História Bella - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dajan, Dakota, Iris, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Violette
Visualizações 8
Palavras 1.447
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Parte 1 - Floresta dos Medos


Fanfic / Fanfiction Bella - Capítulo 6 - Parte 1 - Floresta dos Medos

Escondi a minha carta, dei as dos meus pais para eles. E dei uma espiadinha na carta do meu irmão. Era uma carta do Exercito de Angeluz. Fiquei chocada. Mesmo não querendo entreguei a carta para ele.
Meus pais acharam muito gentil meus amigos terem me dado os cupcakes. Não contei para ninguém, nem para Lauren que eu ia ver Nathaniel na Floresta das Dríades. Só falei que ia ver um amigo, ou seja, omiti.
Chegando lá sentei perto do rio. As dríades que estavam com medo de serem as próximas da lista de desaparecer agora estão se escondendo. Ouvi uma história de que tem idiotas que estão tacando fogo nos cantos da floresta. Mas acho que é só baboseira. 
Depois comecei a pensar do por quê que Nathaniel me chamou para encontrar ele. Estava tão concentrada no sumiço da magia e nos objetivos do meu novo amigo que nem notei Nathaniel chegando por trás e me empurrando no rio.
Caí no rio, de cara. Agora eu estava toda molhada. Mas isso não ia ficar assim. Peguei a nossa alteza pela mão,sorte que ele estava muito ocupado dando risada da minha cara e o puxei para o rio. Ele caiu de joelhos, ficando molhado até a cintura. Depois começou uma guerra de água. Posso dizer, em minha defesa, que eu já estava ensopada, então eu ganhei. 
Depois dessa lutinha ficamos embaixo de uma árvore vendo se nossas roupas iam ser capazes de secar.
- Você chegou chegando, hein! - falo fingindo estar zangada com ele.
- Você, minha querida inimiga, estava querendo me matar, e ao ver que você estava distraída, aproveitei essa chance de matar você primeiro. - ele fala fazendo uma cara diabólica.
- Mas você falhou, príncipe. E me deixou com mais vontade de te matar. - falo o empurrando.
Meio que empurrei forte de mais e nós dois saímos rolando até ficar na beira do rio. Acabei em cima dele, nesse momento a vontade de beijar ele era enorme. Me segurei e levantei. Estendo minha mão para ele.
- Parece que você foi derrotado! - falo ajudando ele a se levantar.
- Vamos dizer que meu inimigo tem táticas secretas. - ele fala já de pé tirando a terra que tinha grudado em sua blusa.
Ele passa as mãos em meu cabelo para me ajudar tirar a areia e a grama que havia grudado. Ele deteve sua mão no meu cabelo por algum tempo. Nathaniel! Assim você não está ajudando! 
- Por que você me chamou para vir te encontrar aqui? - pergunto tentando deixar minha mente ocupada para não pensar na sensação de seus lábios nos meus.
- Você é a única que conheço que seria capaz de se arriscar para descobrir algo novo. Principalmente sobre criaturas. - ele fala enquanto voltamos para debaixo da árvore onde estava seu cavalo.
- Como você sabe que eu gosto de estudar as criaturas mágicas? - pergunto incrédula, nunca falei nada disso para ele.
- Acho que alguém que tem esse livro no mínimo deve ser fissurado em magias e criaturas. - ele fala pegando meu livro de capa azul da bolsa que estava em cima do cavalo dele.
- Ei! Quem te autorizou a pegar isso! - falo agarrando meu livro.
- Desculpa fiquei curioso! - ele fala. - Mas você me ajudaria a achar uma dríade? - ele fala com determinação. - Preciso conversar com uma para que elas ajudem na defesa do reino.
- Se você não sabe elas estão com medo de serem as próximas a sumir, elas tinham ligação mais íntima com as fadas, na verdade elas são consideradas fadas! - falo.
- Por favor! Com a sua ajuda sei que poderei acha-las! - ele implora.
- Está bem! Se conseguirmos achar uma vai estar ótimo! - eu falo.
- Vamos nos aprofundar na floresta, então! 
- Você sabe que tem uma grande possibilidade de acharmos gnomos, banshees, kelpies e duendes! Você é louco! - falo quase caindo fora dessa aventura.
- Que de outro jeito vamos achar elas? - ele fala amarrando o cavalo na árvore e deixando comida para ele.
- Por que você quer falar com as dríades? - eu pergunto, sabia que essa história de proteger o reino era mentira, as dríades só podiam proteger as árvores delas. Olhei zangada para ele.
- Elas são as únicas fadas que sobraram, elas devem saber o por quê das outras sumirem, elas vigiam toda floresta! - ele abre o jogo. - Por favor, Bel, você é a única que eu conheço que sabe mais sobre essas criaturas. - ele implora.
- Acho melhor você ter um plano! Caso sejamos atacados eu não tenho magia, mas você tem! - eu falo brava.
- Muito obrigado! - ele fala aliviado. - Vamos? 
Entramos na floresta. Segundo meu livro as dríades ficam mais para o meio por causa dos lenhadores. Mas como muitos lenhadores já entraram na floresta para cortar árvores protegidas por dríades viraram monstros. Então se eu conseguir voltar viva para casa vai ser um milagre!

*****

Depois de muito andar, demos de cara com um bar. Bem pequeno. Já sabia que era melhor não se aproximar, os gnomos devem estar por perto. 
- Nath! Vamos ir para o outro lado. Rápido. - cochicho.
- Aonde os namoradinhos vão? - escutamos uma voz atrás de nós.
Nós dois viramos bruscamente.
- Oh! Vejamos o que temos aqui. Um príncipe e... Hã... Uma sem poderes... Hahaha. - ele se acaba na risada. Eu e Nathaniel continuamos quietos. - Acho melhor vocês voltarem pelo caminho que veio. Hoje é a noite da convocação, e ninguém da floresta está com bom humor. - o gnomo fala mal humorado.
- Oi? Como assim? Vocês só fazem essa convocação na noite que os anjos caíram na extinção! E eu te garanto que não é essa noite. - falo.
- Garota esperta! Mas nosso horóscopo falou que um anjo ia pisar nessa floresta hoje! E como você sabe também fazemos isso para tirar o poder de anjos. - ele fala e depois dá um gole na cerveja escura da garrafa que estava segurando.
- As dríades nunca concordariam com isso. Por isso como um último milagre os anjos as colocaram todas as criaturas da escuridão na mesma floresta com as fadas para observar. - eu falo não acreditando no que ele está falando.
- É! Mas você sabe que as dríades estão que medo de sumir, então elas também querem o poder desse anjo que parece ser bem poderoso! - ele fala e coça o queixo que tinha uma barba comprida e branca. - Agora vocês vão embora se não quiserem também ter os poderes absorvidos. - ele dá um último aviso.
- Por que está nos ajudando? - Nathaniel pergunta sem demonstrar que está com medo.
- Vamos dizer que é uma dívida que levo! - ele fala. - Aliás não só eu, mas várias outras criaturas uma de cada espécie. Se eu não conseguir parar vocês outra criatura irá conseguir! - ele fala e vai embora deixando nós sem entender nada.
- É melhor você ir embora! Eu não tenho nenhum poder eles não vão me fazer mal! - falo.
- Não! Mesmo assim, eu vou ficar! Eles podem não tirar seus poderes, mas podem te matar! - ele fala.
- Não! Você é o príncipe! Eu só sou um nada! O mundo não vai se virar se eu morrer! - grito. - E você é... - parei de falar se não eu ia falar "você é muito importante para mim! Eu gosto muito de você e não vou deixar você morrer!" Mas paremos por aqui.
- Não vou deixar você sozinha! - ele fala.
Percebendo que não ia dar em nada eu falo.
- Mas você tem que me prometer que vai sair correndo e vai se proteger e não vai ligar para mim de tivermos em perigo! - eu falo com raiva.
Ele não fala nada, mas percebo que ele vai me proteger! Esses príncipes e seus atos corajosos, mas inúteis!
Desviamos da taverna dos gnomos e fomos nos aprofundando ainda mais na floresta. Estava ficando ainda mais escuro, embora ainda fosse 15:00h. Pegamos nossos celulares para iluminar o caminho.
- Parece que um idiota não conseguiu parar vocês. Por que deixam tudo para mim!? - ouvimos uma voz rouca logo a frente. - Ou vocês vão embora vivos e ficam com suas famílias ou morrem aqui sem ninguém saber! Todo mundo está desesperado por poder! Por que não vão apenas embora! - a voz continua.
Nos aproximamos ainda mais da voz e vimos um vulto encostado na árvore. Uma...


 

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...