História Beijinhos curam dodói! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Bakugo Katsuki, Midoriya Izuku
Tags Bakudeku, Deku, Kacchan
Visualizações 64
Palavras 837
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Slash
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Tava eu de boas aqui, pensando na one que eu tinha postado e tadam, me veio mais umas ideias (caralhos da onde saiu tantas ideias) sério, me veio várias ideias mesmo mas eu só vou postar essa mesmo por enquanto.
Gomen, gomen >.<
Desculpa incomodar vcs again.
Isso aqui deveria se chamar ataque das one shot.
Protagonizada por euzinha U.U

Capítulo 1 - Talvez só mais um...


-Buu-Ouviu-se uma voz ecoando pelo lugar.

-Aah-Crac,era som de um galho se quebrando. Paft foi o barulho de alguém batendo contra o chão.

Desesperado, Bakugou apenas pulou em direção do esverdeado, sua preocupação foi tão imensa que por um momento esqueceu que estava em cima duma árvore, quase caiu, por sorte um galho o segurou, trepou na árvore e foi ao chão, ouviu o menor soltar um grunhido de dor.

- Grrr - gemeu - Não sinto o meu braço esquerdo.

- Calma, eu te ajudo.

Quando tentou levantar o menino pelos braços  um grito ardente de dor saiu de sua boca, Putz, estava quebrado.

-Ai Meu Deus - Bakugou se pegou desesperado, não sabia o que fazer - Por que você tinha que cair hein Deku?!

- A culpa é sua Kacchan - fez beiço.

- Eu sei, eu sei, não precisa ficar lembrando.

Ajudou o amigo a se levantar e foram correndo, ou melhor tentando correr pra casa. A senhora Midoriya e a Senhora Katsuki que conversavam tranquilamente foram interrompida por um loirinho afobado.

- Lapedomanheodakuquevrouobrafo.

O menino estava tão afobado, que sua fala sai toda confusa, numa mistura de árabe com japonês.

- Fala direito menino - pediu a Sra Katsuki.

- Isso - disse apontando para o braço do Midoriya.

- Aí meu Deus o que você fez Baku- baka.

- Ei - a olhou indignado - como pode ter tanta certeza que fui eu e não ele que caiu sozinho?

- Quer mesmo que eu responda?

- Não.

As duas mulheres entraram no carro, a Sra Katsuki dirigiu como se tivesse fugindo da polícia.

- Vá com calma Mitsuki, ou vamos todos morrer antes de curar o braço do Izu-kun.

- Desculpa Inko não me aguentei.

Eles chegam no hospital, a Sra Inko leva apurada Izuku para dentro nos braços, a recepcionista nota que o rapaz estava com o braço deslocado e a encaminha para sala 3 onde o doutor estava. Depois de alguns minutos a Sra Inko volta dizendo que já estava tudo bem, e que Izuku acabou dormindo e iria ficar mais algumas horas ali e então poderia ir embora. 

Os Katsuki respiraram aliviados, principalmente Bakugou.

- Será que eu posso ver ele?

-Claro.

- Só não vai quebrar o outro braço dele.

- Mãe - ele fez bico.

O jovenzinho abriu a porta lentamente e entrou no quarto tentando ao máximo não fazer barulho, o que descobriu ter sido em vão.

- Kacchan, eu estou acordado.

- Ah! Ufa, pelo menos agora não preciso ficar nas pontinhas do pé - riu fraco.

- É - fez bico.

- Escuta não tá mais doendo né?

- Não.

- Que bom.

- Claro, não foi você que se espatifou  no chão. - entortou o nariz e virou a cabeça pro lado, estava zangado.

- Escuta Deku me desculpa. Eu não queria. 

- Não sei se devo.

- Eu faço qualquer coisa.

- Qualquer coisa? - o garoto o aprontou com um olhar um pouco malicioso.

- Ei no que está pensando, espero que não seja nenhuma bobagem, aliás você já está grandinho pra ficar com essas chantagens, nós já temos onze anos huh.

- Então sem perdão.

- Tá, tá, qualquer coisa.

- Euquero...um beijo.

- O QUE? Não.

- Tá bom.

- Oush, tá, só um.

O loirinho então deu um beijinho estalado na testa do esverdeado que bufou de reprovação.

- Uai, já te dei o beijo.

- Não gostei, foi seco.

Então Bakugou deixou um colete de saliva sair da sua boca.

- Eca.

- Você disse que foi seco.

- Não era isso.

- Tá.

Novamente, o loiro voltou a beija-lo, primeiro na testa, Deku negou, depois na bochecha, o menor voltou a negar. Então sem mais opção, num ato ousado, O loirinho deu um selinho rápido nos lábios fininhos do esverdeado.

-Hmm...Bakugou por que fez isso? - não sabia o por quê do maior ter feito aquilo, mas tinha que admitir que havia gostado.

- Não sei, você não gostou dos outros lugares em que beijei. Mas e agora tô perdoado?

A verdade era que Izuku já havia perdoado o loiro há um tempão atrás, mas aquilo era bom demais pra deixar passar, resolveu aproveitar um pouquinho.

- Talvez se você me der mais um.

- Hunf - o loirinho bufou.

- Só mais um.

Com um biquinho cravado nos lábios e os olhinhos fechados, Katsuki deu mais um selinho no menino. Sentiu aqueles lábios fininhos friccionar o seu, era uma sensação boa.

- Deku...- ficou receoso - sabe, eu acho que não foi o suficiente, ainda me sinto culpado.

Assim que terminou a fala deu outro selinho no menor.

Hmm...Quer saber, acho que precisa de mais um só pra ter certeza.

- É só mais um não faz mal - respondeu o esverdeado.

E lá se vai mais um selinho.

- Acho que só mais um não mata ninguém...- indagou Bakugou dando mais um selinho.

- Agora só falta noventa e cinco... - Midoriya falou.


Notas Finais


Ain Socorro, tive um ataque de fofura escrevendo essa one, tão kawai desu pohan.
Espero que tenham gostado.
Bjos °3°


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...