História Bela dama - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Drama, Família
Visualizações 646
Palavras 4.604
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente, tudo bem com vocês? Bom, espero que sim. Está ai mais um capítulo pra vocês, espero que gostem e me desculpem qualquer erro, mas enfim espero que gostem e não esqueçam de comentar.

Boa leitura <3

Capítulo 14 - Eu te amo


Fanfic / Fanfiction Bela dama - Capítulo 14 - Eu te amo

                De alguma forma, as palavras saem da minha boca em direção a sua         
   
                                                        Justin Bieber P.O.V


A minha manha parecia longa demais pro meu gosto, eu tive um audiência sobre mais um caso que estou defendendo, que durou duas horas e ganhei, pelo menos isso, depois tive uma breve reunião com a detetive que estava cuidando do meu caso, nem uma descoberta nova, que ótimo, vou te que ir falar com meu pai hoje sobre isso, não vai ter jeito, ainda mais quando ele veio trabalhar hoje, é o cara queria matar a Caissy está na sala ao lado.

suspiro saindo da minha sala e indo até a dele, bato duas vezes e escuto sua voz dizendo pra entrar, assim que faço isso e ele percebo que sou eu, paro tudo o que estava fazendo pra prestar atenção em mim.

- Justin?!

- Jeremy vou direito ao ponto, se você sabe quem colocou a  bomba e não te nada a ver com isso por quê não vai até a policia? – pergunto

- Por quê? Por que a pessoa não quer matar só a Caissy, que matar você, e no meu filho ninguém encosta além em mim.

- Há, por favor, quer dar uma te pai amoroso agora? – solto um riso irônico

ele só  pode está tirando com a minha cara, esses anos todos e agora quer dar um te paizão? Me poupe.

- Eu não vou ficar pedindo pra acreditar em mim Justin, eu entendo. Mas eu já estou resolvendo isso.

- Você quer que eu acredite em você quando eu soube que estava abusando da Caissy quando era mais nova e tentou mata ela dias atrás? Você só pode está brincando com a minha cara.

- A Caissy não é exatamente quem você pensa que ela é, Justin. Ela é muito, mais muito mais esperta que nos dois juntos. Por quê no lugar de ficar só me culpando não vai perguntar pra sua namoradinha o que ela fez? Não tem um culpado nessa historia Justin. Pense nisso, você é um dos melhores advogados da atualidade, por quê não tenta juntas os fatos igual faz com seus casos? Está com medo de perceber que a Caissy é uma vadia fria? Eu não sou o lobo mau, dessa vez a chapeuzinho também é culpada.

- Do que está falando? – pergunto

- Por quê não pergunta pra Caissy? Já que confia tanto nela – ele pisca pra mim

Eu sabia que ele não iria falar mais nada, apenas saio da sua sala e volta pra minha. Paro em frente a janela do meus escritório e fico vendo a cidade de Nova York lá de cima, era linda a vista, igual a Caissy, mas era cheio de erros, igual a Caissy. Mas o que exatamente meu pai quis dizer com aquilo? Eu não sou idiota, eu sei deis do começo que a Caissy não me disse exatamente a verdade, mas será que é tão ruim assim? O que a Caissy fez pro meu pai querer mata-la? Ela é uma mulher ambiciosa, faz tudo pra conseguir o que quer, isso eu já percebi, e na maioria das vezes consegue.

como um bom advogado, vou tentar arrancar alguma coisa dela hoje quando vim aqui na hora do almoço, há se vou.

pego o telefone e ligo pra Sthefany me trazer um café bem forte enquanto fico pensando o que dizer pra Caissy falar o que eu quero saber, pois agora estou pensando até que foi ela que colocou a porra da bomba lá. E se foi, caralho, essa vadia está ferrada na minha mão.

Na hora do almoço, como combinado a Caissy veio para o meu escritório, então levei ela pra um restaurante e comia calado enquanto ela  falava alguma coisa sobre o bordel que eu fingia prestar atenção

- Ai a Lucy voou pela janela atrás de um cavalo rosa

- Serio? Que legal! – falo

- Justin, porra você não está prestando atenção em mim. Eu disse que a Lucy iria atrás de cavalo rosa

- O que? Ela fez isso? – perguntou prestação

- Não, Justin. Claro que não! Você está tão longe que nem percebeu o que eu estou falando. O que aconteceu com você? – limpou a boca

- Olha Caissy, vou direto ao assunto. Meu pai disse que ele não é o único vilão nessa historia. Eu quero saber TODA a verdade por trás do casamento dos meu pai com a sua mãe. E é melhor me contar, pois eu vou descobrir de um jeito de outra e vai ser muito, muito pior pra você.

- Eu..eu já te contei o que aconteceu, Justin.

- Vai continuar mentindo pra mim Caissy? Serio mesmo? Beleza então, acaba nosso contrato aqui, você segue sua vida e eu a minha, você se vira sozinha com meu pai. – dou de ombro e volto a comer

- Não, não Justin ..eu ..eu gosto de ficar com você!

- Não parece quando mente pra mim, eu estou tentando de ajudar e você mente pra mim? Caralho!

- Está bem, Justin, está bem eu falo. Mas promete que vai me escutar e entender o meu lado? Promete?

- Eu prometo! – falo

- Bom, minha mãe sempre, sempre vou uma merda de mãe, ela me esquecia de buscar na escola, ela nunca me contou que é meu pai de verdade, me batia quando chegava bêbada, me deixava trancada dentro de casa por dois dias sem comer, me fazia tomar banho no quintal com todos os vizinhos me olhando nua, e eu tinha 10 anos quando isso aconteceu. Ai ela conheceu seu pai, logo eles se casaram ele veio morar com a gente, mas ele vivia viajando por ele era lutador, sempre estava fora, mas agora eu sei que era por sua casa e da família que ele tinha com sua mãe. Mas quando ele estava lá, era uma maravilha, minha mãe era outra mulher, não chegava bêbada, fazia comida, arrumava a casa, assistia desenho comigo, eu amava esses dias, mas quando ele saia ela fazia tudo de novo comigo, até que um dia ele chegou e me viu apanhando dela,  pensei que ele brigaria com ela, já que ele era tão legal, mas não ele riu e ficou assistindo ela fazer isso e dessa vez ela não precisava mais mentir quem ela era, ela mostrou a merda de mãe que ela sempre foi. Até que eu fui ficando mais velho e fui apanhando menos, mas mesmo assim era uma droga morar ela, era muito melhor morar na rua, então arranjei um emprego de babá guardei o dinheiro e .. tive um plano, eu comecei a dar em cima do seu pai, ele correspondeu, mas eu não queria ser abusada por ele entende? Eu sabia exatamente o que estava fazendo, eu assistia na televisão e fazia igual, mas até que ele me obrigou a transar com ele – fecho os olhos com força quando ela faça isso – e assim foi por varias vezes, o meu plano estava dando errado, até eu fingir que estava apaixonada por ele, então ele achou eu estava e disse que esperaria eu fazer de 18 anos pra ficar de vez comido, e já que ele “ gostava” de mim por quê não convence-lo a matar a minha mãe?

arregalo os meus olhos e a encaro surpreso não acreditando no que acabei de ouvir.

- Você.. foi você que pediu pra ele matar ela? Caissy!

- Eu não estava mais aguentando, eu ..eu não precisava fugir, aquilo era um inferno. – ela disse quase chorando

- Por isso fugiu quando ele a matou, pois não queria fica com ele, queria sair de lá – falo

- Exatamente, eu tinha 15 anos Justin, eu mau sabia cuidar de mim.

- Mas sabia muito bem quando pediu pra ele matar ela. Foi tudo culpa sua.

- Não, foi a da minha mãe, por ela não saber cuidar de mim. – ela bate na mesa

- Não Caissy, foi sua! – falo

- Não acredito que está do lado deles, não acredito Justin.

- Eu não estou do lado deles e nem do seu, estão todos errados, todos vocês são culpados nessa merda toda. É por isso que ele quer te matar, ele gostava dela até você fazer ele gostar de você e convence-lo a mata-la, e quando ele percebeu que você fugiu dele veio atrás de você, ele te procurou todos esses anos pra te matar, pra fazer você pagar – falo

- É, isso ai! – ela di

- Eu não acredito nisso, parece historia de filme de ação! – falo

- Essa é a verdade! Agora você vai sumir da minha vida não é? Eu não quero fazer mau a ninguém Justin, eu juro, me arrependo disso, de verdade. Eu fugi de tudo aquilo que me fazia mau, eu dormir na rua, comi lixo ok? Mas eu sei que isso não é desculpa pelo o que eu fiz. Mas eu era uma idiota e quero ser uma pessoa melhor, quero ficar longe do meu passado. E não quero perder você.

“ eu não quero perder você “

Quando ela termina de dizer ela frase meu coração acelera, um nó se forma na minha garganta e ela fica completamente seca. E eu não consigo dizer nada, exatamente nada.


- Justin..

- Eu não sei o que pensar direito! – falo

- Não se afasta de mim ok? Eu não quero fazer mau a você e nem a sua família, eu amo eles, de verdade. É a melhor família que eu já conheci, me senti em casa, a conhecida pois eu nunca tive isso, nunca. – ela diz

- Foi só isso mesmo que aconteceu? – pergunto

- Foi sim, eu juro, eu juro que foi só isso. – fala segurando a minha mão

ela parece mesmo atordoada, com medo, com medo de me perder.

- Está bem, olha. Não foi você que colocou aquela bomba no carro não?

- Claro que não, por quê eu faria isso? Ainda mais com você. Justin, eu morreria se acontecesse alguma coisa com você, eu morria junto – ela coloca a mão no meu rosto

- Por quê? Nos conhecemos a pouco tempo! –falo

- Por quê eu te amo! – ela diz

- Voc..você .. você o que? – arregalo os olhos

- Eu te amo Justin!

- Me ama? Você não pode me amar Caissy

- Mas eu amo, amo mesmo e está ruim pra disfarçar!

- Porra, mas não pode entendeu? Eu te contratei porque você é uma profissional e não sentiria nada por mim. Agora você diz que me ama?

- Eu nunca senti isso o que eu estou sentindo pro você, Justin.

- Olha, eu gosto de você, gosto de está com você, mas eu ..eu não te amo. Desculpa. – falo

- É, eu sei – ela me olha triste

- Ai Caissy, não acredito que deixou isso acontecer.

- Nem eu, nem eu Bieber!

O que eu poderia fazer? Eu não amo a Caissy e mesmo se amasse não ficaria com ela, ela é uma prostituta dana de um bordel.

- Não fica calado, diz alguma coisa, me da agonia esse silencio – disse ela

- Porra, eu não sei o que dizer! – falo

me distraio quando meu celular toca e atendo se m vê quem é, levo da mesa de preso e jogo o dinheiro lá. E saio do restaurante, logo Caissy me correndo atrás de mim enquanto abro a porta do meu carro e desligo o celular.

- Justin, céus! O que está acontecendo?

- Entra carro, entra no carro porra- falo

- O que está acontecendo? – perguntou entrando

- Jenny desmaiou na escola, da desacordada – falo

- Ai meu Deus! Se foi a loira da bomba? – me olhou

- Foi exatamente o que eu pensei! – falo ligando o carro

dirigi rapidamente até a escola da Jenny, quando sai do carro, Caissy pegou sua bolsa e veio correndo atrás de mim. Acabamos esquecendo da nossa conversa com isso que aconteceu, estou tão preocupado que parece que meu coração vai sair do peito enquanto caminho até a sala da direto, quando chego lá ela me leva até a enfermaria me contando o que aconteceu.  Assim que entro, vejo a Jenny acordada enquanto a medica da escola falava com ela.

- Jenny, ai meu Deus – disse Caissy

- Caissy? Jay? – disse Jenny

- O que aconteceu com você princesa? – chego perto dela

- Eu posso explicar ao senhor, ela não comeu nada hoje de manhã, então ela não come deis de ontem a noite as 21:00 pelo o que ela me disse e fez educação física. Ai já viu – disse a enfermeira

- Jenny, como pode não comer nada? Você come tão bem, nunca teve problema com isso! – falo

- Quase matou a gente de susto garota! – disse Caissy

- Desculpa! –disse Jenny

- Você tem que comer antes de vim pra escola, tem que fazer as refeições normalmente. Por quê não quis comer? – perguntei

- Estava me sentindo gorda! – disse ela

- Você é gostosa, eu te pegaria, serio –disse Caissy

- Que isso Jenny, de onde tirou isso? Você gorda? Para com isso, você não está gorda. Está linda! – falo

- Você falando isso não conta! – disse Jenny

- Mas é verdade, você é uma menina tão bonita Jenny. Já foi rainha do baila do ano passado, tira notas boas, tem várias meninos que ficam te olhando fazer esporte. Pensa que eu não vejo nos corredores eles falando de você? Eles te acham linda, e você é . – disse direitora

- Como assim eles ficam olhando ela fazer esporte? – a encaro

- Ai Jay, para com isso! –Jenny segura o meu braço

- Nessa idade faz parte senhor Bieber! – disse a diretora

- Mas eu não quero ninguém te gracinha com ela. Ela tem que focar nos estudos e não ficar beijando por ai. – falo

- Para de ser ciumento! –disse Caissy

- Não! – falo serio

- Nate me chamo pra sair no sábado! – disse Jenny

- Ai aiai ui, eu quero detalhe desse Nate – disse Caissy sorrindo

- Você ainda está de castigo! – falo

- Há, Jay por favor! – disse Jenny

- Bom senhor Bieber, eu vou buscar alguma coisa no refeitório pra Jenny comer. Não pode sair daqui sem comer nada, está muito fraca. Vou buscar uma coisa levinha e gosta – disse a diretora

- Isso mesmo mocinha, coma ou ficará no soro – disse a enfermeira

- Ai não credo, prefiro comer! – disse Jenny

- Acho bom e em casa vamos conversar direitinho sobre esse Nate. – falo

- Ele é legal! –disse Jenny

- Legal vai ser quando ele vê o meu cinto! – falo fazendo elas rirem

- Que exagero! – Caissy me abraça por trás, passando o braço pela minha cintura

- Exagero não, preocupado! – falo

- Você pode namorar e eu não? – Jenny me olhou

- Sim, é exatamente isso! – falo

- Idio..- não deixei Jenny terminar a frase e a olhei feio

A diretora trouxe o lanche da Jenny, enquanto ela comia e conversava comigo, Caissy ainda abraçada comigo ficava me dando beijo na nuca o que eu não acharia ruim se ela não tivesse falado que me ama, porra ela me ama, ela disse que me ama enquanto eu fiquei lá parada igual um idiota, mas o que eu poderia fazer? Eu não posso mentir pra ela e dizer que a amo se não amo, isso serio pior do que ficar calado.  Na verdade, eu não sei como agir com ela agora, não aparece, mas estou desesperado.

Depois disso, levei a Jenny pra casa, liguei pro Chaz pra falar o que aconteceu e que ficaria o resto do dia em casa, é até bom pra descansar, pois minha cabeça está cheia de coisas, cheia.  Agora eu tenho mais uma coisa pra pensar, o eu te amo da Caissy. Eu deveria querer me afastar dela, querer quebrar o contrato e sumir da vida dela, mas eu não consigo, principalmente não consigo dizer nada, muito menos pra se afastar de mim, que me apaixonar não está nos meus planos, mas eu simplesmente não consigo.

- Eu vou pro meu quarto! – disse Jenny

- Rita, fica um pouquinho com essa garota, leva um chocolate pra ela. – falo

- Está bem!  - disse Rita

- Jay, eu não vou me jogar da janela, relaxa! – disse Jenny

- Nunca se sabe, Rita.

- Vamos Jenny, e bom que você me conta sobre  esse garoto Nate – Rita riu

- Hmm.. é verdade! – Jenny riu – tenho que ligar pra minha mãe

- Ei, nada de papo sobre o sexo oposto! – falo

Elas iram enquanto subiam a escada, já Caissy estava calada ao meu lado olhando pro chão, estava bem pensativo pro meu gosto e me dava medo do que ela poderia falar agora. Que queria casar comigo? Oh porra!

- Já que você está em casa hoje, poderia ir no cinema, sei lá.. andar pela cidade. – disse Caissy

- Não somos namorados e se fomos vamos parecer um casal lindo e feliz. – falo

- Vai ser legal Justin, não precisa exagerar assim. Vamos aproveitar que você tirou o resto do dia pra fica livre

- Eu quero aproveitar na cama! – a encaro

- Poderia sair, fazer alguma coisa diferente. – ela diz

- Você está falando igual uma namorada quando o cara não tem tempo pra ela e sabe de uma coisa? Você NÃO é minha namorada.  A gente transa, sai pra almoçar e só, nada mais ok? Minha reação com você é apenas sexual. – falo

- Você poderia tentar se entregar a essas coisas, me deixa te ajudar e olha que eu nem sei essas coisas sobre o amor direito, mas eu posso te ajudar a se entr – a interrompi

- Me entregar ao amor? – ri – Caissy, menos!

- Justin, tentar! – me olha

- Eu quero apenas sexo com você, sinto muito! – falo

- Você nunca sentiu? Por mim? Nem um pouquinho aquela felicidade de quando vê alguém que você gosta? Sabe, aquele frio na barriga e o nervosismo? Nada? Aquelas sensação de borboletas no estomago, e as minhas borboletas parecem dar cambalhotas quando você passa Justin. Aí percebi o que eu mais temia. O problema que eu sou igual a você, eu não sei amar, eu não sei falar de amor, bom isso está na minha cara né? – ela riu - Eu precisava que você explicasse isso para o meu corpo. Eu-não-sei-amar. É verdade, eu juro. Eu confundo tudo, eu cobro demais, eu me cobro demais, eu tenho medo e aí eu fujo. Eu fujo, porque eu não sei amar. E quem é que sabe amar por aí? Quem é que sabe até aonde pode ir, até aonde deve, ou o tal do jeito certo de amar outra pessoa? Como é que faz para aprender a parte teórica de amar? Tem aula? Eu não queria amar. Mas eu queria te falar das minhas mãos suadas, das minhas pernas bambas e do meu coração disparado. Eu queria te falar do nervoso que eu sinto quando você manda uma mensagem e me faz sentir como se eu fosse a única mulher no mundo. Eu queria te falar sobre as coisas que eu li só para te impressionar. Das roupas que comprei com a Lucy só pra me você o quanto posso mudar, que eu posso te acompanhar nos lugares, até vídeo de etiqueta assisti pra me comporta mais educadamente ao seu lado. Bom, eu não sei amar, mas eu te amo. – disse ela


- Eu ..eu não também não sei amar! – foi a única coisa que consegui dizer

O que ela falou foi lindo, mas o que adianta se eu não sinto o mesmo? O pelo menos eu não sei o que eu sinto, é realmente eu não sei o que eu sinto em relação a Caissy, então eu não posso dar uma resposta descente, muito menos a resposta que ela quer ouvir, eu não posso fazer isso, eu simplesmente não posso.

ela riu balançando a cabeça e desviou o olhar do meu

- Vamos continuar do jeito que estamos ok? Depois de um tempo isso, isso passa.

-  O que? – ela me olha – você, você não pode me pedir isso Justin. Olha, algum tempo atrás você me fez uma proposta e eu aceita e estava tudo bem, eu estava adorando se tratada igual a Julia Roberts no filme uma linda mulher, mas agora tudo mudo, tudo é diferente. Você mudou isso, mudou sabe? Mesmo com suas grosseria e ofensas, ninguém me tratou tão bem, muito menos me protegeu. Mas agora, eu quero mais Justin, eu quero mais que isso.


suspirando olhando pra baixo sabendo onde essa conversa levaria e eu não estava gostando nada disso, nada.

- Eu, eu sei o que é querer mais! Mas a questão aqui Caissy, é que mais você quer? – a encaro

- Eu gostei desse mundo que você me mostrou que parece contos de fadas, só parece mesmo, mas mesmo assim eu gostaria de fazer parte dele. Queria que você me apresentasse pros seus colegas de trabalho como uma namorada de verdade e que não tivesse vergonha de mim, sei que não é sempre que tem, mas acaba tendo uma hora ou outra mesmo eu mostrando que posso ser uma mulher de classe, que posso te acompanhar em festas, você viu o meu vestido viu o quanto eu estava elegante. Eu .. eu quero isso, desculpa mais eu gostei e agora eu quero isso, quero poder andar de mão dadas com você, te beijar a hora que eu quiser, queria que você correspondesse o meu “ eu te amo” e isso você não pode me dar agora. – ela levanta

- Caissy! Não faz isso, estávamos tão bem! – me levanto também

- Você estava bem Justin, você ok? Eu não, você estava bem. Saindo com outras, e sei lá mais o que. Eu não, eu ficava na porra do bordel pensando me você, em como te agradar. E mau você sabe que eu largaria aquilo tudo pra ficar com você. Então por favor, não me peça pra ficar se não pode me dar o que eu quero. Vai doer em mim, mas eu prefiro que doa longe de você, eu aguento. Só, me deixa ir.

balanço a cabeça não concordando com isso, mas suspiro entendo o que ela quis dizer. Pego no meu solto e tiro uma nota de 100 dólares e estico minha mão pra ela.

- Isso é pra gasolina! – falo

- Eu não quero seu dinheiro, eu quero seu amor e isso você não pode me dar Justin. Aquele dinheiro todo que você me deu, até mesmo aqueles que eu gastei, eu vou devolver tudo amanha, exatamente tudo estará a sua conta amanha de manha. Eu não quero o seu dinheiro, eu não quero. – ela me olha feio

- Fizemos um contrato, eu tenho que te pagar, por favor menos.

- EU NÃO QUERO SER COMPRADA JUSTIN, EU QUERO SER AMADA.

ela grita perto do meu rosto me fazendo levar um susto completo, ela se afasta e arruma seu cabelo enquanto suas lágrimas caiam em seus rosto. Porra, e eu sou o causados disso, eu. E isso me machuca muito, muito mesmo.


- Oh Caissy – suspiro com um nó na garganta

- Não, não sinta pena de mim, não faz isso Justin.

- Eu não estou, eu juro. Eu ..eu só quero que fique, fica comigo, fica aqui. – falo rápido

- Eu..eu não posso! – ela pega sua bolsa

- Caissy por favor, fica.

- Eu não posso ficar, eu não posso ser paga pelo homem que eu amo, eu não posso fazer isso. Eu não consigo fazer isso, não da.

- Fica Caissy, fica não porque eu estou te pagando, fica porque você quer, fica. – falo segurando seu braço

- Me solta, Justin. Eu não posso, não posso me prender a você se não sente o mesmo, eu não posso. – ela caminha até a porta

enquanto ela abre pra sair ela olha rapidamente pra trás e fica me encarando por alguns segundos.

- Adeus Justin, eu te amo! – ela diz

- Adeus! – falo

E lá se foi ela depois disso, passando de vagar pela porta e sumindo da minha frente ela vai embora dando a certeza que não voltaria.

meus pensamentos se distraíram por uns estantes quando percebo passo nas escadas, era a Rita, aposto que ela ouviu tudo, só espero que a Jenny não.

- Só me diz que a Jenny não ouviu nada! – falo

- Não ouviu, está ouvindo música!- disse Rita

- Menos mau! – falo

- Eu sempre soube que ela não era sua namorada! – disse Rita

- E eu sempre soube que você sabia! – ri

- Sabe querido, deve ser difícil abrir mão de uma moça tão bonita, ainda mais de uma que se importa de verdade com você. Mas se é feliz sozinho, tudo bem. – ela sorriu e saiu pra cozinha


Não Rita, não sou feliz sozinho, apenas é melhor assim.

Vou atrás dela na cozinha, que assim que entrou lá me olha de rabo de olho e solta um uma risada.

- Pode falar sobre ela querido!

- Que? Não quero falar sobre ela! – dou de ombro

- Então por quê veio até aqui? – me olhou

- Porra Rita, eu não sei o que fazer. O que você quer eu faça? Corra atrás dela de limusine enquanto toca uma musica de fundo e saia gritando que amo?

- Você a ama? – Rita sorriu

- O que? Claro que não, aarh esquece! – falo

saio da cozinha enquanto escuto a risada da Rita, o que me deixava completamente irritado, pois ela me conhece tão bem quando a minha mãe, aarh. Subo as escadas e vou até o quarto da Jenny, bato na porta, ela abre e tira os fones, entro e me jogo na sua cama igual ela faz comigo quando está com algum problema.

- O que foi? – perguntou

- Eu e a Caissy terminamos!

- O que? Como assim Justin? Ai não, eu gostava tão dela- Jenny senta na cama

- É, eu também! – falo

- Então por quê terminaram? Por quê deixou ela ir embora seu idiota

- Ei, fala direito comigo garota. É complicado Jenny, muito complicado.

- Aposto que você está complicando tudo, aposto. – ela diz

É isso mesmo, sou eu que estou complicando tudo, mas até parece que vou admitir isso pra alguém, nem fodendo, meu orgulho é muito grande pra isso.

O celular da Jenny vibra mostrando que era uma mensagem, quando percebo ela bufa e deita ao meu lado, aposto que se tratava do tal do Nate.

- O amor é uma droga! – falamos juntos que chegamos a ri

- Uma merda! – falo

- Uma porcaria! – disse Jenny

- sem sentindo! – falo

- confuso! – disse Jenny

- viciante! – falo

- Faz bem pra alma! – disse Jenny

- é legal! – falo

- Por quê então não vai atrás dela logo? Diz o que sente.

- Eu não posso fazer isso! – beijo sua testa

- Por quê? – me olhou

- Por que? – ri – porque eu sou um castelo de gelo.

- Mas ela pode derrete-lo – disse Jenny

- Não sei se ela consegue isso Jenny, não sei mesmo.

- Justin, não seja burro ok? Ela já conseguiu, se não, não estaria pensando nela, muito menos sobre isso. – Jenny riu

Fiquei calado olhando pro teto do quarto esperando que ela  falasse mais alguma coisa, mas não falou mostrando que tinha certeza do que dizia. Mas eu não, eu não tenho certeza de nada, só de que a Caissy deve está chorando agora. Eu sinto muito, mas eu não posso corresponder algo que eu nem sei se sinto, ainda por uma prostituta.












 


Notas Finais


PODEM SURTA A VONTADE!!!!!!!

Caissy disse que amo o Justin, Caissy disse que amo o mané do Justin gente, ela disse tudo o que sentia e não quer mais saber do contrato. E o Justin deixou ela ir. E agora? O que vai acontecer com esses dois?

E gente, a verdade sobre o que aconteceu com a mãe da Caissy, CHOCADAAA!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...