História Bel Air - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Em Família
Personagens Clara Fernandes, Francisca Proença Fernandes, Helena Fernandes Machado, Juliana Castro Proença, Luiza Fernandes Machado, Marina Meirelles
Tags Clara, Clarina, Clarinha, Marina
Exibições 350
Palavras 1.600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, FemmeSlash, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente voltei, estava cheia de provas e fiquei viciada em fics Swan Queen aí já viram ne non, fora que estava com um puta bloqueio criativo.



Desculpem os erros e a demora!

Enfim...

Capítulo 21 - City Of Angels


Fanfic / Fanfiction Bel Air - Capítulo 21 - City Of Angels

Um fato simples, você vai morrer. Apesar de todos os esforços, ninguém vive para sempre. Desculpa ser desmancha- prazer. O meu conselho é: quando chegar a sua hora não se apavore, simplesmente não ajuda...”




No dia seguinte, Marina acordou mais cedo, fez sua higiene matinal e desceu para a cozinha. Quando chegou lá colocou tudo que pode na bandeja e subiu de volta para o quarto, tinha que acorda a morena.


M: Amor acordar…linda, acorda. - Continuou a falar passando a mão pelos cabelos de Clara. - Amor acorda vai, até eu já levantei.

C: Só mais cinco minutinhos… você acabou comigo ontem. - Disse virando para o lado.

M: Tudo bem se você quer que eu tome café sozinha, EU que tive tanto trabalho pra fazer tudo isso pra você! - Disse com voz de dengo e a morena sentou na cama olhando para ela.

C: VOCÊ fez café? - Disse dando ênfase a primeira palavra. - Deixa eu vê?

M: Não pode ir durmi, eu sei que você está com sono, vai eu fico aqui sozinha.

C: Sabe?! Você fica linda assim, cheia de dengo. - Disse abraçando - a pela cintura. - Mas eu não vou deixar você tomando café sozinha não, ainda mais depois de você ter feito um café da manhã na cama pra mim.

M: Tudo bem eu deixo. - Colocou a bandeja em cima da cama.

C: Mas amor aqui só tem suco de laranja e bolachas, cadê a comida de verdade? - Disse a morena sem conseguir segura o riso.

M: Aff amor, você sabe que eu e a cozinha não nos damos bem.

C: Sei, por isso vamos descer que eu vou fazer umas panquecas pra gente do jeito que você gosta.

M: Exatamente por isso que eu vou me casar com você.

C: Só por esse motivo? Me recuso a acreditar! - Disse a morena com falsa indignação.

M: Por esse e muitos outros bonita. - Abraçou a cintura dela por trás e beijou seu pescoço. - Acho incrível o modo como você se arrepia quando eu chego perto.

C: Te amo, amor te amo muito. - Falou a morena se virando de frente para ela.

M: Também te amo linda. - Percebeu a cara triste dela. - O que foi?

C: Nada não.

M: Fala amor!

C: Nada demais só senti um aperto no coração mas passou.

M: Fica tranquila que está tudo bem. - E completou levantando da cama. - Agora vamos descer que eu estou MOR REN DO de fome.

C: Aí meu Deus! Vamos…



------- X -------




Alguns dias depois


M: Amor você já pensou em como a gente vai contar pra todo mundo?

C: A Flavinha ficou de marca um jantar com todos lá na sua casa depois que a gente chegar.

M: Você e essa amizade de infância com a Flavinha.

C: Mas mudando de assunto, quero te levar pra um passeio hoje!

M: Hm.. e onde seria esse passeio?

C: Não posso dizer.

M: Amor por favor!

C: Só posso te dizer que é praia e eu vou realizar um dos seus desejos.

M: Assim você complica amor. Eu tenho tantos desejos.

Terminaram o almoço em um clima leve e descontraído, subiram para o quarto, enquanto Clara arrumava as coisas a fotógrafa tentava descobrir para que lugar elas iriam.

C: Amor cadê aquela maleta onde você coloca os sexy-toys ?

M: Eu deixei lá no banheiro. Você vai levar?

C: Com certeza! Faz parte da programação. - Disse rindo da cara da branca.

M: Então que dizer que você está cheia de segundas intenções comigo?

C: Segundas, terceiras, quartas, quantas você imaginar. - Olhou pra ela e Piscou.

M: Safada você ein. - Disse abraçando a morena por trás. - Já vi que a noite vai ser longa.

C: Te adianto que a gente só sai de lá quando formos voltar pro Rio.



------- X -------


Rio de Janeiro


Desde que acordou Marina estava correndo para todos os lados com os preparativos para o jantar de noivado, tinha dormido sozinha na noite passada, já que a morena teve que resolver algumas pendências no seu apartamento e só iria vê-la pouco antes do jantar.


V: Marina já chega, pelo amor. Eu não tenho mais paciência pros seus chiliques, eu já disse mil vezes é só um jantar em família não sei Pra que esse drama todo.

M: Me deixa Ok? Não é um simples jantar.

V: E é o que então?

Marina pensou em dizer sobre o pedido de casamento, mas ficou calada tinha combinado com Clara que todos iam saber na mesma hora, assim não teriam que repetir a história para todos. Além delas a única que sabia era Flavinha já que tinha participado de tudo.

M: Por enquanto não é do seu interesse.

V: Quer saber?! Desisto de você, nas últimas 4 horas só tenho levado fora atrás de fora, Tchau.

C: Desiste MEXXMO  que essa aí já tem dona! - Clara chegou carregando no sotaque carioca.

M: Amor! - Correu e pulou no colo da morena. - Que bom que você chegou.

C: Consegui resolver tudo e deu pra chegar mais cedo. - Falou enquanto recebia vários beijos no rosto. - Que isso? Ganho esse tanto de beijos e nenhum de verdade, é isso mesmo?

M: Aí amor. - Riu dela e depois a beijou.

V: Mais cinco minutos do lado de vocês e eu fico diabética.

C: Vanessinha minha linda por que você não vai beijar sua mulher e esquece a gente?! - Disse debochada enquanto subia as escadas com Marina ainda no seu colo. - Agora que nos vamos ficar sozinhas, eu quero matar minha saudade desse corpo.

M: Só do corpo é? - Clara balançou a cabeça em sinal afirmativo. - Não vou nem dizer nada, por que eu estou igualzinha a você. - E entraram no quarto.

C: Amor você está falando demais. E nós não temos tempo.- Disse e a empurrou na cama deitando por cima dela e a beijando sem deixar que ela falasse nada mais.

Clara foi descendo os beijos pelo pescoço enquanto retirava a blusa e o sutiã da branca, continuou com os beijos até chegar aos seios dela, chupava um e massageava o outro. Desceu os beijos e começou a desabotoar o short da outra.

M: Muita roupa amor. - Disse puxando a morena para cima. - Deixa eu tirar, deixa? - Clara nada disse, sentou na cintura da branca e começou a desabotoar os botões da sua blusa. - Tsh, tsh, tsh, Muito devagar. - Puxou a blusa a rasgando.

C: Era a minha preferida.

M: Tanto faz! - Desceu a mão arranhando do pescoço até o abdômen. - Já esperei demais por você.

C: Então termina. - Apontou para a sua calça.


------- X -------



Assim que desceram as escadas Clara e Marina encontraram todos a sua espera. Chica, Diogo, Juliana, Helena e Virgílio sentados pelos sofás ali na sala, enquanto Luiza, Gisele, Vanessa e Flavinha estavam em pé ali próximas.


V: Mas já não era sem tempo!

F: VANESSA!

V: Amor só estou falando a verdade!

Clara e Marina cumprimentaram todos e quando chegou em Vanessa Clara disse baixo:

C: Vanessinha esse mal humor todo é falta de sexo? Flavinha não está comparecendo?

F: Olha Clara eu até tento mas ela não deixa. - Flávia disse rindo da Namorada.

M: E já está desse jeito amiga?! Esperava mais de você.

V: Vocês fiquem caladas não que eu boto a Marina pra trabalhar a semana toda.

Ficaram nessas implicâncias até que bárbara cozinheira da casa avisou que o jantar estava pronto. Todos foram em direção a sala de jantar, e assim que terminaram voltaram para sala cheios de conversas acompanhada de um bom vinho.

V: Olha eu esperei até aqui, e não aguento mais esperar então podem falar o por que desse jantar?

C: É amor acho que já está na hora, você fala ou eu falo?

M: As duas?! - Clara afirmou com a cabeça. - Pai.

C: Mãe.

M: Eu e a Clarinha vamos nos casar! -Disse olhando para a morena com os olhos brilhando.

D: VIVA! Viva a Clara! Finalmente alguém pra dar um jeito em você. - Disse Diogo.

M: Urgh! PAI!

C: Ah seu pai sabe o quanto você já aprontou! - Disse olhando para Marina. - Sabe!

M: Arh, Não nada disso! Quem manda você ter se escondido por tanto tempo. Eu tava te procurando! Procurei, procurei, procurei até que te encontrei. - Disse enlaçando a cintura da morena.

C: Own! Te amo Linda - E beijou-a.

V: Argh! Isso é demais pra mim.

C: Vanessinha vai vê se eu tô na esquina.

Continuariam com as provocações pelo resto da noite.


C: Amor eu vou deixar a Tia Ju em casa e depois eu volto pra cá Ok?

M: Eu vou com você!

C: Não precisa amor, você tem que descansar.

M: Você vai demorar?

C: Não eu volto rapidinho pra você!

M: Ta bom, não demora. - Disse e deu um beijo de despedida na morena.

Havia se passado mais de duas horas que Clara tinha saído para o Leblon e não tinha retornado, Marina ficava cada vez mais preocupada e aquele maldito incômodo no peito, quando pegou seu celular com a intenção de ligar para a Morena o mesmo tocou.

LIGAÇÃO ON…

M: Amor você já está voltando?

Xx: Quem está falando?

M: Marina Meirelles! Mas esse é o número da minha namorada. Quem é?

Xx: Senhora Meirelles eu sou o Cabo Fernando e estou ligando para lhe informar sobre um acidente…


Notas Finais


NÃO ME MATEM!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...