História Bem Vindo Ao Submundo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Capitulos, Corvo, Inferno, Médico Da Peste, Pássaros, Submundo, Terror, Theo
Visualizações 4
Palavras 1.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa leitura 💙
PS : plague e seus irmãos. Plague significa peste , as pessoas da história chamam ele de plague doctor , leiam e descubra porque

Capítulo 2 - Plague e seus irmãos


Fanfic / Fanfiction Bem Vindo Ao Submundo - Capítulo 2 - Plague e seus irmãos

Ellen a garota loira me empurra para um quarto onde se encontravam uma cama , uma cômoda e alguns livros. Ela sem dizer nada fechou a porta imediatamente com força , eu bufei sentando-me em minha cama e pegando um livro da estante empoeirada , prestes a ler ouço um bater grosso no vidro como se alguém tivesse atirado um tijolo enrolado em uma almofada , me levantei para abrir a janela quando tomei um susto ao ver o mesmo corvo negro , ele riu de forma provocativa pulando de um lado para o outro.

Théo : você não pode entrar , seu idiota !

Num piscar de olhos o corvo negro entrou misteriosamente no quarto crocitando :

Corvo : estúpido ! eu só sou mais uma alma desse mundoo !

Joguei um livro em direção ao pássaro negro , ele desviou rindo suas penas caíram ao abrir vôo.

Théo : seu pássaro maldito !

Jogava mais livros mas errava todos , o corvo cansou daquela brincadeira de provocar então foi pra cima de mim derrubando-me na cama com suas garras afiadas sobre minha testa ele disse sério pela primeira vez :

Corvo : você está muitoo corado paraa quem está morto !

Crocitou arregalando um dos olhos psicóticos e insanos , eu respondi com a boca entre-aberta :

Théo : eu... não estou morto....

Impressionado e confuso o pássaro saiu de cima de mim crocitando alto não compreendendo.

Corvo : cooomoo assimmm ?!

Ele esperneou gritando alto , bufei revirando o olhar e coloquei os dedos acima e abaixo de seu bico o fechado para fazê-lo calar o bico.

Théo : você grita muito sabia ?

Corvo : e você ...fazzz muitas perguntaas !!

Disse o corvo ainda com o bico fechado pelos meus dedos , eu soltei o bico negro do pássaro e respondi sua pergunta antes dele ter começado a berrar.

Théo : eu..me sofri um acidente..acho que de carro e...estou em coma

O corvo berrou novamente :

Corvo : fudeeu !!!

Eu ri baixo soltando o fôlego e perguntei num tom irônico :

Théo : aqui também ensinam palavrões ?

O corvo planou até a janela e disse berrando mais alto do que uma cabra :

Corvo : eu aprendi sozinhooo !

Ele abriu as asas pulando para voar , não podia deixá-lo ir , ele sabia tanto daquele mundo que poderia me tirar de lá , portanto para matar minhas curiosidades eu o peguei pelo pescoço arrancando sem querer algumas penas velhas e desbotadas , eu o sacudi perguntando :

Théo : como eu saio daqui ?!

O corvo deixava sua cabeça ser agitada por mim sorrindo como se estivesse se divertindo. Ele levantou a cabeça e respondeu roco :

Corvo : qual ééé o seu maior pecado ?

Théo : pecado..? como assim ?

disse desintendido , o pássaro ia responder quando um garoto que aparentava ter de 18 à 19 anos entrou com uma vassoura de palha espantando o corvo , o pássaro vôo saindo pela janela rápido atemorizado ao se deparar com a palha que o garoto de cabelos escuros segurava firmemente.

Alan : saía daqui aberração !

levantei os braços e indo até a janela , ao perceber que o corvo havia sumido me virei perguntando impaciente :

Théo : qual é o seu problema ?!

Alan irreconhecível para mim caminhou e me deu um peteleco na testa , eu fui pra trás sentindo a leve dor do forte peteleco.

Alan : corvos são animais inferiores ! São animais irracionais !

Eu encarei o garoto da mesma idade que eu e perguntei :

Théo : então me diz por quê seu líder tem a máscara de um pássaro semelhante a uma carcaça de corvo ?!

Alan permaneceu em silêncio e se virou ignorando-me , eu peguei seu ombro e perguntei lentamente :

Théo : me diz mais sobre esse lugar...

Ele bufou e respondeu se virando , levantando o cenho e dizendo com um sorriso de lado :

Alan : vêm comigo novato

Sigo o garoto de cabelos negros como a noite , caminhamos pela suposta casa semelhante ao um igreja dentro de uma cripta , pergunto a ele encarando plague o homem de rosto ocultado.

Théo : por que ele usa uma máscara ?

Alan : seu rosto nunca foi revelado , nunca estudou sobre a peste negra nos livros de história ?

Théo : eles não ensinam coisas interessantes...diz logo

Alan e eu entramos numa sala , tinha dois rádios em cima de um gabinete junto ao um abajur.

Alan : a peste chegou à Europa vinda da Ásia em 1347. A “Morte Negra” consumiu um terço da população europeia, levando governos a pensar em como proteger suas populações. A doença começou a ficar mais forte , a única opção dos governantes foi 40 dias de isolamento total do mundo externo, a chamada “quarentena"

Théo : pode pular logo para parte porque ele usa uma máscara ?

Alan : cala à boca e ouve !

Fiquei em silêncio e Alan continuou a contar a história.

Alan : nada adiantava , muitas pessoas ainda morriam , o governo resolveu chamar médicos especiais , com a aparência aterrorizante , seu o rosto coberto por uma máscara de um pássaro macabro, com um bico curvo e a expressão ausente. Sua longa túnica negra o faz parecer sacerdote de um obscuro ritual satânico. Sua máscara tinha flores e ervas para espantar o cheiro dos corpos pós mortos.

Théo : médicos ? então onde estão os outros ?

perguntei confuso , ele respondeu olhando para um dos rádios.

Alan : alguns saíram do submundo , pelo fato de ter sido perdoado pela vítima ou pago seu pecado , algumas das pessoas que vieram pra cá algum tempo contavam histórias antes de partir para um lugar melhor ou um lugar pior...

Théo : que história ?

Alan bufou dizendo :

Alan : vai me deixar terminar ?!

Théo : desculpe , prossiga

Alan : plague tinha três irmãos , um ele matou para pegar seu trono , outro foi perdoado pela vítima no qual ele não conseguiu salvar , plague ficou..ninguém sabe seu erro , seu pecado...

Théo : já viram o rosto dele ?

Alan riu respondendo :

Alan : ninguém nunca tentou tirar

Théo : e...como eu saio daqui...?

Alan : descubra porque está aqui e conserte seu erro

O garoto abriu a porta e eu saí , sem dizer nada , só permaneci pensativo sobre qual era meu erro. Fitei plague dei passos longos para chegar até ele , após chegar perguntei sério :

Théo : eu quero sair daqui 

Ele repetiu minha pergunta entortando a cabeça para direita.

Plague : você quer sair daqui...?

Théo : sim ! 

Concordei , plague aproximou seu rosto perto do meu , o bico pontudo da máscara tocou em meu nariz e os meus olhos castanhos escuros se encontraram com os seus , ele então disse murmurando :

Plague : certo !...tem..50 minutos , volte rápido 

Oque eu achei que iria ser completamente estranho e sinistro foi algo normal e pacífico. Agradeçi saindo de sua frente e em seguida deixando a cripta/casa.



Notas Finais


Até mais tarde 😍😍😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...