História Belo Desastre - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Hopega, Hoseok!tops, Jikook, Sobi, Sope, Taegi, Yoongi!bottom, Yoonseok
Visualizações 56
Palavras 4.363
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Lemon, Luta, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Yoongi não é um garoto tão bom assim.
Vou explicar algumas coisas nas notas finais :) Boa leitura!

Capítulo 4 - Golpe Baixo


Fanfic / Fanfiction Belo Desastre - Capítulo 4 - Golpe Baixo

Jin deu mais uma tragada. A fumaça fluiu de seu nariz em duas torrentes espessas. Virei o rosto em direção ao sol enquanto ele me entretinha contando sobre seu fim de semana de dança, bebidas e um novo amigo muito persistente. 

— Se ele está te perseguindo, por que você deixa que ele pague as bebidas? — perguntei e ri. 

— É simples, Yoongi. Estou sem um tostão furado. 

Ri de novo, e Jin me cutucou com o cotovelo quando viu Hoseok vindo em nossa direção. 

— Ei, Hoseok — Jin falou alegre, piscando para mim. 

— Seokjin — Hoseok o cumprimentou com um aceno de cabeça e balançou as chaves. 

— Estou indo pra casa, Suga. Precisa de carona? 

— Eu ia entrar no dormitório... — falei, erguendo o olhar com os óculos de sol e abrindo um sorriso para ele. 

— Você não vai ficar comigo hoje à noite? — ele quis saber. Em seu rosto, a expressão era de surpresa e decepção. 

— Não, vou sim. Só tenho que pegar umas coisas que esqueci. 

— Tipo o quê? 

— Bem, meu aparelho de depilação, por exemplo. O que você tem com isso? 

— Já estava na hora de você raspar as pernas. Elas ficam ralando nas minhas, é o maior inferno — ele disse com um sorriso travesso. 

Jin me olhou com os olhos arregalados, e fiz uma careta para Hoseok. 

— É assim que os rumores começam! — Olhei para Jin e balancei a cabeça. — Estou dormindo na cama dele... só dormindo. 

— Certo — disse Jin, com um sorriso irônico. 

Dei um tapão no braço dele antes de abrir a porta e subir as escadas. Quando cheguei ao segundo andar, Hoseok estava ao meu lado. 

— Yoongi, não fique bravo. Eu só estava brincando. 

— Todo mundo acha que estamos transando. Você está piorando as coisas. 

— Quem se importa com o que as pessoas pensam? 

— Eu me importo, Hoseok! Eu me importo! 

Abri a porta do quarto, enfiei algumas coisas em uma pequena sacola e saí tempestivamente, com Hoseok me seguindo. Ele deu uma risadinha enquanto tirava a sacola da minha mão, e olhei furioso para ele. 

— Não é engraçado. Você quer que a faculdade inteira ache que sou ''um dos seus garotos''? 

Hoseok franziu a testa. 

— Ninguém acha isso. E, se acharem, é melhor torcerem para que não chegue aos meus ouvidos. 

Ele segurou a porta aberta para mim, e, depois de passar, parei abruptamente na frente dele. 

— Eita! — disse ele, dando de cara comigo. 

Eu me virei. 

— Ah, meu Deus! As pessoas devem achar que estamos juntos e que você continua, sem vergonha nenhuma, com seu... estilo de vida. Devo parecer patético. — eu disse, dando-me conta disso enquanto falava. — Acho que eu não devia ficar mais no seu apartamento. Devíamos nos afastar por um tempo. 

Peguei a sacola das mãos dele e ele a arrancou de volta das minhas. 

— Ninguém acha que estamos juntos, Suga. Você não precisa parar de falar comigo para provar alguma coisa.

Começamos um cabo de guerra com a sacola, e, quando ele se recusou a soltá-la, rosnei alto, me sentindo frustrado. 

— Algum garoto, um amigo, já ficou na sua casa com você antes? Você alguma vez já deu carona de ida e volta da faculdade para algum garoto? Já almoçou com ele todos os dias? Ninguém sabe o que pensar sobre a gente, nem mesmo quando explicamos! 

Ele foi andando até o estacionamento, segurando os meus pertences. 

— Vou dar um jeito nisso, tá bom? Não quero ninguém pensando coisas ruins sobre você por minha causa — ele afirmou com uma expressão perturbada. Então seus olhos brilharam e ele sorriu. — Deixe eu te compensar por isso. Por que não vamos ao The Dutch hoje à noite? 

— Mas lá é um bar de motoqueiros — falei com desdém, observando enquanto ele prendia minha sacola à moto. 

— Tudo bem, então vamos a uma casa noturna. Levo você pra jantar e depois podemos ir ao The Red Door. Eu pago. 

— Como sair pra jantar e depois ir a uma casa noturna vai resolver o problema? Quando as pessoas nos virem juntos, vai ser pior. 

Ele subiu na moto. 

— Pensa bem. Eu, bêbado, numa sala cheia de mulheres com um mínimo de roupa? Não vai demorar muito para as pessoas se darem conta de que não somos um casal. 

— E o que eu devo fazer? Pegar um carinha no bar e levá-lo pra casa, para deixar as coisas bem claras? 

— Eu não disse isso. Não precisa se empolgar — disse ele, franzindo a testa. 

Revirei os olhos e subi no banco da moto, envolvendo a cintura dele com os braços. 

— Uma garota qualquer do bar vai com a gente até em casa? É assim que você vai me compensar? 

— Você não está com ciúme, está, Suga? 

— Ciúme de quem? Da imbecil com DST que você vai irritar e mandar embora de manhã? 

Hoseok deu risada e arrancou na Harley, voando até o apartamento, no dobro do limite de velocidade. Fechei os olhos para bloquear a visão das árvores e dos carros que deixávamos para trás. Depois de descer da moto, dei um tapa no ombro dele. 

— Esqueceu que eu estava com você? Está tentando me matar? 

— Fica difícil esquecer que você está atrás de mim quando suas coxas me apertam tanto que quase me matam. — Com a próxima fala dele, veio um sorriso malicioso. — Pra falar a verdade, eu não consigo pensar em uma forma melhor de morrer. 

— Tem algo muito errado com você. 

Mal tínhamos entrado no apartamento quando Jimin saiu do quarto de Jungkook arrastando os pés. 

— Estávamos pensando em sair hoje à noite. Vocês topam? 

Olhei para Hoseok e abri um sorriso. 

— Vamos dar uma passada naquele lugar de sushi e depois vamos ao Red. 

O sorriso de Jimin foi de um lado ao outro. 

— Kookie! — ele gritou, seguindo em disparada para o banheiro. — Vamos sair hoje à noite! 

 

Fui o último a entrar no chuveiro. Jungkook, Jimin e Hoseok já estavam impacientes, em pé ao lado da porta. Saí do banheiro usando uma calça jeans de lavagem azul que ficava um pouco justa, uma camiseta preta estampada e jaqueta. 

 Jimin assobiou. 

— Uau, que gato! 

Sorri em agradecimento ao elogio, e Hoseok estendeu a mão para mim. 

— Belas pernas. 

— Eu te contei que essa calça é mágica? 

— Não acho que seja obra da calça. — ele sorriu e me puxou porta fora. 

Já estávamos falando muito alto no sushi bar e tínhamos bebido o suficiente para a noite toda antes mesmo de pôr os pés no The Red Door. Jungkook entrou no estacionamento, demorando um tempo para achar um lugar para estacionar. 

— Até a noite acabar a gente arruma uma vaga, Kookie. — murmurou Jimin. 

— Ei, tenho que achar uma vaga grande! Não quero que nenhum bêbado imbecil estrague a pintura do meu carro. 

Assim que estacionamos, Hoseok inclinou o banco para frente e me ajudou a sair. 

— Eu queria perguntar sobre a carteira de identidade de vocês. Elas são perfeitas. Não se consegue dessas por aqui. 

— É, já faz um tempinho que a gente tem. Era necessário... em Wichita — falei. 

— Necessário? — perguntou Hoseok. 

— Que bom que você conhece as pessoas certas — Jimin me disse. Ele soluçou e cobriu a boca, dando uma risadinha. 

— Santo Deus, homem! — disse Jungkook, segurando o braço de Jimin, enquanto ele andava desajeitado pelo caminho de cascalho. — Acho que você já bebeu o suficiente. 

Hoseok fez uma careta. 

— Do que você está falando, Jimin? Que pessoas certas são essas? 

— O Yoongi tem uns antigos amigos que... 

— São identidades falsas, Hoseok — eu o interrompi. — É preciso conhecer as pessoas certas se quiser que sejam feitas do jeito certo... Certo? 

Jimin desviou o olhar de Hoseok, e fiquei esperando. 

— Certo — ele disse, estendendo a mão para pegar na minha. Peguei três dedos dele e sorri, sabendo por sua expressão que ele não estava satisfeito com a minha resposta. 

— Preciso de outro drinque! — eu disse, numa segunda tentativa de mudar de assunto. 

— Mais uma dose! — gritou Jimin. 

Jungkook revirou os olhos. 

— Ah, é. É disso que você precisa, mais uma dose. 

Assim que entramos, Jimin me puxou para a pista de dança. Seus cabelos alaranjados não paravam de balançar enquanto ele dançava, e dei risada da cara de pato que ele fazia. Quando a música acabou, fomos nos juntar aos meninos no balcão. Uma loira platinada excessivamente voluptuosa já estava ao lado de Hoseok, e Jimin contorceu o rosto em repulsa.

— Vai ser assim a noite toda, Jiminie. É só ignorar — disse Jungkook, indicando com a cabeça um grupinho de garotas paradas ali perto. Elas olhavam para a loira, esperando pela vez delas. 

— Parece que Vegas vomitou em um bando de abutres — disse Jimin em tom de deboche. 

Hoseok acendeu um cigarro e pediu mais duas cervejas. A loira mordeu o lábio carnudo cheio de gloss e sorriu. O barman abriu as garrafas e as entregou para Hoseok. A loira pegou uma delas, mas ele a puxou da mão dela. 

— Hum... não é pra você — ele disse, entregando-me a cerveja. 

Meu impulso inicial foi jogar a garrafa no lixo, mas a mulher parecia tão ofendida que sorri e tomei um gole. Ela saiu pisando duro, bufando de raiva, e ri baixinho porque o Hoseok pareceu não notar nada. 

— Como se eu fosse comprar cerveja pra uma pessoa qualquer num bar — disse ele, balançando a cabeça. Ergui minha cerveja e ele levantou um dos lados da boca em um meio sorriso. — Você é diferente. 

Bati de leve a minha garrafa na dele. 

— Um brinde a ser a única pessoa com quem um cara sem nenhum critério não quer transar — exclamei, tomando um grande gole de cerveja. 

— Você está falando sério? — ele me perguntou, puxando a garrafa da minha boca. 

Como não falei nada, ele se inclinou na minha direção. 

— Em primeiro lugar... eu tenho critério, sim. Nunca transei com uma pessoa feia. Nunca. Em segundo lugar, eu queria transar com você. Pensei em te jogar no meu sofá de cinquenta maneiras diferentes, mas não fiz isso porque não te vejo mais assim. Não é que eu não me sinta atraído por você, só acho que você é melhor do que isso. 

Não consegui esconder o sorriso presunçoso que se espalhou por meu rosto. 

— Você acha que eu sou bom demais para você. 

Ele desdenhou do meu segundo insulto. 

— Não consigo pensar em um único cara que seja bom o bastante pra você. 

Minha presunção se dissipou, dando lugar a um sorriso comovido e grato. 

— Obrigada, Hobi — falei, colocando a garrafa vazia no balcão.

Ele me puxou pela mão. 

— Vamos — disse, me levando pelo meio da multidão até a pista de dança.

— Eu bebi demais! Vou cair! 

Hoseok sorriu e me puxou para junto dele, me agarrando pelo quadril. 

— Cale a boca e dance. 

Jimin e Jungkook apareceram ao nosso lado. Jeon dançava como se andasse vendo videoclipes demais do Usher. Hoseok quase me deixou em pânico com o jeito como pressionava o corpo contra o meu. Se ele usava aqueles movimentos no sofá, eu conseguia entender por que tantas pessoas se arriscavam a ser humilhadas pela manhã. Ele segurou forte meu quadril, e notei que a expressão dele estava diferente, quase séria. Passei as mãos em seu peito perfeito e em sua barriga de tanquinho, os músculos tensionados ao ritmo da música, debaixo da camiseta apertada. Virei de costas para ele e sorri quando ele envolveu minha cintura. Com o nível de álcool em minhas veias, quando Hoseok puxou meu corpo contra o dele, os pensamentos que me vieram à mente eram tudo, menos de amizade. 

A próxima música começou, e Hoseok não fez nenhum sinal de que quisesse voltar para o bar. O suor escorria em gotas pelo meu pescoço, e as luzes multicoloridas me faziam sentir um pouco zonzo. Fechei os olhos e apoiei a cabeça em seu ombro. Ele pegou minhas mãos e as colocou em volta de seu pescoço. Suas mãos desceram pelos meus braços, pelas minhas costas, e por fim voltaram ao meu quadril. Quando senti seus lábios e depois sua língua no meu pescoço, me afastei com um pulo. 

Hoseok deu uma risadinha, parecendo um pouco surpreso. 

— Que foi, Suga? 

Fui tomado por uma fúria súbita, e as palavras penetrantes que eu queria dizer ficaram presas na garganta. Fugi até o bar e pedi mais uma Corona. Hoseok se sentou na banqueta ao meu lado, erguendo o dedo para pedir uma para ele também. Assim que o barman colocou a garrafa na minha frente, virei-a e bebi metade antes de batê-la com tudo no balcão. 

— Você acha que isso vai fazer alguém mudar de ideia a respeito da gente? — perguntei, passando os meus dedos pálidos pelo lugar que ele tinha beijado. 

Ele riu. 

— Estou pouco me lixando pro que pensam da gente.

Lancei lhe um olhar hostil e virei o rosto para frente. 

— Suga — ele disse, encostando no meu braço. 

Eu me afastei. 

— Nem vem. Eu nunca ficaria bêbado o bastante a ponto de deixar que você me levasse para aquele sofá. 

Hoseok contorceu o rosto de raiva, mas, antes que pudesse dizer alguma coisa, uma mulher estonteante, de cabelos castanhos, fazendo biquinho e peitos demais à mostra, se aproximou dele. 

— Veja só, se não é o Jung Hoseok — disse ela, se mexendo nos lugares certos. 

Ele deu um gole, depois seus olhos ficaram travados nos meus. 

— Oi, Momo. 

— Me apresenta pro seu namorado — ela sorriu. 

Revirei os olhos pela maneira como ela era óbvia. Hoseok inclinou a cabeça para trás para terminar a cerveja e deslizou a garrafa vazia pelo balcão. Todo mundo que estava esperando para pedir alguma coisa seguiu a garrafa com os olhos, até que ela caiu na lata de lixo. 

— Ele não é meu namorado. 

Ele segurou Momo pela mão, e ela foi andando toda feliz atrás dele até a pista de dança. Eles ficaram se agarrando durante uma música, depois outra, e mais uma. Todo mundo olhava para o jeito como ela o deixava apalpá-la. Quando ele se curvou sobre ela, virei às costas para eles. 

— Você parece irritado — me disse um homem, enquanto se sentava ao meu lado. — Aquele cara ali é seu namorado? 

— Não, é só um amigo — resmunguei. 

—Ah, que bom. Seria muito embaraçoso para você se fosse seu namorado. 

Ele olhava para a pista de dança, balançando a cabeça com o espetáculo. 

— Nem me fale — eu disse, bebendo o resto da cerveja. 

Eu mal tinha saboreado as duas últimas cervejas que havia matado, e meus dentes estavam dormentes.

— Quer outra? — ele perguntou. Olhei para ele, que sorriu e disse: — Meu nome é Jackson Wang.

— Min Yoongi — falei, apertando sua mão estendida. Ele ergueu dois dedos para o barman, e sorri. — Obrigada. 

— Então, você mora por aqui? — ele me perguntou. 

— No Morgan Hall, na Eastern. 

— Tenho um apartamento em Hinley. 

— Você estuda na Estadual? — perguntei. — Que fica... tipo... há uma hora daqui? O que está fazendo por esses lados? 

— Me formei em maio. Meu irmão caçula estuda na Eastern. Estou passando essa semana com ele para procurar emprego. 

— Hum... a vida no mundo real, hein? 

Jackson riu. 

— E é tudo isso que dizem por aí. 

Umedeci os lábios secos com a língua, e percebi que Jackson me fitava atento.

— Sua boca é bonita — ele disse, ao me ver pressionando os lábios. 

Sorri, sentindo raiva do Hoseok e o peso do álcool. 

— Talvez você possa experimentá-la depois. 

Os olhos de Jackson brilharam quando me inclinei para perto dele, e sorri quando ele encostou no meu joelho. Mas ele tirou a mão, pois Hoseok se colocou entre nós dois. 

— Está pronto, Suga? 

— Estou conversando, Hoseok — afirmei, afastando-o para trás. 

A camiseta dele estava ensopada por causa do circo na pista de dança, e eu também fiz um showzinho, limpando a mão na calça. Hoseok fez uma careta. 

— Você ao menos conhece esse cara? 

— Esse é o Jackson — eu disse, sorrindo para meu novo amigo da maneira mais sedutora que consegui. Ele piscou para mim e então olhou para Hoseok, estendendo a mão para cumprimentá-lo.

— Prazer em conhecê-lo. 

Hoseok ficou olhando para mim com ar de expectativa, até que por fim cedi, abanando a mão na direção dele. 

— Jackson, esse é o Hoseok — murmurei. 

— Jung Hoseok — disse ele, encarando a mão do rapaz como se quisesse arrancá-la. 

Jackson arregalou os olhos e, sem jeito, puxou a mão para trás. 

— Jung Hoseok? Jung Hoseok da Eastern? 

Apoiei o rosto no punho cerrado, temendo a inevitável troca de histórias cheias de testosterona que viria em seguida. Hoseok esticou o braço atrás de mim e agarrou-se ao balcão. 

— É, e daí? 

— Vi sua luta com o Kris Wu no ano passado, cara. Achei que ia testemunhar a morte de alguém! 

Hoseok fitou-o enfurecido. 

— Quer ver isso acontecer de novo? 

Jackson riu, olhando rapidamente de mim para Hoseok e vice-versa. Quando se deu conta de que ele estava falando sério, sorriu para mim como que pedindo desculpas e foi embora. 

— Está pronto agora? — Hoseok perguntou irritado. 

— Você é um completo babaca, sabia? 

— Já me chamaram de coisa pior — ele disse, me ajudando a sair da banqueta. 

Fomos atrás de Jimin e Jungkook até o carro, e, quando Hoseok tentou me segurar pela mão para me guiar pelo estacionamento, eu a puxei com força. Ele se virou e parei, curvando me para trás quando seu rosto ficou a poucos centímetros do meu. 

— Eu devia beijar você e acabar logo com isso! — ele gritou. — Você está sendo ridículo! Beijei seu pescoço, e daí?

Eu podia sentir o cheiro de cerveja e cigarro no hálito dele e o afastei. 

— Não sou seu amiguinho de trepada, Hoseok. 

Ele balançou a cabeça, sem acreditar no que tinha acabado de ouvir. 

— Eu nunca disse que você era! Você está perto de mim vinte e quatro horas por dia, dorme na minha cama, mas, na metade desse tempo, age como se não quisesse ser visto comigo! 

— Eu vim até aqui com você! 

— Eu só te trato com respeito, Suga. 

Mantive minha linha de defesa. 

— Não, você só me trata como se eu fosse sua propriedade. Você não tinha o direito de espantar o Jackson daquele jeito! 

— Você sabe quem é esse Jackson? — ele me perguntou. Quando balancei a cabeça em negativa, ele se inclinou mais um pouco, aproximando-se ainda mais. — Pois eu sei. Ele foi preso no ano passado acusado de abuso sexual, só que retiraram a queixa. 

Cruzei os braços. 

— Ah, então vocês têm algo em comum? 

Hoseok apertou os olhos, e os músculos de seu maxilar se contorceram sob a pele. 

— Você está me chamando de estuprador? — ele disse, em um tom baixo e cheio de frieza. 

Pressionei os lábios, com mais raiva ainda por ele estar certo. Eu tinha ido longe demais. 

— Não, só estou irritado com você! 

— Eu bebi, ok? Sua pele estava a centímetros da minha boca, você é lindo e seu cheiro é incrível quando você fica suado. Eu te beijei! Me desculpa! Esquece! 

O pedido de desculpas fez com que os cantos da minha boca se voltassem para cima. 

— Você me acha lindo? 

Ele franziu a testa, indignado.

— Você é muito bonito e sabe disso. Por que está sorrindo? 

Tentei disfarçar meu divertimento, inutilmente. 

— Por nada. Vamos embora. 

Hoseok balançou a cabeça. 

— O que...? Você...? Você é um pé no saco! — ele gritou, me fuzilando com o olhar. 

Eu não conseguia parar de sorrir, e, depois de alguns segundos, ele fez o mesmo. Balançou a cabeça de novo e enganchou o braço em volta do meu pescoço. 

— Você está me deixando maluco. Você sabe disso, não sabe? 

 

No apartamento, todos passamos cambaleando pela porta. Fui direto para o banheiro para lavar os cabelos e tirar o cheiro de cigarro. Quando saí do chuveiro, vi que Hoseok tinha deixado uma de suas camisetas e um de seus shorts ali para mim. A camiseta me engoliu, e o short sumiu debaixo dela. Eu me joguei na cama e suspirei, ainda sorrindo por causa do que ele tinha me dito no estacionamento. 

Hoseok ficou me encarando por um instante, e senti uma pontada no peito. Eu tinha uma necessidade quase voraz de agarrar o seu rosto e lhe dar um beijo na boca, mas lutei contra o álcool e os hormônios. 

— Boa noite, Suga — ele sussurrou, se virando para o outro lado. Fiquei me mexendo, inquieto e sem sono. 

— Hobi? — falei, me erguendo e apoiando o queixo no ombro dele. 

— O quê? 

— Sei que estou bêbado e que acabamos de ter uma briga gigantesca por causa disso, mas.. 

— Não vou transar com você, então para de ficar pedindo — ele disse, ainda de costas para mim. 

— O quê? Não! — gritei. 

Hoseok riu e se virou, olhando. Sua pintinha no lábio superior parecia deixar sua boca ainda mais convidativa.

— Que foi, Suga? 

Soltei um suspiro.

— Isso ... — falei, deitando a cabeça em seu peito e esticando o braço sobre sua cintura, me aninhando tão perto quanto podia. 

Ele ficou tenso e ergueu as mãos, como se não soubesse como reagir. 

— Você está bêbado. 

— Eu sei — falei, embriagado demais para ficar constrangido. 

Ele relaxou uma das mãos nas minhas costas e pôs a outra nos meus cabelos molhados, depois me beijou na testa. 

— Você é a pessoa mais complicada que já conheci. 

— É o mínimo que você pode fazer depois de espantar o único cara que veio falar comigo hoje. 

— Você quer dizer o Jackson? É, eu te devo uma por essa. 

— Deixa pra lá — falei, sentindo o começo de uma rejeição a caminho. 

Ele agarrou meu braço e o manteve em cima de sua barriga, para me impedir de sair dali. 

— Não, estou falando sério. Você precisa tomar mais cuidado. Se eu não estivesse lá... nem quero pensar nessa possibilidade. E agora você espera que eu peça desculpas por espantar o cara? 

— Não quero que você peça desculpas. Nem se trata disso... 

— Então do que se trata? — ele quis saber, procurando algo em meus olhos. Seu rosto estava a poucos centímetros do meu, e eu podia sentir sua respiração em meus lábios. 

Franzi a testa. 

— Estou bêbado, Hoseok. Essa é a única desculpa que tenho. 

— Você só quer que eu te abrace até você dormir? 

Não respondi. Ele se mexeu para me olhar direto nos olhos. 

— Eu devia dizer “não” para provar meu argumento — ele me disse juntando as sobrancelhas. — Mas eu me odiaria se fizesse isso e você nunca mais me pedisse de novo. 

Aninhei o rosto em seu peito e ele me abraçou mais forte, soltando um suspiro. 

— Você não precisa de nenhuma desculpa, Suga. Tudo que tem que fazer é me pedir.

 

Eu me encolhi ao me deparar com a luz do sol entrando pela janela e o alarme quase estourando meus tímpanos. Hoseok ainda dormia, me cercando com seus braços e pernas. Em uma manobra, consegui soltar um dos braços e apertar o botão de soneca. Esfreguei o rosto e fiquei olhando para ele, que dormia profundamente, a cinco centímetros de distância. 

— Meu Deus... — sussurrei, perguntando-me como havíamos conseguido ficar tão enganchados um no outro. Inspirei fundo e prendi o fôlego, tentando me soltar completamente. 

— Para com isso, Suga, estou dormindo — ele murmurou, me apertando junto de si. 

Depois de várias tentativas, finalmente consegui me soltar. Sentei na beirada da cama, olhando para trás, para seu corpo seminu envolto nas cobertas. Os limites estavam começando a ficar tênues, e a culpa era minha. Ele deslizou a mão pelos lençóis e encostou nos meus dedos. 

— Qual o problema, Suga? — perguntou, mal abrindo os olhos. 

— Vou pegar um copo de água, você quer alguma coisa? 

Hoseok balançou a cabeça e fechou os olhos, com o rosto encostado no colchão. 

— Bom dia, Yoongi — disse Jungkook, sentado na cadeira reclinável, quando entrei na sala. 

— Cadê o Jimin? 

— Ainda está dormindo. O que você está fazendo em pé tão cedo? — ele me perguntou, olhando para o relógio. 

— O despertador tocou, mas eu sempre acabo acordando cedo depois de beber. É uma maldição.

— Eu também — ele disse. 

— É melhor você ir acordar o Jimin. Temos aula daqui à uma hora — falei, abrindo a torneira e me inclinando para beber um gole de água. 

Jungkook assentiu. 

— Eu ia deixar o Jiminie ficar dormindo. 

— É melhor não. Ele vai ficar bravo se perder a aula. 

— Então vou acordá-lo — ele disse e se virou. — Ei, hyung 

— O quê?

— Eu não sei o que está rolando entre você e o Hoseok, mas sei que ele vai fazer algo idiota que vai te deixar irado. É uma mania que ele tem. Ele não fica muito chegado a ninguém por tanto tempo e, sei lá por quê, abriu espaço na vida dele para você. Mas você tem que ignorar os demônios dele. É a única forma que ele tem de saber. 

— De saber o quê? — perguntei, erguendo uma sobrancelha em resposta ao seu discurso melodramático. 

— Se você vai sair de cima do muro — ele respondeu simplesmente. 

Balancei a cabeça e dei um risinho. 

— Você é quem manda, Kookie. 

Ele deu de ombros e voltou para o quarto. Ouvi uns murmúrios baixinhos, um gemido de protesto e depois as doces risadinhas de Jimin. Espalhei aveia na minha tigela e despejei calda de chocolate, enquanto misturava tudo. 

— Que coisa nojenta, Suga — disse Hoseok, vestindo somente uma cueca xadrez verde. 

Ele esfregou os olhos e pegou uma caixa de cereal no armário. 

— Bom dia pra você também — respondi, fechando com um estalido a tampa da calda. 

— Ouvi dizer que seu aniversário está perto. Tá virando adulto... — disse ele, abrindo um largo sorriso, com os olhos inchados e vermelhos. 

— É... Não sou muito ligado em aniversários. Acho que o Jiminie vai me levar pra jantar ou algo assim. — sorri — Pode vir também, se quiser. 

— Tudo bem — ele deu de ombros. — É no domingo da semana que vem? 

— Isso. Quando é o seu aniversário? 

Ele despejou o leite na tigela, submergindo os flocos com a colher. 

— Só em abril. Primeiro de abril. 

— Ah, fala sério! 

— É sério — disse ele, mastigando. 

— Você faz aniversário no Dia da Mentira? — perguntei, erguendo uma sobrancelha. 

Ele riu.

— Faço! Você vai se atrasar. É melhor eu ir me vestir. 

— Vou de carona com o Jimin. 

Pude perceber que ele se esforçou para agir com naturalidade quando deu de ombros. 

— Tudo bem — ele disse e virou as costas para mim, para terminar de comer seu cereal. 


Notas Finais


- Lembrando que a maioridade nos eua é 21 anos, então eles não podem entrar em casas noturnas ou comprar bebidas alcoólicas, mesmo com 18/19 anos
- As datas de aniversário do Yoongi e do Hoseok serão diferentes para tudo se encaixar.
Roupa do Yoongi: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/14/42/a0/1442a00aba2da5c47bf4e38f3f8083d3--style-inspiration-bangtan-bomb.jpg
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...