aqui comigo. - apontei para o lado da cama, e ele se arrastou lento até deitar-se finalmente ao meu lado. 

- Me dê um beijo. - olhou em meus olhos e esticou a mão direita até a curva da minha cintura para me tocar. Sem muito esperar, beijei-o nos lábios que moveu-se com tranquilidade e harmonizou ainda mais este momento. Apesar de tudo, eu estava estranhando esse romantismo todo dele. Mais do que já é difícil de acontecer. - Outro. - sorriu assim que me afastei e beijei-o novamente, que pausou cauteloso. - Outro. - repetiu a mesma palavra e toquei sua língua na minha com leveza, para que ele sentisse algo ainda mais forte. Passou sua mão por entre meu cabelo, chegando até a minha nuca e desceu a mão para me abraçar. Ficamos alguns segundos abraçados e ele depositou um fraco beijo em minha nuca, na intenção de me deixar ainda mais relaxada.

- O que deu em você hoje? - falei por impulso e olhei-o ao deitar com a cabeça no travesseiro. 

- Eu não sei. - disse calmo. - Às vezes, eu sinto uma vontade incontrolável de te encher de beijos e dizer o quanto eu te amo. - deu-me um selinho. - Isso te irrita?

- De maneira alguma... - acariciei seu rosto. - Eu amo. Só estranho essas suas atitudes tão doces, porque você não é assim.

- Você me faz ser assim. - Molhou os lábios. - Por isso que eu te amo. - sorri assim que ele temrinou de falar, e mordi o próprio lábio.

- Eu também amo você, amor. - Falei em um tom carinhoso e ele sorriu.

Nunca me imaginei em uma situação tão carinhosa e ao mesmo tempo extremamente melosa como essa. Eu nunca fui tão assim, do mesmo jeito que ele também não. Creio que estejamos mudando aos poucos um com o outro.

- Ama? - Ergueu as sobrancelhas e deu-me um beijo afetuoso. 

- Demais. - Falei entre o beijo e ele segurou meu rosto com ambas as mãos. - Eu te amo demais. - Dei um beijo em seu rosto, que fechou os olhos bem devagar, tocando nossas testas. Comecei a ficar com sono, e voltei a apoiar com a cabeça no travesseiro, ainda com os olhos fechados. Puxei a coberta até pouco acima da cintura dele e aproveitei para passar a mão em seu membro, que já estava relaxado. Ele se arrepiou nitidamente como um calafrio e sorriu fraco. Apertei o mesmo bem calma e ele foi deitando ainda mais com a cabeça.

- Não faça isso Mel... - Colocou sua mão sob a minha. - Eu sei que você vai parar na metade e isso não é tão fácil assim. 

- É? - ri e apertei-o novamente, com ainda mais calma para não machuca-lo. - Aprenda a se conter.

- Mellanie.... - Resmungou baixo e roçou nossos lábios.

- Parei.

- Não... - Disse risonho e deu-me um selinho. Nos beijamos novamente e fechei os olhos por já estar cansada. Decidi vestir ao menos minha calcinha novamente, caso minha mãe pense em chegar cedo em casa, e voltei a me cobrir. Me encolhi perto dele, ficando com a cabeça abaixo de seu pescoço e nossos corpos colados. Ele me abraçou com conforto e deu um beijo em meu ombro. - Boa noite babe. - deu um beijo em minha testa e colocou meu cabelo para trás. 

- Boa noite Jay. - Falei sonolenta.

 

   ...

 

- Meu amor, vamos acordar porque temos aula. - Passou a bater palmas perto de mim, soando como uma barulheira que me fez acordar na hora. - Mellanie, acorde. - Disse em um tom melódico e voltou a bater palmas. 

- Não quero ir. - Falei ao esconder o rosto no travesseiro. 

- Eu também não, mas você não pode ficar matando aula, logo agora que o ano está perto de acabar e você tem que se formar. - Passou a me encher de beijos e massacrou minhas costas, para que eu despertasse de vez. 

- Que horas são? - Sentei-me na cama e prendi o cabelo ao esconder o rosto com as mãos.

- 7h. - Falou empolgado.

- Ah, vai se foder Justin. - Deitei-me novamente na cama e escondi o rosto com o travesseiro. 

- De novo? - disse rindo e joguei um dos travesseiros nele. 

 

SPOILER

- Minha mãe também se afastou quando eu era pequeno... Eu tinha uns 8 anos. Não tão pequeno assim. - Falou provavelmente pensando sobre e desviou o olhar. 

- Você sente muita falta dela. - Falei olhado para ele e terminei meu almoço. 

- Sim. Como você sabe? - Falou ao tomar sua coca.

- Da para perceber pela maneira como você fala. - Ele parecia triste ao tocar nesse assunto, mas ao mesmo tempo aliviado por comentar isso com alguém que confia, assim como eu também me sinto. 

- Você é a única que percebe isso


Notas Finais


Lembrete: essa fic irá até o cap 45 OU 46, aí eu começarei a segunda temporada. Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...