História Belo Desastre - Capítulo 34


Escrita por: ~ e ~kimletogirl

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Army, Bangtan, Bts, Coreanos, Drama, Faculdade, Kpop, Romance, Seul
Visualizações 200
Palavras 8.001
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oláaaaaaa, como vocês estão?? Espero que bem! Bom, como vocês já devem ter visto esse é o ultimo capitulo da fic.

Eu vou deixar pra falar no final, então tenham uma boa leitura...

Capítulo 34 - Hard To Say Goodbye


Fanfic / Fanfiction Belo Desastre - Capítulo 34 - Hard To Say Goodbye

Ana On

 

30 de junho

 

Faltavam exatamente dois dias para a nossa volta ao Brasil e eu não podia estar menos nervosa, e não era por motivos bons, infelizmente. E não era só eu que estava assim, todos nossos amigos estavam sentindo a pressão desse momento, mas o que poderíamos fazer em relação a isso? Querendo ou não, ainda tínhamos uma vida no Brasil, e por mais que eu quisesse continuar aqui eu deveria voltar. 

 

Quem sabe um dia eu volte para ficar, não é mesmo?

 

No momento eu estava indo com Jin levar as coisas que não iríamos poder levar de volta para o Brasil, e o maior tentava a todo momento me deixar animada, mas eu e minha alma de gelo estávamos praticamente espancando uma das pessoas mais adoráveis que já conheci com minhas patadas.

 

-Eu sei que ta sendo difícil pra você, mas também está sendo pra mim, ok? – ele falou quando parou em frente a um prédio enorme

 

-Me desculpa  –  falei deixando uma lagrima escorrer – Eu não queria ser rude com você, princesa

 

- Não tem problema, eu não ia ficar com raiva por mais um de seus acessos de raiva, só saiba que estaremos aqui pra vocês, não importa quão longe estejam  – ele me abraçou  meio sem jeito pela falta de espaço e eu tentei retribuir da melhor forma que pude – Agora vamos deixar essas coisas com pessoas que precisam disso 

 

- Vamos lá – falei abrindo a porta do carro e esperei Jin para abrir a mala que estava estocada com algumas das caixas que foram arrumadas por mim e Let

 

***

 

Depois de deixar as caixas em no orfanato, acabamos brincando com as crianças de lá por algumas horas e isso de certa forma me fez esquecer um pouco dos meus problemas. Aquelas crianças mesmo passando por várias dificuldades sorriam só pelo fato de ter alguém para brincar e ver aquela inocência me fez ficar mais leve, tanto é que quem me visse agora não diria que iria largar meu quase namorado e meus amigos em dois dias.

 

 E no momento eu me encontrava em uma lanchonete esperando pelo resto do pessoal para fazer uma das nossas ultimas refeições em grupo. Eu e Jin ficamos conversando sobre as crianças que brincamos mais cedo.

 

-Eu ainda estou caindo de amores pela BoRa, aqueles olhos enormes, não tinha como negar nada a ela – falei me lembrando da menininha de cabelos pretos com os olhos grandes, que de certa forma me lembravam minha irmã 

 

- Ela é um doce de criança, até eu tive que entrar na festa do chá depois dela me olhar com aquela carinha de gato de botas – eu ri pela referencia, mas ele estava certo

 

- É o tipo de criança que eu quero que minha filha seja – isso não era mentira, mas não era uma verdade tão próxima 

 

- Com o Taehyung sendo o pai, não espere uma filha calma como ela – eu não pude me segurar quando vi que Tae tinha escutado o que Jin falou

 

- Obrigado por confiar em mim, hyung – Tae veio em nossa direção com a cara emburrada, e o pessoal seguia ele rindo

 

- Sabemos que será um bom appa, TaeTae – Kookie deu aquele sorrisinho que mostrava os seus dentinhos de coelho e foi o suficiente para ele voltar a sorrir

 

- Pelo menos alguém aqui sabe que eu serei um bom pai para nossos filhos – se sentou na cadeira ao meu lado – E nem precisa falar, já sei que não vai rolar tão cedo

 

- Que bom que já está aprendendo – falei alisando seus fios castanhos

 

- Bom, vamos comer meu povo – Nam falou levantando braço chamando um dos atendentes do lugar

 

E nem preciso dizer que o resto do dia foi só com idiotices, como de costume, né?

 

***

 

Let On

 

01 de julho - 11h 30min

 

- Ai que droga, não to entendendo nada disso aqui - reclamei olhando pro contrato do apartamento que pedia a assinatura de uma das residentes para confirmar que iriamos deixa-lo vago no próximo dia - Vou só assinar mesmo e pronto, qualquer coisa falo que não sei ler em coreano. 

 

- Tudo isso é preguiça mesmo? - Ana perguntou se sentando ao meu lado na mesa - Eita hein, mal acordou e já está nesse nível. 

 

- Olha minha carinha de quem vai ler 6 páginas dessa baboseira toda - ri apontando pro meu rosto - Além do mais, você que deveria estar fazendo isso né querida unnie.

 

- Ah, para de graça que sou só alguns dias mais velha que você.

 

- 15 dias pra sermos exatas amor da minha vida, então... tchau - falei jogando os papéis na frente dela e dei uma corridinha até a sala. 

 

- Você não leva esse negócio de eu ser mais velha muito a sério não? - ela perguntou de costas pra mim. 

 

- Na maioria das vezes uso como desculpa mesmo pra você fazer as coisas pra mim - falei e a ouvi rir. 

 

- Idiota! 

 

*

 

15:00h 

 

Como a casa estava praticamente vazia, nós tínhamos que fazer nossas refeições na rua e agora estávamos saindo de uma lanchonete próxima com vários salgados embrulhados pra viagem só pra evitar mais uma descida de 11 andares que iríamos ter que fazer de novo só pra comprar o lanche da tarde. 

 

- Que calor - Ana choramingou - Nem aqui a gente se livrou desse sol infernal. 

 

- Nem tudo é perfeito né miga - comentei passando a mão na testa pra tirar o suor - Vamos pra piscina? 

 

- Boa ideia! - ela se animou e começamos nossa caminhada pra casa. 

 

 

16h 45min

 

- Quem foi que chamou vocês mesmo? - indaguei pela segunda vez desde que eles chegaram. 

 

- A Ana - Kookie respondeu - Seu nariz todo vermelhinho por causa do sol. 

 

- Ata... - estava tentando me recordar de quando ela fez isso mas com a cabeça de vento que eu tenho não iria me lembrar nem tão cedo, então balancei a cabeça e continuei o que estava fazendo. 

 

A gente mal tinha colocado os pés na piscina que todos eles apareceram do nada já com roupas de banho, com uma caixa de som enorme, um monte de salgados que provavelmente compraram na padaria e bebida pra dar e vender. Agora estávamos jogando volei dentro da piscina e eu tinha acabado de fazer uma saque que parou do outro lado mas que Ana acabou fazendo uma manchete perfeita. 

 

- Aonde vocês aprenderam a jogar assim? - Nam, que estava no meu time, perguntou. 

 

- Muito tempo na praia matando aula deu nisso - ri e soltei uma gargalhada quando Jimin sacou a bola e bateu bem na cabeça dele - Corre Minnie! Só corre! 

 

 

19:00h

 

- Eu tô morta - falei me jogando de costas no sofá de casa, mesmo tendo passado meio vidro de protetor solar, meu rosto estava queimando muito. 

 

- Morta mas tinha energia de sobra pra se agarrar com seu namoradinho no quarto né - Ana zoou. 

 

- Quem dera - falei dando um sorriso triste pra ela, meu olhar se prendendo por uns segundos na porta que Yoongi tinha acabado de sair. 

 

Quando terminamos de jogar lá em cima falei que iria descer pra trocar de roupa e ele desceu junto comigo pois também já estava cansado. Ficamos mais conversando do que fazendo outras coisas na realidade, amanhã era o tal inesperado dia e a tristeza que já estava pairando no ar há tempos despencou e fez nós dois chorarmos.

 

" - Me diz o que eu posso fazer pra você ficar, qualquer coisa... - ele sussurrou fungando um pouco, minha cabeça estava apoiada no espaço entre seu ombro.

 

- Nada... - falei quase anestesiada pela dor que sentia no peito - Ter metade do mundo nos separando não vai significar nada, eu vou te amar aonde eu estiver Min Yoongi, você só tem que prometer que vai me esperar porque eu vou fazer o impossível pra voltar, está bem? - perguntei o olhando nos olhos. 

 

- E quanto tempo você acha que... 

 

- Promete Yoongi, por favor - pedi quase que implorando.

 

- Prometo" 

 

Agora eu estava de pé na varanda de casa, meu coração batendo mais rápido enquanto olhava pra baixo e os nós dos meus dedos brancos pela força que estava fazendo ao apertar a grade.

 

 - O que foi Letícia? Porque saiu correndo assim? - Ana perguntou aparecendo atrás de mim na porta. 

 

- Porque Ana? - falei segurando com todas as forças as lágrimas que eu estava passando a odiar - Porque só 6 meses? Nós podiamos ter feito um pacote mais longo, o-ou nos mudado logo pra Seul, não é? Porque não fizemos isso? - perguntei agora me sentando no chão, estava ficando cansada - Era nosso sonho vir pra cá não era? Só 6 meses não bastou, eu não quero voltar, Seul é nosso sonho, não podemos sair dele assim do nada! 

 

- Amiga.. - ela suspirou e se apoiou em cima dos joelhos de frente pra mim - Você sabe que eu também não quero ir, o meu pior pesadelo dos últimos dias está virando realidade e eu realmente não posso fazer nada. Nós não podemos fazer nada. O prazo já acabou não é mesmo? Quando chegarmos lá no Brasil vamos começar a trabalhar com nosso coordenador e cada centavo que ganharmos vamos guardar pra podermos voltar o mais rápido possível, está bem? - e eu concordei balançando a cabeça - Não chora dongsaeng... Você sabe que eu odeio te ver tristinha assim - ela falou limpando minhas lágrimas. 

 

- Tem coisas mais importantes pra se preocupar agora do que me ver chorando - bufei. 

 

- Ei, não fala isso que não é verdade - ela falou - Você pode ser toda fofa por fora mas é durona por dentro também. 

 

- E você é uma boba - disse e apertei sua bochecha. Era impossível ficar triste perto da minha amiga, nós duas estamos passando pela mesma coisa e sentindo os mesmo sentimentos, então conversar com ela por hora me acalmou.  

 

- Mas o que eu fiz? 

 

- Fica fingindo ser durona mas tem uma coração de maria mole igualzinho ao meu - falei e sorri ao ver ela me mostrando o dedo do meio - E então, ainda sobrou pizza?

 

***

 

Ana On

 

23:00h

 

-Ei calma, daqui a algumas horas eu vou estar ai com vocês – no momento eu conversava com minhas amigas por uma chamada no skype 

 

- Eu quero vocês aqui logo, não agüento mais comer o arroz queimado da Milena – Day falou e logo depois recebeu um tapa da Mi

 

- Reclama tanto mas sempre come né? Vê se eu posso com isso – Milena falou com as mãos na cintura, um pouco indignada 

 

- E eu não agüento vocês brigando mais – Bruna falou empurrando as outras da frente da webcam – Vem me salvar logo amiga, eu te imploro

 

- Aguentem só mais um pouco – falei rindo – Eu to morrendo de saudades de todas vocês 

 

- Também estamos sua louquinha – Mi falou – Acho que a Jamille vai querer bater na gente quando souber que nem esperamos ela pra falar com você 

 

- Mais tarde eu falo com ela, mas onde ela ta? – perguntei 

 

- Foi visitar a mãe, sabe como ela é com a família né – Day falou

 

- Ah sim, então meninas, eu ainda tenho algumas coisas pra terminar aqui – falei começando a me despedir – Não sei se amanhã vou ter tempo de falar com vocês antes de ir, mas qualquer coisa já dou o meu até logo, saranghaeyoooo

 

- Sara o que? – Bruna falou com uma cara engraçada

 

- Três anos com ela falando essas coisas e tu não aprende? – Day falou rindo com Mi a acompanhando

 

- Claro que não, aprendo na hora e depois eu esqueço tudo – eu não pude deixar de rir, sentia falta dessas malucas

 

- Pra deixar mais fácil, eu amo vocês – falei e coloquei as mãos em cima da cabeça, fazendo um coração enorme

 

- Também amamos você, adoradora de olhinhos puxados – Mi zoou e todas acenaram, indicando que iam finalizar a chamada

 

- Até daqui algumas horas – assim que terminei de falar a chamada foi finalizada e eu fiquei rindo – Loucas 

 

***

 

2 de julho - 01:00h

 

Eu estava sentada na varanda comendo um pedaço de um doce que os meninos tinham comprado mais cedo, admirando pela ultima vez a vista noturna de Seul. Deus, como eu ia sentir falta daquilo. Eu nem tinha percebido que estava chorando, só me dei conta quando senti uma gota cair na minha perna, e daí pra frente muitas outras vieram. 

 

Já tinha me segurado essas lágrimas há tanto tempo para me fazer de forte para meus amigos, que quando estas vieram foi difícil fazer parar. Eu ficava lembrando de tudo que aconteceu nesses seis meses e meu coração apertava ainda mais, como e quando esse lugar havia virado minha vida de cabeça pra baixo?

 

Tomei um susto quando senti Leticia me abraçando,mas não a afastei, eu estava precisando daquele abraço assim como ela precisou das minhas palavras mais cedo. Ficamos assim por alguns minutos até ela decidir se pronunciar.

 

- Sabia que você ia me esperar dormir pra chorar – falou rindo pra mim – Já te conheço dona Ana Beatriz

 

-Aish, nem posso chorar em paz – brinquei, limpando as ultimas lágrimas que desciam pelo meu rosto 

 

- Não tem como fugir de mim, unnie – agora ela estava sentada do meu lado – Agora é oficial, daqui a poucas horas não estaremos mais aqui 

 

- Infelizmente, mas vamos fazer uma promessa – falei olhando para ela, que me encarava de volta – Sei que já falei isso mais cedo mas, assim que colocarmos nossos pés no Brasil vamos trabalhar até não ter mais forças pra voltar definitivamente pra cá o mais rápido possível , ok?

 

-Ok – entrelaçamos o dedo mindinho, como sempre fazíamos para selar uma promessa 

 

***

 

04:00h

 

Já era a trigésima vez que eu rolava naquela cama tentando dormir, mas nada adiantava. Meu nervosismo não me deixava fazer isso. Peguei meu celular pra tirar o sono de alguém junto comigo.

 

Eu: Diz que ta acordado, por favor!

 

Mandei e bloqueei a tela, achando que ia demorar pra ele me responder, o que me surpreendeu foi que em menos de dois minutos uma resposta já tinha chegado.

 

TaeTae: Infelizmente estou rs

Eu não consigo dormir sabendo que em menos de um dia você não vai mais estar comigo 

 

Eu: Estamos iguais, amor. Mas uma promessa já foi feita, e quando você menos esperar eu já vou estar aqui pedindo pra você me carregar nas costas 

 

TaeTae: Mal posso esperar pelo dia que você vai voltar, ainda mais o dia que você vier morar comigo ;)

 

Ri com aquela mensagem, pois novamente o Tae precipitado atacava. Mas de qualquer forma, ele sabia como me deixar sem graça!

 

Eu: Em que casa senhor Taehyung?  Que eu saiba você só tem a casa com os meninos kkkkk

 

TaeTae: Ainda tem umas coisas sobre mim que você não sabe, jagi

 

Eu: Tipo o que? Que sua família é riquinha? Isso eu já sei meu querido

E eu fiquei chateada por você não falar nada, não sou interesseira 

 

Não estava realmente chateada com ele, mas eu adorava encher o saco dele com isso. Eu sei que ele não é rico, mas o Hobi uma vez tinha comentado comigo que os pais dele tem uma pequena empresa de advocacia que vai super bem em Daegu, e isso os dá uma boa estabilidade financeira. Isso até gerou alguns problemas, por que o senhor Kim queria que ele cursasse Direito, mas Taehyung se recusou, dizendo que não era o que ele queria. Pelo pouco que soube, a senhora Kim que ajudou a convencer o pai de Tae a deixá-lo seguir seu sonho de ser biólogo.

 

TaeTae: Espertinha demais pro meu gosto hahaha E eles não são ”riquinhos”

E quem te contou isso, posso saber?

Sobre não ter te contado, eu iria falar quando fosse te levar pra conhecer minha família, e eu sei que você não é interesseira 

 

Eu: Estou brincando kkkk  O Hobi acabou falando um dia quando a gente tava conversando, nada demais

E o senhor quer me levar pra conhecer seus pais? Interessante

 

TaeTae: Eu mato aquele hyung, eu disse que contaria depois!

Sim, eu vou te levar até Daegu quando voltar a Seul, eles já estão curiosos pra saber quem é “a menina que sempre aparece abraçada comigo nas fotos”

 

Eu: Aigooooo, seus pais já sabem sobre mim?? Que vergonha kkkkkk

 

TaeTae: Minha família é meio fofoqueira, assim que viram aquela foto que ta o pessoal todo eles passaram uma semana me perturbando querendo saber quem era você 

Isso só porque você tava com a cabeça apoiada no meu ombro em kkkkk

 

Eu: Parece até a minha família, já me perguntaram quem você é também

 

TaeTae: E o que você respondeu?

 

Travei um pouco, por que eu havia dito pra eles que era meu namorado, coisa que não éramos, pelo menos não oficialmente.

 

TaeTae: Em?

 

Eu: Falei que era meu namorado hihi

 

TaeTae: Que bom, porque foi a mesma coisa que eu disse para os meu pais 

 

Fiquei mais aliviada, nesse momento eu soube que realmente fomos feitos um para o outro.

 

****

 

Let on 

 

2 de julho - 10:00h

 

- Jung Hoseok! VOLTA AQUI COM O MEU SAPATO! - briguei correndo atrás dele pela casa. 

 

- Pra que se você não vai sair de casa hoje?? - ele retrucou com aquele sorriso enorme que ele tem e que nunca me deixa ficar com raiva dele. 

 

- Aish Hope, me ajuda vai - falei fazendo bico. Minha mala estava toda aberta no meio da sala e algumas peças de roupas estavam espalhadas pra fora dela, uma bagunça total. 

 

- Porque as crianças estão brigando? - Jin perguntou da cozinha junto com Jimin que comia algum biscoito que achou perdido no armário. 

 

- Ele quer roubar meus sapatos! - apontei pra ele que os balançou na frente do meu rosto.

 

-Afe, tudo bem, cansei de brincar - ele disse e tentou fazer cestas com cada pé na mala aberta. 

 

- Obrigada - eu disse mostrando a língua pra ele. 

 

- Pronto! - Ana falou exclamou aparecendo na porta de entrada com Taehyung e Jungkook em seu encalço - Carro entregue e contrato também. 

 

- Que horas é o voo mesmo? - Nam perguntou descontraidamente, estava sentado no sofá mexendo no celular. 

 

- Ás 18:00 - Yoongi respondeu puxando minhas malas do quarto e as colocando ao lado da que eu tinha acabado de fechar - Ou é as 19:00? 

 

- Ta marcado pras 18:00h - eu ri. 

 

- Sempre bem informados - Nam disse ainda grudado no celular. 

 

- Quem é que perguntou que horas era o voo mesmo? - Jimin perguntou lá da cozinha e Nam só fez um sinal de "shhh" pra ele. 

 

- Noona, seu celular tá tocando - Kookie falou com Ana pegando um celular da bancada. 

 

- Ah, esse é o da Let - ela falou e Jungkook passou o celular pra Yoongi que estava mais perto dele pra chegar até mim, mas o mesmo parou por uns segundos ao ver o nome na tela. 

 

- É o Junhong - falou simplista e me entregou o celular. 

 

- Jun?? - atendi antes da chamada cair. Me virei de costas e fui até a sacada pra poder falar melhor e sem olhares curiosos sobre mim. 

 

- Oi anjo! Ainda tá em casa né? - perguntou meio apressado. 

 

- Estou sim, o voo é só mais tarde, mas porque? 

 

- Ai, graças a Deus - pude ouvir sua respiração alta quando ele a soltou - Pode vir aqui em baixo? 

 

- Pensei que iria me ver no aeroporto - falei já me dirigindo até lá. 

 

- Daqui a pouco eu te explico melhor, ok? - e desligou. 

 

 - Já volto - falei passando apresada por todos na sala. 

 

Peguei o elevador e em minutos cheguei no hall de entrada mas não encontrei ninguém lá. Rodei mais um pouco por ali e o encontrei sentado de frente pra onde eu tinha acabado de sair num dos bancos que tinha atrás no prédio, mas para a minha surpresa não era o meu Junhong moreno. 

 

- Oi - falei meio sem reação, o seu corte de cabelo o deixava com um estilo muito despojado, sua franja estava repicada toda desregulada de proprósito e suas madeixas estavam descoloridas, mas apesar de tudo seu rostindo fofo iria continuar sempre ali. 

 

- Oi anjo, pela sua reação posso dizer que gostou né? - ele riu envergonhado. 

 

- Nossa tá... uau! - E essa sou eu elogiando as pessoas, parabéns Letícia, sucesso total - Eu não esperava por isso, sério, eu amei. 

 

- Obrigada - ele agradeceu se curvando. 

 

- Ei, sabe que não precisa fazer isso comigo - falei dando um tapinha em seu braço. 

 

- Desculpa, é força do hábito - falou se curvando de novo mas parou no meio do caminho - Deixa pra lá. 

 

- Acho que não veio aqui só pra me mostrar o visual novo né? O que você ia me contar?

 

- Eu vou me mudar pra China, pra casa dos meus pais - falou. 

 

- Se mudar? Mas quando você vai?? E a faculdade, seus amigos? 

 

- Vou hoje mesmo, eu consegui uma bolsa de estudos na faculdade de lá e preciso me matricular antes que o prazo acabe. Meus amigos não gostaram muito da ideia mas entenderam, lá eu tenho uma ótima oportunidade de emprego por causa dos meus pais, eles conhecem bastante gente influente então vão me indicar pra ver se dá em algo.

 

- Caramba, isso é muito legal Jun, estou muito feliz por você! - falei mas realmente não sabia ao certo o que dizer - Toda sorte do mundo lá e que dê tudo certo - completei fazendo um sinal de fighting pra ele. 

 

- Bom e pra me despedir oficialmente eu trouxe isso pra você - ele falou e pegou uma caixa branca no banco em que estava sentado. 

 

Peguei a mesma de sua mão que estava enfeitada com um laço cor de rosa com bolinhas brancas. 

 

- Obrigada Jun, mas não precisava - falei sem jeito. 

 

- Claro que precisava - ele sorriu - Foi um prazer te conhecer Letícia, por favor, não se esqueça de mim, ta bem? Diz pra Ana que mandei um "Oi". 

 

- Mas já vai? Mal acabou de chegar, o pessoal estão lá em cima, não quer subir? 

 

- Não posso anjo, meu voo é daqui a pouco, só vim aqui te entregar isso - ele falou me puxando para um abraço apertado. Enrolei meus braços em sua cintura e me afoguei numa pequena nostalgia com aquele perfume que eu secretamente ainda amava - Obrigada por tudo Let, até qualquer dia desses. 

 

- Espera! - pedi quando ele ia se virar para sair dali e fui até ele dar um pequeno selinho em sua bochecha, recebendo aquele sorriso lindo com todos seus dentinhos a mostra - Até qualquer dia desses, chatinho. 

 

E ele se virou pra ir pra sabe-se lá onde na China, pra bem longe de mim.

 

*

 

Subi as escadas correndo por pura preguiça de esperar o elevador, mas como uma pessoa sedentária, morri no quinto andar. Me encostei na parede da escada recobrando o fôlego e segurando a pequena caixa nas mãos, o conteúdo balançando pra lá e pra cá dentro dela. Peguei a ponta da fita rosa e a desamarrei, tirando a tampa branca em seguida com certa curiosidade. 

 

- Que lindo... - sussurrei. 

 

Dentro da caixa tinha um caderno de tamanho médio todo decorado por estrelas de todas as cores possiveis num fundo branco, a capa presa por uma fita prata bem fininha. Ao abrir a capa mostrando folhas brancas e sem linhas dois envelopes pequenos caíram de dentro, meu nome escrito em hangul pela própria letra dele. 

 

Dentro dos envelopes encontrei várias letras de músicas que ele fez pra mim mas não teve tempo de canta-las e no meio das folhas encontrei aquela que o ouvi cantar pela primeira vez, atrás uma polaroid nossa do mesmo dia colada com fita que me fazendo rir com a cena. Na foto, estávamos deitados na cama com nosso lindo visual, ele com seu moletom verde com estampa de bolas de futebol e uma camiseta laranja toda puída e eu com sua blusa e shorts enormes me engolindo inteira.

 

Confesso que não tive coragem de ler as letras agora, então só peguei a pequena foto e coloquei na primeira página do caderno, onde ele escreveu a seguinte frase pra mim: "Não somente com uma estrela para guardar suas histórias, mas sim várias. Espero que tenha mais memórias felizes como a nossa"

 

*

 

11h 15min

 

- Até que enfim amiga, a gente já tava quase indo te buscar lá em baixo - Ana falou se levantando do sofá onde todos estavam sentados vendo TV - O que foi? - ela perguntou olhando estranho pra mim. 

 

- N-nada, o Junhong só veio aqui se despedir, ele mandou um  "Oi" pra você - eu disse abaixando a cabeça pela atenção de todos agora em mim.

 

- Ué, mas porque ele não subiu?    

 

- Ele teve que correr pra pegar um avião pra China - falei com a voz neutra sem querer dar muita explicação e fui até meu quarto guardar meu mais novo presente. 

 

***

 

Ana On

 

16h 15min

 

Saber que aquele seria o ultimo almoço com o pessoal foi horrível, mas eles a todo momento estavam fazendo brincadeiras tentando amenizar o clima que insistia em se instalar no local. E como se o mundo soubesse que aquelas seriam as ultimas horas restantes naquele apartamento, a hora voou e agora estamos na estrada em direção a Incheon.

 

Eu estava no carro de Tae com Jimin, Jin e Hope fazendo uma sessão de karaokê com as musicas que estavam tocando na radio, e eu mais ria deles fazendo algumas high notes com aquelas vozes finas para imitar as garotas cantando, do que cantava. E como eu disse, a hora estava voando e me restava menos de duas horas com os meus doidinhos.

 

- Vou sentir falta desses momentos – soltei automaticamente 

 

- Todos vamos querida, mas vocês vão voltar pra gente, eu sei disso – Jin falou segurando a minha mão 

 

- E você nem vai ter tempo de sentir falta, logo logo passa – Hope tentou me confortar também

 

- Eu vou encher seu saco no skype, estressadinha, nunca vai sentir falta de mim – Jimin falou e acabou arrancando uma risada minha

 

- Como vocês conseguiram me fazer amar vocês em seis meses? Seus bruxos – falei e eles riram 

 

- I put a spell on you, cause you’re mine – Hope cantou uma parte da música do filme de 50 tons de cinza, e todos começaram a rir, até Tae que estava quieto até agora

 

- Você pensa que ela é sua né, hyung? – Tae falou rindo

 

- Isso ai TaeTae, não deixa ninguém se apossar da nossa garota – Jimin falou dando um tapinha no ombro dele

 

- Vamos parando, porque eu acho que o Taehyung não ta gostando muito dessa historia Jimin – Jin falou rindo 

 

- Bicha possessiva – Jimin resmungou cruzando os braços e eu só consegui rir

 

- Sua sorte é que o Tae é meio surdo as vezes – sussurrei pra Jimin, me virando o máximo que o cinto me permitia 

 

- Eu escutei isso ta – Tae falou dando um tapa na minha bunda – Senta essa bunda linda ai, vai 

 

- Ai, eu não mereço isso! – Hobi falou puxando os cabelos, o que fez a gente rir

 

- O que foi agora Jung Hoseok?- perguntei olhando ele pelo retrovisor

 

- Esse sexo explicito de vocês – falou fazendo cara de nojo

 

- Menos querido, bem menos – falei e olhei pra frente, já avistando a silhueta do aeroporto – Parece que estamos chegando 

 

- Ainda bem, quero tomar um suco geladinho – Jin falou na maior inocência, e eu e Jimin começamos a rir igual dois retardados – Aish, o que eu falei demais?

 

- Isso me lembra de quando eu esbarrei com o Jimin no aeroporto – falei enquanto as lembranças daquele dia passavam pela minha cabeça

 

- Bons tempos aqueles, ainda faltavam seis meses pra vocês partirem – falou e eu concordei com um sorriso triste no rosto

 

***

 

17h 20min

 

- Primeira chamada para o vôo 0134 com destino para Rio de Janeiro, por favor dirija-se ao portão de embarques internacionais – escutamos aquela voz robotizada e nos entreolhamos, sabendo que estava bem mais próximo 

 

-Ainda temos tempo, mas eu quero me despedir adequadamente de cada um – Let falou levantando da cadeira

 

- Ah sim, e eu queria falar algumas coisas pra todos antes de falar com cada um – eu disse e todos agora olhavam para mim – Eu sei que ta sendo difícil pra todo mundo, mas vocês não sabem como ta doendo pra gente. Vocês apareceram do nada e se tornaram cruciais em tão pouco tempo que ainda é um pouco difícil de acreditar que todas essas coisas aconteceram por uma simples coincidência no avião, e a pessoa que eu mais tenho que agradecer por tudo isso ter ocorrido é o Namjoon, sem ele dificilmente eu teria encontrado uma das pessoas mais importantes pra mim, mas deixando esse lado amorzinho um pouquinho pra lá, eu queria que vocês soubessem que eu amo muito vocês e que a próxima vez que a gente se ver não vamos mais precisar de despedidas assim

 

Leticia pegou a minha mão e deu um sorriso, seus olhos estavam cheios de lagrimas e eu não estava diferente . Senti um rápido beijo em minha bochecha antes de ser esmagada em um abraço grupal e isso acabou sendo demais pra mim, agora eu chorava feito um bebê e nem ligava mais se todos estavam vendo.

 

O primeiro com quem eu fui falar foi o Kookie, dei um abraço bem apertado nele e um beijo em sua bochecha, o que fez meu bebê corar fofamente.

 

- Promete que vai cuidar desses patetas pra mim, Kookie? – perguntei ainda abraçada nele

 

- Claro, noona, mas também tem que prometer que vai voltar o mais rápido – ele fez aquele biquinho fofo e eu consegui somente acenar com a cabeça – Vou sentir muito a sua falta, noona

 

- Eu também coelhinho – desfiz o abraço e dei um sorriso pra ele, indo para o próximo amigo

 

- Ai ChimChim, quem diria que a gente ia estar aos prantos nesse aeroporto né? – falei ainda de frente pra mim

 

- Me abraça logo sua chata – sua voz estava se embargando aos poucos, eu não estava diferente – Você não pode ir embora estressadinha, nem que fique aqui so pra me bater

 

- Proposta tentadora, Minnie – falei passando a mão pelo queixo como se pensasse – Mas infelizmente eu tenho que ir, pelo menos até acertar as coisas pra poder voltar 

 

- Não me deixa esperando muito, ta? – me puxou para um abraço e senti suas lagrimas molharem minha camiseta 

 

- Te amo Minnie – beijei sua bochecha e fui falar com Hope

 

- Ai sua doidinha, não me abandona sozinho com eles aqui, quem vai me meter em confusão agora? Como vou viver sem aquelas tretas malignas? – nesse momento eu só sabia rir, essa era a qualidade do Hobi que eu mais admirava, fazer as pessoas sorrirem não importa as circunstancias 

 

- Assim que eu voltar a gente vai meter o louco amigo, te prometo isso pelo amor que eu tenho ao Taehyung – falei abraçando o mesmo 

 

- A gente vê que a promessa é séria quando mete a pessoa amada no meio – falou um pouco alto pro pessoal escutar – Vou esperar por mais memórias daquelas 

 

- Você terá – dei um beijo na sua bochecha

 

Agora Leticia estava falando com o Nam, então eu aproveitei para falar com o meu maninho querido.

 

- Cuida bem da minha namorada em Ana – falou quando eu me aproximava dele

 

-Aigoo, como se eu já não fizesse isso né – falei dando um tapinha nele – Mas irei continuar com meu trabalho magnífico por você, açúcar  

 

- Obrigado, mas se cuida também ta? Não quero ver minha maninha do coração mal – fiquei estática pelo abraço inesperado – E pode deixar que vou cuidar do cabecinha de vento para você 

 

 - Obrigado maninho – apertei ele mais um pouco, ele é uma das pessoas que eu menos esperava me apegar e agora somos que nem irmãos, a vida é bem engraçada as vezes

 

- Agora vai falar com o Jin, ele ta quase pulando em mim pra falar logo com você – falou rindo e me deu um empurrãozinho pra ir falar com meu amigo 

 

Jin realmente parecia estar impaciente pra falar comigo, tanto é que só precisei estar a poucos passos dele para o mesmo me dar um abraço bem apertado, que foi retribuído a altura.

 

- Eu vou sentir tanto a sua falta, princesa – falei chorando no ombro dele – Quem vai me ensinar os truques pra melhorar minha comida? 

 

- Isso a gente pode dar continuidade pela internet, bobinha – falou secando minhas lagrimas 

 

- Mas eu vou sentir sua falta, pabo, isso a gente não pode fazer completamente pela internet 

 

- O tempo vai passar rapidinho, depois você já vai estar de saco cheio de tanto me ver – falou me fazendo olhá-lo quando abraço foi quebrado – Mesmo que seja impossível alguém cansar de ver a minha beleza 

 

- Você é convencido demais, mas pelo menos tem razão – falei rindo e dei um beijo nele indo falar com Nam – Até mais, princesa mais linda 

 

- Até mais lindinha 

 

Nam estava sentado nas cadeiras em que estávamos antes, me sentei ao lado dele e ele me surpreendeu pelo que me falou.

 

- Eu quem deveria te agradecer por ter aberto meus olhos, Ana – falou me olhando com os olhos vermelhos e inchados

 

- Que isso Nam, tudo que fiz por você eu faria mais dez vezes, você é meu amigo e eu não te deixaria sofrer – o abracei de lado dando um sorriso – Assim como vocês me defenderam do Youngjae 

 

- Eu ainda acho que foi pouco, mas enfim – falou rindo um pouco – Ainda quero visitar vocês no Rio

 

- A nossa casa sempre estará aberta pra você e os meninos – falei fazendo meus gestos idiotas 

 

- Olha que eu apareço mesmo em 

 

- E eu lá to brincando? – perguntei rindo e olhei pra frente vendo Tae me olhando – Acho que ta na hora de falar com o senhor paciência ali 

 

- Vai lá, e obrigado por tudo de novo – me abraçou de novo e eu retribui o abraço do causador de toda essa historia 

 

- Eu que agradeço Nam – me levantei e fui na direção de Taehyung

 

Me despedir de todos já foi bem difícil, mas ele seria a parte mais dolorosa de todas. Se ele me puxasse pra fora daquele aeroporto eu não iria relutar nem um pouco.

 

- Você tem mesmo que me deixar aqui? – perguntou me abraçando 

 

- Eu queria que fosse diferente, mas tem que ser assim Tae – eu tinha que ser forte, porque com o menor dos esforços ele conseguiria me convencer a ficar.

 

- Eu vou te ajudar, quando você voltar não vai precisar de mais nada, só a sua presença – meu rosto estava afundado em seu pescoço, sentindo seu cheiro pela ultima vez – Eu vou deixar tudo pronto pra gente, foda-se se você achar que eu estou me precipitando.

 

- Tá tudo bem meu amor, eu vou me esforçar pela gente também – agora eu o olhava, segurando seu rosto em minhas mãos – Você só precisa continuar me amando mesmo eu lá do outro lado do mundo

 

- Não precisa nem pedir, jagiya – a parte mais dolorosa está sendo agora, saber que vou ficar sem sentir os lábios dele por tempo indeterminado me assusta – Eu te amo 

 

- Eu também te amo, lesadinho – ficamos abraçados de lado, olhando para nossos amigos 

 

Agora era definitivo, era a ultima vez que os veria em um bom tempo.

 

 

***

 

Let on 

 

17h 32min

 

Eu odeio despedidas. Era o que estava passando na minha cabeça enquanto me despedia dos meus amigos. Odeio! 

 

- Tchau carinha de ovo - o abracei pela última vez - Obrigada por ser o melhor amigo do mundo - sorri e limpei suas lágrimas que não paravam de cair - Te amo - falei em português mesmo só pra confirmar uma coisa que estava coçando na minha cabeça a algum tempo. 

 

- Também te amo - ele respondeu no mesmo português embolado que dá primeira vez que nos vimos. 

 

- EU SABIA! - ri alto - Você entende algumas palavras de português! Ahhh senhor Namjoon você me enganou - ai parei pra pensar uns segundos a mais e... - Perai, você entendia o que eu e Ana falávamos em português perto de vocês as vezes? 

 

- Basicamente - ele falou e começou a rir. 

 

- Ai merda - Tentei me lembrar das muitas bobagens que falamos perto dele mas fui cortada quando Jungkook apareceu e me abraçou de lado. 

 

- Oi Kookie - sorri pra ele e retribui o abraço - Vou sentir tanta saudades suas lá no Brasil. Quem é que vai me acordar no final das aulas?? Fiquei mal acostumada - suspirei e fiz bico brincando, arrancando um mini sorriso do mesmo. 

 

- A gente dá um jeito, vou te ligar todo dia pra não dormir demais, tá bom? - ele riu baixinho. 

 

- Achei uma ótima a ideia. Se cuida viu? 

 

- Pode deixar Let, obrigada - e fui abraçada de novo. "Eu que agradeço" falei contra seu pescoço. Como os dois mais novos do grupo eu me apeguei muito a esse pirralhinho, acho que voltaria correndo se algo acontecesse com ele. 

 

Os próximos que me despedi foram Jin, Jimim, Hope e Tae. Partia meu coração ver todos nesse estado por nossa causa mas tinha uma parte de mim que estava feliz, pois isso mostrava o quanto eu e Ana éramos importantes pra eles. Ver 7 garotos chorando no meio de um lugar público sem nenhuma vergonha não é algo que se vê todos os dias né? 

 

 "Se eu ficar sabendo que você foi pra uma festa sem minha presença ilustre cabeças irão rolar ein mocinha" Hope falou comigo apertando meu nariz, nós dois rindo á beça quando comentei das muitas vergonhas que passamos juntos nas festas que fomos. 

 

Por já terem falado com Ana, Jimim e Jin estavam ao prantos num canto, os dois com as bochechas e os olhos muito vermelhos de tanto chorar, então só os abracei e agradeci por tudo que passamos juntos, por todos os momentos, bons e ruins, pelas risadas, por tudo, o que os fez chorar mais ainda em meu ombro. 

 

- Vê se não demorem - Jin pediu quando me separei dele. 

 

- Vamos tentar - falei. E não era mentira, eu e Ana prometemos de dedinho mindinho que iriamos. 

 

- TaeTae - sorri de orelha a orelha quando o vi, o mesmo estava observando Ana de longe enquanto falava com Namjoon.

 

- Oi malinha mirim - ele me zoou e o dei uma abraço bem apertado - Não vou nem pedir pra que fique de olho nela porque eu sei que você já faz isso - ele falou se referindo a Ana. 

 

- A gente se vira bem juntas, mas vale lembrar que lá no Brasil a gente tem mais 4 crianças pra tomar contar. Faz parte né? - disse me lembrando das meninas - Bom, até mais Tae, obrigada por fazer minha amiga feliz de um jeito que eu não via a anos. 

 

- Foi um prazer - ele sorriu e me deu um beijinho na testa. 

 

E então a ultima pessoa. Existe aquele ditado no Brasil que diz que quem é o ultimo a ser cumprimentado é o mais importante, não tem? 

 

- Olá - cantarolei baixinho enroscando os braços em seu pescoço.

 

- Oi... - ele falou, seu olhar se prendendo no meu. Eu não tinha mais nada a dizer pra ele, acho que não existem palavras no mundo que pudessem realmente dizer o quanto eu o amava e o quanto estava mal por deixa-lo aqui do outro lado do mundo. 

 

- Eu te amo Min Yoongi, muito muito muito - sussurrei contra sua boca, meus olhos se fechando pra selar nossos lábios. 

 

- Eu também, honey, amo até demais - ele me abraçava com tamanha força que eu mal conseguia respirar, mas eu não ligava, porque se existe um lugar em que eu queria ficar pra sempre era ali. 

 

- Não esquece da nossa promessa está bem? - pedi quando ele finalmente me soltou, meu coração se enchendo todinho por uma dor que iria demorar bastante pra sair dali, a tal da saudade. 

 

- Nunca - ele falou e me beijou, agora pela ultima vez. 

 

- Ultima chamada para o voo 0134 com destino ao Rio de Janeiro, por favor dirija-se ao portão de embarques internacionais - a voz robotizada falou. 

 

O relógio marcava ás 17:50.

 

- Ana? - a chamei, a mesma que estava de costas pra mim se virou e veio pro meu lado arrastando suas malas - Pronta? 

 

- Não - ela riu mas sem ânimo. 

 

Caminhamos juntos até o portão de embarque que já se encontrava sem fila, meu corpo inteiro querendo parar de andar e correr pelo caminho contrário mas Ana segurava firme minha mão me impedindo de fazer isso ou talvez impedindo a si mesma também. 

 

- Então é isso pessoal - Ana falou se virando pra todo mundo que num segundo se aglomeraram mais uma vez num abraço grupal, algo que já virou nossa marca registrada. 

 

- Os portões para o vôo 0134 com destino ao Rio de Janeiro se fechará em 5 minutos - a voz soou novamente pelos altos falantes. 

 

- Acho que vocês já tem que ir - Jimim falou abraçando a si mesmo agora. 

 

Corri pra dar mais um abraço apertado em todos dizendo "Obrigada e te amo" com a maior sinceridade do mundo e saí marchando pelo longo corredor sem olhar pra trás, escutando Ana me chamar e as rodinhas de suas malas fazendo barulho até ela me alcançar. 

 

- Calma amiga, não precisa ficar com raiva - ela pediu e segurou minha mão - Olha - ela me parou e apontou pra eles lá longe que davam "tchaus" animados com as duas mãos pra gente, então não me aguentei e dei tchau também, mandando um coraçãozinho junto com Ana pra eles. 

 

- Senhoras, o avião já vai decolar - uma aeromoça nos chamou da entrada do avião. 

 

- Ah sim, desculpe - falei e cacei meu passaporte dentro da bolsa - Aqui está - dava pra ouvir eles gritando mesmo dali "VOLTEM LOGO" 

 

***

 

18h 05min

 

- Dessa vez eu vou na janela, nem vem - corri até o numero do banco que estava marcado na minha passagem e me joguei nele. 

 

- Sem problemas - ela riu e tirou os sapatos colocando os pés em cima da poltrona - Agora não tem mais pra onde correr né? 

 

- Não mesmo - suspirei e tirei meu celular da bolsa para avisar meus pais, vi de relance Ana fazendo o mesmo. 

 

- Mas o que...?? - ouvi ela exclamar uns minutos depois me assustando.

 

- Que foi garota? - perguntei olhando pra ela, que estava encarando o celular como se fosse rir a qualquer momento.

 

- Lê isso - ela me entregou o celular. 

 

Número Desconhecido: Eu nem sei se você vai realmente ler isso mas eu tenho que tentar pelo menos, sinto que é o mínimo que tenho que fazer por você.

Vou do inicio. Sei que não é um argumento valido para todas as coisas que eu te fiz mas, desde a primeira vez que te vi fiquei encantado, e mesmo sem te conhecer já sabia que era uma pessoa maravilhosa (e eu não estava errado) e com isso em mente eu senti uma necessidade enorme de ter, nem que fosse pequeno, um certo contato contigo. E isso foi o que desencadeou todas as minhas ações. Realmente não sei em que ponto eu comecei a ficar cego pelo fato de você não me ver mais que um mero colega, mas sei que te feri a partir desse momento.

Não sei se isso explica muita coisa pra você, mas eu espero que possa entender que nunca foi minha intenção machucar você, ou qualquer um dos garotos, que sei que hoje em dia não posso mais chamar de amigos pela minha estupidez, mas é uma das conseqüências de meus atos impensados.

Me desculpe por tudo, mesmo sabendo que não mereço seu perdão eu tenho que tentar me desculpar com uma das meninas mais doces que já tive o prazer de conhecer.

Adeus, Youngjae

 

- Cada vez que ele tenta se explicar, mais maluco ele fica - comentei com ela devolvendo seu celular. 

 

- Pelo menos agora faz mais um pouco de sentido - ela riu mas parou pra pensar no que tinha dito - Nah, não faz não.

 

- Senhores passageiros, aqui quem fala é o comandante - o ouvi dizer pelo alto falante - A torre acabou de nos dar permissão para decolar e a previsão do nosso tempo de voo direto até o Rio de Janeiro é de 26 horas, por favor fiquem atentos ás regras que vão passar no televisor á sua frente. Tenham uma boa viagem. 

 

- Hora de tirar um bom cochilo - comentei e peguei meus fones de ouvidos. Mesmo minha cabeça querendo explodir de dor por eu ter chorado demais eu precisava deles pra esvaziar a mente - Quer? - ofereci um fone.

 

- Não, vou ler um pouquinho - ela disse e tirou o livro da bolsa - Boa noite amiga. 

 

- Boa noite - então encostei a cabeça perto da janela e fiquei observando as luzes de Incheon se tornarem minúsculas enquanto ganhávamos altura e íamos embora do melhor lugar do mundo. 

 

***

 

Ana On

 

6 de dezembro – 15h

 

Já haviam se passado seis meses desde que havíamos retornado da Coréia, e bom, os meninos cumpriram a promessa de manter contato sempre. Quase todos os dias fazíamos conferência e juntávamos todo mundo, até as meninas apareciam algumas vezes, mesmo entendendo só o “oi” que eles davam em inglês. 

 

Hoje era o segundo dia das nossas férias desse semestre, e eu estava deitada na minha cama lendo algumas mensagens que o grupo da faculdade estava mandando sobre a nossa formatura. Os meninos estavam bem quietos esses dias, o que era bem estranho, já que eles só ficavam quietos quando era madrugada na Coréia. Leticia estava deitada na outra ponta da minha cama, quando ela começou a cutucar o meu pé.

 

- Acho que eu entendi errado a ultima mensagem, vê ai amiga – ela disse olhando meio estranho pro celular, e eu fui checar o grupo.

 

Nam: Vocês são meio surdas né?

 

Hobi: Nós desacostumamos essas meninas, coitadas

 

Kookie: Já não aguento mais esse calor infernal 

 

Let: Do que vocês estão falando seus loucos??

 

Essa era a ultima mensagem que tinha, olhei pra ela rindo.

 

- Sabe que falta alguns miolos nesses meninos né? – perguntei ainda rindo e mandei uma mensagem no grupo.

 

Eu: Expliquem por favor 

 

Jimin: Abre a porta que a gente explica, meu anjo ;)

 

- O que?? – Eu Letícia praticamente gritamos ao mesmo tempo

 

Corri até a janela do quarto só pra confirmar que eu não estava ficando louca, Let estava do meu lado. Eles estavam realmente na frente da nossa porta. Jin olhou pra janela e gritou:

 

- Dá pra ser mais rápido? Estamos derretendo aqui – os outros agora olhavam rindo da nossa cara de espanto.

 

- Eu não acredito - Let exclamou do meu lado encarando meu rosto e saímos correndo atropelando tudo pela casa pra chegar até a porta de entrada. 

 

                                                                                           FIM?

 


Notas Finais


Aiiiiii que dorzinha no coração acabar com a , que no inicio era só uma história que iria ficar em vossos pc's kkkkk Devemos tudo isso a vocês, pq sem os seus comentários a gente nem teria terminado a fic, por isso deixo aqui o meu mais sincero obrigado, por ter nos incentivado a continuar e por ter pirado junto com a gente com essas nossas viagens loucas kkkk Eu nunca fui boa com essas coisas mas tudo que eu disser não vai ser suficiente pra demonstrar o quanto eu sou grata por vocês terem nos apoiado! Eu amo vocês, ok?

Enfim, ainda tem o recadinho da Let e uma notícia boa, que é: A FIC VAI TER SEGUNDA TEMPORADA SIMMM

Vamos dar mais informações depois por aqui mesmo quando postarmos o prologo. Bom, fiquem com o recado da nossa loirinha, bejinnn

"Depois de 5 meses escrevendo, acabou... Eu realmente não sei direito o que sentir em relação a isso mas sei que vou sentir muita falta de escrever, de ficar até de madrugada querendo bater a cabeça no teclado por estar sem criatividade pra terminar o capitulo, de ficar discutindo com a Ana qual vai ser a próxima treta cabulosa e claro, de ficar rindo das reações de vocês que eram as melhores! hahhahah
Obrigada por tudo pessoal, pelo retorno super positivo que vocês nos deram, por rirem e surtarem com a gente, por não nos abandonarem e por terem ficado com a gente durante esses 34 capítulos. Não tínhamos intenção nenhuma de começar uma e a levar a sério, mas olha o que virou não é mesmo??
Sem vocês nós duas não teríamos continuado a escrever e foi com muito prazer que continuamos e eu amo muito vocês por isso, obrigada, obrigada, obrigada!
Beijos da Let e até mais! ❤"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...