História Best Friends Forever - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bissexualidade, Família, Hentai, Heterossexualidade, Palavrão, Romance, Segredo, Sexo
Visualizações 14
Palavras 3.428
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oie amores <3
espero que estejam preparados para descobrir o segredo a qual eu me refiro na sinopse da fic jhjkhyhh

boa leitura

~~ sants

Capítulo 4 - Quatro


Fanfic / Fanfiction Best Friends Forever - Capítulo 4 - Quatro

Dormi na casa do Jimin, e bem, acordei com seus braços pesados por cima do meu corpo. Empurrei ele um pouco para o lado e tentei sair do seu laço em forma de braços, porém foi inútil, pois ele me apertou ainda mais nos seus braços.

- Jimin - chamei ele - Jimin, sai de cima de mim seu obeso! - ele ronronou um pouco e continuou a dormir em cima de mim. Eu estava perdendo a paciência e o ar, por isso se ele não saísse logo de cima de mim era capaz de eu sufocar até a minha morte. Crispei os lábios e reuni todas as minhas forças para empurrar seus 70 quilos para o lado - Park Jimin, se você não sair de cima de mim agora mesmo eu vou te bater!! - minha voz saiu tão séria e raivosa que quase não me reconheci.

O moreno deu um pulo de susto e pendeu seu corpo para ao lado do meu. Então ai, só ai, eu pude respirar fundo e retomar o meu ar.

- Anna!! Eu quase morri do coração com o susto que você me deu - pôs a mão no peito respirando fundo.

- Como assim eu quase te mato? Foi você que estava me sufocando com esse seu corpo obeso - falei raivosa.

- Ai... Essa doeu... - apontou para o seu próprio peito onde ficava seu coração - Bem aqui - sua voz soou falsamente dramática. Eu não queria ri da sua idiotice, mas ri, por que assim como ele, eu também sou um pouco boba.

- Seu bobo - levantei da cama e fui escovar meus dentes e tomar banho para partir rumo a escola.

Entrei no banheiro, me despir por completo e entrei no box. Lavei meus imensos cabelos ondulados e depois sequei-os bem usado a toalha primeiramente e depois o secador. Fiz um coque temporário no cabelo e peguei uma escova minha que ficava na casa do Jimin e passei a limpar minha boca.

Fui interrompida por batidas frenéticas na porta e um  Park irritado - a verdade é que eu esqueci que tinha que dividir o banheiro com o ele.

- Anna!! Sai desse banheiro agora!! Eu tenho que tomar meu banho - batia ele insecavelmente na porta. Sua impaciência era notável. 

- Jimin, pare de ser idiota! Se quer entrar nesse banheiro, entre logo! - gritei de volta só para provoca-lo. Ele parou com as batidas e se demorou a entrar no recinto, parecia hesitante - O que foi ChimChimcom medo? - debochei.

De repente a porta se escancarou revelando um melhor amigo de toalha na cintura definida  e expressão de quem fora desafiado - Ele era meu melhor amigo, mas era um baita de um gostoso.

- Cuidado pra não babar - soltou uma risadinha quando me pegou encarando-o.

Eu estava de lingerie vermelha, e ele quase pelado, quer dizer, ele estava pelado. Só estava coberto por uma toalha banho. Continuei a escovar meus dentes quando ele passou por mim e pegou sua escova de dente. Ele fez de proposito, pois se prontificou atrás de mim para pegar o objeto de higiene bucal de forma que seu corpo ficasse bem próximo ao meu. Olhei para ele de olhos cerrados através do espelho e ele sorriu. 

Jimin escovou seus dentes rapidamente e foi em direção ao box, então eu vi a chance de me vingar da sua provocação. Quando ele virou eu segurei a barra da sua toalha e a puxei pra baixo. Ele virou-se assustado mostrando seu pênis que mesmo encolhido era grande.

- Achei que ele era maior - soltei um risinho somente para irrita-lo. Ele puxou a toalha da minha mão e a enroscou na cintura novamente enquanto eu ria da sua cara.

- Se queria vê-lo era só pedi - devolveu o deboche no mesmo tom que ele foi entregue. Vencida, revirei os olhos e me olhei no espelho.

- Mas que merda!! - exclamei chamando a atenção do Park - Parabéns Jimin-ah, você me marcou como uma vadia - apontei para o chupão feito na noite passada.

Do jeito dele, meio cafajeste, ele se aproximou de mim e puxou minha cintura de encontro com a sua, onde ele pendeu minha cabeça para o lado revelando o outro lado do meu pescoço que não estava marcado. E mais uma vez do com seu jeito malicioso de ser, ele sussurrou soprado no meu ouvido:

- Quer que eu faça do outro lado para ficar igual? - ameaçou fazer mordiscando e beijando a pele sem marcas da minha pele.

- Se você não afastar essa sua boca do meu pescoço eu juro que arranco seu pau, com a minha boca se preciso! - ameacei ele e ele foi tomar seu banho todo sorridente.

Sai do banheiro e vesti um vestido lindo rosa bebê sem estampa e um sapato all star branco e preto. Para finalizar, fiz no meu cabelo um topete bem arrumadinho preso com pequenos grampos de cabelo. Deixei todo o resto solto cair sobre meus ombros e costas. Passei no rosto um pouco de base, depois pó, logo passando um delineador finíssimo preto. Para realçar os meus longos cílios, dei duas camadas de rímel, finalizando com um discreto gloss rosa - Eu estava muito além de bonita.

Jimin saiu do banho usando uma boxe branca e secando seus cabelos pretos rebeldes. Ele vestiu uma calça meio apertada, mas não ao estilo skinny, preta. Um coturno marrom e uma camisa sem manga com um simbolo de rock - Iron made, acho -. Por cima colocou uma jaqueta preta de couro e penteou seus cabelos em uma linda franja repartida de lado.

Descemos as escadas da sua casa juntos e sentamos para comer a comida que a sua mãe havia feito.

- Então meninos, dormiram cedo ontem? - perguntou a mãe do Jimin sentada a nossa frente enquanto bebericava seu chá gelado.

- Sim, dormimos cedo tia Somin - falei beliscando uns pães em cima da mesa.

- Como sabe que dormimos cedo dona Somin? - indagou ChimChim com um ar acusador - Por acaso estava nos espionando??

- O que é isso filho? Eu apenas não escutei suas vozes na noite anterior - se explicou a mais velha meio vermelha.

O moreno olhou para mãe rindo entre dentes do rubor que causara na mulher mais velha. Ele voltou a comer seus bacon feliz da vida, pois amava aquela carne - amava qualquer tipo de carne para falar a verdade.

Comi quase toda a minha comida, menos o Bacon, pois ele me faria sair da minha dieta com carboidrato reduzido.

- Hei Anna, vai comer esses becon aí? - Jimin apontou para o meu prato.

- Não, pode comer - era só essa a permissão que ele esperava para atacar os meus bacons.

Resolvi que também não comeria os ovos, então pôs um pouco dele na ponta do meu Sujeo* e levei a direção a boca do Park que abriu um bocão de bom grado. Alimentei ele na boca até meus ovos pudessem acabar, e quando acabou, ele voltou aos seus bacons.

Ele comia desajeitadamente seus preciosos bacon, quando notei as torradas no seu prato, a qual sem cerimonia alguma eu peguei do seu prato e pôs no meu. Ele não reclamou, apesar de ter visto, ele apenas comia seu Bacon amado. No fim, lá estava ele com os cantos da boca sujas, e eu como boa amiga que sou, peguei um guardanapo e prendi com a minha mão direita seu maxilar enquanto com a esquerda limpava sua boca que estava a porcalhada de comida, ou melhor, de bacon.

- Obrigado - agradeceu por educação e segurou também meu maxilar dando um selinho rápido nos meus lábios. Mas foi tão rápido que quase não senti sua boca contra minha. Entretanto, a sua mãe Somin viu seu selinho dado em mim e não deixou de sorrir para nós dois feito boba.

Era um fato que nossos pais apoiavam nós dois nos nossos feitos, por mais pequeno que pudessem ser. Contudo, seu maior apoio era para com um namoro entre mim e Jimin. Eles sonhavam, especulavam e brandava o dia que puderíamos namorar e nos tornarmos um casal e assim prosseguir com os negócios de exportação de frutas da família Park e Miller. Então, eles analisavam qualquer que fosse as nossas ações para dizer que era o destino querendo que ficassimos juntos. Isso, independente se eu teria um namorado e ele uma namorada. E quando terminávamos nossos namoros, ele repitam aquela velha e boa frase para ambos : " Isso é o destino conspirando para que vocês fiquem juntos. " E nós como bons amigos, riamos deles.

Jimin, terminou seus bacons e eu minhas torradas. Nos levantamos para pegar as nossas bolsas e partir para a escola.

- Anne, querida, você vai voltar hoje aqui em casa? - perguntou Somin.

- Não sei ainda, mas acho que não - sorri para ela pegando minha bolsa e indo para o carro na garagem da casa do Jimin.

- E você filho, vai sair com a Anna hoje? - perguntou.

- Acho que talvez a noite. Acho que vamos a uma festas juntos - entrou no carro e ligou o carro. Nessas alturas eu tinha até esquecido da festa do Jiwon.

 

 

(...)

 

 

Me arrumei em casa e o Jimin na casa dele para a festa. Mas na hora de sair ele veio me buscar. Chegamos juntos na festa e causamos alvoro quando nos viram.

A festa foi na casa da família do Jiwon, porém a casa era uma mansão gigantesca. Tinha globos de luz pra todo os lados, o clima era de como uma balada eletrônica. As pessoas bebiam, tinha uma Barbamam e um show de pirotecnia, ao mesmo tempo que preparavam bebidas ou drinks artesanais. Tinha duas fontes de chocolate com morangos em volta. Tinha uma mesa enorme abarrotada de comida. O Dj, o melhor das redondezas tocava sucessos e comandava a pista de dança. Tenho que admitir que fiquei impressionada, aquela festa provavelmente já custou muito mais que qualquer outra feita por mim e Jiminie.

Encontrei as meninas, Su hee e Minah, e Jimin os amigos, Jungkook e Kyung, seus amigos de time. Bom, na verdade, foram eles que nos encontraram, pois vieram na nossa direção assim que chegamos.

- Anna, você não tem ideia do como essa festa ta um arraso, e isso é mal  - falou Minah  me puxando para um lado.

- Tudo aqui é da melhor qualidade. Tudo, até as cervejas - falou novamente Minah  e Su Hee concordou.

Eu e Jimin nos afastamos, eu fui para um lado e ele foi pra um outro. Passei a olhar a festa juntos a meninas. Realmente aquela festa deixaria qualquer um de boca aberta, e agora eu e o ChimChim vamos ter que supera-la. Em uma dessas minhas olhada pela festa, eu " esbarei " no Jiwon que se gabava da sua festa, enquanto tinha um monte de gente bajulando-o ao seu redor.

- Olha quem resolveu aparecer  - disse sorrindo pomposo para mim.

Cruzei os braços e forcei um sorriso falso.

- Eu não poderia faltar. Essa historia da melhor festa me chamou a atenção.

Ele abriu um sorriso vitorioso e cruzou os braços também.

- E então? Estou agradando? - perguntou e ele mesmo respondeu - Mas é claro que agradei, a festa de longe está incrível.

- Verdade, a festa tá boa - admiti - Já que me convidou para a sua festa, eu quero pessoalmente convida-lo para minha daqui a pouco menos de um mês.

- Convite aceito.

- Que bom que aceitou, tenho certeza que vai gostar da minha festa, afinal, eu sou veterana nesse assunto, não sera a minha primeira festa. Bom, como essa aqui. Aí eu posso te dá umas dicas, porque é como dizem, o mito cria e os plagiadores copiam. Ai quem sabe você aprende a conseguir ser original  - disse sínica e sai de perto dele sem dá chance para ele me responder.

- Você arrasou Anna - disse Su Hee.

- Eu sei - me gabei - Mas temos que encontrar o Jimin, preciso falar com ele.

- Mas onde ele está?

- Não sei, mas vamos nos separar e nos encontrar aqui daqui a 20 minutos  - todas concordaram e foram cada uma para o lado.

A musica estava alta, eu mal podia escutar o as pessoas falando. Parei pra pensar onde poderia está o meu amigo, então passei a ir a lugares que eu sabia que talvez eu soubesse que ele estaria. Passei pelas fontes de chocolates e ele não estava lá, passei por onde as pessoas comiam e nem sinal dele. Passei por ultimo onde ficava as bebidas, e mais uma vez ele não estava lá. Irritada e frustada, eu peguei uma cerveja e passei a beber enquanto escorada na messa de bebidas. Olhei um pouco as pessoas se divertirem com suas bebidas caras na mão, dançarem freneticamente ou quase se engolirem nos beijo que davam. Ao longe, eu avistei o Park, comecei andar em um impulso até ele. Jimin estava andando com um cara que eu sabia que não conhecia, por que por mais que eu tenha uma péssima memoria para com nomes e rostos, eu ao menos tinha deja vús ao olhar os alunos da minha escola, e aquele cara, sem sombra de duvida eu não reconhecia ou sabia quem era. Ele era alto, mas não maior que o Jimin, magro, mas era bonito. Tinha cabelos castanhos azulado, acho, pois a luminosidade me impedia de ver direito. Eles tentavam andar sorrateiramente, pareciam estarem em meio a uma discussão.

Me apressei a andar mais rápido para pegar os dois, porém, Jimin e o carinha entraram em uma porta. Parece que ninguém notara suas presenças ali, apenas eu. Cheguei a porta e percebi está encostada, então, pela brecha da porta eu me abaixei para espiar o que eles faziam lá dentro. Meu queixo foi ao chão e voltou, arregalei meus olhos e quase cai pra trás. Jimin e o castanho, azulado, sei lá, estavam em uma conversa que digamos que eles estavam próximos demais. E o que mais me chocou, foi o cara misterioso que foi se aproximando cada vez mais do meu melhor amigo e este não fazer nada além de sorrir. Meus olhos estavam hipnotizados, sem ação. Eu e o ChimChim sempre contamos tudo um para o outro, mas vendo ele assim, acho que nem tudo foi dito da sua parte. O castanho/azulado olhava com descaramento para  Jimin mantendo os olhos fixos no dele, parecia uma vadia esfomeada. O mais alto aprofundou suas mãos medianas nos cabelos do castanho/azulado/puta que de relance olhou para porta. Seus olhos se arregalaram, então eu percebi, ele tinha me visto.

Dei um salto pra trás e quase cai no chão. Levantei rapidamente e passei a desbravar saídas por entre os corpos suados e dançantes na minha frente. E foi difícil arrumar uma saída, pois sempre tinha alguém me puxando para um lado ou me empurrando para outro. Encontrei a saída e pouco antes de sair olhei para trás e vi o Park me olhando de longe. Então, eu sair correndo da festa, tomei um táxi pra casa e me joguei na minha cama assim que cheguei. 

Era fato que alguém estava me devendo uma explicação seguida de uma confissão.

 

 

(...)

 

 

Na noite anterior, na minha cama, eu mal preguei os olhos, resultado: fiquei cheia de olheiras. Desci para tomar cafe e fui logo para a escola, sem Jiminie, que não veio me buscar.

Entrei na escola desanimada e bastante pensativa. Por que ele não me contou? Pera, sera que ele é g... G... , vocês sabem, mesmo?

Fui atacada por Su Hee e Minah assim que cheguei.

- Anna, onde você estava ontem a noite? - perguntou Minah.

- Ficamos te procurando a noite toda pra todo lado. - informou Su Hee.

- Desculpa gente - falei baixo mais audível - Eu fiquei meio mal e resolvi ir pra casa - menti, na verdade, não totalmente.

O semblante das minhas amigas mudaram de irritado para um preocupado.

- E você tá melhor? - indagou preocupada a minha amiga Su Hee.

- Acho que sim.

Passei o dia tentando encontrar o Park, todos diziam que ele havia ido para a escola, mas por mais que eu andasse de um lado para outro a sua procura, eu não achava-o de jeito algum. No fim do dia, fui até o estacionamento e não encontrei o seu carro preto. Fiquei com a cara de tacho e decepcionada.

Uma garota que eu só conhecia de vista veio até mim, meio acanhada, acho que queria alguma coisa.

- Oi Anna-ah, eu sou Man Hana.

- Oi, Hana.

- Eu queria... ahn... Pedir um favor - ela estava acanhada. 

- Favor? E qual seria ele?

- Como você é amiga do Park Jimin, eu queria... Anmhn... Quem sabe, você... Hm... - se enrolou nas palavras.

- Você? - incentivei a garota a continuar.

- Se você não poderia me ajudar com e-ele.

- Você gosta dele?

- S-sim.

- Verei o que posso fazer.

- Obrigada - ela abriu um grande sorriso e saiu saltitando, literalmente, até um carro que a conduziu para longe da escola.

Bom, como melhor amiga do Park, eu sempre o ajudei pegar garotas, embora ele não precisasse. Mas eu era uma especie de portão de acesso ao mesmo, ou seja, quando alguém - meninas - desejavam ficar com o meu amigo, eu meio que dava um empurrãozinho e fazia as coisas acontecerem. Contudo, agora meu portão tá quebrado, ninguém entra ninguém sai, por isso a Man Hana escolheu um péssimo momento para tentar ficar com o Jimin.

Os dias se passaram e a cada dia eu não encontrava o Jimin, embora eu soubesse que ele vinha sempre. Eu tentava pega-lo no treino, mas ele fugia, nas aulas que tínhamos juntos, porém ele arrumava uma doença ou uma dor pra não ficar na aula, tentava pega-lo na saída, mas seu carro não estava mais lá por que ele saia primeiro que eu. Me evitar tornou-se seu hobby.

Cansada desse jogo de gato e rato que o Mais alto insistia em acontecer entre mim e ele, tomei uma decisão. E sinceramente, isso estava me cansando.

Depois das aulas eu fui pra casa do Jimin, e esperei ele atrás um arbusto - nada elegante da minha parte mas eu fiz -. Quando ele chegou, eu fui até ele e o prensei na porta da sua casa. Foi até um pouco cômico já que sou baixinha.

- Oi, Park Jimin - peguei ele pela gola - Acho que temos que conversar.

- Anna, quer parar de me amaçar?!

- Olha aqui, nós vamos conversar agora mesmo!! Então eu não vou te soltar até que tudo se esclareça - encarei ele com seriedade.

- Tá bom, vem, vamos entrar.

Soltei ele e nós entramos juntos e fomos para os sofas, onde sentamos um do lado do outro.

- Sua mãe já viajou? - perguntei.

- Sim.

- E quando ela volta?

- Ela volta daqui a uma semana junto ao papai.

Ficanos os dois em silêncio. Antes eu tinha tanta coisa pra falar, mas do nada minha cabeça deu um branco e eu mal soube o que falar ou fazer.

- Acho que você tem alguma coisa pra mim contar... - comecei simplesmente.

Ele suspirou e pós os cotovelos nos joelhos, espalmando a mão rosto para esconder a sua vergonha, mas logo foi para seus cabelos onde passou as mãos com possessão e nervosismo.

- Eu não sei o que te falar...

- Sabe o que eu não entendo Jimin, eu que deveria esta com raiva do que eu vi e você que me evita? Jay, você sabe o quanto eu te procurei e seguir?

- Desculpa...

- Desculpa? E é só isso? Eu quero uma explicação! Eu achei que não tinhamos segredos entre a gente - quase gritei e Jimin me olhou de abatido.

- O que você viu? - perguntou nervoso.

- Você e um loiro, azulado, moreno, enfim... Bom, vocês entraram em uma porta e ... - corei só de lembrar e ele riu fraco da minha reação.

- Hum... 

- Não vai me dá uma explicação? - repliquei. 

- Desculpa Anna, mas eu não posso pensar em outra forma pra te explicar o que você viu...

- Que forma?

Ele me olhou nos olhos e falou:

- Anna, eu acho que sou gay!

 

 


Notas Finais


O utensílio usado na Coreia tem o nome de Sujeo*, que é a junção das palavras sutgarak (숟가락, "colher") e jeotgarak (젓가락, "pauzinhos").

.....

GENTE, NÃO SE DESESPEREM COM ESSA REVELAÇÃO, FIQUEM CALMOS UIHT6TU5IYU
SÓ NÃO PERCAM A FÉ NO NOSSO CHIMCHIM QUE TUDO VAI SE RESOLVER KKKKK
É ISSO E ATE LOVES ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...