História Believe - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ashley Benson, Justin Bieber, Lucy Hale, Miley Cyrus, Selena Gomez
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Lucy Hale, Pattie Mallette, Selena Gomez
Tags Bulling, Drama, Escolar, Justinbieber, Lucyhale, Nerd, Romance, Traição
Exibições 29
Palavras 1.631
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


É tudo Hentai.. kk porn... se não gostar apenas pule seus lindos.
Boa leitura.

Capítulo 15 - Finalmente meu.


-eu quero você... – continuei no mesmo tom, subindo os beijos até sua orelha, sugando em minha boca e ouvindo um barulhinho rouco em aprovação. – quero agora...

......................

Ele não respondeu, me afastei minimamente para poder encarar os olhos castanhos, já estava desperto, encarei os lábios, mas eu queria, queria tanto. Lambi os meus em antecipação, com os olhos fixos na carne quente e macia, juntei minha boca na dele sedenta, minha língua invadindo sua boca, entrelaçando com a aveludada dele, e era melhor, muito melhor do que eu pensava. Ele correspondia tão desesperado quanto, sugou minha língua em sua boca me fazendo gemer baixo, como era gostoso, mas infelizmente somos humanos e uma hora precisamos de ar, e quando esse começou a faltar eu tive que quebrar o beijo, ofegante. Mas não me afastei, voltei a descer os lábios por seu pescoço marcando com fortes chupões enquanto entrelaçava os dedos em seu cabelo, puxando de leve. Subi em seu colo, me sentando em seu quadril, bem encima do membro que já sentia endurecer embaixo de mim, ele me olhava curioso, corado.

- já fez antes? – perguntei e seu rubor aumentou, ele balançou a cabeça negativamente, sorri e puxei a camiseta grande que cobria meu corpo pra fora, deixando meus seios expostos, ele travou olhando fixamente pra eles, sentia seus dedos apertando forte minha cintura e rebolei ouvindo ele arfar.

- p-posso tocar você? – pediu tímido e eu sorri, era muito adorável, sai de cima dele e me deitei na cama, o puxei pra que ficasse por cima de mim.

- faça o que quiser, o que sentir vontade... mas faça logo que estou enlouquecendo – pedi e ouvi ele rir, sentindo os lábios macios descerem por meu pescoço e ainda hesitantes alcançarem um dos meus seios me fazendo gemer baixo e me arrepiar inteira. Enquanto ele mordia e lambia um deles, brincando com meus mamilos em seus lábios ele massageava e apertava o outro em sua mão, alternando entre os dois, pareceu se dar por vencido e desceu pela minha barriga, a língua me fazendo cosquinha, arrancou sua cueca que eu usava como short, me deixando sem roupa nenhuma, e ele ainda com a maldita toalha, costurou ela ali? O toalhinha maldita. Ele arranhou minhas coxas e apertou minha bunda me fazendo gemer, olhou pra mim como se esperasse alguma instrução, olhei novamente aquela boca tentadora.

- vamos justin, eu preciso que e chupe, sua língua, use ela... – supliquei chorosa e ele pareceu não entender, abri mais as pernas e puxei sua cabeça pra perto da minha intimidade, ele olhou mais uma vez pra mim e sem desviar os olhos passou a língua molhada timidamente – ahh, é-é, f-faça de novo.. – ele sorriu e fechou os olhos chupando minha intimidade e brincando com meu clitóris em sua língua aveludada e deus, que boca deliciosa, eu já estava gemendo como uma vadia, senti a língua dele me invadir e agarrei o edredom em meus dedos – Jus... por favor... – pedi ofegante e ele deixou um dedo se juntar a sua língua, movendo num vai e vem gostoso até eu gozar com um grito, meu corpo todo fervendo.

- gostou disso. – não era uma pergunta, ele lambeu os lábios avermelhados e eu acompanhei a língua com os olhos.

- trás essa boca gostosa aqui... – ordenei o puxando e o fazendo rir de leve, tomei seus lábios novamente em um beijo, arranhando com força seu tronco e deixando um vergão avermelhado pelo caminho, ouvindo um gemido dolorido. – hora de retribuir o bom trabalho... – falei contra seus lábios e inverti novamente nossas posições, o fazendo deitar na cama. Fui até a toalha já exasperada pra me livrar dessa coisa, desenrolei o tecido, joguei para o lado. – puta que pariu –soltei impressionada, Ash não viu isso nem fodendo.

- o que... algum problema com o jerry ?– o encarei por um segundo, jerry? Voltei a olhar o “jerry” e senti a boca salivar, eu sempre fui pervertida e gostava mesmo de admirar meus parceiros, e Justin implorava por isso, era assustador o desejo que eu tinha por ele, uma fome quase incontrolável.

- problema não, você é enorme, que delicia... – falei rouca, agarrando a base de seu membro já duro em minhas mãos, não ia rolar de entrar tudo na minha boca, movi meus dedos devagar, sentindo o calor em minha mão,  meu garoto gemia baixo enquanto observava com os olhos cheios de tesão, a testa estava franzida e os lábios entreabertos para facilitar a respiração ofegante, como ele podia ser tão sexy? Baixei e  lambi toda a extensão, da base até a ponta e chupei a glande, senti ele agarrar meu cabelo e afastei sorrindo travessa, que apressadinho, sem enrolação eu abocanhei o máximo que podia, ele gemia e falava algumas coisas desconexas, movendo o quadril contra minha boca, suguei forte mas com cuidado pra não machucar com a afobação dele ou a minha, passei a língua pelas veias saltadas conforme o movimentava, deixei ele guiar os movimentos e foder minha boca da maneira que preferisse, sempre atenta pra não engasgar, queria lhe proporcionar o maior prazer de sua vida. Ele tentou se afastar e eu soube que ele estava vindo, senti a tensão em seu corpo e o forcei de novo pra dentro, deixando ele gozar em minha boca, engolindo cada gota. Afastei e olhei o garoto, estava ofegante, parecia extasiado, o suor escorrendo por seu rosto e o peito subindo e descendo como se tivesse corrido uma maratona .

- não acabou Jus... – sorri voltando a sentar no seu colo, ele subiu as mãos por minhas coxas devagar, sentindo a textura suave e apertando, me arrepiei sob seu toque, suas mãos eram grandes e quentes, comecei a rebolar em seu colo enquanto minha mão subia por seu peito, eu já estava sedenta de novo e logo ele estava como eu, seu membro clamando por alivio novamente, esfregando de maneira quase torturante em minha intimidade inchada e molhada. Ele me virou, ficando por cima, abri minhas pernas e deixei que ele se posicionasse entre elas, esfregou de leve o pênis em minha intimidade, me fazendo grunhir manhosa –  Justin... pare de provocar... – supliquei e ele riu de leve, esfregando o polegar em minha entrada pressionando de leve vez ou outra.

- quer me sentir em você Luh? – mordi os lábios xingando mentalmente o garoto, desde quando ele ficou provocador daquele jeito? Forcei meu quadril contra ele, mas ele afastou rindo.

- Justin.... – eu estava quase chorando, sério, estou queimando por dentro. – vamos logo, me fode logo cacete! – ele riu e novamente seu dedo invadiu minha entrada, dessa vez dois, eu me contorci embaixo dele, rebolando desesperadamente em seus dedos, aquilo era uma tortura, eu precisava senti-lo, precisava de alivio pra esse fogo. Ele se inclinou sobre mim, beijando meu pescoço devagar, isso apenas aumentava minha ansiedade.

- Vou entrar todinho em você.... – sussurrou rouco em meu ouvido e eu soube que se ele continuasse eu ia gozar só com aquilo – te foder bem gostoso e fundo. – gemi em antecipação, seu hálito quente contra meu ouvido, deus, como eu estava amando esse Justin. Ele tirou os dedos de mim e se ajeitou entre minhas pernas enquanto se afastava, estava ofegante e me encarava cheio de excitação, pensei que ele iria enrolar mais, o que me desesperou, mas ele queria tanto quanto eu, então me invadiu devagar, não doeu, eu estava relaxada, entreabri os lábios em estase puro quando ele me preencheu, pensei que pudesse não caber, engano meu, ele se afundou até o talo.

- d-doi? – perguntou com certa dificuldade, parecia esperar meu consentimento pra se mover.

- não... é gostoso. E –e você? Fale pra mim... – pedi e rebolei contra ele, o incentivando a se mover, devagar ele começou o vai e vem, saia todinho pra depois afundar de uma vez, me fazendo gritar.

- q-quente.. – falou entre gemidos – apertado... ahh bomm uhmm – o puxei pra perto, enrolando as pernas ao seu redor e iniciando um beijo.

- m-mais Justin... mais rápido... – implorei entre o beijo e ele atendeu, nossos gemidos e o barulho de nossos corpos se chocando preenchiam o quarto, eu não ligava pra vizinhos e nem nada do tipo, estava em transe, gritava por mais, o nome dele, palavrões e palavras sujas e ele não estava diferente, e como era gostoso ouvi-lo gemer, como era bom vê-lo tão entregue a mim, só a mim, meu corpo estremeceu e eu agarrei os lençóis, atingindo o orgasmo e me contraindo ao redor dele, ele estocou mais algumas vezes e me preencheu com seu sêmen, apoiando as mãos ao lado de minha cabeça pra não cair em mim, estávamos ofegantes, mas saciados. Ele saiu de mim e eu gemi manhosa, sentindo a falta no mesmo instante, mas me arrepiei ao sentir seu liquido quente escorrendo entre minhas pernas.

- não machuquei você não é? – perguntou deixando alguns selinhos em meus lábios, sorri aprofundando o beijo, eu nunca cansaria daquilo, principalmente com esse gostinho de pêssego, acho que mudei minha fruta favorita, essa é sem duvida a mais suculenta de todas.

- não, na verdade eu estava vendo estrelas, melhor sexo da minha vida. – ri puxando seu lábio inferior entre meus dentes, eu não queria largar, mas ele ficou serio e pensativo, e eu sabia o motivo, aquela loira bruaca de farmácia, ele de encostou na cama e me puxou me fazendo deitar entre suas pernas, puxou o lençol sujo e cobriu nossos corpos, me abraçando confortável, estávamos sujos e suados, mas estava tão bom que eu não ousaria levantar.

Deus, eu amo esse garoto.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, não sou boa com casais heteros, mas achei legal (apesar de o Jus estar meio passiva kkkk)... vamos avançar isso aí. .. estou querendo começar a tratar do passado dele... Então até logo.
Beijo no core.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...